Translate

Mostrando postagens com marcador executivo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador executivo. Mostrar todas as postagens

12 julho 2021

Beleza é riqueza


Muito interessante. No Financial Review:

This paper examines whether and how CEO attractiveness relates to firm value. We construct a Facial Attractiveness Index of 667 CEOs based on their facial geometry. More attractive CEOs are associated with better stock returns surrounding their job announcements and around earnings-announcement news with CEOs' images. Further, more attractive CEOs are related to higher acquirer returns following acquisition announcements and higher Tobin's Q. Finally, consistent with the existing literature documenting the beauty premium in pay, more attractive CEOs receive higher compensation.

Ou seja, a beleza do executivo pode afetar o valor da empresa. 

Foto: Shari Sirotnak

26 fevereiro 2021

Excesso de pagamento do executivo


Em 2019, o salário médio dos principais diretores executivos aumentou 14% de 2018 para US$ 21,3 milhões. Sundar Pichai, o CEO da empresa matriz do Google, Alphabet, ganhou $280.621.552 em remuneração total - mais de 1.000 vezes a renda de um funcionário mediano da empresa.

Pichai encabeça a nova lista dos "100 CEOs mais bem pagos", o sétimo relatório anual publicado por As You Sow, uma organização sem fins lucrativos que promove a responsabilidade social corporativa através da defesa dos acionistas. O relatório, legendado "Are Fund Managers Asleep at the Wheel?" descobre que, embora a oposição dos acionistas a este excesso esteja crescendo, muitos dos maiores fiduciários financeiros ainda não votaram contra o pagamento excessivo do CEO nas reuniões anuais de acionistas do ano passado.

O relatório calcula quanto os CEOs deveriam ter ganho em 2019 com base no retorno total dos acionistas nos últimos cinco anos, e depois calcula o pagamento excedente que receberam; por exemplo, o relatório sugere que 95% do salário de Pichai (um total de US$266.698.263) foi excessivo. Descobriu-se que, no caso da Alphabet, a relação entre o salário do CEO e o do empregado foi de 1.085:1; a Walt Disney Co.'s, em quinto lugar, foi de 911:1; e a Kraft Heinz Co.'s, em sexto lugar, foi de 1.034:1.

Continue lendo aqui. O relatório original pode ser obtido aqui

10 fevereiro 2021

16 novembro 2020

Frase


De um artigo que conta a história da fraude empresa de jogos Sierra:

Há um segredo de negócios que Ken Williams diz ter aprendido com Bill Gates. Pergunte a um executivo ou candidato a contratação pelo seu handicap no golfe e, se eles derem uma resposta, ignore essa pessoa. Executivos sérios não jogam golfe.

Imagem aqui

26 outubro 2020

Punindo o executivo, não a entidade


O Goldman Sachs admitiu ser culpado, pela primeira na sua história de 151 anos, pelo que aconteceu com sua subsidiária na Malásia, no escândalo do 1MDB. O Goldman foi uma das instituições que participou do gerenciamento inadequado do fundo soberano do país asiático. A multa deverá ser de mais de 5 bilhões de dólares. Este valor já tinha sido contabilizado no balanço do banco. 

O Goldman deverá recuperar 174 milhões dos salários que foram pagos para os executivos. Isto é algo bastante interessante. Na época do escândalo, os executivos Lloyd Blankfein (CEO), Gary Cohn (COO) e David Viniar (CFO) receberam remuneração de desempenho. O atual presidente, David Solomon, e outros executivos, também deverão devolver parte do salário recebido. 

“O ponto importante é que tirar dinheiro do bolso de um humano é mais eficaz do que tirar dinheiro da conta corrente de uma empresa”, afirmou Joseph Grundfest, professor de direito de Stanford e ex-S.E.C., para o New York Times. Além disto, se o pagamento é feito pela executivo, o acionista não seria punido. É bem verdade que o valor a ser pago é bem reduzido em relação a remuneração recebida pelos executivos. Um CEO deste nível recebe mais de 20 milhões por ano.

25 outubro 2020

Executivos são racionais?

 


Quando fazemos pesquisa sobre as finanças comportamentais nas empresas, uma das grandes dificuldades é a obtenção de informações. Uma saída típica é fazer estudos com estudantes e assumir que o comportamento dos estudantes será espelhado nos executivos das empresas. Há um corpo bem sólido de pesquisas que permite fazer esta suposição. Mesmo assim, muitos leitores duvidam disto. Afinal, os executivos são pessoas bem preparadas, que passaram por uma seleção e aprenderam com os erros. Em termos mais técnicos, os executivos seriam uma amostra não aleatória da população: são inteligentes e qualificados. 

Além disto, os executivos são monitorados pelos conselhos e as estruturas de governança das empresas, que impede erros comportamentais. Mesmo assim, as pesquisas mostram que os executivos não são 100% racionais

A nova onda de pesquisas sobre finanças corporativas comportamentais que começou a aparecer em meados dos anos 2000 alterou drasticamente essa linha de raciocínio. Um corpo de evidências convincentes documenta preconceitos sistemáticos e persistentes na tomada de decisão gerencial, incluindo excesso de confiança, pensamento dependente de referência e confiança em atalhos cognitivos, e revela que os traços de caráter e experiências passadas dos gerentes moldam suas decisões.

Este artigo revisa e analisa o crescente corpo de pesquisas em finanças corporativas comportamentais. A revisão é organizada de acordo com três fases distintas da carreira do CEO: nomeação, estar no comando e demissão. Cada fase do ciclo de vida da carreira do CEO está intimamente ligada a um dos três pilares do paradigma do gerente racional. A primeira seção (‘Seleção do CEO: Quem se torna um CEO?’) Discute o primeiro estágio do ciclo de vida da carreira do CEO, a nomeação inicial, e o vincula ao argumento de seleção: Por que os mecanismos de seleção não filtram candidatos tendenciosos? Por que eles podem até favorecer candidatos com certos preconceitos? A segunda seção (‘Decisões do CEO: Os preconceitos afetam as políticas corporativas?’) examina a tomada de decisão do CEO enquanto ele está no cargo e a vincula ao argumento de aprendizagem: Quais preconceitos sistemáticos os CEOs apresentam? O que pode impedir os CEOs de aprender com os erros do passado? A terceira seção (‘Sobrevivência do CEO: quando os CEOs são demitidos?’) discute a rotatividade do CEO e a vincula ao argumento da disciplina de mercado: Os conselhos e os mercados estão cientes dos preconceitos dos CEOs? Como os CEOs tendenciosos são incentivados? Quando os CEOs tendenciosos são substituídos? A seção final é a "Conclusão". Ao longo de todo o artigo, o artigo identifica caminhos promissores para pesquisas futuras e discute as implicações políticas e conselhos gerenciais.

BEHAVIORAL CORPORATE FINANCE: THE LIFE CYCLE OF A CEO CAREER. Marius Guenzel; Ulrike Malmendier. Working Paper 27635

Imagem aqui

19 outubro 2020

Explicando a remuneração de executivos

Uma das tendências dos mundo moderno é a existência de executivos que recebem elevados salários. Muitas vezes isto pode ser explicado pela habilidade do executivo em desenvolver projetos (Jobs, na Apple), pela capacidade de inovar (Musk, na Tesla e companhias) ou pelas sábias decisões (Buffett, na sua empresa de investimento). Em suma, pela capacidade administrativa. 

Mas alguns executivos recebem elevados salários mesmo cometendo muitas falhas. Aqui a lista é bem generosa. Uma possível explicação da elevada remuneração destes administradores é sua capacidade gerencial. Há, inclusive, um nome bem pomposo para isto: teoria do capital humano. Entretanto, há alguns autores que acreditam que a teoria do capital humano é um engodo e a melhor explicação seria a teoria da sinalização. Brian Caplan traz esta distinção de forma clara no seu livro sobre o Mito da Educação, que já comentamos aqui. 

Uma explicação alternativa é associar a remuneração do CEO com o tamanho da empresa. A prática tem demonstrado que maiores empresas pagam maiores salários. 


Enquanto Steve Easterbrook, CEO da McDonalds, recebe um boa remuneração, Jonathan Steinberg, que administrava uma empresa com 200 funcionários, recebia bem menos. Quanto maior a empresa, maior a remuneração relativa. 

A primeira pessoa a observar esta relação foi David Roberts, em 1956. Dois anos depois, Mincer desenvolveu uma teoria que o investimento em capital humano explica a diferença na remuneração. Como a teoria de Mincer era mais "bonita" de acreditar, seu trabalho prevaleceu sobre Roberts. Mas os dados empíricos, com aqueles mostrados no gráfico acima, são fortes para serem ignorados. O grande Herbert Simon propôs algo para explicar estes dados: o tamanho é uma variável importante na remuneração por conta da hierarquia:

As empresas, propôs Simon, são organizadas usando uma cadeia de comando hierárquica. O CEO comanda um punhado de subordinados. E esses subordinados, por sua vez, comandam seus próprios subordinados. Essa cadeia de comando cria uma estrutura piramidal, com muitas pessoas na base da hierarquia e poucas no topo.

Por si só, essa pirâmide não diz nada sobre renda. Mas com uma suposição simples, Simon fez uma previsão surpreendente. Se a receita crescer com a classificação hierárquica, a remuneração do CEO aumentará com o tamanho da empresa. Isso ocorre porque as empresas maiores têm mais posições hierárquicas. Portanto, o CEO de uma grande empresa tem uma posição superior - e, portanto, maior receita - do que o CEO de uma pequena empresa. Assim, a remuneração do CEO cresce com o tamanho da empresa.

Ou seja, a produtividade não afetava os salários dos executivos. Se fosse assim, o salário de Easterbrook deveria refletir sua capacidade. Mas este executivo provou ser uma fraude.

27 agosto 2020

Executivo em live


A CVM soltou uma nota sobre a participação de executivo em lives:

As incertezas sobre o efeito da pandemia da Covid-19 no desempenho das companhias abertas e as modificações nas rotinas de trabalho nos últimos meses popularizaram a realização de transmissões ao vivo com a participação de executivos de companhias abertas. Por isso, a Superintendência de Relações com Empresas da Comissão de Valores Mobiliários (SEP/CVM) divulga orientações sobre as boas práticas que devem ser adotadas em relação a esse tipo de evento.

Ainda que a companhia não seja a organizadora da live e seu representante seja um convidado, o entendimento da área técnica da CVM é que se aplicam a tais eventos as mesmas regras previstas nas normas que tratam da divulgação de informações relevantes e as regras gerais sobre conteúdo e forma das informações.

Comunicado ao mercado 
O documento destaca que o emissor deve divulgar informações de forma abrangente, equitativa e simultânea para todo o mercado, como previsto na Instrução CVM 480. Portanto, ainda que as transmissões ao vivo sejam organizadas por outras entidades e realizadas em plataformas abertas ao público em geral, a sua ocorrência deve ser divulgada, com antecedência, informando data, horário e endereço na internet em que será transmitida a “live”, que contará com a participação de algum representante da companhia.

Neste sentido, a recomendação é que seja divulgado, com antecedência, um Comunicado ao Mercado, informando data, horário e endereço na internet em que será transmitida a live que contará com a participação de algum representante da companhia.

Apresentações visuais 
Eventuais apresentações, em slides ou outros formatos, deverão ser enviadas pelo Sistema Empresas.NET. Caso não haja apresentação visual, o Comunicado ao Mercado que informar sobre a realização do evento deverá conter também uma relação dos temas a serem discutidos e, quando possível, das perguntas que serão feitas.

“Se não for possível divulgar com antecedência o conteúdo da apresentação, por impossibilidade de se obter tais informações junto aos organizadores, ou por conta de um formato livre de apresentação, recomendamos que o evento aconteça fora do horário de pregão, preferencialmente após o fechamento do mercado, para que a equipe de RI tenha tempo de preparar o material que deverá ser divulgado após o fim do evento no Sistema Empresas.NET”, destaca o superintendente de Relações com Empresas (SEP), Fernando Soares Vieira.

Imagem aqui

26 agosto 2020

Executivo que afundou a empresa ganha bônus de desempenho


A lei dos Estados Unidos restringe o pagamento de bônus para os executivos de empresas que declararam falência. O que está ocorrendo agora? Um pouco antes de decretar a falência, a empresa efetua uma boa remuneração para estes executivos, alegando que isto é importante para "reter" um bom executivo. O mesmo que não impediu o problema da empresa. Parece sem sentido, e é mesmo. Na verdade é malandragem. Eis um texto sobre o assunto do Financial Times (Companhias pagam bônus antes de falência, Valor, 24 de agosto, Joe Rennison e James Khan):

Empresas em todos os Estados Unidos têm dado bônus de “retenção” multimilionários a altos executivos pouco antes de declararem falência, o que enfurece credores, que classificam esses pagamentos de recompensa por fracassos.

A prática se tornou comum entre empresas em dificuldades e levadas ao extremo pela pandemia do coronavírus. A lista inclui quebras de grande visibilidade, como as de JC Penney, Hertz e Neiman Marcus; empresas pressionadas pela recessão no setor de energia, como a Whiting Petroleum; e grupos menores cujas receitas foram prejudicadas pela crise de saúde pública, como a centenária fabricante de motores para cortadores de grama Briggs & Stratton. 

(...) Mas os credores têm revidado, especialmente contra empresas que premiaram gestores que presidiram o afundamento de seus negócios. É frequente que pagamentos de retenção sejam concedidos semanas ou dias antes de que os grupos demitam trabalhadores e se recusem a pagar empréstimos.

(...) Brad Holly, executivo-chefe da Whiting, recebeu US$ 6,4 milhões em março, dentro de um novo programa de compensação aprovado pela diretoria, que ele preside, menos de uma semana antes de a empresa entrar com pedido de falência. A Whiting, que espera sair do Capítulo 11 da Lei de Falências no mês que vem, informou que Holly deixaria o cargo de executivo-chefe quando isso acontecer e receberia US$ 2,53 milhões adicionais como indenização rescisória.

Prêmios de retenção concedidos às vésperas de declarações de falência tornaram-se mais comuns nos últimos anos, na esteira de uma lei de 2005 que restringiu o pagamento de bônus após a empresa entrar em processo de falência. Os críticos dizem que eles burlam a lei, cujo objetivo era limitar indenizações para executivos com a empresa está em dificuldades.

Imagem: aqui

15 agosto 2020

Amo muito tudo isso ...

 

O McDonald’s moveu ação judicial contra seu ex-CEO Steve Easterbrook, alegando que ele escondeu detalhes de três relacionamentos de cunho sexual com funcionárias quando o conselho de administração o demitiu, em novembro passado, devido a uma outra relação com uma subordinada. (...) O McDonald’s não teria aprovado o acordo de afastamento se tivesse tido conhecimento da magnitude de seu “comportamento pessoal indevido”, disse a empresa, acrescentando que, em vez disso, o teria demitido por justa causa. (...) De acordo com o processo judicial, novas provas mostraram que o executivo britânico manteve “relações sexuais físicas” com três funcionárias no ano anterior à sua demissão, que ele aprovou uma doação extraordinária de ações no valor de centenas de milhares de dólares para uma delas “no decorrer de suas relações de cunho sexual” e que ele “mentiu conscientemente” aos investigadores.

McDonald’s processa ex-presidente para que devolva indenização paga - Andrew Edgecliffe-Johnson e Alistair Gray — Financial Times - 11/08/2020 - Via Valor

O texto só apresenta o lado da empresa. Mas faz sentido o fast-food ficar bronqueado? O executivo foi demitido por um problema de comportamento e a empresa deseja puni-lo por que não é somente um problemas, mas mais. Ou seja, é um problema de magnitude: um comportamento pessoal indevido pode; três não. Isto parece uma loucura. 

E a contabilidade? - O texto fala em investigação interna. Mas trata-se de um problema de controle interno. Na realidade, problemas, no plural. Falhou no comportamento indevido e falhou no processo de demissão. 

Cartoon, aqui. "Nosso CEO tomou as coisas muito literalmente" e "Amo muito isso". 

13 junho 2020

Amor e Risco

Esta pesquisa é muito interessante. Estava guardando para um postagem futura e o dia dos namorados (ontem) é uma boa desculpa. Segundo Jordan Neyland, da George Mason University, o fato de um CEO divorciar pode ter impacto no risco da empresa e na compensação paga. O título do artigo é bem sugestivo: Love or Money: The Effect of CEO diverce on Firm Risk and Compensation.

Neyland encontrou que há uma redução no risco da empresa no ano em que o CEO divorcia. Esta menor volatilidade também está associada a incentivos arriscados. Nesta situação, o CEO também toma decisões diferenciada de investimentos para a empresa, em especial àquelas com problemas de caixa e diversificação.

O artigo foi publicado no Journal of Corporate Finance de 2020.

28 março 2020

Covid-19 e os executivos

O Audit Analytics lembra um aspecto interessante do Covid-19 nas empresas: os efeitos sobre os executivos

(...) Considerando a importância dos executivos, um CEO que fica doente é digno de nota, pois pode impactar o resto da empresa. Por exemplo, a Century Cobalt Corp. [CCOB: OTC] divulgou que a Companhia publicaria suas demonstrações financeiras com atraso devido ao fato de seu CEO estar isolado para COVID-19, embora não estivesse claro se isso era uma precaução ou porque o CEO havia testado positivo. De acordo com a divulgação, o isolamento do CEO está atrasando a disponibilidade de documentos para a auditoria, resultando na incapacidade da Century Cobalt de arquivar seu relatório anual.

Por outro lado, em 13 de março de 2020, a empresa de telecomunicações com sede em Londres BT Group plc [LSE: BT.A; OTC: BTGOF] divulgou em um relatório atual que seu CEO havia testado positivo para COVID-19, mas afirma que a doença do CEO não trará nenhuma interrupção para os negócios. A BT admite, no entanto, indubitavelmente haverá desafios para a grande empresa com mais de 100.000 funcionários.(...)

04 setembro 2019

A importância do rosto do executivo

Sabemos que parte do nosso julgamento sobre outra pessoa é baseado naquilo que vemos. Isto pode incluir a aparência e tudo aquilo que esta palavra representa: se encontramos alguém com a camisa do time adversário, se alguém aparece desleixado para uma entrevista, se usa uma roupa inadequada para ocasião e um grande número de situações.

A aparência também pode estar expressa na face. Quem gosta de série e assistiu Lie to Me sabe que existem estudos que revelam, a partir das expressões do rosto de uma pessoa, os sentimentos. A série se baseia nas pesquisas de Paul Ekman. Há controvérsias se isto é verdadeiro ou se é possível treinar uma pessoa para ler expressões faciais (via aqui).

Uma pesquisa partiu desta ideia para mostrar que as expressões faciais podem afetar a contabilidade. Inicialmente, os pesquisadores coletaram as imagens dos executivos de várias empresas no Google Image. Depois disto, usaram algumas medidas físicas que expressam se uma pessoa é confiável ou não. Estas medidas já foram usadas no passado e inclui coisas como o arredondamento da face, largura do queixo, distância do nariz para o lábio e a sobrancelha. Parece estranho isto, mas veja que existem pesquisas que associam estas medidas físicas a uma imagem de confiança de cada pessoa. Com isto, fizeram um programa de linguagem de máquina para calcular estas medidas e criaram uma medida de confiança a partir daí.

Para cada empresa, os pesquisadores associaram o custo da auditoria com diversas medidas, inclusive o índice de confiabilidade. A ideia era simples: se eu não confio na pessoa que irei auditar, devo cobrar mais dele. Afinal, esta auditoria deverá dar trabalho.

Juntando isto tudo, a pesquisa descobriu que não existe uma relação entre o índice de confiança do executivo principal, o CEO, e os padrões de confiança gerado nas imagens. Mas um auditor geralmente não lida diretamente com o executivo principal, mas com o CFO. Quando eles consideraram a imagem do CFO e o seu grau de confiança o resultado foi que nas empresas onde os executivos financeiros, o CFO, parecem mais confiáveis, o valor da auditoria é menor. Ou seja, a expressão facial do CFO interfere nos valores cobrados pela empresa de auditoria.

Assim, mesmo uma profissão que é vista como “fria e calculista”, o julgamento pode afetar as decisões tomadas.

Hsieh, T.-S., Kim, J.-B., Wang, R.R., Wang, Z., Seeing is believing?
Executives’ facial trustworthiness, auditor tenure, and audit fees Journal of Accounting and Economics, https://doi.org/10.1016/j.jacceco.2019.101260.

16 novembro 2018

Hábitos irritantes

O chefão da Apple levanta-se às 3h45 para ler e responder e-mails. Mas pensem um pouco em seus assessores, cujos iPhones começam a zumbir às 4h. Alguns talvez tenham a ousadia de continuar cochilando durante o telefonema, mas a maioria vai se sentir culpada se não responder imediatamente. Pessoas altamente eficientes costumam castigar indefesos subordinados com suas idiossincrasias.

Talvez um dos objetivos das biografias e artigos elogiosos seja o de induzir leitores a imitar os métodos de trabalho de líderes. Ninguém, porém vai entrar na lista dos “500 maiores” da SP apenas por seguir tais exemplos. Tudo que este colunista conseguiria levantando-se às 3h35 seria levar a esposa a pedir o divórcio.


Fonte: Aqui

Além disto, não existe um padrão. Se Tim Cook acorda antes das 4, Bezos  só começa a trabalhar as 10. Mas, como ressalta o texto, as pessoas querem descobrir a chave do sucesso com esses líderes, lendo as histórias daqueles que conseguiram sucesso em busca de inspiração. Mas, como diz o texto, nenhum executivo gosta de admitir que na sexta de noite come pizza e assiste o Ratinho. É mais cool afirmar que meditam ou aproveitam para ler um bom livro.

Muitos perfis de executivos assemelham-se às vidas de santos (...) recebendo ações em lugar de pontos na canonização. 

A questão é que certas excentricidades pode colocar em risco a empresa:

E o excesso de franqueza de Gerald Ratner o arruinou quando disse que sua rede de joalherias vendia “porcarias”.

Hobbies também podem ser destrutivos. Quando o banco de investimentos Bear Starns estava em vias de quebrar, Jimmy Cayne, seu principal executivo, curtia sua paixão por bridge em Nashville, não sendo alcançado por telefonemas e e-mails.

30 setembro 2018

Acordo: Tesla

Neste sábado, a SEC, supervisora do maior mercado de capitais do mundo, anunciou um acordo com o empresário Musk, da Tesla. O acordo inclui a nomeação de um presidente independente (e a saída de Musk do cargo, embora ele continue como CEO), uma multa de 20 milhões de dólares, e nomeação de dois membros independentes.

A punição do empresário decorreu do uso do Twitter para divulgar informações importantes sobre a empresa, incluindo projeções financeiras, sem que estas informações tenham sido divulgadas nos arquivos da Tesla, conforme a legislação dos Estados Unidos. Além disto, Musk não admitirá nem negará as alegações.

Uma parte dos analistas consideraram o acordo bom para a empresa e para os acionistas. Afinal, a Tesla está muito associada ao empresário e o mercado considera que a saída de Musk poderia abalar a viabilidade da empresa. Musk conseguiu fazer uma empresa minúscula, que produz carros elétricos, painéis solares e baterias, na maior empresa dos EUA em valor de mercado.

Além disto, o acordo significa a resolução de um potencial litígio de longo prazo, que prejudicaria a empresa.

A Reuters destacou que o acordo é fruto de uma mudança de de filosofia da SEC, que busca agora penalizar mais das pessoas e menos as entidades. Esta mudança é fruto da crise de 2008, quando executivos mantiveram seus salários e postos, da pressão política dos dois principais partidos dos Estados Unidos, que apoiam esta conduta, e da visão do presidente da SEC nomeado em 2017 por Trump, Jay Clayton.

O problema é que

perseguir indivíduos continua sendo uma estratégia legal arriscada para a SEC. Com mais a perder, incluindo grandes dispêndios, multas e proibições ao longo da vida, os executivos são mais propensos a lutar no tribunal, sugando os recursos da SEC.

A Bloomberg assumiu uma postura mais cínica: Musk venceu, a SEC ficou cega e a Tesla perdeu. Segundo a Bloomberg, diante da força da denúncia - afinal Musk produziu provas digitais contra si - o acordo é uma grande vitória do empresário. Ele vai pagar uma multa que é muito pequena diante da sua fortuna, vai continuar mandando na empresa e evitou maiores penalidades.

28 agosto 2018

Musk

Na história toda sobre Elon Musk (aqui e aqui) e a Tesla, cogitou-se a saída do executivo da empresa. Entretanto, isto seria inviável já que...

“Você investiria em Tesla sem Elon Musk? Não faz sentido.

Se Musk se for, os investidores + torcedores abandonariam as ações. Eles estão investindo em um sonho e em um semideus, e não em uma empresa real com modelo de negócio sustentável. Desse ponto de vista, não faz sentido demitir Musk, não importa o que aconteça. Se a realidade fosse autorizada a assumir o controle da empresa, as ações da Tesla entrariam em colapso sem cerimônia, e a empresa iria à falência (...)


Em linguagem contábil, o principal ativo da empresa é Musk.

26 julho 2018

Morte de Marchionne

Faleceu o ex-presidente do grupo Fiat, Marchionne. O texto abaixo, da The Economist, indica que sua formação, em contabilidade, ajudou no seu trabalho:

Marchionne é considerado uma das maiores estrelas de todos os tempos na indústria automobilística, tendo resgatado a Fiat da quase falência em 2004 e repetido o truque na Chrysler, em 2009. Trabalhando duro até para os padrões de altos executivos, ele alegou que seu traje habitual, um suéter preto, o poupava de perder tempo escolhendo um terno. Ele podia ser brusco, mas também era erudito e franco em uma época em que os chefes se tornaram cada vez mais cautelosos.

A formação de contador o ajudou a ter uma visão clara sobre as deficiências da empresa. Por isso, ele propôs megafusões para dividir custos. Outros executivos de indústrias automobilísticas compartilhavam de seu diagnóstico, mas preferiram alianças vagas, que geram economias, mas não na escala de uma fusão. Marchionne foi um dos poucos que conseguiram êxito ao unir gigantes. E estava sempre à procura de oportunidades – alguns analistas sugeriram que ele estaria elaborando uma última grande transação antes de morrer.

27 junho 2018

Remuneração

Talvez agora, com a derrubada da proibição de divulgação da remuneração dos executivos, possamos ter uma ideia melhor dos valores pagos. O Estadão informou que o executivo mais bem pago do país foi Murilo Ferreira:

O executivo mais bem pago do País em 2017 foi Murilo Ferreira, ex-presidente da Vale. Desligado da empresa em fevereiro de 2017, ele recebeu quase R$ 60 milhões no ano, conforme informações divulgadas na noite de segunda-feira, 25, pela companhia.

Também ficamos sabendo que o executivo do Itaú recebeu três vezes mais que o Bradesco.

24 maio 2018

Remuneração

Boa notícia para o mercado de capitais brasileiro:

O Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2) derrubou a liminar que autorizava companhias brasileiras a divulgarem apenas de forma parcial a remuneração de seus executivos, contrariando o previsto na Instrução nº 480 da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). 

A listagem de empresas que usavam a liminar incluía os seguintes nomes:  Bradesco, Cielo, Itaú e Itausa (financeiro); Vale (mineração); CSN, Metalúrgica Gerdau e Gerdau (siderurgia); Fibria e Suzano (papel e celulose); Oi e Tim (telefonia); Braskem (petroquímica); CCR e Rumo (infraestrutura); Lojas Americanas, B2W e Via Varejo (varejo); BR Malls e Iguatemi (shopping); Alpargatas (calçados); Cosan e CPFL (energia), Embraer (aeronaves), Duratex e Even (construção); Multiplus (serviços); e Minerva (alimentos).

A CVM divulgou um comunicado sobre o assunto. Em um dos trechos:

A decisão proferida hoje pelo TRF2 foi tomada por 3 votos a 0, com manifestação favorável do Ministério Público Federal durante a sessão. Os argumentos da CVM foram acolhidos por unanimidade. O Tribunal reconheceu que a regra estabelecida pela Autarquia não representa afronta à Lei 6.404/76, e que o respeito aos direitos à intimidade e privacidade não tem caráter absoluto, podendo ceder ao interesse público, presente no caso.

Levou-se também em consideração que, ao adotar a forma de companhia aberta para o exercício de qualquer atividade empresarial, as companhias devem seguir a legislação e a regulamentação correspondentes, especialmente focadas no regime informacional de maior transparência, tendo em vista o interesse do público investidor em geral.

Sobre a questão da violência, também exposta pelo IBEF, o Tribunal entendeu que a preocupação aflige a população brasileira de forma geral e que a experiência com a divulgação da remuneração dos servidores públicos demonstrou que não houve acréscimo do risco associado à violência para essa parcela da população.

Os desembargadores ainda observaram que a regra editada pela CVM foi precedida de amplo debate público, com a incorporação de práticas que já vêm sendo adotadas internacionalmente.



Óbvio, não? Mas qual a razão da demora para julgar?

13 dezembro 2017

Pode isto?

Uma empresa apresenta dificuldades na sua gestão. Suspende os pagamentos aos credores e entra em falência. Mesmo assim, seus executivos deverão receber bônus de 16 milhões de dólares. Pode isto? Não deveria, já que os responsáveis pela condução dos negócios estão sendo recompensados por sua incompetência. Em que país subdesenvolvido isto ocorreu? Estados Unidos. E o pagamento foi aprovado pelo juiz responsável pelo caso. A empresa: Toy-R-Us.