Translate

01 agosto 2021

Cinema, contabilidade e participação nos lucros


Duas histórias de dois atores de Hollywood mostram questões contábeis. 

A primeira é do ator Gerard Butler (foto) que está processando de Olympus, um filme de 2013, sobre a participação nos lucros. O filme teria arrecadado 170 milhões e o ator teria direito a uma participação nos lucros de 10 milhões. O ator apresentou seus números depois de uma auditoria independente. O processo está na esfera judicial e até o momento o ator não recebeu nada em relação a participação nos lucros. 

Como tem sido praxe, a contabilidade do filme sobrecarregou as despesas e isto teria reduzido o valor a ser recebido por Butler. 

O outro caso é de Scarlett Johansen. A atriz fez o papel principal em viúva negra, da Marvel, filial da Disney. A atriz deveria ter um percentual das bilheterias. Mas a Disney mudou a estratégia de lançamento, oferecendo o filme, por US$ 30, para os assinantes do seu canal de assinatura. A atriz alega que esta mudança reduziu a bilheteria do filme nos cinemas e, consequentemente, o valor que deveria ser recebido. Como a atriz também recebe um percentual das compras do filme no canal, este processo talvez seja bem mais difícil que o de Butler. Será necessário provar que a estratégia realmente prejudicou a atriz. Um estudo de contabilidade de custos. 

Sono na pandemia

 

Talvez estas horas incluam a "insônia". Além disso, não olha a qualidade do sono. Mas nos últimos meses temos dormido mais? 

Medalha de Outro é de Prata


Durante os jogos olímpicos de Tóquio, os vencedores receberão medalhas de "ouro" com 6 gramas de revestimento de ouro. Em um peso total de 556 gramas, o custo seria de US$800, sendo US$360 do valor é ouro. A razão é que o ouro é caro. 

Se a medalha fosse feita totalmente de outro teria um custo de 35 mil.  

Somente nos jogos de St. Louis e de Londres (1904 e 1908) (foto acima) é que as medalhas foram totalmente de ouro. O preço também era bem mais razoável naqueles tempos (e o número de medalhas, menor).

Rir é o melhor remédio

 

Sair da zona de conforto nem sempre é fácil

31 julho 2021

Lucro das Gigantes de Tecnologia

A divulgação do resultado do segundo trimestre de 2021 das grandes empresas de tecnologia (Google, Amazon, Facebook, Apple e Microsoft) pode estar abaixo de alguma expectativa. Mas em comparação com 2020 é excelente. Veja o gráfico abaixo:


Além do lucro, as empresas também tiveram crescimento nas vendas. A Amazon obteve uma receita de 113 bilhões no trimestre. 

Jogos Olímpicos em dois gráficos

Alguns países valorizam a medalha de ouro. A Indonésia paga 746 mil dólares pela medalha, quase o mesmo valor que Cingapura. Alguns países não pagam nenhuma premiação, como a Inglaterra. Faz diferença no desempenho dos atletas? Parece que nem tanto.

Outro gráfico é o interesse em eventos esportivos


Os jogos olímpicos possuem uma audiência que pode alcançar 3,6 bilhões de pessoas. 

Links

Duas características de pessoas bem sucedidas

Qual a razão da existência de fofoca  (não é somente algo negativo)

E os finlandeses sobrevivem sem conversa fiada

Scientific American: talvez os alienigenas já estejam aqui

Novo livro de Michael Lewis sobre os heróis da pandemia (e não tem elogio ao CDC)

Seis erros comuns sobre voar


Rir é o melhor remédio

 

Dinheiro não compra felicidade, mas ...

30 julho 2021

Congresso

 








O prazo de submissão encerra dia 2. 

Canadá se candidata para receber o ISSB

No dia 26 de julho, a Fundação IFRS, em uma reunião por video conferência, começou a analisar a criação do Conselho Internacional de Padrões de Sustentabilidade (ISSB) e sua posição dentro na Fundação. Foi divulgado também uma correspondência do governo do Canadá, e mais 55 instituições públicas e privadas, onde o país faz o convite para localizar a sede da nova entidade no país da América do Norte. 

A correspondência indica que haveria um "Fundo de Boas-Vindas" expressivo para apoiar o período inicial de funcionamento da ISSB. O recurso manteria a independência da Fundação, mas não teria cobrança de juros. A Fundação gostou da proposta, mas determinou que até final de agosto receberiam manifestação de outras juridições para financiar o início da ISSB. 

Shakira acusada de sonegar impostos.

 

Shakira está sendo acusada de sonegação de impostos na Espanha. Ao contrário da manchete da Forbes, o valor da sonegação seria de 16,4 milhões, não bilhões. A cantora vivia na Espanha, mas tinha endereço fiscal nas Bermudas. Isto ocorreu entre 2012 e 2014. 

Outra acusação é que a cantora e seu contador usavam empresas em paraísos fiscais. 

Links


O português não precisa de "Top" 

Clarivate retirou fator de impacto de dez periódicos por autocitação excessiva

FRC britânico está investigando os auditores pela Greensill Capital e Gupta Lender (isso envolve políticos de peso)

Aqui também

Tentando encontrar a fortuna de Ferdinand Marcos

Lei de Arnold: quando alguém recebe o nome, ele não é o criador (dica de Bruno, grato) 


Rir é o melhor remédio

 

Dinheiro para guerra e para saúde, educação, ciência, artes ...

29 julho 2021

Informações Ambientais fora dos Relatórios Contábeis


Embora bancos e gigantes da tecnologia apoiem amplamente o impulso de Washington sobre as mudanças climáticas, eles argumentaram que prever com precisão como isso afetará seus negócios não será fácil, porque as divulgações dependeriam de premissas imprecisas. Por esse motivo, Amazon.com Inc., Bank of America Corp. e Facebook Inc. estão entre os titãs corporativos que instaram a SEC a manter os relatórios fora dos registros que detalham ganhos e outros resultados financeiros.

Fonte: aqui. Talvez essa seja a tendência, pelo menos a curto prazo. Mais ainda:

Uma grande preocupação para empresas e executivos é que eles podem enfrentar multas por cometer distorções ou omissões relevantes, principalmente se as divulgações estiverem em 10-Ks.

Uma aplicação interessante do Ponto de Equilíbrio


Eis uma aplicação interessante do ponto de equilíbrio.  Este conceito mostra em que nível de quantidade a empresa deve produzir e vender para atingir o lucro. A aplicação apresentada aqui (e aqui também) está relacionada com o carro elétrico. Sua viabilidade está na comparação com o carro de combustão e o critério é o dano ao meio ambiente. Ao comprar um carro elétrico (EV na abreviatura em inglês), o mesmo irá poluir menos o ambiente. Mas no processo de produção do EV, há problemas no processo de emissão. 

O texto apresenta uma aplicação entre um Tesla e um automóvel comum. Eis o resumo do resultado:

Para causar menos danos ao meio ambiente que um veículo que utiliza gasolina, seria necessário dirigir seu carro elétrico por mais de 21.725 km

Esse é o resultado da análise de dados da Reuters de um modelo que calcula a emissão de veículos, uma questão muito debatida e que está ganhando destaque no momento em que governos ao redor do mundo pressionam por transportes mais verdes para atingir metas climáticas.

O modelo foi desenvolvido pelo Laboratório Nacional Argonne em Chicago e inclui milhares de parâmetros, do tipo de metais na bateria de um EV (sigla em inglês para veículo elétrico) à quantidade de alumínio ou plástico em um carro.

(...) Jarod Cory Kelly, principal analista de sistemas de energia da Argonne, afirmou que produzir veículos elétricos gera mais carbono do que carros com motor de combustão, principalmente por causa da extração e do processamento de minerais em baterias dos EVs e da produção de células de energia.

Mas estimar quão grande é essa diferença em emissões de carbono quando o carro é vendido e onde está o ponto em que se igualam durante a vida útil de um veículo elétrico pode variar muito, dependendo das premissas.

Kelly afirmou que o período depende de fatores como o tamanho da bateria dos EV’s, a economia de combustível de um carro a gasolina e como a energia usada para carregar o veículo elétrico é gerada.

A Reuters inseriu uma série de variáveis no modelo da Argonne, que tem mais de 43.000 usuários até 2021, para chegar a algumas respostas.

O cenário do Tesla 3 descrito acima envolvia dirigir nos Estados Unidos, onde 23% da eletricidade é gerada por usinas de carvão, com uma bateria de 54 kilowatts por hora e um cátodo feito de níquel, cobalto e alumínio, entre outras variáveis.

A comparação foi feita com um Toyota Corolla abastecido com gasolina e que pesa 1.340 quilos com eficiência de 53 km a cada 3,7 litros (ou um galão). Foi presumido que os dois veículos rodassem 278.659 km durante suas vidas úteis.

Mas se o mesmo modelo da Tesla fosse usado na Noruega, que gera quase toda a sua eletricidade a partir de hidrelétricas renováveis, o ponto de equilíbrio viria após apenas 13.518 km.

Se a eletricidade para recarregar o veículo elétrico viesse totalmente de carvão, que gera a maioria da energia em países como China e Polônia, você teria que dirigir 126.655 km para chegar à paridade de emissão de carbono com o Corolla, segundo a análise da Reuters de dados gerados pelo modelo da Argonne.

A análise da Reuters mostrou que a produção de carros elétricos de tamanho médio gera 47 gramas de dióxido de carbono por milha (1,6 km) durante o processo de extração e produção, ou mais de 8,1 milhões de gramas antes que chegue ao primeiro cliente.

Em comparação, um veículo similar de gasolina gera 32 gramas por milha, ou mais de 5,5 milhões de gramas.

Michael Wang, cientista sênior e diretor do Centro de Avaliação de Sistemas da divisão de Sistemas de Energia da Argonne, afirmou que os veículos elétricos depois geralmente emitem muito menos carbono ao longo de uma vida útil de 12 anos.

Mesmo no pior cenário em que um veículo elétrico é carregado apenas com uma rede de energia abastecida por carvão, geraria um extra de 4,1 milhões de gramas de carbono por ano, em comparação com um carro a gasolina que produziria mais de 4,6 milhões de gramas, mostrou a análise da Reuters.

“WELL-TO-WHEEL”

A Agência de Proteção Ambiental dos EUA afirmou à Reuters que usa o modelo para ajudar a avaliar os padrões para combustível renovável e gases de efeito estufa de veículos, enquanto o Conselho de Recursos do Ar da Califórnia o utiliza para ajudar a avaliar o cumprimento de padrões de combustível de baixo carbono do estado.

A EPA disse que também usou o modelo para desenvolver um programa online que permite que clientes nos EUA estimem as emissões dos veículos elétricos com base nos combustíveis usados para gerar energia elétrica nas regiões onde moram.

VEJA MAIS: Corrida espacial entre bilionários aquece após Virgin Galactic conseguir licença para transportar passageiros

Os resultados da análise da Reuters são similares aos de uma avaliação do ciclo de vida de veículos elétricos e veículos com motores de combustão na Europa do grupo de pesquisa IHS Markit.

Seu estudo desde a fase de produção do veículo até a utilização final (well-to-wheel) mostrou que o ponto de equilíbrio típico para emissões de carbono de EVs era por volta de 24 mil a 32 mil km, dependendo do país, segundo Vijay Subramanian, diretor global de cumprimento de dióxido de carbono (CO2) do IHS Markit.

Ele afirmou que essa abordagem mostrou que há benefícios de longo prazo na mudança para veículos elétricos.

Outros são menos otimistas em relação aos veículos elétricos.

O pesquisador da Universidade de Liège, Damien Ernst, afirmou em 2019 que o típico veículo elétrico teria que viajar quase 700.000 km até emitir menos CO2 do que um veículo comparável a gasolina. Ele depois revisou os seus números para baixo.

Agora, estima que o ponto de equilíbrio pode estar entre 67.000 km e 151.000 km. Ernst disse à Reuters que ele não planeja mudar essas descobertas, que são baseadas em um pacote diferente de dados e suposições em relação ao modelo da Argonne.

Outros grupos também continuam defendendo que os veículos elétricos não são necessariamente mais limpos ou verdes do que carros abastecidos com combustível fóssil.

O instituto American Petroleum, que representa mais de 600 empresas da indústria do óleo, afirma em seu site: “vários estudos mostram que, com base no ciclo de vida útil, diferentes conjuntos de motores automotivos resultam em emissões de gases do efeito estufa similares”.

O Laboratório Nacional Argonne é financiado pelo Departamento de Energia dos EUA e operado pela Universidade de Chicago. 


Links


Khaby Lame e o sucesso no TikTok

O corpo do atleta, durante e após a competição (fotos) (Acima, a perna de um ciclista depois de uma corrida)

Roubo de caminhões com cobre na África no valor de milhões de dólares

Vídeo: Tão ruim que faz Friday parecer uma sinfonia

Rir é o melhor remédio

 


28 julho 2021

ESG e Investidores


E por que acredito que ESG não cria confiança na sociedade? Porque não representa o olhar da sociedade – ESG representa o olhar do investidor. ESG tem uma abordagem predominante de riscos. Os investidores não querem que impactos sociais (como ex. corrupção) ou ambientais (como ex. a rutura de uma barragem) estraguem os lucros deles. (Heiko Spitzeck, Fundação Dom Cabral)

Fonte: aqui

Há uma simplificação muito grande aqui. O melhor talvez fosse "os investidores não querem que os lucros deles sejam estragados por problemas sociais ou ambientais". 

Conservadorismo no esporte

 


Em 1980, o basquete adotou a regra dos três pontos. Em termos simples, um arremesso na cesta a partir de uma região mais distante teria um valor maior que um arremesso certo, mas próximo da cesta.

Isto representa uma mudança nas regras, as uma análise histórica mostra que somente muitos anos depois é que o esporte sofreu uma alteração na sua forma de jogar.

Uma análise estatística mostra que a cesta de três pontos tem um valor de 50% a mais que a cesta de dois pontos. É um prêmio bem interessante. Além disso, diante da ameaça de fazer três pontos, a marcação do time defensor tem que mudar. Isso deveria abrir o jogo, criando espaços. Outro fato é que o erro em uma tentativa de três pontos geralmente não rende um contra-ataque, ao contrário da cesta de dois pontos.

Mas desde a mudança nas regras, a tentativa de fazer três pontos foi subutilizada. O número médios de arremessos de três pontos por equipe e por jogo era de 2 em 1980. Cinco anos depois, em 1985, o número aumentou para 3,3. Eis a evolução nos anos seguintes:

1980: 2.0

1985: 3.3

1990: 7.1

1995: 13.2

2000: 14.9

2005: 16.8

2010: 18.1

2015: 24.1

2020: 34.6

Qual a razão? A conservadorismo das pessoas. 

Revisões profissionais ou palpites da massa

A popularização do sistema de avaliação criou uma questão importante: qual opinião é mais relevante, dos críticos ou das classificações baseadas nas multidões? Veja o caso do cinema; o IMDb utiliza a opinião das pessoas que queiram palpitar sobre seu filme, enquanto o Rotten trabalha com os críticos. Ou o caso da avaliação de um restaurante. Ou a avaliação de um livro.

Existindo sabedoria das multidões, o razoável seria indicar que o sistema de classificações das multidões. Eis uma pesquisa importante sobre o assunto: 

Em um artigo na American Economic Review, Waldfogel e co-autor Imke Reimers investigaram os impactos relativos das análises dos críticos profissionais e das classificações baseadas em multidões no bem-estar do consumidor de mercado de livros.

Waldfogel e Reimers se concentraram em livros vendidos pela Amazon, responsável por quase metade do mercado de livros físicos dos EUA. Eles usaram medidas diárias de classificações de vendas e classificações por estrelas baseadas em multidões para 21.546 edições vendidas durante 2018 e fizeram referência cruzada desses dados com análises profissionais, incluindo The New York Times.

Revisões profissionais e classificações da Amazon tiveram impactos significativos nas vendas. Nos primeiros cinco dias após a publicação, as vendas do livro melhoraram 55% e, ao longo de um ano, as vendas aumentaram 2,8%. As críticas aumentaram a receita de vendas de livros em quase US $ 20 milhões. Os ratings de estrelas da Amazon renderam um aumento de US $ 27,51 milhões.

As figuras abaixo mostram os impactos do New York Times (painel esquerdo) e outras revisões profissionais importantes (painel direito) por 20 dias antes e 40 dias após a revisão. O painel esquerdo mostra que o Times ofereceu uma melhoria imediata no ranking de vendas. (...) Outras análises profissionais também têm um impacto considerável, embora não tanto quanto a revisão do Times. 



(...) Apesar argumentos em contrário, o crescente domínio do mercado da Amazon não enfraqueceu a influência de revisores profissionais. Os autores descobriram que a crítica do NY Times não teve menos impacto em 2018 do que em 2004.

Rir é o melhor remédio

"Ei senhor, quer limonada?" pergunta uma criança

O corretor de bolsa, na sua BMW novinha, resolve olhar com calma. Tem uma placa dizendo:

"Limonada R$50".

"O seu letreiro está errado", diz o corretor. "Acho que quer dizer R$5".

A criança balança a cabeça. 

"Não, cinquenta reais senhor. Preciso do dinheiro para comprar um celular novo!"

O corretor de bolsa faz uma pausa de um minuto. Era evidente que a criança estava fazendo besteira.

"Olha querida, sei que está tentando ganhar dinheiro, mas tens de cobrar o que as pessoas estão dispostas a pagar. Ninguém vai pagar tanto por uma limonada. Conhece o conceito de valor justo?"

A criança escuta e diz: 

"Cinquenta reais, senhor"!

O corretor de bolsa dá um suspiro, discordando. 

"Está bem. Você não pode ter lucro quando ninguém paga o seu preço. Tem mais alguma coisa à venda?"

"Bolachas caseiras, dois reais"

"OK olha, eu estudei contabilidade e tenho uma especialização e por isso vou ensinar-te um pouco sobre negócios, está bem?" 

A criança sacode a cabeça e sorri. 

"Não, obrigado, senhor. Cinquenta reais a limonada, por favor!"

"Eu desisto. Toma dez reais e vou comprar cinco das suas bolachas. Mas não comprarei a limonada, que está muito cara. Estou tentando ser simpático e ensinar sobre negócios, mas desisto".

"Está bem!". 

A criança pega os dez reais e coloca cinco bolachas em um prato. O corretor decide comer uma das bolachas na frente da criança. De repente, começa a tossir de maneira incontrolável.

"Oh meu Deus...o que é...o que é que tem aqui?"

A criança sorri alegremente e diz: 

"É a minha receita especial! Ovos, farinha, manteiga, cacau e pelo de cabra"!

"Isto é horrível! Tenho de tirar este sabor da minha boca"!

A criança diz sorridente: 

"Quer limonada?

Adaptado daqui

27 julho 2021

Sobre o custo das Olimpíadas


As Olimpíadas possuem um custo elevado para o país hospedeiro. A seguir, um texto da mala direta do New York Times, por Andrew Ross Sorkin e Sarah Kessler

A cerimónia de abertura olímpica de ontem teve um ano de atraso e teve lugar num estádio quase vazio, durante um estado de emergência. Os Jogos, que a maioria dos residentes do Japão teria preferido adiar ou cancelar novamente, serão, no mínimo, invulgares - e um desastre de saúde pública, no pior dos casos. 

Mas a grande quantidade de dinheiro que Tóquio vai queimar ao acolher o evento enquadra-se perfeitamente nas fogueiras financeiras ainda a arder em muitos locais de antigos Jogos Olímpicos.  

Tóquio disse inicialmente que iria gastar 7,3 bilhões de dólares, mas uma auditoria governamental de 2019 colocou as despesas reais em cerca de 28 bilhões de dólares.  

Todos os Jogos Olímpicos desde 1960 ultrapassaram o orçamento, uma média de 172 por cento em termos de inflação ajustada, de acordo com uma análise feita por investigadores da Universidade de Oxford. Eles concluíram que esta foi "a maior ultrapassagem de todas para qualquer tipo de megaprojeto", ultrapassando largamente estradas, pontes, barragens e outros grandes empreendimentos.  

Para os Jogos de Verão de 2016, o Rio de Janeiro orçamentou 14 bilhões de dólares e gastou cerca de 20 bilhões, de acordo com dados recolhidos pelo Conselho de Relações Exteriores. Sochi, na Rússia, orçamentou 10,3 bilhões de dólares para os Jogos Olímpicos de Inverno de 2014 e gastou mais de 51 bilhões de dólares. E Londres, o anfitrião de Verão em 2012, orçou 5 bilhões de dólares e gastou 18 bilhões de dólares.  

Outro estudo, publicado no Journal of Economic Perspectives, examinou como as projeções cor-de-rosa do impacto econômico dos Jogos - geralmente encomendadas por organizações com interesse em que a sua cidade acolhesse o espetáculo - se desviaram da realidade. Concluiu que os efeitos reais "estão próximos de zero ou uma fracção do previsto antes do evento".  

Poucos investigadores estudaram mais os negócios dos Jogos Olímpicos do que Andrew Zimbalist, um professor do Smith College que publicou três livros sobre a economia dos Jogos Olímpicos. A sua pesquisa levou-o a levantar questões sobre o valor para as cidades da realização das Olimpíadas - e influenciou algumas cidades a recuar em relação à licitação. Ele acredita que Tóquio gastou mais com os Jogos Olímpicos do que a auditoria governamental de 2019 estimou e espera que os Jogos percam pelo menos 35 bilhões de dólares.  

"Vão ser elefantes brancos", disse ele sobre muitos dos edifícios e recintos olímpicos recentemente construídos. "A razão pela qual não existiam antes das Olimpíadas é porque não havia uma utilização economicamente viável para eles".  

DealBook falou com o Sr. Zimbalist sobre a razão pela qual ele acredita que acolher os Jogos Olímpicos, mesmo em tempos normais, é ruim para as cidades - e porque é que elas acabam por competir para os acolher de qualquer maneira. Ele também tem uma solução inteligente para resolver tudo isto.  

Como é que as cidades olímpicas acabam por gastar bilhões de dólares?  

O orçamento elaborado pelo comité organizador é para o funcionamento dos Jogos durante 17 dias. Para além dos 17 dias, nos últimos anos começaram também a incluir algumas outras despesas, como locais temporários. O valor que estão utilizando para Tóquio é de cerca de 15 bilhões de dólares. Não inclui a construção do estádio nacional, a construção da Aldeia Olímpica e a aldeia dos meios de comunicação social. Também não inclui nenhum dos investimentos em infraestrutura de transporte, comunicação e hospitalidade que foram feitos para acolher os Jogos. O número em si é muito fungível, dependendo do que se pretende incluir.  

Para onde mais vai o dinheiro?  

O orçamento de segurança será de cerca de 2 bilhões de dólares. Depois há transporte para as 205 equipas olímpicas que estão chegando a Tóquio. O Comité Olímpico Internacional paga todos os voos para que cheguem a Tóquio.  

Se olhar para o documento de licitação, o COI exige muitas despesas de hospitalidade - Thomas Bach e John Coates e outros para ficar em hotéis de luxo e as suas refeições. É preciso pagar pelos 11.000 atletas e seus treinadores e treinadores que estiveram na Aldeia Olímpica. Têm de pagar o alojamento, alimentação, cuidados de saúde e assim por diante. E outra coisa que está lá, a propósito, são os 3 bilhões de dólares que custou o adiamento.  

Porque é que as cidades continuam a concorrer às Olimpíadas se, como argumentam, a economia é tão ruim?  

Se recuarmos quatro ou cinco Jogos Olímpicos, temos consistentemente várias cidades europeias a desistir das suas candidaturas por causa de um plebiscito ou os seus residentes votaram: "Não, não queremos fazer isto". Eles estão a olhar para o balanço, que é esmagadoramente negativo. Estão olhando para as perturbações sociais e ambientais, o que é extremamente problemático.  

O que o COI fez em resposta a isso foi introduzir algumas reformas tépidas. Uma das quais é colocar toda a licitação atrás de portas fechadas. Eles estão fartos e cansados de serem envergonhados pelas cidades que desistem. Por isso, o processo é agora secreto.  

Mas algumas cidades ainda querem fazer isto, certo?  

A principal resposta é que os executivos da indústria da construção decidiram que isto seria uma coisa maravilhosa para a sua indústria. Vão receber bilhões de dólares de contratos. Podem alinhar, claro, os sindicatos, e alguns banqueiros de investimento. Contratam uma empresa de consultoria para fazer um estudo de impacto económico, que utiliza uma metodologia defeituosa e faz algumas suposições irrealistas. E saem com "Por Deus, isto vai colocar a nossa cidade no mapa".  

Então trata-se de desalinhamentos?  

Se, digamos, a Deloitte, tendo sido contratada por uma câmara de comércio, e dissesse: "Isto é uma ideia louca. A vossa cidade nunca deveria fazer isto", nunca mais vão fazer outro estudo de impacto econômico para um evento desportivo gigantesco. Portanto, este é o seu modus operandi.  

E quanto aos 4 bilhões de dólares que o COI recebe das emissoras?  

Os membros individuais não fazem nada, exceto que são tratados com hospitalidade. O COI tem uma estrutura operacional imensa e elaborada com todos os tipos de subcomissões e subagências. Assim, os seus custos operacionais são bastante substanciais. Estão provavelmente na ordem dos 15% das suas receitas totais ao longo de um ciclo olímpico de quatro anos.  

Acha que os direitos de transmissão irão ganhar ou perder valor no futuro?  

Bem, será que vamos começar a apostar nos Jogos Olímpicos? Certamente que a decisão do Supremo Tribunal invalidando a Lei de Protecção do Desporto Profissional e Amador é uma indicação de que as apostas desportivas vão atingir todas as ligas desportivas. Isto pode ser um grande item gerador de receitas para as taxas de direitos de transmissão.  

Os próximos Jogos Olímpicos serão em Pequim este Inverno. Como espera que se realizem?  

Imagino que há uma enorme quantidade de impulso político para COI ter selecionado Pequim. É claro que só tinham escolha entre Pequim e Almaty, Cazaquistão. Foi uma escolha da Hobson.  

Será que Pequim vai ganhar dinheiro?  

Estão a fazer coisas realmente loucas, loucas. Selecionaram dois locais a 60 e 120 milhas a norte de Pequim para acolher os eventos de esqui nórdico e alpino. Ambas as áreas são áridas - não muito longe do deserto de Gobi. Têm de investir dezenas de bilhões de dólares num sistema de transferência de água, porque vão ter de utilizar neve artificial. Nada disso vai aparecer no orçamento olímpico. É extremamente estúpido gastar tanto dinheiro para promover o esqui no norte da China, quando não é um desporto muito popular. Eles admitiram ter gasto 44 bilhões de dólares para os Jogos de Verão de 2008.  

Quanto é que as Olimpíadas têm países e cidades a demonstrar poder político?  

É difícil para mim imaginar que o Presidente Xi pense que isto vai colocar Pequim no mapa. Uma das coisas que aprendemos em 2008 foi que Pequim foi terrivelmente poluída, e aprendemos muito mais sobre a repressão na China devido à transmissão dos Jogos.  

Então porque é que o Japão concorreu?  

Em 1964, uma das coisas com que o Japão estava tão feliz quando acolheu os Jogos Olímpicos foi a oportunidade de dizer ao mundo: "Já não fazemos parte das potências do Eixo. Somos uma sociedade capitalista jovem e em crescimento". Em certa medida funcionou, porque eles estavam se transformando dramaticamente.  

Quando licitaram em 2013, promulgaram estas ideias no Japão: "Íamos poder mostrar ao mundo que recuperámos de Fukushima e que o milagre económico - que parou no início dos anos 90 e foi seguido de três décadas de estagnação - ultrapassámos isso".  

Identificou muitos problemas. Tem uma solução?  

Se estivéssemos a viver num mundo racional, teríamos a mesma cidade a acolher os Jogos de dois em dois anos. Não há razão para reconstruir o Shangri-La Olímpico de quatro em quatro anos. Não faz sentido para as cidades. Não faz certamente qualquer sentido do ponto de vista das alterações climáticas. Quando os Jogos Olímpicos modernos foram criados em 1896, não tínhamos telecomunicações internacionais e viagens internacionais em jactos. Assim, para que o mundo participasse e desfrutasse das Olimpíadas, era necessário deslocá-lo de um lado para o outro. Já não temos de fazer isso.  

Acha que o COI alguma vez faria isso?  

Eles não vão responder positivamente a essa ideia. O seu papel no mundo e o seu prestígio no mundo, e a sua definição de si próprios, giram em torno do seu poder de decidir onde vão decorrer os Jogos Olímpicos. Porque é que abdicariam desse poder?  

E quanto à parte dos Jogos Olímpicos que se sente bem? Não acredita no argumento de que as Olimpíadas unem o mundo?  

Gosto de um pouco do simbolismo das Olimpíadas. Não tenho a certeza de quão penetrante é, mas gosto da ideia de reunir os melhores atletas do mundo de 205 países, e de os fazer competir uns contra os outros no campo de jogo e não no campo de batalha. Isso tem ressonância para mim. Gosto disso. Agora, até onde é que isso nos leva? Não penso que muito longe. É um simbolismo muito caro.

Links


Ghost-writers veem demanda crescer com ascensão de influenciadores

O que está errado com a Victoria´s Secret?

Poucas evidências que métricas ESG mais elevadas significa redução no crescimento das emissões

Quando a ciência segue a política (vice-versa) (figura)

Rir é o melhor remédio

O chefão do crime descobre que um guarda-costas enganou a organização em 10 milhões de reais. O guarda-costas é surdo e por isso conseguiu o emprego. Sendo mudo, não escutava as combinações do chefão e seus asseclas e não poderia denunciar a organização. Quando foi confrontar o guarda-costas, o Chefão levou consigo o seu contador, o único que conhecia a linguagem de sinais. O padrinho diz ao contador: 

- Pergunte para ele onde está o dinheiro. 

O contador, em linguagem de sinais, faz a pergunta sobre o dinheiro. O guarda-costas responde: 

- Eu não sei do que o padrinho está falando. 

O contador transmite a resposta para o Chefão. O padrinho saca o revólver, coloca na cabeça do guarda-costas e manda o contador perguntar novamente. O contador faz a pergunta para o guarda-costas na linguagem de sinais. Este treme e diz, em sinais: 

- Está bem. O dinheiro está enterrado no quintal do meu primo Bruno, perto da árvore. 

 O padrinho, vendo os sinais sendo feito e impaciente, pergunta: 

- O que ele disse? 

O contador responde: 

- Ele disse que você não é homem para puxar o gatilho.

26 julho 2021

As maiores empresas de auditoria

 Por receita, em 2020:

  1. Deloitte (1)
  2. PwC (2)
  3. EY (3)
  4. KPMG (4)
  5. RSM US (5)
  6. Grant Thornton (6)
  7. BDO USA (7)
  8. CliftonLarsonAllen (8)
  9. Baker Tilly (11)
  10. Crowe (9)
Em parênteses, a posição do ano anterior. 

Custo dos Jogos

 

Fonte: aqui

Um problema é que o valor geralmente é bem acima do orçado. No caso do Rio, 350%. Eis uma frase resumo:

o legado duradouro de sediar as Olimpíadas nada mais foi do que uma série de locais abandonados e cobertos de vegetação.

Cartas de comentários pode ajudar na regulação

Does enhanced regulatory transparency facilitate alignment of private and public enforcement? Utilizing the SEC's 2004 decision to publicly disclose its comment letters, we explore the actions of the SEC and shareholder litigants. We find the two parties converge more on enforcement targets after the public disclosure. The increased alignment is attributable to public scrutiny of SEC oversight enhancing regulator incentives and reducing regulatory capture, and to shareholder plaintiffs gaining information previously accessible only by regulators, enabling litigants to identify cases with “merit.” These findings suggest regulatory transparency enhances the complementarity of public and private enforcement, potentially improving enforcement outcomes. 

Regulatory transparency and the alignment of private and public enforcement: Evidence from the public disclosure of SEC comment letters - Journal of Financial Economics - 2021 - Amy Hutton, Susan Shua e Xin Zheng

Rir é o melhor remédio

 

Coisas engraçadas que somente um fraudador irá entender.

24 julho 2021

Causa e dinheiro para estudos

 

Nem sempre a "necessidade" da sociedade significa financiamento para pesquisa. A tabela acima mostra, em ordem, as principais causas de morte nos Estados Unidos, da primeira causa até a vigésima. Doença do coração é a principal causa e recebeu um pouco abaixo da média. Nesse caso, a média significa a quantidade de fundos para pesquisa por mortos. Diabetes tem recebido bem acima da média em dinheiro para pesquisa. HIV também ($182 mil). 

Dois destaques no sentido oposto. A violência com armas, a 12a causa de mortes, tem recebido bem menos. Isso parece estar mudando nos últimos anos. Apesar do artigo destacar a questão das armas, é interessante que as quedas receba tão pouco em pesquisa. 

Links


Um site pornô mostra o problema dos links na internet

CFO do Benfica, clube português, envolvido em fraude fiscal

Corridas de F1 e o carro elétrico

A resistência aos Jogos. Rejeição enorme na Coréia, Japão e Brasil

8% dos dados científicos são fabricados e falsificados

Rir é o melhor remédio

 

Meu cérebro 

23 julho 2021

FRC critica o trabalho da KPMG Britânica


KPMG enfrenta duras críticas do regulador do Reino Unido. "É inaceitável que falhem pelo terceiro ano" A empresa de auditoria foi alvo de críticas por parte do Financial Reporting Council, por falhar, há três anos consecutivos, as exigências requeridas pelo regulador. Em Portugal, a KPMG foi esta semana condenada pelo Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão. 

A KPMG, empresa que presta serviços de auditoria, está a enfrentar novas críticas pela qualidade das suas auditorias aos bancos, depois de o reguladores britânico ter dito que era "inaceitável" que, pelo terceiro ano consecutivo, o trabalho da empresa não estivesse à altura do pretendido. 

(...)  "Os resultados da inspeção à KPMG não mostram melhorias e é inaceitável que, pelo terceiro ano consecutivo, a FRC encontre novas falhas nas auditorias de bancos e entidades semelhantes à KPMG", pode ler-se no comunicado.  

Nas sete maiores empresas de auditoria do Reino Unido - incluindo a Ernst & Young e a Deloitte - quase 30% de toda a contabilidade estava abaixo da média no ano até o final de março, de acordo com o relatório anual do Conselho de Relatórios Financeiros. Esta meta fica bem abaixo os 10% que o regulador britânico definiu.  

As firmas de contabilidade têm enfrentado intenso escrutínio por reguladores e promotores para qualquer papel que possam ter desempenhado em uma série de colapsos e escândalos de empresas. O FRC abriu investigações sobre as auditorias da Greensill Capital, uma fintech que implodiu no início deste ano, e um banco de propriedade de um de seus maiores tomadores de empréstimos.  

O regulador do Reino Unido disse que "dada a importância sistémica dos bancos para a economia do Reino Unido, irá monitorizar de perto as ações da KPMG para garantir que os resultados sejam tratados em tempo útil". A empresa concordou com um conjunto de melhorias que forma exigidas e que serão realizadas este ano, disse ainda.  

(...)  Gonçalo Almeida - aqui

Carros Elétricos e a lucratividade


A Volkswagen é uma empresa que está investindo na produção de carros elétricos. Conforme postamos no início do ano, a empresa alemã era uma grande surpresa do mercado, pelo investimento em carros elétricos. 

Na Assembleia anual da empresa, realizada agora, o seu executivo operacional afirmou que as margens dos veículos elétricos ainda são inferiores aos carros de combustão, mas que em dois ou três anos haverá uma equivalência. Os números da empresa mostram que as vendas no primeiro semestre de 2021 foram duas vezes maiores que as vendas de 2020. 

Outro ponto interessante é que os executivos agora possuem incentivos vinculados a questão "verde".

Rir é o melhor remédio

 

O Museu Britânico é composto por muitas peças que foram "retiradas" de seus países de origem de maneira questionável. Isto, por sinal, é uma questão contábil interessante: faz sentido reconhecer como ativo uma relíquia histórica de foi obtida de maneira questionável? 

22 julho 2021

Mais informação ambiental?

Eis um argumento contrário ao que está sendo posto atualmente:


Com base no padrão de materialidade bem estabelecido, as empresas públicas devem divulgar quaisquer riscos financeiros potenciais das mudanças climáticas globais. A SEC está questionando se essas divulgações são inadequadas e está considerando padrões de divulgação adicionais mais detalhados e padronizados. A imposição de tais padrões seria onerosa para as empresas públicas e diminuirá o conhecimento dos investidores sobre os riscos financeiros potenciais das mudanças climáticas globais. 

Divulgações mais precisas exigem um número excessivo de premissas. Cada suposição contém erros desconhecidos, e como esses erros se agravam também é desconhecido. Como resultado, como empresas como empresas de divulgação de mais detalhes e padronizações sobre o impacto financeiro das armas climáticas, resultados globais resultantes de informações mais precisas, mas homens confiados, para os investidores. 

Os desafios que surgem para as empresas de combustíveis fósseis exemplificam o problema. Como empresas de combustíveis, as empresas são enfrentam riscos das mudanças climáticas, por exemplo, uma demanda por combustíveis, os produtos são reduzidos, prejudicando as receitas e os riscos financeiros para os investidores. 

(...) Atualmente, o petróleo alimenta um terço das necessidades de energia do mundo e é um componente insubstituível em milhares de produtos de consumo. Embora seja possível que alternativas viáveis surjam, também é possível que nenhuma delas o faça. E, mesmo quando como tecnologias se desenrolam, essas novas experiências experimentam um crescente dramático para impactar significativamente uma demanda por combustíveis fósseis ou que estão longe de ser certificado.

Wayne Winegarden

P.S. O título anterior do texto foi alterado para refletir melhor seu conteúdo. O título anterior da postagem era "Mais informação ambiental? A SEC não concorda"

Identidade secreta de Banksy e os direitos autorais


Ironia. O artista Banksy, do qual já fizemos diversas postagens, está diante de uma situação difícil. Uma empresa está usando suas obras e comercializando em cartões de felicitações. A Full Color Black foi levada a um tribunal e conseguiu convencer a retirar a marca registrada do artista em duas peças. O Escritório de Propriedade Intelectual da União Européia considerou que sua identidade oculta um fator relevante para a perda dos direitos. 

A decisão refere-se as obras Girl With Umbrella e Radar Rat. A ironia? 

Em seu livro Wall and Piece, de 2006, o artista disse que as reivindicações de direitos autorais são "para perdedores" e incentivou as pessoas a "copiar, emprestar, roubar e alterar" seu trabalho. Em um ato decididamente contraditório, Banksy continua a reivindicar direitos de marca registrada. 

Essas últimas decisões abrem os portões para as pessoas fazerem exatamente isso, o que significa que, se ele deseja manter a propriedade de seu trabalho, Banksy pode ser forçado a revelar sua identidade.

Duolingo irá abrir capital


Eis uma surpresa. O Duolingo, conhecido app de ensino de idiomas, deverá abrir o capital. 

Sua avaliação estimada é de 2,4 bilhões, mas a oferta é no sentido de uma avaliação de 3,4 bilhões de dólares. 

 A Duolingo foi criada em 2011 nos Estados Unidos e oferece cursos em 40 idiomas para cerca de 40 milhões de usuários mensais ativos. A companhia vai oferecer 5,1 milhões de ações no IPO e a faixa indicativa foi definida entre US$ 85 e US$ 95 por papel. Em novembro, a empresa foi avaliada em US$ 2,4 bilhões depois de receber investimento da Durable Capital Partners e da General Atlantic. 

Imaginava que seria uma entidade sem fins lucrativos. 

Links

 O número de candidatos ao CPA foram os mais baixos em mais de uma década

Fundos Hedge e a governança da Toshiba

Tecnologia precisa de uma nova narrativa

39 (em 750) empresas brasileiras estão entre as melhores do mundo na prática ESG

Mudança do Fasb para doações

Foto: Noah Buscher

Rir é o melhor remédio

O novo chefe da contabilidade estava disposto a livrar o setor dos funcionários preguiçosos. Na sua primeira visita ao setor que iria comandar, decidiu deixar isso bem claro. No meio das diversas mesas, com funcionários concentrados e trabalhando, e nota uma pessoa de pé, olhando para seu celular. Disse então bem alto: 
- Bom dia. Sou o novo chefe da contabilidade. A partir de hoje só quero funcionário dedicado no nosso setor. Nada de pessoa sem fazer nada. 
Todos prestam atenção. Chegando perto da pessoa que estava em pé, ainda distraído, pergunta: 
- Quanto de dinheiro você ganha por semana? 
- R$600 por semana. Por quê? 
O novo chefe coloca a mão no bolso e tira várias notas: 
- Tome aqui R$2.400 por quatro semanas de trabalho. Agora saia e não volte mais. Só quero funcionário comprometido com o trabalho. 
O rapaz pega o dinheiro e vai embora. Sentido feliz com seu gesto, que colocaria todos os funcionários no lugar. 
- Alguém sabe me dizer quem é aquele? 
 Um funcionário do setor responde: 
- É o entregador da pizza, que estava esperando o pagamento

21 julho 2021

Trump e seus negócios durante seu governo


Mesmo com perdas, receita dos negócios são mil vezes maior do que salário anual doado pelo ex-presidente dos Estados Unidos 

Em abril de 2017, o então secretário de imprensa dos Estados Unidos, Sean Spicer, subiu ao pódio na sala de reuniões da Casa Branca e anunciou que o presidente estava doando seu salário do primeiro trimestre ao Serviço Nacional de Parques. Com uma expressão séria no rosto, Spicer puxou um cheque enorme com uma assinatura enorme. Foi o primeiro de vários cheques que Donald Trump assinou enquanto estava no cargo, dando seu salário de US$ 400 mil por ano em troca de boa publicidade.  

A quantia era um trocado para Trump. Seu dinheiro real vinha dos seus negócios (ele se recusou a desinvestir), não de seu salário no governo. Uma análise de documentos, alguns dos quais só se tornaram públicos nas últimas semanas, mostra o quanto os negócios de Trump arrecadaram enquanto ele estava no cargo. Vasculhe tudo – incluindo registros de propriedade, declarações de ética, documentos de dívida e registros de títulos – e você encontrará cerca de US$ 2,4 bilhões em receita de janeiro de 2017 a dezembro de 2020.  

Se não fosse pela pandemia, teria ainda mais. Os negócios de Trump geravam cerca de US$ 650 milhões anualmente durante os primeiros três anos de sua presidência. Mas em 2020, as receitas caíram para cerca de US$ 450 milhões quando a Covid chegou. “Isso está me prejudicando, e está prejudicando o Hilton, e está prejudicando todas as grandes redes de hotéis em todo o mundo”, disse Trump em uma coletiva em março de 2020, na Casa Branca. “Está prejudicando a todos. Quero dizer, existem muito poucos negócios que estão indo bem agora.”  

A maior parte da receita de Trump fluiu por meio de seus clubes e propriedades de golfe, que geraram aproximadamente US$ 940 milhões em quatro anos. O Trump National Doral, um resort de golfe em Miami, contribuiu com cerca de US$ 270 milhões. Mar-a-Lago, o clube de Trump em Palm Beach, também na Flórida, arrecadou cerca de US$ 90 milhões. Um clube de golfe em Nova Jersey, onde o ex-presidente tem se hospedado neste verão, arrecadou cerca de US$ 60 milhões. Nem todo esse dinheiro acabou no bolso de Trump, no entanto. A administração dos clubes de golfe e dos resorts é cara, com margens de lucro operacional de 20% em tempos de bonança. Durante a pandemia, os campos tradicionais de Trump se saíram razoavelmente bem, mas seus resorts de golfe tiveram que lidar com longos períodos de paralisação, fazendo com que suas receitas gerais de golfe e clubes caíssem 27%, para cerca de US$ 190 milhões em 2020.  

Felizmente para Trump, ele também tinha participações em imóveis comerciais para reforçar seus resultados financeiros. Isso se provou especialmente importante em 2020, uma vez que os inquilinos comerciais – muitos presos a contratos de longo prazo – continuaram a pagar o aluguel. No 555 California Street, um prédio de escritórios em São Francisco no qual Trump detém uma participação de 30%, seu aluguel aumentou no ano passado, de US$ 42 milhões para US$ 43 milhões, de acordo com documentos analisados. A mesma coisa aconteceu na 1290 Avenue of the Americas de Nova York, onde a arrecadação de Trump aumentou de cerca de US$ 55 milhões para US$ 58 milhões.  

Os negócios de hotelaria, licenciamento e gestão, por outro lado, não se saíram tão bem. As receitas estimadas ficaram bem acima de US$ 100 milhões de 2017 a 2019, mas caíram para perto de US$ 50 milhões em 2020. Nenhuma parte do portfólio de Trump estava mais mal posicionada para suportar tal golpe, dado o peso da dívida de seus hotéis. Em seu hotel em Washington, DC, as receitas se estabilizaram em cerca de US$ 52 milhões de 2017 a 2019. Com a receita estagnada, o hotel não parecia estar produzindo lucro suficiente para cobrir os juros de seu empréstimo de US$ 170 milhões ao Deutsche Bank. As coisas só pioraram quando a Covid-19 chegou, e a receita caiu para menos de US$ 20 milhões. Não é de admirar que a Organização Trump tenha tentado vender o estabelecimento.  

Mas o ex-presidente não teve muita sorte em se livrar daquele hotel ou de outros ativos no ano passado. Trump se desfez de US$ 32 milhões em imóveis em 2017, estimados em US$ 53 milhões em 2018, depois US$ 32 milhões em 2019. Em 2020, porém, ele embolsou apenas US$ 435 mil com a venda de apartamentos em Las Vegas. A falta de vendas foi um dos motivos pelos quais as receitas caíram cerca de 25%, para estimados US$ 450 milhões. Uma quantia menor, com certeza, mas ainda mais de mil vezes o salário anual que ele doou.

Fonte: aqui. Foto: Daren Halstead

Isso é bem controverso, já que o presidente não permite o acesso a sua declaração do imposto de renda. 

A contabilidade de Britney Spears


A novela da tutela de Britney Spears teve um bom relato por parte da Forbes, no que se refere a parte financeira. Eis os dados:

Durante mais de uma década de controle, Britney Spears pagou ao seu pai um salário mensal, forneceu um escritório, e deu a ele uma parte de sua fama. Ao todo, Jamie Spears recebeu pelo menos US$ 5 milhões (antes de impostos) desde fevereiro de 2008. Por causa da tutela, Britney também teve que pagar centenas de milhares – senão milhões – de dólares em taxas legais para advogados e seus tutores.

Desde pelo menos fevereiro de 2009 – um ano depois que seu pai Jamie foi nomeado tutor e encarregado de seu patrimônio – Britney teve que pagar a ele US$ 16 mil por mês, de acordo com documentos judiciais analisados ​​pela Forbes. Em 12 anos, essa compensação totalizou US$ 2,4 milhões.

Além disso, um relatório desta semana do “The New York Times” apontou para o fato de que ele também levou parte das receitas de turnês da cantora – o que poderia explicar as acusações de Britney de que foi forçada a trabalhar e se apresentar mesmo não querendo ou doente. Os pagamentos para Jamie Spears incluíram 1,5% da venda bruta de ingressos e peças de marketing dos shows “Piece of Me”, realizados entre 2013 a 2017, em Las Vegas. As apresentações arrecadaram US$ 137,7 milhões, de acordo com o Caesars Entertainment, deixando para Jamie Spears nada menos que US$ 2,1 milhões. Ainda segundo o NYT, o pai da cantora também recebeu uma comissão de 2,95% de sua turnê “Femme Fatale”, de 2011.

Além dos milhões que Britney Spears pagou ao pai como parte de um “salário” ordenado pelo tribunal, ela também teve que pagar várias outras despesas. Foram US$ 300 mil em aluguel para um escritório. Como parte de uma peculiaridade dos acordos de tutela, os tutelados muitas vezes são obrigados a pagar tanto pelos seus próprios advogados, quanto pelos dos responsáveis por seus bens.

Nos últimos 13 anos em que Britney Spears esteve sob sua tutela, essas taxas aumentaram. Embora o total que ela gastou em custas judiciais não seja público, os registros judiciais de 2018 e 2019 detalham que, entre 1º de outubro de 2018 e 31 de outubro de 2019, o escritório de advocacia Freeman, Freeman and Smiley, que representava Jamie Spears na época, a cobrou cerca de US$ 170 mil. Outro documento detalhou os honorários de seu próprio advogado, Samual Ingham, de 6 de novembro de 2016 a 10 de outubro de 2018. O total chegou a US$ 331.940,50 para 698,7 horas de trabalho – ou US$ 475 por hora.

De acordo com um pedido de 2018 do advogado de Jamie Spears, “o espólio estava quase sem fundos e equivalentes de caixa” quando a tutela começou em fevereiro de 2008. O pedido afirma que entre 2014 e novembro de 2018, o valor do espólio aumentou em US$ 20 milhões, atribuindo o crescimento em parte à administração do dinheiro de Britney Spears pelos tutores.

Línguas mais faladas do mundo


As 20 lí­nguas mais faladas do mundo

1. Inglês = 1,35 Bilhões  

2. Mandarim = 1,12 bilhões

3. Hindi = 600 milhões (apesar de ser a língua oficial da Índia)

4. Espanhol = 543 milhões

5. Árabe padrão = 274 milhões

6. Bengali = 268 milhões

7. Francês = 267 milhões

8. Russo = 258 milhões

9. Português = 258 milhões

10. Urdu = 230 milhões = falado no Paquistão e Índia

11. Indonésio = 199 milhões

12. Alemão = 135 milhões

13. Japonês = 126 milhões

14. Marathi = 99 milhões (falado na Índia)

15. Telugu = 96 milhões

16. Turco = 88 milhões

17. Tamil = 85 milhões

18. Yue = 85 milhões (China)

19. Wu = 82 milhões (China)

20. Coreano = 82 milhões


Rir é o melhor remédio

 

Fonte: aqui

20 julho 2021

Economia e sua medida imperfeita


Qual a razão dos restaurantes estarem abertos, mas as bibliotecas não? Tim Harford responde que o PIB pode explicar:

Restaurantes, sendo uma empresa comercial na qual o dinheiro muda de mãos, contribuem diretamente para o PIB. As outras atividades não. A reabertura total de todas as mesas de uma biblioteca aumentaria, em princípio, o valor dos serviços educacionais produzidos, mas é improvável que essa mudança se registre em nossas contas nacionais. 

(...) Em todo o Reino Unido, as pessoas estão respondendo a incentivos. Para um restaurante, a reabertura é uma questão de sobrevivência e (o atualmente modestos) os riscos do Covid-19 serão tolerados. Por outro lado, a escola local não depende da renda de clubes de natação amadores. As bibliotecas Bodleian da universidade de Oxford, com mais de quatro séculos de idade, não correm perigo iminente se não puderem aumentar a capacidade amanhã. 

(...) Embora algumas das melhores coisas da vida sejam gratuitas, dificilmente deve ser uma surpresa que as pessoas possam ser cautelosas ao acomodar um esforço voluntário enquanto movem montanhas quando seus próprios empregos estão em risco. (...)

Podemos dizer o mesmo do ativo tangível de uma empresa e o seu intangível? 

Foto: Kyle Ryan

Comentários falsos no processo de regulação

O Promarket discute como o processo de audiência pública foi corrompido por participantes falsos. Os casos discutidos pelo site correspondem a discussão sobre a neutralidade da internet nos Estados Unidos, com mais de 8,5 milhões de comentários fraudulentos. 

Diante disso, a Procuradoria Geral da República de Nova York procedeu uma investigação. A conclusão indicou melhorias no processo e considerou os comentários falsos como um incômodo. A conclusão preocupa, já que o mecanismo de audiência pública deveria ter a participação do público e os comentários são relevantes no processo. Além do desperdício de recursos públicos com os comentários "não técnicos" e "não substantivos".

Veja que o procedimento de minuta é muito usado pelos reguladores contábeis. Recentemente a Fundação IFRS lançou uma proposta de discussão sobre a criação de uma entidade voltada para a regulação ambiental. A proposta recebeu mais de 500 comentários. 

Talvez a questão do comentário não seja binária. Se o caso dos EUA considera que os comentários são um estorvo, o procedimento da audiência pública não faz sentido. Por outro lado, se os comentários são considerados, o resultado final pode se afastar do objetivo desejado pelos reguladores. Talvez na prática os comentários sejam do tipo "allegro, ma non troppo". Ou seja, um grande número de comentários contrário a uma proposta, pode fazer com que a entidade repense sua proposta. Mas um número pouco substancial, a proposta deve seguir adiante. 

Os estudos realizados pela pesquisadora Márcia Ferreira, da UFPE, mostram que os comentários podem ser relevantes, mas depende de quem faz.


Links



Obra cortada de Rembrandt (reconstruída pela IA)

Como escolher alguém para dar uma carta de referência para um doutorado (conhecer você pessoalmente, conhecer seu perfil, alguém disponível para escrever a carta, com experiência e sem conflito de interesses)

Como escolher o avaliador de uma tese

A história do dono da OnlyFans (ou picareta tem em todo lugar)

Chá, café ou soda?

 

Os países com a cor escura tem consumo prevalente de café. Vermelho (?) domina o consumo de soda. E na cor verde, o consumo de chá. 

O mapa original está aqui

Rir é o melhor remédio

 Não fume (ou não nade)

Jesus trabalhou muito: transformando água em vinho
Instalação do projetor perfeita
Cada um por si
Mais situações aqui