Translate

Mostrando postagens com marcador covid. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador covid. Mostrar todas as postagens

30 junho 2022

Pandemia e saúde mental

 A pandemia do Covid19 afetou a saúde mental. Parece uma conclusão um tanto quanto lógica, mas são necessárias pesquisas para confirmar algo que já sabemos. Um artigo, publicado no American Economic Journal, mostrou que o isolamento social, com restrições de movimento, teve um custo. A pesquisa focou no caso da Turquia, onde o governo impôs restrições pesadas para a população com idade acima de 65 anos. Eis o gráfico da pesquisa:

Pessoas nascidas antes de 1955 tiveram um maior sofrimento mental, que inclui depressão. O sinal físicos estão no gráfico do lado direito. Claramente o toque de recolher afetou a saúde mental da população com idade acima de 65 anos. A restrição ao movimento pode ter evitado a propagação da doença, mas teve um custo de saúde que pode agora ser quantificado.

Este custo de saúde representa maior gasto do país, influenciando também as finanças públicas. 

10 junho 2022

Covid e a relevância do intangível

A pandemia do Covid parece ter enfatizado a importância do tangível na economia: a vacina, o leito do hospital, o alimento, entre outros itens. 

Mas Tim Harford acredita que os ativos intangíveis mostraram sua relevância também. Se existiram as vacinas, que precisavam de frascos, agulhas e freezers, também era necessário o know-how para obter o remédio. 

O desenvolvimento de vacinas exigiu anos de pesquisa anterior. Provando que elas foram produzidas com ensaios clínicos rápidos e em larga escala. Garantir que as doses fossem produzidas rapidamente exigia o compartilhamento de riscos - em particular, os compromissos do governo de comprar muitas doses antes que ficasse claro que elas funcionariam. Talvez o ativo intangível mais subestimado nisso tenha sido a confiança(grifo meu) 

A experiência do Covid seria um lembrete de como fatores intangíveis podem ser essenciais. 

Foto:Adam Nieścioruk

30 março 2022

Manipulação dos dados do Covid no mundo - 2

Ainda sobre a manipulação dos dados do Covid no mundo, um ponto interessante comentando por David Wallace-Wells:

Se você ajustar a idade (...) as diferenças [na fatalidade] entre os continentes se tornam mais dramáticas - sugerindo uma reversão dos resultados, em vez de uma convergência. 

O que isto significa? O excesso de mortes da Europa e Estados Unidos não são tão elevados quanto em outros países quando há uma ajuste pela idade. Com este ajuste:

o maior país atingido do mundo não foi os Estados Unidos, que ocupa a 47a. posição em excesso de mortalidade per capita, ou Grã-Bretanha, que ocupa a 85a posição ou mesmo a Índia, que ocupa a 36a. posição. É a Rússia, que perdeu, segundo estimativas do The Economist, entre 1,2 milhão e 1,3 milhão de pessoas, uma taxa de mortalidade duas vezes maior que os Estados Unidos.

Na verdade, a região mais atingida do mundo foram os países do antigo Pacto de Varsóvia: Bulgária, Sérvia, Macedônia do Norte, Rússia, Lituânia, Bosnia, Belarus, Georgia, România e Sudão. Peru estaria na 11a. posição. Os dados pode ser acessados no OurWorldData:

(Como a escala está padronizada, fatalidade por 100 mil habitantes, o valor da Bulgária é realmente maior que o excesso de fatalidade ocorrida no Brasil)

10 fevereiro 2022

Pfizer e seu resultado

 

A empresa Pfizer divulgou seus resultados de 2021 na terça. Com lucro de 22 bilhões de dólares e receita de 81 bilhões, a aposta da empresa na luta contra a Covid mostrou um sucesso também financeiro. Em 2021 a receita aumentou de 42 bilhões para 81 bilhões em parte por conta da vacina, com receita de 37 bilhões. Em 2022 a previsão que a receita da vacina deve ser menor, 32 bilhões, mas será compensada por uma droga contra a Covid. 

Foram 3 bilhões de doses da vacina e isto significa que cada dose gera US$12 de receita ou um pouco mais de 60 reais a dose (este valor pode ser maior ou menor, conforme cada contrato; sabe-se que o governo de Israel, por exemplo, pagou um preço bem alto, mas garantiu as primeiras doses). 

Gráfico: aqui

13 janeiro 2022

Pesquisa em Contábeis durante a pandemia

 


O objetivo deste estudo foi verificar como a pandemia de COVID-19 e o isolamento social afetaram as pesquisas científicas desenvolvidas pelos docentes dos cursos de Ciências Contábeis da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR). Justifica-se a realização deste estudo pela necessidade de compreender o impacto da pandemia de Covid-19 sobre a produção científica dos docentes. A metodologia utilizada tem natureza qualitativa e exploratória, e a obtenção dos dados foram por meio de formulários eletrônicos. Os dados foram compilados em planilhas eletrônicas (Excel) e analisados com a utilização da técnica descritiva. Os resultados apontaram que parte dos docentes perceberam facilidades decorrentes do isolamento social, principalmente, em melhor aproveitar o tempo dedicado às pesquisas. Em contrapartida, para a maioria dos docentes houve implicações negativas, principalmente, aquelas decorrentes das tensões causadas pelo isolamento e da necessidade de conciliar conjuntamente, afazeres domésticos e trabalho. Concluiu-se que não houve diminuição das produções científicas em ciências contábeis, mas sim alguns atrasos e/ou prorrogações, além das adequações metodológicas para que pudessem prosseguir com o desenvolvimento de suas pesquisas. Contudo, algumas pesquisas tiveram que ser interrompidas devido a impossibilidade de pesquisa de campo.

LISBOA, J. A.; SANTOS, E. P. dos; TIERLING, I. M. B. M.; PAVÃO, J. A.. As pesquisas em contabilidade foram afetadas pela pandemia de COVID-19? Percepções dos docentes pesquisadores. CONTABILOMETRIA - Brazilian Journal of Quantitative Methods Applied to Accounting, Monte Carmelo, v. 10, n. 1, p. 97-112, jan.-jun./2023.

A pesquisa está restrita a uma universidade e somente 19 docentes responderam, mas as conclusões parecem válidas. A data do período, de 2023, é esta mesma.

31 dezembro 2021

Links


10 receitas para felicidade: respire fundo, ligue para um amigo, abrace alguém, ajude um amigo, escreva um agradecimento, cante, dance, passeie em um lugar bonito, perdoe e fale consigo de forma gentil

Mentalidade bayesiana - usando Bayes nas decisões privadas

População mais vacinada é pib per capita mais elevado

Relação entre racionalidade e emoção ao longo do tempo - usando os textos produzidos ao longo do tempo é possível perceber que palavras mais "racionais" cresceram desde 1850 até os anos 70 e então decresceram. 

22 junho 2021

Custo da Pandemia

Primeiro, calculamos as diferenças entre os caminhos de saída para 2020-2030 projetados antes e depois da pandemia (a área sombreada na Figura 1 [acima]) e estimar seu valor presente descontando a uma taxa de juros real de 0% (uma suposição razoavelmente conservadora em um contexto em que as taxas reais são negativas para a maioria dos países desenvolvidos). Isso gera uma perda total de cerca de metade do PIB global 

Em seguida, há a questão do estímulo fiscal (equivalente a 15% do PIB, de acordo com o monitor fiscal do FMI) sem o qual a perda de produção em 2020 teria sido muito mais acentuada. (...)

Terceiro, há o valor do excesso de mortes devido ao Covid-19. Obviamente, não há maneira incontroversa de valorizar a vida humana. Por uma questão de argumento, seguimos uma estimativa recente para os EUA por Cutler e Summers (2020) que usa o valor de 'vidas estatísticas' para colocá-lo entre US $ 10 milhões e US $ 7 milhões por vida. Se levarmos os US $ 5 milhões consideravelmente mais conservadores por vida, reconhecendo que o valor estatístico pode variar entre os países, o custo relacionado às mortes acumuladas globais registradas até o momento é de 16,9% do PIB global 

Quarto, abordamos as perdas de educação. O fechamento de escolas se traduz em perda de capital humano por meio de um declínio nas horas efetivas de escolaridade e retenção (Burgess e Sievertsen 2021). Em escala global, o fechamento de escolas afetou 1,6 bilhão de estudantes no auge da pandemia (Banco Mundial 2020b). Azevedo et al. (2020) estimaram a perda vitalícia dos ganhos trabalhistas em US $ 10 trilhões, ou aproximadamente 12% do PIB global

Existem muitas outras perdas mais difíceis de quantificar: destruição de empregos e firmes (com sua perda concomitante de capital humano específico para o emprego e capital social e know-how das empresas), doenças não tratadas / diagnosticadas e perdas psicológicas por distanciamento social, que só pode ser conjecturado neste momento. De qualquer forma, levando tudo isso em consideração, nosso custo estimado da pandemia, aproximadamente igual a 100% do PIB global em 2019 (ver Tabela 1), deve ser considerado um limite inferior bastante conservador.

Continue lendo aqui

Ensino online

COVID-19 shifted schools and colleges to online instruction with little causal evidence of outcomes. In the fall of 2020, we randomized 551 West Point students in a required Introductory Economics course across twelve instructors to either an online or in-person class. Final grades for online students dropped by 0.215 standard deviations; a result apparent in both assignments and exams and largest for academically at-risk students. A post-course survey finds that online students struggled to concentrate in class and felt less connected to their instructors and peers. We find that the shift to online education had negative results for learning.

Zooming to Class?: Experimental Evidence on College Students’ Online Learning during COVID19*

19 junho 2021

Covid como uma oportunidade


Da coluna de Tim Harford 

O efeito "piano impossível de tocar" parece pegar um raio em uma garrafa, mas não é incomum (*). Escrevi recentemente sobre uma breve greve no metrô de Londres em 2014, que provocou muitos passageiros a encontrar novas rotas para trabalhar. Simplesmente, quando nossas soluções antigas são fechadas, encontramos novas. Às vezes, os novos teriam sido melhores o tempo todo.

Isso é perfeitamente bem compreendido pelos cientistas da computação. Os algoritmos criados para resolver problemas como agendar entregas ou projetar chips de computador tendem a implantar choques aleatórios no que de outra forma seria uma busca por melhorias incrementais. Sem a aleatoriedade, o algoritmo fica preso. Nós também.

Todos nós podemos imaginar maneiras pelas quais o Covid-19 pode levar ao mesmo pensamento novo, mais obviamente no uso da Internet - finalmente! - substituir a moagem, as viagens caras e demoradas. As cidades densas têm sido colméias de inovação e, contra-intuitivamente, têm um impacto menor no meio ambiente devido a casas mais compactas e maior uso de transporte público, caminhadas ou ciclismo. Se finalmente conseguirmos descobrir uma maneira de colaborar à distância, pelo menos para algumas pessoas, algumas vezes, podemos esperar revitalizar cidades menores sem perder a inovação ou promover deslocamentos amplos.

(*) Harford deve estar referindo a Keith Jarrett e o concerto de janeiro de 1975. Este é o caso que abre seu livro Caos Criativo. A questão do metrô também aparece no livro. Neste sentido, a pandemia demanda improvisação (capítulo 4 do livro), resiliência (capítulo 8) e muda os incentivos (cap. 6).

Foto: aqui

11 maio 2021

Como a vacina afetou a receita da Pfizer

 

A empresa farmacêutica, uma das vencedoras na descoberta da vacina para a pandemia, agregou US$3,5 bilhões de receita. Isto equivale a um lucro antes de impostos de 900 milhões. Os resultados devem persistir no futuro próximo, mas a empresa já procura a aprovação para aplicação da vacina em crianças. 

Atualização - a quebra da patente pode ser um fator que limitaria a Pfizer e outros fabricantes a apurarem lucros maiores. Entretanto, a questão não é tão simples assim. Entre uma quebra de patente e a fabricação por parte de produtores genéricos há um tempo que pode ser elevado. Outra questão é o surgimento de novas variantes. A vacina da Pfizer usa 280 componentes de 86 fornecedores e equipamentos especializados. Um fabricante genérico conseguiria alcançar este padrão? Eis a reação do mercado nos últimos dias:



03 março 2021

Significado da Covid em vidas

 

Este gráfico mostra o número de mortes na Espanha, desde 2000 até 2020. Há algumas questões metodológicas, mas é nítido o efeito da Covid sobre o resultado. 

14 janeiro 2021

Quanto custa a vacina?

Uma das condições dos laboratórios é que o valor unitário de aquisição não seja revelado. Isto ocorre na Europa. Mas parece que um funcionário da Comunidade publicou, "sem querer", o preço das vacinas. Eis a listagem:

De acordo com a imagem publicada pela governante, a UE vai gastar entre 1,78 euros e 18 dólares por casa dose das vacinas. A lista das seis vacinas distribuí-se da seguinte forma: 

Oxford/AstraZeneca: €1.78 

Johnson & Johnson: $8.50 (cerca de €6,94) 

Sanofi/GSK: €7.56 

BioNTech/Pfizer: €12 

CureVac: €10 

Moderna: $18 (cerca de €14.70)

Aqui um texto de uma revista informando que o Brasil já gastou mais de 2 bilhões de reais ou uma média de R$10 por brasileiro. 

23 novembro 2020

Pesquisa sobre Covid

 Toda madrugada de segunda, o NBER posta as pesquisas semanais. Algo em torno de 30 pesquisas de excelente nível estão disponibilizadas, antes de serem publicadas nos principais periódicos do mundo. Nesta segunda, chama à atenção (pelo título e resumo) as seguintes pesquisas:

The Value of a Cure: An Asset Pricing Perspective - Viral V. Acharya, Timothy Johnson, Suresh Sundaresan & Steven Zheng procuram determinar o valor da cura de uma vacina para combater o Covid. Usando o preço das ações e as notícias do avanço do estágio de vacinas, os autores fizeram um modelo para precificar os ativos e estimar os ganhos para a economia. Além do valor da cura, a vacina poderia resolver a incerteza decorrente da doença. 

Why Is All COVID-19 News Bad News? Bruce Sacerdote, Ranjan Sehgal & Molly Cook analisam se as notícias sobre o Covid-19, desde janeiro de 2020, são negativas ou positivas. Nos Estados Unidos, 91% das notícias são negativas, versus 54% de fontes fora dos EUA e 65% dos periódicos científicos. A negatividade da imprensa não reage com a mudança de novos casos ou tendências políticas. Parte do resultado é explicada pela preferência dos leitores dos EUA, que preferem notícias negativas: histórias de casos crescentes superam as histórias de casos decrescentes por um fator de 5,5. 

Revenge of the Experts: Will Covid-19 Renew or Diminish Public Trust in Science? - Barry Eichengreen, Cevat Giray Aksoy & Orkun Saka verificaram se epidemias anteriores afetaram a confiança na ciência e nos cientistas. Usando a “hipótese dos anos impressionáveis”, de que as atitudes são formadas de maneira duradoura durante as idades de 18 a 25, os pesquisadores descobriram que isto reduz a confiança nos cientistas e nos benefícios do seu trabalho. E isto é maior nas pessoas com pouco treinamento prévios em ciências. Isto pode afetar, por exemplo, a confiança nas vacinas.

Imagem: aqui

13 novembro 2020

Pandemia como uma questão de informação


Dos textos sobre a pandemia, este apresenta que o problema da pandemia não é de saúde pública, mas é um problema de informação. Isto parece muito estranho, mas ao final da leitura ficamos convencidos dos argumentos apresentados. 

O que precisamos saber é se uma pessoa pode colocar em risco a saúde das demais. Sabendo disto, podemos isolar esta pessoa, até sua cura, evitando a propagação do vírus. Em outras palavras, precisamos melhorar a nossa informação se alguém é infeccioso. Os testes usados, especialmente o PCR, são caros e demoram para sair o resultado. 

Essas desvantagens levaram um número crescente de especialistas em pandemia (como Michael Mina de Harvard, Carl Bergstrom da Universidade de Washington e Eric Topel de Stanford) a defender testes de antígenos que custam apenas US $ 1 a US $ 5 por pessoa e retornam os resultados em cinco minutos . Em vez de procurar fragmentos de RNA, esses testes buscam indicadores de que o vírus se infiltrou nas células. No entanto, os fabricantes de testes rápidos de antígenos têm dificuldade em obter aprovação regulamentar para eles. Os reguladores querem aprovar testes que possam dizer com precisão se alguém está infectado, para que os médicos possam confiar neles para prescrever o tratamento médico.

Mas o problema de informação que enfrentamos é diferente: queremos identificar pessoas infecciosas (em vez de infectadas) para que aquelas que podem espalhar o vírus possam evitar outras. E queremos fazer isso o mais cedo possível. O problema é que alguém pode ser infeccioso antes de apresentar os sintomas, o que geralmente leva as pessoas a fazerem um teste de PCR.

Enquadrar o problema como encontrar pessoas quando estão infectadas pode mudar o padrão pelo qual os reguladores julgam um teste. Uma pessoa é infecciosa quando tem uma grande carga viral presente. Mas o teste de PCR também identifica as pessoas como positivas quando têm uma carga viral baixa. (...)

Assim, com o teste rápido poderia ser usado em lugar de "medir" a temperatura das pessoas que estão entrando em um restaurante, clube ou local de trabalho. 

O autor do texto é Joshua Gans, que está lançando o livro The Pandemic Information Gap: The Brutal Economics of Covid-19 pela MIT Press. 

Contabilidade? - Há muito o que aprender com a pandemia e aplicar na contabilidade. As técnicas de rastreamento da doença possuem uma analogia óbvia com alguns dos principais problemas contábeis, como a questão do crédito de liquidação duvidosa. 

05 novembro 2020

Aprendendo (menos) durante a pandemia


Durante a pandemia, as atividades escolares foram transferidas para o acesso remoto. Isto melhorou ou piorou o ensino? Alguns, baseados nas avaliações de alunos de EAD, afirmam que pode ter melhorado. Mas esta não parece ser a impressão de professores com quem converso (a maioria deles, pelo menos). Uma pesquisa com curso de economia, nos Estados Unidos, mostrou que o desempenho foi pior.  

We use standardized end-of-course knowledge assessments to examine student learning during the disruptions induced by the COVID-19 pandemic. Examining seven economics courses taught at four US R1 institutions, we find that students performed substantially worse, on average, in Spring 2020 when compared to Spring or Fall 2019. We find no evidence that the effect was driven by specific demographic groups. However, our results suggest that teaching methods that encourage active engagement, such as the use of small group activities and projects, played an important role in mitigating this negative effect. Our results point to methods for more effective online teaching as the pandemic continues.

Learning During the COVID-19 Pandemic: It Is Not Who You Teach, but How You Teach - George Orlov, Douglas McKee, James Berry, Austin Boyle, Thomas DiCiccio, Tyler Ransom, Alex Rees-Jones & Jörg Stoye

Foto aqui

30 outubro 2020

Separando os efeitos da pandemia nos resultados: caso do United

 


As demonstrações financeiras do Manchester United, time de futebol da Inglaterra, mostra o que devemos considerar e o que não devemos considerar ao analisar o efeito da Covid em uma empresa. É importante esclarecer que o United é um clube e, ao mesmo tempo, uma empresa. Assim, sua gestão é “profissional”, o que inclui demonstrações contábeis de melhor qualidade do que aquelas preparadas por um time de futebol tradicional. O exercício social do United, encerrado em 30 de junho, incluiu uma grande parte das atividades normais de um clube e um breve período onde os efeitos da pandemia. Uma reportagem da BBC traz alguns elementos interessantes, mas gostaria de destacar dois pontos. 

A primeira situação importante é a da receita. A receita do clube teve uma redução de 627 milhões de libras para 509 milhões e teve o efeito da pandemia. A redução de 118 milhões decorreu da sua não classificação para Liga dos Campeões também. Existia uma expectativa de receita de 580 milhões. 

Todas as áreas de receita da United foram afetadas, mas as receitas de transmissão foram especialmente afetadas, reduzindo 41,9% de £ 240,2 milhões para £ 141,2 milhões. Parte da redução da despesa ocorreu pela realização dos jogos com portões fechados, redução das vendas de camisas e produtos do clube e descontos concedidos para as emissoras. Estima-se que estes três itens corresponda a 40 milhões de libras. 

Mas algumas das receitas do clube, como aquelas decorrentes dos jogos, somente foram postergadas. Um jogo que seria transmitido no exercício ficou postergado para alguns meses depois. Mas os portões fechados representam realmente uma perda de receita que não será recuperada. A redução no fluxo de caixa originário dos patrocinadores, que também estão com dificuldade de caixa, poderá ocorrer em futuro próximo. Mas isto cria um descasamento entre caixa e competência. 

O segundo aspecto é a questão do endividamento. Sendo um clube-empresa, seus gestores optaram por trabalhar com um elevado endividamento. Um resultado desta opção é que a dívida líquida duplicou, para 474 milhões de libras. As despesas financeiras aumentaram para 26 milhões, com redução do caixa. Como dívida líquida corresponde a dívida bruta menos caixa, o que ocorreu no clube foi que a dívida bruta manteve constante. Veja que este fato decorre de uma decisão de financiamento, que ocorreu antes da pandemia. Assim, não se pode colocar este fato na conta da Covid. 

O caso do United mostra que é importante separar os efeitos da pandemia das outras decisões. Este clube de futebol teria resultados ruins, mesmo com a paralisação das atividades do futebol na Inglaterra. A pandemia somente agravou a situação. (Fonte da foto aqui)