Translate

26 setembro 2020

Corrida por um padrão de sustentabilidade

 


Recentemente postamos que existe um grande número de propostas sendo estudadas para produzir um padrão que traduza a "sustentabilidade". Eis uma notícia publicada no IasbPlus, da empresa de auditoria Deloitte (IFAC calls for IASB sister board for setting global sustainability standards, 11 set 2020):

A IFAC pede que a Fundação IFRS crie um International Sustainability Standards Board (ISSB). Este novo Conselho poderia alavancar a independência e o sucesso da governança IFRS para desenvolver padrões globais e racionalizar o ecossistema fragmentado atual. Tal como acontece com o IASB, o apoio claro de instituições globais como a IOSCO e o financiamento adequado seriam essenciais para o sucesso. De acordo com a estrutura que a IFAC prevê, o IASB permaneceria focado nos padrões de relatórios financeiros e se combinaria com o ISSB para evitar sobreposições e lacunas.

Imagem: aqui

Guia para contabilidade em tempos do Covid


 Aqui um guia para fazer a contabilidade em tempos do Covid-19, produzido pelo CPA da Austrália em conjunto com o Chartered Accountants Australia and New Zeland e o AICD. Como dito no início do documento:

Este guia fornece um resumo das principais considerações ao avaliar a melhor forma de divulgar os efeitos da pandemia COVID-19 ao preparar relatórios anuais para a temporada de 30 de junho de 2020 e em períodos futuros impactados pelo COVID-19.

O guia possui 7 seções e cinco apêndices. A seção seis trata da preparação e comenta sobre continuidade, materialidade, estimativas, políticas contábeis e eventos subsequentes. Há aspectos específicos para o terceiro setor no apêndice A e estudos de casos.

Para aqueles que estão na linha de frente da contabilidade, vale a pena uma leitura. (Apesar de alguns aspectos serem específicos para a Austrália). 

Rir é o melhor remédio

 


25 setembro 2020

Docência em contabilidade

A Universidade Estadual de Goiás está oferecendo um seminário on-line. O debate de hoje é sobre docência com o professor doutor Ednilto Pereira Tavares Júnior e o professor doutor César Augusto Tibúrcio Silva.


Lavando mais branco


Um investigação realizada por um pool de órgãos de imprensa trouxe alguns casos sobre a lavagem de dinheiro no mundo. No Brasil, o resultado foi publicado na Piauí. Eis uma amostra:

No fim de 2014, os Schahin, tradicional família da elite paulistana, intuíam o pior para os negócios do clã. Ainda em seus primórdios, a Operação Lava Jato já apontava suas armas para o que considerava indícios de propinas milionárias nos contratos do grupo Schahin com a Petrobras. Na Câmara, os deputados se articulavam para criar uma CPI que investigasse desvios na estatal – a comissão começaria os trabalhos no início do ano seguinte. Enquanto isso, a Polícia Federal e o Banco Central investigavam irregularidades contábeis no banco da família, incluindo o sumiço de 90 milhões de dólares de uma conta na Suíça.

O grupo Schahin, que reunia todos os ramos de negócios do clã, da construção civil à exploração de poços petrolíferos, vivia uma crise sem precedentes. Foi nesse contexto que, em 13 de novembro de 2014, a South Empire International, uma subsidiária do grupo Schahin no estado norte-americano de Delaware, transferiu de sua conta no Deustche Bank a quantia de 6,2 milhões de dólares para uma conta no JPMorgan Chase & Co., em Nova York, controlada pela empresa canadense Ribas do Rio Pardo S.A.. Outros três depósitos seriam feitos entre essas mesmas contas nas semanas seguintes: 2,5 milhões de dólares em 2 de dezembro, 10 milhões de dólares no dia 17 daquele mês e 11,15 milhões de dólares em 20 de janeiro de 2015. Um total de 29,9 milhões de dólares, ou 158 milhões de reais no câmbio atual.

(...) A dívida atual do grupo é de 10 bilhões de reais, segundo a KPMG, administradora da massa falida. Mas, passados cinco anos do pedido de recuperação judicial pelos Schahin, apenas 36 milhões de reais em bens leiloados do grupo foram recuperados para os credores. Uma investigação conduzida pela KPMG constatou desvios milionários de patrimônio do clã Schahin por meio de offshores e de empresas de fachada, como a própria Ribas. 

Os textos mostram como instituições "sérias", como o Deustche, o JP Morgan e outros, ajudaram traficantes, ditadores, assassinos e outros a lavar o dinheiro de origem escusa. Vários casos relatados no texto já foram objeto de postagem no blog: 1MDB é um exemplo. 

Imagem aqui

24 setembro 2020

Análise de Balanço via Machine Learning

 Resumo:

This paper explores the application of machine learning methods to financial statement analysis. We investigate whether a range of models in the machine learning repertoire  are capable of forecasting the sign and magnitude of abnormal stock returns around earnings announcements based on financial statement data alone. We find random forests and recurrent neural networks to outperform deep neural networks and linear models such as OLS and Lasso. Using the models’ predictions in an investment strategy we find that random forests dominate all other models and that non-linear methods perform relatively better for predictions of extreme market reactions, while the linear methods are relatively better in predicting moderate market reactions. Analysing the underlying economic drivers of the performance of the random forests, we find that the models select as most important predictors accounting variables commonly used to forecast free cash flows and firm characteristics that are known cross-sectional predictors of stock returns.


Fonte: Amel-Zadeh, Amir and Calliess, Jan-Peter and Kaiser, Daniel and Roberts, Stephen, Machine Learning-Based Financial Statement Analysis (January 15, 2020). Available at SSRN: https://ssrn.com/abstract=3520684 or http://dx.doi.org/10.2139/ssrn.3520684




Rir é o melhor remédio

 

Café e produtividade. 

23 setembro 2020

Oportunidade de publicação de pesquisa


CHAMADA DE ARTIGOS 2021 - REVISTA ELETRÔNICA GESTÃO E SAÚDE(ISSN 1982 - 4785) 

“O papel da saúde no desenvolvimento econômico após pandemia” 

Os fascículos da Revista Gestão & Saúde para 2021 serão dedicados ao “papel da saúde no desenvolvimento econômico após pandemia”. 

Em 2021, o periódico dedicará às discussões sobre os reflexões que a Pandemia COVID-19 e seus impactos, desta vez na perspectiva do desenvolvimento econômico.

Serão muito bem-vindos trabalhos, no formato de artigos originais e ensaios teóricos, em português e ou/inglês, com foco na mais grave crise econômica que assola todo o mundo como consequência da maior emergência sanitária da história contemporânea. 

Nesse cenário, convidamos ao questionamento sobre as seguintes discussões, como eixos temáticos:

Impacto econômico a diversos níveis da pandemia;

Impacto financeiro da crise económica e consequências para as diversas políticas públicas;

Impacto especificamente no investimento e na manutenção dos sistemas vigentes de saúde;

Sugestões para a saída da crise;

Papel da desmaterialização na prestação de serviços de saúde;

Aceitação e recusa da inovação em saúde;

Como inovar o núcleo central e não apenas as esferas periféricas dos sistemas em saúde?

A burocracia dominante na organização e administração dos sistemas de saúde e criação de ambiente propício à experimentação/inovação;

A “destruição criativa” de Schumpeter presente nos grandes momentos de expansão e retração poderá ter algum uso na atualidade?

A Revista Gestão & Saúde  ressalta a importância do fortalecimento dos laços de solidariedade neste momento difícil de pandemia sanitária e econômica e conta com as valorosas contribuições dos pesquisadores nessa agenda de pesquisa, conectando atores no compartilhamento de informações qualificadas e em respeito aos preceitos científicos. Data limite submissões: 30 novembro, 2020 Os trabalhos deverão ser submetidos exclusivamente pelo portal do Periódico Gestão & Saúde (www.gestaoesaude.unb.br)Para preparar o seu manuscrito, acesse o link https://periodicos.unb.br/index.php/rgs/about/submissions

Relação de Jornais

 Uma relação de jornais de diversas partes do mundo pode ser encontrada aqui

VI Congresso

A sexta edição do CCGUnB e terceira edição do CCGUnBIC tem como tema: Informação Contábil para Decisões de Investimentos e será realizada nos dias 25, 26 e 27 de novembro de 2020, em formato totalmente virtual. 

O Congresso UnB de Contabilidade e Governança – CCGUnB tem por objetivo possibilitar a análise crítica, a produção científica e o debate de temas relacionados à contabilidade e governança junto à comunidade acadêmica, aos profissionais e à sociedade, considerando aspectos teóricos, metodológicos e empíricos.

Em 2020, o CCGUnB receberá quatro palestrantes internacionais:

Ana Maria Elorrieta – Contabilidade e Auditoria. Foi Diretora de Qualidade e Risco na PwC na América do Sul e Brasil. Membro de conselhos e Comitês de Auditoria em cias abertas e fechadas no Brasil. Reconhecida como uma das 50 pessoas mais influentes da profissão contábil.

Beatriz García Osma – Professora de Contabilidade da Universidade Carlos III de Madrid. Doutora em Contabilidade – Universidade de Lancaster. Pesquisas em Governança Corporativa, Contabilidade Financeira e Mercados de Capital.

Christopher Nobes - Professor de Contabilidade na Royal Holloway e na University of Sydney, e professor adjunto da Norwegian School of Business. Foi membro do Comitê de Normas de Contabilidade do Reino Unido e Irlanda (1987-90) e do Conselho do Comitê de Normas de Contabilidade Internacional (1993-2001) e é consultor da PwC desde 1987.

Ian Carruthers - Diretor Técnico e Institucional do “Chartered Institute of Public Finance and Accountancy”. Pesquisas sobre relatórios internacionais de entidades sem fins lucrativos e de Normas Contábeis. Presidente do Conselho Internacional de Normas Contábeis do Setor Público (IPSASB) desde 2016.

As inscrições estarão abertas a partir do dia 10/10/2020 no endereço https://bit.ly/3iTyfXl.

Contamos com sua participação!

Saudações Acadêmicas!

A Comissão Organizadora

22 setembro 2020

Estrutura a termo das expectativas dos lucros

 Resumo:

We use machine learning to construct a statistically optimal and unbiased benchmark for firms' earnings expectations. We show that analyst expectations are on average biased upwards, and that this bias exhibits substantial time-series and cross-sectional variation. On average, the bias increases in the forecast horizon, and analysts revise their expectations downwards as earnings announcement dates approach. We find that analysts' biases are associated with negative crosssectional return predictability, and the short legs of many anomalies consist of firms for which the analysts' forecasts are excessively optimistic relative to our benchmark. Managers of companies with the greatest upward biased earnings forecasts are more likely to issue stocks.

Fonte: Man vs. Machine Learning: The Term Structure of Earnings Expectations and ConditionalBiasesJules H. van Binsbergen, Xiao Han, and Alejandro Lopez-LiraNBER Working Paper No. 27843September 2020




21 setembro 2020

Pandemias, vacinas e lucro das empresas

 Resumo:

We estimate a model of damage to corporate earnings from COVID-19. An unexpected pandemic lowers current earnings due to costly mitigation and reduces growth rates. Damage depends on the expected arrival of a vaccine that reverts earnings to normal. Using this model, we infer from analysts' earnings forecasts that, as of mid-May 2020, an effective vaccine is expected in 0.96 years (95% bootstrap CI [0.72,1.72]). Growth rates are on average 25% lower in the interim. Levered and face-to-face industries would benefit the most from a vaccine arrival. Analysts' expectations imply that the vaccine expected for the middle of 2021 is a silver bullet for corporate earnings. 

Pandemics, Vaccines and Corporate EarningsHarrison Hong, Jeffrey Kubik, Neng Wang, Xiao Xu, and Jinqiang YangNBER Working Paper No. 27829September 2020 




20 setembro 2020

Rir é o melhor remédio

 

Encontrando um serviço mais barato.

Igreja Universal em Angola


Do jornal português Jornal Econômico

(...) A PGR angolana apreendeu, em agosto, sete templos da IURD [Igreja Universal do Reino de Deus] em Luanda (Alvalade, Maculusso, Morro Bento, Patriota, Benfica, Cazenga e Viana), no âmbito de um processo-crime por alegadas práticas dos crimes de associação criminosa, fraude fiscal e exportação ilícita de capitais.

A IURD destaca, no mesmo comunicado, que alguns bispos e pastores foram levados para uma esquadra policial sem que se saiba “o real motivo de tal ato”, tendo sido libertados após prestarem declarações.

Segundo a IURD, os agentes apenas terão informado “que havia uma ‘orientação’ de que os templos da Universal não deveriam estar abertos” e, por isso, estariam “em desobediência”.

A IURD tem estado envolvida em várias polémicas em Angola, depois de um grupo de dissidentes se afastar da direção brasileira, em novembro do ano passado.

As tensões agudizaram-se em junho com a tomada de templos pela ala reformista, entretanto constituída numa Comissão de Reforma de Pastores Angolanos, com troca de acusações mútuas relativas à prática de atos ilícitos.

Os angolanos, liderados pelo bispo Valente Bezerra, afirmam que a decisão de romper com a representação brasileira em Angola encabeçada pelo bispo Honorilton Gonçalves, fiel ao fundador Edir Macedo, se deveu a práticas contrárias à religião, como a exigência da prática da vasectomia, castração química, práticas de racismo, discriminação social, abuso de autoridade, além da evasão de divisas para o exterior do país.

As alegações são negadas pela IURD Angola que, por seu lado, acusa os dissidentes de “ataques xenófobos” e agressões a pastores e intentou também processos judiciais contra os dissidentes. (...)

Frase


A meu ver, há três motivos principais para a mudança [nos padrões contábeis]: primeiro, fornecer aos usuários informações melhores e mais úteis que influenciarão diretamente suas decisões e comportamento; segundo, remover o custo e a complexidade do sistema; e terceiro, para esclarecer e melhorar a consistência em torno da codificação. ” (Jones, novo presidente do Fasb)

Interessante a parte em que Jones diz que seu filho, que está estudando contabilidade intermediária, afirma que o trabalho do Fasb não parece tão interessante. Foto: aqui

19 setembro 2020

Rir é o melhor remédio

 


Dois brasileiros ganham o Ignobel 2020

Eis os ganhadores do IgNobel de 2020:

Acústica: Stephan Reber, Takeshi Nishimura, Judith Janisch, Mark Robertson e Tecumseh Fitch, por induzir uma fêmea de jacaré-da-china a berrar em uma câmara hermética cheia de ar enriquecido com gas hélio.

Psicologia: Miranda Giacomin e Nicholas Rule, por desenvolver um método para identificar narcisistas, examinando suas sobrancelhas.

Paz: governos da Índia e do Paquistão, por seus diplomatas tocarem secretamente as campainhas uns dos outros no meio da noite, e depois fugir antes que alguém atenda a porta. 

Física: Ivan Maksymov e Andriy Pototsky, por determinar, experimentalmente, o que acontece com a forma de uma minhoca viva quando ela vibra em alta frequência.

Economia: Christopher Watkins, Juan David Leongómez, Jeanne Bovet, Agnieszka Żelaźniewicz, Max Korbmacher, Marco Antônio Corrêa Varella, Ana Maria Fernandez, Danielle Wagstaff e Samuela Bolgan, por tentar quantificar a relação entre a desigualdade de renda nacional dos diferentes países e a quantidade média de beijos na boca.

Gestão: Xi Guang-An, Mo Tian-Xiang, Yang Kang-Sheng, Yang Guang-Sheng e Ling Xian Si, cinco pistoleiros profissionais em Guangxi, na China, que conseguiram um contrato para um trabalho de assassinato por dinheiro da seguinte maneira: depois de receber o pagamento para realizar o assassinato, Xi Guang-An subcontratou a tarefa para Mo Tian-Xiang, que subcontratou Yang Kang-Sheng, que subcontratou Yang Guang-Sheng, que subcontratou Ling Xian-Si, com cada subcontratado recebendo porcentagens cada vez menores. Nenhum deles efetivamente realizou o trabalho. 

Entomologia: Richard Vetter, por coletar evidências de que muitos entomologistas têm medo de aranhas, que não são insetos.

Medicina: Nienke Vulink, Damiaan Denys e Arnoud van Loon, por diagnosticar uma condição médica há muito não reconhecida: misofonia, a dificuldade em ouvir outras pessoas emitindo sons como o da mastigação.

Ensino de Medicina: Jair Bolsonaro (presidente do Brasil), Boris Johnson (primeiro ministro do Reino Unido), Narendra Modi (primeiro ministro da Índia), Andrés Manuel López Obrador (presidente do México), Alexander Lukashenko (presidente da Bielorrússia), Donald Trump (presidente dos Estados Unidos), Recep Tayyip Erdogan (primeiro ministro da Turquia), Vladimir Putin (presidente da Rússia) e Gurbanguly Berdimuhamedow (presidente do Turquemenistão), por usarem a pandemia de COVID-19 para ensinar ao mundo que os políticos podem ter um efeito mais imediato sobre a vida e a morte do que os cientistas e médicos.

Ciência dos Materiais: Metin Eren, Michelle Bebber, James Norris, Alyssa Perrone, Ashley Rutkoski, Michael Wilson e Mary Ann Raghanti, por mostrar que facas fabricadas a partir de fezes humanas congeladas não funcionam bem.

A imprensa destacou um brasileiro que ganhou o de ensino de medicina. Mas há outro: Varella possui um blog de divulgação científica. Fico imaginando o impacto disto na pessoa

Esportes mais caros do mundo

O site Sports Economics fez uma lista dos esportes mais caros do mundo. 

1. Pentatlo - Um pentatlo é, na verdade, uma combinação de cinco esportes diferentes, o que o torna automaticamente caro. As atividades que normalmente compõem um Pentatlo incluem esgrima, natação, tiro, corrida e salto. Eles são obviamente completamente diferentes uns dos outros ...

2. Wingsuiting [aquela roupa que permite você plainar no ar] ... este é um caso caro é porque o material em si custa perto de $ 3.000. O treinamento envolve horas de treinamento saltando de aeronaves. Some os custos do aluguel da aeronave e você saberá por queesse esporte entrou nesta lista.

3. Polo - Basicamente, envolve andar a cavalo e jogar algum tipo de hóquei. Os cavalos custam dinheiro, assim como o resto do equipamento. O pólo também é um jogo muito perigoso, pois as chances de cair do cavalo são muito altas. Portanto, convém levar em consideração suas despesas médicas também.

4. Fórmula 1 - A Fórmula 1 é talvez o esporte [será que é esporte mesmo?] mais caro do mundo. Muito poucas pessoas podem pagar este esporte e o seu próprio e isso geralmente é feito com a ajuda de patrocinadores corporativos ou patrocinadores. Um carro de F1 pode custar mais de um milhão de dólares. O combustível, o aluguel de pistas de corrida, a equipe e as horas de prática podem realmente render uma conta que só pode ser paga por alguns poucos selecionados.

Além destes também são citados: 

trenó, salto de esqui e hipismo. Mesmo velejar, que parece um esporte bastante tranquilo, requer muito investimento. A moral da história é que, se você não tem dinheiro, tente correr.

Imagem aqui

PCAF e a ética do ambiente


(...) quase 70 grandes instituições financeiras em cinco continentes com ativos financeiros totais de mais de US $ 10 trilhões formaram a Parceria para Contabilidade e Finanças de Carbono (PCAF), que visa incutir uma ética ambiental em empréstimos e investimentos e harmonizar a forma como eles medir e divulgar o impacto de carbono destes.

O PCAF é uma ideia extraordinária da Guidehouse, a consultoria global, adotada por um grupo de pequenos bancos na Holanda em 2015. A organização cresceu muito, principalmente nos Estados Unidos e na Europa. Seus membros americanos incluem Amalgamated Bank, Bank of America BAC -0,1%, Citibank, Morgan Stanley MS + 0,9% e BlackRock BLK + 0,1%. O NatWest da Grã-Bretanha ingressou recentemente.

Via aqui. Segundo o site da entidade, faz parte somente o Bradesco (junho 2020, committed) pelo Brasil.

Os padrões da instituição podem ser encontrados aqui

Avaliando o hotel de Trump


No livro Casa Branca, Inc: Como Donald Trump transformou a presidência em um negócio, de Dan Alexander (um extrato via aqui) um exemplo de uso de múltiplo 

Basicamente os métodos de avaliação podem ser divididos em dois tipos. A primeira categoria inclui todos aqueles baseados na estimativa de um fluxo de caixa projetado do negócio, descontado por uma taxa que reflita o custo de oportunidade do capital. Este é o método mais recomendado pela literatura, por diversas razões. Um outro grupo abrange a avaliação baseada em um múltiplo. A partir de transações passadas, o analista utiliza uma informação relevante, como a receita ou uma medida física, para determinar o valor do negócio, usando um múltiplo para chegar ao resultado final. Este é o método mais usado. 

Um problema do uso do múltiplo é que o parâmetro usado pode variar de analista para analista e entre os setores analisados. É comum, por exemplo, usar a receita para alguns comércios varejistas, mudando somente o múltiplo usado. Mas para outro setor, clientes pode ser mais usual. 

Voltando ao livro de Alexander, o autor discute a avaliação de duas propriedades imobiliárias de Donald Trump, especificamente dois hotéis do presidente dos Estados Unidos. E no caso narrado por Alexander, a presença de Trump e seu nome nos negócios pode ser um problema. O texto analisa do Trump National Doral, em Miami, e o Trump International Hotel, em Washington.

O primeiro, Doral, é um resort localizado em Miami, com diária de mais de mil reais, chegou a hospedar um famoso torneio de golfe nas suas dependências. A presença do evento esportivo traz um grande número de clientes para o resort. Entretanto, o polêmico presidente afastou o torneio já em 2016, quando a organização do evento transferiu o mesmo para o México. O motivo foi o fato de que o nome Trump afasta patrocinadores que poderiam investir no torneio. A transferência fez com que o resort perdesse uma grande receita. Um operador de resort, citado por Alexander, chegou a dizer que a mudança do evento matou Doral. Mas não é somente isto; outros eventos que eram realizados na propriedade foram cancelados por conta da associação com o nome Trump. Segundo o autor, a marca Trump deixou de ser um ativo e passou a ser um risco. 

Somente entre 2015 e 2016 ocorreu uma redução na receita de 5%. Uma estimativa citada fala em 100 mil diárias perdidas após a eleição de Trump. Com 643 quartos, isto significa 155 dias de lotação (cem mil por 643 quartos) ou mais de cinco meses de ocupação. Em 2017 nova queda na receita. Como afirma Alexander, “um resort que se orgulha do serviço excepcional, cortar cursos não é fácil”; em outras palavras, a queda na receita provocou uma redução mais que proporcional no lucro. Isto é alavancagem operacional. Com efeito, segundo os dados de Alexander, os lucro reduziram em 66%. Em 2018 a receita foi de 76 milhões de dólares; no ano seguinte, de 77 milhões. Em alguns momentos, a ocupação do resort é de 15%, um valor muito baixo. Um ex-empregado chegou a dizer: “acho que tiveram o azar de seu proprietário se tornar presidente”. 

A outra propriedade é o Trump International Hotel, localizado na capital, com diárias acima de dois mil reais. O prédio onde está localizado o hotel foi dos Correios e construído em 1800. Em 2011, o governo federal licitou o prédio e a família Trump venceu o leilão. A família gastou muito dinheiro no prédio para fazer a conversão em hotel. Os números do hotel não são divulgados, mas a estimativa é que a receita do hotel, localizado na Avenida Pensilvânia, é algo em torno de 50 milhões de dólares por ano. O autor estimou a margem de lucro do hotel, baseado em uma série de inferências, em 11%. Um valor reduzido para o setor. 

O processo de avaliação começa com a decisão da Trump Organization em vender o hotel de Washington. A estimativa do vendedor seria uma receita de 68 milhões em 2020, com lucro de 6 milhões (lucro operacional antes de juros, impostos, depreciação e amortização, LAJIDA. Provavelmente o hotel está no prejuízo, já que possui uma dívida que deve levar boa parte do LAJIDA. Ou seja, o hotel de Washington dá prejuízo ao presidente Trump, o que é irônico, já que o presidente pretende ter uma imagem de gestor eficiente. 

Entre os interessantes pela compra, um investidor ofereceu US$175 milhões. O número do vendedor talvez seja 500 milhões, segundo Alexander. Aqui entra o processo de avaliação. Será que o hotel de Washington vale realmente 500 milhões? Parece que a maior oferta máxima seja de 240 milhões para um comprador agressivo. Eis a parte que interessa sobre a avaliação: 

Existem duas maneiras principais de descobrir quanto vale um hotel. A primeira é aplicando um múltiplo a seus lucros, o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização. Isso permite que os investidores em potencial vejam quanto tempo pode levar para recuperar seu dinheiro. Quanto mais agradável for o hotel, maior será a probabilidade de eles esperarem mais tempo. Para uma propriedade super luxuosa como a de Trump, pode-se esperar que alguém pague, digamos, 20 vezes o fluxo de caixa [o LAJIDA não é bem fluxo de caixa]. Se está gerando US $ 10 milhões por ano, por exemplo, há uma boa chance de alguém pagar US $ 200 milhões pelo local. Mas o lucro antes dos impostos e antes dos juros parecem ser de cerca de US $ 5 milhões. Nesse nível, Trump estava pedindo cerca de 100 vezes os lucros anuais. Um vendedor mais realista poderia ter pedido, digamos, US $ 100 milhões por uma propriedade que estava produzindo US $ 5 milhões por ano.

Dada sua grandeza, no entanto, é improvável que o hotel Trump valia apenas US $ 100 milhões, o que nos leva à segunda maneira de avaliar um hotel. Os investidores costumam aplicar um preço a cada quarto e multiplicar esse valor pelo número de quartos. (...) é possível considerar mais de US $ 1 milhão por quarto para o hotel de Trump. Valorizar algo é uma arte e não uma ciência. Sete especialistas em hospitalidade, falando entre janeiro e início de março, ofereceram estimativas de algo entre US $ 500.000 e US $ 1,2 milhão por quarto para a propriedade de Trump, após serem informados sobre suas baixas margens de lucro. A média foi de $ 761.000. Como o local tem 263 quartos de hotel, isso sugere que vale US $ 200 milhões. Essa parecia ser uma avaliação justa que levou em consideração tanto a renda quanto o preço por quarto.

O primeiro método apresentado parece múltiplo, mas trata de uma estimativa de fluxo de caixa, considerando uma perpetuidade na sua geração e uma taxa de desconto igual a 5% ou 1/20 (1). Outra possibilidade é usar o múltiplo de um negociação próxima. O Mayflower Hotel, com 581 quartos, foi negociado a 175 milhões. Isto corresponde a 300 mil por quarto. O valor multiplicado por 263 corresponde a menos de 100 milhões de dólares. 

Mas há dois fatores adicionais nesta análise. O comprador potencial do hotel pode ostentar que comprou o hotel do presidente dos Estados Unidos. Isto pode implicar em um adicional ao valor calculado, embora seja difícil imaginar quanto valeria este capricho, mas isto pode resultado em um valor de negociação acima do valor estimado por um avaliador. 

O segundo fator é negativo, que é a questão política. Com o coronavírus, o governo dos Estados Unidos conseguiu a aprovação de ajuda para diversos setores da economia, no valor de 350 bilhões de dólares. O governo oferece o apoio, desde que a empresa não demitisse. Os hotéis estavam entre os setores que poderiam se beneficiar. Mas os legisladores, ao aprovarem a ajuda, proibiram que empresas pertencentes a funcionários com altos cargos tivessem acesso ao empréstimo. Isto incluiu os hotéis de Trump, que tiveram que demitir e na reabertura não conseguiram um número de clientes adequado. 

Para complicar, a Trump tem uma grande dívida com o Deutsche Bank, o que significa uma posição complicada para a instituição financeira alemã. Renegociar empréstimo poderia parecer um favor ao presidente dos Estados Unidos, justamente quando o governo está investigando o banco. E não fazer pode ter um risco de retaliação. 

(1) A bem da verdade, os dois grupos de métodos devem ter uma convergência. O múltiplo nada mais é do que um fluxo de caixa descontado simplificado. 

Rir é o melhor remédio


 Bingo da Live

18 setembro 2020

Marca e a decisão legal da obra de Banksy


O artista conhecido por Banksy perdeu um processo judicial contra uma empresa de cartões comemorativos, Full Color Black, e a sua marca poderá estar “em risco”, segundo escreve o “The Guardian”, esta sexta-feira, 18 de setembro. 

O Instituto da propriedade intelectual da União Europeia (EUIPO) explicou que escolheu contra o artista por não considerar que Banksy possa ser identificado como o proprietário inquestionável das obras porque sempre manteve o anonimato.

“Banksy optou por permanecer anónimo e, na maioria das vezes, pintar grafites na propriedade de outras pessoas sem a sua autorização, em vez de pintar num quadro ou numa propriedade própria”, frisou o EUIPO.

O caso remonta a 2004, quando a empresa Full Color Black quis registar como marca comercial uma imagem desenhada por Banksy em Jerusalém, a Flower Thrower, onde surge um homem a atirar um ramo de flores.

Para impedir que a Full Color Black conseguisse comercializar a Flower Thrower, Banksy abriu uma loja em Croydon, no sul de Londres. “Uma empresa de postais de felicitações está a contestar a marca registada que atribuo à minha arte”, referiu o artista em comunicado, acrescentando que estavam a tentar “ vender legalmente sua mercadoria falsa de Banksy”.

No entanto, o EUIPO considerou que a loja do artista, que inicialmente vendia apenas através da internet, vendia mercadorias “pouco práticas e ofensivas”. Entre os itens vendidos estavam bolas de discoteca feitas de capacetes ​​da polícia, bem como réplicas do colete esfaqueado usado pelo rapper Stormzy no seu espetáculo em Glastonbury, em 2019.

O painel de três juízes concluiu que “a sua intenção não era usar a marca como marca para comercializar mercadorias. Estas ações são inconsistentes com práticas honestas”.

Aaron Mills, advogado de marcas registadas da Blaser Mills, que representou a Full Color Black , apontou que a decisão pode significar que outras marcas registadas de Banksy estão em risco. “Se não houve intenção de uso, a marca é inválida e também existe a questão da fraude. Na verdade, todas as marcas registadas de Banksy estão em risco, pois todo o portfólio tem o mesmo problema ”, disse ao “World Trademark Review” citado pelo “The Guardian”.

O advogado da Full Color Black, sublinhou ainda à “BBC News” que a empresa que representa está “muito satisfeita com o resultado”. “Banksy sempre considerou que copyright era para perdedores, e se quisesse contestar que alguém utilizasse uma das suas obras, normalmente precisaria contar com o copyright”, afirmou Aaron Mills. (Marques, Bianca. Jornal Econômico. Bansky perde batalha legal e tem marca em risco, 18 de set 2020)

Contabilidade? - A questão legal pode influenciar no reconhecimento de um ativo. Veja que a empresa que registrou a pintura agiu no sentido de aproveitar a legislação, mesmo que isto pareça "estranho". É interessante que a decisão judicial é contra um artista que não gosta da exploração comercial da arte. 

CAPM não funciona

Determining the right price for a business on the auction block can often befuddle even the most experienced valuation professionals.

For decades, the Capital Asset Pricing Model (CAPM) has been used by business school professors, CFOs, and valuation experts to gain valuable information on risk and price. Unfortunately, the method, which predicts the expected return of an asset as a function of its beta, is not always accurate.

While the CAPM’s limits are widely known, new research shows the extent to which using the method can cause significant errors in the valuation of a company that’s up for sale.

By examining 12,000 takeover bids for private companies between 1977 and 2015, the authors of a forthcoming study show that using the CAPM to value targets leads to valuation errors that correspond to an average range of 12% to 33% of deal values.

The researchers arrived at their results by developing a model that assessed the cumulative abnormal return of the bidder’s stock in response to the bid; the value of the target’s equity as assessed by the market; and the price paid by the bidder.


The CAPM formula doesn’t work — it doesn’t give the right price of risk,” saidDavid Thesmar,one of the study’s authors and an MIT Sloan professor of financial economics. “It becomes a problem to actually evaluate businesses when we want to buy them, because we don’t know the price of risk, and we’re using that formula.”

Experts have used the CAPM for years, especially in business schools when introducing ideas of risk and return, portfolio theory, diversification, and other fundamental concepts. The authors estimated in their research that between 73.5% and 90% of CFOs and valuation professionals still use the CAPM.

Dessaint, Olivier and Olivier, Jacques and Otto, Clemens A. and Thesmar, David, CAPM-Based Company (Mis)valuations (October 24, 2019). Rotman School of Management Working Paper No. 3050928.



Rir é o melhor remédio

 

A verdade na nossa época

17 setembro 2020

Enquanto isto, na educação nos tempos atuais....

 



Três casos. Mas outros mais aqui

Deloitte punida na Inglaterra


Uma notícia da Inglaterra: 

A Deloitte foi punida com uma multa recorde pelas “sérias e repetidas falhas” na auditoria à empresa de software Autonomy, reporta a Reuters. A multa de 15 milhões de libras (16,4 milhões de euros) foi decretada esta quinta-feira pelo Conselho de Reporte Financeiro do Reino Unido. 

Em causa estavam as demonstrações financeiras da Autonomy em 2009 e 2010, antes de ser comprada pela Hewlett Packard (HP) em 2011. Depois desta aquisição, que se fez por 11 mil milhões de dólares (9,3 mil milhões de euros), a HP viria a reduzir o valor da empresa em três quartos, alegando ter sido defraudada nas finanças da Autonomy. 

O regulador britânico veio agora dar razão à queixa da HP, tendo também sancionados dois dos sócios da Deloitte envolvidos na auditoria. A empresa e os colaboradores defendem-se dizendo que as suas práticas “evoluíram significativamente desde que esta auditoria foi realizada há mais de uma década”, cita a Reuters. A decisão surge depois de um demorado processo, incluindo um recurso posto pela consultora para os tribunais em julho.

Precisamos da Representação Fidedigna na Contabilidade?

Com o desenvolvimento da estrutura conceitual, a partir do Fasb e mais recentemente com o Iasb, a representação fiel ou fidedigna foi elevada ao patamar de verdade absoluta para a contabilidade. Mas será que efetivamente devemos considerar a representação fiel como um modelo a ser buscado pela contabilidade? 

Antes de responder, vejamos duas figuras, retiradas de um artigo da David Perell. O primeiro é um desenho de Pablo Picasso. Este pintor espanhol foi considerado um dos maiores do século XX. Entretanto, muitas pessoas, quando olham uma das suas pinturas, acredita que seja algo fácil de ser feita. No nosso primeiro exemplo temos o desenho de um touro. 


A primeira tentativa de Picasso apresenta os principais contornos do animal e realmente parece indicar o que esperaríamos de um touro. Os dois desenhos seguintes, no alto da figura, aumenta a complexidade e os detalhes do animal. A partir daí, Picasso começa um processo de reduzir a figura ao que ele entende ser a essência do touro. Ao final de mais quatro tentativas, o animal é desenhado em algumas linhas (figura do canto direito, no meio). O processo de simplificação conduz ao resultado final, onde o touro é desenhado a partir de algumas poucas linhas. 

O que seria um desenho que “qualquer criança” poderia fazer, na realidade é fruto de estudos. É preciso primeiro entender toda complexidade do animal, para entender sua essência. 

Vamos passar para o segundo exemplo apresentado por Perell. Eis o mapa do metrô de Nova York, com as suas estações.


Este mapa foi produzido para que o usuário possa usar o transporte e saber sua estação. Para isto, quem fez o mapa produziu diversas distorções. Este mapa não representa, de maneira fidedigna, as estações e o entorno do metrô: ele não mostra todas as ruas e o Central Park está representado de maneira que parece mais um quadrado do que um retângulo. São alguns dos exemplos das distorções do mapa. Seguramente o desenho seria reprovado por um rigoroso desenhista. Mas mesmo assim, este é o mapa usado pelo metrô para orientar os passageiros. É ele que tem a função de indicar a melhor estação para quem deseja chegar ao seu destino. Provavelmente deve servir ao seu propósito.

Estes dois exemplos mostram que nem sempre a representação fiel é o desejável em outras áreas. Por que isto também não seria verdadeiro na contabilidade? Pegue qualquer demonstração contábil, de qualquer empresa. A partir da representação fiel feita pelo contador, o usuário tem uma boa noção do que é relevante? Provavelmente não. Tanto é assim que algumas empresas aperfeiçoam o desenho feito pelo contador (talvez o quarto, no canto direito, da figura do touro) e apresentam sua configuração sob a forma de transparências na apresentação para os investidores (talvez os desenhos do meio da figura do touro). 

Rir é o melhor remédio

 

corte orçamentário 

16 setembro 2020

Quando os pareceristas não olham o Background Studies


Uma das razões da revisão pelos pares é que os especialistas na sua área deveriam conhecer as principais referências. E saberiam dizer se os estudos que suportam as hipóteses de um estudo (ou a expectativa de resultado), também conhecido como Background ou Revisão de Literatura, realmente expressam isto. 

Tem muito, muito, mas muito comum um autor usar Garrison - autor de custos - para falar sobre a importância da informação para decisão ou Hendricksen para afirmar que os estudos atuais de história ... Nada contra Garrison ou Hendricksen, mas o primeiro é autor de um bom livro de custos para graduação e o segundo escreveu um bom livro de Teoria nos anos 80 (traduzido no Brasil nos anos 90). É muito comum usar o CPC para falar sobre o usuário da contabilidade (a Estrutura Conceitual é rasa neste ponto). E assim por diante. 

O Retraction Watch - um site muito bom sobre problemas de pesquisa na ciência em geral - publicou um texto sobre uma retratação dos autores quando algumas referências não suportavam as conclusões. Parece básico e que deveria ter sido observado pelos pareceristas. Mas não foi. 

Eis um trecho da retratação: "Fomos notificados de possíveis discrepâncias entre três artigos citados na seção Background Studies do artigo publicado. Os artigos citados não aparecem relacionados aos dados que estavam sendo usados para descrever."

Ah, sim, já tive experiência diversas com esta questão do Background. Em algumas poucas delas eu deixei registrado minha discordância; em outras, confesso que me acomodei, pois geralmente a Revisão é a parte mais "chata" de um artigo; no último grupo, deixei de dar atenção para este ponto. Mea culpa

Imagem aqui

Presidente mundial da EY manifesta arrependimento pela Wirecard

 Demorou um pouco, mas...

En una carta dirigida a sus clientes, el presidente mundial de EY ha expresado su pesar por el hecho de que los auditores de su empresa no descubrieran antes el fraude cometido por la empresa alemana de tecnología financiera Wirecard, que ha quebrado

Para aqueles que não lembram, a empresa alemã Wirecard foi auditada muitos anos pela EY. Os auditores fizeram uma barbeiragem e não perceberam que a empresa estava manipulando a conta bancos. O arrependimento é um pouco tardio, já que jornalista do FT já tinham notado problemas com 

Caridade com o bolso alheio


Recentemente comentamos um ranking das empresas que mais fizeram caridade:

Realmente não sei se faz sentido uma instituição ficar fazendo doação. O executivo aparece como "mocinho", mas o dinheiro é do acionista. Parece hipocrisia. Mas quando imagina que uma doação pode gerar uma imagem favorável da empresa perante seus clientes, talvez a decisão não seja tão inadequada assim. Talvez.

Nos 50 anos do famoso artigo de Milton Friedman (postamos há dois dias), eis um argumento neste sentido de Oliver Hart:

Um exemplo que acho que Friedman estava certo foram as contribuições de caridade. Este é um exemplo famoso. Não acho que as empresas tenham uma vantagem comparativa em doar para instituições de caridade. Seria muito melhor para eles pegar o dinheiro que dariam para a caridade, entregá-lo aos acionistas e deixar que cada um deles decida quanto dar à sua instituição de caridade favorita

Mas quando se trata de coisas como a pegada de carbono, as empresas estão, na verdade, em uma posição muito melhor para ajudar nas mudanças climáticas do que os indivíduos. E se você perguntar aos acionistas individuais: Você estaria disposto a abrir mão de algum lucro, algum dinheiro, algum valor de longo prazo para os acionistas e, em troca, sua empresa se tornará mais verde? Muitos acionistas, os mesmos que instalam painéis solares ou compram carros elétricos, podem muito bem dizer "sim". E, nesse caso, se a maioria pensa assim, acho que a empresa deveria fazer a coisa verde.

Imagem: aqui

Escreva de manhã


Um conjunto de dicas sobre escrita, preparada pelo Grammarly, a segunda dica é Escreva de Manhã. Eis o que diz a dica: 

Para muitas pessoas, escrever é mais fácil logo após uma boa noite de sono. A pesquisa da Grammarly também mostra que os madrugadores cometem menos erros de escrita. 

30 Writing Tips to Make Writing Easier - Karen Hertzberg

Será? 

Rir é o melhor remédio


 Preocupações quando se tem um bom contador

Consequências da Precificação via Algoritimos

 Resumo:

Increasingly, pricing algorithms are supplanting human decision makers in on-line markets. To analyze the possible consequences, we study experimentally the behavior of algorithms powered by Artificial Intelligence (Q-learning) in a workhorse oligopoly model of repeated price competition. We find that the algorithms consistently learn to charge supra-competitive prices, without communicating with one another. The high prices are sustained by classical collusive strategies with a finite phase of punishment followed by a gradual return to cooperation. This finding is robust to asymmetries in cost or demand, changes in the number of players, and various forms of uncertainty.


Calvano, Emilio and Calzolari, Giacomo and Denicolo, Vincenzo and Pastorello, Sergio, Artificial Intelligence, Algorithmic Pricing and Collusion. American Economic Review.



15 setembro 2020

Mesmo erro há 300 anos


Os contemporâneos de Newton o viam como o homem mais inteligente do mundo. Se ele podia dar tão errado - arriscar algo como metade de sua riqueza de uma forma imprudente - o mesmo poderia acontecer com qualquer pessoa. A pesquisa publicada no ano passado pelo matemático Andrew Odlyzko sobre as ações de Newton durante a bolha do Mar do Sul ilumina não apenas os erros antigos do grande pensador, mas também um padrão de loucura humana que se repete continuamente. Quando os mercados financeiros oferecem a tentação de valores sempre crescentes, nem mesmo as pessoas mais inteligentes conseguem resistir.

Investidores têm cometido o mesmo erro há 300 anos. Imagem da Wikipedia

Precificação do risco e sua relevância


Sobre os incêndios na costa do pacífico dos Estados Unidos, eis uma observação interessante da The Economist:

A Califórnia está agravando seus problemas ao minar a correta precificação do risco, o que seria essencial para encorajar os proprietários de imóveis a se mudarem das áreas mais perigosas. O Estado impôs regras novas e mal concebidas às seguradoras, impedindo-as temporariamente de rejeitarem a renovação de apólices em áreas de alto risco. E os reguladores estão desencorajando o setor de usar o risco de incêndio como razão para recusar negócios em qualquer região do Estado.

Foto aqui

(Desastre ambiental da Califórnia é produzido por ela mesma - 15 set 2020 - publicado no Estado de S Paulo)

Quando o regulador atua, isto pode terminar criando incentivos errados. A precificação do risco errada gera problemas graves como este. 

Contabilidade? - as vantagens e desvantagens da regulamentação, mesmo em outras áreas, merece atenção da contabilidade. Além disto, normas como esta podem influenciar as demonstrações contábeis das seguradoras. 

Rir é o melhor remédio

 

Ignorando a tarefa de casa

14 setembro 2020

Herbalife, China e Trump


 Há semanas, o presidente dos Estados Unidos ameaçou as empresas chinesas com ações negociadas na bolsa de valores do seu país. O motivo foi a falta de supervisão das entidades de fiscalização dos trabalhos dos auditores dos EUA, o PCAOB. Parecia o típico imperialismo ianque, mas os problemas de falta de controle da qualidade do trabalho dos auditores chineses é sério. 

Michael Rapoport, em Herbalife Nutrition is in hot water again (The Digg, 11 de set de 2020), conta que os auditores chineses não perceberam nenhum problema nas atividades da Herbalife em território chinês. A empresa foi condenada a pagar uma multa por suborno de autoridades do país asiático: 

That’s why the recent U.S.-China showdown over corporate audits is so important for investors. The Trump administration is threatening to boot Chinese companies out of U.S. markets if U.S. regulators aren’t able to monitor Chinese audit firms.

The Herbalife case shows what might happen if a U.S.-listed company’s Chinese business is being vetted by an auditor whose performance and objectivity are big question marks. It suggests the lack of oversight over Chinese audit firms poses real risks for investors - risks that are likely to continue unless something is done to fix the problem.

Outras empresas dos EUA, que possuem uma grande operação na China, como WalMart e 3M, também podem ter problema. O que ocorre na contabilidade chinesa, só os chineses podem indicar se está correto ou não. 

Redes Sociais e Contabilidade


Episódio da Série Ciência Aberta, conversando sobre a pesquisa de tese de doutorado do PPGCont/UnB: Uso de mídias sociais para divulgação voluntária: sentimento na UGC do Facebook e geração de valor para empresas de capital aberto. Pesquisadora: Profa. Dra. Ilka Gislayne de Melo Souza (UFBA). Orientador: Prof. Dr. César Augusto Tibúrcio Silva (UnB). Apresentador: Pedro Henrique Nascimento (Graduando em Ciências Contábeis/UnB).

Clique aqui

50 anos da doutrina da responsabilidade social de Friedman


Há 50 anos Milton Friedman publicava um artigo no New York Times Magazine sobre a responsabilidade social dos negócios. Trata-se de um manifesto onde Friedman afirmava que a responsabilidade é aumentar os lucros. Trata-se, talvez, da frase mais citada, da ideia econômica mais relevante do século XX. Influenciou a política econômica de Ronald Reagan e Margaret Thatcher. 

Friedman foi professor da Universidade de Chicago, prêmio Nobel de Econômica e faleceu em 2006, aos 94 anos de idade. O jornal NY Times preparou uma edição especial com artigos sobre o tema. Para quem recebe a newsletter de Andrew Sorkin por e-mail é possível ter um bom resumo dos artigos. Alguns dos artigos não concordam com os argumentos de Friedman, como o artigo de Schulz (Starbucks). 

Eis um trecho interessante:

A visão de primazia do acionista da corporação - que dá pouca voz aos trabalhadores, clientes e comunidades que são impactados pelas decisões corporativas - tem sido o modus operandi do capitalismo dos Estados Unidos. Por que essa visão se tornou tão dominante? Uma justificativa era prática. Em vez de ser solicitado a equilibrar vários interesses, muitas vezes conflitantes, entre as partes interessadas, o gerente recebe uma função objetiva simples. Mais importante, porém, era a crença ingênua, dominante na escola de Chicago na época, de que o que é bom para os acionistas é bom para a sociedade - uma crença que se apoiava no pressuposto de mercados em perfeito funcionamento. Infelizmente, esses mercados perfeitos existem apenas em livros de economia. (Marianne Bertrand, da Universidade de Chicago)

De Daniel Loeb:

O ensaio atemporal de Friedman ressoa hoje à medida que a América corporativa abraça o "capitalismo das partes interessadas", um conceito popular que é inconsistente com a lei. O capitalismo das partes interessadas distorce o incentivo que leva os investidores a arriscar seu capital: a promessa de lucro em seu investimento. Portanto, compartilho da preocupação de Friedman de que um movimento em direção à priorização de "partes interessadas" mal definidas pode permitir que alguns executivos busquem agendas pessoais - ou simplesmente camuflem sua própria incompetência (até que seja claramente revelada por baixos retornos para os acionistas). [Isto faz lembrar a confusão da Estrutura Conceitual em definir o usuário principal da contabilidade. Será válida a crítica de Loeb?]

Erika Karp tenta conciliar as duas visões (crítica de Bertrand e apoio de Loeb) com uma ressalva: impor o termo "longo prazo" na frase de Friedman. 

Há uma ponto de ciúme na análise de Stiglitz quando diz: 

Eu dei uma palestra na Universidade de Chicago por volta dessa época, apresentando uma versão inicial da minha pesquisa estabelecendo que, na presença de mercados de risco imperfeitos e informações incompletas - isto é, sempre - as empresas que buscam a maximização do lucro não levam à maximização da sociedade bem-estar. Expliquei o que havia de errado com a conjectura da mão invisível de Adam Smith, que dizia que a busca do interesse próprio levaria, como se por uma mão invisível, ao bem-estar da sociedade. Durante o seminário, e em longas conversas posteriores, Friedman simplesmente não podia ou não queria aceitar o resultado; mas tampouco, é claro, ele poderia refutar a análise - já se passou meio século e minha análise resistiu ao teste do tempo. Sua conclusão, por mais influente que tenha sido, não foi.

Hubbard lembra que o argumento de Friedman foi polêmico e ainda é polêmico. Mas é mais ou menos correto. 

No ProMarket, Oliver Hart, nobel de Economia, faz uma análise do ensaio de Friedman.


Rir é o melhor remédio

 

Contador é como Deus

13 setembro 2020

Fraude Eleitoral na Rússia

Eis alguns trechos de um texto bem interessante sobre as eleições russas:

Examinemos los resultados del referéndum que tuvo lugar este Junio para eliminar el límite de mandatos, permitiendo la reelección de Putin hasta el año 2036. Si echamos un ojo a los resultados electorales por colegio electoral (fuente oficial y datos en formato electrônico) llama la atención que el porcentaje de votos a favor de la reforma propuesta por Putin tiende a ser prácticamente idéntico en muchos colegios electorales de cada distrito electoral. Por ejemplo, en el distrito de Akushinsky, que cuenta con unos 52 colegios electorales de unos 500 votantes cada uno, votó a favor de la propuesta de Putin exactamente el 93% de los votantes en la práctica totalidad de los colegios electorales.


Os valores são tão homogêneos que a justificativa mais plausível é a fraude eleitoral. O texto faz uma simulação considerando uma distribuição binomial, com média de 93% e de maneira aleatório chega ao seguinte resultado (simulado):


Veja que o resultado é bem mais inconstante que a realidade. 

La inverosímil distribución de los resultados ofciales refleja tanto la dificultad que tienen los burócratas rusos para simular procesos de generación de datos con algún componente estocástico como, sobre todo, la impunidad con la que se comete el fraude electoral. Otros regímenes autoritarios, como la Bielorrusia de Lukashenko, evitan divulgar datos desagregados de voto que podrían resultar muy embarazosos. Sin embargo, el régimen de Putin no tiene pudor en seguir utilizando burdos métodos de manipulación electoral y publicar datos que son manifestamente falsos. Por desgracia, en Rusia sigue siendo cierto aquel dicho de Stalin: lo que cuenta no es quien vota, sino quien cuenta los votos.

Contabilidade? - Uma das áreas mais relevantes é a fraude. Aprendemos com exemplos como este que "dados" fabricados podem ser recusados quando analisados de maneira adequada. 

Fonte: Manuel Bagues, 11 de set 2020, Nada es Grátis, Estadística y fraude electoral: lo que el teorema central del límite nos revela acerca del régimen de Putin

Quando somente medir o custo de um processo não resolve


Após ficar congelado por mais de 20 anos, o valor autorizado para dispensa de licitação foi reajustado em 2018, quando passou de R$ 8 mil para R$ 17,6 mil. À época, a CGU alegou que o processo licitatório era excessivamente custoso, em especial, para gastos de baixo valor. O novo estudo revela, porém, que, mesmo com a dispensa de licitação, essas contratações continuam dando prejuízo ao erário.

O problema principal é o custo operacional dessas operações e o grande volume de transações de baixo valor. Elas representam 61% do total de processos de aquisição feitos pelo governo, mas, em termos financeiros, a participação é irrisória: 0,54% do total. “O cúmulo da ineficiência é fazer eficientemente o que não precisa ser feito”, ironiza Sérgio Neiva, coordenador-geral de auditoria da CGU. 

Atualmente, se um setor do governo precisa comprar um simples “pen drive” (em inglês, armazenador de arquivos digitais), o pedido tem que ser encaminhado a várias áreas da administração. Se a compra é aprovada, o ato de dispensa de licitação tem que ser publicada no “Diário Oficial da União”.

Cálculo feito pela própria CGU concluiu que, considerando as horas trabalhadas pelos servidores envolvidos, o “pen drive” custaria, em média, R$ 4,4 mil à União. (Camarotto, Murillo, Compras sem licitação custaram 183% a mais, Valor, 8 de setembro de 2020)

Dois problemas sérios na análise. Em primeiro lugar é necessário que a comparação seja feita entre "compras com o Cartão de Pagamento do Governo Federal" versus "compra com licitação" e isto não foi feita. O segundo ponto é que a proposta da CGU só trará economia nas despesas se os valores forem evitáveis. Imagine que no atual processo de compra tenha um funcionário que exerça uma determinada função. Se no novo processo esta atividade for eliminada, mas o funcionário continuar recebendo seu salário, agora não fazendo nada, a proposta não trouxe benefício global para o setor público. 

(Foto: aqui)

Rir é o melhor remédio

 

Esta frase é bastante divulgada: não recuse uma oportunidade. Aprenda como fazer depois. Embaixo, "como pilotar um avião". 

12 setembro 2020

Incerteza Política e Avaliação de Propriedades


Um novo artigo estuda a ligação entre a contínua incerteza política e os direitos de propriedade de longo prazo em Hong Kong. O artigo conclui que propriedades sujeitas a incertezas políticas são vendidas com um desconto significativo e que o desconto é maior quando a confiança das pessoas diminui e os residentes se sentem mais incertos quanto ao futuro. 

Evidências recentes (por exemplo, Pastor e Veronesi, 2013; Baker et al., 2016; Hassan et al., 2019) mostram que a incerteza política desempenha um papel significativo na avaliação de ativos, bem como na atividade econômica em economias desenvolvidas, normalmente associadas a e ambientes políticos estáveis. Seria de se esperar que essa força econômica universal prevalecesse mais nas economias de mercado emergentes, especialmente aquelas que lutam contra a indeterminação prolongada em sistemas políticos complicados pela história colonial.

Isso pode ser particularmente verdadeiro para os mercados imobiliários. Em qualquer mercado imobiliário, o valor do ativo de longo prazo - o valor presente dos fluxos de caixa líquidos esperados no futuro - depende da perpetuidade e continuidade da propriedade da terra. Os participantes do mercado, tanto famílias quanto instituições financeiras, estão expostos a riscos políticos substanciais quando a posse da terra termina no final de seus prazos fixos. (...)

How Does Political Uncertainty Axect the Valuation of Long-Term Property Rights? Lessons From Hong Kong - ZHIGUO HE, MAGGIE HU, ZHENPING WANG, VINCENT YAO September 3, 2020 - ProMarket

Marcas mais valiosas

 Um novo ranking das marcas mais valiosas. Agora da Brand. O resultado final é o seguinte:


Veja que o ranking é por empresa, não por produto. Como é feito o cálculo? A revista Exame, local da publicação, explica:

1. Calcula a força da marca. É um índice de zero a 100 que leva em consideração gasto com marketing, percepção dos consumidores e como está o desempenho nos negócios. Veja que é um índice calculado pela Brand

2. Faixa de royalties do setor. É um número percentual e corresponde a taxa de licenciamento praticada. Novamente o cálculo é da própria empresa.

3. Taxa de royalties, obtida pela força da marca vezes a faixa de royalties. 

4. A partir da receita total da empresa, calcula-se a receita que é específica da marca. Trata-se de uma proporção, também estimada pela Brand

5. Estimativa de receitas futuras. Provavelmente será a receita da marca. Utiliza a previsão de analistas e crescimento da economia

6. Multiplica a taxa de royalties pela receita futura estimada. 

7. Retira do valor acima o imposto e calcula o valor presente líquido, que corresponde ao valor da marca. (nada é dito sobre a taxa de desconto)

Óculos para evitar a procrastinação

 Saiu na Superinteressante:

Agendas, planners e aplicativos de organização podem até ajudar com prazos, mas executar a tarefa é outra história. Quando você está prestes a começar seu trabalho, surge aquela voz dizendo “por que não checar o Instagram uma última vez?” e pronto: lá se vão 30 minutos (ou mais) do seu dia.

Mas a startup canadense Auctify pode ter a solução para isso: óculos anti-procrastinação, projetados para monitorar a rotina dos usuários e avisá-los quando perderem o foco em suas atividades. 

Os óculos – batizados como Specs – são equipados com inteligência artificial, que usa aprendizado de máquina para monitorar o que você está olhando e dizer se aquilo é produtivo ou não. Todos os dados gerados pela ferramenta podem ser acessados por um aplicativo próprio que, ao longo do dia, vai montando um gráfico com todas as suas atividades como forma de feedback.  

[...]

Os desenvolvedores explicam que, ao perder o foco, a pessoa leva em média 23 minutos para restabelecê-lo e voltar totalmente a tarefa. Além disso, parte da população acaba recorrendo ao café ou medicamentos para manter a atenção em suas atividades. Os óculos e seu aplicativo seriam uma forma saudável de evitar a procrastinação. Apesar de já haver aplicativos de gerenciamento de tempo no mercado, a Auctify afirma que sua ferramenta usa metodologias psicológicas clinicamente comprovadas que incentivam o usuário a se manter produtivo, sem que ele se sinta mal ou cobrado.  

Rir é o melhor remédio

 

Estamos todos no mesmo barco? 

11 setembro 2020

Exemplo de não Sinergia: Autolatina


Quando estou explicando o conceito de sinergia em sala de aula, este é um dos exemplos preferidos: a junção da Ford e Volks, nos anos 80, que resultou na Autolatina. Parecia a típica "sinergia", que todo executivo gosta de falar. O Jornal do Carro resumiu alguns dos pontos desta sinergia:

O mercado brasileiro “batia pino” nos anos 80 e a Ford pensava em fechar suas fábricas no Brasil. Na prática, iria deixar o país, pois as importações ainda estavam proibidas. 

A solução “genial” foi se associar à Volkswagen para compartilhar recursos, projetos e competências. Surgiu então a Auto Latina, holding responsável pelas duas marcas. Ambas manteriam áreas comerciais, de marketing, produtos e concessionárias distintas. Cada uma com seu “presidente” e respectiva equipe, ambos subordinados ao chefão geral da holding.(...)

1. Culturas diferentes - Reunir sob mesmo teto duas culturas opostas como a norte-americana e a germânica era o mesmo que montar um time de futebol mesclando jogadores brasileiros e argentinos. Os embates internos foram amenizados com as finanças sob o comando da Ford, comercialização e marketing pela VW

2. Engenharia única - A engenharia era única, para reduzir custos no desenvolvimento de projetos. Aplataforma do Escort deu origem ao Ford Verona. E também a três modelos VW: Apollo, Logus e Pointer. O sedã Santana e perua Quantum da VW se fantasiaram de Ford Versailles e Royale. Carros da VW produzidos pela Ford e vice-versa.

3. Compartilhado, mas nem tanto - Desenvolver projetos conjuntos significava trocar figurinhas entre as duas engenharias. Mas a parceria não ia além do Brasil e Argentina e as matrizes negavam revelar segregods industriais e de manufatura para o concorrente. A rigor, o maior intercâmbio foi de motores (CHT da Fort, AP da VW) entre as marcas. 

4. Vias de Fato - (...) Executivos quase chegavam às vias de fato nas reuniões da holding…

5. Qualidade questionável - A qualidade dos “filhotes da AutoLatina" começou a ser questinada. O VW Apollo era o mesmo Ford Verona com variações no painel e acabamento, sem problemas técnicos. Mas Logus e Pointer eram novos modelos VW (na plataforma do Ford Escort) com carrocerias tão mal projetadas que, ao subir com duas rodas no passeio, costumavam “cuspir” o vigia (vidro traseiro) por problemas torcionais.

A Auto Latina não durou mais que sete anos pois as marcas não obtiveram a sinergia imaginada. Nem os carros originados da parceria vingaram: o VW Apollo, por exemplo, não durou dois anos. E a rigorosa auditoria da matriz da VW jogou uma pá de cal em todos eles.

Cartas aos estudantes de contabilidade

 A editora Gen lançou um livro intitulado "cartas aos estudantes de contabilidade", tendo como coautores os professores Sérgio de Iudícibus, Eliseu Martins e José Carlos Marion.

Esta semana a editora disponibilizou uma seção do capítulo do Iudícibus, disponível: aqui.

Vide trecho:

Contabilidade segue a Economia? Certamente, grande parte das transações registradas pelo sistema contábil é de natureza econômica. Entretanto, na Contabilidade de Custos o sistema contábil realiza apropriações do que, em um primeiro momento, representou gastos para o sistema de produção. Hoje em dia, todavia, o campo dos stakeholders aumentou bastante, apesar de a estrutura conceitual inicial do IASB dar clara preferência aos acionistas ou cotistas e aos credores, incluindo fornecedores, trabalhadores da empresa, governo, instituições ambientais e outros interessados. O relato integrado nada mais é do que a face escrita dessas preocupações ampliadas com vários usuários da informação. Historicamente, a Contabilidade sempre se adequou aos desenvolvimentos econômicos e sociais nas várias épocas, desde os rudimentares desenhos nas paredes das cavernas dos homens pré-históricos, pintando principalmente animais, uma espécie de inventário rudimentar, passando pelas antigas civilizações sumério-babilonense, egípcia, grega, romana, medieval, luzindo extraordinariamente na renascença italiana, revolução industrial, surgimento das grandes potências econômicas da Europa, Estados Unidos e mais recentemente Ásia. Note-se que a Contabilidade não apenas serviu para contabilizar os fenômenos econômicos das várias épocas, bem como, em um efeito circular, facilitou os progressos econômicos e civilizatórios nos vários países e continentes citados! Se fosse, a Contabilidade, apenas um sistema de contabilização e de controle, seria o caso de atribuir-lhe uma importância secundária. Na verdade, as empresas e nações, a economia em geral, se nutrem das melhores decisões que a Contabilidade proporciona aos que tomam tais decisões! Aliás, segundo o historiador econômico Schumpeter, não teria sido possível escrever a história da Economia se não existissem os livros diários dos comerciantes de vários países europeus, principalmente das repúblicas da Renascença italiana! Assim, em alguns casos, Contabilidade e Economia estão interligadas, mas são campos de conhecimento distintos. E, sem dúvida, a Contabilidade é a mais antiga, nas suas raízes históricas, com relação a publicações.


Rir é o melhor remédio

 

O que é melhor: o dia ou a noite? 

10 setembro 2020

Concorrência na produção da norma ESG


Eis um tema interessante. Com o aumento da relevância da informação sobre o ambiente, a questão da governança e informações (ESG na sigla em inglês) há um interesse sobre com evidenciar isto. Segundo um artigo de Durão (Mercado cobra critérios ESG mais claros de companhias e gestoras de fundos e recursos, Estado de S Paulo, 10 de setembro de 2020) há uma questão importante:

Fink [um investidor] prega a adoção das diretrizes do Sustainability Accounting Standards Board (SASB), organização que fornece padrões para relatar informações de sustentabilidade que tenham maior potencial de afetar a performance financeira de uma companhia. Para avaliar e relatar riscos relacionados ao clima e questões de governança essenciais para gerenciá-los, menciona as recomendações da Força Tarefa Sobre Divulgações Financeiras Relacionadas ao Clima (TCFD).

A sopa de letrinhas dá uma ideia da complexidade do tema. A Organização Internacional das Comissões de Valores (Iosco) – que reúne reguladores do mercado de capitais – mapeou mais de 50 iniciativas diferentes de padronizações de dados. [grifo do blog]

Veja que esta divergência pode ser saudável. Diversas iniciativas podem ajudar a produzir um padrão que seja saudável. Atualmente na contabilidade financeira temos um monopólio na produção de normas. Isto pode facilitar o preparador, que irá obedecer a somente uma sigla, mas é ruim para inovação da informação. Competição é uma palavra importante. 

Lembrando o capítulo 1 do livro de Teoria da Contabilidade: quem regula o regulador? Na contabilidade financeira não temos isto. Na área de ESG isto pode surgir naturalmente. (Imagem: aqui)