Translate

Mostrando postagens com marcador risco. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador risco. Mostrar todas as postagens

13 outubro 2021

Risco Financeiro Climático é uma bobagem

O texto a seguir é de John Cochrane, de julho de 2021, com observações pertinentes sobre o risco climático.


A ideia de que as mudanças climáticas representam uma ameaça ao sistema financeiro é absurda, até porque todos já sabem que o aquecimento global está acontecendo e que os combustíveis fósseis estão sendo eliminados. O novo impulso para a regulamentação financeira relacionada ao clima não é realmente sobre risco; trata-se de uma agenda política.

Nos Estados Unidos, o Federal Reserve, a Securities and Exchange Commission e o Departamento do Tesouro estão se preparando para incorporar a política climática à regulamentação financeira dos EUA, seguindo etapas ainda mais audaciosas na Europa. A justificativa é que o "risco climático" representa um perigo para o sistema financeiro. Mas essa afirmação é absurda. A regulamentação financeira está sendo usada para contrabandear políticas climáticas que, de outra forma, seriam rejeitadas como impopulares ou ineficazes.

"Clima" significa a distribuição de probabilidade do clima - a variedade de condições climáticas potenciais e eventos, juntamente com suas probabilidades associadas. "Risco" significa o inesperado, não as mudanças que todos sabem que estão em andamento. E "risco financeiro sistêmico" significa a possibilidade de todo o sistema financeiro derreter, como quase aconteceu em 2008. Isso não significa que alguém, em algum lugar, possa perder dinheiro porque algum preço dos ativos cai, embora os banqueiros centrais estejam aumentando rapidamente sua competência nessa direção.

Em linguagem simples, então, um “risco climático para o sistema financeiro” significa uma mudança repentina, inesperada, grande e generalizada na distribuição de probabilidade do clima, suficiente para causar perdas que explodem através do patrimônio e amortizações de dívida de longo prazo, provocando uma execução em todo o sistema de dívida de curto prazo. Isso significa o horizonte de cinco ou no máximo dez anos em que os reguladores podem começar a avaliar os riscos nos balanços das instituições financeiras. Os empréstimos para 2100 ainda não foram feitos.

Esse evento está fora de qualquer ciência climática. Furacões, ondas de calor, secas e incêndios nunca chegaram perto de causar crises financeiras sistêmicas, e não há possibilidade cientificamente validada de que sua frequência e gravidade mudem tão drasticamente para alterar esse fato nos próximos dez anos. Nossa economia moderna, diversificada, industrializada e orientada a serviços não é tão afetada pelo clima - mesmo por eventos de manchete. As empresas e as pessoas ainda estão se mudando do frio Rust Belt para o Texas e a Flórida, propensos a furacões.

Se os reguladores estão preocupados, de maneira imparcial, com os riscos prontos para uso que colocam em risco o sistema financeiro, a lista deve incluir guerras, pandemias, ataques cibernéticos, crises de dívida soberana, colapsos políticos e até ataques de asteroides. Todos, exceto os últimos, são mais propensos que o risco climático. E se estamos preocupados com inundações e custos de incêndio, talvez devêssemos parar de subsidiar a construção e reconstrução em áreas inundáveis e propensas a incêndios.

O risco regulatório climático é um pouco mais plausível. Os reguladores ambientais podem se tornar tão incompetentes que danificam a economia a ponto de criar uma corrida sistêmica. Mas esse cenário parece absurdo até para mim. Novamente, porém, se a questão é de risco regulatório, os reguladores imparcial devem exigir um reconhecimento mais amplo todos riscos políticos e regulatórios. Entre as novas interpretações do governo Biden da lei antitruste, as políticas comerciais do governo anterior e o desejo político generalizado de "quebrar a grande tecnologia", não há falta de perigo regulatório.

Certamente, não é impossível que algum evento terrível relacionado ao clima nos próximos dez anos possa provocar uma corrida sistêmica, embora nada na ciência ou na economia atual descreva esse evento. Mas se esse é o medo, a única maneira lógica de proteger o sistema financeiro é aumentando drasticamente a quantidade de capital social, que protege o sistema financeiro contra qualquer tipo de risco. A medição de risco e a regulamentação tecnocrática dos investimentos climáticos, por definição, não podem proteger contra incógnitas desconhecidas ou “pontos de inflexão não modelados”."

E quanto aos "riscos de transição" e "ativos ociosos"? As empresas de petróleo e carvão não perderão valor na mudança para energia de baixo carbono? De fato eles vão. Mas todo mundo já sabe disso. As empresas de petróleo e gás perderão mais valor apenas se a transição ocorrer mais rapidamente do que o esperado. E os ativos herdados de combustíveis fósseis não são financiados por dívidas de curto prazo, como as hipotecas ocorreram em 2008, portanto as perdas por seus acionistas e detentores de títulos não colocam em risco o sistema financeiro. "Estabilidade financeira" não significa que nenhum investidor jamais perca dinheiro.

Além disso, os combustíveis fósseis sempre foram arriscados. Os preços do petróleo ficaram negativos no ano passado, sem consequências financeiras mais amplas. O carvão e seus acionistas já foram martelados pela regulamentação climática, sem um indício de crise financeira.

De maneira mais ampla, na história das transições tecnológicas, os problemas financeiros nunca vieram de indústrias em declínio. O crash da bolsa de 2000 não foi causado por perdas na máquina de escrever, filme, telégrafo e indústrias de régua de cálculo. Foram as empresas de tecnologia um pouco à frente de seu tempo que faliram. Da mesma forma, a quebra do mercado de ações em 1929 não foi causada pela queda na demanda por carruagens puxadas por cavalos. Foram as novas indústrias de rádio, cinema, automóvel e eletrodomésticos que entraram em colapso.

Se alguém está preocupado com os riscos financeiros associados à transição energética, novos queridinhos com valor astronômico, como Tesla, são o perigo. O maior perigo financeiro é uma bolha verde, alimentada como booms anteriores por subsídios do governo e incentivo ao banco central. Os passageiros altos de hoje são vulneráveis a mudanças de caprichos políticos e novas e melhores tecnologias. Se os créditos regulatórios secarem ou se as células a combustível de hidrogênio deslocarem as baterias, a Tesla está com problemas. No entanto, nossos reguladores desejam apenas incentivar os investidores a se amontoarem.

A regulamentação financeira climática é uma resposta em busca de uma pergunta. O objetivo é impor um conjunto específico de políticas que não podem ser aprovadas por meio de legislações democráticas regulares ou de legislações ambientais regulares, o que requer pelo menos uma pretensão de análise de custo-benefício.

Essas políticas incluem o desembolso de combustíveis fósseis antes da substituição, subsidiando carros elétricos movidos a bateria, trens, moinhos de vento, energia fotovoltaica - mas não nuclear, captura de carbono, hidrogênio, gás natural, geoengenharia ou outras tecnologias promissoras. Mas, como os reguladores financeiros não têm permissão para decidir para onde o investimento deve ir e o que deve estar sem fundos, o "risco climático para o sistema financeiro" é sonhado e repetido até que as pessoas acreditem, a fim de incluir essas políticas climáticas nos reguladores financeiros. mandatos legais limitados.

Mudança climática e estabilidade financeira são problemas prementes. Eles exigem respostas políticas coerentes, inteligentes e cientificamente válidas e prontamente. Mas a regulamentação financeira do clima não ajudará o clima, politizará ainda mais os bancos centrais e destruirá sua preciosa independência, ao mesmo tempo que forçar as empresas financeiras a criar avaliações de risco climático absurdamente fictícias arruinará a regulamentação financeira. A próxima crise virá de alguma outra fonte. E nossos reguladores obcecados pelo clima mais uma vez falharão totalmente em prever isso - assim como uma década de testadores de estresse nunca considerou a possibilidade de uma pandemia.

(grifo no original. Fonte: Project Syndicate, via aqui)

31 janeiro 2021

Riscos Globais


Em Factfulness, escrito em 2017, Hans Rosling tem uma visão bem otimista/realista do mundo. Mas no final ele alerta para os cinco riscos globais com os quais devemos nos preocupar. E o primeiro da lista é:

Pandemia global

(...) Respeitados especialistas em doenças infecciosas concordam que um novo e terrível tipo de gripe ainda é a mais perigosa ameaça à saúde global. A razão: a rota de transmissão da gripe. Voa pelo ar em gotículas. Uma pessoa pode entrar num vagão de metrô e infectar todos dentro sem que os passageiros se toque, ou sequer encostem no mesmo lugar. Uma doença transportada pelo ar como a gripe, com a capacidade de se espalhar rapidamente, constitui uma ameaça à humanidade maior do que enfermidades como ebola ou o HIV. Para dizer o mínimo, vale a pena nos proteger de todas as maneiras possíveis de um vírus que é altamente transmissível e ignora todo tipo de defesa. 

09 setembro 2020

IFRS 9 e a recessão


 

Eis um trecho de um artigo da PwC (grifo do blog):

Até agora, bilhões foram contabilizados em provisões incrementais, enquanto a inadimplência ainda está para aumentar. Em muitos casos, a inadimplência nem mesmo ocorreu graças aos feriados de pagamento e ao enorme apoio governamental. Tão enorme, na verdade, que alguns indivíduos se descobriram melhor do que antes. Para os bancos, isso significa algumas coisas. Em primeiro lugar, é provável que haja perdas. As provisões retiradas serão consumidas à medida que as inadimplências atrasadas se concretizarem. Em segundo lugar, o risco continuará a ser muito difícil de medir. Simplificando, as regras normais não se aplicam. Estar desempregado ou não lucrativo geralmente reduz a capacidade de pagamento, o que leva à inadimplência e, em última instância, à inadimplência - não é verdade (imediatamente, pelo menos) quando o dinheiro está de graça e os reembolsos estão em espera.

(Imagem: aqui)

13 junho 2020

Amor e Risco

Esta pesquisa é muito interessante. Estava guardando para um postagem futura e o dia dos namorados (ontem) é uma boa desculpa. Segundo Jordan Neyland, da George Mason University, o fato de um CEO divorciar pode ter impacto no risco da empresa e na compensação paga. O título do artigo é bem sugestivo: Love or Money: The Effect of CEO diverce on Firm Risk and Compensation.

Neyland encontrou que há uma redução no risco da empresa no ano em que o CEO divorcia. Esta menor volatilidade também está associada a incentivos arriscados. Nesta situação, o CEO também toma decisões diferenciada de investimentos para a empresa, em especial àquelas com problemas de caixa e diversificação.

O artigo foi publicado no Journal of Corporate Finance de 2020.

27 maio 2020

Apetite ao risco

O COSO publicou orientações sobre o "apetite ao risco" e como este assunto deve ser considerado no processo de tomada de decisão. Segundo o COSO, o apetite ao risco não é separado de outras atividades da organização, sendo diferente de tolerância ao risco. Este conceito pode ser aplicado a qualquer tipo de entidade, em especial o setor financeiro (bancos, por exemplo).

O documento pode ser encontrado aqui (via aqui)

02 abril 2020

Riscos da Humanidade

SlatestarCodex faz uma análise de um livro chamado The Precipice, escrito pelo professor de filosofia de Oxford Toby Ord. O livro fala sobre o futuro da humanidade, diante de possíveis desastres. Ord considera que a chances da humanidade acabar diante de uma guerra nuclear é de 1 para mil, o que não deixa de ser surpresa. Afinal já escutamos falar tanto da existência de bombas capazes de destruir várias vezes a Terra.

O interessante é que o livro foi lançado agora, mas escrito muitos meses antes do Covid-19. E ele analisa a chance de uma pandemia natural (1 e 10 mil) ou criada (1 em 30). A chance de a humanidade acabar por conta da Inteligência Artificial (1 em 10) e assim por diante.

Tudo isto somado, segundo Ord, nossas chances de sobrevivência seriam de 5 para 6.


24 setembro 2018

Risco e Retorno em Criptomoeda

Estabelecemos que a relação risco-retorno das criptomoedas (Bitcoin, Ripple e Ethereum) é diferente das ações, moedas e metais preciosos. As criptomoedas não têm a exposição ao mercado de ações e a fatores macroeconômicos. Elas também não têm exposição aos retornos das moedas e commodities. Por outro lado, mostramos que os retornos da criptomoeda podem ser previstos por fatores específicos dos mercados de criptomoedas. Especificamente, determinamos que há um forte efeito momentum na série de tempo e que os proxies para a atenção do investidor preveem fortemente os retornos da criptomoeda. Finalmente, criamos um índice de exposições a moedas criptográficas de 354 indústrias nos EUA e 137 indústrias na China.

Leia o texto completo aqui

25 janeiro 2018

Solvência, Comparabilidade

A noção de solvência de uma instituição financeira é um dos pilares da regulação bancária do mundo atual. Basicamente, isto é derivado do acordo de Basileia II. Este acordo permitiu que os bancos usassem uma abordagem de risco interno para “quantificar seus requisitos de capital de risco”. O acordo de Basileia incluiu uma abordagem simplificada que poderia ser usada por instituições menores.

Ao optar por isto, prejudicou a comparabilidade e incentivou os bancos a usar suas estimativas de maneira favorável. Mais ainda: os índices extraídos desses modelos passaram a depender da origem da instituição. Este debate é importante para a contabilidade não somente pela discussão relacionada com a regulação, mas também pelo fato de que algumas normas contábeis caminham por usar modelos “internos” de risco, o que afetaria a comparabilidade. (Mas ajudaria na relevância e na representação fidedigna?)

Dois pesquisadores fizeram uma análise comparativa do risco na comunidade europeia para tentar verificar se a sede do banco (e a origem da supervisão bancária) afeta o resultado. E a resposta foi positiva, já que as próprias regras internas mudam. Os pesquisadores usaram dados de mais de 130 bancos, de 24 países europeus. E isto tem efeito sobre o risco bancário de cada país:

há diferenças estatisticamente significativas e economicamente importantes relacionadas ao país em que o banco está sediado. Isso fornece evidências de que os padrões são implementados de forma diferente da jurisdição para jurisdiç
ão.

18 janeiro 2018

Evidenciação

Um caso interessante envolvendo a SEC, uma empresa e acionistas que desejam maior transparência aparece aqui.

A empresa AmerisourceBerge atua na área de distribuição farmacêutica. Recentemente a empresa teve que fazer um acordo por não ter um controle efetivo das vendas de substâncias controladas, inclusive opióides, um grupo de medicamentos com efeitos parecidos com o ópio, mas com características químicas diferentes.Além disto, parece existir uma epidemia do consumo desse produto. E algumas pessoas acreditam a evidenciação pode ajudar a reduzir o risco futuro.

Um grupo de investidores propôs votar em uma assembleia sobre estes dois assuntos. O primeiro é maior transparência sobre como a empresa está gerenciando os riscos financeiros e de reputação sobre a epidemia. O segundo assunto é como a empresa lidou com o pagamento do acordo sobre o controle de substâncias feito pelos executivos.

A SEC decidiu que estes dois assuntos devem ser discutidos na reunião anual dos acionistas. O link apresenta mais detalhes sobre o assunto.

25 agosto 2017

Risco do Direito

Uma notícia interessante sobre a justiça de outros países. Joaquín El Chapo Guzmán está sendo julgado nos Estados Unidos. El Chapo (foto ao lado e sua esposa) está tentando contratar alguns advogados privados para ajudar na sua defesa. O valor estimado para a defesa é bastante elevado, já que as acusações são graves.

Os advogados contratados solicitaram ao juiz garantias de que seus honorários não seriam confiscados, antes de aceitarem oficialmente o caso. O receio é que a justiça considere que o dinheiro tenha sido obtido ilegalmente. O juiz da corte federal negou o pedido e considerou que este seria o “risco” de trabalhar para defender El Chapo, acusado de comercializar cocaína, além de outros crimes. Um dos advogados conseguiu livrar da prisão o ex-mafioso Gotti Jr, em 2005.

O julgamento deverá começar em abril de 2018.

06 janeiro 2017

Eleições e mercado

As eleições de 2014 podem ter afetado o risco de mercado de empresas cotadas na bolsa de valores:

O risco oscilou e apresentou comportamento diferente para as empresas, dividindo-as em dois grupos: empresas que o risco aumentou e empresas que o risco diminuiu. Essa oscilação do risco pode ser explicada também pela variação do volume de negócios feitos por estas, pois o volume de negócios dos títulos pode influenciar o preço das transações aumentando ou reduzindo o risco das operações. (...) Entre os setores mais afetados se encontram o setor de mineração, Petróleo e Gás, onde todas as empresas tiveram oscilação no risco. Esse resultado pode também estar relacionado ao caso da Petrobras caracterizado pelas denúncias de corrupção por parte das empreiteiras contratadas e em consequência a operação Lava-jato.

31 maio 2016

Links

Lucros ajustados é sinal de mercado em queda?

A importância da análise de sensibilidade do risco para o Basileia II

Comparabilidade das demonstrações na transição para as normas internacionais no Brasil (via Vladmir)

Artigos inovadores tem impacto no longo prazo (viés contra a novidade na ciência) (Como as agências de fomento usam as citações de curto prazo, a distribuição de recursos prejudica as pesquisas inovadoras)

Nudge: Analisando os pedidos de doações dos candidatos a presidente dos EUA (continua aqui)

11 maio 2016

Gestão de Risco e Governança no Executivo

Saiu no Diário Oficial de hoje a instrução normativa Conjunta de 10 de maio de 2016, do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão e a Controladoria Geral da União. A norma dispõe sobre “controles internos, gestão de riscos e governança no âmbito do Poder Executivo federal”. No seu capítulo I trata de disposições gerais, incluindo conceitos dos termos usados. O capítulo II é sobre os controles internos da gestão. Segundo a norma, estes controles baseiam-se no gerenciamento de riscos e devem integrar o processo de gestão. Este capítulo também aponta os princípios, os objetivos, estrutura e responsabilidades. O capítulo III trata da gestão de riscos e talvez seja o capítulo mais interessante da instrução. O capítulo seguinte é sobre governança. A seguir, institui o Comitê de Governança, Riscos e Controle em cada órgão e entidade do executivo, com suas competências.

A questão da gestão de risco já tem sido tratada em alguns órgãos públicos por pressão do TCU. Na UnB, por exemplo, existe um relatório de riscos, como ocorre nas principais universidades do mundo. Na UFRJ, na gestão passada, existia uma pro-reitoria de governança, sob direção da professora Aracéli.

O grande problema desta instrução: a data de publicação. Hoje teremos a votação no senado para o afastamento do presidente. Tudo leva a crer que será aprovado com tranquilidade. A publicação no dia de hoje, com a assinatura de dois ministros que estão saindo (fracos politicamente) pode dificultar sua legitimidade.

Um aspecto adicional: será que a gestão de risco e governança é suficiente para barrar as decisões políticas? O empoderamento do Comitê pode ser feito por uma “instrução”?

03 maio 2016

Listas: Maiores riscos de desastres naturais

O World Risk Report lista os países sob a ótica dos desastres naturais. Em 2015 a liderança era de Vanuatu, uma ilha que sofre ameaça com o aquecimento global. O mesmo ocorre com Tonga.

1. Vanuatu
2. Tonga
3. Filipinas
4. Guatemala
5. Ilhas Salomão
6. Bangladesh
7. Costa Rica
8. Cambodja
9. Papua Nova Guiné
10. El Salvador

O Brasil está em 123o (em 171 países), indicando baixo nível de risco. Com respeito a distribuição geográfica do risco, baixo nível está em alguns países da América (EUA, Canadá e Brasil), Europa, Oriente Médio e Austrália, todos de verde no mapa. Maiores riscos na África, América Central e Ásia.

27 abril 2016

AGU e Normas de Contabilidade

O ex-Advogado-Geral da União, Luis Inácio Adams, tomou uma decisão importante para a contabilidade pública em 2015. Através da Portaria 40, de 10 de fevereiro de 2015, Adams determinou os critérios que a Advocacia-Geral da União (AGU) deveria usar para as ações judiciais contra a União, autarquias e fundações. Não é preciso dizer que esta decisão tem um impacto de muitos bilhões de reais. A AGU passou a usar a portaria para determinar o valor das ações judiciais contra a União. Diz respeito aos riscos fiscais.

Numa empresa, a contabilidade apresenta no seu passivo a perspectiva de perda com ações que correm na justiça. A Portaria 40 trata do mesmo assunto na área pública. O artigo segundo informa que as ações incluem as em tramitação ou já transitadas em julgado. Mas estabelece um limite de 1 bilhão de reais. Ou seja, ações onde o impacto financeiro é menor que este valor não são consideradas na estimativa da AGU. A AGU foca na materialidade, mas será que não esqueceu a relevância. Além disto, a portaria não se aplica a Procuradoria-Geral do Banco Central. Assim, a mensuração dos passivos sujeitos aos riscos fiscais.

O risco é classificado em provável, possível e remoto. No artigo terceiro a portaria lista as características de cada um dos riscos. São critérios objetivos e próximos ao que ocorre na área privada. Mas não é totalmente abrangente, como se espera, pois exclui valores menores e do Banco Central.

08 janeiro 2016

Risco Brasil

O gráfico é uma análise do risco brasileiro nos últimos anos. A série começa em 2001 (ainda governo FHC) e cada dia é um ponto no gráfico. Dois extremos se destacam: em outubro de 2008 a crise financeira chega ao mercado de capitais brasileiro e recebeu o simpático nome de “marolinha” (não foi isto, como o gráfico mostra claramente); e no início do ano passado, no dia 7 de janeiro de 2015, novamente um salto no risco.
O gráfico a seguir mostra uma visão mais clara sobre o risco em termos anuais. Calculou-se a média anual dos pontos do gráfico acima.

O risco tem aumentado nos últimos anos, é verdade, mas ainda estamos longe do risco de 2008, o que é bom para a economia brasileira.

01 dezembro 2015

Risco e Retorno

A relação risco e retorno é bastante conhecida. As propagandas a seguir lembram deste lema: não existe prêmio sem risco.



Fonte: Aqui, aqui e aqui