Translate

07 fevereiro 2023

Uma visão alternativa do Chatbot

Uma visão alternativa sobre os chatbots. O texto é de Cathy O'Neal, autora de Weapons of Math Destruction:

Ultimamente, tem havido uma enorme quantidade de confusão na imprensa de tecnologia em torno da mais nova geração de chatbots, sendo a versão ChatGPT a mais celebrada e / ou temida.

Não acho que a celebração ou o medo sejam justificados.


Antes de tudo, não precisamos temer que o ChatGPT substitua os seres humanos. Não tem um modelo para a verdade; é simplesmente escrever palavras e frases semelhantes aos padrões observados no discurso histórico em que foi alimentado. Portanto, em outras palavras, não está realmente respondendo a uma pergunta de maneira ponderada ou relevante. Qualquer tipo de consideração que possa ser observada em sua produção é uma combinação da sabedoria humana incorporada em seus dados de treinamento e do crédito projetado que tendemos a dar aos outros quando os ouvimos tentando formular pensamentos.

Mas e os alunos trapaceando usando o ChatGPT em vez de escrever por conta própria? O problema da tecnologia é que ela está interferindo nas proxies muito fracas que temos de medir a aprendizagem dos alunos, a saber, trabalhos de casa e testes. A verdade é que a internet permitiu que os alunos burlasse a lição de casa por um longo tempo e, nesse caso, muitos testes, e agora eles têm uma maneira um pouco melhor (embora ainda imperfeita) de trapacear. É apenas mais um lembrete de que é realmente difícil saber o quanto alguém aprendeu alguma coisa e, especialmente, se não estamos conversando diretamente com eles, mas contando com algum sistema automatizado ou quase automatizado ampliado para medir isso para nós. Suponho que haverá muito mais exames orais individuais no futuro, pelo menos quando se trata de testes de alto risco de conhecimento [o de instituições de ensino sérias]. E, nesse caso, haverá menos testes, porque muitos tipos de "conhecimento" que os humanos precisaram memorizar podem não ser necessários se a Internet estiver sempre disponível.

Em seguida, acho que também não temos motivos para comemorar. Não há sabedoria no ChatGPT ou em outro assim. Para ilustrar esse ponto, considere Galactica, uma IA que foi introduzida e depois comprada pela Meta, empresa controladora do Facebook. Galactica foi treinado em artigos científicos para produzir parágrafos científicos. Foi muito bom nisso. 

Galactica deveria ajudar os cientistas a escrever seu artigo e ajudar todos a procurar conhecimento científico. Às vezes funcionava, mas muitas vezes fazia merda. 

De qualquer forma, aqui está uma coisa que nunca fará: criar nova ciência. E é por isso que não há nada aqui para se animar.

Outra maneira de dizer é que a Galactica pode nos mostrar o que é "fácil" ao escrever artigos científicos: o idioma, o jargão, o estilo autoritário da terceira pessoa etc. versus o que é difícil: as novas idéias. Galactica pode fazer todas as coisas fáceis, mas nenhuma das coisas difíceis, e por que devemos ficar impressionados??

[Traduzido pelo Vivaldi] [Fonte original aqui]. Foto: Possessed Photography

Futebol europeu e folha de pagamento

Do Trivela

O Paris Saint-Germain tem a maior folha salarial do mundo para um clube profissional de futebol, com impressionantes € 728 milhões por ano, de acordo com o European Champions Report 2023. Além disso, o clube registrou prejuízo de € 369 milhões na mesma temporada analisada, 2021/22. Ou seja: é um clube que gasta muito, mas mesmo com os aumentos de receita, ainda não se paga. Claro, nem precisa, porque o QSI (Qatar Sports Investment, braço do governo do Catar que controla o clube) tem dinheiro a perder de vista.


Em termos de comparação, o Real Madrid, segundo colocado na lista, tem uma folha salarial, de € 519 milhões – 29% a menos que o PSG. E isso porque houve um aumento na folha salarial de 29% em relação à temporada anterior pelo bônus pago por vencer a Champions League. O Manchester City tem uma folha salarial de € 418 milhões e o Bayern de Munique tem uma folha salarial de € 324 milhões. (,..)

O que fica claro é que o Fair Play Financeiro é absolutamente leniente com o PSG, que tem prejuízos homéricos e ainda assim ganhou um acordo em que recebeu uma punição suave, pode pagar uma multa que ainda será suave se descumprir e não receberá a punição pesada, que seria ficar fora das competições, como aconteceu com outros clubes que descumpriram a regra. (...)

A base das informações são contábeis. E como existe uma ligação entre desempenho e salário, a falta de implantação efetiva do Fair Play significa, em outras palavras, a permissão para o desequilíbrio entre as equipes. 

Rir é o melhor remédio

 Uma seleção:







Fonte: aqui




06 fevereiro 2023

Pesquisa de satisfação do CFC tem um erro de cálculo

De uma página do Conselho Federal de Contabilidade:

A meta de 2022 para o grau de satisfação dos profissionais de contabilidade era de 70%, porém o resultado obtido foi de 76,99%, ou seja, 109,99% de desempenho.

Já no índice de avaliação da profissão contábil perante a sociedade, com meta também de 70% para o período, o resultado alcançado foi de 87,50% e, assim, o desempenho ficou com a marca de 125,00%.


Esclarecendo: 

O CFC fez uma pesquisa de opinião entre os profissionais. A resposta variava entre 1 e 5. Neste ponto vamos tentar extrapolar que o resultado da escala Likert foi transformado em uma escala decimal, de 0 a 10. O Conselho definiu que 7 seria a nota de aprovação. Acho que isto é bem razoável, embora a pesquisa pudesse usar logo a escala de 0  a 10. Ou o resultado trazer o valor obtido entre 1 e 5. 

Agora, se a nota obtida foi 76,99% e a meta era 70%, afirmar que o desempenho foi de 109,99% é ... 

[Complete como achar melhor] [O print da tela está abaixo, para quem não acredita no que leu...]

Na verdade, a variação seria de 9,99% acima da meta ou [76,99/70 - 1] x 100.  

Obviamente dizer que o valor ficou 109,99% da meta é melhor que 9,99%. Mas isto me faz lembrar de um livro publicado nos anos 50, sobre estatística. (Sabem qual?)

Para finalizar: seria interessante que divulgasse não somente a percentagem, mas as estatísticas descritivas (tendência central, dispersão, assimetria e curtose). 



Perdas do grupo indiano Adani

 


A mudança no valor de mercado do Grupo Adani, um conglomerado indiano com ativos em energia, cimento e infraestrutura, nos últimos dias mostra o efeito do relatório publicado pela empresa Hindenburg na semana passada.

O relatório fala em manipulação das ações, endividamento excessivo e problemas contábeis. Em alguns dias, o grupo perdeu 100 bilhões de valor de mercado. Ou quase 60% do seu valor. A empresa opera alguns dos maiores portos da Índia, uma grande quantidade de linhas de transmissão de energia, armazéns e um quinto do cimento do país. 

Braiscompany e a pirâmide financeira

Felipe Pontes divulga o caso da Braiscompany, uma empresa que oferece um investimento em Bitcoin para alguém e depois o investidor cede o ativo em aluguel. Típica pirâmide financeira. O texto completo está aqui. Eis um trecho revelador:


Ano a ano, de 2019 até 2022, eles tiveram respectivamente os seguintes retornos anuais: 88,50%, 83,19%, 87,44% e 83,28%. Isso quer dizer que quem “investiu” R$ 1 milhão em 2019, teria acumulado até dezembro de 2022 cerca de R$ 12 milhões. DOZE MILHÕES!

Como é que eles conseguiram esses retornos, mesmo com o inverno das criptomoedas e mesmo assim não estão conseguindo devolver o dinheiro aos seus “investidores”? Como é que eles estão devendo quase R$ 150.000,00 em alugueis no DF, segundo veículo da Paraíba?

Uma estratégia da empresa é aproximar de "famosos": 

Eles tentam mostrar que são amigos de pessoas famosas, como Romário (também político), Neymar, Falcão (o Rei do Futsal), Ronaldinho Gaúcho, Cafu, além de matérias em revistas famosas, para, mais uma vez, validar toda a sua relevância e inteligência para negócios como “um gênio obstinado”.

Qualidade dos Modelos de avaliação

The key purpose of corporate finance is to provide methods to compute the value of projects. The baseline textbook recommendation is to use the Present Value (PV) formula of expected cash flows, with a discount rate based on the CAPM. In this paper, we ask what is, empirically, the best discounting method. To do this, we study listed firms, whose actual prices and expected cash flows can be observed. We compare different discounting approaches on their ability to predict actual market prices. We find that discounting based on expected returns (such as variants on the CAPM or multi-factor model), performs very poorly. Discounting with an Implied Cost of Capital (ICC), imputed from comparable firms, obtains much better results. In terms of pricing methods, significant, but small, improvements can be obtained by allowing, in a simple and actionable way, for a more flexible term structure of expected returns. We benchmark all of our results with flexible, purely statistical models of prices based on Random Forest algorithms. These models do barely better than NPV-based methods. Finally, we show that under standard assumptions about the production function, the value loss from using the CAPM can be sizable, of the order of 10%.


O artigo original pode ser obtido aqui

Exxon previu o aquecimento global

A empresa Exxon sempre esteve no centro da polêmica sobre aquecimento global. A companhia de petróleo dos Estados Unidos negou, de maneira insistente, os efeitos do clima no futuro. Uma empresa de petróleo tem interesse neste assunto, já que a emissão de carbono é, de maneira geral, considerada uma das causas do aquecimento global, sendo que as empresas de petróleo responsáveis por uma grande parcela do problema. 

Assim, admitir o problema do aquecimento global corresponde, para as petrolíferas, reconhecer parte de sua responsabilidade na questão, o que pode induzir a eventuais passivos futuros. Afinal, governo e sociedade podem querer responsabilizar alguém pelo problema do clima e as empresas de petróleo, com grande volume de riqueza e uma associação com o problema, são as candidatas naturais para ações judiciais.

Entre as empresas do setor, a Exxon, pelo porte e pela posição firme na defesa de que não há um problema com o clima global, é o grande destaque. Uma pesquisa publicada este ano na revista Science expôs um aspecto importante da questão. Segundo os autores do estudo, os cientistas da Exxon previram o aquecimento global com precisão no período de 1977 a 2003. Isto, de certa forma, contradiz o discurso da administração, que negava o problema. 

Para chegar a esta conclusão, os pesquisadores coletaram os relatórios realizados pelos cientistas da empresa e constantes dos documentos internos. Isto permitiu chegar a previsões, que quando confrontadas com a realidade, mostraram muito próximas da realidade. 

Veja o gráfico abaixo:

O gráfico mostra a evolução de dados desde 1960 e vai até o ano de 2080. Este gráfico foi realizado no início dos anos 80. O incremento da temperatura está na parte de baixo do gráfico, onde a previsão é a linha escura e o valor observado a linha vermelha. Na verdade, neste gráfico, a previsão do estudo interno era de um aumento na temperatura acima do valor que foi observado; ou seja, a previsão interna era mais pessimista do que ocorreu, muito embora a diferença não seja tão substancial para uma estimativa de longo prazo. 

Mesmo com estes estudos, a Exxon negava, em público, as conclusões dos estudos. Ou mesmo denegria os modelos climáticos que faziam previsões de mudanças no futuro. 

O estudo é importante pois traz evidências que a empresa previu com precisão o aquecimento global, muito embora adotasse outra postura para o público externo. Para a contabilidade também pode servir de estudo para confrontar o discurso das informações constantes dos relatórios - e das estimativas de mensuração dos valores dos ativos e passivos - com o conhecimento da área técnica. 

Além disto, a divulgação da pesquisa pode servir de munição para àqueles que desejam uma alteração no pensamento das empresas poluidoras mundiais. 

Supran, G., Rahmstorf, S. & Oreskes, N. (2023). Avaliando as projeções de aquecimento global da ExxonMobil. Science. 379(6628). 

Veja também aqui. E aqui

Rir é o melhor remédio

Volte em 5 páginas. Para quem gosta de ler. 
 

Rir é o melhor remédio

 

Fonte: Aqui

05 fevereiro 2023

Musk absolvido

A famosa mensagem que Elon Musk digitou no Twitter sobre o fechamento de capital da Tesla, indicando que teria recursos para fechar a empresa por um valor de 420 por ação teve um julgamento público, quatro anos depois. Os jurados decidiram, depois de duas horas de deliberação e três semanas de juri, que Musk não foi culpado. 


A integridade de Musk esteve em causa no julgamento, bem como parte da sua fortuna que o estabelece como uma das pessoas mais ricas do mundo. Poderia ter sido condenado a pagar milhares de milhões de dólares por prejuízos, se o júri o tivesse considerado culpado pelas mensagens na Twitter em 2018, já qualificadas como falsidades pelo juiz que presidiu ao julgamento.

O julgamento centrou-se em saber se as mensagens de Musk, em 2018, enganaram os acionistas da Tesla, induzindo-os para uma direção que os fez perder milhares de milhões de dólares. O caso civil focou-se m duas mensagens divulgadas por Musk na Twitter, a 7 de agosto de 2018 sobre a retirada da Tesla da bolsa, através da compra das suas ações, o que nunca aconteceu.

Fonte: aqui

Dona da Ortopé é suspeita de fraude

O Ministério Público de São Paulo abriu uma investigação para apurar suspeitas de fraudes envolvendo a fabricante de calçados Dok, dona das marcas Ortopé e Dijean. A empresa é investigada por suspeitas de crimes como fraude, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro. Há também outros 17 inquéritos instaurados pela Polícia Civil por acusações de estelionato. Procurada há dias pela reportagem, a empresa e seus advogados não responderam.


O grupo é acusado de usar notas frias, com base em vendas simuladas a grandes varejistas, para levantar dinheiro junto a bancos e fundos de investimentos. As transações falsas teriam gerado uma dívida estimada em R$ 382 milhões, com 90 instituições financeiras.

As notas fiscais simuladas indicavam vendas de R$ 20 milhões à Riachuelo, R$ 14,4 milhões com a Renner e R$ 4 milhões com a Puma. O Estadão/Broadcast teve acesso a e-mails e comunicados internos da C&A, Riachuelo e Renner, nos quais elas afirmam não reconhecer as movimentações. Há suspeita de falsificação do carimbo das varejistas para falsificar as operações.

“As referidas cobranças sequer foram acompanhadas dos números de pedidos de compra referentes às solicitações de fornecimento que seriam objeto de aludidas notas fiscais, tampouco foram encaminhados canhotos idôneos relacionados à efetiva entrega das mercadorias. Foram identificados, apenas, canhotos com carimbos e assinaturas falsos”, informou a C&A, em um comunicado interno que circulou no início de janeiro. (...)

Segundo a acusação, o esquema de fraudes teria origem em contratos simulados com grandes varejistas, ou seja, sem que a venda tivesse sido realizada. A partir deles, o grupo buscava antecipar recursos no mercado, com bancos e fundos de investimentos.

A partir de novembro, os títulos devidos às instituições financeiras começaram a atrasar. “Eles alegavam fornecimento contínuo, então todo mês havia liquidação dos títulos. Em dezembro, começou a surgir a inadimplência. Na sequência, os supostos devedores dos títulos [varejistas] começaram a informar que não tinham nenhuma pendência financeira. Ou seja, os títulos eram frios e não tinha ocorrido venda nenhuma”, afirma o advogado José Luis Dias da Silva, representante do Evolut Fundo de Investimentos em Direitos Creditórios, que negociava com o Grupo Dok.

Fonte: aqui

04 fevereiro 2023

Concentração na música

O mundo da música não é para qualquer um. Somente 33 artistas possuem mais de 50 milhões de ouvintes por mês. Isto não inclui The Beatles. The Weeknd (ok, confesso minha ignorância aqui), Taylor Swift e Ed Sheeran dominam. 

Bieber , possui 70 milhões de ouvintes, recentemente vendeu seu catálogo por 200 milhões de dólares. Mas a relação entre a posição do artista no ranking do Spotify e o seu valor não é absoluta: Bruce Springsteen, em destaque no gráfico e abaixo dos 20 milhões de ouvintes, vendeu sua obra, há dois anos, por 500 milhões. 

03 fevereiro 2023

Pandemia e Capital Humano

Qual o impacto da pandemia no capital humano? Eis uma possível resposta:

A pandemia do COVID-19 levou ao fechamento parcial ou total das escolas em quase todos os países do mundo. Em média, nos países da OCDE, os prédios escolares foram totalmente fechados por 13 semanas e parcialmente fechados por mais 24 semanas entre março de 2020 e outubro de 2021, o que combinado é equivalente a cerca de um ano letivo completo. As perdas de aprendizado decorrentes do fechamento da escola podem ser difíceis de compensar e, portanto, podem ter um impacto econômico a longo prazo nos alunos afetados, com possíveis conseqüências macroeconômicas duradouras (Ilzetzki 2020, Kuhn et al. 2020, Popova et al. 2020).

Figura 1 Duração do fechamento da escola entre março de 2020 e outubro de 2021

Exploramos uma nova medida do capital humano, derivada em Égert et al. (2022), que combina os anos médios de escolaridade (MYS) e os dados da OCDE do Programa de Avaliação Internacional de Estudantes (PISA). A nova medida é uma média ponderada pela coorte das pontuações anteriores do PISA (representando a qualidade da educação) da população em idade ativa e os anos médios correspondentes da escolaridade (representando a quantidade de educação). Os pesos para pontuações de PISA e anos médios de escolaridade são estimados a partir de regressões que consideram quão bem as variáveis ponderadas pela coorte explicam pontuações do Programa de Avaliação Internacional de Competências para Adultos (PIACC).

Com base nessa nova medida, podemos calcular separadamente o efeito da pandemia nas pontuações do PISA e nos anos médios de escolaridade (MYS) e alimentá-lo na medida de estoque do capital humano. Para cada coorte impactada, somamos os efeitos da pandemia nos resultados dos testes MYS e PISA para estimar o efeito geral no capital humano. Nós os calculamos usando as elasticidades do MYS e do PISA em relação ao capital humano, estimado em Égert et al. (2022). Em seguida, calculamos uma média ponderada da população do impacto de cada coorte afetada para fornecer o efeito global no capital humano.

A nova medida do capital humano mostra uma correlação robusta com a produtividade dos países da OCDE nas regressões do painel de séries temporais entre países. Isso nos ajuda a quantificar as perdas macroeconômicas devido ao fechamento de escolas, refletidas nas perdas nas pontuações do PISA e nos anos médios de escolaridade.

Usando essas estimativas, consideramos três cenários:

O efeito do fechamento das escolas na primavera de 2020 experimentado em muitos países da OCDE, que correspondiam aproximadamente a um terço do fechamento de um ano letivo. Esse período de fechamento se traduz em uma redução de -2,6% nos anos médios de escolaridade correspondendo a uma redução de 1,1% no Pontuações do PISA.

O efeito de um fechamento escolar de um ano, correspondendo amplamente ao fechamento total médio (total e parcial) de escolas observado nos países da OCDE desde o início da pandemia e, de acordo com uma primeira avaliação, à perda de aprendizado dos estudantes mais desfavorecidos dos EUA (Departamento de Educação dos EUA, 2022). Esse cenário se traduz em uma redução de -8,2% no MYS e uma queda de desvio padrão de -0,37 nas pontuações do PISA, correspondendo a uma redução de 2,9% nas pontuações do PISA.

O efeito de um fechamento escolar de dois anos, que ocorreu apenas raramente e amplamente correspondendo ao fechamento total (total e parcial) da escola na Colômbia, Chile, Coréia e México desde o início da pandemia, o que se traduz em uma redução de -16,5% no MYS e de 5,6% e -0,72 desvio padrão cai nas pontuações do PISA

Estimamos o impacto do fechamento da escola na produtividade por meio do efeito do capital humano nesses três cenários. (...)


Envolvimento das empresas de auditoria com a FTX é maior do que o anunciado

Francine McKenna informa que o envolvimento das empresas de auditoria com a ruína da FTX parece maior do que o anunciado inicialmente. 

Recapitulando: a FTX Trading era uma queridinha dos negócios, com seu principal empresário aparecendo na mídia e sendo badalado por políticos (exemplo, Bill Clinton e os Democratas) e outros. Recentemente descobriu que a empresa era uma grande fraude, com uma contabilidade bagunçada. Tendo sede em Bahamas, a empresa parecia que não seria punida por seus problemas. Mas o valor era muito alto para manter os reguladores passivos. 


As primeiras notícias apontavam um vínculo da FTX com duas empresas de auditoria: a Prager Metis e a Armanino. Depois, a Forbes indicou que a PwC e a Deloitte prestaram consultoria para a FTX. E agora, Mckenna mostra que a BDO e a EY também trabalharam para FTX, em diversos escritórios das empresas. 

Lembre-se de que a PwC audita a Tesla que se interessou em possuir ativos de criptografia, a EY audita o Block (Square), que registra mais receita na compra e venda de Bitcoin do que em seus dispositivos de pagamento e a KPMG audita a Microstrategy, que é essencialmente um fundo de hedge Bitcoin que a Deloitte aconselha.

A Deloitte também é a auditor externa registrada da Coinbase, a bolsa pública, corretora, banco pseudo-não regulamentado, custodiante e empresa que possui dois corretores registrados na SEC.

Foto: SUNBEAM PHOTOGRAPHY

Rir é o melhor remédio

Desinformação como arma
 

02 fevereiro 2023

Não recomendo ser um contador pois ...

Qual trabalho é realmente ruim? A pergunta, feita para leitores de um site, pediu aos leitores informaram, com detalhes, as razões que não recomendam sua profissão para outras pessoas. Contava a honestidade aqui. Entre as várias respostas, eis uma que interessa:



Contabilista/Auditor.

É mentalmente cansativo. As pessoas são [***] sensíveis e esquisitas quando se trata de dinheiro. Tenho de pedir informações bastante padronizadas, o que faz com que alguns clientes fiquem muito defensivos. Não estou a questionar a qualidade do vosso trabalho, calma.

As pessoas também não compreendem a importância de pequenas coisas como guardar recibos/faturas. É raro encontrar empresários que estejam organizados e que saibam alguma coisa sobre contabilidade.

Eu ajudei no trabalho de retaguarda de fazer declarações de impostos e surpreende-me que haja pessoas que fazem impostos há mais de 20 anos e, no entanto, ainda temos que pedir a mesma informação todos os anos. Eu sou o tipo de pessoa que depois de 2-3 tentativas, simplesmente [***].

Também é engraçado como há o ditado "se não queres lidar com as pessoas, seja um contabilista"! Grande não. Não só se tem de obter informação das pessoas, como se fala de dinheiro com elas e, como disse antes, é sempre uma questão sensível.

Naturalmente é uma visão pessoal, de uma outra cultura. Mas acho que faz muito sentido. 

Foto: Scott Graham

Visão atual da IFRS pelo seu presidente

O presidente do Iasb, Andreas Barckow, fez um discurso em uma conferência na SEC. Diversos pontos foram tratados e o site do Glenif apresentou um resumo, em espanhol, da palestra. A seguir, um resumo:

Convergencia USGaap / IFRS

En el corazón del Acuerdo de Norwalk del IASB y el FASB había una promesa: “hacer sus mejores esfuerzos para (a) que sus estándares de información financiera sean totalmente compatibles tan pronto como sea posible y (b) coordinar sus programas de trabajo futuros. para garantizar que, una vez lograda, se mantenga la compatibilidad”. 

Esto se refiere a la compatibilidad de estándares, y al mantenimiento de la compatibilidad lograda. 

En lo primero se logró mucho. Hemos convergido, o sustancialmente convergido, en combinaciones de negocios, consolidaciones, medición del valor razonable, arrendamientos, reconocimiento de ingresos, información por segmentos, etc. Y hay áreas en las que no se pudo lograr una compatibilidad total: instrumentos financieros y contratos de seguro.

El camino a seguir

La convergencia es importante para nosotros, a pesar de que el programa formal de convergencia ha concluido. 

A lo largo de los años, nuestro enfoque ha pasado del desarrollo conjunto de soluciones a mantener convergentes los estándares convergentes. Espero que todos estén de acuerdo en el gran beneficio que esto trae a los mercados de capitales globales.

Prioridades del IASB para los próximos cinco años

De aproximadamente 70 sugerencias para nuevos proyectos, redujimos a 7. De los 7 seleccionamos 3 para agregar a nuestra agenda: activos intangibles, estado de flujos de efectivo y riesgos relacionados con el clima en la información financiera.

La norma de activos intangibles tiene más de 20 años y fue escrito con un objetivo diferente en mente. Los modelos comerciales han evolucionado considerablemente y, en muchos sectores, los inversores tienen poca o ninguna idea de lo que impulsa el valor de esas empresas. Habrá áreas en las que la colaboración con ISSB será esencial al pensar en el capital intelectual de manera más amplia.

Nuestra norma sobre el estado de flujos de efectivo, aunque converge con la del FASB, también necesitará una revisión. Está faltando información sobre transacciones que no son en efectivo (las que surgen de los acuerdos de financiación de proveedores). El diseño no parece útil para muchas instituciones financieras.  

El tercer proyecto estará dedicado a los riesgos relacionados con el clima en los estados financieros. A diferencia de los dos proyectos anteriores, este no será un proyecto completo sobre el clima, ya que el ISSB está mejor posicionado para abordarlo.  Queremos revisar si los requisitos del S2 final se vinculan claramente con nuestros requisitos generales de informes de la NIC 1, o si se justifica alguna aclaración para complementar el material educativo ya existente sobre el riesgo climático.

Criptomonedas

Hemos tenido esta área bajo vigilancia durante un par de años y estaba en la lista de 7 finalistas para su consideración final. Pero, se quedó corto en dos criterios: (a) ¿existe una brecha en la literatura y los inversores no obtienen la información que necesitan, y (b) es el problema significativo y frecuente en todo el mundo, jurisdicciones e industrias?

En relación con a) en 2018/19 se solicitó al Comité de Interpretaciones que emitiera una opinión sobre el tratamiento contable de las criptomonedas. Llegaron a la conclusión de que las criptomonedas deben contabilizarse como un activo intangible al costo, con la opción de medir a valor razonable si el artículo se negocia en un mercado líquido, o como inventario a valor razonable, para los corredores de bolsa. Entonces, aunque no existe un estándar específico sobre criptos bajo las NIIF, nuestra literatura existente proporciona un tratamiento contable.

En relación con b) en esta etapa, hay poca evidencia de que la contabilidad de las criptomonedas sea de importancia global o prevalencia para las empresas que informan bajo las NIIF, Por ello, el tema no se agregó a nuestro plan de trabajo por ahora. 

Relatórios ficam cada vez mais longos

Do site da Croner-i, Reino Unido:

O tamanho dos relatórios anuais das empresas cotadas aumentou em 46% em apenas cinco anos devido ao aumento das exigências de relatórios e comentários repetitivos. 


O relatório anual médio acrescentou 5.800 palavras e quase oito páginas por ano, excedendo a duração de muitos romances, encontrou uma pesquisa da Quoted Companies Alliance (QCA).

Com 147.000 palavras ou 237 páginas, o relatório anual médio FTSE 100 é mais longo do que os romances épicos, tais como A Tale of Two Cities e One Hundred Years of Solitude (Um Conto de Duas Cidades e Cem Anos de Solidão). Estes relatórios anuais estão a crescer em 8.400 palavras ou quase nove páginas por ano.

Uma série de novos requisitos de relatórios em áreas tais como remuneração e assuntos ambientais, sociais e de governação (ESG), significa que os preparadores de empresas estão lutando para manter o tamanho dos relatórios anuais sob controle.


A QCA solicita uma revisão urgente das atuais exigências de relatórios e uma melhor orientação para que as empresas possam poupar tempo e dinheiro, ao mesmo tempo que fazem divulgações adequadas aos investidores e à comunidade mais vasta de partes interessadas.

James Ashton, chefe executivo da QCA, afirmou: "A transparência é vital para as empresas de capital aberto; é o que dá aos investidores confiança para investir, mas mais divulgação não significa melhor divulgação. O Reino Unido deve ser capaz de fazer crescer as empresas sem aumentar também os relatórios anuais.

Foto: Anastasia Zhenina e Michael Dziedzic

A Energia Solar vale a pena?

Um artigo sobre energia solar alerta para necessidade de calcular o custo do insumo de forma completa. Isto pode ajudar o contribuinte de cada local, mas também o próprio consumidor e o governo. O artigo foi escrito para o estado do Mississípi, mas o cerne da análise é válido para qualquer situação. Eis alguns trechos (traduzido via Vivaldi): 

Os moradores do Mississippi são constantemente informados de que fontes de energia renovável, como painéis solares, são agora as maneiras mais baixas de gerar eletricidade, mas essas afirmações são baseadas em truques contábeis criativos que examinam apenas uma pequena parte das despesas incorridas para integrar a energia solar na rede excluindo muitos outros.

Quando essas despesas ocultas são contabilizadas, fica óbvio que a energia solar é muito mais cara que as usinas de carvão, gás natural e nuclear do Mississippi e que adicionar mais energia solar aumentará os preços da eletricidade para as famílias e empresas que dependem dela. Uma das maneiras mais comuns de estimar o custo de geração de eletricidade a partir de diferentes tipos de usinas é uma métrica chamada Custo nivelado de energia, ou Levelized Cost of Energy (LCOE)

O LCOE é uma estimativa do custo médio de longo prazo da produção de eletricidade a partir de uma usina. Esses valores são estimados assumindo os custos da usina, como o dinheiro necessário para construí-la e operá-la, os custos de combustível e o custo para emprestar dinheiro e dividindo-os pela quantidade de eletricidade gerada pela usina (geralmente megawatt-hora), durante sua vida útil.

Em outras palavras, as estimativas do LCOE são essencialmente como calcular o custo do seu carro em uma base de milha após contabilizar despesas como investimento inicial de capital, pagamentos de empréstimos e seguros, custos de combustível e manutenção.

(...) a eletricidade gerada por novos painéis solares custaria US $ 50,67 por megawatt-hora ao considerar o fato de que as concessionárias podem aumentar os preços da eletricidade para cobrir o custo de construção de novas instalações solares que recebam aprovação da Comissão de Serviço Público do Mississippi, mais uma taxa de retorno de dez por cento, mostrada como "lucro".

Essas estimativas de custo são, devo salientar, para o custo não subsidiado da energia solar - o que você pode chamar de custo real ou subjacente de produzi-lo. Isso importa porque a enorme lei de redução de inflação de US $ 370 bilhões do governo Biden oferece subsídios maciços para a energia solar, que na superfície parecem reduzir o custo da energia solar. Na realidade, o que os subsídios do IRA fazem é reduzir o custo pago por alguns, repassando os custos ao contribuinte. O subsídio, em outras palavras, não altera os custos subjacentes da energia solar, que permanecem pouco atraentes, independentemente de quantos incentivos o governo federal nos oferece para irmos à energia solar.

(...) Mas espere, há mais.

Os painéis solares não são apenas mais caros do que as usinas de gás natural, carvão e nuclear existentes na rede elétrica do Mississippi, mas também fornecem menos valor porque não fornecem eletricidade se o sol não estiver brilhando, o que é na maioria das vezes. .

Estatísticas da EIA mostram que as instalações solares no Mississípi geraram apenas cerca de 22% de sua produção potencial em 2021, o que significa que as empresas de serviços públicos precisariam instalar 450 megawatts (MW) de energia solar para gerar 100 MW de eletricidade, em média, ao longo de um ano, exigindo uma enorme capacidade de excesso para obter a mesma produção anual de energia.

Criar uma rede elétrica capaz de incorporar todos esses painéis solares extras exigirá levar milhares de acres de terra, construir mais linhas de transmissão para conectar esses painéis à rede e mover a energia para onde é necessária. Esses custos, incluindo os impostos sobre a propriedade associados à terra, às linhas e aos outros equipamentos, serão repassados aos clientes através de suas tarifas de eletricidade.


De acordo com o Operador de sistemas independentes do meio-continente (MISO), essas linhas de transmissão custam rotineiramente entre US $ 2,5 milhões e US $ 3,1 milhões por milha. Apesar de seu enorme preço, os defensores da energia solar geralmente não incluem esses custos de transmissão em seus cálculos de LCOE porque são inconvenientes.

Por fim, é importante lembrar que não importa quantos painéis solares estejam instalados no Mississípi, as necessidades de eletricidade do estado ainda exigirão o uso de usinas de gás natural ou novas e caras instalações de armazenamento de baterias para fornecer eletricidade quando o sol não estiver brilhando, o que acontece toda noite. Como resultado, as famílias e empresas do Mississípi são forçadas a pagar por dois sistemas elétricos: um que funciona quando o sol está saindo e outro que funciona quando não está. (...)

O texto possui, obviamente, um viés, mas alerta para necessidade de decidir baseado em dados. No caso, dados de custos. Há diversos aspectos não considerados na análise, como a existência de um custo político pela dependência energética (favorável à energia solar), o custo de oportunidade da terra (desfavorável), entre outros pontos. Mas veja como é importante discutir com dados

Rir é o melhor remédio

 

Contabilidade e o tipo de empresa

01 fevereiro 2023

Johnson e Johnson perde no tribunal a estratégia para evitar passivo de bilhões

A conhecida empresa Johnson e Johnson adotou uma estratégia marota para evitar um passivo de bilhões de dólares. Conforme postamos em outubro de 2022:

Mas desde 1971 já existe uma desconfiança que os elementos usados na produção do [seu] talco [para bebês], por conter amianto, pode ser cancerígeno. A empresa sempre insistiu que seu produto era seguro para o público externo, embora internamente os cientistas sabiam que isto não seria verdade. 

Mas as evidências levaram um grande número de consumidores a processarem a empresa. Diante de um potencial passivo, de grandes proporções, a empresa usou o mecanismo de falência. Isto é maquiavélico, mas interessante. 

Diante das provas existentes que o talco da empresa poderia provocar câncer, a empresa criou uma subsidiária, denominado LTL (uma sigla para algo como "Lítigio do Legado do Talco"). Esta empresa absorveu todo o passivo judicial relacionado com o talco. Mais ainda, a empresa escolheu, de forma criteriosa, uma sede onde o processo judicial fosse favorável, no caso a Carolina do Norte. Logo a seguir, a empresa entrou com um pedido de falência. Por conta deste fato, as 40 mil ações judiciais - é este o número listado na New Yorker, mas a Wikipedia indica 26 mil - estão sob a decisão de um juiz somente, o responsável pelo processo de falência. 

Na segunda, dia 30 de janeiro, um tribunal da Filadélfia rejeitou a estratégia. A empresa já informou que irá apelar da decisão, pois considera que os produtos da empresa são seguros e não provocam câncer. Mas levanta dúvida sobre a estratégia de falência planejada da empresa para sumir com os litígios do balanço. 


Um especialista em direito da Universidade de Richmond disse ao jornal que a J&J agora terá que apelar para a Suprema Corte dos EUA. "A única perspectiva que resta para J&J é um apelo à Suprema Corte", disse Carl Tobias, "que concede revisão em uma porcentagem minúscula de recursos."

Um júri no Missouri ordenou a empresa, com sede em Nova Jersey, o pagamento de cerca de US $ 4,7 bilhões em danos a dezenas de mulheres que afirmaram que seu câncer foi causado pelos produtos de talco da empresa. A empresa apelou para reduzir o pagamento pela metade, mas ainda pagou mais de US $ 2 bilhões em danos.


Mais de 1.500 ações judiciais foram julgadas sem que a J&J tivesse que pagar nada, e a maioria dos casos que foram a julgamento resultou em vereditos de defesa, julgamentos ou julgamentos para a empresa em apelação, de acordo com os processos judiciais da subsidiária da J&J.

Problemas contábeis no clube Juventus, Parte 3

Anteriormente, postamos (aqui e aqui) sobre a contabilidade da equipe de futebol Juventus, da Itália. Um dos times mais tradicionais do mundo, a Juventus teve que lidar com acusações sobre sua contabilidade criativa


Agora, no final de janeiro, a federação de futebol da Itália penalizou a equipe com perda de 15 pontos na classificação do campeonato italiano. Sendo uma entidade com ações no mercado, o preço dos títulos registraram uma redução de 13% após o comunicado. 

Com a perda dos pontos, dificilmente a Juventus irá se classificar para disputar a rentável Liga dos Campeões: a equipe está em 13o. lugar, com 23 pontos, distante 15 pontos do quarto colocado. A equipe negou irregularidade e pretende apelar. Há alguma chance, já que a promotoria pediu a perda de nove pontos somente

O ocorrido com a Juventus pode trazer alterações na contabilidade de equipes de futebol. 

Lista de credores da FTX

A divulgação da lista dos credores da empresa FTX, divulgada há alguns dias, mostra como a empresa era influente para diversas organizações. No final do ano passado, a FTX reconheceu sua incapacidade de continuar operando com a criptografia. 


A lista tem nomes como Coinbase, Binance, New York Times, Wall Street Journal, Fortune, Netflix, Peloton, Universidade de Stanford em mais de 100 páginas. Isto irá, naturalmente, dificultar o processo de falência, já que existem muitos interesses envolvidos. 

Quando uma pessoa sem graça pode trazer prejuízo para os acionistas

Da Bloomberg (via Boing-Boing)

Se Elon Musk tem uma falha trágica não é seu temperamento, ou o tratamento dado aos subordinados, ou sua recusa em seguir leis de valores mobiliários. A falha trágica de Musk é sua incapacidade de aceitar que ele é extremamente e dolorosamente sem graça.


A aquisição do Twitter quebrou o feitiço de duas maneiras. Primeiro, Musk, que se apaixonou por consumidores de esquerda durante a ascensão de Tesla, tornou impossível ignorar que ele havia entrado em alguns dos cantos mais venenosos da extrema direita. Ele respondeu ao ataque ao marido da ex-presidente da Câmara, Nancy Pelosi, Paul, twittando uma teoria da conspiração. (Mais tarde, ele excluiu o tweet.) Ele restaurou o relato do rapper anti-semita Ye (embora mais tarde o tenha banido), misturou-o com um meme de direita conhecido como Catturd2 e sinalizou transfobia e negação de Covid com este tweet: "Meus pronomes são processar / Fauci ." Sobre o Martin Luther King Jr. no fim de semana de férias, ele twittou, e depois excluiu, um meme juvenil que parecia comprar uma teoria da conspiração anti-semita sobre o bilionário George Soros.

"Ele usa o Twitter da mesma maneira que o avô de temperamento curto de todos usa o Facebook", disse Cayle Hunter, gerente de vendas e entregas da Tesla em 2018 Bloomberg "Ele está muito errado e se recusa a se desculpar.".

Custo da Guerra

Measuring the economic impact of a war is a daunting task. Common indicators like casualties, infrastructure damages, and gross domestic product effects provide useful benchmarks, but they fail to capture the complex welfare effects of wars. This paper proposes a new method to estimate the welfare impact of conflicts and remedy common data constraints in conflict-affected environments. The method first estimates how agents regard spatial welfare differentials by voting with their feet, using pre-conflict data. Then, it infers a lower-bound estimate for the conflict-driven welfare shock from partially observed post-conflict migration patterns. A case study of the conflict in Eastern Ukraine between 2014 and 2019 shows a large lower-bound welfare loss for Donetsk residents equivalent to between 7.3 and 24.8 percent of life-time income depending on agents’ time preferences. 


Fonte: aqui

Rir é o melhor remédio

 

Vamos reduzir a emissão de carbono

31 janeiro 2023

Adani responde ao relatório da Hindenburg

Recentemente a empresa Hindenburg Research publicou um longo documento levantando dúvidas sobre as empresas do Grupo Adani. Este grupo é de controle de Gautam Adani, um dos homens mais ricos do mundo. A extensa pesquisa da Hindenburg mostra que há sérios problemas no reino Adani. 

No domingo, Adani publicou uma resposta para os problemas que foram considerados, tentando acalmar investidores. Segundo a resposta, 65 das 88 questões levantadas já tinham sido respondidas nos relatórios públicos.  


Uma estratégia do empresário foi dar uma conotação nacionalista para resposta, afirmando que as acusações correspondem a um ataque a Índia. Adani é próximo do atual primeiro-ministro Modi e tem negócios ligados com o político. 

"Este não é apenas um ataque injustificado a qualquer empresa específica, mas um ataque calculado à Índia, a independência, integridade e qualidade das instituições indianas e a história de crescimento e ambição da Índia", disse Adani em resposta.

A empresa Hindenburg afirmou, no entanto, que a resposta não foi adequada para a maioria das questões. Uma das observações do relato é o fato da Adani Enterprises ter tido cinco CFO em oito anos, o que seria estranho para uma empresa normal. E outra é sobre a auditoria, realizada por empresas "pequenas", a la Madoff, A resposta da empresa indiano foi que:

os auditores foram "devidamente certificados e qualificados pelos órgãos estatutários relevantes" e foram "nomeados em conformidade com as leis aplicáveis"; "existem mais de 35 empresas de revisores oficiais de contas que auditam as várias entidades da Adani Enterprises, incluindo uma mistura de Big 6."

Formas criativas de colar em uma prova

Criatividade na cola é isto








E para terminar: 



Antigo Auditor do Vaticano processo seu antigo patrão

Notícia do dia 23, mas interessante:

O ex-auditor geral do Vaticano Libero Milone e o seu vice Ferruccio Panicco, demitidos em 2017, vão pedir uma indenização de 9,3 milhões de euros à Santa Sé, num julgamento que começa esta quarta-feira.


A primeira audiência do processo iniciado pelos ex-auditores das finanças será na tarde do dia 25, no Tribunal Estadual da Cidade do Vaticano.

Libero Milone, com ampla experiência no campo financeiro, tinha sido nomeado em maio de 2015 pelo papa Francisco como o primeiro revisor das contas da Santa Sé, com o objetivo de supervisionar as finanças e dar-lhes maior transparência.

Em junho de 2017, o Vaticano decidiu demitir Milone e o seu colaborador Panicco, alegando que extrapolaram os seus deveres ao investigarem ilegalmente a vida privada dos seus superiores no estado papal.

Os dois ex-auditores pedem uma indenização de 9.278.000 euros por danos sofridos, à Secretaria de Estado do Vaticano, dirigida pelo cardeal Pietro Parolín, e ao escritório do Auditor Geral.

O Vaticano investiga Milone desde a primavera de 2022 por peculato.

Nesta guerra judicial, Milone e Panicco sustentam que foram obrigados a renunciar e instauraram esta ação com a intenção de "esclarecer o ocorrido e obter uma justa indemnização pelos danos sofridos", segundo declararam à imprensa.

Os dois acusam o então substituto da Secretaria de Estado, o cardeal Angelo Becciu, de os ter afastado do cargo, depois de terem descoberto ilegalidades nas finanças do Vaticano.

Becciu é o principal arguido noutro processo no Vaticano que investiga alegadas irregularidades e a venda fraudulenta de um prédio em Londres, com outras nove pessoas, entre empresários e administradores da Santa Sé.

Fonte: aqui. Anteriormente no blog aqui

Efeitos de um programa de ajuda: caso da Espanha

3 de julho, 2007, o presidente do governo, José Luis Rodríguez Zapatero, anunciou na sede parlamentar e, de surpresa, que daria 2.500 euros a cada mãe espanhola ou estrangeira com dois ou mais anos de residência no país, para cada criança que teve em 1o de julho, isto é, dois dias antes do anúncio. Um anúncio retroativo é um benefício para os economistas, permitindo comparar de maneira limpa os beneficiários e os não beneficiários, dividindo-os de acordo com o nascimento antes ou depois de julho de 2007, pois a data é essencialmente uma loteria.


O cheque do bebê aumentou a taxa de natalidade? Embora em um momento de relativa prosperidade a taxa de fertilidade tenha aumentado, o subsídio causou um aumento de nascimentos e uma diminuição no aborto. Mas a crise financeira ocorreu depois de um ano e fez com que a taxa de natalidade diminuísse novamente, apesar do subsídio. Finalmente, a complicada situação das finanças públicas terminou com o pagamento

[Será que] o subsídio de nascimento teve algum impacto na aquisição de competências linguísticas e matemáticas básicas pelos estudantes afetados no final da sexta série na Catalunha, no final desta etapa educacional em 2019 [?].

(...) Os efeitos dos programas de ajuda reaparece depois de alguns anos na forma de melhorias em outras áreas. 

Leia o texto integral aqui

[Acho que em alguns anos poderemos ter estudos similares com a geração pandêmica. Inclusive na área de educação e o efeito sobre a qualidade educacional] 

[A pesquisa tem vários estudos mostrando que esta sorte ou azar influencia o futuro das pessoas]

Rir é o melhor remédio

 

Imposto de renda chegando e ...

30 janeiro 2023

Velma: o pior programa da televisão

 Os números contam, de forma resumida, a reação do público ao desenho Velma. O desenho adulto tem a pretensão de contar o início da detetive que faz parte do desenho infantil Scooby Doo. Atualmente, a nota média do IMDB é de 1,3. O desenho conseguiu a proeza de bater o Dragonball Evolution (nota 2,5). E agora está empatado com A Guerra das Comidas.

Sua nota no Rotten também é muito ruim. Eu tentei assistir e entendo a revolta daqueles que perderam seu tempo também. Aos curiosos, está na HBO Max. 

Recomendado para seu maior inimigo. 

Lições do ex-executivo das Americanas.

Quando surgiram as primeiras notícias dos problemas da Americanas existia uma grande estranheza no mercado. Nos últimos dias este blog dedicou pouco tempo em comentar o assunto. Mas em uma postagem escrevemos o seguinte:

Sérgio Rial (e Andre Covre) – este talvez seja o personagem mais interessante do enredo. Vindo do Santander, onde comandou a importante instituição financeira durante anos, Rial foi contratado para  melhorar a empresa. Por sua rede de contatos e ter origem bancária, é possível que Rial já conhecesse o problema da empresa, antes de 2023. Em alguns textos, Rial aparece como alguém que “descobriu” as inconsistências com alguns dias no cargo. Mas eu desconfio seriamente se realmente foi uma descoberta ou se Rial talvez só tenha percebido a dimensão do problema quando assumiu o cargo. Durante a conferência, na qual a notícia chegou ao público, Rial usou a terminologia “inconsistência”, mas comentou que era “não material”. Mas um valor de R$20 bilhões de inconsistência, mesmo em uma empresa do porte das Americanas, é certamente material. 

O primeiro parágrafo é realmente uma especulação sobre o comportamento do executivo. É interessante lembrar que a empresa já teve, há dez anos, uma solicitação de falência. E que anos antes, um fornecedor entrou na justiça contra a empresa por uma dívida de 300 reais. Este é o histórico da empresa. 

Um texto da Exame mostra o lado de Rial. Eis alguns trechos:

A saída, segundo ele, veio do entendimento da necessidade de abrir espaço para que a empresa pudesse se reestruturar de um ponto de partida que fosse diferente. "É preciso saber o momento de se posicionar dentro de um novo contexto que se apresenta. Foi o que fiz, sem me descomprometer em ajudar no que estivesse ao meu alcance."

A descoberta dos problemas no balanço, feita após entrevistas com executivos remanescente, mudou, no entanto, as perspectivas. "Nessas conversas, informações e dúvidas foram compartilhadas e com o natural aprofundamento para entendê-las e dar-lhes direcionamentos conjuntamente com o novo CFO, Andre Covre, chegamos ao quadro do fato relevante com transparência e fidedignidade! Quaisquer especulações ou teorias distintas disso são leviandades. Eu jamais transigiria com a minha biografia."

Bom, aqui Rial indica que descobriu o tamanho do problema após assumir o cargo. E que qualquer versão diferente seria especulação ou leviandades. Bom, acho que a análise que fizemos enquadra-se parcialmente neste ponto. Mas se ele descobriu o tamanho do problema, qual o sentido de usar o termo "não material"? 


E aí temos uma continuação do texto que escrevemos:

Após o anúncio, Rial deixou a empresa e foi trabalhar na 3G. Isto é muito estranho para quem está olhando o que ocorreu nos últimos dias. Afinal, a 3G é a principal acionista da empresa e Rial foi o “responsável” por uma grande perda. 

Agora parece existir uma queda de braço entre a 3G e os bancos, de onde Rial é proveniente. Veja então a continuação do texto da Exame:

A conclusão do diagnóstico inicial levou à necessidade correção de rota, observa. Segundo Rial, o cenário desenhado e a mudança de caminho contaram com "apoio incondicional" do Conselho de Administração da companhia e dos acionistas de referência, os sócios da 3G: Jorge Paulo Lemann, Carlos Alberto Sicupira e Marcel Telles. "Aqui, minha segunda reflexão: ser líder não é ser corajoso, mas ser responsável e ético; não é ser herói ou heroína, mas ter a resiliência para defender a verdade e fazer o que é certo", escreve Rial.

Conceito de sustentabilidade, segundo o ISSB

A Fundação Internacional de Normas de Informação Financeira (IFRS Foundation), através do seu Conselho Internacional de Normas de Sustentabilidade (ISSB, sigla em inglês), redefiniu o conceito de sustentabilidade de forma a adaptar-se ao novo quadro de reporting de matérias ambientais, sociais e de governação (ESG).

O objetivo é harmonizar conceitos e "evoluir do atual cenário fragmentado de divulgação do ESG, que carece de conectividade e tem conceitos contraditórios, para uma linguagem verdadeiramente global comum de divulgação financeira relacionada com a sustentabilidade", explica a IFRS Foundation em comunicado.

De forma a articular a relação entre as questões de sustentabilidade e a criação de valor financeiro, o ISSB defende que uma empresa sustentável deve fornecer valor aos seus investidores, ligar-se às partes interessadas com quem trabalha, servir a sociedade em que opera e defender os recursos naturais que utiliza.

Assim, a sustentabilidade será descrita na Norma Geral de Divulgação de Informações Relacionadas com a Sustentabilidade, do ISSB, como "a capacidade de uma empresa manter de forma sustentável recursos e relações e gerir as suas dependências e impactos dentro de todo o seu ecossistema empresarial, a curto, médio e longo prazo. A sustentabilidade é uma condição para uma empresa aceder ao longo do tempo aos recursos e relações necessárias, tais como financeiras, humanas e naturais, assegurando a sua adequada preservação, desenvolvimento e regeneração, para atingir os seus objetivos".


Para Sofia Santos, CEO da consultora Systemic, o conceito de sustentabilidade defendido pelo ISSB "vem confirmar a importância da dupla materialidade que está no âmago da diretiva de reporte de sustentabilidade recentemente aprovada a nível europeu. Também está alinhada com a TCFD [taskforce para divulgações financeiras relacionadas com o clima] e TNFD [taskforce sobre divulgações financeiras relacionadas com a natureza], ao defender que a empresa depende dos vários recursos, e, como tal, é necessário saber geri-los a médio e longo prazo".

Para além disso, Sofia Santos afirma que o conceito agora divulgado "confirma a teoria dos stakeholders defendida por Edward Freeman, em 1984, ao afirmar que a criação de valor depende da forma como a empresa interage com os stakeholders, e vai ao encontro da Teoria da Gestão Humanista, ao admitir que a empresa serve a sociedade e a comunidade em que opera. Trata-se assim de uma definição completa e inclusiva e bastante exigente para a governance das empresas".

A descrição destina-se a fornecer um contexto para as empresas que aplicam as novas normas de reporting ESG e que fazem avaliações de materialidade.

Recorde-se que o ISSB foi criado, dentro da IFRS Foundation, para alterar o atual cenário fragmentado de divulgação de ESG para uma linguagem global comum e consistente de divulgação de informações financeiras relacionadas com a sustentabilidade.

Fonte: Aqui