Translate

04 abril 2020

Sites Covid


Neste ano, mais de 48 mil domínios com os termos "coronavirus", "covid" ou "covid-19" (e similares) já foram registrados. Muitos destes sites são "legítimos". Mas a maioria ou são maliciosos (para roubar dados, por exemplo) ou são sites para serem "vendidos" no futuro.

Falsificando pedidos de café - 2

Anteriormente mostramos que uma rede de cafés da China falsificou metade das suas vendas em 2019. A notícia surgiu no início de janeiro, quando um analista divulgou que estava vendendo as ações da empresa pois tinha recebido um relatório anônimo, mas convincente, de que a empresa estava inflando suas vendas.(A China chega a prender aqueles que fazem denúncias, mesmo verdadeiras, sobre empresas) A empresa negou e continuou o processo de expansão, incluindo a obtenção de mais dinheiro para financiar a falta de geração de caixa nas atividades operacionais. Neste momento, a denúncia do analista não alterou os preços das ações.

O problema não é novo e nos últimos anos outras empresas chinesas (Sino Forest, Longwei Petroleum, China Media, Puda Coal ...) também tiveram problemas contábeis. O regulador chinês disse que irá investigar. Alguns dos participantes da oferta pública de ações da empresa no passado estão procedendo investigações internas; isto inclui Morgan Stanley e Credit Suisse. Ontem (somente) a EY disse que encontrou problemas na contabilidade da empresa.

Corona, a marca (a empresa)

Já mostramos anteriormente como a cerveja Corona sofreu com a pandemia: uma pesquisa mostrou uma rejeição de consumidores, ao mesmo tempo que o Google Trends mostrava o interesse na rede.

Veja o gráfico abaixo:
 É a cotação, em seis meses, da empresa Constellation. Quando a Inbev adquiriu a marca, nos EUA a cerveja Corona foi adquirida pela Constellation. O outro gráfico abaixo é a cotação da ação Corona, no mercado Japonês

Rir é o melhor remédio


03 abril 2020

Implicações do Covid-19 nas Demonstrações

O texto a seguir foi preparado pelo Accountancy Europe. Mas é uma boa dica para aqueles que não sabem como agir.

Assuntos profissionais
A pandemia de coronavírus (SARS-CoV-19) continua a se espalhar em muitos países, inclusive na Europa. A Organização Mundial da Saúde (link is external) (OMS) e as autoridades nacionais podem ser consultadas quanto às implicações para a saúde das pessoas. Essa crise também tem efeitos econômicos significativos nas empresas, por exemplo, devido a restrições de produção, comércio e consumo ou devido a proibições de viagens.

Esses efeitos econômicos têm impacto nas demonstrações contábeis e de auditoria das empresas ou dos grupos envolvidos. Esta publicação destaca algumas dessas implicações potenciais. No entanto, o impacto nas empresas será diferente e as empresas e seus auditores devem considerar como isso afeta seus negócios e analisá-los regularmente. O desenvolvimento, a duração e o impacto do coronavírus não podem ser previstos. De qualquer forma, os contadores e os auditores devem lembrar às empresas das várias iniciativas nacionais de assistência as empresas.

Abaixo, exploramos os efeitos do coronavírus na:

  • contabilidade e relatórios para empresas em 31 de dezembro de 2019 
  • contabilidade e relatórios para empresas no final de ano de 2020 
  • auditoria das demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2019 e depois 
  • assuntos práticos para a auditoria das demonstrações financeiras

Efeitos na contabilidade e nos relatórios das empresas em 31 de dezembro de 2019

Os padrões de relatórios como o International Accounting Standard (IAS), o International Financial Reporting Standards (IFRS) e os princípios contábeis geralmente aceitos (GAAP) devem ser totalmente respeitados. Além disso, as empresas devem considerar ir além para responder a seus reais desafios contábeis causados ​​pelo coronavírus de maneira sensata e prática.

Condições refletivas que existiam na data do balanço

Em 31 de dezembro de 2019, a China alertou a Organização Mundial de Saúde (OMS) sobre vários casos de uma forma incomum de pneumonia em Wuhan. No entanto, informações substanciais sobre o que agora foi identificado como coronavírus só vieram à luz no início de 2020.

Continuidade
 

As empresas afetadas adversamente pelo coronavírus, como por exemplo as pequenas empresas ou das áreas de viagens, lazer e hospitalidade e aviação, precisam considerar questões de continuidade. Eles precisam considerar a possibilidade de executar várias análises de sensibilidade possíveis, para determinar se há alguma incerteza material sobre sua capacidade de continuar, como uma preocupação constante. Isso pode resultar em divulgações adicionais, especialmente se houver uma incerteza relevante. Em algumas circunstâncias, pode ser necessário considerar se é apropriado preparar as contas tendo por base a continuidade. Para isso, a empresa deve considerar todas as informações disponíveis sobre o impacto nas negociações futuras. Em relação ao prazo, é necessário considerar pelo menos os primeiros doze meses após a data do balanço ou após a data em que as demonstrações financeiras serão assinadas. Mas um prazo mais longo é aconselhável. Essa avaliação de continuidade operacional deve ser atualizada continuamente até a data em que as demonstrações contábeis são aprovadas.

Eventos pós-balanço não ajustáveis

O requisito geral é que o balanço reflita a posição no final do período do relatório. Portanto, para empresas na Europa com final de ano de 31 de dezembro de 2019, o surgimento de coronavírus é um evento não ajustável, uma vez que o surto ocorreu em janeiro de 2020.

A natureza de qualquer evento relevante não ajustáveis e uma estimativa de seu efeito financeiro devem ser divulgadas em nota explicativa. Portanto, as empresas precisam considerar o impacto do coronavírus em seus negócios, que variará de acordo com as circunstâncias específicas em que opera. Isso inclui que as divulgações articulam um impacto potencial no próximo período do relatório.

Outras divulgações no relatório da administração

As empresas também devem considerar se devem se referir ao possível impacto do coronavírus quando relatam os principais riscos e incertezas no relatório da administração. Em princípio, eles devem relatar isso quando possíveis desenvolvimentos adicionais podem levar a desvios negativos nas previsões da empresa.

Período após a data de encerramento


'Eventos após o final do período de relatório' incluem todos os eventos até a data em que as demonstrações financeiras são autorizadas para emissão. É importante incorporar uma abrangente revisão pós-balanço no relatório do final do ano.

Efeitos na contabilidade e nos relatórios para empresas com final de ano em 2020
À medida que avançamos em 2020, mais informações são reveladas sobre a escala e o impacto do coronavírus. Pode ser necessário um maior grau de julgamento ao identificar as condições nas datas dos balanços após 2019 e, portanto, avaliar se os desenvolvimentos são eventos de ajuste ou não. O coronavírus geralmente é um evento de ajuste para qualquer período do relatório encerrado a partir de 31 de janeiro de 2020.

As empresas precisarão revisar, além da preocupação continuada, todas as áreas das contas sujeitas a julgamento e incerteza de estimativa, incluindo:

  • estimativas contábeis [1] 
  • mensurações do valor justo 
  • imparidade de ativos 
  • avaliações de perda de crédito esperadas 
  • contabilidade de hedge 
  • outros requisitos de divulgação de demonstrações financeiras.
O impacto de violações de covenants, cláusulas contratuais onerosas e planos de reestruturação também merece consideração.

Efeitos nas demonstrações financeiras de auditoria em 31 de dezembro de 2019 e posteriores
 

A conformidade com as normas internacionais de auditoria (IAS) deve continuar na íntegra, mesmo sob pressão de prazos alterados. Além disso, os auditores devem recuar e procurar responder ainda mais aos desafios específicos de auditoria que o coronavírus causa para as empresas e seus relatórios.

Impacto do coronavírus na avaliação de riscos de uma empresa por um auditor

A avaliação de risco do auditor, e se isso precisa ser revisado devido à ameaça de novos riscos significativos a, por exemplo, liquidez da empresa. Como a situação atual é muito fluida, será necessário reconsiderar constantemente durante a auditoria. Mais orientações podem ser encontradas na ISA 315, Identificação e avaliação dos riscos de distorção relevante.

Obtendo evidência de auditoria

Os auditores devem considerar como reunir evidência de auditoria apropriada e suficiente. Nesse sentido, os auditores devem reconhecer que podem precisar alterar a abordagem de auditoria e desenvolver procedimentos alternativos, particularmente em trabalhos de auditoria de grupo com subsidiárias às quais o acesso é restrito. Isso continua sendo necessário para poder relatar ou considerar modificar a opinião da auditoria. O auditor deve considerar o maior uso da tecnologia no compartilhamento de dados ou na hospedagem de reuniões virtuais. A evidência de auditoria ISA 500 fornece mais detalhes.

Implicações para a avaliação do auditor da continuidade operacional

Este será, sem dúvida, o foco principal de muitas auditorias atuais e futuras, dado que a incerteza sobre a economia global e as perspectivas imediatas para muitas empresas aumentaram. O ISA 570 permanece aplicável.

Por exemplo, a avaliação da gerência sobre continuidade operacional pode precisar incluir:

  • atualização de previsões e sensibilidade conforme apropriado, considerando fatores de risco identificados e diferentes resultados possíveis
  • revisão da conformidade da aliança projetada em diferentes cenários 
  • alterar os planos da gerência para ações futuras 
  • expansão da evidenciação
O impacto das perspectivas futuras da empresa no relatório do auditor

O auditor deve considerar as dificuldades que a administração pode ter para preparar projeções futuras, reconhecendo a situação altamente incerta e fluida. De fato, essas projeções podem mudar significativamente em um curto espaço de tempo. É essencial que o auditor use julgamento profissional e ceticismo. Eles precisam ter cuidado para garantir que quaisquer projeções reflitam a situação como e quando um relatório de auditoria deve ser assinado. Consulte Eventos subsequentes do ISA 560 para obter mais detalhes.

Considerar a adequação das divulgações da administração sobre o impacto do coronavírus

O auditor precisa garantir que as divulgações da administração descrevam adequadamente as perspectivas da empresa e como os usuários das demonstrações financeiras podem ser afetados. Tudo isso enquanto reconhece o alto grau atual de incerteza. Os auditores também precisam considerar suas responsabilidades em relação a outras informações apresentadas pela administração com as demonstrações financeiras. Isso está coberto na ISA 720 (responsabilidades do auditor relacionadas a outras informações ).

Efeitos potenciais no relatório do auditor

As implicações para o relatório do auditor podem incluir [2]:

  • Para entidades de interesse público, um Key Audit Matter (KAM) relacionado ao trabalho de auditoria adicional necessário devido ao surto de coronavírus. Por exemplo, para descrever a abordagem da auditoria de grupo, explique que não há incerteza material ou incerteza relativa à continuidade 
  • Um parágrafo de "ênfase", por exemplo, para destacar um evento subsequente significativo divulgado nas demonstrações financeiras ou uma incerteza significativa resultante do surto 
  • Uma incerteza material em relação a um parágrafo de continuidade operacional 
  • Uma qualificação ou opinião adversa, por exemplo, em relação a divulgações inadequadas ou a incertezas nas demonstrações contábeis 
  • Uma opinião qualificada, ou uma isenção de opinião, devido à limitação do escopo quando não é possível obter evidência de auditoria apropriada e suficiente. Por exemplo, quando os inventários não podiam ser atendidos pessoalmente.
Implicações práticas para a auditoria das demonstrações financeiras
Discussões proativas dos auditores com seus clientes

Aconselha-se aos auditores que sejam proativos e discutam com seus clientes o impacto do coronavírus na empresa, seus negócios, operações, cronograma de relatórios e cronograma de auditoria relacionado, incluindo seus respectivos planos de contingência. Existe o risco de atrasos porque a empresa pode ser interrompida na preparação das informações.

Questões logísticas na preparação de contas e na realização de auditorias

Algumas empresas e auditores estão enfrentando dificuldades práticas na preparação de contas e na realização de auditorias. Isso provavelmente afetará como as empresas de auditoria auditarão essas empresas. Dadas as viagens, as reuniões e o acesso cada vez mais restritos aos locais da empresa, os auditores precisam desenvolver procedimentos de auditoria alternativos para reunir evidências de auditoria apropriadas e suficientes.

Considerações sobre revisão de auditoria de grupo

Os auditores de grupo precisam considerar como planejam revisar o trabalho dos auditores de componentes para atender aos requisitos das normas. Isso deve incluir considerar se procedimentos alternativos devem ser usados, por exemplo, onde a viagem é restrita.

Circunstâncias imprevistas

Quando a auditoria não puder ser executada, por exemplo, devido a um confinamento ou o auditor responsável pela assinatura adoecer, é recomendável também entrar em contato com o regulador relevante para obter orientação sobre as próximas etapas.

Previsões e uma nova realidade

A BBC traz um texto sobre algumas previsões e o novo cenário, com a pandemia. São quatro variáveis:

1. Crescimento econômico - A projeção era de um crescimento da economia brasileira de 2,17%. Esta previsão era de janeiro. A projeção mais recente é -0,48%. A estimativa para 2021 será mantida.

2. Taxa de câmbio - No final de fevereiro a previsão era uma taxa de câmbio de R$4,2 para cada dólar, no final do ano. A nova previsão é de R$4,50

3. Inflação - A previsão de fevereiro era de 3,19% de inflação anual. A nova estimativa é de 2,94% em razão da recessão.

4. Taxa básica de juros - A projeção caiu de 4,25% para 3,5%

Desafio dos Auditores

A pandemia do Covid-19 trouxe um conjunto de desafios para os auditores, além de trabalhar em casa. Muitas empresas estão reestruturando sua forma de trabalhar, o que inclui demissões. Além disto, os reguladores estão emitindo muitas normas. (Este seria um movimento bom: que os reguladores fiquem em casa descansando por alguns anos)

Fazer auditoria realmente é um desafio neste novo tempo. O AICPA publicou um relatório com estes desafios (via aqui). Inclui os seguintes tópicos: atrasos das demonstrações financeiras, observação do inventário físico,implementação e teste de controle interno, planejamento de auditoria, pressupostos de continuidade, eventos subsequentes, risco de fraude, entre outros itens.

Luta contra o Covid19




Fonte: aqui

Rir é o melhor remédio

Digitando qualquer coisa no computador e o Google

02 abril 2020

Muros

Uma coletânea de arte nos muros das cidades do mundo:





Riscos da Humanidade

SlatestarCodex faz uma análise de um livro chamado The Precipice, escrito pelo professor de filosofia de Oxford Toby Ord. O livro fala sobre o futuro da humanidade, diante de possíveis desastres. Ord considera que a chances da humanidade acabar diante de uma guerra nuclear é de 1 para mil, o que não deixa de ser surpresa. Afinal já escutamos falar tanto da existência de bombas capazes de destruir várias vezes a Terra.

O interessante é que o livro foi lançado agora, mas escrito muitos meses antes do Covid-19. E ele analisa a chance de uma pandemia natural (1 e 10 mil) ou criada (1 em 30). A chance de a humanidade acabar por conta da Inteligência Artificial (1 em 10) e assim por diante.

Tudo isto somado, segundo Ord, nossas chances de sobrevivência seriam de 5 para 6.


Falsificando pedidos de café

A empresa Luckin Coffee foi fundada em Pequim, na China, em 2017. Segundo informações da Wikipedia, no final de 2019, a empresa operava mais de 3.500 lojas em todo mundo. Na China, a empresa possui mais lojas que a Starbucks, apesar do tamanho médio ser menor. Parte da rápida expansão, lembrando que a empresa foi criada em 2017, tem sua origem na captação de recursos de financiamento (próprio ou de terceiro). A empresa possui ações negociadas na Nasdaq.

A empresa chegou a anunciar a abertura de dez mil lojas até dezembro de 2021. A estratégia da empresa é não ter uma localização física para servir café, mas atender pedidos on-line. Não possuem assentos. Além da expansão física a empresa também fez uma rápida nos produtos, incluindo copos, novos sabores, entre outros. A empresa foi notícia quando abriu seu capital.

Por conta disto, a empresa divulgou que suas receitas foram de US$730 milhões em 2019. A surpresa ocorreu agora. A empresa divulgou que metade das receitas foram fabricadas. Isto deve ter ocorrido a partir do segundo trimestre de 2019. Além disto, algumas despesas também podem ter sido falsificadas. O responsável seria o diretor de operações, Jian Liu, já suspenso.  Em fevereiro a empresa tinha negado a existência de fraude. Logo após a divulgação, as ações caíram: no passado, chegou a mais de 50 dólares e agora era negociada a 7 (Veja gráfico)

Rir é o melhor remédio

Fonte: Aqui

Risco de doenças contagiosas: a informação está nos extremos

Resumo:

Using methods from extreme value theory, we examine the major pandemics in history, trying to understand their tail properties. Applying the shadow distribution approach developed by the authors for violent conflicts [5], we provide rough estimates for quantities not immediately observable in the data. Epidemics and pandemics are extremely heavy-tailed, with a potential existential risk for humanity. This property should override conclusions derived from local epidemiological models in what relates to tail events.

Fonte: Tail risks of contagious diseases - Cirillo and Taleb- 2020.

The Long Tail of Cyberthreats: Part I - SecurityRoundTable.org

01 abril 2020

Princípio da incompetência é real e custoso

Resumo:

The best worker is not always the best candidate for manager. In these cases, do firms promote the best potential manager or the best worker in her current job? Using microdata on the performance of sales workers at 214 firms, we find evidence consistent with the “Peter Principle,” which predicts that firms prioritize current job performance in promotion decisions at the expense of other observable characteristics that better predict managerial performance. We estimate that the costs of promoting workers with lower managerial potential are high, suggesting either that firms are making inefficient promotion decisions or that the benefits of promotionbased incentives are great enough to justify the costs of managerial mismatch.

Promotions and the Peter PrincipleAlan Benson, Danielle Li, and Kelly ShueNBER Working Paper No. 24343February 2018JEL No. J01,M5,M51

Os autores usaram milhoes de dados detalhados sobre o desempenho e as promoções dos vendedores em geral número de empresas para testar o ditado de que "o melhor vendedor nem sempre faz o melhor gerente." Consistente com o Princípio de Peter, descobriram que as decisões de promoção colocam mais peso no desempenho atual do que seria justificado se as empresas tentassem apenas promover o melhores gerentes em potencial. O trabalhador mais produtivo nem sempre é o melhor candidato para gerente, e ainda assim as empresas são significativamente mais propensas a promover os melhores funcionários de vendas para posições gerenciais. Como resultado, o desempenho dos empregados do  novo gerente declina relativamente mais depois que a posição gerencial é preenchida por alguém que era forte vendedor antes da promoção. Isto é particularmente verdade se o novo gerente tiver pouco experiência de colaboração durante seu mandato como vendedor.



The Peter Principle Originally an observation ...

IFAC e IFRS

O IFAC lançou um documento onde faz uma análise comparativa do alinhamento entre as normas de contabilidade do setor público - versão internacional - e as normas de contabilidade financeira, da Fundação Iasb.

O material é bastante didático e mostra, por exemplo, a seguinte comparação:
Para cada norma IPSAS é feita uma correspondência com a IAS/IFRS respectiva. A figura mostra o grau de especificidade da norma do setor público (há uma legenda para traduzir estas cores). As principais diferenças são apresentadas depois, de maneira detalhada.

O documento é de março e pode ser encontrado em PDF aqui

Rir é o melhor remédio

Parabéns, você completou Netflix

31 março 2020

Emprego pelo Caged

Mensalmente divulgado no blog o comportamento do mercado de trabalho do setor contábil. Mas o governo decidiu que os últimos não serão divulgados:

Principal estatística de contratações e demissões de trabalhadores com carteira assinada, o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) terá a divulgação para os meses de janeiro e de fevereiro suspensa pelo Ministério da Economia. Em nota, a pasta argumentou que diversos empresários não estão enviando as notificações, o que levaria a números distorcidos, principalmente de demissões.

Parece sensato. A divulgação de um número distorcido poderia trazer uma pressão maior para suspensão das medidas já tomadas para proteger a saúde da população. 

MP 931 e Demonstrações Contábeis

O governo editou hoje a MP 931 que trata de vários assuntos societários. No artigo 3o. tem-se:

Art. 3º Excepcionalmente durante o exercício de 2020, a Comissão de Valores Mobiliários poderá prorrogar os prazos estabelecidos na Lei nº 6.404, de 1976, para companhias abertas.

Parágrafo único. Competirá à Comissão de Valores Mobiliários definir a data de apresentação das demonstrações financeiras das companhias abertas.


Logo depois, a CVM também agiu neste sentido:

A CVM edita hoje, 31/3, a Deliberação CVM 849, que adia o prazo de entrega de informações periódicas das companhias abertas, como demonstrações financeiras, formulários trimestrais, formulário cadastral, formulário de referência e o informe sobre o Código Brasileiro de Governança Corporativa.

A norma também prevê o adiamento do prazo de entrega do relatório produzido pelos agentes fiduciários (nos termos do art. 68, § 1º, alínea b, da Lei 6.404/76) e permite que as assembleias dos fundos de investimento regulados pela CVM sejam realizadas de maneira virtual.


Grato Alexandre Alcântara e Poly Silva pela dica

Impacto do Covid-19 no preço dos ativos

Resumo:


Abstract

We use data from the aggregate equity market and dividend futures to quantify how investors’ expectations about economic growth across horizons evolve in response to the coronavirus outbreak and subsequent policy responses. Dividend futures, which are claims to dividends on the aggregate stock market in a particular year, can be used to directly compute a lower bound on growth expectations across maturities or to estimate expected growth using a simple forecasting model. We show how the actual forecast and the bound evolve over time. As of March 25, our forecast of annual growth in dividends is down 28% in the US and 22% in the EU, and our forecast of GDP growth is down by 2.2% in the US and 2.8% in the EU. The lower bound on the change in expected dividends is -38% in the US and -49% in the EU on the 2-year horizon. The lower bound is model free and forward looking. There are signs of catch-up growth from year 3 to year 10. News about economic relief programs on March 13 appear to have increased stock prices by lowering risk aversion and lift long-term growth expectations, but did little to improve expectations about short-term growth. Expected growth deteriorates between March 13 and March 18. News about fiscal stimulus on March 24 boosts the market and long-term growth but did not increase short-term growth expectations. We show how data on dividend futures can be used to understand why stock markets fell so sharply, well beyond changes in growth expectations.

Gormsen, Niels Joachim and Koijen, Ralph S. J., Coronavirus: Impact on Stock Prices and Growth Expectations (March 26, 2020). University of Chicago, Becker Friedman Institute for Economics Working Paper No. 2020-22. Available at SSRN: https://ssrn.com/abstract=3555917 or http://dx.doi.org/10.2139/ssrn.3555917

Seguros

Debatida nos últimos 20 anos, a nova norma contábil IFRS 17 foi adiada pela segunda vez pelo Conselho de Normas Internacionais de Contabilidade (IASB, na sigla em inglês). Prevista para entrar em vigor em janeiro de 2022, agora as novas diretrizes passarão a valer a partir de janeiro de 2023, segundo informou há duas semanas o órgão responsável pelas chamadas Normas Internacionais de Demonstrações Financeiras (IFRS, em inglês).

A expectativa é que as alterações provoquem uma grande transformação nos balanços das seguradoras mundo afora. Ainda assim, a complexidade das regras desafia a adaptação das companhias, num movimento que precisa incluir mudanças de processos, controles internos, sistemas e tecnologias. "A nova norma muda de forma profunda a mensuração e preparação de demonstrações contábeis das companhias de seguros", afirma Carlos Matta, sócio da PwC Brasil.

Na prática, a IFRS 17 vai introduzir um modelo geral de avaliação dos contratos de seguros que permitirá maior comparabilidade dos resultados entre as diferentes seguradoras, por exemplo. Assim, as empresas terão de fazer projeções de fluxo de caixa futuro, receitas (prêmios) e expectativa de sinistro para cada uma das carteiras. "Hoje, para cada apólice, a seguradora contabiliza ativos e passivos e apura os resultados mensalmente, por regime de competência", explica Matta. 

O grau de complexidade na aplicação das normas varia conforme os diferentes tipos de carteiras. Produtos de longo prazo - vida, previdência e saúde -, por exemplo, devem ser os mais afetados, afirma Alexandre Paraskevopoulos, sócio da prática de Global Capital Markets Group (GCMG) e especialista em IFRS para seguros da Deloitte. "São carteiras com maior risco no balanço", explica. Por outro lado, apólices de curto prazo (com vigência de até 12 meses) possuem modelos mais simplificados para adoção das normas, diz.

Para conseguir virar a chave, as companhias devem construir uma base histórica de informações sobre suas carteiras, o que demanda tempo, recursos financeiros e profissionais qualificados nas áreas de contabilidade, ciências atuariais, tecnologia, processos e riscos. (...)

 Segundo os especialistas, a maioria das seguradoras no Brasil e no mundo não está preparada para a implantação da norma. (...)

Rir é o melhor remédio

30 março 2020

Covid e desempenho

A empresa Terra Santo Agro apresentou no relatório da administração:

As cotações da soja no ano de 2019 foram marcadas por alta volatilidade diante da: (I) Guerra Comercial entre China e Estados Unidos; (II) Crise africana da peste suína e (III) Surto “Coronavírus”. (...) Também no mês de dezembro, a China anunciou a aparição de um novo vírus, o Coronavírus. A primeira medida para evitar a disseminação do vírus foi a restrição na movimentação de pessoas, o que impactou negativamente na atividade econômica do país, isto é, menor geração de renda e de consumo. Como consequência, observa-se a falta de produtos no mercado interno acompanhado de uma redução acentuada da importação de carnes e grãos. O esperado é que, com o passar do tempo, a escassez de alimentos resulte em uma aceleração da demanda para reposição dos estoques.

Mas o surto do coronavírus só foi anunciado ao mundo no final de dezembro. Como poderia afetar o preço da soja no ano de 2019?

Arte como um ativo: a coleção de Keynes

A carteira de obra de artes de keynes gerou um retorno de 4,2% ao ano nos últimos 50 anos.

Resumo:

The risk-return characteristics of art as an asset have been previously studied through aggregate price indexes. By contrast, we examine the long-run buy-and-hold performance of an actual portfolio, namely, the collection of John Maynard Keynes. We find that its performance has substantially exceeded existing estimates of art market returns. Our analysis of the collection identifies general attributes of art portfolios crucial in explaining why investor returns can substantially diverge from market returns: transaction-specific risk, buyer heterogeneity, return skewness, and portfolio concentration. Furthermore, our findings highlight the limitations of art price indexes as a guide to asset allocation or performance benchmarking. 


Fonte: David Chambers, Elroy Dimson, Christophe Spaenjers, Art as an Asset: Evidence from Keynes the Collector, The Review of Asset Pricing Studies, , raaa001, https://doi.org/10.1093/rapstu/raaa001

John Maynard Keynes. Image via Wikimedia Commons.

Tem ou não tem dinheiro?

Eis duas manchetes de dois jornais sobre o mesmo assunto:

Grandes empresas têm recursos para crise 

(Fernando Torres, Valor, 27 de março de 2020)

Metade das grandes empresas tem caixa para suportar até três meses sem receita

(René Pereira, Estadão, 30 de março de 2020) 

O que justifica esta diferença? Duas razões importantes.

Primeiro, a amostra. O Valor usou os dados de balanços de 97 empresas não financeiras com ações negociadas na bolsa. O Estadão trabalhou com 245 empresas de capital aberto da base Economática, também com ações na bolsa. Mas o aumento da amostra tende a acrescentar empresas de menor porte, o que pode aumentar o número em dificuldade.

Segundo, o método. O Valor focou na folha de pagamento. O Estadão também incluiu fornecedores e outras despesas operacionais. Assim, a premissa do jornal Valor é que as empresas conseguiriam reduzir rapidamente os custos fixos; já o Estadão pressupõe que as empresas tenderiam a manter estes custos. O resultado do segundo é pior.

Mas é importante lembrar que ambos levantamentos foram baseados na posição de caixa de final de dezembro e na estrutura de custos existentes então. Uma espécie de ceteribus paribus. E que não conseguiriam receita neste período, o que também é irreal para estas grandes empresas.

Rir é o melhor remédio


29 março 2020

Bola de cristal da BrMalls

Na divulgação das demonstrações contábeis da BrMalls, um empresa com ativos de 18 bilhões de reais, agora em março, um texto elucidativo da bola de cristal:

Redução de riscos implementamos medidas ao longo dos últimos meses que reduziram o patamar de risco da Companhia: (I) maior qualidade do portfólio, que se torna mais atrativos para os lojistas e resiliente aos ciclos (ii) melhor carteira de lojistas, apresentando maiores vendas, inadimplência líquida negativa e custo de ocupação saudável (iii) balanço forte e com alta liquidez (iv) forte governança corporativa, com maior nível de rating da ISS e reforçada área de gestão de riscos (v) cultura adaptativa e novas soluções digitais, adaptabilidade importante para mudanças estruturais de mercado. Após uma longa recessão, o país está em momento passível para uma retomada, com destaque para impacto do patamar inédito de juros nos planos expansionistas de varejistas e estamos prontos para capturar os benefícios decorrentes. Neste cenário, poderemos acelerar planos de investimentos e crescimento futuro. Estamos alertas aos impactos do novo Coronavírus (2019-nCoV), adotando medidas visando proteger a saúde dos colaboradores e clientes. Não obstante, os fundamentos do nosso negócio e estratégias de longo prazo seguem inalteradas e estamos entusiasmados com as oportunidades futuras.

Por que a reforma da comunicação científica parece tão difícil e lenta?

Jan Velterop responde a pergunta para o blog Scielo. Achei confusa, mas gostei da seguinte parte:

A pesquisa em si precisa de tempo necessário para que seja feita de forma responsável e completa, mas uma vez que haja resultados sólidos, a comunicação deles com outros cientistas pode e deve ser mais rápida. A velocidade é essencial para tirar o máximo proveito dos esforços coletivos da comunidade científica. Qualquer atraso na comunicação dos resultados da pesquisa é um atraso na busca de soluções. Atrasos desnecessários são devastadores em casos de vida ou morte.

Ele usa um termo interessante: o bolismo. Ou seja, você não pode ter tudo.

Mas há um problema subjacente que impede a comunicação científica rápida, eficiente e aberta necessária para fazer o progresso necessário. Em inglês se usa a expressão “ficar com o bolo e comê-lo”. Não é possível. Depois de comer o bolo, você não o terá mais. Em outras palavras, “você não pode ter tudo”. A crença teimosa de que você pode é conhecida como “bolismo”. Há um sabor diferente de “bolismo” no sistema. Vários atores na área da comunicação científica têm desejos difíceis de conciliar, ou apenas incompatíveis entre si. Quais são estes desejos? Por parte dos pesquisadores, geralmente temos: o desejo de publicar rapidamente; ter seus artigos revisados pelos pares; ser publicado em um periódico de prestígio; ser citado amplamente e com frequência; ter acesso ilimitado a trabalhos de outros pesquisadores; enfrentar pouco ou nenhum custo para publicar em acesso aberto; obter reconhecimento pelo trabalho publicado quando avaliados para promoção, estabilidade, convites para conferências e similares. Pesquisadores individuais podem até mesmo ter mais desejos.

Exame de Suficiência versus ACCA

O exame de suficiência, base para obtenção do registro de preparador das demonstrações financeiras no Brasil, é de boa qualidade? Uma forma é comparar com exames similares. Na dissertação de mestrado de Helton Nojima, "Grau de Capacitação em IFRS do profissional recém formado em Contabilidade no Brasil: uma comparação entre os exames do CFC e da ACCA" há uma busca por uma resposta. Veja trecho do resumo:

Nesse contexto, o objetivo deste trabalho é identificar qual o grau de capacitação do profissional de contabilidade recém graduado no Brasil em relação às IFRS. Para isso, foi efetuada uma comparação entre o exame de suficiência promovido pelo Conselho Federal de Contabilidade (CFC), como requisito para a obtenção inicial do registro profissional de contador no Brasil e o exame de nível fundamental da Association of Chartered Certified Accountants (ACCA), uma das mais reconhecidas certificadoras internacionais na área contábil que adota as IFRS. Foi efetuado um estudo documental dos exames, comparando a estrutura dos exames, conteúdo, quantidade de questões e grau de acerto dos candidatos. Os resultados indicaram que o exame do CFC avalia de maneira mais superficial o conhecimento, aplicando poucas questões sobre cada tema, e apresenta uma prova muito mais voltada à aplicação de regras do que a suas implicações na análise dos relatórios. Apesar da dificuldade em se efetuar essa comparação, foi possível observar que os candidatos do exame ACCA apresentavam-se mais bem preparados, atingindo melhores resultados. Por fim, foi possível concluir que o grau de capacitação do profissional no Brasil ainda é inferior ao do profissional candidato à qualificação da ACCA. Assim, este trabalho contribui para identificar oportunidades de melhoria no exame do CFC e no ensino da contabilidade no Brasil, principalmente via priorização do desenvolvimento de capacidades interpretativas, analíticas e críticas, ao invés da mera replicação de regras e leis e via ampliação da abrangência do exame.

A Tabela 1 faz um comparativo interessante, onde é possível perceber algumas das diferenças:

Segundo o autor, metade das questões é sobre IFRS. E o número maior de questões pode avaliar melhor o candidato, muito embora não seja um critério para definir se o nível de capacitação é inferior no Brasil. Uma boa discussão, sem dúvida nenhuma.

Rir é o melhor remédio

Oh meu Deus, café por favor

28 março 2020

Covid-19 e os executivos

O Audit Analytics lembra um aspecto interessante do Covid-19 nas empresas: os efeitos sobre os executivos

(...) Considerando a importância dos executivos, um CEO que fica doente é digno de nota, pois pode impactar o resto da empresa. Por exemplo, a Century Cobalt Corp. [CCOB: OTC] divulgou que a Companhia publicaria suas demonstrações financeiras com atraso devido ao fato de seu CEO estar isolado para COVID-19, embora não estivesse claro se isso era uma precaução ou porque o CEO havia testado positivo. De acordo com a divulgação, o isolamento do CEO está atrasando a disponibilidade de documentos para a auditoria, resultando na incapacidade da Century Cobalt de arquivar seu relatório anual.

Por outro lado, em 13 de março de 2020, a empresa de telecomunicações com sede em Londres BT Group plc [LSE: BT.A; OTC: BTGOF] divulgou em um relatório atual que seu CEO havia testado positivo para COVID-19, mas afirma que a doença do CEO não trará nenhuma interrupção para os negócios. A BT admite, no entanto, indubitavelmente haverá desafios para a grande empresa com mais de 100.000 funcionários.(...)

Think Tank e a crise

Think Tanks corresponde a um "laboratório de ideias, gabinete estratégico, centro de pensamento ou centro de reflexão é uma instituição ou grupo de especialistas de natureza investigativa e reflexiva cuja função é a reflexão intelectual sobre assuntos de política social, estratégia política, economia, assuntos militares, de tecnologia ou de cultura." A crise parece que fez bem para vários think tanks da América do Sul. Uma análise da Forbes

Entre os grupos estrangeiros, vários think tanks sul-americanos classificaram-se extraordinariamente bem e vemos muitas repetições do ano passado, o que mostra sua consistência. A maior mudança é a ascensão do Instituto Millenium , no Brasil. O Instituto Mises , também no Brasil e independente do Mises Institute , com sede nos EUA , apareceu na primeira ou na segunda posição em três das categorias listadas abaixo (abaixo das cinco do ano passado). Dois grupos de reflexão chilenos, o Centro de Estudos Públicos (CEP, fundado em 1980), e a muito mais jovem Fundação para o Progresso (FPP, fundada em 2012) continuam se saindo bem e aparecem nas primeiras posições em várias categorias.

Encher o carrinho é normal e esperado

Recentemente, durante a crise do Covid-19, vimos pessoas avançando sobre os produtos nos supermercados. Uma matéria do The Conversation afirma que o fato de algumas pessoas encherem seu carrinho, em detrimento dos outros, é "normal e esperado".



 (...) o armazenamento é, na verdade, um comportamento totalmente normal e adaptativo, que ocorre a qualquer momento em que há um suprimento desigual de recursos. Todo mundo acumula, mesmo nos melhores momentos, sem sequer pensar nisso. As pessoas gostam de ter feijão na despensa, dinheiro em poupança e chocolates escondidos das crianças. Estes são todos os tesouros.

A maioria dos americanos teve tanto, por tanto tempo. As pessoas esquecem que, não muito tempo atrás, a sobrevivência geralmente dependia de trabalhar incansavelmente durante todo o ano para encher adegas para que uma família pudesse durar um longo e frio inverno - e ainda assim muitos morreram.


Da mesma forma, os esquilos trabalham todos para esconder nozes e comer pelo resto do ano. Ratos cangurus no deserto escondem sementes nas poucas vezes que chove e depois lembram onde eles os colocam para desenterrá-los mais tarde. Um quebra-nozes de Clark pode acumular mais de 10.000 sementes de pinheiro por outono - e até se lembrar de onde as colocou.

As semelhanças entre o comportamento humano e os desses animais não são apenas analogias. Eles refletem uma capacidade profundamente arraigada para o cérebro nos motivar a adquirir e economizar recursos que nem sempre estão lá. Sofrendo de desordem acumulativa, armazenando uma pandemia ou escondendo nozes no outono - todos esses comportamentos são menos motivados pela lógica e mais por um desejo profundo de se sentir mais seguro .

Meus colegas e eu descobrimos que o estresse parece sinalizar para o cérebro mudar para o modo de "acumular". Por exemplo, um rato canguru agirá com preguiça se alimentado regularmente. Mas se seu peso começar a cair, seu cérebro sinaliza para liberar hormônios do estresse que incitam o esconderijo meticuloso de sementes por toda a gaiola.

(...) As pessoas fazem o mesmo. Se, em nossos estudos de laboratório, meus colegas e eu os deixamos ansiosos, nossos participantes querem levar mais coisas para casa com eles depois.

Demonstrando essa herança compartilhada, as mesmas áreas cerebrais ficam ativas quando as pessoas decidem levar papel higiênico para casa, água engarrafada ou barras de granola, como quando os ratos armazenam comida de laboratório debaixo da cama - o córtex orbitofrontal e o núcleo accumbens, regiões que geralmente ajudam a organizar objetivos e motivações para satisfazer necessidades e desejos.

(...) Assim, quando as notícias induzem o pânico de que as lojas estão ficando sem comida ou que os moradores ficam presos por semanas, o cérebro é programado para estocar. Faz você se sentir mais seguro, menos estressado e realmente protege você em caso de emergência.

Ao mesmo tempo em que organizam seus próprios estoques, as pessoas ficam chateadas com os que estão consumindo demais. Essa é uma preocupação legítima; é uma versão da " tragédia dos bens comuns ", em que um recurso público pode ser sustentável, mas a tendência das pessoas a ganhar um pouco mais por si mesmas degrada o recurso a um ponto em que ele não pode mais ajudar ninguém.

Envergonhando outras pessoas nas mídias sociais, por exemplo, as pessoas exercem a pouca influência que têm para garantir a cooperação com o grupo. Como espécie social, os seres humanos prosperam quando trabalham juntos e empregam vergonha - até mesmo punição - por milênios para garantir que todos ajam no melhor interesse do grupo.

E isso funciona. Os usuários do Twitter foram atrás de um cara que relatou ter acumulado 17.700 garrafas de desinfetante para as mãos na esperança de obter lucro; ele acabou doando tudo isso e está sob investigação por manipulação de preços. Quem não parava antes de pegar aqueles últimos rolos de TP quando a multidão estava assistindo?

As pessoas continuarão a acumular na medida em que estiverem preocupadas. Eles também continuarão a envergonhar os que aceitam mais do que consideram uma parte justa. Ambos são comportamentos normais e adaptativos que evoluíram para equilibrar um ao outro, a longo prazo.

Rir é o melhor remédio

27 março 2020

Covid-19: um cisne branco

[...]

Furthermore, some people claim that the pandemic is a “Black Swan”, hence something unexpected so not planning for it is excusable. The book they commonly cite is The Black Swan (by one of us). Had they read that book, they would have known that such a global pandemic is explicitly presented there as a white swan: something that would eventually take place with great certainty. Such acute pandemic is unavoidable, the result of the structure of the modern world; and its economic consequences would be compounded because of the increased connectivity and overoptimization. As a matter of fact, the government of Singapore, whom we advised in the past, was prepared for such an eventuality with a precise plan since as early as 2010.
[...]

Fonte: aqui


Resultado de imagem para white swan

Contra a pandemia, adiamento da norma contábil

O Federal Reserve (Fed, o banco central americano) anunciou duas novas medidas com objetivo de garantir a capacidade de bancos de realizarem empréstimos empresas e famílias. Uma delas é a autorização para que instituições bancárias possam implementar a chamada “Abordagem Padronizada para Medição de Risco de Crédito”. O instrumento, que só entraria em vigor para os contratos firmados a partir de abril, consiste em uma série de mudanças na maneira pela qual os bancos devem classificar a exposição de derivativos. A autoridade monetária também anunciou o adiamento, em dois anos, da implementação da normal contábil conhecida como “Perda de Crédito Esperadas” (CECL, na sigla em inglês).

Fonte: aqui. Mais aqui

Como a Crise mudará a percepção em relação ao risco?

Nós sabemos, não menos graças (pdf) para o trabalho (pdf) de Ulrike Malmendier, que as recessões podem ter cicatrizes. Memórias delas podem nos tornar mais cautelosos (pdf) mesmo anos depois.

Stumbling and Mumbling,
sempre excelente.

Chevron e Covid-19

Esta notícia do jornal português Jornal Econômico é sobre a reação do mercado a suspensão de produção de petróelo em Cabinda, Angola. Parece estranho, mas o mercado valorizou as ações em 10%. Geralmente quando uma empresa anuncia a paralisação de uma linha de produção, o mercado deveria reagir de forma negativa.


A estratégia seguida pelo presidente e CEO da petrolífera Chevron, Michael Wirth, para enfrentar a crise gémea da Covid-19 e da guerra de cotações no petróleo vai além da suspensão da produção em blocos offshore, como aconteceu em Cabinda, Angola. Passa pela forte redução dos investimentos e pela venda de ativos, como é o caso das participações no Azerbaijão, que devem ser vendidas em abril.

Veja que a venda em momento de baixa significa achar preço ruim. Na quinta, a cotação do mercado de futuros WTI era de 23,16 dólares por barril.

É o caso da redução de 20% nos gastos de exploração em 2020, bem como cortes de gastos no portefólio, entre os quais, reduções de dois mil milhões de dólares no sector do shale oil na bacia de Permian (em Midland e no Delaware), mais cortes de 700 milhões em projetos de uspstream, mais 500 milhões de reduções de gastos em negócios diversos, dispersos por ativos americanos e ativos localizados nos mercados internacionais e, ainda, mais 800 milhões de dólares de cortes no segmento dos produtos químicos.

O texto continua

Voltando ao presente, a lógica da Chevron mantém-se a mesma. Face à crise gémea da Covid-19 e da guerra de preços no petróleo, a orientação de Michael Wirth na liderança da “Supermajor” nem vacilou. “Com um balanço patrimonial líder do setor petrolífero e um programa de capital flexível, acreditamos que a Chevron é resiliente e que está posicionada para suportar esse ambiente desafiador”, comentou o presidente e CEO da Chevron.

“Dada a queda nos preços das commodities, estamos adotando medidas que devem preservar o fluxo de caixa, apoiar a força do nosso balanço, diminuir a produção no curto prazo e preservar o valor no longo prazo”, adianta Wirth.

Parece simples, mas “efetivamente só adota uma posição destas quem sabe muito de petróleo”, adiantou ao JE uma fonte do sector. Porque, no sector, ninguém duvida que a Chevron percebe de petróleo, e que o petróleo está no seu ADN.

Realmente não fico convencido. Se a crise passar, a empresa terá vendido seus ativos por um preço reduzido. 

Rir é o melhor remédio


26 março 2020

Frase: Caixa é o Rei

The fast-spreading coronavirus has prompted even the biggest U.S. companies to cut their spending and bolster their balance sheets, proving once again how cash is king, especially in times of crisis.

Theo Francis & Thomas Gryta, WSJ

Localização, dados de telefonia e Covid-19

As medidas recomendadas de distanciamento social e ficar em casa parecem estar dando resultado, analisando os dados de localização dos telefones celulares. Usando esta informação, foi possível constatar que as pessoas, nos Estados Unidos (e provavelmente em outros países) entenderam a situação de risco decorrente do Covid-19.
Esta informação, associada muitas vezes a quebra de privacidade por parte das empresas de tecnologia, demonstraram que mesmo nas cidades com menor infecção também foram afetadas. Leia mais aqui

Goodwill e Impairment

O Accounting Standards Board of Japan (ASBJ) divulgou um estudo sobre a implementação da IFRS3, combinação de negócios. O documento está aqui (em japonês). Um resumo do IAS Plus, site da Deloitte, aponta os principais aspectos do estudo. A pesquisa envolveu os mercados do Japão, Estados Unidos, Austrália e Europa e constatou que o ágio aumentou entre 2005 a 2014. Também concluiu que quase um terço das empresas dos EUA reconhecem o ágio (versus um quarto na Europa). Em muitas empresas, o ágio era uma parte importante do ativo, sendo que existiam empresas onde o ágio era acima da capitalização de mercado.

IFRS e Covid-19

Um resumo do impacto do Covid-19 nas demonstrações sob as IFRS, segundo SneiderDowns

Following the COVID-19 pandemic, organizations and governments have imposed travel restrictions and quarantines. This situation will likely result in business disruption to entities, their suppliers, and customers. International Financial Reporting Standards (IFRS) entities should consider the impact of the virus on their financial statements in accordance with the disclosure requirements of International Accounting Standard (IAS) 1 Presentation of financial statements, including the potential need for disclosing the primary sources of uncertainty and the risk of a material adjustment in a subsequent period. IAS 10 Events after the reporting period, clarifies that adjusting events are events that had evidence of conditions that existed at the reporting date and that non-adjusting events arise from conditions after the reporting date. Therefore, the impact of COVID-19 should be assessed based on the facts and circumstances at the reporting date for adjustments. Information obtained following the reporting date, but before issuance of the financial statements should be considered for subsequent event disclosure. IFRS entities should consider the following when making these determinations:

IAS 2 Inventories requires that declines in inventory net realizable value be expensed in the period in which they occur. A loss to the net realized value may result from damage, contamination, spoilage, physical deterioration, obsolescence, fluctuations in price levels, reduced demand or other causes. Seasonally dependent items should also be assessed for potential loss. Unplanned work stoppages, labor or material shortages, or production bottlenecks could cause production levels to drop below normal capacity levels. If this happens, management will need to consider the effects on its inventory costing. During abnormally low production management should expense uncaptured overhead in the period in which it occurs, rather than adjusting the overhead absorption rates.

Financial Instruments within the scope of IFRS 9 Financial instruments should consider the impact of COVID-19 for the potential expected credit loss. Instruments such as trade and other receivables, contract assets, loans receivable, and lease receivables should be considered for collectability. If the risk of an expected credit loss has significantly increased, management should consider the need for additional reserves based on the facts and circumstances that exist at that date. In instances where collection on these financial instruments is delayed, a credit loss should be recorded if the entity is not able to recover compensation for the lost time value of money. IFRS requires that forward-looking information be considered when assessing the need to record a potential credit loss. Consideration should also be given to governing agencies enacting legislation that modifies payment terms. Lessors granting payment concessions to lessees should determine if concessions should be allocated over the remaining lease period as a lease modification. Any incentives provided by various governmental authorities should be considered for treatment as government grants by both the lessor and lessee.

Financial Instruments with readily observable fair values, such as debt and equity securities, should be recorded at their market price at the reporting date. If investment valuations are not readily available at the reporting date, indirect considerations should be disclosed as to how the valuation was derived. Under IFRS, the reporting date acts as a hypothetical exit date for the instrument. Therefore, subsequent market fluctuation should not be considered for adjustment at the reporting date, but should be considered for subsequent event disclosure.

Hedge transactions should be assessed to determine if the criteria for hedge accounting is still achieved. If hedged future cash flows are no longer anticipated then hedge accounting should be discontinued going forward.

Business disruption could result in long-lived assets being underutilized in the short term. Similar to the treatment of overhead during abnormally low periods, IAS 16 Property, plant and equipment requires that depreciation begin once the assets are placed in service and continue if sitting temporarily idle or being underutilized. The capitalization on interest for construction-in-process should be suspended temporarily if construction of that asset is suspended in accordance with IAS 23 Borrowing costs.

Long-lived and indefinite-life assets should assess potential impact of the virus under IAS 36 Impairment of assets. Indefinite-life assets, including goodwill, should be tested for impairment at least every year and whenever there is an indication that these assets might be impaired. Temporary closures, decline in demand, or reduced income could indicate impairment. Management should also consider the impact to operating cash flows and assumptions for long-term cash flow forecasts. Discount rates should also be revisited for country risk, rate risk, and risk to the individual asset or group of assets. Publically traded entities should also consider any impact to their share price and market capitalization as potential indicators.

The COVID-19 outbreak could affect revenue estimates on current and future customer contracts under IFRS 15, Revenue from contracts. This includes customer contracts with variable consideration such as volume discounts, early payment discounts, refunds, co-op agreements, price concessions, performance bonuses and penalties. At the contract inception, the company is required to estimate the amount of variable consideration to which customers will be entitled to in exchange for transferring promised goods or services. The amount of variable consideration an entity should include in the transaction price is constrained to the amount for which it is highly probable that a significant reversal of cumulative revenue recognized will not occur when the uncertainties related to the variability are resolved. Capitalized contract assets should also be assessed for realizability of their related revenue.

Organizations may need to obtain additional financing to manage the situation and may need to obtain waivers for failed covenants. Failed covenants could result in modifications of loan terms including loans to be due on demand. In severe situations, entities may need to consider if they remain a going concern within one year after the date of issuance in accordance with IAS 1 Presentation of financial statements. Additional disclosures in the financial statements are required if substantial doubt exists and to discuss management’s plans to address the substantial doubt.

As the situation continues to develop, many entities may first report the impact of COVID-19 on their interim financial statements. Interim disclosures should be provided in accordance with IAS 34 Interim financial reporting, to ensure that information is reliable at the interim reporting date and all relevant information has been properly disclosed. For entities with significant impact, disclosure should be made for the impact on operating results along with the effect to the balance sheet and the statement of cash flows. Revisions to credit losses and changes to significant estimates should also be disclosed as should subsequent events following the interim period.

Rir é o melhor remédio

25 março 2020

Probabilidades e Covid-19

Qual a chance que alguém que você conheça irá morrer do Covid-19? 

You don’t need much to answer this question. You need an estimate of the infection fatality risk (IFR), an estimate of the proportion of the population that will become infected (infection risk, IR), and the number of people that a person knows on average. Coincidentally, in 2013 you published an article in the NYTimes on the latter. Your answer was 600 people.

So, for the remaining quantities. Recent estimates of the IFR range from 0.39 – 1.33%. Recent estimates of the IR range from 40–80%. With this information, the probability of at least one death out of n people, is simply 1 – dbinom(0, n, theta), with theta = (IFR) x (IR). Using “middle of the range” estimates for IFR and IR, we get theta = 0.00516.

This figure shows the probability that at least one person you know (meaning “you” in general) will die, as a function of the number of people you know. If you know 600 people, the probability of at least one death among people you know is greater than 95%:


Gellman acredita que o valor, de 95%, está superestimado.

Impacto do Covid-19 sobre a economia

Dois pesquisadores propuseram um modelo para medir o impacto do Coronavirus sobre a economia, usando os dados dos mercados de ações. Afinal, o preço dos ativos refletem a expectativa dos investidores. Eis o resumo:

We use data from the aggregate equity market and dividend futures to quantify how investors’ expectations about economic growth across horizons evolve in response to the coronavirus outbreak and subsequent policy responses. Dividend futures, which are claims to dividends on the aggregate stock market in a particular year, can be used to directly compute a lower bound on growth expectations across maturities or to estimate expected growth using a simple forecasting model. We show how the actual forecast and the bound evolve over time. As of March 18, our forecast of annual growth in dividends is down 28% in the US and 25% in the EU, and our forecast of GDP growth is down by 2.6% both in the US and in the EU. The lower bound on the change in expected dividends is -43% in the US and -50% in the EU on the 3-year horizon. The lower bound is model free and completely forward looking. There are signs of catchup growth from year 4 to year 10. News about economic relief programs on March 13 appear to have increased stock prices by lowering risk aversion and lift long-term growth expectations, but did little to improve expectations about short-term growth. The events on March 16 and March 18 reflect a deterioration of expected growth in the US and predict a deepening of the economic downturn. We also show how data on dividend futures can be used to understand why stock markets fell so sharply, well
beyond changes in growth expectations. 



Gormsen, Niels Joachim and Koijen, Ralph S. J., Coronavirus: Impact on Stock Prices and Growth Expectations (March 20, 2020). University of Chicago, Becker Friedman Institute for Economics Working Paper No. 2020-22. Available at SSRN: https://ssrn.com/abstract=3555917

Os autores estão atualizando os dados regularmente, conforme o comportamento do mercado. Aqui os links sobre o modelo.

Pesquisa sobre Covid-19

Uma pesquisa sobre a peste espanhola mostra o seu impacto em termos de mortes (2% da população mundial) e sobre a economia (6 a 8% do PIB)

Mortality and economic contraction during the 1918-1920 Great Influenza Pandemic provide plausible upper bounds for outcomes under the coronavirus (COVID-19). Data for 43 countries imply flu-related deaths in 1918-1920 of 39 million, 2.0 percent of world population, implying 150 million deaths when applied to current population. Regressions with annual information on flu deaths 1918-1920 and war deaths during WWI imply flu-generated economic declines for GDP and consumption in the typical country of 6 and 8 percent, respectively. There is also some evidence that higher flu death rates decreased realized real returns on stocks and, especially, on short-term government bills.

Outro trabalho
estima que a doença possa atingir entre 33 a 66 milhões de pessoas nos Estados Unidos (de 10 a 20%), sendo necessárias medidas severas. Via aqui

Origens do Covid-19

Bastou um artigo, publicado no dia 19 de março, onde um médico apresenta, na linha final, que existiu uma estranha pneumonia, muito severa, entre final de novembro e dezembro, na Lombardia, para a China desencadear uma propaganda do texto.

A hastag relacionada ao texto circulou na rede social chinesa Weibo, na rede de televisão estatal chinesa CCTV e em outros canais. Trata-se de uma tentativa de diplomatas chineses e da imprensa de reorientar a narrativa de que Wuhan não foi a fonte do Covid-19. O embaixador chinês nos EUA chegou a sugerir que a origem do vírus ainda era inconclusiva.

Além das teorias da conspiração. De qualquer forma, parece que a citação foi retirada do contexto, para tentar confundir algo que parece certo para ciência.

Leia mais aqui