Translate

Mostrando postagens com marcador educação financeira. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador educação financeira. Mostrar todas as postagens

01 agosto 2022

Educação Financeira no Brasil

 O resumo é bem confuso:

Em 2011, foi realizada a análise de impacto de um programa de educação financeira abrangente para o ensino médio por meio de um RCT (randomized control trial) com 892 escolas em seis estados brasileiros. Usando dados administrativos, este artigo acompanha aproximadamente 16,000 [16 mil] estudantes ao longo dos nove anos seguintes ao programa. Os resultados de curto prazo indicavam que os alunos o [do] grupo tratamento utilizavam crédito caro e atrasavam pagamentos. Entretanto, nos resultados de longo prazo, esses alunos tiveram menor probabilidade que os alunos do grupo de controle de tomar créditos com juros altos e de apresentarem atrasos. Os alunos do grupo tratamento também tiveram maior probabilidade de serem microempreendedores individuais e menor probabilidade de estarem formalmente empregados.

Vejo que o estudo tem dois aspectos interessantes: acompanha a influência da educação financeira com um número relativamente grande de estudantes no longo prazo e encontrou que os programas possuem influência neste longo prazo. As conclusões estão melhores:

Este documento mede os efeitos a longo prazo de um programa de educação financeira de ensino médio no Brasil sobre o comportamento financeiro e os resultados do emprego, utilizando um ensaio de controle aleatório com 892 pessoas escolas secundárias e dados administrativos sobre cerca de 16.000 ex-alunos. Ao contrário da literatura anterior que se concentra em efeitos de curto prazo durante um a dois anos, seguimos os estudantes por até nove anos depois de deixar o ensino médio.
Enquanto algumas literaturas têm colocado a hipótese de que os efeitos a longo prazo do ensino médio estar em declínio ou zero à medida que os estudantes esquecem o que aprenderam, encontramos efeitos duradouros. Na verdade, o o efeito sobre o uso de fontes de crédito caras vai de ser positivo a curto prazo a ser negativo a longo prazo. Isto é, a longo prazo, é menos provável que os estudantes de tratamento usem fontes de crédito que controlam os estudantes, mesmo que o contrário fosse verdade a curto prazo. Da mesma forma, no curto prazo, os estudantes relataram mais empréstimos com atrasos de reembolso do que estudantes de controle, mas encontramos o resultado oposto a longo prazo: os estudantes de tratamento são menos prováveis ter empréstimos com atrasos de reembolso do que controlar os estudantes. Também observamos efeitos de longo prazo nos resultados do mercado de trabalho. Os estudantes são mais propensos a ter microempresas formais e menos propensos a trabalhar como funcionários formais. Estes efeitos podem ser atribuído ao fato de que o programa de educação financeira era abrangente e incluía módulos sobre empreendedorismo. Além disso, o empreendedorismo pode ser uma opção mais desejável do que um emprego formal, em termos de renda, independência ou flexibilidade (Maloney 2004). 

Pareceu forçado a última frase. Chama atenção o fato do gênero ser uma variável relevante (Tabela 1), quando o grupo de controle não seria razoável esperar isto. Idem para o fato de renda do estudante (mesma tabela). 


18 outubro 2021

Educação Financeira ajuda?


A resposta para a pergunta parece ser um sonoro Sim. Infelizmente para que não é bem assim. Eis um texto do Blog Salmón

En 2014 tres investigadores publicaron un meta-estudio sobre 201 estudios previos acerca de la efectividad de la educación financiera en el comportamiento de las personas con su dinero. Las conclusiones fueron demoledoras:

La educación financiera no influye apenas (0.1%) en el comportamiento de las personas, especialmente en la gente con menos ingresos. Además, los efectos de esta educación decaen con el tiempo. Incluso en los casos donde la intervención fue intensa, con muchas horas de formación, los efectos son inapreciables.

¿Cómo puede ser esto? Se suponía que a más formación, mejores comportamientos. Pero la evidencia está ahí. Una persona más formada no tendrá un comportamiento más sano con el dinero. Saber de fondos de inversión no va hacer que se contraten más.

Lo que en realidad está pasando Lo cierto es que aunque los seres humanos tenemos la capacidad de hacer planes a largo plazo (y esto es lo que nos diferencia del resto de los animales), el corto plazo tiene mucho atractivo. Nuestro cerebro racional puede pensar a largo plazo, pero cuando las glándulas se ponen a actuar mandan. Y nos gusta más comprar y disfrutar del ahora que ahorrar y tener dinero para gastar después.

Y el manejo del dinero no es el único efecto de este cortoplacismo. Nos pasa también con la alimentación y el ejercicio, a pesar de que todo el mundo sabe que comer de más y no hacer ejercicio está mal, al final nos puede el ahora frente al después y por eso en los países desarrollados hay obesidad.

Por tanto mejorar la educación financiera no logra mejorar el manejo del dinero, invertir más y gastar menos. Este tipo de intervenciones no funcionan y múltiples estudios lo respaldan. Hay que buscar otro camino.

¿Cómo mejorar el comportamiento de los humanos? 

Los humanos somos, por naturaleza, bastante vagos. De nuevo, no lo digo yo, lo dicen los estudios. Y por tanto la mejor forma de mejorar el comportamiento financiero de las personas es ponérselo muy fácil. Esto lo ha estudiado una rama de la economía denominada "economía del comportamiento" y propone soluciones.

Por ejemplo, si lo que queremos como sociedad es que los individuos ahorren para su jubilación, la forma ideal para lograrlo es que las empresas tengan que abrir un plan de pensiones a todos sus trabajadores y destinar un porcentaje del sueldo a los mismos. Estos planes no serían obligatorios pero si el trabajador no quiere contratarlos o dedicar un porcentaje de su sueldo tendría que indicarlo explícitamente.

Cuando se realizan este tipo de intervenciones la mayoría de los trabajadores contratan el plan de pensiones. Es decir, un cambio de normativa, dejando completa libertad al individuo, logra aumentar la tasa de ahorro.

Por tanto, en lugar de seguir proponiendo educación financiera como solución hay que buscar nuevas inercias para la sociedad. Educar está muy bien, pero si el objetivo es cambiar comportamiento no estamos realizando lo correcto.

17 agosto 2021

Olimpíada de Educação Financeira 1

Texto do Estadão de ontem:

Olimpíada de educação financeira mobiliza estudantes brasileiros 


As inscrições estão abertas para alunos do ensino fundamental ao médio de todo o País. 

Veja o relato dos jovens 

REBECA SOARES rebeca.soares@estadao.com.br 16/08/2021 

Além de um brinquedo novo, chocolate ou passeio, uma das maiores alegrias das crianças é receber mesada. Entretanto, para alguns, a relação com o dinheiro é maior que o cofrinho, há dedicação e estudo para participar da Olimpíada Brasileira de Educação Financeira Com inscrições abertas até o fim de agosto, o evento teve mais de 38 mil inscritos em 2019. Apesar das dificuldades da pandemia em 2020, quando alcançou apenas 6 mil inscritos, a Olimpíada chegou a todos os 26 estados e ao Distrito Federal Ao todo, as provas são aplicadas para cinco diferentes níveis de conhecimento. Entre os temas abordados na prova estão Consumo, Planejamento Financeiro, Investimentos, Juros, Capital, Montante, Desconto, Amortização, Cooperativismo de Crédito e Educação Fiscal  

Além de um brinquedo novo, chocolate ou passeio, uma das maiores alegrias das crianças é receber mesada. Entretanto, para alguns, a relação com o dinheiro vai além da administração do cofrinho: há dedicação e estudo para participar da Olimpíada Brasileira de Educação Financeira (OBEF), que está com inscrições abertas até o fim de agosto.  

Ao abrir a geladeira e olhar para uma caixa de leite, Wenner Lucena, professor do departamento de finanças e contabilidade da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), decidiu fazer um cofre para ensinar os três filhos a economizar. Mas a brincadeira educativa não parou por aí. Em 2017, Lucena levou a ideia para a Universidade e criou a Olimpíada Paraibana de Educação Financeira, que ganhou robustez ao longo dos anos e tornou-se um evento nacional.  

Em 2019, a Olimpíada teve mais de 38 mil inscritos em todo o País. Apesar das dificuldades da pandemia em 2020, quando alcançou apenas 6 mil inscritos, o evento chegou a todos os 26 estados e ao Distrito Federal, por meio da digitalização de todo o processo. Além da UFPB, outras 37 universidades e institutos federais contribuem para a realização do projeto.  

Mesmo com um número menor de participantes na edição do ano passado, a organização registrou dois grandes avanços: conseguiu adaptar as provas e o conteúdo disponibilizado para pessoas com deficiência (PCD) e adequar a Olimpíada aos diferentes fusos horários do País. De acordo com Lucena, alguns dos organizadores fizeram longas viagens de barco levando conexões com a internet para que alunos indígenas também pudessem participar.  

O público-alvo da Olimpíada são os estudantes do 2º ano do ensino fundamental ao 3º ano do ensino médio de escolas públicas e privadas. Ao todo, as provas são aplicadas para cinco diferentes níveis de conhecimento. Entre os temas abordados estão consumo, planejamento financeiro, investimentos, juros, capital, montante, desconto, amortização, cooperativismo de crédito e educação fiscal.  

Aos oito anos, Pedro Henrique Negrini (foto) participou da edição de 2020 e se prepara para a prova deste ano. Em casa, jogos de tabuleiro, administração da mesada e brincadeiras fazem com que o menino já entenda conceitos como poupança, juros, rendimento e até Bolsa de Valores.  

Érico Negrini, pai de Pedro, conheceu a iniciativa por meio de amigos do mestrado na área de contabilidade. Por discutir finanças em casa, levou a proposta para o filho. Segundo ele, Pedro ficou muito animado, pois já havia participado de outras Olimpíadas no ensino básico. “Já tínhamos o costume de falar sobre dinheiro de forma lúdica em casa, a OBEF uniu esse interesse prévio com a curiosidade de aprofundar certos temas”, afirma.  

Assim como Pedro, que mora em Brasília, Stella Bortolocci, que vive em Campo Grande, demonstrou interesse em participar da OBEF pelo gosto pela matemática e para se preparar para o futuro. “Quando ela tinha quatro anos, queria um brinquedo e eu disse que não tinha dinheiro. Para minhas surpresa, ela respondeu: ‘mas mamãe, pode pagar com cartão’. Foi nesse momento que entendi que precisava falar sobre educação financeira. Aos poucos, com uma mesada, fui atribuindo certas responsabilidades à ela”, explica Márcia Bortolocci, mãe de Stella.  

Segundo Ana Paula Hornos, especialista em educação financeira e colunista do E-Investidor, os aprendizados sobre o tema são importantes pelo conteúdo técnico, mas, principalmente, porque eles impactam também no sucesso e nos valores morais, éticos, e na relação emocional do indivíduo com o dinheiro ao longo da vida.  

“Dinheiro é assunto de criança, de adolescente e de adulto. Os pais podem ensinar desde cedo sobre prioridades, recursos escassos, flexibilidade e espera. É importante que os pais se envolvam para dar bons conselhos e trabalhar a saúde financeira da própria família”, destaca Hornos.  

Sarai Molina, gerente de educação financeira da Ágora Investimentos, reforça que a partir dos sete anos de idade é recomendado começar a conversar sobre finanças já que é uma idade, em geral, na qual a criança já entende o conceito de dinheiro. “A mesada é uma ferramenta muito importante para dar início à criação de responsabilidade para a criança que toda família pode fazer. Seja com R$ 10, R$ 5 ou até R$ 1, os pais já podem usar esse meio para começar a introduzir, de forma lúdica, o tema para os pequenos”, afirma.  

Educação financeira para toda a vida 

A Olimpíada é uma entre as mais de dez ações do projeto de extensão Educação Financeira para Toda a Vida. Reunindo alunos dos cursos de Economia, Contabilidade, Administração, Relações Internacionais, entre outros, o grupo de estudantes universitários levam a temática para escolas e redes sociais.  

Adrielle Macedo, aluna do quinto semestre do curso de Ciências Contábeis, entrou no projeto em 2019 e atua dando suporte à OBEF, além de planejar e executar trabalhos direcionados ao público infantil na Paraíba, que serve como base para outros estados.  

“É comum vermos crianças que têm pais analfabetos e levam o conhecimento da leitura e da matemática para o lar. Percebemos que o assunto finanças é muito importante para as famílias, mas falta acesso à informação. O projeto tenta ultrapassar essa barreira”, explica.  

Na mesma seara, o professor Wenner Lucena, idealizador e coordenador da Olimpíada, que adaptou a linguagem de finanças para os filhos, trabalha para encontrar novas metodologias para ensinar crianças e adolescentes. “Já viajei o Brasil falando de finanças para executivos de grandes empresas até perceber que eu precisava adaptar a palestra para atingir um público diferente, mas tão importante quanto: os pequenos”, diz.  

Para Lucena, apesar do Projeto de Lei 3145/20, que torna obrigatória a inclusão da educação financeira como tema transversal dos currículos do ensino infantil, do ensino fundamental e do ensino médio, já ter sido implantado, as escolas têm dificuldades para oferecer a disciplina. Por isso, iniciativas como a Educação Financeira para Toda a Vida aliadas às instituições de ensino são fundamentais.  

O que as crianças pensam sobre educação financeira 

Pedro Negrini, 8, Brasília (DF): “Eu recebo uma mesada quando eu ajudo nas tarefas. No meu aniversário, ganhei R$ 150 da minha dinda e deixo guardado no banco. Sempre que vou ao supermercado, fico comparando os preços e, quando gosto de algo, eu fico pensando se compro ou não. Sei que se eu gastar com besteiras, vai faltar depois para algo que preciso. Foi pensando assim que economizei e ajudei a minha família a comprar armários para a casa. Agora, eu quero economizar para comprar um computador novo até o próximo ano.”  

Bianca Bolzani, 10, João Pessoa (PB): “Eu somo o aprendizado de matemática na escola com experiências cotidianas com meus pais, como gerir minha mesada por internet banking, traçar metas, vender itens sem uso, praticar consumo sustentável comprando em brechós. Educação financeira me ajuda a ter mais consciência do esforço necessário para ganhar dinheiro, aprender a fazer escolhas, pensar antes de gastar se aquilo vale mesmo a pena, e entender que coisas paradas sem uso em casa são dinheiro parado que poderia ser usado melhor de outra forma.”  

Stella Maris Bortolocci, 8, Campo Grande (MS): “Me preparo olhando as provas anteriores, estudando bastante matemática na escola e aprendendo a lidar com dinheiro com a mesada que meus pais me dão. A educação financeira me ajuda a saber lidar com dinheiro, banco e cartões de crédito. Isso pode me ajudar a ter uma vida mais saudável no meu futuro.”  

Maria Luiza Ferreira, 15, Campina Grande (PB): “Eu soube da OBEF pela escola e fiquei muito empolgada porque iria ampliar o meu conhecimento sobre educação financeira, fazendo de mim uma consumidora com consciência no futuro. Meus pais já tiveram problemas com o uso do dinheiro e eu gostaria de ajudá-los com isso. Todos os dias somos expostos ao consumo e, se não soubermos como usá-lo, podemos acabar em um prejuízo muito grande. A educação financeira me ajuda a não consumir de forma exagerada ou gastar com coisas desnecessárias. O lanche da escola, por exemplo, eu opto por trazer de casa para impactar menos o orçamento.”

09 dezembro 2020

Educação Financeira


Assumimos que é importante expandir a educação financeira. Aplaudimos os esforços de entidades públicas, como a CVM, no sentido de levar o conhecimento de finanças para as pessoas. Mas esquecemos de perguntar se isto é válido. 

Se a educação financeira não trouxer resultado nas finanças pessoais das pessoas, o esforço de ensinar finanças pessoais pode ser um gasto inútil. Recentemente uma pesquisa mostrou que o conhecimento financeiro pode aumentar a desigualdade ao longo da vida, sendo relevante para pessoas mais velhas, mulheres e pessoas com menor renda. 

Eis o abstract:

We administered the FINRA Foundation’s National Financial Capability Study questionnaire to members of the RAND American Life Panel (ALP) in 2012 and 2018. Using this unique, longitudinal data set, we investigate the evolution of financial literacy over time and shed light on the causal effect of financial knowledge on financial outcomes. Over a six-year observation period, financial literacy appears to be rather stable, with a slight tendency to decline at older ages. Moreover and importantly, financial literacy has significant predictive power for future financial outcomes, even after controlling for baseline outcomes and a wide set of demographics and individual characteristics that influence financial decision making. This estimated relationship is significantly stronger for older individuals, for women, and for those with lower income than for their counterparts in the study. Altogether, our findings suggest that differences in the stock of financial knowledge may lead to increasing inequality over the life course.

Contabilidade? - No passado, finanças pessoais foi uma das maiores aplicações das partidas dobradas. A educação financeira pode atrair atenção para a importância da contabilidade. 

04 agosto 2020

Reserva de Emergência em Finanças Pessoais

Um dos tópicos relevantes na educação financeira (e em finanças pessoais) é a constituição de uma reserva de emergência. Um dos parâmetros é ter em caixa (ou aplicações de baixíssimo risco e elevada liquidez) seis meses de salário: Esta discussão é relevante, em momentos de elevado desemprego.

As recomendações dos especialistas variam, mas de forma geral eles dizem que o ideal é guardar o equivalente a pelo menos seis meses do que se precisa para viver. “Quanto mais instável for a fonte de renda, maior deve ser a reserva”, diz Samantha Millais, facilitadora de educação financeira da Guide Investimentos. Funcionários públicos, por exemplo, geralmente precisam ter menos recursos para emergência; autônomos e microempresários deveriam guardar até um ano de seus gastos ou sua renda, considera. (Reserva de emergência deve ser prioridade | Suplementos | Valor Econômico)

Foto: aqui

A razão dos seis meses? Se você perder o emprego, cortando gastos supérfluos, você teria condições de ficar desemprego, com estes recursos, por até um ano. 

18 novembro 2018

Educação financeira funciona? Parte 2

Ainda sobre a questão se a educação financeira funciona:

Outra pesquisa, realizada na Alemanha, revisa pesquisas e teorias para mostrar que os efeitos de curto prazo da educação financeira variam conforme o grupo. O texto mostra a existência de uma confusão entre efeitos da educação financeira com a própria educação em si e com o comportamento financeiro. Olhando os imigrantes, as pessoas de baixa renda e os jovens, os autores chegam a conclusão que parece existir um efeito positivo de curto prazo no conhecimento financeiro dos jovens, mas não existe nenhuma evidência que prove que o comportamento de longo prazo tenha se alterado.

IZA DP No. 11515, Abril de 2018, Financial Education for the Disadvantaged?

15 novembro 2018

Educação financeira funciona?

Uma questão (muito importante) em aberto nas finanças pessoais é se a educação financeira funciona. Há algumas pessoas que defendem que isto realmente não funciona. Mas alguns estudos mostram que a realidade é bastante complexa: geralmente os conceitos são absorvidos pela maioria étnica, homens e de meia idade.

Mitchell e Lusardi especulam que essas diferenças são explicadas pela forma como diferentes grupos adquirem educação financeira. Isso sugere que a educação financeira não apenas funciona, mas é importante garantir que as pessoas tenham acesso a ela.

O treinamento deveria ser específico, levando em consideração as diferenças de cada pessoa. Não ajuda muito, mas programas amplos não é uma maneira adequada de ensinar finanças pessoais.

Ou, como mostra a minha experiência, o programa mais eficaz é adaptado especificamente às necessidades financeiras das pessoas a quem se destina.

Leia mais aqui

15 setembro 2014

Custo - Benefício

A CVM decidiu fazer um projeto voltado para a comunidades de baixa renda, conforme informa o Valor Econômico (CVM investiga mentes para tentar estimular poupança)

O projeto mais adiantado é o voltado a comunidades de baixa renda. A CVM tem feito visitas e iniciado alguns projetos-piloto no Rio, como nas regiões da Barreira do Vasco e Santa Marta, junto a Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs). "Fizemos parcerias com grupos que fazem políticas públicas nesses locais e já conhecem a realidade, os valores, signos e símbolos, a forma como as pessoas se decidem e como se organizam em termos econômicos", diz Vasco.

Será que isto passaria pelo teste da análise custo-benefício? Provavelmente não. A grande maioria dos investidores, seja de baixa ou alta renda, fazem investimentos através de fundos. Não seria mais relevante a entidade, que usa recursos públicos, preocupar-se com venda casada de investimento ou taxas elevadas de administração dos fundos?