Translate

22 outubro 2021

Links


Gasb - entidade que regula a contabilidade dos Estados Unidos - está mudando o nome de relatório por que o acrônimo é racista para os negros da África do Sul. Já tínhamos postado sobre isto no blog, mas o caso é tão "estranho" que vale o link. 

Com receita de 1,5 bi em libras, a Netflix do Reino Unido está pagando 4 milhões de impostos

Fotografias do Siena Awards Winners (Rodrigo Cabrita, acima)

Islândia pode ser um continente, não uma ilha

As casas abandonadas do Instagram

Auditoria no Reino Unido


O Reino Unido, que prometia mudar o setor de auditoria global, parece estar reconhecendo a dificuldade da tarefa. Eis um relato resumido:

O setor de auditoria do Reino Unido está enfrentando uma revisão estrutural após anos de baixo desempenho e o fracasso de grandes empresas como BHS e Carillion. Uma consulta de 16 semanas realizada pelo governo considerou forçar os clientes das grandes quatro empresas da FTSE350  a usar contadores de nível médio.

O uso de limites de participação de mercado nos quatro grandes foi proposto para melhorar a concorrência.

No entanto, em uma conferência virtual realizada pelo ICAEW nesta semana, o executivo-chefe da FRC, Sir Jon Thompson, questionou a probabilidade de o governo fazer essas mudanças drásticas.

Rir é o melhor remédio

 

A volta da correção integral

21 outubro 2021

Futebol e Covid

Dois artigos mostraram o efeito da pandemia sobre o futebol. O primeiro (via aqui, que faz uma crítica ao gráfico usado pelos autores) afirma que o fator torcida é relevante:

Ao longo do tempo, o time de casa vence a maioria das partidas. Mas na última temporada ocorreu uma inversão.

O segundo texto (via aqui) mostra que o desempenho de jogadores de futebol após terem Covid foi pior do que antes. 

Como prejudicar pesquisas científicas


De uma pergunta do QuoraO que pode afetar milhares de pesquisas científicas? (Rodrigo Faustino)

"Bem-vindos aos side hustles que eu recomendo tentar", disse ela nos primeiros segundos, sentada em seu quarto e sorrindo para a câmera. Em inglês, "side hustles" significa alguma atividade rentável para conseguir aquela grana extra.

Uma das dicas de Frank em seu vídeo de 56 segundos foi para utilizar o site Online participant recruitment for surveys and market research, onde usuários respondem pesquisas e recebem uma quantia em dinheiro em troca.

A ferramenta é essencial para cientistas que conduzem pesquisas comportamentais e revolucionou vários campos de pesquisa após seu lançamento.

“Esse é um empreendimento que exige muito tempo e mão-de-obra. A pesquisa online torna tudo muito mais fácil.

Você programa uma pesquisa, a coloca online e, em um dia, tem 1.000 respostas. Isso mudou as ciências sociais", disse Nicholas Hall, diretor do Behavioral Lab da Stanford School of Business.

O que Frank não esperava é que seu vídeo iria acumular 4,1 milhões de visualizações no mês seguinte a publicação.

O site, que não contava com ferramenta de triagem, de repente recebeu uma enxurrada de usuários mulheres, dos Estados Unidos e em torno da idade da jovem de 18 anos.

Para os pesquisadores, a mudança repentina da demografia da plataforma gerou confusão — e ameaçou a reputação do Prolific, que é um dos maiores sites para pesquisas do tipo.

“Notamos um grande salto no número de participantes na plataforma dos EUA, de 40 mil para 80 mil. O que é ótimo, no entanto, agora muitos de nossos estudos têm uma distorção de gênero, em que talvez 85% dos participantes são mulheres. Além disso, a média de idade está em torno de 21", escreveu um membro do Stanford Behavioral Laboratory em um fórum do Prolific.

De acordo com o site The Verge, a psicóloga Hannah Schecter foi a primeira a desvendar o mistério. "Dado o momento, a viralidade do vídeo e os dados demográficos dos seguidores do usuário...", ela publicou em sua conta no Twitter com um link ao vídeo de Frank.

Cerca de 4.600 estudos foram interrompidos por conta do TikTok de Frank, aproximadamente 1/3 das pesquisas ativas na plataforma na época do vídeo. Destes, a grande maioria deve ser recuperável, de acordo com Phelim Bradley, cofundador e CTO da Prolific.

“Antes do Tiktok, cerca de 50% das respostas em nossa plataforma vinham de mulheres”, disse Bradley ao The Verge. “O aumento atingiu 75% por alguns dias, mas, desde então, esse número tem diminuído, e atualmente estamos de volta a cerca de 60% das respostas sendo de mulheres”.

Um mês depois do vídeo de Frank, a Prolific reembolsou pesquisadores que foram afetados pela onda de respostas e introduziu uma nova ferramenta de triagem demográfica.

Destruição agregando valor

Recentemente o artista Banksy começou a destruir um mural "Girl with Ballon" durante uma leilão da obra. A obra, parcialmente destruída em outubro de 2018, ganhou valor. Isto é um caso estranho, onde uma obra de arte fragmentada tem um valor maior do que a obra em estado perfeito. 

Em 14 de outubro o mural foi novamente colocado em leilão e recebeu um lance de 25,4 milhões de dólares, um aumento de 20 milhões em comparação com o lance de 2018. A obra se tornou, oficialmente, a arte mais cara de Banksy já leiloada.

Links

 Aula de matemática no Pornhub

Contadores devem entender a nuances do planejamento de cenários relacionados com o clima

As melhores séries do século XXI

Principal centro de estudos de primatas do Japão (do mundo?) está fechado por problemas contábeis

Julgamento da Steinhoff acontecendo na Alemanha

Rir é o melhor remédio

 

Como irritar um contador

18 outubro 2021

Educação Financeira ajuda?


A resposta para a pergunta parece ser um sonoro Sim. Infelizmente para que não é bem assim. Eis um texto do Blog Salmón

En 2014 tres investigadores publicaron un meta-estudio sobre 201 estudios previos acerca de la efectividad de la educación financiera en el comportamiento de las personas con su dinero. Las conclusiones fueron demoledoras:

La educación financiera no influye apenas (0.1%) en el comportamiento de las personas, especialmente en la gente con menos ingresos. Además, los efectos de esta educación decaen con el tiempo. Incluso en los casos donde la intervención fue intensa, con muchas horas de formación, los efectos son inapreciables.

¿Cómo puede ser esto? Se suponía que a más formación, mejores comportamientos. Pero la evidencia está ahí. Una persona más formada no tendrá un comportamiento más sano con el dinero. Saber de fondos de inversión no va hacer que se contraten más.

Lo que en realidad está pasando Lo cierto es que aunque los seres humanos tenemos la capacidad de hacer planes a largo plazo (y esto es lo que nos diferencia del resto de los animales), el corto plazo tiene mucho atractivo. Nuestro cerebro racional puede pensar a largo plazo, pero cuando las glándulas se ponen a actuar mandan. Y nos gusta más comprar y disfrutar del ahora que ahorrar y tener dinero para gastar después.

Y el manejo del dinero no es el único efecto de este cortoplacismo. Nos pasa también con la alimentación y el ejercicio, a pesar de que todo el mundo sabe que comer de más y no hacer ejercicio está mal, al final nos puede el ahora frente al después y por eso en los países desarrollados hay obesidad.

Por tanto mejorar la educación financiera no logra mejorar el manejo del dinero, invertir más y gastar menos. Este tipo de intervenciones no funcionan y múltiples estudios lo respaldan. Hay que buscar otro camino.

¿Cómo mejorar el comportamiento de los humanos? 

Los humanos somos, por naturaleza, bastante vagos. De nuevo, no lo digo yo, lo dicen los estudios. Y por tanto la mejor forma de mejorar el comportamiento financiero de las personas es ponérselo muy fácil. Esto lo ha estudiado una rama de la economía denominada "economía del comportamiento" y propone soluciones.

Por ejemplo, si lo que queremos como sociedad es que los individuos ahorren para su jubilación, la forma ideal para lograrlo es que las empresas tengan que abrir un plan de pensiones a todos sus trabajadores y destinar un porcentaje del sueldo a los mismos. Estos planes no serían obligatorios pero si el trabajador no quiere contratarlos o dedicar un porcentaje de su sueldo tendría que indicarlo explícitamente.

Cuando se realizan este tipo de intervenciones la mayoría de los trabajadores contratan el plan de pensiones. Es decir, un cambio de normativa, dejando completa libertad al individuo, logra aumentar la tasa de ahorro.

Por tanto, en lugar de seguir proponiendo educación financiera como solución hay que buscar nuevas inercias para la sociedad. Educar está muy bien, pero si el objetivo es cambiar comportamiento no estamos realizando lo correcto.

Risco da Falha da Internet


Você tenta usar seu cartão de crédito, mas ele não funciona. De fato, o cartão de crédito de ninguém funciona. Você tenta acessar alguns sites de notícias para descobrir o porquê, mas também não pode acessar nenhum deles. Nem mais ninguém. A compra de pânico ocorre. As pessoas esvaziam caixas eletrônicos de dinheiro. 

Esse tipo de colapso catastrófico da pan-internet é mais provável do que a maioria das pessoas imagina. 

Eu dirijo o Projeto Atlas da Internet na Universidade da Califórnia, Berkeley. Nosso objetivo é esclarecer os riscos de longo prazo para a Internet. Produzimos indicadores de pontos fracos e gargalos que ameaçam a estabilidade da Internet. 

Por exemplo, onde estão pontos de fragilidade na conectividade global de cabos. Cabos físicos sob o mar entregam 95% do tráfego de voz e dados da Internet. Mas alguns países, como Tonga, se conectam a apenas um outro país, tornando-os vulneráveis a ataques nos cabos. Outro exemplo é redes de entrega de conteúdo, que os sites usam para disponibilizar seu conteúdo prontamente para um grande número de usuários da Internet. Um interrupção na rede de entrega de conteúdo rapidamente em 8 de junho de 2021, cortou brevemente o acesso aos sites da Amazon, CNN, PayPal, Reddit, Spotify, The New York Times e o governo do Reino Unido. 

Fazemos medições em várias camadas da pilha tecnológica da Internet, de cabos a redes de entrega de conteúdo. Com essas medidas, identificamos pontos fracos na internet global. E a partir desses pontos fracos, construímos teorias que nos ajudam a entender quais partes da Internet estão em risco de interrupção, a quem essas interrupções afetarão e quão severamente e prever o que tornaria a Internet mais resiliente. 

Atualmente, a internet enfrenta dois perigos. De um lado, há a ameaça de consolidação total. O poder sobre a Internet tem se concentrado cada vez mais principalmente nas mãos de algumas organizações baseadas nos EUA. Por outro lado, há fragmentação. Tentativas de desafiar o status quo, particularmente por Rússia e China, ameaçar desestabilizar a internet globalmente. 

(...) Durante grande parte de sua história, a internet foi imperfeitamente, mas amplamente, aberta. O conteúdo pode ser acessado em qualquer lugar, através das fronteiras. Talvez essa abertura seja porque, e não apesar, do domínio dos EUA pela internet. 

Independentemente de essa teoria ser ou não, é improvável que o domínio dos EUA sobre a Internet persista. O status quo enfrenta desafios dos EUA adversários, isto é aliados históricos e seus próprias empresas domésticas de tecnologia Na ausência de ação, o mundo ficará com alguma mistura de potência e escaramuças descentralizadas e ad-hoc dos EUA. 

Fonte: aqui . Imagem aqui

O risco relatado acima deveria constar da análise de risco de algumas empresas, que dependem da internet para seus negócios. Um restaurante que só atende por aplicativo é uma situação onde o risco seria mais afetado que um restaurante que abre fisicamente para clientes. Mas mesmo no último caso, o restaurante irá depender da internet para receber pagamentos, por exemplo.

Empresas e Sociedade


Qual o papel de uma empresa? Não somente lucro, parece certo. Mas e o limite? Eis trechos de um artigo de Emily Stewart, As empresas não vão salvar a América:

Starbucks é uma espécie de banheiro da América. Em cidades como Nova York, onde estão os banheiros públicos são difíceis de encontrar, é o local de fato para parar e fazer xixi. Mike Bloomberg tentou configurar uma rede de banheiros públicos, quando ele era prefeito, uma vez supostamente encolheu os ombros que talvez “há Starbucks suficiente "para atender às necessidades de banheiro da cidade de qualquer maneira. Mas a Starbucks é um banheiro público imperfeito, porque fornecer um banheiro público não é o objetivo da Starbucks. Ela tentou no passado limitar suas instalações aos funcionários, ou, no mínimo, exigir que as pessoas que usam essas instalações comprem algo primeiro. Isso provou ser um sistema problemático depois que funcionários da Starbucks Philadelphia, em 2018, chamaram a polícia quando dois homens negros pediram para usar o banheiro, enquanto aguardavam um companheiro. (...)

A solução está longe de ser ideal. Mas em muitos lugares nos EUA, não há muitas alternativas imediatas. O governo falhou em atender a uma necessidade biológica muito básica e, portanto, uma empresa privada preenche parte da lacuna.

Em vários segmentos da vida americana, o setor privado começou a assumir tarefas grandes e pequenas que se poderia pensar que deveriam ser enfrentadas pelo setor público. (...)

Não é uma coisa ruim para marcas e empresas tentarem melhorar o mundo. Iniciar um negócio geralmente envolve identificar um problema a ser resolvido, e é muito melhor para as empresas ajudarem do que causar danos. A responsabilidade social corporativa é boa. Existem, no entanto, limites.

"É claro que queremos que as empresas sejam responsáveis", disse Suzanne Kahn, diretora administrativa de pesquisa e política do Instituto Roosevelt. Mas ela enfatizou que isso não constitui um plano de como organizar a sociedade. (...)

As empresas têm um motivo de lucro e, em última análise, são responsáveis perante os acionistas. Fazer o que é lucrativo geralmente não se alinha ao que é melhor para a maioria das pessoas e, quando fazem coisas boas, geralmente é porque sabem que isso funcionará bem com consumidores e trabalhadores. A Domino´s ajudou a encher alguns buracos porque era uma boa publicidade para clientes de pizzas, não porque esteja preocupada com o futuro das pontes e estradas da América. O problema é que a entidade que deveria estar dirigindo o ônibus nas pontes americanas está meio que dormindo ao volante.

O setor privado está invadindo cada vez mais o espaço do governo porque o governo está deixando muito espaço para começar. As empresas estão adotando soluções porque as soluções provenientes de funcionários e entidades públicas não estão funcionando ou são inexistentes.

(...) As empresas têm dinheiro e poder e as principais empresas multinacionais costumam ser as únicas entidades, além do governo, com influência para influenciar as forças da sociedade, diz Jerry Davis, professor de administração da Ross School of Business da Universidade de Michigan. "É muito claro que alguns dos problemas que queremos resolver vão aumentar, e esse é o tipo de escala que apenas um governo ou uma grande empresa pode realizar. E se não confiamos no governo para fazê-lo, isso deixa o Walmart e a Amazon ”, disse Davis.

(...) A visão cínica das empresas que atuam como uma força benevolente no mundo é que elas o farão apenas na medida em que de alguma forma beneficie seus resultados ou seja um bom marketing. Essa visão cínica às vezes é confirmada na realidade.

Veja o exemplo da internet. O governo deu às empresas privadas bilhões de dólares para tentar expandir o acesso à Internet de banda larga nos Estados Unidos e frequentemente dependia de passar por empresas de telecomunicações para expandir urbano e rural banda larga. Mas algumas empresas pegaram o dinheiro público sem cumprir a barganha, ou usou o apoio financeiro público para promover seus interesses financeiros privados. Ainda assim, milhões de americanos não têm internet rápida e confiável porque não é lucrativo para as empresas de telecomunicações chegarem a elas. Os americanos que vivem em áreas remotas ou de baixa renda não gerarão retorno do investimento.

E, no entanto, continuamos procurando empresas privadas para ajudar a resolver o problema de banda larga dos Estados Unidos, porque o governo não está lá para fazê-lo. O governo não pensa na internet da maneira que ela faz, digamos, na eletricidade - como em algo que todos deveriam ter. Dificilmente é o único exemplo de setor público cedendo território ou deixando para o setor privado tarefas que mentes razoáveis possam pensar que deveriam assumir. (...)

Foto: Regine Tholen

Links

Como são contratados os assassinos (vídeo)

A nova economia do crescimento não considera mais o meio ambiente externo à economia

Responsabilidade do auditor de identificação e detecção de uma distorção relevante das demonstrações financeiras devido a fraude difere das responsabilidades do auditor relacionadas a atos ilegais

Nas canções de sucesso, riqueza é sucesso e sucesso é sempre conquistado

Consumidores respondem a evidenciação voluntária de informação: o caso da caloria pelo Starbucks

16 outubro 2021

Central de Balanços é fortalecida

 Do site do CFC:

A partir desta quarta-feira (13/10), as empresas de capital fechado com receita bruta anual de até R$ 78 milhões poderão publicar seus atos societários na Central de Balanços do Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) sem cobrança de taxas. A medida, estabelecida pela Portaria nº 12.071/2021, regulamenta a divulgação eletrônica das companhias de que trata a Lei Complementar nº 182/21, conhecida como o Marco Legal das Startups.

Com a nova legislação, as companhias fechadas enquadradas ficam desobrigadas de publicar suas demonstrações contábeis, relatórios de auditoria, atas ou quaisquer outros atos societários exigidos na Lei nº 6.404/1976 em diários oficiais e jornais de grande circulação.

Para o subsecretário de Política Microeconômica e Financiamento da Infraestrutura do Ministério da Economia, Emmanuel Sousa de Abreu, além de tornar mais eficaz e transparente o processo de publicação de atos obrigatórios dessas companhias, a iniciativa promoverá uma significativa redução de despesas, visto que essas divulgações representavam um custo alto para essas empresas.

“A expectativa é que essa simplificação das formas de publicação desburocratize a atuação das empresas, dê maior transparência às publicações, e contribua para a melhoria do ambiente de negócios e a retomada do crescimento econômico”, afirmou Abreu.

O SPED – plataforma desenvolvida pelo Ministério da Economia – permitirá a emissão de documentos que comprovem a autenticidade, a inalterabilidade e a data de publicação dos atos, que contarão com assinatura eletrônica que utiliza certificado digital.

Há um ponto importante que o texto não mostrou: haverá um tendência de centralização das informações na Central de Balanços. Bom para quem faz "pesquisa", inclusive reguladores em busca de informações.

Foto: Scott Webb

Rir é o melhor remédio

 

Poderes psíquicos