Translate

Mostrando postagens com marcador tecnologia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador tecnologia. Mostrar todas as postagens

04 julho 2022

Contabilidade e Tecnologia

O IFAC está publicando um guia resumo com diversos artigos sobre a tecnologia e a contabilidade. É bastante interessante e para quem está pesquisando na área, eu recomendo dar uma olhada. Os assuntos estão divididos em ABCs:

A = (inteligência) artificial

B = Blockchain

C = Segurança (Cyber-security)

D = (governança dos) Dados (e avaliação)

E = Ética

O = outros conteúdos 


O guia é atualizado periodicamente e basicamente possui os links com acesso aos assuntos, que também estão classificados em pequenas e médias empresas, auditoria, governo, etc. 

01 novembro 2021

Contadores: Adaptação, não substituição

Quaisquer que sejam seus medos, o avanço perpétuo da tecnologia não substituirá os contadores - mas exigirá que eles mudem significativamente, de acordo com Jason Marx, presidente e CEO da Wolters Kluwer Tax & Accounting.

"Os contadores precisam pensar muito mais em adaptação do que em substituição", disse Marx aos participantes na conferência anual de usuários da empresa, realizada esta semana em Austin, Texas. “A tecnologia melhora a eficiência, removendo etapas manuais e reduzindo o erro humano. Ele impulsiona o processamento direto, em vez de substituir os contadores, e os libera para se concentrarem no trabalho mais estratégico que exige criatividade, colaboração e imaginação."

Isso, claro, só é verdade se eles tirarem proveito das ferramentas em questão: Marx contrastou uma pesquisa de Robert Half de 2019, na qual os contadores relataram esmagadoramente estar preocupados com o potencial de tecnologia, com um estudo de Wolters Kluwer, de 2021, que mostrou que apenas 7% das pequenas empresas — e apenas 2% surpreendentes das grandes empresas — acreditam que eles estão maximizando o uso da tecnologia.

Ele acredita que os profissionais tributários e contábeis estão mais do que prontos para o desafio. "Você faz parte de uma profissão que provou sua coragem, determinação e resiliência repetidamente", disse ele aos participantes da conferência. “Você serviu como heróis calmos nos bastidores para manter as empresas funcionando durante tempos muito, muito difíceis. Você está equilibrando as implicações de novas regulamentações tributárias, acelerando as tendências do mercado para tecnologia e mobilidade, uma verdadeira guerra por talentos e demandas urgentes de clientes o tempo todo."

Para ajudá-los a entender e enfrentar todos esses desafios, ele explicou cinco grandes tendências de mercado que estão moldando a contabilidade e que precisam ter em mente à medida que avançam.

1. A mudança para a nuvem - "A pandemia serviu como catalisador para estabelecer o valor e a flexibilidade do software em nuvem", disse Marx. "Isso trouxe fatores como alta disponibilidade, custos mais baixos para recuperação de desastres, continuidade de negócios, gerenciamento remoto da força de trabalho e agilidade dos negócios", e a mudança só está se acelerando.

2. A mudança para o trabalho remoto - Embora esse movimento esteja gerando uma necessidade de colaboração e eficiência mais rigorosas na experiência do cliente, seu impacto está realmente sendo sentido internamente. "A experiência da equipe se tornou muito mais relevante, com os crescentes impactos da guerra para os principais talentos, que certamente foram agravados pela pandemia", explicou Marx.

3. Os crescentes requisitos para troca e relatórios de dados em tempo real - "Isso está sendo impulsionado pela captura automatizada de dados de origem por relatórios regulatórios que exigem dados consistentes e pela crescente importância das APIs que permitem às empresas tratar plataformas como nosso próprio CCH Axcess como um hub central", segundo Marx.

4. Tecnologia emergente que permite um trabalho de maior valor - Ao reduzir a entrada manual de dados e melhorar a precisão, ferramentas tecnológicas emergentes e avançadas - e pelo menos 90% das empresas esperam que essas ferramentas os ajudem a obter melhores resultados na próxima temporada de impostos, de acordo com uma pesquisa de 2021 da Wolters Kluwer citada por Marx. “Quarenta por cento de todas as empresas disseram que eram inovadoras ou adotantes iniciais de tecnologia e 54% das grandes empresas, e todas elas relataram níveis mais altos de confiança e melhores resultados do que as empresas que se rotulam como mais lentas para adotar."

5. Mudança legislativa e regulatória - O volume, a velocidade e a intensidade das mudanças legislativas e regulamentares estão ficando esmagadores. “Não há dúvida de que o ritmo da regulamentação mudou nos últimos anos - bem, você sabe disso; você vive isso. É praticamente ininterrupto, e não vemos isso mudando ", disse Marx. “Muitos de vocês se perguntam se algum dia veremos um retorno a uma temporada normal de impostos, mas planejar a temporada de impostos está se tornando mais complicado por mudanças tardias no preenchimento de prazos e formulários."

Fonte: aqui

15 outubro 2021

Tecnologia e Moralidade


Um texto da Vox questiona se a tecnologia está fazendo com que as pessoas percam um pouco da sua moralidade. Apesar de achar o texto com algumas inferências sem apoio, não deixa de ser uma boa reflexão. Alguns trecho a seguir:

Múltiplo estudos sugeriram que a tecnologia digital está diminuindo nossa atenção e nos deixando mais distraídos. E se também estiver nos tornando menos empáticos, menos propensos a ações éticas? E se estiver degradando nossa capacidade de atenção moral - a capacidade de perceber as características moralmente salientes de uma determinada situação, para que possamos responder adequadamente? (...)

Os designers do Vale do Silício estudaram um conjunto inteiro de “tecnologia persuasiva" truques e os usaram em tudo, desde as compras com um clique da Amazon até o Feed de Notícias do Facebook e o algoritmo de recomendação de vídeo do YouTube. Às vezes, o objetivo da tecnologia persuasiva é fazer com que gastemos dinheiro, como na Amazon. Mas muitas vezes é apenas para nos manter olhando, rolando e clicando em uma plataforma pelo maior tempo possível. Isso ocorre porque a plataforma ganha dinheiro não vendendo algo para nós, mas vendendo-nos - ou seja, nossa atenção - para os anunciantes.(...)

Em 2010, psicólogos da Universidade de Michigan analisaram os resultados de 72 estudos sobre os níveis de empatia dos estudantes universitários americanos realizados ao longo de três décadas. Eles descoberto algo surpreendente: houve uma queda de mais de 40% na empatia entre os estudantes. A maior parte desse declínio ocorreu depois de 2000 - a década em que o Facebook, Twitter e YouTube decolaram - levando à hipótese de que a tecnologia digital era a principal culpada.(...)

Mianmar oferece um exemplo trágico. Alguns anos atrás, os usuários do Facebook usaram a plataforma para incitar a violência contra os Rohingya, um grupo minoritário majoritariamente muçulmano no país de maioria budista. Os memes, mensagens e "notícias" que o Facebook permitiu publicar e compartilhar em sua plataforma difamaram os Rohingya, classificando-os como imigrantes ilegais que prejudicaram os budistas locais. Graças ao algoritmo do Facebook, essas postagens emocionantes foram compartilhadas inúmeras vezes, direcionando a atenção dos usuários para uma visão cada vez mais estreita e sombria dos Rohingya. A plataforma, por sua própria admissão, não fez o suficiente para redirecionar a atenção dos usuários para fontes que colocariam essa visualização em questão. A empatia diminuiu; o ódio cresceu.

Em 2017, milhares de Rohingya foram mortos, centenas de aldeias foram queimadas no chão e centenas de milhares foram forçadas a fugir. Era as Nações Unidas disse, “um exemplo de livro didático de limpeza étnica." (...)

foto: aqui

22 fevereiro 2021

Tecnologia e Regulação explicam a melhoria da liquidez do mercado

 


Um texto da revista The Economist (Uma nova era para pequenos investidores, publicado Estado de S Paulo, 14 fev 2021) mostra como a tecnologia e a regulação ajudaram no aumento da liquidez de diversos mercados:

Para onde quer que olhemos, a tecnologia ajudou a criar novos mercados com liquidez. “O mercado das quinquilharias do sótão não tinha liquidez”, afirma Alvin Roth, ganhador do Nobel de Economia. “A internet tornou possível fazer sua venda de garagem no eBay.” O GPS e os smartphones tornaram possíveis os aplicativos de transporte individual – o que criou densos mercados para deslocamentos.

O texto exemplifica melhor com o caso do comércio do trigo:

Exemplos nos mercados financeiros não faltam. Nos Estados Unidos do século 19, compradores de trigo viajavam de fazenda em fazenda testando os produtos antes de optar por comprar de algum agricultor específico. Depois, as ferrovias tornaram possível mover os grãos de maneira mais barata em vagões de carga. Mas esses vagões também tornaram um desperdício armazenar separadamente os grãos de cada agricultor. Então, em 1848, a Junta Comercial de Chicago passou a classificar o trigo por qualidade (1 para o melhor, até 5 para o pior) e pelo tipo (vermelho ou branco, mole ou duro, de inverno ou de primavera). A padronização baixou o custo do transporte e do comércio de grãos, tornando os mercados mais eficientes. O processo era tão efetivo que a palavra commodity virou sinônimo de padronização.

Entretanto, isto não é possível para todo tipo de ativo. Os imóveis servem de exemplo:

Estimativas disponíveis indicam que existem hoje nos EUA de 5 milhões a 6 milhões de prédios comerciais e mais de 140 milhões de residências – e cada imóvel tem características únicas.

Mais 

Juntando esses desenvolvimentos, parece claro que a tecnologia está possibilitando que liquidez, transparência de preços e competitividade aflorem em vários nichos. É verdade que os mercados de arte, obrigações e residências nunca serão tão fluidos quanto o mercado de ações. Agora, transparência e liquidez parecem estar fadadas a trazer furiosa competição de taxas em outros ativos. Pequenos investidores poderão um dia ser capazes de colocar seu dinheiro em portfólios de fundos com taxas baixas de investimento de qualquer segmento.

No caso do mercado de ações, o processo começou há tempos:

O avanço na direção de um acesso irrestrito ao mercado de ações começou em 1975, com a abolição de enormes comissões fixas e a entrada de operadores que cobravam taxas baixas, como Charles Schwab, lembra Yakov Amihud, da Universidade de Nova York. Depois veio a corretagem automatizada e a decimalização dos preços das ações. Até 2010, o número de operadores de alta frequência tinha aumentado a ponto de dominar o comércio de ações. “A cada parada ao longo do caminho, o mercado descarregava alguns custos de operação, e a liquidez melhorava”, afirma Amihud.

Os custos das operações baixaram, e a quantidade de ações negociadas explodiu. Quanto mais participantes chegavam, mais rápidas e mais baratas se tornavam as operações. Em 2015, foi lançado o Robinhood, aplicativo de corretagem online pelo qual muitas operações da GameStop seriam canalizadas, tornando-se a primeira plataforma a não cobrar taxa nenhuma de seus usuários. Aliado a isso, a pandemia deu tempo às pessoas e forneceu cheques de estímulo que serviram como fundos para começar a investir, impulsionando a participação de pequenos investidores a novas alturas. Pequenos investidores foram responsáveis por um décimo do volume de ações negociadas nos Estados Unidos em2019. Em janeiro deste ano, sua participação elevou-se para um quarto do mercado.

Imagem: aqui

13 agosto 2020

Mudanças Tecnológicas e Contabilidade

 Uma pesquisa na hemeroteca da Biblioteca Nacional revela que a primeira divulgação de informação contábil através de um meio de comunicação impresso no Brasil ocorreu em 1812 com a divulgação no jornal Idade D´Ouro, da Bahia, da conta de Receita e Despesa, do Teatro de São João. Para financiar a construção deste teatro utilizou-se uma loteria, onde eram os números sorteados para prêmios em dinheiro. Até recentemente, o jornal impresso era o principal meio de divulgação das informações contábeis. Uma edição do jornal Valor Econômico já chegou a ter mais de trezentas páginas, a maioria delas de demonstrações contábeis de empresas. 

O desenvolvimento da internet e a popularização dos smartphones e das mídias sociais (Facebook, Twitter, entre outras) mudou este panorama de cinco formas básicas. A primeira é que provavelmente a consulta de demonstrações contábeis através dos jornais tem sido rapidamente substituída pela utilização do meio digital (LIU, 2005), seja pelas demonstrações armazenadas nos órgãos reguladores, como é o caso da Comissão de Valores Mobiliários, ou na consulta a própria página da empresa na internet. É estranho, nos dias atuais, imaginar alguém lendo as demonstrações contábeis de uma empresa através de um jornal (e.g. TRILLING, 2016). Este fato traz algumas consequências diretas sobre o usuário da informação contábil.

O segundo grande impacto da mudança tecnológica sobre a contabilidade e a divulgação da informação diz respeito à periodicidade da informação (e.g. GARCIA, GARCIA-GARCIA, 2010). Se no início do século XIX o Teatro São João divulgava suas informações contábeis anualmente, numa edição de um jornal, para uma população que não tinha acesso às informações - pelo analfabetismo ou pela reduzida tiragem do jornal - o mesmo não ocorre nos dias atuais. A periodicidade da informação que no passado era semanal, hoje é contada em termos de minutos. Assim, demonstrações contábeis com periodicidade trimestral perde a relevância do passado diante do grande número de informações que é disponibilizada na internet sobre a empresa.

O terceiro grande impacto corresponde ao alcance da informação. A popularização da internet e dos aparelhos eletrônicos, como os notebooks e smartphones, permitem que uma ampla parcela da população possa ter acesso a informação de uma empresa. Uma pesquisa num buscador pode mostrar, de maneira instantânea, as últimas notícias, verdadeiras ou não, de uma empresa. Corroborando isto, é possível obter muitas informações contábeis em base de dados (Economática, Reuters etc), que permitem rapidamente uma análise histórica e comparativa entre as empresas. Mais ainda, talvez seja possível ter uma informação produzida por um analista de investimento sobre o endividamento de uma empresa e seus potenciais impactos futuros (TRILLING, 2016).

Este aspecto provoca um quarto grande impacto das informações contábeis: apesar da sua produção principal ter origem na contabilidade da empresa, esta deixou de ser, em muitos casos, a única fonte da informação. A partir da análise histórica e de informações de diversas fontes, o usuário possui muito mais condições, nos dias atuais, de ter uma informação, inclusive contábil, sobre o desempenho de uma empresa. Conforme destaca Birchler e Bütler (2007), o custo de reprodução da informação caiu substancialmente nos últimos anos. Isto faz com que seja possível uma empresa reproduzir a informação do ano anterior, com algumas pequenas alterações, de forma rápida e com baixo custo. Aliado ao medo de ter informações contábeis incompletas, as empresas começaram a repetir informações dos anos anteriores ou então a reproduzir os dizeres de um pronunciamento contábil. Pesquisa realizada por Souza e Silva (2016) mostrou que muitos relatórios de empresas brasileiras apresentam similaridade ao longo do tempo. Ou seja, parte da informação já foi divulgada anteriormente. Isto traz uma outra consequência da mudança tecnológica: o grande volume de informação faz com que os usuários tenham dificuldade de focar um período de tempo longo, ao mesmo tempo que as empresas competem entre si pela atenção das pessoas. É o que se convencionou de chamar de economics of attention (Lanham, 2007).

Birchler, U., & Bütler, M. (2007). Information economics. Routledge. da Silva, M. B. N. (2011). 

Cárcaba García, A. I., & García García, J. (2010). Determinants of online reporting of accounting information by Spanish local government authorities. Local Government Studies. 

Liu, Z. (2005). Reading behavior in the digital environment: Changes in reading behavior over the past ten years. Journal of documentation, 61(6), 700-712. 

Luo, X., Zhang, J., & Duan, W. (2013). Social media and firm equity value. Information Systems Research, 24(1), 146-163. 

Trilling, David. (2016) Finding and reading a balance sheet: Accounting basics for journalists.