Translate

04 junho 2020

Chefia e Zoom

Stela Campos, em sua coluna no Valor Econômico, lembra um aspecto negativo do trabalho nos dias de pandemia: a dificuldade da comunicação virtual com os chefes. A falta do contato pessoal, do “olho no olho”, torna mais difícil a comunicação e suas sutilezas. E isto é agravado por problemas de imagem, onde a tela pequena faz com que a câmera não focalize da expressão corporal. Além disto, segundo Campos, nas reuniões por vídeo as pessoas querem não passar desapercebido e por isto tentam “falar mais do que o normal, e assim vão passando um por cima do outro.”

Observar o movimento do corpo e as ações involuntárias durante uma conversa pode revelar muito sobre o nosso humor, atenção e até o desinteresse pelo que o outro está dizendo. Nesse novo mundo em que aparecemos na tela da cintura para cima, o pé de chinelo batendo nervoso e entediado embaixo da mesa, infelizmente, fica escondido.

É interessante que no mundo pós-pandemia, talvez seja comum as pessoas usarem máscaras. Isto irá esconder uma parte importante do corpo, a boca, que pode dar pistas sobre os sentimentos alheios.

(Sobre isto, lembrei de um professor que quando não gosta de uma apresentação, costuma balançar os pés. Isto já é um aviso que não está agradando. No meu caso, segundo uma ex-orientanda, meus trejeitos irão continuar aparecendo: olhar para o teto, olhar sob os óculos e pegar algo para fazer é perceptível em uma câmera de Skype.)

Campos, Stella. Chefes Indecifráveis ficam mais difíceis nas videoconferências. Valor 1 de junho, B2

Conselhos nas empresas


A discussão é relevante uma vez que conselheiros de empresas precisam dedicar horas de sua jornada para cumprir o seu papel de forma adequada. Temas como a ingerência dos conselhos em questões da administração e a necessidade de que os conselheiros olhem mais para a frente do que para trás ganharam ainda mais relevância nesta pandemia. Isso porque os conselhos estão sendo chamados a atuar na crise e os conselheiros a pensar o mundo pós-covid-19. A pesquisa foi realizada antes da pandemia, entre outubro de 2019 e janeiro de 2020, mas traz resultados que poderão ser novamente abordados depois da crise. “Fizemos a pesquisa no pré-pandemia e, a partir de agora, poderemos medir o que mudou. Podemos repeti-la mais adiante”, disse Sandra Guerra, sócia-diretora da Better Governance e uma das referências em temas de governança no Brasil. Ela foi co-fundadora do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), instituição em que ocupou o cargo de presidente do conselho entre 2012 e 2016. Hoje Sandra é conselheira da Vale.

Via aqui

Rir é o melhor remédio

Quem não tem o Nobel?