Translate

28 outubro 2020

Falha do Sistema

 Uma postagem da Polyana, que estava guardada há meses, sobre falhas do sistema, é bem educativa:

Falhas em sistemas (e registros) contábeis infelizmente são mais comuns do que pensamos. 

Em 2016, a CEF de um município paulista gerou avisos de cobranças indevidas a servidores municipais, admitindo um erro em seus sistemas computacionais. 

Em 2017, o TCE-PR multou o ex-prefeito de Londrina por falha em registro contábil nas contas de 2014. 

No início de 2019, uma falha nos sistemas da STN fez com que o salário dos servidores federais ficasse temporariamente indisponível. 

Mais recentemente (ontem, 29/out/19), um hacker invadiu o sistema contábil da prefeitura de um município de SP, causando atraso no pagamento dos servidores municipais. Aqui cabem muitas discussões, desde programação, inteligência artificial, aprendizado de máquina, profissionalização dos programadores, dos contadores, segurança de sistemas, auditoria governamental, etc. 

E onde a contabilidade entra nessa discussão? Se você não aprendeu a programar, ou pelo menos a entender os relatórios que os sistemas entregam, como vai saber se está certo ou errado o que você entrega aos seus clientes? Não podemos esquecer que a Contabilidade vem, cada vez mais, se adaptando a novas tecnologias, e o contador que preferir ficar à margem destas disrupções, estará comprometendo sua profissionalização.

27 outubro 2020

Rir é o melhor remédio

 Afinal, qual a sua pesquisa?


Resenha: Sucesso e Sorte


Robert Frank é colunista do New York Times e professor da Cornell University. É também autor de bons livros, entre os quais destaco O naturalista da Economia (muito bom) e Microeconomia e Comportamento (idem). Neste livro, Frank defende o papel da sorte na vida das pessoas. As pessoas bem sucedidas tendem a minimizar o papel da sorte: o mérito é individual e o sucesso só foi possível graças ao trabalho árduo. Frank não discorda disto, mas entende que pequenos eventos podem ser decisivos neste sucesso. 

Eis um exemplo pessoal: quando era estudante, era obrigado a fazer um estágio. Minha universidade indicou um órgão público que precisava de estagiário. Com a documentação, cheguei ao órgão. A funcionário no entanto disse que havia um engano, que eles não estavam precisando de estagiário. Mas havia uma unidade deste órgão público que sempre contratava estagiário. Terminei fazendo estágio em uma divisão de estatística, onde aprendi valiosas lições e conheci o meu futuro orientador de mestrado e doutorado, o professor Assaf Neto. Tudo começou com um engano. 

Gosto muito da premissa de Frank para este assunto. Muitas coisas boas que vivenciei aconteceram graças a sorte, talvez menos ao mérito. O livro possui oito capítulos e tirando os apêndices isto está distribuído em menos de 150 páginas. Ou seja, é uma obra rápida e fácil de ler. 

Vale a pena? Reconhecer o papel do acaso é importante. Mas confesso que esperava mais de Frank, depois de ler O naturalista e consultar os vários capítulos do livro Microeconomia. Não que o livro seja ruim, mas poderia ser mais interessante. 

50 anos da Pós-graduação em contabilidade na USP


O Programa de Pós-Graduação em Controladoria e Contabilidade da FEA/USP foi criado em 13 de outubro de 1970, data da autorização de abertura do curso de Mestrado. Em 1978 foi criado o curso de doutorado, sendo o único doutorado no país até 2008.

Nos seus 50 anos de existência, o PPGCC/FEA/USP contribuiu decisivamente para o desenvolvimento das Ciências Contábeis no Brasil, formando quase mil mestres e doutores e criando e disseminando o conhecimento contábil. Seu pioneirismo e excelência são marcas que permanecem até hoje.

Os docentes, discentes, egressos e colaboradores do programa abriram caminhos, fomentaram o desenvolvimento de centros de pesquisa, difundiram conhecimento fundamental e avançado e influenciaram a prática contábil por todo o país.

A celebração dessa trajetória de liderança e pioneirismo, construída por tantas pessoas, se inicia agora e seguirá ao longo de 2021, com diferentes atividades e eventos sociais. Nosso primeiro encontro ocorrerá na Live 50 Anos do PPGCC/FEA/USP, no dia 11 de dezembro de 2020 às 16:00. Em breve enviaremos os detalhes deste evento da maior relevância. Reserve em sua agenda!

Gostaríamos também de contar com sua inestimável colaboração na construção de um site comemorativo, coração de nossa celebração. Pedimos que nos envie um depoimento sucinto, por vídeo ou por escrito. Se você é egresso(a) ou colaborador(a) do programa, por favor nos conte como o PPGCC influenciou sua trajetória acadêmica, profissional e/ou pessoal. Se você é membro da comunidade de partes interessadas (stakeholders) do programa, por favor compartilhe conosco sua visão sobre a importância do PPGCC/FEA/USP para a profissão contábil e para a sociedade.

Se optar pelo vídeo, sugerimos que tenha duração menor do que 5 minutos. Uma opção prática e fácil é fazer o upload do vídeo no Youtube e nos enviar o link. Estamos à disposição para ajudar na gravação caso precise: para isso, por favor entre em contato pelo email ppgcc@usp.br. Sugerimos que os depoimentos por escrito não ultrapassem dois parágrafos. Pedimos também que se identifique, informando nome, atividade profissional e relação com o programa (por exemplo, egresso(a) formado(a) no ano XYZ ou membro da comunidade de stakeholders do programa, incluindo contabilistas, acadêmicos e gestores do setor público e do setor privado).

Todos os depoimentos, dos mais sucintos aos mais detalhados, serão muito bem-vindos e muito importantes para nós. Também ficaremos felizes se quiser compartilhar fotos e documentos alusivos ao seu relacionamento com o programa. Marque sua presença na história do PPGCC/FEA/USP e das Ciências Contábeis do Brasil!

Por gentileza, envie seu depoimento, o link do seu vídeo e/ou outros materiais que queira compartilhar até o dia 1 de novembro de 2020 para o e-mail ppgcc@usp.br, com o assunto “50 anos do PPGCC”.

Comissão 50 Anos do PPGCC/FEA/USP

26 outubro 2020

Rir é o melhor remédio

 Como funciona o mercado...


Fonte: aqui

Live Dia dos Professores

 

Link aqui

Punindo o executivo, não a entidade


O Goldman Sachs admitiu ser culpado, pela primeira na sua história de 151 anos, pelo que aconteceu com sua subsidiária na Malásia, no escândalo do 1MDB. O Goldman foi uma das instituições que participou do gerenciamento inadequado do fundo soberano do país asiático. A multa deverá ser de mais de 5 bilhões de dólares. Este valor já tinha sido contabilizado no balanço do banco. 

O Goldman deverá recuperar 174 milhões dos salários que foram pagos para os executivos. Isto é algo bastante interessante. Na época do escândalo, os executivos Lloyd Blankfein (CEO), Gary Cohn (COO) e David Viniar (CFO) receberam remuneração de desempenho. O atual presidente, David Solomon, e outros executivos, também deverão devolver parte do salário recebido. 

“O ponto importante é que tirar dinheiro do bolso de um humano é mais eficaz do que tirar dinheiro da conta corrente de uma empresa”, afirmou Joseph Grundfest, professor de direito de Stanford e ex-S.E.C., para o New York Times. Além disto, se o pagamento é feito pela executivo, o acionista não seria punido. É bem verdade que o valor a ser pago é bem reduzido em relação a remuneração recebida pelos executivos. Um CEO deste nível recebe mais de 20 milhões por ano.

Julgamento é importante para a contabilidade


Uma regra deveria ser sempre simples e fácil de aplicar. Este seria o exemplo da regra que impõe um limite de velocidade em uma estrada ou que proíbe você de dar comida aos animais de um zoológico ou que determina que devo fazer o registro contábil de uma operação de venda. 

As regras devem possui outra característica: são gerais, não específicas. Apesar de ser claras, de fácil aplicação e generalizadas, há sempre algumas exceções para as situações apresentadas. Este é  o caso do limite de velocidade: uma ambulância deveria respeitar esta regra em uma situação de emergência? O bom senso nos diz que não. E o funcionário do zoológico também está proibido de alimentar os animais? E uma empresa que faz operações de venda de baixo valor deve fazer o lançamento contábil de cada uma delas? 

Na prática, as regras são redigidas de maneira geral, mas haverá situações onde existem exceções. É possível criar estas exceções nas regras. Assim, o limite de velocidade é válido para os automóveis, exceto as ambulâncias e autoridades policiais em situação de serviço. Ou, é proibido dar comida aos animais do zoológico, exceto se for um funcionário. Uma operação de venda deve ser registrada quando for materialmente importante. Mas ao começar a impor as exceções, as regras deixam de serem simples. Entre uma regra que diz que é “proibido trafegar acima da velocidade permitida, exceto se for uma ambulância ou autoridade policial” e outra que afirma “proibido trafegar acima da velocidade permitida”, a segunda é bem melhor. 

Mas como resolver as exceções? Uma forma é confiar no julgamento do individuo responsável pela aplicação. O guarda que está fiscalizando a velocidade dos automóveis deve julgar se aquela situação é pertinente ou não de aplicar a lei. Seu bom senso irá dizer que não faz sentido parar uma ambulância que está indo para um hospital com um paciente. Mas seu julgamento irá permitir que multe um automóvel comum que ultrapassou a velocidade, não importa o modelo do automóvel, o tipo físico do motorista ou a quantidade de passageiros. 

O termo importante é julgamento. Diante de uma regra existente, uma pessoa irá apreciar e decidir sobre uma situação. No caso da velocidade na estrada esta pessoa é o guarda de trânsito. Para o zoológico, um funcionário da administração do zoológico. Em na situação contábil, o profissional que irá fazer o registro. Deverá existir uma pessoa que vai decidir a aplicabilidade de uma regra. Isto ocorre em inúmeras situações diárias. 

Isto traz um problema na aplicação deste julgamento. Uma operação de venda de dois reais pode ser pouco material para uma pessoa, mas não para outra. É possível imaginar diversas situações onde seria necessário o julgamento. Mas cada situação tem suas particularidades. Mesmo quando uma regra é simples e clara, haverá situações onde sua aplicação exigirá julgamento. Um guarda de trânsito que não para uma ambulância que excedeu a velocidade em uma estrada está fazendo um julgamento. Mesmo que a regra diga que uma ambulância pode exceder a velocidade, este mesmo guarda pode parar a ambulância se perceber que existe algo de errado com o veículo.

O profissional contábil pode não registrar vendas de pequeno valor. Mas se perceber algo errado acontecendo, sua atenção pode ir além da materialidade. Mas este julgamento é realmente difícil. Envolve determinar quando aplicar a regra e verificar se é pertinente ou não.  Mesmo a mais direta e simples das regras exige este julgamento. A nossa sociedade impõe algumas camadas para aperfeiçoar este julgamento. Uma multa de trânsito por excesso de velocidade pode ser contestada. A expulsão de alguém do zoológico por ter alimentado os animais pode ser discutida com uma autoridade maior da entidade. O não registro da venda de baixo valor pode ser objeto de análise por parte auditor, dos conselhos da entidade e das entidades de fiscalização externas à empresa. A palavra do guarda de trânsito não será a última. 

O julgamento não significa ignorar uma regra, mas aplicar a regra em situações específicas e não previstas. Envolve bom senso. Muitas vezes somos orientados a seguir as regras já que isto seria socialmente desejável. Entretanto, seguir as regras, pura e simplesmente, pode não ser adequado. O contador que perceber algo errado com as vendas de baixo valor, pode argumentar usar em sua defesa as regras de materialidade. Mas ele deve abandonar a regra quando percebe que esta não é adequada para sua situação específica. Em suma, julgar é uma parte importante da aplicação da regra, mesmo que esta regra seja a mais simples e direta possível

Muitas das reflexões deste texto surgiram após a leitura do texto When to break a rule, Steven Nadler. Imagem aqui

25 outubro 2020

Rir é o melhor remédio

 


Webinar

 Para encerrar a série de Webinar do Congresso, na quinta teremos uma discussão sobre a crise:


Inscrições aqui

Vinheta do VI Congresso



Esta é a vinheta do Congresso de Contabilidade e Governança. Feito por Mariana Ferreira, usando a técnica do stop-motion. No caso, isto significa 12 quadros por segundos; em um filme normal, são 24 quadros por segundo, e esta redução no número de quadros faz o charme do stop-motion. Foi a mesma técnica usada no filme Fuga das Galinhas. Lembrando que cada quadro equivale a uma fotografia.

Para a vinheta acima, foi usado um celular comum (Galaxy, da Samsung) e um software de stop-motion. O filme foi realizado durante o período noturno, já que a luz do sol tende a influenciar no resultado final. 

Executivos são racionais?

 


Quando fazemos pesquisa sobre as finanças comportamentais nas empresas, uma das grandes dificuldades é a obtenção de informações. Uma saída típica é fazer estudos com estudantes e assumir que o comportamento dos estudantes será espelhado nos executivos das empresas. Há um corpo bem sólido de pesquisas que permite fazer esta suposição. Mesmo assim, muitos leitores duvidam disto. Afinal, os executivos são pessoas bem preparadas, que passaram por uma seleção e aprenderam com os erros. Em termos mais técnicos, os executivos seriam uma amostra não aleatória da população: são inteligentes e qualificados. 

Além disto, os executivos são monitorados pelos conselhos e as estruturas de governança das empresas, que impede erros comportamentais. Mesmo assim, as pesquisas mostram que os executivos não são 100% racionais

A nova onda de pesquisas sobre finanças corporativas comportamentais que começou a aparecer em meados dos anos 2000 alterou drasticamente essa linha de raciocínio. Um corpo de evidências convincentes documenta preconceitos sistemáticos e persistentes na tomada de decisão gerencial, incluindo excesso de confiança, pensamento dependente de referência e confiança em atalhos cognitivos, e revela que os traços de caráter e experiências passadas dos gerentes moldam suas decisões.

Este artigo revisa e analisa o crescente corpo de pesquisas em finanças corporativas comportamentais. A revisão é organizada de acordo com três fases distintas da carreira do CEO: nomeação, estar no comando e demissão. Cada fase do ciclo de vida da carreira do CEO está intimamente ligada a um dos três pilares do paradigma do gerente racional. A primeira seção (‘Seleção do CEO: Quem se torna um CEO?’) Discute o primeiro estágio do ciclo de vida da carreira do CEO, a nomeação inicial, e o vincula ao argumento de seleção: Por que os mecanismos de seleção não filtram candidatos tendenciosos? Por que eles podem até favorecer candidatos com certos preconceitos? A segunda seção (‘Decisões do CEO: Os preconceitos afetam as políticas corporativas?’) examina a tomada de decisão do CEO enquanto ele está no cargo e a vincula ao argumento de aprendizagem: Quais preconceitos sistemáticos os CEOs apresentam? O que pode impedir os CEOs de aprender com os erros do passado? A terceira seção (‘Sobrevivência do CEO: quando os CEOs são demitidos?’) discute a rotatividade do CEO e a vincula ao argumento da disciplina de mercado: Os conselhos e os mercados estão cientes dos preconceitos dos CEOs? Como os CEOs tendenciosos são incentivados? Quando os CEOs tendenciosos são substituídos? A seção final é a "Conclusão". Ao longo de todo o artigo, o artigo identifica caminhos promissores para pesquisas futuras e discute as implicações políticas e conselhos gerenciais.

BEHAVIORAL CORPORATE FINANCE: THE LIFE CYCLE OF A CEO CAREER. Marius Guenzel; Ulrike Malmendier. Working Paper 27635

Imagem aqui

24 outubro 2020

EY e os escândalos contábeis

This year, $2 billion is missing at a German fintech company, $300 million of sales has been found to be fabricated at a Chinese coffee chain and $5 billion in undisclosed debt has been uncovered at two related companies listed in the U.K. Together, the incidents cost shareholders of the companies roughly $30 billion.

All had been audited by Ernst & Young. Last year, EY also audited office-space company WeWork, which nearly collapsed after fumbling a planned initial public offering.

EY is one of the Big Four accounting firms, whose audits are meant to give investors confidence in companies’ figures. EY missed red flags or failed to aggressively pursue them at some of the companies ahead of their scandals, and for the most part it was outsiders who raised questions first, a review based on publicly available documents and interviews with people close to the events shows. Now, regulators are scrutinizing EY’s work.

The EY audit clients that faced financial issues were German payments processor Wirecard AG WDI 23.31% ; China’s Luckin Coffee Inc. LKNCY 3.62% ; hospital operator NMC Health PLC; and NMC sister company Finablr PLC, which owned the Travelex currency service.

[...]

Auditors’ fees are paid by companies being audited, an industry practice that, besides being widely seen as a conflict of interest, puts pressure on accounting firms to offer low-cost audits and limits the resources they can afford to devote to the task.

Large accounting firms in general have become increasingly reliant on other services such as consulting, tax and legal work, which require maintaining close relationships with client companies. EY is part of that industry trend. Its audit and related work provided almost half of revenue 10 years ago but now is down to 34%, roughly in the middle of the pack for the Big Four firms.


A spokeswoman for EY said auditing and related services remain the cornerstone of its business. Though it has diversified, “our commitment to audit has never wavered,” she said. EY has separate firms for each country, which follow the country’s audit rules and answer to its regulators.

Fonte: 

String of Firms That Imploded Have Something in Common: Ernst & Young Audited Them
WSJ 16/10/2020



23 outubro 2020

Resumos de pesquisas científicas em um único lugar


Há uma iniciativa de criar um local para centralizar o abstract de artigos acadêmicos no mundo. A agência responsável pelos identificadores de objetos digitais, o DOI, estaria centralizando o recebimento dos resumos. Através da Crossref seria possível ter acesso aos textos em uma linguagem compatível para o estudo por parte dos pesquisadores através de linguagem de máquina. Atualmente, 52 editoras já estão inscritas na iniciativa. 

Entretanto, algumas grandes editoras, como Springer Nature e Elsevier, não fazem parte da iniciativa. 

A iniciativa tem opositores. Alguns entendem que publicar os resumos não seja suficiente para que tenhamos uma publicação efetivamente aberta e ampla, que inclui todo o texto de um artigo. 

Rir é o melhor remédio

 Em tempos do Covid, é muito importante ter uma boa conexão de internet. Estes dois comerciais da Bell explora isto de forma divertida:




22 outubro 2020

Governo Digital


Uma pesquisa em alguns países buscou o governo digital. O resultado final:

A Coreia do Sul ficou em primeiro lugar entre 33 países no Índice de Governo Digital da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico, uma pesquisa que mede o nível e maturidade dos esforços de digitalização do governo.

São 33 países, especialmente da OECD, e o Brasil não entrou na pesquisa. Mas julgo que surpresa maior foi a seguinte:

Seguindo a Coreia do Sul entre os cinco primeiros estão Grã-Bretanha, Colômbia, Dinamarca e Japão.

Temos que aprender com a Colômbia, portanto. 

Crime do Colarinho Branco Compensa


A autora Jennifer Taub, do livro Big Dirty Money deu uma entrevista para o DealBook sobre os crimes do colarinho branco. Eis alguns trechos (traduzido via Translator):

Como a noção de “crime do colarinho branco” se desenvolveu?

O acadêmico da Universidade de Indiana, Edwin Sutherland, introduziu o termo em 1939, posteriormente refinando-o, em seu livro inovador de 1950, "White Collar Crime", que se concentrava em crimes cometidos por "uma pessoa de respeitabilidade e alto status social no curso de sua ocupação". A ênfase estava originalmente na posição social do infrator, mas desde então mudou para se concentrar no tipo de crime, agora incluindo crimes como evasão fiscal, fraude de investimento, suborno de funcionários públicos e lavagem de dinheiro.

O crime do colarinho branco não é punido como crimes caracterizados como violentos. Por quê?

Ótima pergunta. Ainda existe um equívoco de que o crime do colarinho branco não tem vítimas ou não é violento. E ainda podemos ver centenas de milhares de vítimas ao longo dos anos. Pensamos em “violência” como o uso direto de força física contra outra pessoa, causando ferimentos ou até a morte. Quando se trata de certos crimes do colarinho branco, em vez da força, usa-se a fraude e o resultado costuma ser o mesmo.

Considere os milhões que perderam suas casas para execução hipotecária após o colapso tóxico apoiado por hipotecas e a crise financeira relacionada de 2008. Ninguém brandiu uma arma e os expulsou de suas casas, mas a fraude e o engano não tiveram esse efeito?

Por que é mais difícil processar crimes de colarinho branco?

Este é um tópico fascinante, complexo e às vezes frustrante. A intenção é um elemento da maioria das ofensas, e os jurados são frequentemente instruídos a tirar inferências das evidências circunstanciais para descobrir o que o acusado sabia. Isso é muito mais complicado quando se lida com questões financeiras complexas do que crimes de rua.

Se o promotor mostra um vídeo de alguém correndo para fora de uma loja segurando uma televisão de tela plana e guardas de segurança atrás dele, não é tão difícil inferir a intenção. Mas é mais difícil entender o suficiente sobre fraude contábil ou enganar investidores para que os jurados se sintam confortáveis ​​ao determinar que um executivo sabia que os livros estavam falidos.

Qual é a lição para os leitores do DealBook - além de que “as pessoas muitas vezes conseguem se safar”?

Temo que, se eu responder a essa pergunta diretamente, estarei encorajando mais violações da lei e predação. Meu livro deixa claro que o sistema está quebrado e espero que haja uma repressão em breve.

Os leitores devem se lembrar que essa imunidade implícita para a classe alta nem sempre foi a norma. Depois da Enron e dos escândalos contábeis relacionados, executivos de alto escalão foram processados, condenados e enviados à prisão, ao contrário de hoje. Para a maioria dos líderes empresariais que são honestos e desejam fazer a coisa certa, eu os encorajaria a intensificar a conformidade, apesar do baixo nível de fiscalização hoje. A impunidade corporativa corrói a confiança do público nas instituições empresariais importantes de que precisamos para aproveitar a vida, prosperar e sobreviver.

Análise e avaliação das demonstrações contábeis no setor público

 O 3R Capacita está com um novo curso sobre análise e avaliação das demonstrações contábeis no setor público, com o professor Dr. Giovanni Pacelli. Mais informações: aqui.

Rir é o melhor remédio

 




Como nossa vida mudou com a Covid

21 outubro 2020

Jogando com suas regras


As corporações não são jogadores do jogo, jogando de acordo com regras estabelecidas por outros. Eles jogam o jogo de acordo com as regras que eles mesmos definem.

Fonte: Aqui

Isto faz lembrar a regulação contábil. As grandes empresas de auditoria jogam conforme as regras que foram estabelecidas pelas próprias empresas. Como isto ocorre? Através do financiamento as entidades de regulação (estas empresas financiam 1/3 do orçamento do Iasb, por exemplo) ou pela mão de obra, oriunda destas entidades (desde a década de oitenta os diretores de contabilidade da SEC são oriundos das grandes empresas e isto é somente um exemplo). 

(foto aqui)

Rir é o melhor remédio

 


20 outubro 2020

Máquinas de Vendas

Zachary Crockett, para Hustle, faz uma análise das máquinas de vendas. Este é um negócio que proliferou muito nos Estados Unidos, onde encontra-se 40% das máquinas no mundo. O fato de ser um tipo de empreendimento que requer pouco capital e traz flexibilidade para seu dono, atraiu a atenção durante a pandemia. Eis alguns dados interessantes:

Tipo de produto - vende-se uma grande variedade de produtos, como caranguejos vivos, caviar beluga, anéis de noivado, minhocas vivas, pílulas do dia seguinte, desinfetante, máscaras, entre outros itens. Cerca de 39% é venda de lanches e alimentos, 34% bebidas e 13% doces, sendo o restante para outros itens. 

Entre a atratividade do negócio, há o custo de inicialização reduzido (uma máquina decente mais estoque inicial por sair por US$2 mil), economia de escala, rotina passiva (o trabalho é reabastecer a máquina e pegar o dinheiro) e horário flexível. 

O grande segredo do negócio é a localização. E isto pode ser um problema também, já que os bons locais podem estar ocupados. Para conseguir um bom local, um dono de uma máquina pode pagar de 10% a 25% das receitas, segundo Crockett. Mas a margem pode ser alta. Veja a tabela a seguir:


Para cada item, tem-se o custo unitário, o preço de venda, o lucro (diferença entre o preço e o custo) e a margem (lucro sobre preço de venda). Uma água tem um custo de compra de 14 centavos e é vendida por 1 dólar. O ganho é de 86 centavos do dólar, uma margem de 86%. 

Diferenças do Fasb e o Iasb


Com o acordo firmado em Norwalk, esperava-se que as duas entidades mais relevantes na produção de normas contábeis, o Fasb e o Iasb, começasse um processo de harmonização. Ao longo dos anos seguintes, ambas as entidades promoveram a discussão e elaboração de algumas normas contábeis. Depois deste processo, ainda persistem diferenças. Mas a discussão gerou as seguintes normas:

Reconhecimento da receita = IFRS 15 e ASC 606;

Arrendamento: IFRS 16 e ASC 842;

Instrumentos financeiros: IFRS 9 e tópicos emitidos pelo Fasb, como 815-10 , 820-10 , 825-10 , 946-320 ; ASC 860;

Seguros: IFRS 17 e o ASC 944.

(Fonte: aqui)

Há uma grande diferença no que diz respeito ao cronograma. No Iasb, as normas já são obrigatórias, com exceção de seguros. O Fasb foi mais conservador no cronograma e ainda não implantou a maior parte das normas. 

O site citado anteriormente apresenta cinco grandes diferenças entre as duas normas:

# 1 Apresentação das demonstrações financeiras em geral

Formato das demonstrações financeiras

IFRS NÃO prescreve o formato uniforme de apresentação de seu balanço (demonstração da posição financeira), demonstração de resultados, demonstração de mudanças no patrimônio líquido, etc.

Em vez disso, cabe a VOCÊ elaborar o formato que melhor atenda à sua empresa, dependendo das transações e das atividades de uma empresa.

O US GAAP também não prescreve o formato - com uma exceção. Se uma empresa tiver ações negociadas na bolsa, ela deve seguir o formato de demonstrações financeiras prescrito pelo Regulamento SX .

Componentes das demonstrações financeiras

O IFRS prescreve 5 componentes das demonstrações financeiras, criando um conjunto completo: Uma demonstração da posição financeira; Uma declaração de lucros ou perdas e OCI; Uma declaração de mudanças no patrimônio líquido; Uma demonstração dos fluxos de caixa; e Notas às demonstrações financeiras.

O US GAAP basicamente exige o mesmo, com uma exceção: Você pode apresentar a demonstração das mudanças no patrimônio como uma declaração separada; OU nas notas às demonstrações financeiras.

Informação comparativa

Como todos sabemos, o IFRS exige a apresentação de informações comparativas do período de relatório anterior.

Portanto, você precisa apresentar duas demonstrações da posição financeira e outras demonstrações.

E, se você alterar a política contábil ou corrigir erros materiais, precisará até apresentar três demonstrações da posição financeira, incluindo aquela do início do período comparativo mais antigo.

Não está de acordo com o US GAAP.

Em geral, o US GAAP não exige a apresentação de informações comparativas, entretanto - as entidades públicas listadas em bolsa de valores devem seguir as regras da SEC e, sim, apresentam comparativos.

No entanto, o terceiro balanço não é exigido pelo US GAAP em nenhuma circunstância.

# 2 Valor Justo

O conceito de mensuração do valor justo se aplica tanto aos padrões IFRS quanto ao US GAAP, portanto, ambos os conjuntos de regras têm um padrão específico que trata dos valores justos:

O IFRS possui o IFRS 13 Fair Value Measurement ; e

US GAAP tem ASC 820 Fair Value Measurement .

Esses dois padrões são bastante semelhantes em seus princípios básicos de mensuração do valor justo (por exemplo, hierarquia de FV, dados observáveis, participantes do mercado, etc.).

Talvez uma diferença significativa seja que o US GAAP permite o uso do valor patrimonial líquido em vez do valor justo para alguns tipos de investimentos (por exemplo, algumas participações em fundos de private equity).

As diferenças residem mais nas regras de medição prescritas pelas outras normas.

Apenas alguns exemplos:

Mensuração de imobilizado (IAS 16) : Enquanto o IAS 16 permite o modelo de reavaliação (com reavaliação periódica do imobilizado ao seu valor justo), o US GAAP permite apenas o modelo de custo - sem reavaliações.

Mensuração de propriedade para investimento (IAS 40) : Isso fica ainda mais interessante, porque o US GAAP simplesmente não conhece o termo “propriedade para investimento”. De acordo com o US GAAP, você classifica o ativo como mantido para venda ou como imobilizado e aplica o modelo de custo até mesmo aos edifícios mantidos para fins de aluguel ou valorização do capital. Portanto, não há valores justos relacionados ao imobilizado de acordo com o US GAAP.

Ativos biológicos (IAS 41) : O IFRS aplica amplamente a mensuração do valor justo de ativos biológicos ao longo de sua vida, mas não o US GAAP. Basicamente, plantas e animais em crescimento para venda são mantidos como estoques e avaliados com base no custo. Além disso, animais de “produção” (por exemplo, vacas para leite) são medidos com base no custo e contabilizados como imobilizado de acordo com o US GAAP.

Como você pode ver, o IFRS apoia mais os valores justos do que o US GAAP.

# 3 Leasing

Como escrevi acima, a contabilidade do arrendamento é uma das principais áreas contábeis que passou por revisão nos últimos anos, tanto em IFRS quanto em US GAAP.

A nova norma de arrendamento IFRS 16 foi emitida em janeiro de 2016 e sua contraparte ASC 842 foi emitida 1 mês depois, em fevereiro de 2016. Ambas as normas foram alteradas posteriormente.

Então, esperaríamos a eliminação de quaisquer diferenças entre US GAAP e IFRS, certo?

Bem, não exatamente, porque surgiram novas diferenças.

Originalmente, comecei a listar essas diferenças aqui neste artigo, mas continuei e decidi publicar o artigo completo dedicado a locações US GAAP vs. IFRS.

Por enquanto, deixe-me listar brevemente alguns deles: 

Classificação das locações pelos locatários :

De acordo com o IFRS, os arrendatários NÃO classificam os arrendamentos.

De acordo com o US GAAP, os arrendatários classificam os arrendamentos como financeiros ou operacionais.

Contabilização de arrendamentos pelos arrendatários :

De acordo com o IFRS, os arrendatários contabilizam todos os arrendamentos da mesma forma (ativo de direito de uso, passivo de arrendamento), com 2 exceções: arrendamentos de curto prazo e arrendamentos de baixo valor.

De acordo com o US GAAP, inicialmente, os arrendatários contabilizam os arrendamentos operacionais e financeiros da mesma forma (ativo ROU, passivo de arrendamento). Posteriormente, a contabilização do passivo do arrendamento é a mesma para os dois tipos de arrendamento, mas há uma diferença na amortização do ativo ROU.

Isenções de classificação :

O IFRS oferece duas isenções: arrendamentos de baixo valor e arrendamentos de curto prazo;

O US GAAP tem apenas uma isenção: arrendamento de curto prazo. Não há isenção para locações de baixo valor.

Classificação das locações pelos locadores :

De acordo com o IFRS, os arrendadores classificam os arrendamentos como operacionais ou financeiros. Além disso, o IFRS diferencia entre locadores fabricantes ou negociantes e outros locadores.

O US GAAP classifica os arrendamentos como arrendamento operacional, arrendamento financeiro direto e arrendamento do tipo venda (os dois últimos são semelhantes aos arrendamentos financeiros em IFRS).

Os critérios de classificação são muito semelhantes, embora existam diferenças na sua avaliação.

Contabilização de arrendamentos operacionais por arrendadores : é muito semelhante em IFRS e US GAAP, com pequenas diferenças.

Contabilização de outros arrendamentos por arrendadores :

IFRS basicamente entre locadores fabricantes ou negociantes e outros locadores - a diferença é a contabilização do lucro da venda. No entanto, a mecânica da contabilidade para a parte financeira é a mesma (investimento líquido no arrendamento, alocação, veja mais aqui).

De acordo com o US GAAP, o arrendamento do tipo venda é muito semelhante ao arrendamento do locador fabricante ou distribuidor em IFRS. O arrendamento financeiro direto é semelhante a outro arrendamento financeiro em IFRS, mas há uma diferença no lucro na contabilização do início do arrendamento.

# 4 Instrumentos financeiros

Os instrumentos financeiros são uma área enorme tanto em IFRS quanto em US GAAP e, embora os esforços estejam aqui, os padrões diferem em muitos aspectos.

Além disso, enquanto o IFRS tem basicamente algumas normas sobre instrumentos financeiros, como o IAS 32, o IFRS 7 e o IFRS 9, o US GAAP tem uma quantidade maior de vários pronunciamentos e tópicos - o que torna a comparação ainda mais desafiadora.

Apenas duas escolhas principais para você ilustrar (não para ser abrangente - eu precisaria de três artigos para listar tudo):

Classificação de ativos financeiros:

O IFRS tem 3 categorias básicas de ativos financeiros (FVTPL, FVOCI, custo amortizado).

O US GAAP não possui essas categorias aplicáveis ​​a TODOS os ativos financeiros. Em vez disso, o US GAAP tem categorias de vários tipos de ativos financeiros, por exemplo, títulos de dívida são classificados em 3 categorias e até empréstimos e recebíveis e especificamente classificados em diferentes categorias.

Perda de crédito esperada:

O IFRS tem duas medições possíveis para perda de crédito esperada (ECL): ECL de 12 meses e ECL vitalício.

O US GAAP permite apenas uma base: ECL vitalício. E, há mais diferenças na aplicação das regras da ECL, incluindo ativos com redução ao valor recuperável no reconhecimento inicial, etc.

E, claro, as diferenças continuam e continuam, algumas delas são mais sérias, outras são pequenas.

Você pode ler um pouco mais sobre como comparar as regras IFRS e US GAAP relacionadas a instrumentos financeiros aqui.

# 5 Outras diferenças

Neste artigo, eu queria me concentrar especificamente no que há de novo à luz do desenvolvimento dos últimos anos, mas deixe-me lembrar algumas diferenças trazidas do passado:

Estoques: o US GAAP ainda permite o método LIFO, enquanto o IFRS não.

Ativos intangíveis desenvolvidos internamente: IFRS permite capitalizar despesas para ativos intangíveis desenvolvidos internamente se 6 critérios forem atendidos (lembre-se do PIRATA). Em oposição a isso, o US GAAP permite capitalizar despesas para desenvolvimento interno de software e custos de filmes cinematográficos sob critérios específicos, mas nada mais.

Perda por redução ao valor recuperável em ativos não financeiros: existem abordagens ligeiramente diferentes no cálculo da perda por redução ao valor recuperável (o US GAAP tem uma abordagem em duas etapas). Além disso, a alocação da perda por redução ao valor recuperável da UGC difere em relação ao ágio. O que é mais importante, o US GAAP proíbe a reversão da perda por redução ao valor recuperável (o IFRS permite).

Rir é o melhor remédio

 


19 outubro 2020

Estatísticas do 6o. CCGUnB


Este ano este blogueiro está acompanhando o processo de submissão, avaliação e escolha dos trabalhos submetidos no 6º. Congresso UnB de Contabilidade e Governança. A partir das informações dos artigos, a diretoria Técnico-Científica, composta por mim, a professora Mariana Guerra, além do presidente Sérgio Nazaré, conseguiu calcular algumas estatísticas interessantes. Este texto é um resumo de algumas destas estatísticas:

* Ao todo, foram submetidos 214 artigos. Mas como existia duplicidade (um artigo submetido mais de uma vez) e artigos que foram retirados, o número total de trabalhos foi de 207. Um bom número, tendo em vista o ano que estamos vivendo e a concorrência de outros eventos. 

Avaliação

* Deste número, 120 trabalhos foram aprovados, o que corresponde a um percentual de aprovação de 57,42%. Para cada trabalho submetido, o mesmo foi avaliado por pelo menos dois pesquisadores, no processo de revisão as cegas, ou seja, quem avaliava não sabia quem eram os autores do texto. Alguns trabalhos foram avaliados por mais de dois pesquisadores; isto ocorria quando havia divergência na opinião dos avaliadores. Ao todo, foram 497 avaliações, o que significa 2,38 pareceres por trabalho. 

* A base de avaliadores foi a mesma dos anos anteriores, com alguns acréscimos feitos pelos responsáveis de cada área. Das avaliações feitas, 60% dos pareceres foram emitidos por pesquisadores e 40% por pesquisadoras. 

* Foi avaliada a nota do avaliador homem versus o avaliador mulher. A média das notas foram 17,05 pontos (homens) e 17,86 pontos (mulheres). Um teste de diferença de média indicou um valor do p unicaudal de 0,082. Assim, pode ser que as notas das avaliadoras (mulheres) seja estatisticamente maior que dos avaliadores (homens), mas a diferença estaria no limite. 

Autores

* Nos trabalhos apresentados, tivemos 545 autores, sendo que alguns com mais de um trabalho submetido. Do total de artigos submetidos (207) somente 26 eram de autoria isolada. O interessante, neste caso, é que o percentual de aprovação foi menor do que a média: 38%

* Os trabalhos com dois ou três autores tiveram uma taxa de aprovação de 64% e 69%. Seria possível acreditar que mais um autor poderia aumentar ainda mais a percentagem de aprovação, mas isto não ocorreu: o percentual caiu para 47%. Ou seja, um artigo com muitos autores pode não ter uma taxa de sucesso tão grande. 

* A posição da autoria é um aspecto importante nos artigos. Geralmente os primeiros autores são aqueles que mais contribuíram com o artigo. Neste sentido, temos aqui um número interessante. Dos 545 autores totais, 45% dos autores são mulheres. Este percentual é maior quando a análise é somente para os artigos aprovados: 53% dos primeiros autores são mulheres (versus 50% dos artigos submetidos).

* Os demais números mostram que 44% do “segundo autor” são mulheres, com o percentual caindo para 38% como terceiro autor e 39% para o quarto autor. Como expressou a prof Mariana Guerra, os homens são “caroneiros” nos artigos femininos. 

Instituição de Origem

* Esta é uma análise interessante, mas que apresenta muitos problemas. Alguns autores só informaram a instituição do primeiro autor, o suficiente para fazer a inscrição dos trabalhos. Em outros casos, um profissional que está fazendo pós-graduação, informou como instituição, geralmente, o programa de pós. 

* Mesmo assim e usando os dados informados foi possível constatar que dos trabalhos submetidos 168 vieram de uma única instituição. Uma análise no percentual de aprovação mostra que isto não foi um fator relevante para o sucesso/insucesso do artigo. A taxa de aprovação dos artigos com autores de instituição diferentes foi de 62%, próxima a taxa média do congresso. 

Data de Submissão

* Os pesquisadores revelaram seres humanos. Nós tivemos que 144 artigos foram submetidos no último dia. É isto mesmo. No último dia, diante do número reduzido de submissões que tínhamos recebido, chegamos a discutir a prorrogação do prazo, algo que seria inédito no Congresso. Apostamos que a maioria deixaria para o último momento e isto realmente ocorreu.

* A aprovação dos trabalhos tardios foi de 56,25% que também é próxima da média. 

Explicando a remuneração de executivos

Uma das tendências dos mundo moderno é a existência de executivos que recebem elevados salários. Muitas vezes isto pode ser explicado pela habilidade do executivo em desenvolver projetos (Jobs, na Apple), pela capacidade de inovar (Musk, na Tesla e companhias) ou pelas sábias decisões (Buffett, na sua empresa de investimento). Em suma, pela capacidade administrativa. 

Mas alguns executivos recebem elevados salários mesmo cometendo muitas falhas. Aqui a lista é bem generosa. Uma possível explicação da elevada remuneração destes administradores é sua capacidade gerencial. Há, inclusive, um nome bem pomposo para isto: teoria do capital humano. Entretanto, há alguns autores que acreditam que a teoria do capital humano é um engodo e a melhor explicação seria a teoria da sinalização. Brian Caplan traz esta distinção de forma clara no seu livro sobre o Mito da Educação, que já comentamos aqui. 

Uma explicação alternativa é associar a remuneração do CEO com o tamanho da empresa. A prática tem demonstrado que maiores empresas pagam maiores salários. 


Enquanto Steve Easterbrook, CEO da McDonalds, recebe um boa remuneração, Jonathan Steinberg, que administrava uma empresa com 200 funcionários, recebia bem menos. Quanto maior a empresa, maior a remuneração relativa. 

A primeira pessoa a observar esta relação foi David Roberts, em 1956. Dois anos depois, Mincer desenvolveu uma teoria que o investimento em capital humano explica a diferença na remuneração. Como a teoria de Mincer era mais "bonita" de acreditar, seu trabalho prevaleceu sobre Roberts. Mas os dados empíricos, com aqueles mostrados no gráfico acima, são fortes para serem ignorados. O grande Herbert Simon propôs algo para explicar estes dados: o tamanho é uma variável importante na remuneração por conta da hierarquia:

As empresas, propôs Simon, são organizadas usando uma cadeia de comando hierárquica. O CEO comanda um punhado de subordinados. E esses subordinados, por sua vez, comandam seus próprios subordinados. Essa cadeia de comando cria uma estrutura piramidal, com muitas pessoas na base da hierarquia e poucas no topo.

Por si só, essa pirâmide não diz nada sobre renda. Mas com uma suposição simples, Simon fez uma previsão surpreendente. Se a receita crescer com a classificação hierárquica, a remuneração do CEO aumentará com o tamanho da empresa. Isso ocorre porque as empresas maiores têm mais posições hierárquicas. Portanto, o CEO de uma grande empresa tem uma posição superior - e, portanto, maior receita - do que o CEO de uma pequena empresa. Assim, a remuneração do CEO cresce com o tamanho da empresa.

Ou seja, a produtividade não afetava os salários dos executivos. Se fosse assim, o salário de Easterbrook deveria refletir sua capacidade. Mas este executivo provou ser uma fraude.

Falhas no controle interno do grupo Mateus

O Grupo Mateus, varejista alimentar responsável pela maior oferta pública inicial de ações do ano (IPO, da sigla em inglês), relatou em documento enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) que auditores identificaram “deficiências moderadas” nos controles internos da empresa.


São mencionados lançamentos “off book” (registros fora do livro contábil) e operações entre partes relacionadas com saldos relevantes já vencidos há longa data, mas sem a devida baixa, diz o texto.

A auditoria da rede, a Grant Thornton, identificou 21 falhas, e que são mencionadas pela rede varejista em anexo dos formulários de referência protocolados nos dias 5 e 9 de outubro. Há, no texto, recomendações dos auditores para reduzir esses riscos.

[...]

Fonte: aqui



Rir é o melhor remédio

 Um comercial da Haagen Dazs (sorvete). Quem nunca teve seu sorvete que estava na geladeira "compartilhado". Pensando nisto, a Haagen Dazs criou uma embalagem que na aparência é um saco de ervilhas, onde você guarda o pote de sorvete. 



18 outubro 2020

Igualdade ou Equidade?

 

Tratar as pessoas igualmente (primeira parte da figura) ou tratar as pessoas de forma desigual? Figura daqui

Frase


É por isso que costumo dizer que o negócio dos bancos centrais é como a pornografia: em essência, é apenas entretenimento e não tem nenhum efeito real.

(Eugene Fama, aqui, via Marginal Revolution)

Rir é o melhor remédio

Este é para sorrir! Uma primorosa apresentação da Orquestra Juvenil da Bahia (Youth Orchestra Of Bahia), com Tico Tico no Fubá, de Zequinha de Abreu, durante o concerto de encerramento da Turnê Europa 2018, na Philharmonie de Paris.

   

 E aquele momento belíssimo a partir do minuto 3:30? :)

17 outubro 2020

Saldo do escândalo PCAOB e KPMG


Há alguns anos, a KPMG contratou funcionários da entidade responsável pela fiscalização dos trabalhos de auditoria nos Estados Unidos. Na época, a KPMG estava com um problema sério de qualidade nos serviços executados. O problema é que os funcionários contratados levaram consigo algumas informações sigilosas sobre a fiscalização que iria ocorrer nos meses seguintes por parte do antigo empregador, a PCAOB.  

Depois do escândalo e a comprovação da atitude um pouco desonesta da Big Four, a justiça começou a julgar os responsáveis pelo caso. Eis um resumo das condenações até o presente momento:

David Britt - ex-sócio da KPMG, pegou seis meses de prisão domiciliar e será banido para Austrália. O juiz entendeu que Britt cometeu um crime grave, mas não teve ganho pessoal direto. Britt declarou culpado há um ano. Foi o único ex-executivo da KPMG que não foi para prisão.

Cynthia Holder - ex-funcionária do PCAOB e depois ex-diretora da KPMG. Foi condenada a oito meses de prisão em agosto de 2019. Declarou culpada. Cumpriu pena em uma prisão de segurança mínima, no Texas e foi libertada em junho de 2020. 

David Middendorf - ex-funcionário da KPMG, condenado a um ano e um dia de prisão. Está apelando da condenação. 

Thomas Whittle, ex-funcionário da KPMG, cooperou com as investigações e aguarda sentença

Brian Sweet, mesmo caso do anterior. Aguarda sentença. 

Jeffrey Wada - que entregou as informações para a KPMG, foi condenado a nove meses e está apelando da condenação.

Foto: aqui

Negócio do Grátis


A internet mudou substancialmente o funcionamento do mercado do conhecimento. Anteriormente, se uma pessoa desejasse um produto, ela tinha que comprar. Era o caso do mercado editorial, onde os livros eram vendidos em livrarias e estes comerciantes trabalhavam com uma marcação de 50%. Recentemente isto mudou, já que ficou cada vez mais barato reproduzir o conhecimento. Isto é um aspecto básico destacado nas obras de autores como Varian. 

Algumas empresas encontraram uma solução baseada na restrição. As empresas oferecem seus produtos, mas restringem o acesso pelo uso dos direitos de propriedade. Se você quiser uma versão com mais recursos de um curso do Duolingo é necessário comprar a assinatura premium; se deseja acesso a um texto do The New York Times, após a sua cota de leitura mensal, pague uma pequena assinatura. É bem verdade que algumas empresas continuam lucrando vendendo seus produtos: a Netflix convence o cliente a pagar um pouco mais de R$30, mas disponibiliza um grande número de filmes.

Blair Fix, em The Business of "Free", lembra de um outro tipo de negócio, que funciona na margem do sistema, com uma lógica invertida. Enquanto um jornal restringe o seu acesso ao conteúdo está apelando para o egoísmo, estas empresas funcionam baseadas no altruísmo. É o caso da Wikipedia. Você tem acesso livre a todo conteúdo da enciclopédia, mas eventualmente eles pedem uma ajuda para você. A fundação que mantém a Wikipedia apela para o altruísmo. Este também é o caso do Linux e do The Guardian (de certa forma).

Eis um trecho do texto de Fix:

De acordo com a economia neoclássica, meu comportamento é extremamente ingênuo. Passo centenas de horas fazendo pesquisas e depois distribuo meus resultados gratuitamente na internet. O que eu estou pensando?

Eu dou minha pesquisa porque acredito que o conhecimento deve ser gratuito. O conhecimento é o maior patrimônio de nossa espécie - a sabedoria acumulada por incontáveis ​​gerações. É uma farsa, na minha opinião, restringir o acesso a essa herança compartilhada.

Se o conhecimento é gratuito, como os pesquisadores ganham a vida? Uma maneira é confiar no poder do governo. Nesse modelo, o governo arrecada impostos (de forma coercitiva, se necessário) e usa essa receita para financiar pesquisas. O conhecimento resultante é então distribuído gratuitamente. É assim que funciona o sistema universitário público ... em princípio . Mas, na prática , a maioria das pesquisas com financiamento público é acessada por editores privados.

Esse acesso pago à pesquisa é uma espécie de tragédia reversa dos comuns . Em vez de explorar excessivamente um recurso de pool comum, nós o exploramos insuficientemente. O conhecimento que poderia ser gratuito para todos é restrito aos poucos que têm assinaturas de periódicos. (Felizmente, temos Sci-Hub , que, para desgosto dos editores, liberou a maioria dos artigos científicos.)

Acho que muitas vezes há uma mistura de ambos. Existem blogs que usam o acesso gratuito para vender "produtos e serviços". É o caso dos sites mantidos pelas Big Four. 

E a contabilidade? - Este modelo de negócios, baseado no altruísmo, parece ser o que move os atendimentos gratuitos para o imposto de renda que alguns profissionais (e estudantes) fazem.  Para as guildas modernas, este tipo de negócio pode ser tolerado, desde que não afete, substancialmente, o lucro obtido no negócio principal.

Atores e atrizes mais bem pagos de 2020: diferença salarial

 O Intagram @horadoepisodio divulgou uma comparação entre os salários dos atores e das atrizes mais bem pagos de 2020, com base na publicação da Forbes:








Enviado por Jaqueline Sales, a quem agradecemos.





Rir é o melhor remédio

 

Ver essa foto no Instagram

Come back tomorrow.

Uma publicação compartilhada por Chris Hallbeck Comics (@chrishallbeck) em

16 outubro 2020

Prêmio Nobel da Paz e a derrota da Contabilidade

 Se o Nobel de Economia foi relevante para a contabilidade, o Nobel da Paz é um tapa na cara da contabilidade. O 135o. prêmio da paz foi para o Programa Alimentar Mundial, da ONU, na seguinte justificativa:

Pelos seus esforços no combate à fome, pelo seu contributo para melhorar as condições pela paz em zonas atingidas por conflitos e por agir como uma força motriz nos esforços para prevenir o uso da fome como uma arma de guerra e de conflito

O programa é a maior agência humanitária do mundo, que fornece alimentos para 90 milhões de pessoas em 80 países. Com sede em Roma, o Programa foi criado em 1963 em caráter experimental e depois tornou uma atuação contínua. 

E a Contabilidade? - O CDEG (Center for Development Global) fez um ranking em 2018 para medir a qualidade da ajuda fornecida por diversas entidades (via aqui). A medida foi realizada tendo por base a figura abaixo:


A pesquisa mostrou que alguns países fornecem ajuda em grande quantidade, mas com baixa qualidade: Alemanha e Noruega. Outros, com baixa quantidade e qualidade (Estados Unidos e Espanha). Mas alguns países fornecem ajuda com alta qualidade, seja com baixa quantidade (Nova Zelândia) ou alta quantidade (Dinamarca). 


Mas os pesquisadores também compararam algumas agências de ajuda. Somando os países e estas agências temos 40 avaliações. Adivinhe quem ficou em ultimo lugar na listagem? O vencedor do Nobel da Paz de 2020. 

Mas este não é a única pesquisa. Em 2008, em um artigo intitulado Where Does the Money Go? Best andWorst Practices in Foreign Aid, William Easterly e Tobias Pfutze, também analisaram as ajudas internacionais. Usando uma medida por empregado, os autores encontraram um elevado overhead. O seu ranking de melhores práticas, o Programa ficou na última posição, novamente.  


"Cultura" da interrupção


 

Recentemente ocorreu, nos Estados Unidos, um debate entre os candidatos presidenciais. Chamou a atenção no debate entre os candidatos para vice. De um lado, o candidato Pence, dos Republicados; de outro, a candidata Kamala Harris, dos democratas (foto). Durante o debate, Pence interrompeu Harris o dobro de vezes que Harris interrompeu Pence. Não foi coincidência, segundo as psicologas Laura Vianna e Sapna Cheryan, da Universidade de Washington, em um artigo para Yes Magazine

A interrupção parece ser um comportamento típico dos homens e são importantes para o debate que ocorreu. Ao interromper o outro lado, Pence teve três minutos a mais para falar. Vianna e Cheryan afirmam que entrevistas de emprego para professores em um departamento de universidades mostrou que as mulheres possuem maior probabilidade de serem interrompidas na apresentação dos trabalhos. Por este motivo, as mulheres tiveram menos tempo para concluir sua exposição. 

As culturas de interrupção podem ser difíceis para muitas mulheres por três motivos. Em primeiro lugar, as mulheres têm maior probabilidade de serem interrompidas do que os homens, como vimos no debate de quarta-feira e até mesmo no Supremo Tribunal Federal . Em segundo lugar, as mulheres muitas vezes não são socializadas para interromper intrusivamente os outros, tornando relativamente mais raro que elas se envolvam nesse comportamento. Finalmente, quando as mulheres interrompem e exibem outro comportamento explicitamente dominante, elas são vistas como desagradáveis . Os homens geralmente não enfrentam as mesmas consequências por esse comportamento dominante. 

As 10 atrizes mais bem pagas de 2020

Saiu na Forbes
Viola Davis aparece pela primeira vez na lista (10o lugar: US$ 15,5 milhões)

A maior parte do cinema norte-americano está em pausa desde o final de março, levando estúdios a adiarem lançamentos de grande orçamento, incluindo a “Viúva Negra” e “Mulher-Maravilha 1984”, obras com fortes protagonistas femininas. Como muitas estrelas ganham bônus com base no desempenho de bilheteria, a falta de novos lançamentos abriu espaço na lista da Forbes para ícones da televisão [...]

1. Sofia Vergara – US$ 43 milhões. 
2. Angelina Jolie – US$ 35,5 milhões. 
3. Gal Gadot – US$ 31,5 milhões. 
4. Melissa McCarthy – US$ 25 milhões. 
5. Meryl Streep – US$ 24 milhões. 
6.  Emily Blunt – US$ 22,5 milhões. 
7. Nicole Kidman – US$ 22 milhões.
8. Ellen Pompeo – US$ 19 milhões. 
9. Elizabeth Moss – US$ 16 milhões. 
10. Viola Davis – US$ 15,5 milhões.

Rir é o melhor remédio

 

Esquecimento.

15 outubro 2020

Podcasts de contabilidade

A Gabi, responsável pelo Instagram @contagabs, fez uma postagem pra lá de interessante sobre podcasts de contabilidade.

Já falamos aqui do Contabilidade Conectada que está com a série Ciência Aberta. São episódios de podcasts apresentando de forma prática e objetiva, a produção e o conhecimento científico gerados nos cursos de graduação e pós-graduação em Ciências Contábeis da Universidade de Brasília, numa linguagem clara e acessível. 

A Gabi fez outros três ótimos acréscimos:

Contabilidade sem MIMIMI, por Caio Melo;

Contabilidade sem chatice, por Fernanda Rocha; e

Contabilidade sem neura, por Alterdata.


Alguns outros podcasts são: Contabilidade Societária (Roberto Penha), Contabilidade na TV, Papo Reto de Contabilidade (Diogo Andrade), Falando Contabilês (Luciano Bastos de Carvalho).


Vocês conhecem mais algum?