Translate

19 novembro 2019

Vale a pena criar municípios?

Estudo assinado por Enlinson Mattos e Vladimir Ponczek, da Fundação Getúlio Vargas, em 2013, aponta que "municípios menores, apesar de receberem mais recursos per capita de transferências governamentais, têm maior dificuldade em transformar tais recursos em bens públicos para suas populações".
Na pesquisa, eles identificaram quedas em indicadores como coleta de lixo, índice de desenvolvimento humano (IDH) e taxa de escolaridade.
Outro estudo publicado também em 2013, desta vez pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), também refuta a hipótese de eventuais benefícios com a criação de municípios. "As emancipações municipais, por si só, não foram capazes de ensejar o desenvolvimento econômico dos municípios envolvidos", conclui a pesquisa elaborada por quatro técnicos do órgão.
O trabalho defende mudanças nos critérios dos sistemas de transferências de recursos para os municípios, a fim de desestimular a criação de micromunicípios privilegiados por distorções nesses mecanismos.
Na contramão, um estudo de 2018 assinado por Ricardo Dahis, da Universidade Northwestern, e Christiane Szerman, da Universidade Princeton, aponta benefícios na política emancipatória.
A partir de uma metodologia diferente de comparação das novas localidades, a dupla de pesquisadores analisou a evolução de quatro categorias de indicadores socioeconômicos: educação, saúde, oferta de serviços públicos e renda.
"De modo geral, identificamos que a proliferação de unidades administrativas menores está associada a melhores níveis educacionais, menores taxas de mortalidade infantil, aumento da coleta de lixo e da rede de energia elétrica, menores taxas de pobreza e aumento da renda per capita", afirmam no artigo.

Fonte: Aqui. A promulgação da Constituição de 1988 incentivou a criação de mais de mil municípios. A lei aumentou os “incentivos” para a criação e reduziu as exigências.

Kylie Jenner vende parte de sua empresa

Afinal, para que serve uma celebridade? O que ela faz é relevante? Geralmente, nomeamos uma celebridade alguém que não é atriz, não canta, não “trabalha”, mas que cada postagem na rede provoca reação das pessoas. Há as celebridades que também são atrizes ou cantoras. Mas temos somente aquelas pessoas que só são celebridades.

A celebridade pode ter uma função econômica importante: vender produtos. E para isto, ela pode ganhar muito dinheiro. O seu principal ativo é o nome, um típico intangível.

Veja o caso de Kylie Jenner. Com 22 anos, esta americana é definida na Wikipedia como sendo “media personality, socialite, businesswoman, e model”. Por ter uma grande base de seguidores na internet, ela ganha muito dinheiro. Agora, a Coty, uma empresa multinacional, resolveu pagar 600 milhões de dólares pela empresa Kylie Cosmetics, de propriedade de Jenner. E com isto comprou 51% da empresa. A empresa foi fundada em 2015 e tem uma venda projetada de 200 milhões de dólares de receita por ano. É um valor bastante razoável.

Jenner lançou sua empresa em 2015. Como 151 milhões de seguidores no Instagram, a Kylie é um exemplo de sucesso empresarial. Outras celebridades, como Emily Weiss  e Pat McGrath  também fizeram sucesso na internet e com seus negócios. Esta lista conta ainda com Rihanna, Lady Gaga, Victoria Beckham, Gwyneth Paltrow e Jessica Alba. Novas celebridades estão chegando: Hailey Bieber, Cardi B, Millie Bobby Brown e Kendall Jenner, irmã mais velha de Kylie.

Mattel e falhas contábeis

A entidade que regula o trabalho dos auditores dos EUA, o PCAOB, está investigando o que ocorreu na Mattel e sua auditoria. A própria empresa disse que as demonstrações contábeis de 2017 possuem distorções materiais e que encontrou problemas nos controles internos da empresa. A auditoria foi feita pela PwC, que também está sendo verificada, já que o auditor parece ter quebrado a norma de independência, recomendando um executivo para um cargo.

The Public Company Accounting Oversight Board’s scrutiny comes after Mattel said last week that some financial statements from 2017 “should no longer be relied upon due to material misstatements.” The El Segundo, California-based company, which makes Barbie dolls and Matchbox cars, also said on Oct. 29 that it found “material weaknesses” in its internal controls for financial reporting.

And the PCAOB is probably looking into findings of an internal Mattel investigation that revealed Joshua Abrahams, the PwC partner who led the Mattel audit team, had violated independence rules by recommending candidates for Mattel’s senior finance positions, according to the WSJ. He has been placed on administrative leave and isn’t expected to work for PwC much longer.

Rir é o melhor remédio

Usuário do Windows 10

18 novembro 2019

Calculadora é a culpada

Em um erro constrangedor, que sem dúvida será jocosamente lembrado por professores de matemática de todos os lugares, um juiz de Oklahoma reconheceu um equívoco de três casas decimais – confundindo milhares com milhões – quando calculou o valor que a Johnson & Johnson deveria pagar por sua responsabilidade na crise dos opioides (substância geralmente usada em remédios para dor) no Estado.

Como resultado, o juiz Thad Balkman anunciou sexta-feira uma nova multa, reduzida em cerca de US$ 107 milhões. O total agora é de US$ 465 milhões, ante os US$ 572 milhões que ele tinha estabelecido em agosto.

O erro de cálculo ocorreu quando o magistrado estava avaliando os vários custos para o Estado lidar com questões de saúde e segurança decorrentes dos opioides. Em seu pedido de agosto, Balkman estimou em US$ 107.683.000 o preço anual para preparar maternidades de Oklahoma para fazer testes em bebês com opioides em seus sistemas. Mas a quantia, na realidade, era de US$ 107.683.

Ele foi avisado sobre o erro pelos advogados da J&J, cujos contadores fizeram o que os estudantes sempre são instados a fazer: checaram as contas e contaram os zeros. “Vai ser a última vez que uso esta calculadora”, disse Balkman em uma audiência em outubro.

A decisão da sexta-feira pôs fim ao julgamento histórico do verão passado, o primeiro estadual para determinar se as empresas farmacêuticas podem ser responsabilizadas pelo desastre dos opioides.

A sentença lançou luz sobre dois desafios que os demandantes dos casos dos opioides enfrentam: como calcular o custo dos danos causados pelos opioides e como atribuir culpa.

Essas questões estão no centro de milhares de processos em torno dos opioides movidos por cidades, condados e estados de todo o país contra uma gama muito mais ampla de fabricantes de medicamentos, bem como de distribuidores e redes de farmácias.

A multa revisada da J&J, por sua vez, pode sinalizar que as expectativas para pagamentos colossais precisam ser gerenciadas com mais cuidado. Mesmo em agosto, quando Balkman chegou à quantia mais alta, as ações da empresa tiveram bom desempenho, sugerindo que os acionistas consideravam o valor relativamente baixo.(...)


Leia mais aqui

Atraso no Fasb

Na sexta, o Fasb comunicou o atraso nas datas dos novos padrões de leasing, hedge, perdas esperadas e contratos de seguros de longo prazo. As novas datas serão as seguintes. Nem todas entidades serão beneficiadas com a postergação das datas. A norma de Hedge somente será válida para exercícios após 15 de dezembro de 2020, mas somente para empresas de capital fechado. Leasing será também nesta data, um aumento de um ano no prazo. As perdas de crédito terá como data efetiva 15 de dezembro, mas de 2022, em lugar deste ano. Seguros terá como data efetiva para inicio o ano de 2021 e 2023, dependendo do tipo de entidade.

As mudanças são decorrentes da preocupação das empresas. Em maio foi feita a solicitação ao Fasb, agora acatada.

Leia mais aqui

Por que o Brasil está perdendo interesse em sua seleção?

Por que o Brasil está perdendo interesse em sua seleção?
Joshua Law - SportsMoney

Entre eles, Brasil e Argentina dividem sete Copas do Mundo e produziram sem dúvida os três maiores jogadores da história do futebol. Quando eles se encontram, é um dos jogos mais significativos do mundo. Ou, pelo menos, deveria ser.

Mas 48 horas antes das duas equipes se encontrarem na sexta-feira à tarde - uma vitória da Argentina de 1 a 0, decidida pelo gol de Lionel Messi -, uma rápida leitura dos sites de esportes mais populares do Brasil lhe daria pouca indicação de que houvesse até um jogo acontecendo.

Havia um artigo sobre a seleção potencial de equipes de Tite no Globo Esporte. Em outros lugares, o jogo foi deixado de lado para uma infinidade de relatos sobre a próxima final da Copa Libertadores, Lewis Hamilton e Rafael Nadal.

Em um país supostamente louco por futebol, a falta de atenção foi impressionante. Mas o descontentamento da população com a Seleção vem fervendo há algum tempo.

Jogar amistosos em terras longínquas tornou-se comum no Brasil. No último intervalo com jogos de seleções, eles viajaram para Cingapura para jogar contra o Senegal e a Nigéria. Em setembro, a equipe brasileira podia ser encontrada jogando nos EUA.

A Seleção joga amistosos fora do Brasil porque a CBF, federação brasileira de futebol, terceirizou a organização dos jogos para uma empresa britânica chamada Pitch International.

A Pitch detém o direito de organizar tudo, desde a localização da partida, os hotéis da equipe e as instalações de treinamento. Eles então vendem a oportunidade de receber o time de futebol mais negociável do mundo, pelo maior lance.

Este mês, isso significou viajar para a Arábia Saudita e Abu Dhabi, onde o Brasil joga com a Coréia do Sul na terça-feira.

O acordo foi firmado em 2012, no final do reinado do ex-presidente da CBF, Ricardo Teixera, que renunciou após uma série de alegações de corrupção e lavagem de dinheiro, e vai até 2022.

O efeito para os fãs é que os distancia, tanto física quanto emocionalmente, da equipe. Eles não podem ver o time jogando ao vivo no estádio e, com os jogos ocorrendo do outro lado do planeta, costumam ser difíceis de assistir na televisão. A partida contra o Senegal, em Cingapura, por exemplo, aconteceu às 9h, horário de Brasília, em um dia útil.

Após esse jogo, o técnico do Brasil, Tite, deixou claro seu descontentamento com Pitch. “O que mais me chateou foi a falta de respeito que a Pitch mostrou ao Brasil e ao Senegal”, reclamou ele, “não nos deixando treinar no campo [antes do jogo]. Jogadores de alto nível precisam de mais respeito. ”

Depois do jogo do Brasil contra o Peru, em setembro, disputado no Coliseu do Memorial de Los Angeles, ele fez uma observação semelhante: “A Pitch precisa cuidar disso. Deve haver um campo melhor para se jogar. Não podemos fazer um ótimo show em território como este. ”

Apesar dos problemas, não há como sair do contrato com a empresa britânica. Nenhuma cláusula de indenização foi inserida no acordo inicial e a recusa em atender às demandas da Pitch acarretaria uma batalha legal que poderia custar à CBF centenas de milhões de dólares.

Além dos jogos serem disputados em locais distantes e em momentos inconvenientes, o sentimento de desinteresse é acentuado pelo fato de a maioria da equipe não jogar em clubes brasileiros.

O dinheiro e, portanto, o nível mais alto de futebol, pode ser encontrado na Europa Ocidental, de modo que o continente atrai os melhores jogadores do maior país da América do Sul. Como os fãs brasileiros não os veem jogando regularmente, eles sentem pouco apego emocional.

E mesmo quando jogadores de clubes brasileiros são convocados, isso costuma ser visto como um inconveniente mais do que uma recompensa ou privilégio.

O calendário brasileiro de futebol é tão cheio de jogos que a competição doméstica continua durante as datas internacionais da FIFA, o que significa que os jogadores que jogam pelo Brasil estão fazendo isso às custas das instituições que pagam seus salários.

Finalmente, houve uma queda acentuada no desempenho do Brasil nos últimos meses. Desde que conquistou o troféu da Copa América no Rio de Janeiro em julho, o time de Tite disputou cinco jogos e não venceu nenhuma vez. É a primeira vez que a Seleção está em um período tão longo sem vitórias desde 1991.(...)

Rir é o melhor remédio

Fonte: Aqui

17 novembro 2019

Detalhes da Aramco

O mais aguardado lançamento de ações está perto de acontecer. A Saudi Aramco, uma empresa estatal da Arábia Saudita, estabeleceu que na sua oferta pública inicial de ações um valor de 1,6 trilhão a 1,7 trilhão de US$. Anteriormente, o princípe herdeiro do trono saudita tinha falado em um valor de 2 trilhões, mas esta estimativa sempre foi considerada alta pela maioria dos analistas.

Os planos inclui a venda de 3 bilhões deações, o que corresponde a 1,5 % do patrimônio. Esta venda deverá ocorrer no mercado acionário local, a bolsa Tadawul. Se tudo ocorrer bem, a empresa deve obter 26 bilhões de dólares por estes 1,5% do patrimônio, o que seria, mesmo assim, a maior oferta pública inicial do mundo.

A primeira vez que a ideia apareceu foi há quatro anos. Com o dinheiro, o reino pretendia investir na economia saudita. Os planos iniciais, de fazer a oferta em um grande mercado mundial, de uma parcela que chegaria a 10% do capital, foram reduzindo até chegar aos 1,5% de agora. Além disto, a oferta deveria ter sido feita no ano passado.

Mesmo sendo a empresa mais lucrativa do mundo, com promessa de elevado pagamento de dividendo, a Aramco gera dúvida pelo risco envolvido. A razão inclui a volatilidade do preço do preço, que agora está em 60US$ e talvez reduza no médio prazo em razão das fontes alternativas de energia e das restrições ambientais. Mas também inclui os problemas políticos do reino; neste caso, a morte de um jornalista em uma embaixada Saudita e um ataque de drone ocorrido há alguns meses, aumentou a percepção de risco.

Mas o reino pode fazer com que a oferta seja um sucesso. Como a parcela de venda é relativamente reduzida, o reino pode “convidar” alguns bilionários a investir na empresa. O abandono do plano de fazer uma oferta em um mercado mais transparente, como o de Londres, pode ser um indicador deste fato.

Fonte: aqui

Rir é o melhor remédio

Um jovem contador escreveu ao chefe pedindo um aumento no salário:

Caro Chefe

Eu $ei que você valoriza o trabalho dos $eus $ubordinados. E que e$tá atento as nece$$idades do $eu$ funcionário$, em e$pecial àqueles que $e dedicam tanto.

E$pero que você reflita $obre o a$$unto.

atencio$amente

Logo a seguir, ele recebeu a resposta

Prezad0,

Eu sei que v0cê está se esf0rçando muit0 n0 trabalh0. Mas v0cê deve ter n0tad0 que a c0nc0rrência c0ntinua agressiva. Além dist0, 0 mercad0 de trabalh0 NÃO se recuper0u. Pel0 contrári0, talvez v0ltem0s a ter 0utra recessã0. 

Sei que v0cê irá entender 0 que quer0 dizer

atenci0$amente

Adaptado daqui

16 novembro 2019

Nova Zelândia e como usar o dinheiro público

A Nova Zelândia é considerada um exemplo na gestão das finanças públicas. Serviu até de modelo para a nossa Lei de Responsabilidade Fiscal. O país possui realmente uma transparência e evidenciação nesta área que é invejada por outros. Será?

Eis um fato interessante. A Nova Zelândia tornou-se um local de atração de empresas cinematográficas, desde que alguns filmes de aventura foram realizados lá em um passado recente: Senhor dos Anéis, Nárnia entre outros. Parece razoável: promove o país e gera empregos. Depois de assistir um filme com belas paisagens, muitos turistas colocaram na sua lista o país.

Mas temos problemas. Segundo este site, recentemente o dinheiro do contribuinte foi usado para incentivar a produção do filme "Anyone who offends China, no matter how remote, must be exterminated" ("Qualquer pessoa que ofenda a China, por mais remota que seja, deve ser exterminada"). O filme é uma propaganda, produzido por empresas estatais chinesas. Mas como aceitar e incentivar a produção do Senhor dos Anéis e recusar a produzir "Qualquer pessoa..."?

Os dados indicam que os subsídios tem um valor: 172 milhões de dólares. Parece pouco, mas é algo como 100 dólares por família.

Leia mais aqui

Novo aeroporto do México

Este é um caso que mistura política, corrupção, custo perdido, custo planejado, controle social, lobby e outros aspectos. A história é a seguinte: no governo passado, o México decidiu construir um novo aeroporto para sua capital. O atual estava lotado, sem capacidade de expansão. Com um terço do projeto finalizado, o novo governo convocou um plebiscito. Já tinham sido gastos mais de 4 bilhões de dólares além do valor orçado para a obra. O projeto era bastante arrojado, com um formato de X:
Em lugar de tomar uma decisão, o governo convocou um plebiscito. Poucas pessoas votaram, mas a vitória foi para a opção de parar a obra. Denúncias de corrupção e problemas ambientais, além da impopularidade do ex-presidente, foram importantes para o resultado. O custo de interrupção seria de 9 bilhões, bem menor que o custo de terminar o aeroporto.

Mas a maioria dos contratos de exploração do aeroporto já tinha sido concedido, sem licitação. E o fato de Texcoco ser uma área com problemas no solo faria a alegria das empresas de manutenção.

Mesmo com este cenário, há mais de cem processos judiciais movidos por lobistas e empresas interessadas contra o cancelamento da obra e a possibilidade de construir uma obra alternativa, por um custo bem menor.

Outro aeroporto, situado a 55 quilômetros da cidade do México, foi iniciado e está previsto para ser concluído em 2022. O orçamento, mesmo depois de majorado, está perto de 5 bilhões de dólares, bem abaixo do aeroporto de Texcoco.

Há muito interesse envolvido, o que obviamente inclui o homem mais rico do México, Carlos Slim.

Leia mais aqui

Aprendizado e Transparência

Há uma investigação nos EUA se o cartão de crédito da Apple, lançado em agosto de 2019, é tendencioso contra as mulheres. As empresas de tecnologia resolveram entrar na área financeira e alguns problemas estão aparecendo. O caso mais noticiado, a moeda digital do Facebook, parece que deve encontrar mais resistências que o esperado. E agora o caso da Apple.

A empresa está oferecendo seu cartão de crédito para interessados. Mas parece que o limite para os homens é bastante superior ao das mulheres. É bem verdade que o cartão tem a chancela do Goldman Sachs, que é o responsável pela decisão. Um caso relatado no Quartz mostra um engenheiro de  software que recebeu um limite 20 vezes maior do que o da sua esposa.

O banco parece que usou um algoritmo para determinar estes limites. Mas este é um problema, pois geralmente algoritmos possuem um grave problema: a falta de transparência. Eis um trecho da Quartz

Por exemplo, em 2018, quando o Goldman quis mostrar sua capacidade quantitativa determinando o vencedor da Copa do Mundo de futebol, seus pesquisadores se voltaram para o aprendizado de máquina. Eles poderiam ter usado estatísticas básicas, mas isso não teria sido tão preciso. Os analistas quantitativos do Goldman disseram que um método de previsão que usava aprendizado de máquina era cinco vezes mais preciso do que usar uma regressão estatística mais simples.

O problema do uso de um método de aprendizado de máquina é que dificulta a explicação de como funciona uma previsão. As ferramentas de aprendizado de máquina são, na maioria das vezes, caixas pretas: prometem precisão, mas os cientistas de dados que utilizam perdem a capacidade de entender o quanto cada fator é importante para o resultado final de uma previsão (na estatística, isso é chamado de "inferência”). (...)

Como disse recentemente a matemática Cathy O'Neal à Slate, quando as empresas optam por usar algoritmos, “elas olham para o lado positivo (...) e ignoram o lado negativo, que é que eles são assumindo muitos riscos."

A ciência de dados, como um campo, tende a se concentrar em fazer previsões. Esse objetivo restrito pode levar as empresas a se distanciarem do viés ou de como elas podem explicar as metodologias de tomada de decisões para os reguladores e o público em geral. Também pode levar a uma menor consideração das deficiências de dados inseridas nos modelos algorítmicos - algumas pesquisas sugerem que a pontuação de crédito é discriminatória, e qualquer modelo que incorpore esses dados refletirá esse viés. Mas, em muitos casos, na moderna ciência de dados, se o modelo tornar uma previsão "melhor" em termos estatísticos, seus outros efeitos poderão ser negligenciados.

Rir é o melhor remédio

Fonte: aqui

15 novembro 2019

Ainda sobre Libra e as empresas de tecnologia

Sobre a questão da moeda digital do Facebook, uma reportagem do WSJ (via aqui) chama a atenção para o interesse dos gigantes em tecnologia em entrar na área financeira. O Google deverá oferecer conta corrente para as pessoas, em parceria com o Citigroup e a Universidade de Stanford. A Apple possui um cartão de crédito. A Amazon também estaria interessada em conta corrente. E o Facebook que uma moeda digital.

A abordagem do Google parece projetada para fazer aliados, e não inimigos, nos dois campos. As marcas das instituições financeiras, e não as do Google, estarão na frente das contas, disse um executivo ao The Wall Street Journal.

Problemas contábeis na Via Varejo

Dona de redes como Casas Bahia e Ponto Frio, a varejista apresentou seu quinto trimestre negativo seguido. O faturamento caiu 10,7% em relação ao mesmo trimestre do ano passado, e o prejuízo triplicou, para 244 milhões de reais, enquanto a margem operacional encolheu de 6,6% para 4,3%.

Enquanto isso, a Via Varejo disse à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) que a primeira fase das investigações de fraude reportadas ontem não encontrou irregularidades, de modo que o caso não interfere nos números apresentados.

Segundo divulgado pelo site Suno Notícias, as denúncias, recebidas internamente, teriam a ver sobretudo com gastos operacionais (batizados de Opex na linguagem financeira) sendo apresentados na forma de investimentos (batizados de Capex). A inversão entre Capex e Opex pode colocar despesas como ativos no balanço e melhorar de forma errônea o resultado.


Fonte: Aqui. Aqui também.

Benford e a qualidade das demonstrações

Existem várias ferramentas e fórmulas matemáticas diferentes que podem ser utilizadas para determinar a força das demonstrações financeiras de uma empresa. Uma das ferramentas mais intrigantes e úteis para detectar irregularidades contábeis é a fórmula matemática Lei de Benford - um conceito desenvolvido pelo físico Frank Benford na década de 1930.

A lei de Benford afirma que, em muitos tipos de dados numéricos, sejam demonstrações financeiras, números populacionais, endereços de ruas, extensão de rios, etc., ocorre um padrão previsível. Mais números começam com o dígito 1 do que começam com o dígito 2, mais começam com 2 que 3 e assim por diante. Com base nesse padrão, a distribuição do primeiro dígito em um número não é aleatória, é logarítmica, como mostrado abaixo:


Pesquisas sugeriram que a Lei de Benford pode ser usada para detectar anomalias nos dados, seja de erros de escritório, chance aleatória ou manipulação definitiva. Quando um conjunto de números que se espera conformidade com a distribuição não o fizer, isso pode ser um sinal de que há algo errado com os dados. Essa análise simples do primeiro dígito de números em um conjunto de dados pode ser usada para ajudar a descobrir fraudes e outros problemas de dados em várias instâncias, incluindo casos contábeis, científicos e legais.

Além disso, a pesquisa descobriu que as demonstrações financeiras, como um todo, estão em conformidade com a distribuição e que as divergências individuais do padrão "podem refletir a qualidade informacional das divulgações financeiras".

Com base nessa teoria, se a distribuição de números nas demonstrações contábeis de uma empresa não estiver em conformidade com a distribuição esperada de acordo com a Lei de Benford, é uma indicação de que as demonstrações contábeis dessas empresas devem ser revisadas mais minuciosamente ao avaliar a qualidade das demonstrações contábeis.

Os dígitos nas demonstrações financeiras que não estão em conformidade com a distribuição da Benford não significam inequivocamente que a fraude ocorreu. No entanto, se um indivíduo fabricar números nas demonstrações financeiras, é altamente improvável que o indivíduo possa manipular os números de uma maneira que esteja em conformidade com a Lei de Benford.

Para demonstrar a utilidade dessa estatística, considere o exemplo da Synchronoss Technologies Inc. [SNCR]. Em 2017, a Companhia divulgou uma investigação do Comitê de Auditoria que atrasou o arquivamento de seu relatório anual, uma correção de não confiança relacionada ao reconhecimento de receita que reduziu o lucro líquido em US $ 112 milhões, um ajuste necessário nas finanças relacionadas ao custo das receitas e fraquezas materiais no controle interno sobre relatórios financeiros.

As demonstrações financeiras da Synchronoss Technologies falharam em conformidade com a Lei de Benford para o exercício fiscal encerrado em 31 de dezembro de 2015 e 2017:



O desvio acentuado que ocorre em torno dos primeiros dígitos de 5, 7 e 9, em particular, deve servir como um indicador de que essas demonstrações financeiras devem ser analisadas de perto para outras anomalias. Os indivíduos que avaliam as demonstrações financeiras podem usar um desvio da Lei de Benford como ponto de partida para determinar quais empresas podem justificar um exame adicional.

Existem vários métodos para medir a aderência de uma demonstração financeira à distribuição de Benford. O Audit Analytics sinaliza desvios da Lei de Benford de duas maneiras:

Estatística Kolmogorov-Smirnoff (KS) - Determina se as demonstrações financeiras da empresa divergem da lei de uma maneira estatisticamente significativa comparando o maior desvio único a um valor crítico
Estatística Mean Desvio Absoluto (MAD) - Encontra o desvio médio da distribuição real das demonstrações financeiras da empresa para a distribuição Benford ideal

Entre o Russell 3000, examinamos empresas que não cumpriram a Lei de Benford com base em informações financeiras em seu último relatório anual e sua correlação subsequente com outros eventos contábeis notáveis ​​que são indicadores da qualidade dos relatórios, incluindo controles ineficazes de divulgação (SOX 302) ou controles internos (SOX 404), atualizações financeiras e registros atrasados.

As empresas que não obedeceram à distribuição da Lei de Benford tinham maior probabilidade de ter opiniões adversas 302 e 404, atualizações financeiras e registros tardios.

Isso indica que as empresas com demonstrações financeiras que não estão em conformidade com a distribuição da Benford têm mais chances de ter controles internos e de divulgação ruins - e ter controles ruins pode levar a resultados financeiros de baixa qualidade, devido a meios intencionais ou não intencionais. Esse tipo de ambiente geralmente leva a resultados desfavoráveis, como registros e atualizações pontuais.

Embora a Lei de Benford não deva ser usada como uma ferramenta de tomada de decisão por si só, pode ser uma ferramenta de triagem útil para indicar que um conjunto de demonstrações financeiras merece uma análise mais profunda.

Fonte: Aqui

Adeus Libra?

A moeda digital Libra começou a ser criada em 2017. Em maio de 2019 tivemos a confirmação de que o Facebook planejava lançar um moeda digital. O anúncio ocorreu em junho, com previsão de lançamento em 2020.

O entusiasmo inicial recebeu uma ducha de água fria dos reguladores. Já em julho, o Facebook reconhecia que precisava da aprovação legal. Em setembro, o próprio Zuckerberg, fundador e executivo do Facebook, indicava que esperaria a aprovação dos reguladores dos Estados Unidos. E dias depois começou a debandada das empresas que apoiavam, inicialmente, o projeto. Inicialmente, o PayPal; depois, eBay, Mastercard, Stripe, Visa e Mercado Pago.

O Financial Times afirmou

Vários deles [parceiros] também disseram que, apesar de suas ambições de promover a libra como esforço conjunto, o projeto tinha sido ligado muito fortemente ao Facebook, numa época em que a empresa está às voltas com vários escândalos de violação de privacidade e com uma enxurrada de investigações antitruste nos EUA e na Europa. (...)

A participação inicial desses membros revestiu o projeto de credibilidade pública e de viabilidade regulatória. Sem eles, o âmbito das ambições da libra talvez teria de ser corrigido. 

O título do texto do FT diz muito: Facebook subestimou peso da regulação em moeda digital. E estas incertezas regulatórias afastam os parceiros

O futuro do projeto dependerá agora em grande medida da possibilidade de ele obter as necessárias aprovações regulatórias, o que poderá envolver a implementação no formato do projeto. 

Mesmo a meta inicial de lançamento em 2020 já é questionável. Há resistências claras dos reguladores, seja por conta dos efeitos sobre a estabilidade financeira, ou em razão da privacidade dos dados. Denúncias recentes de violação de dados pessoais e disseminação de desinformação na rede social realmente não ajuda muito. Além disto, há muitas dúvidas sobre o projeto (Rudegeair, Peter; Tracy, Ryan. Facebook mantém plano de criar moeda, Valor Econômico, 24 de outubro de 2019, C3).

dúvidas como a nova moeda lidaria com questões sensíveis, como lavagem de dinheiro. O ministro das finanças da França chegou a dizer que o país não permitirá o desenvolvimento da moeda na Europa. A Bloomberg tentou executar o código da moeda e os recursos que a nova moeda teria não existem ainda. ]

Diante deste cenário, há três dias o Facebook anunciou o lançamento do Facebook Pay. Este serviço facilitaria as transações entre usuários em uma situação de compra na rede. Mas a empresa parece que não desistiu da Libra:

No post, o Facebook também foi bem claro ao dizer que essa nova plataforma não têm nada a ver com a libra, sua futura criptomoeda, ou com a Calibra wallet, a carteira virtual que a apoiará. Esses serviços terão sua própria rede separadamente.

Mas o fato disto ocorrer duas semanas depois que os “sócios” da Libra terem abandonado a empresa não parece ser coincidência. É um sistema mais “tradicional”. Será realmente o enterro da moeda digital Libra?

Rir é o melhor remédio

Como os hospitais calculam sua conta

14 novembro 2019

Amigo Secreto 2019

O natal está chegando e, com ele, o nosso amigo secreto dos blogs de contabilidade e finanças. Este ano somos 12! Damos boas-vindas ao Roberto Ushisima, do Empresas e Mercados, que participará pela primeira vez. Vocês já conhecem o blog dele? Aproveitem para dar uma passadinha lá e prestigiar o nosso novato!

Nós aqui do Contabilidade Financeira estamos marcando uma presença forte, com a participação dos três coautores: César, Pedro e eu.

Para completar o time, temos o Alexandre, do Alcantara, a Cláudia, do Ideias Contábeis, o Felipe, do Contabilidade e Métodos Quantitativos, o Orleans, do Informação Contábil, a Polyana, do Histórias Contábeis, o Roberto Lima, do Panorama Público, o Sandro, do Acervo Contábil, e o Vladmir, do Vladmir F Almeida.

Esta é uma forma que encontramos de integrarmos os blogs, nos conhecermos melhor e nos divertimos um pouco. Um bocado, na verdade!!! Acho que todo ano eu falo isso, mas se torna mais verdade também a cada ano... Mas é uma brincadeira bem especial, que me dá a chance de me aproximar de pessoas queridas - algumas com as quais eu nem conversava muito antes dessa oportunidade. Esse grupo de blogueiros é fantástico! Fico feliz por fazer parte disso tudo.

Estamos às vésperas do sorteio para descobrirmos quem é o nosso amigo secreto e logo logo traremos mais postagens para que vocês possam acompanhar conosco. Mas não só isso! Falando em sorteio, este ano um dos nossos leitores será presentado com um exemplar do livro Curso Prático de Contabilidade, do professor César Augusto Tibúrcio Silva, aqui do blog, e da professora Fernanda Fernandes Rodrigues. Nada mais justo. Vocês já conhecem a obra? Temos diversas postagens aqui no blog. Outra opção é dar uma olhada nas informações do livro na Amazon.

Fiquem ligados nas próximas postagens!!

Linguagens populares

A plataforma GitHub é o destino final de muitos programadores e seus trabalhos. Usando a GitHub como base, estas são as linguagens mais populares atualmente:

10- Ruby - Criada nos anos 90, por Yukihiro Matsumoto. Linguagem aberta, com foco na Web.
9- C - de 1972, ainda muito popular. Usada pra sistemas operacionais e softwares de aplicação. Deu origem ao C++, Python, Java, JavaScript e PHP
8- Shell - muito usada para criar comandos e execução de programa
7- TypeScript - aberta, criada pela Microsoft.
6- C++ - usada em sistemas operacionais, navegadores e outras aplicações. Mesmo sendo antigo, é muito usado pelas suas qualidades de desempenho.
5- C# - desenvolvida pela Microsoft.
4- PHP - para web, mas muito criticada pelos programadores
3- Java - da Sun e muito popular, com muitas vantagens, inclusive aplicação de big data
2- Python - Crescimento rápido, pois usada em linguagem de máquina, pesquisa, inteligência artificial e outros. Muito suporte e fácil integração
1- JavaScript - Base da web moderna. Usada por Google, Facebook, YouTube e outros pela interatividade.

Sete Brasil e Petrobras

A empresa Sete Brasil foi criada em 2010. Sua função seria ajudar o país a explorar o petróleo do pré-sal. Por ser uma empresa com participação de investidores (fundos de pensão, bancos e outras empresas), não se pode dizer que seja uma empresa estatal. Entretanto, a participação da estatal Petrobras é o destaque. Afinal, ela foi criada para “vencer” as licitações para contratação de sondas de última geração para Petrobras. Inicialmente a ideia seria a contratação de 28 sondas. Muito dinheiro público foi colocado na empresa, incluindo do FGTS, via compra de debêntures.

A questão é que a Sete Brasil talvez tenha sido criada para dar prejuízo. Ou melhor: para dar lucro para algumas pessoas. Com a divulgação dos escândalos nos anos recentes, a Sete Brasil esteve diretamente envolvida em desvio de recursos. Em 2016, a empresa reconheceu um prejuízo de quase 6 bilhões de reais. A recuperação judicial aconteceu neste período, já que a empresa tinha dívidas de 19,3 bilhões, investigação de falcatruas acontecendo e dúvidas sobre a continuidade. Já nas demonstrações contábeis de 2015 a palavra continuidade foi usada 16 vezes. É um claro sinal de problemas. Logo nas notas explicativas a empresa entregava:

“não há como assegurar a continuidade operacional do grupo no atual cenário. Com isso, (...) contratou uma firma internacionalmente reconhecida para elaborar um laudo de avaliação do valor de mercado dos ativos e, consequentemente, suportar o valor de recuperabilidade de cada ativo”

Com a recuperabilidade, o ativo da empresa caiu de 10 bilhões de reais para 1,9 bilhão. A linha de “investimentos” saiu de 8,4 bilhões para zero, entre 31/12/2014 e o ano seguinte. Mas os empréstimos e financiamentos continuavam no balanço da empresa: 15 bilhões no final de 2015. O prejuízo da empresa foi um dos maiores de todos os tempos: mais de 30 bilhões de reais.

Um desempenho deste tipo vai sobrar para alguém. Os principais credores eram

FGTS, Caixa Econômica Federal e três operações de empréstimo-ponte onde estão envolvidas as grandes instituições financeiras que atuam no Brasil: Banco do Brasil, Itau, Santander e Bradesco. O BB ficaria com uma dívida de 3,5 bilhões, seguido pelo FGTS.

Um texto recente do Valor Econômico afirma que parte desta conta ficará com a Petrobras. Segundo Graziella Valenti, a Petrobras tem 3,8 bi em provisões para Sete Brasil (este é o título do texto, 30 de outubro de 2019, B2). E as cobranças das partes prejudicadas estão colocando a empresa, que seria a contratante das sondas. Valenti afirma que até inicio do ano não existiam provisões para este caso específico. Mas que agora, a Petrobras reclassificou o caso, de “possível” para “provável”.

[Na Central de Dowloads não aparece nada sobre isto]

Com efeito, nas demonstrações do terceiro trimestre, a empresa faz menção à Sete Brasil na nota 27.2. [Uma curiosidade. Nas demonstrações em dólar, aparece 995 milhões na nota 24 (da DRE) e 912 na nota 27.1 (do passivo). Nas demonstrações em reais, o valor é 3,8 bilhões, tanto na nota 24, quanto na nota 27.1. Qual a razão da diferença? Taxa de Câmbio?]

Na conferência, nenhuma pergunta sobre o assunto. A repórter entrou em contato com a empresa e não recebeu nenhuma informação: é um assunto que corre em sigilo.

Rir é o melhor remédio

Refazendo a norma: algumas frase as pessoas podem entender...

13 novembro 2019

Problemas em outro artigo polêmico

No início do ano, publicamos um problema que ocorreu no principal periódico de contabilidade:


  • Uma pesquisa sobre evasão fiscal foi publicada em 2017 no principal periódico de contabilidade do mundo, o The Accounting Review
  • Um pesquisador, Alex Young, com dúvidas sobre a pesquisa, solicitou, sem sucesso, acesso aos dados e códigos usados, publicando suas dúvidas no EJW
  • Agora, o The Accounting Review retirou o artigo de sua edição


Agora, o Retraction Watch informa que a mesma dupla também teve um artigo aprovado em outro periódico, The Review of Financial Studies, da Oxford University Press, com problemas. Segundo o periódico

A special committee appointed by the SFS investigated the paper “Do Institutional Investors Demand Public Disclosure,” by A. Bird and S. Karolyi, published in the Review of Financial Studies in 2016 (10.1093/rfs/hhw062, volume 29, 3245–3277), after receiving reports on the inconsistency in the paper’s use of Russell vs. CRSP market capitalization ranks between the published version of the paper and its previously publicly distributed working paper version. Using the data and code provided by the authors, the committee determined that the estimates based on the use of Russell vs. CRSP ranks were not substantially different from each other. However, the Committee discovered that equations (1) and (2) on page 3254, which describe the two-stage model, do not describe the actual regressions that were used to generate the results presented in the paper. Moreover, the committee found that the paper’s main inferences are not robust if the models are estimated as described on page 3254 of the paper. In summary, the Committee concluded that the methodology described in the paper does not generate the results reported in that paper. Futhermore, the Committee concluded that the actual specification the authors acknowledged to have used in the paper was econometrically inconsistent. This is because the missing term constitutes an “excluded variable” which was not justified by the setting or discussed in the paper. The authors’ misstatement prevented the issue from being discovered in the review process.

Ou seja, os autores usaram uma regressão para fazer os cálculos e apresentaram outra no trabalho. E que não existiria diferença estatística. Ou seja, há problemas econométricos.

O Retraction Watch questiona, no entanto, que o periódico permitiu que os autores fizessem um “correção” do artigo, quando deveria ter ocorrido uma “retratação”, como foi o caso do início do ano, no The Accounting Review.

Guarde os nomes dos autores: Bird e Karolyi. Evite citá-los.

12 novembro 2019

Milionários estão cautelosos com 2020, mas otimistas com a próxima década

(...) Pesquisa elaborada pela área global de gestão de patrimônio do banco suíço UBS revela que o tradicional otimismo de ano novo é hoje temperado por uma hesitação e um maior senso de cautela de investidores de alto patrimônio em relação a 2020, com uma expectativa mais favorável para a próxima década do que para o ano.

Com base em entrevistas feitas com mais de 3.400 investidores com um patrimônio mínimo de US$ 1 milhão, o levantamento apontou que 79% das pessoas acreditam que os mercados estão caminhando para um período de maior volatilidade e mais da metade espera uma queda significativa em algum momento de 2020. Como resultado, 52% não têm certeza se agora é um bom momento para investir.

O ambiente de investimento é tido pela maioria como mais desafiador do que cinco anos atrás e o foco de atenção também tem se alterado. Para 66%, os mercados são movidos hoje mais por questões geopolíticas do que por fundamentos. Não à toa, a guerra comercial entre Estados Unidos e China é responsável pela maior preocupação entre os entrevistados (44%), seguido por política interna (41%) e eleição presidencial americana em 2020, com 37%.

Na média, investidores de maior patrimônio detêm 25% de suas carteiras em caixa, bem acima do percentual recomendado pelo UBS, frisa o banco, e com 60% dizendo que consideraria aumentar ainda mais esse nível.

Próxima década
Ainda que a cautela prevaleça sobre o ano que vem, as perspectivas são mais favoráveis para a década de 2020. Uma fatia de 69% dos entrevistados disse que ainda estava otimista sobre os retornos dos investimentos nos próximos dez anos. Tendências como envelhecimento da população, tecnologia, automação e sustentabilidade estão no foco dos investidores, como potenciais oportunidades a serem exploradas para o futuro.

Brasil
Os investidores brasileiros estão alinhados com os resultados da pesquisa global. A maioria (84%) espera maior volatilidade em 2020, 81% das pessoas avaliam que o ambiente para investir está mais desafiador do que há cinco anos e 59% não têm certeza que esse é um bom momento para aplicar. Dentre todas as regiões pesquisadas, a brasileira mostra a maior preocupação com as próximas eleições americanas, com 90% buscando aconselhamento sobre o impacto da disputa em seu portfólio.

A pesquisa do UBS contou com entrevistas em 13 mercados (Brasil, China, Alemanha, Hong Kong, Itália, Japão, México, Cingapura, Suíça, Taiwan, Emirados Árabes, Reino Unido e EUA) e foi realizada entre agosto e outubro de 2019.


Fonte: Aqui

Rir é o melhor remédio

Fonte: Aqui

11 novembro 2019

Privatização da Eletrobras

Após sucessivos adiamentos, o governo encaminhou ao Congresso, na última 3ª feira (5.nov.2019), o projeto de lei que trata da privatização da Eletrobras. A expectativa é realizar o processo de venda da estatal no 2º semestre de 2020. O cronograma, no entanto, dependerá do tempo dos congressistas. A discussão deve se alongar, principalmente, pela relevância da empresa para o setor elétrico nacional.

Criada oficialmente em 1962, a estatal tem papel relevante na geração e transmissão de energia elétrica no Brasil. As 227 usinas da empresa correspondem a 1/3 da capacidade de geração instalada no país. A produção é responsável por atender cerca de 3 milhões de lares.
(...)

O aval do Congresso é necessário para incluir a Eletrobras no PND (Programa Nacional de Desestatização). O PL também traz as diretrizes para o processo de capitalização. Serão emitidas novas ações ordinárias (que dão direito a voto) para diluir a participação da União no capital social, hoje de 60%, para menos de 50%.

A intenção é que a Eletrobras se torne uma corporação, ou seja, uma empresa com controle pulverizado. Para garantir isso, o projeto determina que nenhum acionista poderá ter mais de 10% do capital votante da Eletrobras.

Na avaliação do economista e advogado do Souto Correa Advogados Victor Gomes, o texto evita uma concentração de mercado. “Se, por exemplo, 1 player atual pudesse ter o controle da Eletrobras, inibiria a competição no setor elétrico. Nesse contexto de reforma setorial, que visa aumentar a competição, acertaram nessa proposta”, afirmou.

A operação deverá arrecadar, no mínimo, R$ 16,2 bilhões. O montante, já contabilizado no Orçamento, corresponde ao pagamento pela mudança de contrato de concessão de usinas hidrelétricas. A mudança permitirá que a empresa negocie o preço da energia livremente no mercado. Pelo contrato atual, a estatal se comprometeu a praticar valores pré-fixados.

A mudança, segundo Joísa Dutra, aumentará eficiência da empresa como gerador, já que poderá negociar os preços com diversos fornecedores. “Tem 1 impacto muito positivo. Pretende retornar ao gerador o direito de negociar os preços e disputar direito de ser fornecedor de consumidores residenciais, comerciais e Indústrias”, explicou.

CUSTO DA OPERAÇÃO PARA ELETROBRAS
O texto também determina que empresa terá que fazer aportes financeiros ao Cepel (Centro de Pesquisas de Energia Elétrica) por 4 anos após a desestatização. Ainda, terá obrigação de repassar R$ 3,5 bilhões para o programa de revitalização do rio São Francisco e recursos para abater em subsídios do setor elétrico.

Apenas duas das empresas do grupo Eletrobras ficarão de fora da privatização. A Eletronuclear, que controla as usinas do complexo de Angra, e a Itaipu Binacional –que pertence 50% ao Paraguai. Como a Constituição determina ambas fiquem sob controle da União, o PL permite a criação de uma nova estatal.

Outros 3 programas ficarão sob o guarda-chuva da nova estatal: o Proinfa (Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica); Luz para Todos, que atende famílias de baixa renda; e o Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica. (...)

Fonte: Aqui

Quando a transparência é ruim

Anteriormente comentamos aqui

Durante décadas o princípio regulatório nos EUA [não somente] tem sido o da divulgação Bingo. Se você divulga o salário dos funcionários públicos, isto irá mudar a atitude das pessoas; evidenciando os conflitos de interesse de uma pessoa, irei levar isto em consideração na decisão; se divulga os impostos na nota fiscal, isto muda o comportamento; se o auditor divulga o que ele teve dificuldade em auditar, isto irá chamar a atenção dos usuários da demonstração; e assim por diante. Será que isto está funcionando? Nós temos hoje um grande número de informação, mas pouco tempo para ler e levar em consideração na decisão (sistema 1 e sistema 2). Egan afirma: “(...) temos outra opção para ser eficaz: design” 

Eis um texto do The Economist sobre a questão da evidenciação de informação por parte dos bancos centrais

Nos EUA, os economistas do Goldman Sachs acusaram o banco [Central] de construir um “salão de espelhos” em suas comunicações com os mercados. O Fed, argumentam os economistas, este ano sinalizou suas intenções para os mercados e, ao mesmo tempo, ouviu seus palpites. Como resultado, Fed e mercado entraram em uma espiral de pessimismo, ignorando a economia real. Na ânsia de entrar em contato com os mercados, o Fed se esqueceu de que é ele quem manda.

Então, os bancos centrais devem falar um pouco menos? Os microeconomistas sabem há muito tempo que a ambiguidade pode ter usos estratégicos. Os contratos de trabalho, por exemplo, não especificam todas as tarefas do empregado, nem todas as obrigações do empregador, provavelmente porque é melhor deixar espaço para um lado punir o mau comportamento do outro. (...)

Ao fazer a postagem me lembrei da transparência das decisões de tribunais superiores. Uma consequência inesperada é o aumento do parecer de cada juiz. Mantendo a mesma equipe, pareceres mais longos significa menos julgamentos realizados. Uma consequência negativa da transparência.

Paradoxo Nórdico

O VE trouxe uma extensa reportagem sobre o “Estado Feminino”: a participação da mulher na Noruega. Eis dois dados do texto:

A lei de igualdade de gênero exige uma cota de 40% de mulheres nas organizações públicas. Esta lei foi estendida para os conselhos das estatais, em 2004, e para os conselhos de administração das empresas abertas, e 2006.

O aumento da participação feminina no mercado de trabalho agregou 360 milhões de dólares à economia, entre 1972 a 2013

Ainda assim, parece não ser suficiente: a mulher na Noruega ganha 88% do salário do homem, talvez uma das maiores taxas do mundo, mas indicando existir desigualdade. Mesmo com as cotas, 34% dos cargos diretivos no setor público são ocupados pelas mulheres.

Um detalhe que escapou: o paradoxo nórdico. Uma pesquisa comparou a Suécia com a Espanha (ok, não é a Noruega, mas tudo indica que os dados são equivalentes): a violência doméstica é maior na Suécia. E parece válido para Dinamarca

Nordic countries are known for their progressive childcare and paid leave policies, but many of them suffer from high incidences of domestic violence. In Denmark, 32% of women said they had experienced intimate physical and/or sexual violence at least once in their lifetime.
A 2016 report refers to this phenomenon as the "Nordic paradox," suggesting that there may be an unexpected backlash against women in gender-equal societies.
Since 2002, Denmark has launched multiple national action plans to confront this issue. The most recent plan focuses on young people exposed to dating violence.

Os índices de violência parecem ocorrer em outros países daquela região

Rir é o melhor remédio

Conselho no outdoor da Funerária: digite e dirija.

10 novembro 2019

Razões para ser um contador

Why did you become an accountant?
Posted by AICPA Communications on Nov 10, 2019

Today is International Accounting Day, a day started to honor Luca Pacioli — the Father of Accounting and Bookkeeping. On this day, we honor the hard work of accounting and finance professionals around the world. To celebrate, we asked CPAs why they chose the accounting profession. Here’s what they said.

“I went to college knowing one thing — I was going to college. I didn’t know what my major would be, so I started taking classes that I thought sounded interesting. A year and a half in, I signed up for my first accounting class. I jokingly tell people that on day one in my intro to accounting class, I could hear a chorus of angels singing. Suddenly, I’d found my calling — debits and credits were the most genius thing ever. It clicked, it made sense and I loved it! Accounting is the language of business and financial literacy — a valuable life skill. The opportunities I’ve had because I’m a CPA are more than I could have imagined, and I’m very thankful I signed up for that intro to accounting class.”

Lisa Simpson, CPA, CGMA

“If you ask my friends and co-workers to use one word to describe me, I believe the overwhelming majority would say that I am logical. I decided to pursue a career in accounting because of my logical nature. I wanted to have a job. No matter how the economy is doing, companies will always need someone to assist with their finances. However, having a good salary and job security was not the only motivation for me to become an accountant. My passion for playing with numbers and understanding the story behind them rather than just counting them inspired me to pursue a career in accounting. There’s nothing more exciting than seeing clients’ faces light up when I find a solution to their problems or ‘translate’ technical language of ASCs into plain English for them. Accounting is indeed a fulfilling career.”

Iryna Klepcha, CPA

“The reason I got into accounting was to get into the FBI. I was good at accounting in high school. I had four schools that were recruiting me for football, and the school I chose had a great accounting program. My friend’s father told me to go for accounting while his son and my other friends went to school for law enforcement. He said this way, when I showed up to the crime scene, I could tell them ‘out of the way, I’m in charge.’ Went to the right school [Canisius] for the wrong reason [to play football] but was lucky enough they had a strong culture of promoting the CPA. Something I didn’t know anything about and when I learned of it, I started to attend ‘Meet the Accountants’ nights. When meeting firm representatives, it changed my career goal to become a CPA.”

Mark Koziel, CPA, CGMA

“Compassionate. Protector. Always. CPA. When I was five, I would use my dad’s 10-key [the kind with printing tape] and a periscope-style flashlight I pretended was a phone to play a made-up game I called ‘office,’ where my friends and I ran a company helping others make sound financial decisions with their Monopoly money. Twenty years later, I became a CPA. Why? Because — like the other hats I wear as a daughter, sister, wife, mom, friend, colleague and coach — it affords me the opportunity to connect with others in a meaningful way to share love, kindness, compassion and appreciation. Every day, I get to use my gifts to help others, protect the public and advocate for the accounting profession.”

Sarah Bradley, CPA

“I became an accountant because I’ve always been fascinated by business, and accounting is the language of business. My goal was to become a CFO. And, to manage an organization’s finances or make sound investment decisions, you need to speak the language. My interests changed over time, but my career progression wouldn’t have been possible without my background in accounting.”

Carl Mayes, CPA

“I became a CPA because I wanted to help people’s dreams come true. Dreamsreams often start with a solid financial footprint, and CPAs are the best at helping people achieve their financial dreams — so that their clients are able to pay for their children to go to college and achieve their college dreams, buy their dream vacation home or even retire earlier and live their dream life. Plus, I became a CPA because I really like to work with people and connect with them so that I am part of their team in terms of their financial and tax planning goals. The CPA profession is extremely rewarding, and I’m grateful for the experiences I’ve had in the profession. Plus, it has allowed me ample opportunities to grow and prosper and the work-life balance to make time for all of the things I enjoy.”

Susan C. Allen, CPA/CITP, CGMA

We want to keep celebrating you and everything you do. Share your “why” on social media using #InternationalAccountingDay. If you’d like to celebrate with the AICPA, become a member today and use code LUCA20 to receive a special discount.

Liz Rock, Manager — Branded Content Strategy, Association of International Certified Professional Accountants

08 novembro 2019

O mundo está louco




Money is free for those who are creditworthy because the investors who are giving it to them are willing to get back less than they give. More specifically investors lending to those who are creditworthy will accept very low or negative interest rates and won’t require having their principal paid back for the foreseeable future. They are doing this because they have an enormous amount of money to invest that has been, and continues to be, pushed on them by central banks that are buying financial assets in their futile attempts to push economic activity and inflation up. The reason that this money that is being pushed on investors isn’t pushing growth and inflation much higher is that the investors who are getting it want to invest it rather than spend it. This dynamic is creating a “pushing on a string” dynamic that has happened many times before in history (though not in our lifetimes) and was thoroughly explained in my book Principles for Navigating Big Debt Crises. As a result of this dynamic, the prices of financial assets have gone way up and the future expected returns have gone way down while economic growth and inflation remain sluggish. Those big price rises and the resulting low expected returns are not just true for bonds; they are equally true for equities, private equity, and venture capital, though these assets’ low expected returns are not as apparent as they are for bond investments because these equity-like investments don’t have stated returns the way bonds do. As a result, their expected returns are left to investors’ imaginations. Because investors have so much money to invest and because of past success stories of stocks of revolutionary technology companies doing so well, more companies than at any time since the dot-com bubble don’t have to make profits or even have clear paths to making profits to sell their stock because they can instead sell their dreams to those investors who are flush with money and borrowing power. There is now so much money wanting to buy these dreams that in some cases venture capital investors are pushing money onto startups that don’t want more money because they already have more than enough; but the investors are threatening to harm these companies by providing enormous support to their startup competitors if they don’t take the money. This pushing of money onto investors is understandable because these investment managers, especially venture capital and private equity investment managers, now have large piles of committed and uninvested cash that they need to invest in order to meet their promises to their clients and collect their fees.

At the same time, large government deficits exist and will almost certainly increase substantially, which will require huge amounts of more debt to be sold by governments—amounts that cannot naturally be absorbed without driving up interest rates at a time when an interest rate rise would be devastating for markets and economies because the world is so leveraged long. Where will the money come from to buy these bonds and fund these deficits? It will almost certainly come from central banks, which will buy the debt that is produced with freshly printed money. This whole dynamic in which sound finance is being thrown out the window will continue and probably accelerate, especially in the reserve currency countries and their currencies—i.e., in the US, Europe, and Japan, and in the dollar, euro, and yen. 

At the same time, pension and healthcare liability payments will increasingly be coming due while many of those who are obligated to pay them don’t have enough money to meet their obligations. Right now many pension funds that have investments that are intended to meet their pension obligations use assumed returns that are agreed to with their regulators. They are typically much higher (around 7%) than the market returns that are built into the pricing and that are likely to be produced. As a result, many of those who have the obligations to deliver the money to pay these pensions are unlikely to have enough money to meet their obligations. Those who are recipients of these benefits and expecting these commitments to be adhered to are typically teachers and other government employees who are also being squeezed by budget cuts. They are unlikely to quietly accept having their benefits cut. While pension obligations at least have some funding, most healthcare obligations are funded on a pay-as-you-go basis, and because of the shifting demographics in which fewer earners are having to support a larger population of baby boomers needing healthcare, there isn’t enough money to fund these obligations either. Since there isn’t enough money to fund these pension and healthcare obligations, there will likely be an ugly battle to determine how much of the gap will be bridged by 1) cutting benefits, 2) raising taxes, and 3) printing money (which would have to be done at the federal level and pass to those at the state level who need it). This will exacerbate the wealth gap battle. While none of these three paths are good, printing money is the easiest path because it is the most hidden way of creating a wealth transfer and it tends to make asset prices rise. After all, debt and other financial obligations that are denominated in the amount of money owed only require the debtors to deliver money; because there are no limitations made on the amounts of money that can be printed or the value of that money, it is the easiest path. The big risk of this path is that it threatens the viability of the three major world reserve currencies as viable storeholds of wealth. At the same time, if policy makers can’t monetize these obligations, then the rich/poor battle over how much expenses should be cut and how much taxes should be raised will be much worse. As a result rich capitalists will increasingly move to places in which the wealth gaps and conflicts are less severe and government officials in those losing these big tax payers will increasingly try to find ways to trap them.

At the same time as money is essentially free for those who have money and creditworthiness, it is essentially unavailable to those who don’t have money and creditworthiness, which contributes to the rising wealth, opportunity, and political gaps. Also contributing to these gaps are the technological advances that investors and the entrepreneurs that I previously mentioned are excited by in the ways I described, and that also replace workers with machines. Because the “trickle-down” process of having money at the top trickle down to workers and others by improving their earnings and creditworthiness is not working, the system of making capitalism work well for most people is broken.

This set of circumstances is unsustainable and certainly can no longer be pushed as it has been pushed since 2008. That is why I believe that the world is approaching a big paradigm shift.

Fonte: aqui
The World Has Gone Mad and the System Is Broken

História da Contabilidade em 20 imagens

O texto a seguir é uma adaptação da seção "Ilustração" do livro de Jacob Soll, The Reckoning. São vinte imagens. Boa Leitura.

Jan Provost, A Morte e o Avarento, no início do século dezesseis. Groeningemuseum, Bruges, Bélgica. Mestres holandeses e flamengos pintaram imagens de aviso, celebrando a proeza de seus cidadãos na contabilidade e alertando que os humanos nunca poderiam equilibrar completamente seus livros. O homem teria que prestar contas a Deus, que sempre faria o acerto de contas final.

Hendrick ter Brugghen, O Chamado de São Mateus, 1621. Museu Central em Utrecht, Holanda. Santo padroeiro dos contadores, banqueiros e perfumistas, São Mateus transmitiu mensagens conflitantes sobre finanças, deixando a cristandade com um grande enigma moral: era ou não imoral administrar e ganhar dinheiro? Mateus insistia que a riqueza tinha que ser tratada com competência e honestidade, mas, ao mesmo tempo, era terrena e pecaminosa. Essa ambiguidade moral ainda hoje está conosco.

Hans Memling, Último julgamento, painel central, c. 1467-1471. Pomorskie Museum, Gdansk, Polônia. O diretor da agência de Bruges do Banco Médici, Tomasso Portinari, encomendou a pintura de Hans Memling, O Último Julgamento, (pintado entre 1547-1461). Nele, o arcanjo São Miguel mantém uma escala de acerto de contas final, na qual pesa almas e decide quem vai para o inferno. A vida imitou a arte quando, em 1477, Portinari arruinou o Banco Medici com investimentos arriscados e foi lançado na pobreza e desgraça.
Francesco Sassetti, Libro Segreto (Archivio di Stato di Firenze, Itália). As páginas do livro contábil secreto do chefe de contabilidade para o Banco Medici, Francesco Sassetti, revel suas falhas como contador. Quando essas contas foram feitas no início dos anos 1470, Sassetti havia se tornado descuidado com as auditorias e os lançamentos, e o banco estava à beira do colapso financeiro.
Domenico Ghirlandaio, Confirmação da Regra Franciscana pelo Papa Honorius III, c 1485. Detalhe da nave da capela Sassetti, Santa Trindade, Florença, Itália. Mais do que focar na disciplina contábil e na administração bancária, Sassetti foi consumido por seu patrocínio à Capela Sassetti de Ghirlandaio na Igreja de Santa Trindade, em Florença, uma obra prima da arte neoplatonista. Já não se via como contador, mas como patrício piedoso e instruído, Sassetti foi pintado ao lado de seu empregador e do governante de Florença, Lorenço "O Magnífico" de Medici.
Domenico Ghirlandaio - Francesco Sassetti e seu filho Teodoro, c. 1488. The Metropolitan Museum of Art. O retrato Francesco Sassetti e seu filho Teodoro (1488) é notável por sua falta de semelhança com o retratado. Ele foi pintado na sua ausência porque Sassetti partiu para Lyon para assumir a responsabilidade pelo colapso da filial e deixou a pintura como uma lembrança de si mesmo para seus filhos. Antes um contador habilidoso e respeitado, o homem que ajudou a derrubar o Banco Medici retornaria a Florença como um homem em ruínas.
Jacopo de Barbari, Retrato de Frei Luca Pacioli, c. 1500, Museo di Capodimonte, Nápoles, Itália. Retrato famoso de Jacopo de Barbari do Frei Luca Pacioli, autor do primeiro manual impresso de contabilidade de partidas dobradas. A estatura de Pacioli como professor de matemática e contabilidade era tal que ele foi pintado em primeiro plano, com seu aluno e patrão, Guidobaldo de Montefeltro, Duque de Urbino, estando atrás dele. Um contador nunca mais seria pintado em superioridade a um homem da nobreza.
Jan Gossaert, Retrato de um Mercador, c. 1530. National Gallery of Art, Washington. No início dos anos 1500, Antuérpia e cidades vizinhas tinha tornardo o centro do comércio mundial e expertise contábil. A famosa pintura de Jan Gossaert celebra a riqueza e as ferramentas contábeis correspondentes de um mercado de sucesso, Jan Snouck Jacobs (1510-1585)
Quentin Metsys, O lavador de dinheiro e sua esposa, 1514. Museu do Louvre, Paris, França. A pintura de Quentin Metsys é um estudo de como os comerciantes podiam levar uma vida piedosa administrando bem seu dinheiro e também sendo cristãos devotos. Observe que a esposa segura um Livro de Horas iluminado com um retrato da Virgem Maria e que contas e letras de câmbio estão na prateleira ao fundo.
Marinus van Reymerswaele, O Cambista e sua esposa, 1539. Museu Nacional do Prado, Madri, Espanha. Em uma versão posterior do quadro de Metsys, Marinus van Reymerswaele remove o aspecto religioso, substituindo o livro do salmo por um livro contábil, celebrando, assim, tanto a proeza flamenga na contabilidade quanto a virtude da boa irmandade.
Quentin Metsys, Os cambistas, c. 1549, Musei Bellas Artes de Bilbao, Espanha. Em 1540s, entretanto, artistas como Quentin Metsys e Marinus van Reymerswaele começam a retratar contabilidade como uma atividade possivelmente fraudulenta e imoral. Tanto Metsys e van Reymerwaele pintaram um número de versões desta imagem de "cambistas" ou "coletores de impostos" não confiáveis e possivelmente judeus.
Marinus van Reymerswaele, Dois coletores de impostos, c. 1540. National Gallery, Londres. Nesta pintura de coletores de impostos mantendo as contas, van Reymerswaele descreve vividamente as ferramentas usadas pelos contadores: livros, letras de câmbio, selos e arquivos. No entanto, ele associa a gestão financeira com figuras distorcidas e toucas satíricas, possivelmente apontamento para a loucura humana da ganância e a arrogância na gestão de fortunas. Em lugar de celebrar a contabilidade e o comércio, estes quadros alertam para o perigo de confiar demais nas ferramentas financeiras do cálculo e da gestão.
Jan de Baen, Os corpos dos irmãos De Witt, c. 1672-1675, Rijksmuseum, Amsterdam, Holanda.
Apesar da sofisticação e dedicação financeira e contábil de Jan de Witt ao modelo republicano holandês de política, e este constitui um exemplo para a experiência política moderna, em 1672 ele e seu irmão Cornelis foram depostos pelo poderoso príncipe de Orange. Sob as ordens do princípe, uma multidão estripou e linchou os dois, cortando os dedos das mãos e dos pés e comendo seus órgãos internos.
William Hogarth, Casamento à la Mode: no.2, tête à tête, c. 1743, National Gallery Londres. A pintura de Hogarth Brevemente depois do casamento ou Tête à Tête (1743-1745) é um retrato vívido da relação ambivalente na elite britânica sobre a contabilidade na época de Robert Walpole. Ela mostra um visconde de ressaca esparramado na cadeira depois de um noite foram em um bordel ou com sua amante, enquanto sua esposa começa a acordar depois de uma longa festa com jogos de cartas em casa. O camareiro deles caminha para longe com horror, levando recibos e um razão, que não é de interesse deles.
Josiah Wedgwood e Filhos, Dark Blue Jasper Dip Medallion de Jacques Necker, c. 1770-1800 (Metropolitan Museum of Art, New York). Um exemplo fino da valiosa cerâmica de jaspe, este medalhão é um retrato do ministro francês e autor de Compte rendu, Jacques Necker. Enquanto os amigos dissidentes radicais de Wedgwood lutaram pelos ideais políticos adotados por Necker, Wedgwood se satisfaz vendendo aparições lucrativas de figuras políticas e equilibrando seus livros .
Thomas Hickey, John Mowbray com seu agente de dinheiro, Banian, c. 1790. Biblioteca Britânica. Na metade do século dezoito, industriais e colonialistas britânicos usavam a contabilidade com tal sucesso que eles geraram uma riqueza sem precedente. Ele tinham tal confiança em suas habilidades com gestores financeiras que uma série de retratos de britânicos conduzindo seus negócios foram pintados mostrando pessoas sorrindo sob seus livros contábeis. Essa confiança feliz na contabilidade irá desaparecer no tempo de Dickens, um século mais tarde.
Benjamin Franklin, Instruções para os Chefes dos Correios manterem suas contas, Filadélfia, 1753 (Sociedade Histórica da Filadélfia). Benjamin Franklin era fascinado por contabilidade. Ele manteve livros de partidas dobradas, escreveu sobre contabilidade e até compôs sua autobiografia nas páginas de um livro de contabilidade. Enquanto chefe dos correios britânicos na colônia americana, ele criou este mapa para cada agência dos correios. Não somente explicou para seus chefes de agências, mas também fez um mini manual de contabilidade de partidas dobradas para que qualquer pessoa que viesse aos correios pudesse aprender o básico da contabilidade, que Franklin considerava essencial para a vida cotidiana.
Compte rendu au roi par M Necker, Paris, 1781, Biblioteca da Princeton University. A contagem final do diretor financeiro francês de Louis XVI, Jacques Necker, o revolucionário e bem vendido Compte rendu au roy (1781). Foi a primeira vez que um político reivindicaria de um superávit - neste caso, 10,2 milhões de livres - como uma declaração de sucesso político. Necker começou uma tradição de usar números grandes e muitas vezes imprecisos como propaganda política, uma tradição desgastada que continua até hoje.
Registro do Tesouro dos Estados Unidos, Um visão geral das receitas e gastos do dinheiro público, por autoridade do superintendente de finanças, por tempo de entrada na administração, para 31 de dezembro de 1781. Inspirado no Compte rendu de Necker, o Superintendente de Finanças Americano Robert Morris publicou esta cópia das contas do tesouro do governo dos EUA. Transparência contábil tornou-se central entre os fundadores americanos e foi consagrada no Artigo 1, seção 9, da Constituição.
Henry David Thoreau, Contas para Walden, 1846-1847. Huntington. Um dos líderes do movimento transcendentalismo americano, Henry David Thoreau buscou a volta para natureza e o estado de pura espiritualidade pela rejeição de bens materiais. Esta rara folha de notas do seu trabalho para o clássico Walden, ele voltou para os princípios contábeis calculando o mínimo necessário para subsistência.