Translate

11 novembro 2019

Paradoxo Nórdico

O VE trouxe uma extensa reportagem sobre o “Estado Feminino”: a participação da mulher na Noruega. Eis dois dados do texto:

A lei de igualdade de gênero exige uma cota de 40% de mulheres nas organizações públicas. Esta lei foi estendida para os conselhos das estatais, em 2004, e para os conselhos de administração das empresas abertas, e 2006.

O aumento da participação feminina no mercado de trabalho agregou 360 milhões de dólares à economia, entre 1972 a 2013

Ainda assim, parece não ser suficiente: a mulher na Noruega ganha 88% do salário do homem, talvez uma das maiores taxas do mundo, mas indicando existir desigualdade. Mesmo com as cotas, 34% dos cargos diretivos no setor público são ocupados pelas mulheres.

Um detalhe que escapou: o paradoxo nórdico. Uma pesquisa comparou a Suécia com a Espanha (ok, não é a Noruega, mas tudo indica que os dados são equivalentes): a violência doméstica é maior na Suécia. E parece válido para Dinamarca

Nordic countries are known for their progressive childcare and paid leave policies, but many of them suffer from high incidences of domestic violence. In Denmark, 32% of women said they had experienced intimate physical and/or sexual violence at least once in their lifetime.
A 2016 report refers to this phenomenon as the "Nordic paradox," suggesting that there may be an unexpected backlash against women in gender-equal societies.
Since 2002, Denmark has launched multiple national action plans to confront this issue. The most recent plan focuses on young people exposed to dating violence.

Os índices de violência parecem ocorrer em outros países daquela região

2 comentários:

  1. Ditadura: "A lei de igualdade de gênero exige"

    ResponderExcluir
  2. Correlação espúria. Existem várias questões culturais que devem ser levantadas antes de falar em trabalho. A pergunta também é enviesada, questionando se a mulher já sofreu violência "ao menos uma vez na vida" . Isso pode ser antes do emprego, por exemplo.

    ResponderExcluir