Translate

Mostrando postagens com marcador Musk. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Musk. Mostrar todas as postagens

02 agosto 2022

Twitter e Musk

 O gráfico da Statista conta a história recente do processo de aquisição do Twitter por parte de Elon Musk

Desde que o principal acionista da Tesla anunciou que pretendia comprar e fechar o capital do Twitter, as ações da Tesla e do Twitter sofreram variações com as notícias. Quando o bilionário fez uma pausa na aquisição, as ações caíram. Isto foi em maio. A aprovação do processo não fez recuperar o preço. 

Sobre este assunto, recomendo fortemente o artigo de Matt Levine que tem um subtítulo bem interessante: Musk perdeu o interesse em fingir comprar o Twitter. O texto é bem longo e Levine destrói os argumentos de Musk. 

18 fevereiro 2022

Musk vs SEC

 

Em 2018 o empresário Elon Musk divulgou, via twitter, que haveria um interessado em comprar as ações que estavam sendo negociadas no mercado por um valor de $420. A mensagem de Musk gerou um problema com a SEC, a entidade que regula o mercado de capitais dos Estados Unidos. Uma informação como esta deve ser comunicada através de um conjunto de procedimentos, que não foi respeitado pelo empresário. A história completa desta mensagem pode ser lida aqui no blog

A investigação conduzida pela SEC terminou em um acordo, cujo conteúdo integral não foi revelado. Sabe-se, no entanto, que o empresário sairia do comando da Tesla, pagaria uma multa e teria uma espécie de tutor para verificar o que seria postado pelo empresário.

Em janeiro deste ano a Tesla solicitou ao escritório de advocacia Cooley LLP que demitisse um advogado que tinha trabalhado na SEC no caso do twitter. Como o escritório não cedeu, a Tesla e a SpaceX pararam de trabalhar com a Cooley.

Agora um novo capítulo. Musk está acusando a SEC por conta do processo de 2018. Uma das acusações é que a SEC não teria aplicado a multa recebida. Musk afirma que está sendo perseguido por ser um crítico do governo e sua liberdade de expressão está sendo tolhida.

O empresário é bastante polêmico. Ontem ele postou uma crítica ao governo canadense e suas medidas de reprimir os protestos dos motoristas de caminhão; o problema é que a mensagem comparava o primeiro-ministro do Canadá com os nazistas

Imagem aqui

(Mais ainda sobre Musk: ele revelou que fez doação de ações que detinha na Tesla no final do ano passado. Não se sabe para quem foi a doação, mas especula-se que o ato de generosidade do empresário tem relação com o pagamento de impostos em razão do exercício de opções, sendo um gesto com interesses no planejamento tributário. A conferir)

27 outubro 2021

Confiança, Marketing ou Mentira

Quando é muito difícil definir um executivo: confiante, marqueteiro ou mentiroso? O texto procura uma resposta:


(...) Mais especificamente, Baron pressionou Musk a respeito de seu grande plano para um “telhado solar”: um telhado para casas que seria feito de painéis solares. Ele revelou a ideia em 2016, em parte para justificar o acordo com a SolarCity, e em determinado momento afirmou que estaria pronto para implantação generalizada no ano seguinte – uma afirmação ousada para o que, na época, era um conceito nada funcional. Cinco anos depois, o telhado ainda não está em produção em massa, embora Musk não tenha desistido.

“Tenho o hábito de ser otimista com os cronogramas”, disse Musk. “Se eu não fosse otimista, não acho que teria fundado uma empresa de carros elétricos ou de foguetes”.

Baron não estava comprando a ideia. “É mais do que otimista”, disse ele sobre os prazos do telhado solar. “É simplesmente mentira”.

Então Musk é otimista ou mentiroso? A verdade pode ser um pouco de cada coisa: seja sua previsão de um telhado solar em 2017, um Tesla totalmente autônomo em 2018 ou um milhão de robô-táxis nas ruas em 2020, Musk muitas vezes falha em cumprir o prometido. E, no entanto, é essa mesma ambição ultrajante que levou suas empresas a realizações que poucos pensavam possíveis, desde liderar uma revolução elétrica na indústria automotiva até o pioneirismo na exploração comercial do espaço.

Da mesma forma, as travessuras e os tuítes bizarros de Musk – desde se coroar “Rei da Tecnologia” da Tesla num processo federal até vender lança-chamas, fumar maconha no podcast de Joe Rogan e batizar seu filho X Æ A-12 – podem ser vistos de duas maneiras. Um ponto de vista é que ele é um idiota imaturo, mimado e sem autocontrole. O outro, que o próprio Musk sugeriu no tribunal esta semana, é que ele é um marqueteiro e showman inventivo.

(...) Mas não há como negar que ele teve sucesso em transformar a Tesla num nome famoso em todo o mundo sem fazer um único comercial de carro. Mais uma vez, as duas coisas podem ser verdadeiras: Musk é um tagarela imprudente e ególatra, mas também um mestre da mídia.

Elon Musk é um gênio do marketing ou um narcisista? - Por Will Oremus - The Washington Post

13 março 2021

Musk e a rede social

No passado, o executivo Elon Musk disparou algumas mensagens no Twitter que provocaram uma reação do regulador do mercado de capitais dos Estados Unidos. A SEC fez um acordo com Musk, que deveria ser mais contido nas suas mensagens.

Na semana passada, um investidor entrou com queixa contra Musk e o conselho da empresa para assegurar o cumprimento do acordo. Conforme a queixa, Musk fez várias postagens no Twitter que provocaram uma alteração no preço da ação da empresa. No dia 1o. de maio de 2020, Musk escreveu uma mensagem dizendo que o preço da ação esta alto demais. Isto provocou uma queda de 13 bilhões no valor de mercado da empresa. 

O processo mostra como mensagens de executivos em rede social pode ter uma relevância cada vez maior; isto tem influência sobre o trabalho do setor responsável pela divulgação de divulgação de informação ao mercado. O caso de Musk mostra que isto nem sempre funciona. No caso dele, seu grande número de seguidores e o fato de ser um executivo sinônimo da empresa potencializa o efeito de uma mensagem em rede social. 



05 janeiro 2019

Informação importante

Quando uma empresa deve fazer um comunicado importante ao mercado? Esta é uma dúvida importante. Apesar das empresas divulgarem informações trimestrais, muitos fatos ocorrem entre a data de divulgação de um trimestre em relação ao outro. Nestas situações, a empresa deveria usar um comunicado oficial ao mercado para divulgar informação importante.

Entretanto, muitas informações terminam sendo divulgadas de foram inadequada. Este parece ter sido o cado da Tesla. Ninguém tinha uma real imagem da empresa até que o seu executivo, Elon Musk, concedeu uma entrevista para um site e afirmou que a empresa estava “a pouca semana do caos”.

Esta realmente é uma informação importante.

Será que esse tipo de dúvida séria quanto à manutenção da Tesla como empresa em atividade não deveria ter sido divulgada por Musk e pela empresa antes do momento de crise, em vez de ser revelada depois? Musk não tem o dever de divulgar essas informações?

(...) “Você não tem a obrigação de divulgar acontecimentos relevantes diariamente”, diz John Coffee, diretor do Centro de Governança Corporativa da Faculdade de Direito de Columbia. “O silêncio não é passível de medidas judiciais, a menos que exista um dever de divulgar.”

Mas quando esse dever surge? De acordo com Tom Elder, sócio da gigante contábil BDO, caso o auditor e a administração de uma empresa tenham “sérias dúvidas” de que ela conseguirá se manter nos próximos 12 meses como “empresa em atividade”, eles têm o dever de divulgar isso aos acionistas. Mas esse dever está sujeito a um cronograma muito particular. Só importa a opinião deles no dia em que os dados financeiros são publicados. Uma crise que ameace a existência da empresa pode surgir e ser resolvida entre períodos de apresentação de demonstrações financeiras e permanecer em segredo. Elder explica: “Se a coisa estoura no segundo mês, mas no final do trimestre você fez um acordo que salvou os números, então a divulgação não é necessária”.

Continue lendo aqui

30 setembro 2018

Acordo: Tesla

Neste sábado, a SEC, supervisora do maior mercado de capitais do mundo, anunciou um acordo com o empresário Musk, da Tesla. O acordo inclui a nomeação de um presidente independente (e a saída de Musk do cargo, embora ele continue como CEO), uma multa de 20 milhões de dólares, e nomeação de dois membros independentes.

A punição do empresário decorreu do uso do Twitter para divulgar informações importantes sobre a empresa, incluindo projeções financeiras, sem que estas informações tenham sido divulgadas nos arquivos da Tesla, conforme a legislação dos Estados Unidos. Além disto, Musk não admitirá nem negará as alegações.

Uma parte dos analistas consideraram o acordo bom para a empresa e para os acionistas. Afinal, a Tesla está muito associada ao empresário e o mercado considera que a saída de Musk poderia abalar a viabilidade da empresa. Musk conseguiu fazer uma empresa minúscula, que produz carros elétricos, painéis solares e baterias, na maior empresa dos EUA em valor de mercado.

Além disto, o acordo significa a resolução de um potencial litígio de longo prazo, que prejudicaria a empresa.

A Reuters destacou que o acordo é fruto de uma mudança de de filosofia da SEC, que busca agora penalizar mais das pessoas e menos as entidades. Esta mudança é fruto da crise de 2008, quando executivos mantiveram seus salários e postos, da pressão política dos dois principais partidos dos Estados Unidos, que apoiam esta conduta, e da visão do presidente da SEC nomeado em 2017 por Trump, Jay Clayton.

O problema é que

perseguir indivíduos continua sendo uma estratégia legal arriscada para a SEC. Com mais a perder, incluindo grandes dispêndios, multas e proibições ao longo da vida, os executivos são mais propensos a lutar no tribunal, sugando os recursos da SEC.

A Bloomberg assumiu uma postura mais cínica: Musk venceu, a SEC ficou cega e a Tesla perdeu. Segundo a Bloomberg, diante da força da denúncia - afinal Musk produziu provas digitais contra si - o acordo é uma grande vitória do empresário. Ele vai pagar uma multa que é muito pequena diante da sua fortuna, vai continuar mandando na empresa e evitou maiores penalidades.

28 setembro 2018

SEC quer punir Musk

No mês de agosto, o empresário Musk causou reboliço na bolsa de valores ao anunciar que iria fechar o capital da sua empresa de automóveis elétricos, a Tesla. O anúncio foi feito através de uma postagem no Twitter onde o empresário anunciou até o valor de compra da ação: 420 dólares.

Depois disto, alguns executivos sairam da empresa e Musk até anunciou que não iria mais fechar o capital da empresa. Uma possível razão: o preço excessivo da ação.

Agora a SEC acusa o executivo de fraude por conta dos tweets “falsos e enganosos”. Ele não teria discutido com ninguém a possibilidade de fechar o capital Afinal, tweetar alguma coisa na rede não significa que você não tenha que respeitar as regras gerais de anúncio de uma informação (evidenciação) de uma empresa. Isto inclui falar a verdade. A SEC acha que Musk mentiu e deve responder por isto. Além de uma possível punição financeira, a SEC pode forçar a saída de Musk da empresa, mesmo que a Tesla seja Musk

28 agosto 2018

Musk

Na história toda sobre Elon Musk (aqui e aqui) e a Tesla, cogitou-se a saída do executivo da empresa. Entretanto, isto seria inviável já que...

“Você investiria em Tesla sem Elon Musk? Não faz sentido.

Se Musk se for, os investidores + torcedores abandonariam as ações. Eles estão investindo em um sonho e em um semideus, e não em uma empresa real com modelo de negócio sustentável. Desse ponto de vista, não faz sentido demitir Musk, não importa o que aconteça. Se a realidade fosse autorizada a assumir o controle da empresa, as ações da Tesla entrariam em colapso sem cerimônia, e a empresa iria à falência (...)


Em linguagem contábil, o principal ativo da empresa é Musk.

26 agosto 2018

Tesla, twitter e divulgação de fato relevante 2

Com respeito ao anúncio feito por Elon Musk, na sexta, o presidente da Tesla anunciou que não irá fechar o capital da empresa tendo por base o feedback dos acionistas, o que inclui investidores institucionais.

O comunicado surgiu dias depois de um polêmico tweet onde Musk informava que poderia comprar ações da empresa por 420 dólares. A empresa de carros elétricos está tendo prejuízos em diversos exercícios e tem dificuldade em aumentar a sua produção. A mensagem é cercada de polêmica, inclusive sobre seu significado e como foi redigida. E considerando a forma como foi divulgado, Musk e a Tesla estão enfrentando ações da SEC e de investidores.

Se no início de agosto Musk afirmou que haveria interesse de determinados investidores em alocar recursos na empresa, permitindo o fechamento do capital, agora ele afirma que isto não é tão seguro quanto parecia. Também há duras críticas a governança da empresa. Musk tem prometido lucratividade e fluxo de caixa positivo para os próximos meses.

Talvez o principal motivo para o recuo seja a dificuldade em comprar uma ação a 420 dólares enquanto o mercado está negociando por um preço muito inferior. Provavelmente Musk não achou ninguém que aceitasse a aposta de fechar o capital da empresa por um valor tão elevado.

17 agosto 2018

Tesla, Twitter e a divulgação de fato relevante

O empresário Elon Musk é conhecido pelo seu carisma e pela capacidade de fazer coisas “impossíveis”. Por este motivo, tem sido acompanhado de perto por aqueles que gostam de estudar o papel da liderança nas organizações. Musk pretende levar o homem no espaço, através da Space X (aqui, aqui e aqui, três postagens do blog sobre custos e a empresa), e que tornar o carro elétrico uma realidade, com a Tesla, uma empresa que produz pouco, mas tem um elevado valor de mercado.

No início de agosto, Musk colocou uma mensagem no Twitter dizendo que tinha planos de fechar o capital da empresa Tesla. E que estava disposto a pagar 420 dólares por ação para esta operação. O resultado disto foi que a SEC, o regulador do mercado de capitais dos Estados Unidos, começou a investigar os executivos da empresa.

Um aspecto que não passou desapercebido é que o preço, de 420 tem uma imediata associação com “4/20” que, nos Estados Unidos, refere-se a consumir cannabis. Musk negou que estivesse fumando maconha quando colocou a mensagem no Twitter. Segundo ele, estava dirigindo um Tesla Model S, o que também não é permitido pelas leis de trânsito.

Antes disto, em uma conferência sobre os resultados da empresa, Musk se irritou com os analistas. Há uma grande pressão para que a empresa aumente a produção do automóvel. E está enfrentando ações trabalhistas, que inclui espionagem aos funcionários da empresa e existência de tráfico de drogas em uma unidade da empresa.

Na mensagem redigida no Twitter em 7 de agosto, Musk fala em “financiamento garantido” (imagem) para assegurar a possibilidade de fechar o capital da empresa. Dias depois, Musk detalhou um pouco mais o plano de financiamento para a empresa, no blog da Tesla. Musk deveria ter informado o regulador deste plano e com detalhes precisos, violando as regras de divulgação.

Há um depoimento, da rapper Azealia Banks bastante comprometedor. Banks foi convidada por Grimes, uma musicista e namorada de Musk, para passar alguns dias na mansão do empresário, para uma parceria musical. Banks disse que Elon começou a twittar mensagens malucas depois de uma experiência de três dias consumindo um certo produto. Incluindo a famosa mensagem.

Com respeito a avaliação, anteriormente Damodaran tinha avaliado a Tesla abaixo de 200 dólares a ação. Entretanto, Brad Cornell discordou da análise de Damodaran, mas seu resultado ainda é bem menor que os 420 dólares (ou 4/20) proposto por Musk. A análise de Cornell é bastante interessante, pois mostra como as mensagens de Musk alteraram o preço da ação da empresa. No dia 1 de agosto, a ação da empresa valia cerca de 300 dólares. Logo após o anúncio de resultados, o valor da Tesla aumentou para 8 bilhões de dólares ou 350 dólares. Após o twitter de 7 de agosto, o preço alcançou a 380 dólares. A mensagem provocou um rebuliço no mercado, provocando a interrupção da negociação. O mais importante é que Cornell usa o fluxo de caixa descontado, de maneira reversa, para mostrar que o valor de 420 dólares é inviável.

Além dos problemas com a SEC, com o Twitter e com os analistas, Musk parece estar enfrentando problemas de relacionamento com seus subordinados. Segundo a neurocientista Tania Singer, Musk estaria com o paradoxo do poder. O poder, segundo Singer, mudar o cérebro da pessoa, reduzindo a sua capacidade de espelhar emoções. A pessoa perde a capacidade de entender o que faz uma pessoa funcionar. Alguns depoimentos de ex-funcionários parece confirmar isto. O certo é que Musk está com um comportamento estranho.

13 maio 2018

Space X - Parte 2

Recentemente postamos como a questão dos custos pode influenciar substancialmente a SpaceX.

A SpaceX é uma empresa de transporte espacial, fundada por Elon Musk. Um dos objetivos é a colonização de Marte. Mas enquanto isto, a empresa está desenvolvendo foguetes para colocar cargas na órbita terrestre, incluindo satélites.

As conquistas da SpaceX incluem o primeiro foguete de combustível líquido com financiamento privado a chegar à órbita da Terra (Falcon 1 em 2008); a primeira empresa com financiamento privado a lançar, orbitar e recuperar uma nave espacial (Dragon em 2010); a primeira empresa privada a enviar uma nave espacial para a Estação Espacial Internacional (EEI) (Dragon em 2012); o primeiro pouso propulsivo de um foguete orbital (Falcon 9 em 2015); e a primeira reutilização de um foguete orbital (Falcon 9 em 2017).

A agência espacial dos Estados Unidos tem interesse em usar, futuramente, os foguetes da empresa para levar astronautas. Na postagem comentamos que um dos focos da empresa é a redução dos custos, através da reutilização dos foguetes e seus componentes. Mas o futuro da empresa pode depender de outros aspectos. O foguete Falcon 9 é bastante eficiente em termos de força/impulso. Isto significa que cargas mais pesadas podem ser transportadas. Em outras palavras, mais receitas. E também pode ajudar a reduzir o custo total. Ou redução do preço, permitindo o acesso de novos clientes.

Além disto, parece que há uma melhoria na probabilidade de pouso; isto significa maior reutilização dos componentes. Algumas peças poderão ser reutilizadas de 10 a 100 vezes. Outro aspecto interessante: um foguete pode levar semanas, em lugar de meses, para ser usado. Isto se deve ao material usado na construção dos foguetes e ao trabalho necessário para preparar para um nova missão.

08 maio 2018

Redução de custo pode ser o segredo da Space X

As viagens espaciais passam pelo controle de custo. Eis como o controle de custo (associado ao desenvolvimento tecnológico) pode melhorar a rentabilidade destas viagens:

O principal objetivo de Elon Musk com a SpaceX (foto) é tornar as viagens espaciais muito mais comuns e acessíveis, reduzindo o custo (...). Uma grande parte da redução do custo é a construção de naves espaciais com peças reutilizáveis, e o foguete Block 5 Falcon 9 poderá voar pelo menos 10 vezes - e talvez até mais. Embora tenha havido algumas naves espaciais reutilizáveis no passado, nós realmente não vimos uma nave como a Block 5 Falcon 9, que pode permitir que uma peça de equipamento tão cara tenha muito uso.

Além de adicionar uma quantidade significativa de reutilização ao Block 5 Falcon 9, também veremos uma enorme redução no tempo (...) permitindo que os vôos ocorram dentro de poucas semanas um do outro, em vez de meses entre.

O impacto será sobre a rentabilidade das viagens:

Com um foguete reutilizável que poderia potencialmente ser usado até 10 vezes, faz sentido que a SpaceX tenha um novo fluxo de oportunidades de lucro - transformando o que antes era um investimento caro no futuro da tecnologia espacial em um empreendimento lucrativo

04 maio 2018

Sinceridade

O desempenho negativo na bolsa de valores Nasdaq é um reflexo do "climão" durante a conferência de resultados da companhia, realizada ontem após a divulgação do balanço. Na ocasião, o fundador e presidente executivo da Tesla, Elon Musk, preferiu não responder perguntas de analistas sobre a expectativa de lucro da empresa para o Model 3, novo carro da companhia. Além disso, Musk chegou a dizer que algumas das perguntas eram "chatas".

O resultado foi que a empresa perdeu quase 3 bilhões de dólares de valor de mercado. As perguntas estavam relacionados com a capacidade de sobrevivência da empresa, diante o desempenho ruim.