Translate

Mostrando postagens com marcador educação. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador educação. Mostrar todas as postagens

19 setembro 2022

Consequências da pandemia no aprendizado

Passei o final de semana corrigindo trabalhos que solicitei aos meus alunos de uma disciplina da graduação. O semestre atípico está encerrando nos próximos dias, mas notei que a qualidade e o aproveitamento foi abaixo do nível anterior à pandemia. Conversando com colegas professores, eles tiveram a mesma sensação com respeito a dificuldade do retorno às aulas presenciais e a dificuldade dos alunos em fazer a adaptação no ensino presencial. 


A percepção é que o ensino à distância é, realmente, um ensino de pior qualidade. A dificuldade em avaliar de maneira justa o esforço do aluno é somada a perda de comunicação com os alunos. As telas do Zoom estiveram fechadas e o professor dava sua aula sem saber se a comunicação do conteúdo estava chegando adequadamente ao destino. Outros fatores ajudaram a comprometer esta qualidade do ensino na pandemia. Mas o retorno parece que trouxe um aluno mais desmotivado. 

Isto que escrevo é um percepção particular. Então não vale como um parâmetro. Quantificar o efeito da pandemia é muito complicado, pois estamos falando de gerações diferentes de alunos que foram afetadas de forma desigual. 

Mas algumas pesquisas que já começam a ser divulgadas mostram que a qualidade do ensino piorou. Isto inclui o Brasil (aqui, por exemplo). Além do aprendizado, as pesquisas também mostram que o bem-estar socioemocional foi afetado. 

Baseado em pesquisas passadas, o prejuízo será a longo prazo. Provavelmente a geração que estava atrás de uma câmera de vídeo, pretensamente assistindo uma aula, terá uma marca na sua formação, que poderá refletir no mercado de trabalho no longo prazo. 

Foto: Chris Montgomery

16 agosto 2022

Taxa de sucesso de 85% para precisão ideal de treinamento


O nível de aprendizado do ser humano é maximizado quando a taxa de acerto é de 85%. Ou seja, para cem questões, 85 devem estar corretas:

Em muitas situações, descobrimos que há um ponto ideal em que o treinamento não é muito fácil nem muito difícil, e onde o aprendizado progride mais rapidamente. [...] Para todos esses algoritmos estocásticos de aprendizado baseados em gradiente e descida, descobrimos que a taxa de erro ideal para o treinamento é de cerca de 15,87% ou, inversamente, que a precisão ideal do treinamento é de cerca de 85%.

A ideia é que o fracasso significa que você não irá aprender. Mas haverá um limite para o sucesso, onde o esforço adicional não vale a pena.

Em outro estudo, citado na mesma postagem, chegou a uma taxa para aprender matemática próximo: 

Em um estudo de matemática da quarta série, verificou-se que 82% das respostas dos alunos estavam corretas nas salas de aula dos professores mais bem-sucedidos, mas os professores menos bem-sucedidos tinham uma taxa de sucesso de apenas 73%. Uma alta taxa de sucesso durante a prática guiada também leva a uma maior taxa de sucesso quando os alunos estão trabalhando em problemas por conta própria.

Na minha vida acadêmica, eu tenho usado exercícios adicionais ao final de cada tópico em minhas aulas. O problema é que os alunos parecem pensar que não vale a pena realizar tais exercícios, pois valem pouco na composição da nota final. Mas há um elemento de aprendizado, geralmente traduzido pela correlação significativa entre as notas dos exercícios e as notas da prova.

04 julho 2022

Contabilidade é um profissão de relatório?


 A pergunta surge após a leitura do texto de Robin Hanson:

Neste post, quero explorar uma quarta história complementar, destinada a aplicar-se ao subconjunto de profissões que chamo de “profissões de relatório”, em que os trabalhadores produzem relatórios destinados a persuadir o público. Por exemplo, os investidores contam com auditorias de contadores para julgar a saúde financeira das empresas. Engenheiros e planejadores criam projetos e planos sugerindo aos possíveis patrocinadores para que as coisas possam ser feitas ou construídas com métodos específicos e dentro de determinados orçamentos de tempo e custo. Os diagnósticos dos médicos convencem as seguradoras a cobrir os tratamentos para doenças reivindicadas. E as notas que os professores atribuem aos alunos podem convencer os empregadores a contratá-los. Além disso, esses relatórios não são incidentais; induzi-los é frequentemente a principal razão pela qual os clientes contratam esses profissionais.

Em todos esses casos, o ideal são os públicos persuadidos por relatórios que eles acreditam ter sido produzidos de acordo com normas profissionais, com trabalhadores resistindo às pressões de chefes ou clientes para fornecer relatórios mais favoráveis. Ou seja, o público precisa acreditar que o contador não obedecerá a um chefe que os instrua a dizer que sua empresa falida está cheia de dinheiro e a acreditar que um professor não dará um A + a um aluno ruim, mas financeiramente generoso. Mas essa é realmente uma situação não trivial para produzir. Por que exatamente um contador não obedeceria a um chefe que tentava fazer sua empresa parecer o melhor possível? E por que um professor não daria a um aluno uma nota tão alta quanto ele ou ela pode pagar?

Manter esses contadores, professores, etc. na linha, ajuda se eles se identificarem com os altos ideais de sua profissão. Mas pode ajudar ainda mais a mostrar uma ameaça credível de que algum outro profissional do gênero possa revisar rapidamente seu relatório e declará-lo violar normas profissionais, levando à expulsão da profissão. E para tornar esse cenário crível, ajuda se essa profissão se coordena para treinar seus membros de capacidade semelhante da mesma forma, a usar procedimentos de geração de relatórios relativamente padrão, estáveis, mecânicos e sem contexto. Sem esses procedimentos, é difícil ver como uma revisão rápida pode mostrar violações. Além disso, ajuda se existem maneiras de induzir profissionais independentes a verificar relatórios suspeitos e depois punir os infratores encontrados.

Ou seja, os profissionais do relatório precisam coordenar para criar e aplicar uma “marca” distinta de suporte a relatórios. Sem essa coordenação, seu produto é inútil. É por isso que eles pressionam para organizar e obter poderes regulatórios e por que o resto de nós concede seus pedidos.

(Grifo meu). Parece que a resposta é um sim. Foto: Bernd Klutsch

02 agosto 2021

Ensino passivo e ativo: e a pandemia?


“Existem dois tipos de experiência educacional que você pode ter na faculdade.  Um é passivo e outro é ativo.  

No primeiro, você é um passarinho com o bico aberto e o professor reúne todas as informações necessárias e as joga no esófago.  Você pode se sentir bem com isso - afinal, está esperando apaixonadamente por essas informações - mas seu único papel é aceitar o que lhe é dado. Memorizar fatos e depois repeti-los para um teste pode lhe dar uma boa nota, mas não é a mesma coisa que ter curiosidade intelectual.  No segundo tipo, você é ensinado a aprender a encontrar as informações e a pensar por elas mesmas.  Você aprende a questionar e se envolver.  Você percebe que uma resposta não é suficiente e que precisa examinar quantas fontes estão disponíveis para poder juntar uma imagem maior."

Fonte: Joe Hoyle

Parece que a pandemia aumentou a proporção de ensino passivo. 

Foto: aqui

19 julho 2021

Avaliação de alunos durante a pandemia


A pandemia fez com que muitas universidades afrouxassem seus padrões de aprovação e reprovação. Em algumas delas, a reprovação virou palavra feia. Isto terá consequências sérias na sinalização para o mercado de trabalho no futuro (vide Bryan Caplan). E para outros processos seletivos, como a entrada em um programa de pós. 

Em outras instituições, a avaliação tornou-se binária. Eis um bom comentário sobre o assunto:

La lógica habitual de esa política es fomentar una actitud orientada al aprendizaje en los estudiantes con el objetivo de que salgan de sus zonas de confort y se atrevan con asignaturas a priori más difíciles y exigentes. Otra razón para implementar una política del aprobado/suspenso tiene que ver con la salud mental de los estudiantes: estudios recientes han demostrado que los niveles de estrés se reducen, mientras que la satisfacción con los estudios aumenta

O texto possui bastante citação e é favorável ao sistema binário. Para quem interessa, vale a pena uma lida. 

05 abril 2021

Educação e Pandemia


Uma história narrada por Joe Hoyle. Hoyle é professor de contabilidade com uma larga experiência e divide algumas das suas experiências no seu blog. 

Eu estava entrevistando uma de nossas alunas ontem (no Zoom, é claro) para um prêmio de aluno excepcional que é concedido a cada ano em nossa formatura. Esta aluna em particular eu conheço muito bem. Tenho respeito pelas opiniões dela. Então, fiz a ela uma pergunta sobre a qual tenho pensado muito recentemente: “Qual é a melhor coisa em ser uma estudante universitária durante uma pandemia?” Por um breve momento, ela olhou para mim como se eu tivesse perdido a cabeça, porque não era uma pergunta que ela tinha ouvido antes ou mesmo considerado. Todos parecemos fixados nas partes ruins do ano passado. 

Como eu esperava, essa aluna se recuperou imediatamente e deu uma resposta fabulosa: “Aprendi a fazer tantas coisas que nunca pensei que pudesse fazer. Fiquei confortável com todos os tipos de tecnologia que eu nem sabia que existiam. De muitas maneiras, eu estava em uma rotina e a pandemia me tirou dessa rotina e me empurrou para me tornar um estudante melhor. ”

Foto: aqui

06 novembro 2020

Escolas mais antigas do mundo

 Postamos em setembro as universidades com mais de 500 anos de vida. Neste link, a relação de instituição de ensino mais antiga por país, ainda em funcionamento. A mais antiga é a Shishi High School, na China. Uma escola primária fundada em 141 antes de Cristo. Depois, a escola secundária "The King´s School Canterburry", na Inglaterra, criada em 597 depois de Cristo. Eis a relação das escolas mais antigas:

Veja que a relação desmente a postagem que fizemos. Na América do Sul, a Universidade de São Marcos, no Peru, é a mais antiga: 1551. Logo após, São Francisco Xavier, na Bolívia, de 1624. E o Brasil? Surpresa: Academia Militar das Agulhas Negras, de 1792. 

03 setembro 2020

27 abril 2020

Reduziu o custo?

Muitas universidades transformaram as aulas presenciais em on-line por conta do Covid-19. O aluno que estava pagando por um curso presencial teria agora direito a um desconto? Questão interessante.

Já existe um movimento para tentar conseguir descontos nas mensalidades. Mas as instituições dizem que não ocorreu redução nos custos; na verdade, as aulas on-line aumentaram os custos. A grande questão é saber se os custos do ensino presencial são evitáveis ou não. Segundo as instituições, o maior custo é pessoal. Parte deste custo é evitável, ou seja, pode existir uma economia com a aula on-line. Resta saber o montante disto. Além disto, estas instituições devem estar pagando um conta de luz menor. Da mesma forma, devem ter dispensado o funcionário terceirizado da limpeza. Tudo isto poderia ser somado para chegar ao custo evitável. Além disto, em razão das medidas adotadas no país, há sempre a possibilidade de redução de salários e benefícios neste período. Mas o valor total talvez seja bem menor do que se poderia pensar, já que provavelmente a instituição deve continuar pagando o professor pela aula on-line. 

Outro aspecto é verificar se a mudança representou algum custo adicional (equipamento, contratação de software etc). Acho pouco provável.

11 fevereiro 2020

Contabilidade e história da educação

A contabilidade tem sido uma grande fonte para entender a história da humanidade. Registros contábeis podem ajudar a entender o que passou quando não existia outro tipo de descrição da realidade. Entre 1370 a 1510 funcionou em Montpellier, na França, uma escola de “gramática” (grammaire). Usando os documentos contábeis, produzidos na administração municipal, Romain Fauconnier estabeleceu uma análise qualitativa da educação pública.

Entretanto, os documentos contábeis - em razão da sua finalidade - não contam toda a história. Em geral, os registros estão relacionados com os salários dos professores. Mas isto já permite inferir sobre a rotatividade dos mestres e as férias (se bem que isto é confundido com atrasos nos salários ou falta de registro documental). Os documentos possuem alguns detalhes das disciplinas e é possível  inferir da existência de educação gratuita para os pobres, por exemplo.

17 março 2019

Caplan, segundo Demo

Pedro Demo publica um longo comentário do livro de Caplan, que já fizemos uma resenha e recomendamos. O comentário de Demo pode ser acesso aqui e colocamos a conclusão abaixo:

É provocativamente ousada a proposta de Caplan, embora, olhando mais de perto, exale o contexto do mercado por todos os poros. Isto não admira em contexto americano, porque educação sempre foi vista – cruamente – como serva do mercado. A relação assumida é dura e reta: avalia-se o que educação traz para o mercado; não se fala de “formação”, cidadania, convivência, a não ser quando empregadores veem nisso algum benefício para a empresa. Podemos acentuar consciência, elegância, comunicação, mas o que vale é a empregabilidade, que fica por conta do empregado – a empresa não tem nenhum compromisso. Sob este ângulo, a maior parte do que se faz na escola/faculdade é olimpicamente inútil. Entretanto, Caplan deixa de lado que o próprio mercado tem preferido graduados com formação geral mais visível, que a seleção é feita em entrevista para ver se o candidato tem projeto de vida interessante, mostra maturidade, sabe argumentar e expressar-se... Embora a indicação de “espírito crítico” seja uma farsa escabrosa, porque totalmente unilateral, indica, a seu jeito, que formação ampla é trunfo importante. Mas, como autores mais diretos e críticos constatam, a maior qualidade é conformidade inteligente!

Caplan descasca a inutilidade dos conteúdos – muitos são inventados e apenas enchem a cabeça. Mas há outra inutilidade: ficar na escola para não aprender nada, anos a fio, saindo, por exemplo, sem saber matemática ou sem redigir uma página. O exagero da hipótese tem finalidade provocativa, instigadora, e dificilmente “prova” que educação é apenas sinalização. Mas é muito interessante esta perspectiva, iluminando muito da relação empregador/empregado – uma encenação ostensiva, onde a aparência vale mais que qualquer realidade.

06 janeiro 2019

Ensino e Juventude

Em 1851 um texto do O Comércio afirmava o seguinte:

Convêm, pois, ensinar á mocidade de todas as classes a conhecer o Creador e a creação em geral, a lingoa materna e a contabilidade.

(É bom lembrar que na época, o ensino inicial era constituído do português - a alfabetização - e a matemática. No segundo caso, a contabilidade era uma aplicação dos conhecimentos matemáticos, mas também uma possibilidade de emprego futuro)

Neste sentido, tenho continuamente escutado de meus colegas, professores, que os alunos de hoje estão piores. Quando quero me envolver nesta discussão, tenho discordado. E tenho o apoio do Joe Hoyle, um professor de contabilidade, com 47 anos de profissão que escreveu:

Estudantes raramente mudam com os anos. Em 1958 eu escutei meu professor falar para outro professor: "estudantes hoje não leem ou compreendem. Eles têm que ter tudo explicado para eles". Eu literalmente ouvi quase as mesmas palavras na semana passada fora do meu escritório.

Ontem li em um trecho do livro Dataclisma (Christian Rudder) que "o Twitter, na verdade, pode estar melhorando a escrita dos usuários". Pelos dados de Rudder, a palavra média do Twitter é maior que a do Corpus da Língua Inglesa. Dito de outra forma: talvez nunca se tenha escrito tanto quanto na época atual. 

13 novembro 2018

Falta seriedade no PISA

O PISA é um teste de avaliação bastante usado no mundo para comparar a qualidade educacional do ensino de cada país. Como em toda avaliação, existem estudantes com elevado interesse em fazer uma boa prova. Mas existem estudantes que não estão interessados em fazer o teste. O problema é que estes alunos não fazem com seriedade o teste e o exame pode não ser um reflexo da habilidade. Mais ainda, o resultado pode distorcer a classificação de cada país.

Usando informações sobre o tempo que os estudantes fazem as questões, três pesquisadores conseguiram isolar este grupo de alunos. Este grupo corresponde a 26% da amostra. Eles também mostraram que é possível melhorar a posição do país dando incentivos para que os estudantes façam o teste de maneira mais séria. Especialmente se os outros não fizerem o mesmo já que, segundo a pesquisa, a influencia destes alunos no resultado pode ser importante no resultado.

Um dos países onde a proporção de alunos que não fazem o PISA com seriedade é mais elevada é ...

Brazil stands to gain the most. This gain is driven by the large proportion of non-serious students and the high extent of non-seriousness. However, the contribution of ability is relatively small: even if the exam had been taken seriously, the performance would not have improved much as non-serious students in Brazil are of low ability. 

A participação dos alunos não sérios brasileiros no PISA é de 67%. Mas a qualidade é tão ruim, que se a seriedade mudasse, o país conquistava somente uma posição no ranking.

Taking PISA Seriously - S Pelin Akyol, Kala Krishna e Jinwen Wang - NBER 24930 - Agosto de 2018

25 julho 2018

Ser deve comprar a Unigranrio

O grupo Ser Educacional está concluindo a aquisição da Unigranrio por R$500 milhões, segundo informou o Valor Econômico. Segundo estimativa do texto, atualmente a Unigranrio possui 27 mil alunos. Isto representa cerca de R$18.500 por aluno.

Um bom negócio para a família Herdy. Anteriormente, dois professores da Universidade de Brasília estimaram um múltiplo médio corrigido para área de educação superior de 10.300, corrigidos. Como os cálculos terminaram em 2015, mesmo admitindo uma inflação de 25%, o valor proposto é bem superior ao múltiplo médio da área.

Uma explicação possível é a grande quantidade de alunos. Geralmente nas grandes aquisições, o múltiplo tende a ser maior, já que leva em consideração o intangível da instituição. Para o grupo Ser, a aquisição representa a entrada no Rio de Janeiro, onde a participação é pequena. Mesmo assim, o valor da negociação representa uma diferença de quase 40% entre o múltiplo corrigido (estimei em 13.300) e a proposta (18.500).