Translate

Mostrando postagens com marcador contador. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador contador. Mostrar todas as postagens

01 setembro 2022

Trabalho contábil é miserável

Um artigo analisou o trabalho contábil tem sido popularizado como miserável. Anteriormente, neste blog, lembramos de uma cena do Monty Phyton que reflete este estereótipo. 

Na prática, realmente o trabalho contábil é sedentário, repetitivo, centrado em regras e rígido. Ou seja, isto corresponde a ideia popular da contabilidade. Mas tudo leva a crer que o trabalho não é "miserável", mas dentro da média de outros trabalhos. Pessoas mais preparadas para tolerar trabalhos com estas características - como o fato de ser repetitivo - pode sair melhor, afirma uma pesquisa.

Eis o resumo:

Popular culture portrays accounting as a miserable job. Accounting research evaluating the boring “beancounter stereotype” argues that it is wrong and costly because it reduces the appeal of accounting to high quality students and exacts a psychological toll on accountants who are thus stereotyped. In this study, we empirically test the basic question: is accounting a miserable job? We use data from a variety of sources that enable us to measure workplace misery and model it as a function of work tasks and personal characteristics of workers across occupations. We find that accounting work is particularly sedentary, rigid, repetitive, constrained, and rules-centric; characteristics that are consistent with the accounting stereotype and that prior work outside of accounting has shown are associated with workplace misery. However, we find that accounting is not a miserable job. In univariate and multivariate tests, we find that accounting has misery values that are either near the average or are better than average for comparison jobs. This apparent paradox could be a positive consequence of accounting stereotypes, which may facilitate the matching of potentially miserable work with people who are most prepared to tolerate it. Indeed, we present longitudinal evidence suggesting that accounting attracts people with personalities suited to repetitive and rules-centric work and who have psychosocial histories that make them robust to stress. Workplace misery is costly to workers, employers, and society and accounting stereotypes have value if they facilitate informed career selection.

(Fato interessante: a citação inicial é de John Cleese, do Monthy Phyton:)


04 julho 2022

Contabilidade é um profissão de relatório?


 A pergunta surge após a leitura do texto de Robin Hanson:

Neste post, quero explorar uma quarta história complementar, destinada a aplicar-se ao subconjunto de profissões que chamo de “profissões de relatório”, em que os trabalhadores produzem relatórios destinados a persuadir o público. Por exemplo, os investidores contam com auditorias de contadores para julgar a saúde financeira das empresas. Engenheiros e planejadores criam projetos e planos sugerindo aos possíveis patrocinadores para que as coisas possam ser feitas ou construídas com métodos específicos e dentro de determinados orçamentos de tempo e custo. Os diagnósticos dos médicos convencem as seguradoras a cobrir os tratamentos para doenças reivindicadas. E as notas que os professores atribuem aos alunos podem convencer os empregadores a contratá-los. Além disso, esses relatórios não são incidentais; induzi-los é frequentemente a principal razão pela qual os clientes contratam esses profissionais.

Em todos esses casos, o ideal são os públicos persuadidos por relatórios que eles acreditam ter sido produzidos de acordo com normas profissionais, com trabalhadores resistindo às pressões de chefes ou clientes para fornecer relatórios mais favoráveis. Ou seja, o público precisa acreditar que o contador não obedecerá a um chefe que os instrua a dizer que sua empresa falida está cheia de dinheiro e a acreditar que um professor não dará um A + a um aluno ruim, mas financeiramente generoso. Mas essa é realmente uma situação não trivial para produzir. Por que exatamente um contador não obedeceria a um chefe que tentava fazer sua empresa parecer o melhor possível? E por que um professor não daria a um aluno uma nota tão alta quanto ele ou ela pode pagar?

Manter esses contadores, professores, etc. na linha, ajuda se eles se identificarem com os altos ideais de sua profissão. Mas pode ajudar ainda mais a mostrar uma ameaça credível de que algum outro profissional do gênero possa revisar rapidamente seu relatório e declará-lo violar normas profissionais, levando à expulsão da profissão. E para tornar esse cenário crível, ajuda se essa profissão se coordena para treinar seus membros de capacidade semelhante da mesma forma, a usar procedimentos de geração de relatórios relativamente padrão, estáveis, mecânicos e sem contexto. Sem esses procedimentos, é difícil ver como uma revisão rápida pode mostrar violações. Além disso, ajuda se existem maneiras de induzir profissionais independentes a verificar relatórios suspeitos e depois punir os infratores encontrados.

Ou seja, os profissionais do relatório precisam coordenar para criar e aplicar uma “marca” distinta de suporte a relatórios. Sem essa coordenação, seu produto é inútil. É por isso que eles pressionam para organizar e obter poderes regulatórios e por que o resto de nós concede seus pedidos.

(Grifo meu). Parece que a resposta é um sim. Foto: Bernd Klutsch

03 fevereiro 2022

Crime precisa ter um bom contador?


Usando dados da máfia italiana, a resposta é SIM. Eis o abstract: 

We investigate if organized crime groups (OCG) are able to hire good accountants. We use data about criminal records to identify Italian accountants with connections to OCG. While the work accountants do for the OCG ecosystem is not observable, we can determine if OCG hire “good” accountants by assessing the overall quality of their work as external monitors of legal businesses. We find that firms serviced by accountants with OCG connections have higher quality audited financial statements compared to a control group of firms serviced by accountants with no OCG connections. The findings provide evidence OCG are able to hire good accountants, despite the downside risk of OCG associations. Results are robust to controls for self-selection, for other determinants of auditor expertise, direct connections of directors and shareholders to OCG, and corporate governance mechanisms that might influence auditor choice and audit quality.

O paper pode ser acessado aqui, via aqui. Foto: Rezaei

01 janeiro 2022

Poeta da Fortuna Alheia

De tanto ler sobre o assunto, passamos sem perceber por textos interessantes. Mas nem sempre. Lendo no Correio de Juazeiro, ed. 14 de 1949, de 17 de abril, p. 5, encontrei em um texto de Esc. Geraldo Barbosa, intitulado Contabilidade-Fatôr Social (grafia da época) o seguinte:

Estendendo a vastidão do seus dominios a Contabilidade vai atingir até a Psicologia, além de outras matérias importantes como é a Técnica Comercial e que todas as Escolas Superiôres dos Estados Unidos mantêm cadeiras. (grafia da época)

Veja que antecipa o estudo da psicologia e de outros assuntos na contabilidade. Mas o que achei interessante, e dá origem a postagem, foi o seguinte trecho, onde o autor lamenta os salários do profissional:

"é de lamentar a condição do "poéta da fortuna alheia", no dizer de Galeão Coutinho. Mal remunerado, o guarda-livros, contadôr ou contabilista, ganhando o suficiente para "vegetar" 

Chama a atenção o termo. Realmente, muitas vezes somos "poeta da fortuna alheia". 

P.S. Primeira postagem de 2022. Que seja a primeira de centenas. 

01 novembro 2021

Contadores: Adaptação, não substituição

Quaisquer que sejam seus medos, o avanço perpétuo da tecnologia não substituirá os contadores - mas exigirá que eles mudem significativamente, de acordo com Jason Marx, presidente e CEO da Wolters Kluwer Tax & Accounting.

"Os contadores precisam pensar muito mais em adaptação do que em substituição", disse Marx aos participantes na conferência anual de usuários da empresa, realizada esta semana em Austin, Texas. “A tecnologia melhora a eficiência, removendo etapas manuais e reduzindo o erro humano. Ele impulsiona o processamento direto, em vez de substituir os contadores, e os libera para se concentrarem no trabalho mais estratégico que exige criatividade, colaboração e imaginação."

Isso, claro, só é verdade se eles tirarem proveito das ferramentas em questão: Marx contrastou uma pesquisa de Robert Half de 2019, na qual os contadores relataram esmagadoramente estar preocupados com o potencial de tecnologia, com um estudo de Wolters Kluwer, de 2021, que mostrou que apenas 7% das pequenas empresas — e apenas 2% surpreendentes das grandes empresas — acreditam que eles estão maximizando o uso da tecnologia.

Ele acredita que os profissionais tributários e contábeis estão mais do que prontos para o desafio. "Você faz parte de uma profissão que provou sua coragem, determinação e resiliência repetidamente", disse ele aos participantes da conferência. “Você serviu como heróis calmos nos bastidores para manter as empresas funcionando durante tempos muito, muito difíceis. Você está equilibrando as implicações de novas regulamentações tributárias, acelerando as tendências do mercado para tecnologia e mobilidade, uma verdadeira guerra por talentos e demandas urgentes de clientes o tempo todo."

Para ajudá-los a entender e enfrentar todos esses desafios, ele explicou cinco grandes tendências de mercado que estão moldando a contabilidade e que precisam ter em mente à medida que avançam.

1. A mudança para a nuvem - "A pandemia serviu como catalisador para estabelecer o valor e a flexibilidade do software em nuvem", disse Marx. "Isso trouxe fatores como alta disponibilidade, custos mais baixos para recuperação de desastres, continuidade de negócios, gerenciamento remoto da força de trabalho e agilidade dos negócios", e a mudança só está se acelerando.

2. A mudança para o trabalho remoto - Embora esse movimento esteja gerando uma necessidade de colaboração e eficiência mais rigorosas na experiência do cliente, seu impacto está realmente sendo sentido internamente. "A experiência da equipe se tornou muito mais relevante, com os crescentes impactos da guerra para os principais talentos, que certamente foram agravados pela pandemia", explicou Marx.

3. Os crescentes requisitos para troca e relatórios de dados em tempo real - "Isso está sendo impulsionado pela captura automatizada de dados de origem por relatórios regulatórios que exigem dados consistentes e pela crescente importância das APIs que permitem às empresas tratar plataformas como nosso próprio CCH Axcess como um hub central", segundo Marx.

4. Tecnologia emergente que permite um trabalho de maior valor - Ao reduzir a entrada manual de dados e melhorar a precisão, ferramentas tecnológicas emergentes e avançadas - e pelo menos 90% das empresas esperam que essas ferramentas os ajudem a obter melhores resultados na próxima temporada de impostos, de acordo com uma pesquisa de 2021 da Wolters Kluwer citada por Marx. “Quarenta por cento de todas as empresas disseram que eram inovadoras ou adotantes iniciais de tecnologia e 54% das grandes empresas, e todas elas relataram níveis mais altos de confiança e melhores resultados do que as empresas que se rotulam como mais lentas para adotar."

5. Mudança legislativa e regulatória - O volume, a velocidade e a intensidade das mudanças legislativas e regulamentares estão ficando esmagadores. “Não há dúvida de que o ritmo da regulamentação mudou nos últimos anos - bem, você sabe disso; você vive isso. É praticamente ininterrupto, e não vemos isso mudando ", disse Marx. “Muitos de vocês se perguntam se algum dia veremos um retorno a uma temporada normal de impostos, mas planejar a temporada de impostos está se tornando mais complicado por mudanças tardias no preenchimento de prazos e formulários."

Fonte: aqui

16 junho 2021

Rir é o melhor remédio



Dez maneiras de saber que você é um contador 

... Amigos sempre pedem para você dividir a conta do restaurante e a gorjeta. 
... Espera-se que você seja sempre aquele que controla o bolão da loteria e a lista de presente de casamento 
... Você é o único que não gosta das piadas de Michael Scott com Kevin, Angela e Oscar 
... Estranhos se aproximam de você nas festas e perguntam "Como faço para pagar menos impostos?" 
... Você fica irritado quando vê jornalistas dando conselhos fiscais imprecisos 
... Quando você entra em uma loja de varejo, você se pergunta qual a margem de lucro 
... Você se recusa a comprar certos produtos porque sabe a margem de lucro. 
... Os parentes ligam para você no mês final de entrega do imposto de renda 
... Você conta uma lista não numerada como esta para verificar se ela realmente contém 10 itens 

 Adaptado de daqui. Imagem aqui

26 março 2021

Rir é o melhor remédio

 "Dia após dia, o seu contador pode ganhar ou perder mais dinheiro do que qualquer pessoa em sua vida, com a possível exceção de seus filhos."

- Harvey Mackay via aqui

21 novembro 2020

Trabalho em extinção


Regularmente aparece alguém fazendo previsões sobre as profissões em risco de serem extintas. Agora, mais uma lista da GlassDoor (?), publicada na Epoca Negócios: 

Já sabemos que a pandemia afetou profundamente a forma que o mercado de trabalho está organizado. Mas, para algumas profissões, esses impactos podem ser ainda mais devastadores. É isso que mostra o relatório Workplace Trends 2021, publicado pela consultoria GlassDoor. 

A empresa, especializada em recrutamento e seleção, analisou as informações disponibilizadas por empresas em milhões de vagas de emprego publicadas em sua plataforma. Com base nesses dados, foi possível identificar três tendências que irão tomar conta do mercado nos próximos anos. Além disso, a consultoria também elencou as 20 profissões que mais foram impactadas pela crise sanitária. 

Os escritórios nunca mais serão os mesmos 

A primeira tendência identificada pela Glassdoor foi a mudança na estrutura de trabalho nos escritórios tradicionais. A pandemia deu força ao movimento de transição das infraestruturas físicas para o home office. Durante o periodo, 4 em cada 10 trabalhadores norte-americanos desempenharam suas atividades remotamente. Ao mesmo tempo que isso traz vantagens, também pode apresentar problemas para as operações das empresas. 

De acordo com a consultoria, equipes que funcionem em sistemas híbridos, onde alguns funcionários ainda trabalham presencialmente, apresentam melhores resultados. 

Apesar do corte de custos e maior flexibilidade, o home office tende a minar a espontaneidade e produtividades de algumas equipes. Entre os principais motivos para isso está a dificuldade que o modelo apresenta na hora da criação de vínculos profissionais, essenciais para a criação de uma sinergia entre os colaboradores. 

A expectativa é que, em 2021, o mercado experimente uma onda de inovação em modelos híbridos de trabalho. Com as empresas testando cada vez mais modelos para encontrar aquele que melhor atende suas necessidades. A diversidade irá ganhar cada vez mais importância Os colaboradores querem mais do que apenas promessas de mais diversidade dentro das empresas. Eles querem ação. 

Movimentos como o Black Lives Matter lançaram uma nova luz à questões relativas a desigualdade racial em 2020, e os negócios estão sendo cada vez mais pressionados a apresentarem resultados tangíveis. Essa é uma tendência que tende a ganhar força com o decorrer da retomada econômica nas principais economias do mundo. 

Mais do que demandas internas, o grande público também está mais atento à essas questões. Relatórios de resultados que indiquem uma evolução no assunto, com a adoção de políticas corporativas e incentivos, tendem a ser bem vistos pela comunidade. 

A forma que encaramos nossos salários irá mudar 

Com a popularização do home office, novas oportunidades são apresentadas para os profissionais. Uma delas é a de se mudar para outra cidade enquanto mantém o mesmo emprego. 

Isso é especialmente atrativo para trabalhadores do setor de tecnologia, que agora encaram a possibilidade de fugir dos metros quadrados caros dos grandes polos de inovação, como São Francisco e Nova York. 

Isso cria um movimento de mudança no que diz respeito ao valor das remunerações. A possibilidade de economizar mais também abre espaço para que os salários abaixem, mas o movimento contrário também pode acontecer. Conforme o mercado fica cada vez mais competitivo, a remuneração pode ser um fator decisório para que as empresas consigam reter talentos. 

O relatório também chama a atenção para as confraternizações e eventos. Apesar deles terem sido suspensos durante a pandemia, a expectativa dos colaboradores é que retornem com o fim da crise sanitária. 

Até mesmo as melhores culturas corporativas precisarão se adaptar 

Com o trabalho menos centralizado nos escritórios, as culturas corporativas precisarão mudar para conseguir estimular e engajar pessoas. 

Tudo deve começar no design de suas sedes. As empresas precisam pensar em como os colaboradores vão se relacionar com esses ambientes, garantindo que sejam locais de conforto e produtividade. 

Aqueles que trabalham remotamente também podem sentir dificuldade em criar vínculos com a empresa. É normal que a sensação de que está trabalhando “separado de sua equipe” apareça. De acordo com a Glassdoor, empresas que querem prosperar em 2021 precisam encarar os sentimentos de seus colaboradores como business intelligence. 

Alguns setores não se recuperarão 

O choque econômico que a pandemia trouxe será sentido por muito tempo. Muitos empregos que foram perdidos não retornarão tão cedo. O relatório da GlassDoor mostra impactos devastadores, principalmente em trabalho que não exigem muita capacitação do profissionais, aqueles do setor de educação, funções administrativas e de vendas. De acordo com a consultoria, essas são áreas que não devem se recuperar tão cedo. E, mesmo após a recuperação econômica, ainda irão ser mercados menores do que eram antes da pandemia. 

Confira os 20 empregos mais afetados. 1. Audiologista 2. Coordenador de eventos 3. Demonstrador de produtos 4. Oculista 5. Chefe de cozinha 6. Executivo assistente 7. Consultora de beleza 8. Vallet 9. Estilista 10. Coach 11. Embaixador de marca 12. Tosador de animais 13. Fisioterapeuta 14. Estagiário 15. Professor 16. Gerente de Recursos Humanos 17. Analista de Contas a Pagar 18. Recepcionista 19. Instrutor 20. Gerente de Vendas 21. Contador 22. Executivo de contas

Imagem: aqui

10 novembro 2019

Razões para ser um contador

Why did you become an accountant?
Posted by AICPA Communications on Nov 10, 2019

Today is International Accounting Day, a day started to honor Luca Pacioli — the Father of Accounting and Bookkeeping. On this day, we honor the hard work of accounting and finance professionals around the world. To celebrate, we asked CPAs why they chose the accounting profession. Here’s what they said.

“I went to college knowing one thing — I was going to college. I didn’t know what my major would be, so I started taking classes that I thought sounded interesting. A year and a half in, I signed up for my first accounting class. I jokingly tell people that on day one in my intro to accounting class, I could hear a chorus of angels singing. Suddenly, I’d found my calling — debits and credits were the most genius thing ever. It clicked, it made sense and I loved it! Accounting is the language of business and financial literacy — a valuable life skill. The opportunities I’ve had because I’m a CPA are more than I could have imagined, and I’m very thankful I signed up for that intro to accounting class.”

Lisa Simpson, CPA, CGMA

“If you ask my friends and co-workers to use one word to describe me, I believe the overwhelming majority would say that I am logical. I decided to pursue a career in accounting because of my logical nature. I wanted to have a job. No matter how the economy is doing, companies will always need someone to assist with their finances. However, having a good salary and job security was not the only motivation for me to become an accountant. My passion for playing with numbers and understanding the story behind them rather than just counting them inspired me to pursue a career in accounting. There’s nothing more exciting than seeing clients’ faces light up when I find a solution to their problems or ‘translate’ technical language of ASCs into plain English for them. Accounting is indeed a fulfilling career.”

Iryna Klepcha, CPA

“The reason I got into accounting was to get into the FBI. I was good at accounting in high school. I had four schools that were recruiting me for football, and the school I chose had a great accounting program. My friend’s father told me to go for accounting while his son and my other friends went to school for law enforcement. He said this way, when I showed up to the crime scene, I could tell them ‘out of the way, I’m in charge.’ Went to the right school [Canisius] for the wrong reason [to play football] but was lucky enough they had a strong culture of promoting the CPA. Something I didn’t know anything about and when I learned of it, I started to attend ‘Meet the Accountants’ nights. When meeting firm representatives, it changed my career goal to become a CPA.”

Mark Koziel, CPA, CGMA

“Compassionate. Protector. Always. CPA. When I was five, I would use my dad’s 10-key [the kind with printing tape] and a periscope-style flashlight I pretended was a phone to play a made-up game I called ‘office,’ where my friends and I ran a company helping others make sound financial decisions with their Monopoly money. Twenty years later, I became a CPA. Why? Because — like the other hats I wear as a daughter, sister, wife, mom, friend, colleague and coach — it affords me the opportunity to connect with others in a meaningful way to share love, kindness, compassion and appreciation. Every day, I get to use my gifts to help others, protect the public and advocate for the accounting profession.”

Sarah Bradley, CPA

“I became an accountant because I’ve always been fascinated by business, and accounting is the language of business. My goal was to become a CFO. And, to manage an organization’s finances or make sound investment decisions, you need to speak the language. My interests changed over time, but my career progression wouldn’t have been possible without my background in accounting.”

Carl Mayes, CPA

“I became a CPA because I wanted to help people’s dreams come true. Dreamsreams often start with a solid financial footprint, and CPAs are the best at helping people achieve their financial dreams — so that their clients are able to pay for their children to go to college and achieve their college dreams, buy their dream vacation home or even retire earlier and live their dream life. Plus, I became a CPA because I really like to work with people and connect with them so that I am part of their team in terms of their financial and tax planning goals. The CPA profession is extremely rewarding, and I’m grateful for the experiences I’ve had in the profession. Plus, it has allowed me ample opportunities to grow and prosper and the work-life balance to make time for all of the things I enjoy.”

Susan C. Allen, CPA/CITP, CGMA

We want to keep celebrating you and everything you do. Share your “why” on social media using #InternationalAccountingDay. If you’d like to celebrate with the AICPA, become a member today and use code LUCA20 to receive a special discount.

Liz Rock, Manager — Branded Content Strategy, Association of International Certified Professional Accountants

05 janeiro 2019

Rir é o melhor remédio

O inusitado da manchete. O que você entendeu?

(a) somente "um quarto" dos clientes (mas não a sala, o banheiro etc)
(b) 25% dos "contadores" são inteligentes. Logo, 75% são burros
(c) É possível ter "contadores" inteligentes. Basta escolher. 25% dos clientes já possuem escolheram, mas 75% optaram por contadores burros.

Nada disso. Leia o texto para entender.

26 julho 2018

Morte de Marchionne

Faleceu o ex-presidente do grupo Fiat, Marchionne. O texto abaixo, da The Economist, indica que sua formação, em contabilidade, ajudou no seu trabalho:

Marchionne é considerado uma das maiores estrelas de todos os tempos na indústria automobilística, tendo resgatado a Fiat da quase falência em 2004 e repetido o truque na Chrysler, em 2009. Trabalhando duro até para os padrões de altos executivos, ele alegou que seu traje habitual, um suéter preto, o poupava de perder tempo escolhendo um terno. Ele podia ser brusco, mas também era erudito e franco em uma época em que os chefes se tornaram cada vez mais cautelosos.

A formação de contador o ajudou a ter uma visão clara sobre as deficiências da empresa. Por isso, ele propôs megafusões para dividir custos. Outros executivos de indústrias automobilísticas compartilhavam de seu diagnóstico, mas preferiram alianças vagas, que geram economias, mas não na escala de uma fusão. Marchionne foi um dos poucos que conseguiram êxito ao unir gigantes. E estava sempre à procura de oportunidades – alguns analistas sugeriram que ele estaria elaborando uma última grande transação antes de morrer.

18 julho 2018

Número de registros profissionais

Quanto aos contadores, o número de registros apresentou uma sequência de altas desde 2011, passando de 290.208 (dezembro de 2011) para 348.393 (dezembro de 2016). No entanto, a partir de 2016 esse número apresentou uma leve queda, passando para 346.482 (abril de 2018), o que representa uma redução de 0,54%. (...) constatamos que, apesar do cenário conturbado vivenciado recentemente pela economia, o número de registros não foi afetado de forma relevante. (Marco Aurélio Cunha de Almeida, vice-presidente de Registro do CFC)

Considerando que 43 mil candidatos fizeram o exame de suficiência, sendo a taxa de aprovação abaixo dos 30%, o crescimento anual do número de profissionais seria acima de 10 mil. Assim, o número de registros foi afetado pela recessão econômica.