Translate

Mostrando postagens com marcador pandemia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador pandemia. Mostrar todas as postagens

19 setembro 2022

Consequências da pandemia no aprendizado

Passei o final de semana corrigindo trabalhos que solicitei aos meus alunos de uma disciplina da graduação. O semestre atípico está encerrando nos próximos dias, mas notei que a qualidade e o aproveitamento foi abaixo do nível anterior à pandemia. Conversando com colegas professores, eles tiveram a mesma sensação com respeito a dificuldade do retorno às aulas presenciais e a dificuldade dos alunos em fazer a adaptação no ensino presencial. 


A percepção é que o ensino à distância é, realmente, um ensino de pior qualidade. A dificuldade em avaliar de maneira justa o esforço do aluno é somada a perda de comunicação com os alunos. As telas do Zoom estiveram fechadas e o professor dava sua aula sem saber se a comunicação do conteúdo estava chegando adequadamente ao destino. Outros fatores ajudaram a comprometer esta qualidade do ensino na pandemia. Mas o retorno parece que trouxe um aluno mais desmotivado. 

Isto que escrevo é um percepção particular. Então não vale como um parâmetro. Quantificar o efeito da pandemia é muito complicado, pois estamos falando de gerações diferentes de alunos que foram afetadas de forma desigual. 

Mas algumas pesquisas que já começam a ser divulgadas mostram que a qualidade do ensino piorou. Isto inclui o Brasil (aqui, por exemplo). Além do aprendizado, as pesquisas também mostram que o bem-estar socioemocional foi afetado. 

Baseado em pesquisas passadas, o prejuízo será a longo prazo. Provavelmente a geração que estava atrás de uma câmera de vídeo, pretensamente assistindo uma aula, terá uma marca na sua formação, que poderá refletir no mercado de trabalho no longo prazo. 

Foto: Chris Montgomery

14 abril 2022

Cutucadas e pandemia

O conceito da cutucada (nudge) foi popularizado no livro de 2008, de co-autoria de Richard Thaler e Cass Sunstein. A cutucada é algo que altera o comportamento das pessoas sem alterar os incentivos econômicos, mas focando na “forma” para fazer esta mudança.

O exemplo que tornou-se popular foi um problema no Aeroporto de Amsterdã, onde os banheiros masculinos estavam sujos. A administração do aeroporto decidiu pintar cada mictório com uma “mosca”. Este simples desenho melhorou a pontaria dos homens, reduzindo a sujeira dos banheiros.

A popularização da ideia foi tamanha logo assim que o livro Nudge foi lançado. Diversos governos decidiram criar uma unidade que envolvesse o estudo da forma como as opções são apresentadas ao usuário. Sunstein foi trabalhar para o governo Obama, onde procurou incentivar o uso das cutucadas na formulação de políticas federais. A Inglaterra criou um unidade comportamental, onde tal estratégia contribuiu para redução na prescrição de antibióticos pelos médicos de família. O fisco inglês conseguiu um aumento no número de contribuintes, através de uma mensagem para alguns deles.

As críticas não demoraram a aparecer. Algumas delas focavam na “manipulação” das cutucadas. A chegada da pandemia trouxe algum prejuízo para as pesquisas na área. Em primeiro lugar, alguns defensores das cutucadas se posicionaram de forma polêmica: o chefe da equipe inglesa na área, David Halpern, foi acusado de ser contra medidas enérgicas. Um investigação subsequente mostrou que a opção do governo Johnson por medidas mais brandas partiu da suposição que as pessoas não iriam fazer o bloqueio.

O problema é que uma pandemia seria um evento extremo e as cutucadas foram “criadas” para situações corriqueiras. A questão é saber se as cutucadas poderiam funcionar nas condições apresentadas após março de 2020. As pesquisas realizadas desde então parecem estar mostrando que as cutucadas não foram relevantes nestes casos. Um experimento na Itália mostrou que a maioria das pessoas já sabia o que seria necessário fazer e estavam seguindo as ordens, sem a necessidade das cutucadas.

Pensar que cutucadas podem solucionar os problemas do mundo é uma atitude inocente. Imaginar toda intervenção terá resultado também. As cutucadas funcionam sob certas condições e pandemia ajudou a lembrar disto.

Sobre este assunto, recomendo a leitura do artigo da UnDark, The Subtle Psychology of Nudging During a Pandemic

17 janeiro 2022

Clubes de Futebol da Europa e desempenho financeiro


Segundo uma reportagem do Accountancy Daily o desempenho financeiro dos clubes de futebol da Europa na temporada encerrada em maio de 2021 teve influencia da pandemia. Eis alguns destaques:

* A estrutura de custos rígida - elevados custos fixos - fez com que a maioria dos clubes tivesse prejuízo. Os maiores prejuízos em termos absolutos foram da Inter de Milão (245 milhões de euros) e Atlético de Madrid (112 milhões). O resultado da Inter é recorde entre os clubes italianos. 

* Parte do prejuízo é explicado pela queda da receita. O Manchester City é uma exceção, pois teve um crescimento da receita para 644 milhões de euros e pela primeira vez este número é maior que seu rival, o Manchester United (557 milhões). Parte do aumento é resultado do prêmio por chegar na final da Champions: 96 milhões

* O Bayern é o único clube, da análise realizada, que teve lucro, embora menor. O desempenho do Bayern merece destaque pois o clube manteve um valor baixo dos custos com pessoal em relação ao total da receita: 58%. Além disto, pela 29a vez o Bayern obteve lucro. 

Foto: Unuabona

04 maio 2021

Pandemia e cálculo da inflação


Não li nada sobre isto no Brasil, mas vale o registro acontecendo lá fora. Com a pandemia, o cálculo da variação de preços na economia tornou-se problemático.

De acordo com o Bureau of Labor Statistics (BLS), metade dos dados incluídos no índice de preços ao consumidor (IPC) foi "imputada" no ano passado.

Tradicionalmente um quarto do índice é imputado. Isto aumenta a imprecisão do valor divulgado, tanto para mais, quanto para menos. A pandemia tornou difícil a coleta de dados nos domicílios. E surgiram alguns problemas. O valor do aluguel, apesar da existência de um contrato, deixou de ser cobrado em muitos casos. Como levar em conta este fato em um índice de inflação? 

Imagem aqui

05 abril 2021

Educação e Pandemia


Uma história narrada por Joe Hoyle. Hoyle é professor de contabilidade com uma larga experiência e divide algumas das suas experiências no seu blog. 

Eu estava entrevistando uma de nossas alunas ontem (no Zoom, é claro) para um prêmio de aluno excepcional que é concedido a cada ano em nossa formatura. Esta aluna em particular eu conheço muito bem. Tenho respeito pelas opiniões dela. Então, fiz a ela uma pergunta sobre a qual tenho pensado muito recentemente: “Qual é a melhor coisa em ser uma estudante universitária durante uma pandemia?” Por um breve momento, ela olhou para mim como se eu tivesse perdido a cabeça, porque não era uma pergunta que ela tinha ouvido antes ou mesmo considerado. Todos parecemos fixados nas partes ruins do ano passado. 

Como eu esperava, essa aluna se recuperou imediatamente e deu uma resposta fabulosa: “Aprendi a fazer tantas coisas que nunca pensei que pudesse fazer. Fiquei confortável com todos os tipos de tecnologia que eu nem sabia que existiam. De muitas maneiras, eu estava em uma rotina e a pandemia me tirou dessa rotina e me empurrou para me tornar um estudante melhor. ”

Foto: aqui

04 fevereiro 2021

Resposta à pandemia - 2

 No final de janeiro foi divulgado um ranking de resposta de cada país em relação a grave crise mundial de saúde. Divulgamos o índice aqui. O Brasil não estava bem. Agora, um gráfico uniu um índice global de segurança de saúde e o número de falecimentos provocados pela pandemia. 

Entretanto, o Brasil, um país relativamente preparado, teve um grande número de mortes. Mas saiu melhor que a Espanha, por exemplo. Veja a Suécia, um país que adotou um política mais liberal em termos de saúde, cujo resultado não é bom. 

31 janeiro 2021

Riscos Globais


Em Factfulness, escrito em 2017, Hans Rosling tem uma visão bem otimista/realista do mundo. Mas no final ele alerta para os cinco riscos globais com os quais devemos nos preocupar. E o primeiro da lista é:

Pandemia global

(...) Respeitados especialistas em doenças infecciosas concordam que um novo e terrível tipo de gripe ainda é a mais perigosa ameaça à saúde global. A razão: a rota de transmissão da gripe. Voa pelo ar em gotículas. Uma pessoa pode entrar num vagão de metrô e infectar todos dentro sem que os passageiros se toque, ou sequer encostem no mesmo lugar. Uma doença transportada pelo ar como a gripe, com a capacidade de se espalhar rapidamente, constitui uma ameaça à humanidade maior do que enfermidades como ebola ou o HIV. Para dizer o mínimo, vale a pena nos proteger de todas as maneiras possíveis de um vírus que é altamente transmissível e ignora todo tipo de defesa. 

28 janeiro 2021

Resposta à pandemia


O instituto Lowy fez um estudo sobre o desempenho de cada país na questão da pandemia após o 100 caso. A metodologia inclui o número de casos confirmados, de mortes e número de testes, em números absolutos e relativos (1). O melhor desempenho é da Nova Zelândia, seguido por Vietnam, Taiwan, Tailândia e Chipre (2). Bélgica, onde o problema tem sido anunciado como grave, ficou 72o. lugar. Melhor que Estados Unidos, Irã, Colômbia, México e Brasil, que teve uma pontuação de 4,3 e ficou em 98o. lugar (foto). 

Foram investigados ... 98 países e o cálculo não inclui a China, por falta de dados confiáveis.  

Um aspecto curioso do estudo é que países com regimes totalitários tiveram uma resposta inicial melhor, mas o resultado final, em relação aos regimes democráticos, foram convergentes. Os países menores tiveram melhor desempenho, assim como países mais desenvolvidos.

Duas observações:

(1) a escolha dos índices vai influenciar o resultado. Países menores, provavelmente o contágio será mais rápido do que os países com maior dispersão da população e área geográfica maior. Mas é importante destacar que talvez estes sejam os indicadores existentes no momento

(2) Uma característica interessante: as melhores posições são ocupadas por "ilhas", onde o controle da fronteira provavelmente é mais efetivo. 

17 janeiro 2021

Pandemia e Traição


Texto original francês, publicado aqui 

"Mas numa situação tão stressante como a da pandemia de covid-19, a profusão das tentações assume uma forma de ‘felicidade virtual’ que permite por vezes suportar a realidade. Saltitar por entre pessoas na Internet é algo que apaga temporariamente os nossos afetos negativos". 

Assim, os sites de encontros tornaram-se o disfarce para as pequenas seduções do dia-a-dia. "Não esperávamos isto, mas registámos um aumento recorde das conexões e das inscrições no primeiro confinamento", diz Solène Paillet, diretora de comunicação da Gleeden Europe. Entre 17 de março e 11 de maio, o site especializado em adultério viu o seu tráfego disparar 260% e o seu número de inscritos subir mais de 170% em França. 

Imagem aqui

30 dezembro 2020

Mercado editorial nacional na pandemia

Em maio de 2020, de acordo com a Publishnews, o varejo de livros no Brasil perdeu quase 50% do seu faturamento. Isso ocorreu devido ao fechamento das lojas causado pela pandemia do novo coronavírus. Passado o choque inicial, o mercado foi se recuperando e após as promoções da Black Friday alcançaram valores similares ao mesmo período em 2019.

Em números absolutos, de janeiro a novembro, foram vendidos 36,92 milhões de unidades e os estabelecimentos apuraram faturamento de R$ 1,51 bilhão. Em termos de faturamento, a variação ainda é negativa em 1,14%

Segundo o Painel do Varejo de Livros no Brasil:

“Esse ano de 2020 tem apresentado grandes desafios. A pandemia afetou frontalmente a economia e o mercado livreiro. Mas estamos recuperando o ‘tempo perdido’, nos aproximando do ponto zero em termos de valor”, afirmou Ismael Borges, gestor da Nielsen Bookscan, ferramenta que monitora o varejo de livros no Brasil. “Ainda estamos negativos por conta do altíssimo nível de desconto que chega a quase 30% entre os livros mais vendidos”, analisou.

Talvez valha a pena reexplicar a metodologia do Painel. A Nielsen captura a venda de produtos que tenham ISBN em um conjunto de estabelecimentos – físicos e virtuais. A lista dos estabelecimentos aparece no fim dessa matéria. Os dados são processados e dão origem ao relatório. Portanto, o que o Painel mostra é um panorama geral do varejo de livros no Brasil. Por questões contratuais da Nielsen com as varejistas, o documento não esmiúça o que foi realizado em lojas de argamassa e tijolo e aquilo que foi vendido em lojas exclusivamente virtuais, mas, livreiros e editores ouvidos pelo PublishNews apontam que a grande parte dessas vendas foram realizadas em e-commerces, mostrando que este segmento é o que tem sustentado essa recuperação apontada pelo Painel.

Marcos da Veiga Pereira, presidente do SNEL, fala da necessidade da “reinvenção do varejo físico no Brasil”. “Em todos os mercados mundiais temos observado o mesmo fenômeno: a pandemia resgatou o hábito da leitura, mas permanece o desafio da introdução de novos títulos no mercado. Este será o principal tema para 2021, com a reinvenção do varejo físico no Brasil”, disse.


Mercado editorial norte-americano na pandemia

O mercado editorial norte-americano em 2020 foi excelente, segundo reportagem do The New York Times. Com eventos presenciais cancelados, as pessoas têm lido bastante – ou ao menos comprado bastante livros. Madeline McIntosh, a diretora executiva da Penguin Random House disse que acredita que a indústria teve o melhor ano dos últimos tempos.

O mercado de áudio livros, ainda pouco explorado por aqui, teve um aumento de mais de 17% quando comparado ao mesmo período em 2019. Os e-books, por sua vez, apresentaram um acréscimo em torno de 16% e os livros físicos de cerca de 8%.

Quando as livrarias foram fechadas em março houve uma queda nas vendas, mas não durou. Enquanto algumas partes da indústria continuam a sofrer, como as livrarias e as editoras educacionais, os executivos das editoras reportaram que as vendas voltaram a crescer por volta de junho. Muitas das vendas foram feitas pela Amazon, mas como os hipermercados puderam continuar abertos por lidarem com itens essenciais, também se saíram bem, com o destaque indo para o Target.

Os executivos de editoras descrevem o seu negócio como a prova de recessões. Nos Estados Unidos o mercado se manteve estável após a recessão de 2008, caindo apenas 4% quando o desemprego alcançou o topo em 2009, retomando terreno no ano seguinte. Os desafios dessa vez pareciam maiores, com o distanciamento social, as restrições em armazéns, os isolamentos amplos e o rápido declínio da economia.

Mas as dificuldades da cadeia de suprimentos, como problemas de capacidade em grandes gráficas - que têm sido difíceis de gerenciar e são contínuos - não paralisaram o sistema. As restrições da pandemia, enquanto isso, eliminaram parte da competição. Segundo eles, uma pessoa só pode assistir uma quantidade limitada de Netflix, e não havia muitas outras opções.

“A competição pelo tempo de lazer, essa equação mudou com a pandemia”, disse Don Weisberg, o presidente-executivo da Macmillan. “A maneira como isso voltará será um forte indicador do futuro.”

Partes do mundo dos livros têm lutado. Com muitas igrejas e outras casas de culto fechadas, a venda de livros religiosos caiu, de acordo com a BookScan, e a categoria de viagens despencou em mais de 40% na impressão. (Ficção para jovens adultos, por outro lado, e livros sobre casa e jardinagem aumentaram mais de 20%.)

Grandes livrarias, acostumadas com o varejo online, se saíram bem pois no início da pandemia a Amazon ficou sobrecarregada com encomendas e deu baixa prioridade aos livros, o que ajudou o desempenho da Barnes&Noble, por exemplo. As livrarias independentes também sofreram devido ao isolamento, com algumas reportando cerca de 40% no declínio de vendas, e para driblar a crise tiveram que se adaptar às vendas online.

Mesmo as editoras que se saíram bem estão preocupadas com as livrarias, já que os leitores têm mais chances de descobrir bons livros em uma loja física do que em uma online, devido a disposição dos livros ou a dicas da equipe.



24 março 2020

Rir é o melhor remédio

Atualização: foi confirmado que é uma história falsa (aqui).


Rússia deixa 500 leões nas ruas para assegurar que as pessoas ficaram em casa durante a pandemia.

14 março 2020

Efeitos positivos do Covid19

Além dos efeitos maléficos, o COVID-19 pode ter um efeito positivo: a interrupção da atividade econômica pode ter reduzido a poluição do ar na China, com efeito positivo não somente para China, mas para outros países do mundo. Eis um mapa que ajuda a explicar o que está ocorrendo:


Do lado esquerdo, a poluição antes da doença e do lado direito o que está ocorrendo agora. A redução da atividade econômica não significa a redução de toda poluição, mas em algumas áreas os efeitos são notáveis. Como existe uma grande evidência de que a poluição é prejudicial a saúde, o número de vidas salvas por este efeito colateral da doença pode ser maior que o número de mortos com o COVID-19.

É muito difícil dizer com certeza se isto é verdadeiro. Descobrir o número de vidas salvas pela redução da poluição é um exercício de suposições. Mas uma postagem do G-Feed usou os dados médios diários da poluição nos últimos anos e fez uma comparação com a poluição nos dois primeiros meses de 2020.

A comparação é entre a linha azul e a linha vermelha dos gráficos. A diferença entre os valores é estatisticamente significativa. Após isto, é necessário calcular como a redução da poluição afetou a taxa de mortalidade. Também é um cálculo complicado e baseado em suposições. Mas o GeFeed usou dados de pesquisas anteriores que mostraram os efeitos da redução da poluição sobre a taxa de mortalidade. E usaram uma abordagem conservadora, assim como o total de pessoas que foram afetadas pela mudança na poluição do ar. Com estes números, chegou-se a uma redução de 1.400 vidas de crianças com menos de cinco anos e 51.700, para pessoas acima de 70 anos. Isto equivale a 20 vezes o número de vidas do COVID-19.


Parece claramente incorreto e imprudente concluir que as pandemias são boas para a saúde. Novamente, enfatizo que os efeitos calculados acima são apenas os benefícios para a saúde das mudanças na poluição do ar e não respondem por muitas outras conseqüências negativas a curto ou longo prazo da interrupção social e econômica na saúde ou em outros resultados; esses danos podem exceder qualquer benefício à saúde da redução da poluição do ar. Mas o cálculo talvez seja um lembrete útil das conseqüências muitas vezes escondidas do status quo para a saúde, ou seja, os custos substanciais que nossa maneira atual de fazer as coisas exacta em nossa saúde e meios de subsistência.

Conforme os autores lembram, talvez o impacto ainda será estudado em outras pesquisas futuras. Mas o lembrete foi dado. Um comentário do blog lembrou algo também interessante: talvez a pandemia promova uma mudança de hábitos que possam salvar vidas no futuro (lavar as mãos, reduzir o número de viagens, não cumprimentar as pessoas com aperto de mãos, etc). Outro leitor lembrou que algumas das medidas pode reduzir a renda de uma parcela da população, como os locais turísticos. E isto tem consequência sobre o número de vidas da pandemia.

02 março 2020

Custo de uma Pandemia

O pedido do presidente Trump ao Congresso de US $ 2,5 bilhões para combater o vírus antes que se torne uma pandemia chamou a atenção por ser muito baixo e por boas razões. Em um editorial publicado em 2016, Milbank Quarterly , professor de Direito Lawrence Gostin informou à Academia Nacional de Medicina ter estimado um custo total anual de “preparação para uma pandemia” em algo entre $3 bilhões a US$ 5 bilhões. É muito dinheiro para gastar todos os anos, mas seria diminuído pelo custo exorbitante de uma pandemia não contida.

Porém, isso levanta uma questão espinhosa: como as doenças causadas por vírus anteriormente desconhecidos podem ser detectadas por pessoas em qualquer lugar, é do interesse das pessoas de todos os lugares arcar com a significativa responsabilidade financeira de prevenir e gerenciar pandemias globais?

(...) "O custo financeiro direto da pandemia de Ebola foi estimado em cerca de US $ 6 bilhões (£ 3,9 bilhões; € 5,6 bilhões), com perdas econômicas globais superiores a US $ 15 bilhões", escreve [Allen] Ross.

Ross também aponta que os lugares mais atingidos são os que não têm recursos para apoiar os esforços dispendiosos e trabalhosos necessários para conter uma doença desconhecida. Ele argumenta que não há apenas uma moral, mas um imperativo econômico para os países ricos ajudarem os países mais pobres.


Fonte: Aqui