Translate

Mostrando postagens com marcador mensuração. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador mensuração. Mostrar todas as postagens

02 agosto 2022

As muitas maneiras de avaliar o meio-ambiente

 


Existem mais de 50 maneiras de valorizar o meio ambiente, mas a maioria das pesquisas e políticas se concentra em apenas alguns métodos. Isso inclui contar espécies e avaliar o custo da substituição de um serviço prestado por natureza. No entanto, avaliar a natureza em termos puramente monetários também pode ser prejudicial às pessoas e ao meio ambiente (1), de acordo com a maior avaliação mundial da avaliação ambiental.

“A formulação de políticas desconsidera amplamente as múltiplas maneiras pelas quais a natureza é importante para as pessoas”, especialmente os indígenas e as comunidades de baixa renda, diz o relatório do Painel Intergovernamental de Políticas Científicas sobre Serviços de Biodiversidade e Ecossistemas (IPBES).

Por exemplo, em propostas de barragens hidrelétricas, as necessidades das comunidades afetadas são frequentemente vistas como secundárias (2) às dos consumidores urbanos - especialmente se as comunidades precisam ser deslocadas, resultando em pessoas perdendo meios de subsistência e sendo obrigadas a mudar seu modo de vida, o relatório encontra.

A falha mundial em avaliar adequadamente a biodiversidade causou um declínio a longo prazo em uma variedade de serviços que o meio ambiente fornece, disse Anne Larigauderie, ecologista que lidera o secretariado do IPBES em Bonn, Alemanha, no lançamento do relatório em 11 de julho. "A capacidade de polinizar as culturas ou regular a água está em declínio há 50 anos", disse ela.

Há fortes evidências de que avaliar a natureza com base nos preços de mercado está contribuindo para a atual crise da biodiversidade, disse Unai Pascual, economista do Centro Basco de Mudanças Climáticas em Leioa, Espanha, no lançamento em Bonn. "Muitos outros valores são ignorados em favor do lucro e do crescimento econômico a curto prazo", acrescentou Pascual, que co-presidiu a avaliação.

Um resumo para os formuladores de políticas foi aprovado por 139 governos em 8 de julho. Espera-se que o relatório completo de avaliação seja divulgado antes da Conferência das Partes da Convenção das Nações Unidas sobre Diversidade Biológica, que ocorre em Montreal, Canadá, em dezembro. Espera-se que os delegados desta reunião cheguem a acordo sobre um novo conjunto de metas e indicadores para a conservação da biodiversidade.

Estudos da natureza

Oitenta e dois pesquisadores de todo o mundo, com áreas de especialização em ciências, ciências sociais e humanas, identificaram 79.000 estudos em avaliação ambiental e descobriram que seu número vem aumentando 10% ao ano há 4 décadas. Mas poucos desses estudos são adotados pelos formuladores de políticas. Os pesquisadores selecionaram 1.163 dos estudos para uma revisão aprofundada e descobriram que apenas 5% desses casos eram recomendações adotadas pelos tomadores de decisão.

Metade dos estudos selecionados para uma revisão aprofundada utilizou indicadores biofísicos, como número de espécies ou quantidade de biomassa florestal. Outros 26% usavam indicadores monetários, como quanto custaria se a polinização precisasse ser realizada por seres humanos ou os valores que os governos pagam aos agricultores para conservar a biodiversidade em terras agrícolas.

Apenas um quinto dos estudos valorizou a biodiversidade de acordo com critérios socioculturais. Aqueles que incluíram estudos sobre a importância para as pessoas de um local sagrado e pesquisas sobre o valor que alguém atribui ao local onde cresceram. Os valores socioculturais não têm necessariamente uma quantidade numérica ou preço. O valor dos locais sagrados não precisa ser transformado em dólares, ou euros, disse o co-autor do IPBES, Sander Jacobs, ecologista do Instituto de Pesquisa da Natureza e Florestas de Bruxelas, no lançamento do relatório.

Os autores do relatório descobriram que a maioria dos estudos não considera vários valores, mesmo quando as evidências mostram que isso leva a melhores resultados para o meio ambiente. A equipe descobriu que poucos cientistas consultam ou envolvem as pessoas que vivem e trabalham em regiões de alta biodiversidade. Apenas 2% dos estudos revisados em profundidade relataram ter feito isso. E apenas 1% envolveu pessoas em todas as etapas, desde a criação de um estudo até a publicação. "O envolvimento das partes interessadas é principalmente básico, incluindo as partes interessadas como provedores de dados e informações", diz o relatório.

“Precisamos construir coalizões de cientistas de diferentes disciplinas. Mas a ciência também precisa de aliados ”, diz Pascual. “Os cientistas precisam ser humildes e convidar aqueles que representam outras maneiras de conhecer. Essa coalizão poderia fornecer uma abordagem orientada a soluções para a biodiversidade e as crises climáticas."

Fonte: Nature

(1) grifo do blog. Parece importante e contradiz o senso comum que devemos mensurar para gerenciar.

(2) aqui parece que o problema não está no método, mas na forma como é empregado. O negrito a seguir é do blog

08 fevereiro 2022

O que usamos para mensurar?


No passado tínhamos um jargão: custo como base de valor. Entre a consistência de medir todos os elementos do patrimônio por um único método e escolher o melhor método para cada caso, a contabilidade indicava o primeiro caso. 

A adoção das normas internacionais de contabilidade muda esta filosofia. Agora o que importa é escolher a "melhor" medida em cada situação. É bem verdade que o termo melhor pode ter várias interpretações; para as normas, corresponde a melhor representação de cada situação. Mas já discutimos aqui que nem sempre isto deveria significar a representação fiel. 

A tabela acima é o resultado preliminar de uma pesquisa realizada por Acilon Souza, para sua tese de Doutorado. Mostra as quatro possibilidade de mensuração, para as companhias abertas, ao longo de 2014 a 2019. Apesar de custo não ser mais a base de valor, ainda é a forma de mensuração mais usada: quase 3/4 dos casos. O valor justo está presente em 17% dos casos e o restante divide entre valor presente e MEP. 

10 janeiro 2022

Custo do carbono quantificado

 

Você pode clicar na tabela para ver melhor. Trata-se de um levantamento sobre o custo do carbono para diferentes atividades/situações, conforme levantamento do astral codex. Na última coluna o número da fonte da informação, que pode ser encontrado no link anterior. Uma hora de streaming corresponde a um banho de 10 minutos. Mas isto é muito menos que dirigir um automóvel por 32 quilômetros, por exemplo. Ou comer um cheeseburguer ou ligar por uma hora o ar condicionado.  

A última parte da tabela muda a unidade para bilhões. A floresta Amazônica tem um impacto de 40% de todos os Estados Unidos. 

16 dezembro 2021

Starups podem ajudar na lavagem verde?


Segundo Parmy Olson, da Bloomberg, a resposta seria sim. O aumento do interesse pela questão ambiental fez surgir a possibilidade de manipular os resultados ambientais de uma empresa, de um fundo ou de uma cadeia produtiva. Isto recebeu o nome de "lavagem verde". 

Como há muita manipulação sobre esta informação, alguns parâmetros começaram a surgir. Um dos mais relevantes é o nível do escopo. Uma poluição do escopo da própria empresa, nas suas fábricas ou nos seus escritórios, estão classificadas como sendo do escopo 1 e 2. Geralmente as empresas divulgam estas emissões. Entretanto, uma empresa também pode ser responsável por emissões de outras entidades que fazem parte da sua cadeia de valor e isto estaria no escopo 3. Veja um exemplo: a empresa deixa de fabricar um produto poluente e passa a terceirizar sua produção. A emissão pela produção vai para o escopo 3, não aparecendo nos relatórios ambientais. 

Segundo dados da Bloomberg, cerca de 75% das emissões mundiais estão no escopo 3. Por um lado, o fato do escopo 3 não está sendo evidenciado faz com que algumas empresas possam anunciar, com orgulho, que conseguirão ter negócios "limpos". Isto inclui empresas de petróleo, como BP e Shell, que não divulgam - ou não conseguem rastrear - o  escopo 3. Mesmo quando um funcionário da empresa usa o avião para fazer uma viagem, a emissão geralmente não aparece nos relatórios. Ou seja, mesmo o escopo 1 e 2 estão sujeitos a manipulação. 

Onde entra a starup? Sendo uma oportunidade de negócio, alguns empreendedores estão conseguindo desenvolver softwares para verificar a emissão do escopo 3 de uma empresa. É o caso da Normative, com sede na Suécia, ou a Persefoni, dos Estados Unidos. 

Mesmo com os esforços, o texto faz uma ressalva:

Ian Thomson, professor de contabilidade e sustentabilidade da Universidade de Birmingham, que pesquisa a contabilidade de carbono há 30 anos, desconfia de uma única grande empresa de consultoria ou empresa de nuvem, como a Salesforce, que vende software de contabilidade de carbono chamado Sustainability Cloud, dominando o mercado para contabilidade de carbono. "Você precisa da sabedoria da multidão", diz ele, por que há muitos detalhes complexos para resolver ao medir o carbono do escopo 3. "Vai ser difícil encontrar uma única solução. O diabo está nos detalhes". 

30 junho 2021

Obra de Arte no Balanço


Uma obra de arte é sempre um problema para o contador. Sua mensuração é bastante subjetiva e questionável. Eis um caso interessante:

Um investidor da empresa MYP, de Cingapura, questionou sobre um item de "outros ativos". Depois do questionamento, a empresa reconheceu tratar-se da obra Monkey Train (Blue) (foto), de Jeff Koons. A obra, de 2007, foi reclassificada na contabilidade da empresa como "instalações e equipamentos". Esta reclassificação ocorreu em meados de 2020. 

No caso da MYP, a empresa estava bastante endividada e não paga dividendos desde 2015. Fazia sentido comprar uma obra de arte? Mais, a empresa não tinha experiência em investir em arte. O valor do ativo sofreu um aumento no seu "valor justo" graças a uma avaliação independente de um especialista em arte. O valor da obra é relativamente pequeno em relação ao ativo da empresa, menos de 1%: algo em torno de 5 milhões de dólares. 

Este não foi o único caso de uma empresa comprando obra de arte. Em  2016 o cassino Wynn Macau comprou Tulips, uma escultura de Koons, por $34 milhões. A obra foi adquirida para ser exibida no cassino da empresa. Há outros exemplos: a Champion Technology Holdings comprara 1,1 bilhão de pedras preciosas, o que correspondia a mais de 90% do ativo da empresa. Em 2016 as pedras foram novamente avaliadas e uma amortização de quase todo seu valor foi realizada. 

23 dezembro 2020

Everest está mais alto


O Monte Everest é a maior montanha da Terra. Localizado na fronteira do Nepal com o Tibete (hoje China), o monte foi escalado somente em 1953. 

A primeira vez que alguém mediu o Everest em meados do século XIX. Uma equipe, comandada por Sir George Everest, calculou que o monte teria 29.000 pés de altitude. Para dar mais "precisão" à medida, Sir George adicionou 2 pés na medida, registrando 29.002 pés como a altura oficial, que corresponderia a 8.840 metros.

Outra pesquisa, feita no final do século XIX e início do século XX registra uma altura de 8.882. Em 1955, outra altura é calculada: 8.848 metros. Esta foi a altura aceita oficialmente, apesar de existirem medidas realizadas por outros países: Itália (8.872, em 1987; 8.846, em 1992), Estados Unidos (8.850, em 1999) e China (8.844,43 m, em 2005).

É estranho esta variação, mas justificável. Se a medida da altura for feita no inverno, há a neve acumulada no topo. Outro fato que afeta o resultado da medida é a movimentação da terra, que pode alterar a altura de uma montanha. Em 2015, por exemplo, ocorreu um terremoto na região que poderia ter afetado o tamanho da montanha. 

Recentemente, um comunicado conjunto do governo do Nepal e Chinês aumentou o tamanho do Everest em 86 cm. A montanha tem agora 8.848,86 cm. E isto já esta registrado na Wikipedia

Contabilidade? - Gostei de ler  sobre o assunto, pois mostra que se a ciência tem dificuldade de chegar a um consenso sobre a altura de uma montanha, o que dizer do valor de um ativo ou a medida de resultado de uma empresa. 

16 novembro 2020

Valor de um asteroide


Existem diversos exemplos em que a mensuração tem sido utilizada para monetizar itens estranhos. Uma reportagem da CNN, sobre um asteroide, destaque ele vale mais do que toda a economia da Terra. Este asteroide, muito distante do sol, chama-se 16 Psyche e não é muito grande. O corpo celeste deve ser constituído de ferro e níquel. O link chega a estimar o valor do asteroide em 10.000 quatrilhões. 

Sobre essa estimativa impressionante de que Psyche pode valer $ 10.000 quatrilhões, Elkins-Tanton [cientista que estuda o corpo celeste] diz que assume a responsabilidade por chegar a esse número durante as entrevistas quando a missão da NASA foi anunciada pela primeira vez em 2017. Enquanto a conversa sobre a mineração de asteroides para obter recursos está se desenvolvendo aqui na Terra, Psyche não é o alvo pelo qual devemos nos esforçar, de acordo com Elkins-Tanton. "Não podemos trazer Psique de volta à Terra. Não temos absolutamente nenhuma tecnologia para fazer isso", disse Elkins-Tanton. Mesmo se fosse possível trazer de volta os metais de Psyche sem destruir a Terra, isso provavelmente causaria o colapso dos mercados, disse Elkins-Tanton. "Existem todos os tipos de problemas com isso, mas ainda é divertido pensar sobre quanto valeria um pedaço de metal do tamanho de Massachusetts." 

Provavelmente a cientista fez uma conta simples: quantidade de minério vezes o preço atual no mercado de commodities. Mas como o texto encarrega de destacar que a presença desta quantidade de minério faria desabar o preço no mercado e que seria hoje impossível "explorar o minério". 

Eis um problema do uso do valor de mercado para mensuração. 

23 agosto 2020

Duas frases para reflexão

Eis que em uma artigo sobre inteligência vejo duas frase interessantes. Eis a primeira:

Se quisermos medir algo, a primeira coisa que precisamos fazer é defini-lo com precisão

Isto vale para goodwill, ativo, receita e outros itens mais. (Mas o artigo não era sobre contabilidade). A outra frase é também muito boa:

Se você não pode medir, meça de qualquer maneira.

Frase atribuída ao grande economista Frank Knight. Veja que ajusta perfeitamente ao goodwill, ativo ... 

Ambas frases estão no artigo excelente do blog Economics From the Top Dow. Fonte da imagem aqui

14 agosto 2020

Ativo Roubado é Ativo?

 
Fonte do vídeo aqui 

O Museu Britânico é um dos mais ricos e famosos do mundo. Entretanto, sua história guarda um grande número de artefatos roubados. O vídeo trata deste assunto. Dos dez itens de destaques do Museu, segundo o próprio Museu, metade possuem uma origem duvidosa. A Pedra de Roseta, que ajudou a decifrar os hieróglifos egípcios, é uma das peças mais famosas e que foi retirada do Egito sem autorização. Ou seja, foi roubada do Egito. E muitos outros casos, como peças gregas e um acervo rico de peças do Reino de Benin.

E a contabilidade? - um dos grandes desafios da contabilidade é a mensuração de ativos culturais. O caso do Museu Britânico é muito mais desafiador. Afinal, um objeto roubado pode ser considerado um ativo? Veja que os reguladores não apresentam uma resposta satisfatória para este caso. Na lógica da apropriação do fluxo de caixa, a resposta seria sim. Os artefatos seriam um ativo do Museu Britânico. Mas é válido considerar desta forma? A ética do contador não deveria tratar disto de maneira melhor? 

04 agosto 2020

Assetization

Não conhecia esta discussão, sobre a "assetization". Aqui uma discussão sobre um livro que afirma que isto seria uma coisa ruim. O que seria isto? Segundo o comentário:

atribuir um valor monetário a coisas com valor intrínseco, mais a dimensão do poder do proprietário do ativo sobre quem o aluga.

Isto está muito ligado ao processo de mensuração. Assim, procurar definir e quantificar tudo aquilo que seja ativo: obra de arte, capital intelectual, recurso humano, recurso natural, conhecimento e muitos outros.

O conceito de um ativo cujo valor é herdado ao longo do tempo e depende agora de que tipo de futuro criamos é fundamental para a construção de uma economia sustentável.

Aqui um livro com a abordagem negativa da assetization (foto da capa).

13 junho 2020

Preço-sombra e o processo de mensuração

Quando um bem ou um serviço não possui uma mensuração dada pelo mercado ou é difícil estabelecer um valor baseado nos benefícios gerados, uma opção é utilizar o preço-sombra. O termo é pouco conhecido dos contadores e dos avaliadores, mas a ideia é bem simples. Quando não se tem um preço de mercado, o preço-sombra fornece o quanto as pessoas estão dispostas a desistir de algo.

O cálculo do preço-sombra_sombra está sujeito a várias suposições e, por este motivo, é bastante subjetivo e impreciso. Mas permite resolver alguns dos problemas de mensuração.

Este método é usado, por exemplo, na área pública, para avaliar um preço de um projeto público que será realizado. Por exemplo, o governo decide construir uma quadra de esportes, que pode melhorar a saúde dos usuários, com efeitos no uso da saúde pública, ou reduzindo a criminalidade por criar uma alternativa de uso do tempo para os potenciais criminosos. A estimativa pode ser feita através do preço-sombra, seja perguntando qual o valor atribuído pelas pessoas para quadra de esportes, mensurando o comportamento das pessoas, entre outros métodos.

Um exemplo do preço-sombra é o cálculo do valor de um cachorro. Uma possibilidade é verificar quanto vale um animal no mercado. Ou seja, por quanto você compra um cachorro. Mas nem sempre existe um “mercado” para cães. O gasto mensal que fazemos com o animal pode ser uma aproximação do valor; afinal, as pessoas escolherem ter um animal de podem ter feito uma análise dos custos. Mas também pode-se verificar o efeito de um cão produz na saúde das pessoas, por exemplo.

Aqui uma estimativa de que um cão tem um valor de 10 mil dólares, nos Estados Unidos. Aqui o uso para medir o efeito na poluição. E aqui do ouro.

20 junho 2019

Discussão sem fim: conceito de passivo

Pelo visto, a nova estrutura conceitual Iasb-Fasb não foi suficiente. O FASB, que possui o melhor padrão do mundo, continua discutindo o conceito de passivo. Desde 2017 e ainda não acabou. Segundo uma reunião de fevereiro de 2019 (divulgado agora):

The Board continued its discussion of the definition of a liability. The Board decided that:

All present obligations to transfer assets and obligations to deliver shares sufficient in number to satisfy a determinable or defined obligation should meet the definition of a liability.


An analysis discussing the measurement of obligations to issue a fixed number of shares is unnecessary for the Board to deliberate on in the elements phase.

Além disto, o Fasb decidiu por uma divisão da terminologia das medidas de mensuração diferente do Iasb.

There are three categories of initial measurement:
Entry price
Exit price
Estimated future cash flows.

Exit price is appropriate as an initial carrying amount of an asset when the subsequent measure of the asset will be at exit price.

For transactions in which something other than cash is exchanged, the initial measure of an asset may be based on the exit price for the asset transferred.

The overall objective in identifying costs to be included in the initial carrying amount of an asset at entry price should be to capture the costs incurred to bring the asset to the location and condition necessary for it to be capable of operation.

The following categories help identify the types of costs that should be included in an initial carrying amount consistent with the objective described in (4):

Government-imposed charges
Costs of services related to the acquisition of the asset and readying the asset for use
Costs to participate in the market for the asset.
Gains and losses on cash flow hedges are neither part of the entry price of assets nor a cost to be included in initial carrying amounts of assets based on the objective and categories described in (4) and (5), respectively.
The Board directed the staff to develop a revised project plan to address the elements of financial statements (which are currently defined in FASB Concepts Statement No. 6, Elements of Financial Statements) concurrently with presentation and measurement concepts.

30 dezembro 2018

História da Contabilidade: Relatório aos Acionistas da Cia União - Parte 2

Há mais de dois anos fiz uma postagem sobre um relatório anual da Companhia União e Indústria. Eis um trecho que postei:

A estrada foi muito importante para o desenvolvimento da cidade mineira e representou a primeira rodovia que utilizou a técnica de pavimentação Macadame na América Latina. Para construir a estrada, Ferreira Lage contou com empréstimo externo (decreto 1.045 de 1859) e empréstimo externo (Decreto 2505. de 1859). Da estrada sobraram várias construções, incluindo pontes, viadutos e estações. A estrada faz parte dos sistemas rodoviários estaduais e federais: RJ 134, BR 393, RJ 131, RJ 151, MG 874, BR 267 e BR 040 (ex- BR3).

(...) O projeto de financiamento do empreendimento incluía empréstimos externos, aportes do tesouro e obras executadas por fazendeiros beneficiários da rodovia. (...) Em 1861 a Companhia União e Indústria faz algo diferente, ao divulgar um extenso relatório para assembleia geral dos acionistas. São 66 páginas que incluía não somente o balanço da empresa, mas também uma análise das obras da estrada que estava em construção, uma apuração do custo da légua (medida de distância, ainda hoje usada em alguns lugares do país), um detalhamento dos dois empréstimos decorrentes dos decretos citados anteriormente, uma apuração do resultado por trecho da estrada, entre outras informações. Ferreira Lage faz uma dissertação sobre a situação da empresa e das dificuldades encontradas na execução da obra.


Na verdade existe uma relatório anterior ao citado na postagem: o relatório apresentado para assembleia dos acionistas, em 31 de agosto de 1855 pelo diretor presidente. São 36 páginas de descrição do trabalho da empresa. Nele, Ferreira Lage dirige aos acionistas para contar o que foi feito pela empresa, incluindo as normas, o que se passava na estações de Juiz de Fora, Saudade e Barbacena, a dificuldades encontradas com a falta de recursos humanos e uma discussão sobre tecnologia. Neste último quesito, Ferreira Lage cita a questão da declividade da estrada: uma estrada com pouco declive significa uma estrada mais longa para encontrar uma região com menos montanhas. E uma crítica pelo fato do país não possuir estradas de ferro, mas sim um transporte baseado no carro de boi.

Na página 23 do relatório de 1855 Ferreira Lage chega a afirmar do custo alto de construção de uma estrada de ferro em relação o encontrado na Europa. Segundo a estimativa do presidente, o custo brasileiro seria de quase o dobro do existente na Europa.

O relatório é datado de 25 de julho de 1855. No apêndice tem um quadro descritivo de propriedades, terrenos e benfeitorias. O quadro é assinado pelo presidente da Camara Municipal de cada cidade:

Os abaixo assignados, sendo convidados pelo Director Presidente da Companhia - União e Industria - , afim de emittirem a sua opinião sobre as avaliações precedentes, declarão que, tendo perfeito conhecimento e bemfeitorias mencionadas no quadro suppra, são suas avaliações, não só exactas como em geral muito abaixo de seu valor real


E no quadro tem o termo “valor infimo presumivel”.

O relatório encerra, na sua última página, com o balanço da empresa. No lado do ativo, o balanço inicia-se com a conta “acionistas - importe de 9 prestações a realizar sobre 6000 ações emittidas” e logo depois as ações não emitidas. Incluem nestes ativos: máquinas e instrumentos, móveis, utensílios, gado, ajudas de custo, ordenados e despesas gerais. Do lado do passivo, inicia-se com o capital a realizar, capital realizado, obrigações a pagar, lucros e perdas. E terminar com algumas receitas da empresa. O balanço pode ser visto a seguir:

03 dezembro 2018

Resenha: The Tyranny of Metrics - Jerry Muller

Este pequeno livro (220 páginas), lançado em 2018, é uma tentativa de combater o excesso de métricas. Para os contadores, o tema é polêmico, já que aprendemos a máxima de que só podemos administrar aquilo que podemos mensurar. Muller, em 16 breves capítulos, mostra como as métricas tornaram tão populares que o seu papel foi invertido: em lugar de ser um meio, tornou-se um fim. Para ele, a fixação pelas métricas termina por não trabalhar tão bem assim. Na área acadêmica, o zelo pela métrica fez nascer e florescer a pesquisa salame, onde uma pesquisa é fatiada para render mais publicações. A métrica, o número de artigos publicados por um pesquisador, induz o comportamento do pesquisador, que procura render ao máximo suas pesquisas.

Neste sentido, surgiu, em 1975, a chamada Lei de Campbell. Em resumo a lei indica que quanto mais uma métrica é usada para decisão, mais sujeita estará a pressão para ser corrompida e, por consequência, mais distante estará do processo que deseja medir. Se o número de artigos pretende medir a produtividade de um pesquisador, fatie a pesquisa em três ou mais artigos. Se for o número de citações, desenvolva um círculo de amigos para citá-lo ou obrigue os alunos a fazê-lo.

O excesso das métricas incentiva o curto prazo, premia a sorte, desencoraja a tomada de risco, desestimula a cooperação, entre outras mazelas. Particularmente o que eu achei mais interessante na crítica de Muller foi sua ojeriza pela accountability. O “dever de prestar contas” e a associação com a transparência é duramente criticada por Muller, que exalta que a transparência é inimiga da política, diplomacia, do casamento ... Segundo o autor, as virtudes da accountability são exageradas e seus custos são subestimados. Não me lembro de um autor que tenha sido tão crítico da accountability. Para refletir, sem dúvida.

Vale a Pena? Apesar de ser um livro de rápida leitura (as duzentas páginas estão em um formato de livro de bolso) e ter alguns argumentos interessantes, eu achei que o livro não consegue convencer o leitor com argumentos comprováveis. De certa forma, sei que Muller tem sua razão, mas em um mundo dominado pela métrica, não sei se seria possível ter outra alternativa.

MULLER, Jerry. The Tyranny of Metrics. Princeton, 2018.

Martin Act versus Exxon

Uma lei chamada de Martin Act está sendo usada contra a Exxon no caso do aquecimento global. Esta lei foi aprovada em 1921, antes da crise de 1929, e é considerada uma das leis mais severas dos Estados Unidos contra a fraude. A lei, que abrange a cidade de Nova Iorque, foi pouco usada até o início do século, quando o advogado Elliot Spitzer utilizou contra empresas de Wall Street. Desde então, tem sido a base de muitos casos, incluindo uma investigação contra a Merril Lynch.

A Martin Act tem sido considerada como injusta, pois favorece os promotores nas investigações de práticas fraudulentas. Agora a lei está sendo usada contra a empresa de petróleo Exxon e no caso do reconhecimento contábil dos efeitos do aquecimento global. A empresa evita reconhecer o impacto que este ponto pode ocasionar sobre os seus ativos. Por exemplo, se no futuro a questão do aquecimento ficar muito mais grave do que nos dias de hoje, provavelmente haverá sérias restrições ao uso de combustível fóssil na sociedade. Isto demandaria uma revisão no valor das suas reservas, para incluir a probabilidade nas estimativas do valor dos seus ativos. A Exxon não faz isto. Mais ainda, a empresa já foi acusada de patrocinar grupos contrários as políticas em defesa do meio-ambiente.

No início dos anos 2000, quando Spitzer usou o Martin Act contra a Merril Lynch, o valor de mercado da empresa caiu em 5 bilhões em uma semana. E no final a empresa concordou em pagar 100 milhões de dólares por um acordo. O poder da lei é tamanho que, segundo o NY Times, a Exxon deverá ter dificuldade de se defender com sucesso.

Para ler sobre a questão da mensuração, recomendamos esta postagem. Mais aqui e aqui

23 julho 2018

Felicidade

No momento que a Universidade de Brasília cria uma disciplina com o nome de Felicidade, uma pesquisa mostra os problemas nas pesquisas relacionadas com o tema.

As descobertas na literatura [sobre felicidade] são altamente dependentes das crenças (...) da felicidade na sociedade ou a função de bem-estar social que se escolhe adotar. Além disso, qualquer conclusão alcançada a partir dessas abordagens paramétricas se baseia no pressuposto de que todos os indivíduos relatam sua felicidade da mesma maneira. 

The Sad Truth About Happiness Scales: Empirical Results. Timothy N. Bond e Kevin Lang.

O tema felicidade (fotografia) é bastante abstrato. Há um livro, Dinheiro Feliz, que procura relacionar o tema com finanças pessoais. Muito bom. Aqui um texto sobre sofrimento no futebol.

02 março 2018

Medindo uma montanha

Um texto do Jstor começa com

Não é fácil medir uma montanha

Com 8.848 metros, o Monte Everest é um exemplo disso. Esta montanha é conhecida do "mundo civilizado" desde a metade do século XIX. Os altímetros não são precisos naquela época e não existia GPS. Naquele momento era necessário muito trabalho, muitas pessoas e um conhecimento de trigonometria. O texto comenta como isto foi feito, através de um método chamado de triangulação. Mas existem outras complexidades. As montanhas não são estáveis e podem sofrer com abalos sísmicos, por exemplo.

Se a altura de uma montanha é difícil de ser medida, imagine o valor de um ativo...

19 junho 2017

Custo da corrupção e sua mensuração

O jornal Estado de S Paulo divulgou ontem uma estimativa dos prejuízos causados pelas organizações criminosas. Usando informações da Polícia Federal, o jornal informa que o prejuízo seria de 123 bilhões. Aparentemente este valor refere-se ao período de 2013 a 2017. (vide figura a seguir)

Em primeiro lugar é necessário muita cautela com as informações. Mensurar os prejuízos causados por uma “organização criminosa” é muito difícil. Não basta somar os números. Começa pela definição do que seria o “prejuízo” ou “rombo” ou “custo”:

inclui os valores indiretos?;
como foi feita a estimativa?;
qual o período de tempo?;
os valores estão corrigidos?;
o que seria uma organização criminosa?.

Para cada resposta podemos chegar a um valor diferente.

Segundo, a reportagem não revela informações básicas para uma análise da qualidade da informação. O texto afirma que

“esse quadro é o resultado da conta feita pelos investigadores federais com base em valores de contratos fraudulentos, impostos sonegados, crimes financeiros e cibernéticos, verbas públicas desviadas e até mesmo danos ambientais causados por empresas, madeireiras e garimpos. Tudo misturado ao pagamento de propina a agentes públicos e políticos”

Apesar do dado ter sido compilado pela Polícia Federal, a partir de uma provocação do jornal, é importante para se ter uma dimensão do problema que o país enfrenta: só podemos administrar/combater aquilo que mensuramos.

06 fevereiro 2017

Cobrando perdas por corrupção

Segundo Juliano Basile (Petrobras quer ser ressarcida de fraudes, Valor Econômico, 6 fev 2017, na capa, e Petrobras cobrará perdas por corrupção, p. B5), a empresa entende que foi vítima do esquema de corrupção e que pedirá para ser ressarcida pelos prejuízos que teve com os desvios de corrupção nos seus contratos. A primeira parte da frase anterior é muito complicada: a empresa se diz vítima, mas quando toda direção parecia estar envolvida no esquema, pode-se dizer isto? Parece razoável imaginar que uma empresa que foi tomada por um grupo de pessoas que desviaram recursos seja “vítima”; mas supor que a justiça irá trabalhar com esta premissa parece forte demais. É mais fácil a justiça cobrar as multas e deixar que a empresa possa buscar a reparação em outro processo.

O segundo aspecto é interessante pois a emprega alega ter a receber R$5.7 bilhões pelos desvios “que foram apurados até aqui pela Lava-Jato”. Este é um número mágico e para muitos setores da empresa confortável. Não por coincidência, é um valor que se aproxima bastante daquele que foi apresentado pela empresa no balanço do terceiro trimestre de de 2014, ainda na gestão de Graça Foster. Assim, a empresa pretende insistir neste número mágico, que discordamos fortemente. Nossa estimativa é que o rombo foi de 20 bilhões, mas devemos destacar que a própria empresa reconheceu que seu número mágico de 6 bilhões é baseado numa estimativa grosseira. Importante destacar que a comissão cobrada era de 3% do valor dos negócios; isto representaria negócios de 190 bilhões (5,7 dividido por 3%), numa empresa que somente o imobilizado era superior a 500 bilhões de reais. Somente ao departamento de Justiça dos Estados Unidos a Braskem, onde a Petrobrás é acionista, tem-se um pagamento de 957 milhões de dólares.