Translate

Mostrando postagens com marcador Portugal. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Portugal. Mostrar todas as postagens

25 janeiro 2022

Aula de Comércio de Lisboa

Miguel Gonçalves publica um artigo muito relevante sobre a história da contabilidade na Enfoque Contábil. Eis o resumo:

O artigo apresenta, de forma inédita, o discurso pronunciado em Lisboa em 21 de Agosto de 1776 por Alberto Jaquéri de Sales (1731-1791), professor da Aula do Comércio (AC), por ocasião da inauguração do quinto curso da AC. Nesse ano, a AC registou o maior número de alunos matriculados da história da instituição, 307 no total. A literatura contém diversas referências a este documento impresso em 1776, mas, por circunstâncias desconhecidas, o opúsculo parece não constar do acervo documental das principais bibliotecas portuguesas; e tampouco a localização do folheto é fornecida pela literatura de forma precisa, pelo menos tanto quanto é do nosso conhecimento. Desta forma, este estudo visamostrar à comunidade o documento que persiste mais ou menos desencontrado com a história da contabilidade portuguesa e que se localizou no Catálogo de Miscelâneas da Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra. Aproveita-se também a oportunidade para dar conhecimento de uma fotografia da AC, datada de 1894 (que se crê inédita no âmbito do tema AC), a qual mostra o edifício em Lisboa onde a escola se instalou e funcionou de 1759 a 1768

Lembrando que Portugal partiu, de forma tardia, na adoção das partidas dobradas. Mas foi a primeira nação a abrir uma escola de ensino formal da contabilidade, a Aula de Comércio. 

Eis a fotografia:

No mesmo periódico, um artigo sobre a obra de Bernardo Cotrugli, o primeiro autor de contabilidade conhecido. Cotrugli, ao contrário de Pacioli, não imprimiu sua obra e por isto o seu pioneirismo perdeu relevância. Além disto, enquanto a obra de Pacioli teve muita influência nas gerações seguintes, o livro de Cotrugli não foi tão relevante. 

17 dezembro 2021

Criminoso português pode escapar por falta de tradutor


Em outubro eu fiz uma postagem sobre João Rendeiro. De uma forma bem resumida, Rendeiro foi fundador e gestor do Banco Privado Português. Esta instituição foi descontinuada em 2010 e desde então o judiciário português provou alguns problemas que ocorreram na instituição, incluindo lavagem de dinheiro, falsificação e problemas contábeis.

Em 2020 um tribunal condenou Rendeiro a 5 anos e 8 meses de prisão. Antes disto, Rendeiro fugiu de Portugal e Europa e começou a ser caçado pela Interpol. Recentemente, ele foi capturado na África do Sul. Só que o Ministério Público de Portugal não conseguiu apresentar um pedido formal de extradição dentro do prazo de quarenta dias. Parte do problema é que as autoridades estão com dificuldades de traduzir as decisões judiciais dos processos onde Rendeiro foi condenado. Em um dos processo, onde ele foi condenado a 10 anos de prisão, a decisão do tribunal tem 422 páginas. Parece mentira:

As dificuldades foram assumidas ao jornal pela diretora do Departamento de Cooperação Judiciária e Relações Internacionais (DCJRI) da Procuradoria-Geral da República, Joana Gomes Ferreira, apontando que só existem dois tradutores para todos os processos do país. 

07 novembro 2020

Profissão Contábil em Portugal


Como residentes em um país colonizado por Portugal, sempre ficamos atento ao que está ocorrendo no país europeu. Uma surpresa em uma artigo de João Barros, para o Jornal Econômico, é saber que a profissão de contabilista foi regulada em 17 de outubro de 1995. Ou seja, recentemente completou 25 anos de regulamentação do exercício da profissão. 

O texto fala em "uma luta de muitas décadas" para obtenção da regulamentação. Eis um trecho interessante:

Num país que se pode orgulhar da primeira escola europeia – e, quiçá, mundial – dedicada exclusivamente ao ensino de matérias comerciais e contabilísticas, a Aula do Comércio, instituída em 1759 pelo Marquês de Pombal, a regulamentação da profissão foi o culminar de um longo processo. Desde os guarda-livros e as obrigações que lhes eram atribuídas na “Carta de Lei” de 1770 ou nos Códigos Comerciais do século XIX, só em 1995, e após vários avanços e recuos, é finalmente formalizada a profissão de Técnico Oficial de Contas, a designação utilizada à altura. 

Já comentamos aqui, entretanto, que Portugal foi um dos últimos países a traduzir a obra de Luca Pacioli. A escola de Pombal é tardia, quando o país já estava atrasado na guerra comercial, sendo um mero entreposto de mercadorias da colônia. Tanto é assim que as partidas dobradas não eram adotadas na contabilidade pública portuguesa. 

25 janeiro 2020

Partidas dobradas em Portugal

O artigo Gonçalves (*) traça um panorama histórico muito interessante, não somente da história da contabilidade, como também da história da própria contabilidade. Vale a pena uma leitura para àqueles que se interessam pelo assunto.

Apesar de citar evidências pontuais de uso das partidas dobradas logo após a publicação do livro de Pacioli, como a presença em Portugal de conhecedores do método e o uso esporádico em uma entidade, o artigo reconhece que a institucionalização do método somente ocorreu de maneira muito tardia, em relação aos outros países da Europa, entre 1755 a 1777. O grande herói foi o controverso Marquês de Pombal.

A institucionalização ocorreu por meio de leis e normas, publicação de livros, deliberações de organizações para-estatais e decisões de empresas privadas. Entretanto, parece que este último foi menor. Eis um trecho:

Tal como Gomes (2007), o presente estudo também mostra ´que o papel desempenhado pelo Governo português foi decisivo no processo de institucionalização das partidas dobradas em Portugal´(Gomes, 2007, p. 229)

(*) Gonçalves M. (2019). Contabilidade por partidas dobradas: história, importância e pedagogia (com especial referência à sua institucionalização em Portugal, 1755–1777). De Computis - Revista Española de Historia de la Contabilidad, 16 (2), 69 - 142. doi: http://dx.doi.org/10.26784/issn.1886-1881.v16i2.355  

23 janeiro 2019

CGD, com certeza


“A Caixa. Com Certeza”. Este é o slogan da Caixa Geral de Depósitos (CGD), uma instituição bancária centenária de Portugal. Fundada em 1876 para receber depósito obrigatórios, com o tempo aproximou-se de um banco, com gestão de ativos, crédito imobilizado, participações e outras operações. Ao longo do tempo, a CGD passou por diversas alterações, sempre com o controle do governo de Portugal.

Mas parece que entre os anos de 2000 a 2015 a gestão da CGD não estava muito atenta a gestão de risco. A origem parece ser a compra do capital do BCP.  Um caso curioso, chamado Operação Caravela, era um investimento realizado para encobrir prejuízo e que resultou em mais prejuízo. Outros investimentos danosos estão sendo investigados desde setembro de 2016. As investigações preliminares parece indicar prática de favorecimento para certos agentes econômicos. Os cem maiores empréstimos realizados pela CGD indicam um total de 2,5 bilhões de euros. Vários deles sem garantias ou com garantias frágeis.

Estes empréstimos já resultaram no reconhecimento de perdas, através do teste de imparidade. Mais de 1,4 bilhões de euros já foram registrados e o total pode ser maior.

Nesta confusão, a empresa de auditoria EY fez um relatório preliminar sobre a entidade, com data de dezembro de 2017. O documento mostra que diversos empréstimos foram realizados, mesmo com parecer desfavorável da área técnica. Mais ainda, o relatório mostra que gestores da CGD receberam bônus de desempenho, mesmo com prejuízos. Esta política de remuneração não ajudou muito a instituição.

O relatório da EY foi “divulgado”. Isto suscitou a curiosidade do legislativo português, que queria ter o acesso a auditoria realizada no período de 2000 a 2015. Este acesso foi negado pelo judiciário.

20 março 2018

Sobre o Benfica

Sobre o caso do clube Benfica, onde informações judiciais sigilosas foram passadas para o advogado do clube português, em troca de camisas e ingressos para jogos do clube, um comentário de Ana Pina no Jornal Econômico:

O que nos devia preocupar neste “caso” não é o que poderá acontecer ao Benfica por ter comprado alguém para lhe revelar segredos de justiça a troco de camisolas e bilhetes ou um emprego para o sobrinho, mas o facto de poder ter havido quem, no seio do sistema de justiça, se tenha vendido em troca de camisolas e bilhetes ou um emprego para o sobrinho. Aliás, tanto a concentração de preocupações no Benfica como a ninharia pela qual o funcionário do sistema judicial se corrompeu mostram bem como a cultura do “pequeno favor”, da “cunha”, da “ajudinha”, do “fazer um jeitinho”, está enraizada no país e no Estado.

A facilidade com que alguém (alegadamente, é sempre preciso dizer para não ofender consciências) se corrompe, e a indiferença com que o país encara essa facilidade, só se excitando em defesa do “clube do coração” ou em ataque ao “rival”, mostram como a corrupção, em Portugal, é encarada com normalidade e amplamente praticada por todos ou quase, do político mais poderoso ao mais insignificante cidadão que tem de resolver um problema “nas Finanças”: quem tenha o número de telefone da pessoa certa, quem seja primo da pessoa no sítio certo, quem possa fazer o favor certo a quem no futuro lhe possa retribuir, “safa-se”. Num país onde a lei impere, “safa-se” quem por habilidade ou sorte presta algum bem aos seus pares. Num país como Portugal, “safa-se” quem, pela sorte ou falta de escrúpulos, consegue traficar eficazmente a influência de que goza.

13 março 2018

Sistema de Justiça de Portugal não tem a confiança da Justiça

Sobre o caso dos e-mails do futebol português (vide aqui postagem explicando o assunto), o judiciário do país europeu decidiu tramitar o processo fora do sistema onde correm os processos. É um tentativa de evitar que informações sobre o escândalo sejam de acesso de terceiros. Em Portugal o nome do hacker é "toupeira" e por este motivo o acesso aos documentos recebeu o nome de "e-toupeira".

A decisão estende-se a diversos magistrados do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa e de outras comarcas. O CM refere que já há procuradores e juízes a não colocar peças processuais no Citius, por não confiarem no programa criado para unificar a Justiça nacional.

09 março 2018

Divulgação de E-mails e uso ao computador da justiça: assim é o futebol português

Este caso envolve corrupção passiva, favorecimento pessoal, peculato, burla informática, falsidade informática, nove crimes de acesso ilegítimo e mais quatro crimes de violação de segredo de justiça. E dois dos maiores clubes de futebol de Portugal.

Tudo começou em abril de 2017, quando o FC Porto, um dos maiores clubes de futebol de Portugal, começou a divulgar alguns e-mails originários do seu grande rival da equipe, o Benfica. Nos e-mails, parece que o Benfica contrata pessoas para ajudar na compra, ou melhor corrupção, de juízes de futebol, para lhe favorecer. Inicia-se uma luta judiciária. O Benfica tenta impedir a divulgação dos e-mails por parte do Porto. O caso começa a ser investigado pela justiça, com buscas de provas no Benfica e nas casas dos denunciados. Inicialmente, a justiça impediu a censura aos e-mails, mas depois a decisão foi revertida. O Porto afirma que irá recorrer à Comunidade Europeia.

Temos agora uma segunda fase. Numa operação da Polícia Judiciária, pessoas ligadas ao Benfica são presas. A acusação é o uso de uma senha para ter acesso ao processo dos e-mails. Usando um computador de uma pessoa com credencial em Lisboa. Assim como no Brasil, a operação recebeu um nome; no caso, “operação e-topeira”. Os acusados da operação ficaram em silêncio.

Como o Benfica tem ação negociada em bolsa, desde o início de março o preço dos papéis estão em queda. E o valor da marca deve reduzir, segundo especulação do Jornal Econômico.

Parece que o presidente do Benfica subornou funcionários do judiciário. Antes disto, outro cartola tinha acusado o Benfica de suborno dos juízes de futebol.

Nas últimas quatro temporadas, o Benfica foi campeão português, depois de um domínio do Porto.

07 novembro 2017

Informações não financeiras em Portugal

Um nova norma em Portugal melhora a divulgação de informações não financeiras:

As empresas nacionais com estatuto de Entidade de Interesse Público, com mais de 500 trabalhadores, estão assim obrigadas, já no exercício fiscal de 2017, a ter que publicar uma demonstração não financeira, de forma integrada ou autónoma relativamente ao seu relatório de gestão, contendo no mínimo informações relativas a questões ambientais, sociais e aos trabalhadores, à igualdade entre homens e mulheres, à não discriminação, ao respeito dos direitos humanos, ao combate à corrupção e às tentativas de suborno.

13 setembro 2017

Portugal e a tempestade perfeita

“Apesar de ter escapado ao desastre de ser atirado para fora da zona euro, Portugal não concretizou reformas suficientes para assegurar sucesso económica e orçamental financeiro”. A posição é defendida pelo jornal britânico de referência Financial Times, num artigo intitulado “Reformas em Portugal não foram suficientemente longe para garantir a sustentabilidade financeira”.

Depois de três anos de um programa de ajuda externa no valor de 78 mil milhões de euros, Portugal reemergiu em maio de 2014. No entanto, o país continua a ter razões para ser cauteloso, segundo o FT.

“Portugal está no centro de uma tempestade perfeita de fraco crescimento económico, queda do investimento, baixa competitividade, défices orçamentais persistentes e um setor bancário subcapitalizado que detém muita da estratosférica dívida pública da nação”, salienta o artigo.


Via Jornal Econômico

28 junho 2013

Universidade de Coimbra é cinco estrelas

Biblioteca da Universidade de Coimbra

A Universidade de Coimbra (UC) obteve a pontuação máxima (cinco estrelas) em várias áreas no novo ranking internacional «QS Stars University Ratings», uma iniciativa da QS Intelligence Unit, responsável, entre outros, pelo «QS World University Rankings».

A UC é a primeira universidade portuguesa a integrar este ranking, tendo superado com sucesso os oito meses de auditoria externa a que foi sujeita. Os resultados agora divulgados atribuem à UC cinco estrelas nas áreas da investigação, inovação, internacionalização, instalações e acessibilidades, tendo a classificação global sido de quatro estrelas.

Segundo a QS Stars “uma universidade com esta classificação é altamente internacional, demonstrando excelência tanto na investigação como no ensino. Configura uma instituição que promove um excelente ambiente tanto para os estudantes como para os docentes”.

O QS Stars é um sistema de classificação das instituições de ensino superior (IES) complementar aos rankings universitários mais tradicionais. Neste sistema as instituições são classificadas com base na avaliação de critérios mais abrangentes, sendo auditados mais de 80 indicadores, integrados nas seguintes áreas: Ensino, Empregabilidade, Investigação, Internacionalização, Instalações, Ensino à distância/online, Disciplina, Acreditação, Cultura, Inovação, Compromisso e Acesso.

Para o Vice-reitor responsável pela área da investigação, Amílcar Falcão, “a UC orgulha-se dos resultados obtidos no QS Stars”. Refere também que a Universidade fica assim mais forte “para enfrentar o futuro. Conhecermo-nos melhor é o primeiro passo para que possamos melhorar o nosso desempenho. Estamos agora mais organizados e conscientes das nossas forças e das nossas fraquezas. Fica para nós mais claro que caminhos temos de percorrer para alcançar patamares mais exigentes”.

De referir que a Universidade de Coimbra foi considerada, em 2012, pela QS, como a melhor instituição de ensino superior em Portugal.

Fonte: aqui

20 abril 2013

Portugal na bancarrota

Nos últimos dias tenho estado um pouco de "altas" do mundo cibernético devido a viagens. Tenho ensaiado escrever sobre algumas coisas e espero conseguir em breve. Agora estou em Portugal e achei muito curioso ver a crise de perto. Ao menos para mim foi BEM diferente da percepção que eu tinha quando estava no Brasil. Um ponto interessante são outdoors espalhados pela cidade com a campanha "cortem da dívida e não nos salários":


Claro que faz parte de uma campanha política...

17 janeiro 2012

Europa e Rating

Se alguém realmente pensou que a dívida soberana francesa era livre de risco ou que Portugal, com as suas dívidas de dez anos rendendo mais de 1.000 pontos era grau de investimento, então certamente tem vivido como uma pedra nos últimos anos. (...)


A Europa é um continente de risco; S & P é simplesmente fez este fato um pouco mais óbvio. Em um mundo ideal, as opiniões S & P não poderia carregar mais peso ou importância do que de qualquer outra pessoa. Mas este não é um mundo ideal e eles fazem.


Felix Salmon, aqui

18 outubro 2011

Teste 527

O termo "saco azul" é comum em Portugal, mas não no Brasil. Veja a seguinte notícia: "Associação Académica de Lisboa gere "saco azul" com o aval das associações de estudantes."

Qual o significado do termo?

a) caixa dois
b) caixa pequeno
c) gorjeta

Resposta do Anterior: C, C e D

31 março 2011

O quam cito trânsito gloria mundi

Por Pedro Correia


Uma das colunas mais antigas do Financial Times, a Lex Collumn, fez uma proposta sarcástica para a solução de um dos problemas dos PIGS : transformar Portugal numa província brasileira, que seria equivalente a 5% da população e 10% da economia do Brasil. É o retrato do passado e o futuro dos territórios ultramarinos.


"Here is an out-of-the-box way to deal with the situation: annexation by Portuguese-speaking Brazil (a decade of 4 per cent annual GDP growth, much higher recently). Portugal would be a big province, but far from dominant: 5 per cent of the population and 10 per cent of GDP."


Como diria Tomás de Kempis:"O quam cito trânsito gloria mundi"("O quão rapidamente passa a glória do mundo").

14 julho 2010

Portugal e a Crise

A agência de classificação de risco Moody's reduziu a avaliação da dívida de Portugal nesta terça-feira (13) em dois graus, de "AA2" para "A1", com perspectiva estável.


Fonte: Brasil Econômico. Comentário do sítio Business Insider

Desculpa Portugal, você é um dos PIGS, mas claramente você não importa hoje:
Londres: +0.7% (FTSE 100)
Paris: +0.6% (CAC 40)
Frankfurt: +0.6% (DAX)
Grécia: +0.4% (Athex)
Espanha: +0.4% (IBEX 35)
Portugal: -0.2% (PSI General Index)
Euro: $1.254 (-0.4%)


25 março 2010

Portugal Rebaixado

Talvez a principal notícia do dia seja o rebaixamento da dívida de Portugal de longo prazo por parte da agência Fitch, de AA para AA-, com perspectiva negativa. Segundo notícia do Brasil Econômico:

"Apesar de Portugal não ter sido muito afetado pela crise mundial, as perspectivas de recuperação econômica são mais frágeis que para os outros 15 membros da Zona do Euro, o que vai influenciar as finanças públicas a longo prazo", afirma em um comunicado Douglas Renwick, diretor da Fitch

Entretanto, o rebaixamento não retirou de Portugal o status de "grau de investimento". Mas pode significar que futuros lançamentos de títulos do governo terão um custo mais elevado. E pode ser uma sinalização de que a crise na Europa ainda não passou.

O ministro das Finanças de Portugal afirmou que já era esperado do rebaixamento. E que os mercados já incorporaram no preço esta nova situação.