Translate

Mostrando postagens com marcador Vaticano. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Vaticano. Mostrar todas as postagens

22 novembro 2019

Finanças obscuras do Vaticano

O Papa Francisco tenta resolver um problema mundano: tornar o Vaticano um lugar menos pecaminoso em termos financeiros. Mas o quadro traçado pela The Economist mostra que nem as autoridades europeias acreditam na santidade do Vaticano: o lugar parece favorecer a lavagem de dinheiro:


AFTER A WEEK of resignations and exclusions, the Vatican faces the very real risk of being reduced once more to the status of an international financial pariah. In the coming days its officials are due to answer a detailed questionnaire for Moneyval, Europe’s anti-money-laundering and anti-terrorist-financing watchdog. The picture they will have to paint could scarcely be less reassuring.

The Financial Information Authority (AIF)—the Vatican’s regulatory body and the cornerstone of a nine-year campaign to dispel the Holy See’s image as a refuge for hot money and shady dealings—is no longer eligible to receive intelligence on suspected financial crime from its counterparts in other states. The AIF’s president, René Brülhart, has left (the Vatican announced on November 19th that his contract would not be renewed). Half his board has since resigned. And the authority’s director is suspended from duty.

29 outubro 2019

Finanças do Vaticano

Eis um texto interessante da Forbes sobre as finanças do Vaticano:

O Vaticano rejeitou ontem (22) alegações em um novo livro de que a Santa Sé corre o risco de calote nos próximos anos por causa de queda de doações, má administração financeira e corrupção.

O livro de 350 páginas, “Last Judgement”, é do jornalista italiano Gianluigi Nuzzi e é o mais recente sobre as finanças do Vaticano.

Nuzzi escreve que anos de déficits podem deixar pouca escolha para o Vaticano, a não ser declarar default até 2023.

“Não há ameaça de default aqui. Há apenas a necessidade de uma revisão de gastos. E é isso que estamos fazendo”, disse o arcebispo Nunzio Galantino, chefe da Administração do Patrimônio da Santa Sé, um escritório geral de contabilidade que administra as propriedades imobiliárias em Roma e em outros lugares na Itália, paga salários dos funcionários do Vaticano e atua como um escritório de compras e departamento de recursos humanos.

O arcebispo disse ao jornal católico italiano “Avvenire” que, embora “não haja necessidade de alarmismo”, o Vaticano tem que conter custos.

O menor Estado do mundo não recebe impostos. Suas fontes de renda são investimentos, imóveis, arrecadações de fiéis feitas em todo o mundo, contribuições de dioceses e receitas de seus populares museus.

Nuzzi disse que as contribuições dos fiéis caíram acentuadamente nos últimos anos, principalmente em países como os Estados Unidos, atingidas por escândalos de abuso sexual.

Em uma entrevista coletiva na qual apresentou o livro, Nuzzi afirmou ser um grande admirador do Papa Francisco e queria destacar a suposta má gestão que o impede de aprovar uma reforma duradoura.

25 setembro 2017

ex-Auditor do Vaticano começa a explicar sua saída da Santa Sé

Em junho de 2017 o primeiro auditor-geral do Vaticano renunciou. Agora, Libero Milone disse que foi forçado a renunciar depois de descobrir possíveis atividades ilegais. Ele afirma não ser possível dar detalhes do que encontrou em razão de compromissos de confidencialidade. A Reuters informou que um representante da Santa Sé disse que as afirmações de Milone são falsas e que se ele não renunciasse, Milone seria processado. Segundo o arcebispo Giovanni Angelo Becciu, Milone estava espionando a vida privada dos superiores. Domenico Giani, da polícia do Vaticano, fala em evidências esmagadoras contra Milone.

Anteriormente Milone trabalhou na Deloitte da Itália, para Nações Unidas e Fiat. Segundo Milone afirmou seus problemas começaram em setembro de 2015 quando passou a suspeitar que seu computador tivesse sido invadido. Ele contratou uma empresa externa para fazer uma verificação e foi informador que seu computador tinha sido alvo de acesso não autorizado e que o computador da secretaria tinha um spyware.

Becciu, do Vaticano, afirma que a empresa contratada estava ajudando a espionar outras pessoas.

08 setembro 2016

Bagunça

"A contabilidade não tem uma política unificada. Os relatórios anuais não são divulgados, diferentes departamentos usam diferentes princípios contábeis, as informações são inconsistentes e não comparáveis. O orçamento não existe e despesas não são detalhadas. Existe uma grande quantidade de ativos que não estão no balanço".

Esta é o relato da contabilidade de uma entidade do terceiro setor para o WSJ(via aqui). Somente uma força divina pode explicar como uma entidade com estes problemas na contabilidade sobreviveu tanto tempo. As palavras acima são do Cardeal George Pell, que relatou a situação do Vaticano. A PwC tinha sido contratada para auditar a contabilidade, mas foi dispensada este ano.

12 dezembro 2015

Fato da Semana: Vaticano

Fato da Semana: O Vaticano acertou com a PwC para fazer a auditoria das suas contas. O Vaticano está tentando colocar em ordem as contas, melhorando a transparências dos resultados da Igreja Católica. Anteriormente o Papa tinha contratado um auditor geral.

Qual a relevância disto? A Igreja Católica tem um lugar especial na contabilidade: Pacioli era um frade e existe até um padroeiro para os profissionais. Mas a mera ameaça de punição eterna parece que não foi suficiente para que os pecadores de plantão não roubassem da Santa Sé. Na década de oitenta a ligação financeira da Igreja com a Máfia ficou conhecida através do filme O Poderoso Chefão III. Outro aspecto importante é que a posição da Igreja mostra a relevância dos controles internos, mesmos nas organizações sem fins lucrativos.

Positivo ou Negativo? Positivo

Desdobramentos – Quem sabe um dia nós teremos uma discussão sobre a avaliação da Capela Sistina...

09 dezembro 2015

Big Four no Vaticano


Segundo o Accountancy Age, a PWC será responsável por auditar as contas do Vaticano na tentativa do Papa de excomungar a corrupção na igreja. O Papa afirmou que a empresa começará imediatamente e trabalhará em harmonia com o Cardinal George Pell, o australiano apontado para encabeçar o recém-formado Secretariado para a Economia, com o propósito de supervisionar as finanças papais após uma série de escândalos.

O Papa Francisco repetidamente prometeu limpar a opacidade das finanças do Vaticano onde diversas igrejas deixaram de seguir os padrões internacionais de contabilidade que, em 2013, basicamente, encerrou o relacionamento do Vaticano com os mercados financeiros.

Em junho um ex-Deloitte, Libero Milone, foi contratado como primeiro auditor geral. Há dois anos, a KPMG foi contratada para aconselhar quanto aos procedimentos de contabilidade interna e a EY para verificar e consultar a atividade econômica da cidade estado do Vaticano.

Leia também: Banco do Vaticano

13 junho 2015

Fato da Semana: Auditoria no Vaticano (semana 23 de 2015)

Fato da Semana: O Vaticano anunciou a nomeação de Libero Milone, italiano de 66 anos de idade, como o primeiro auditor-geral.

Qual a relevância disto?  As congregações religiosas tendem a acreditar que seus membros estão acima das maldades mundanas. Por este motivo, geralmente os controles são frouxos, pretensamente garantidos pela boa conduta do fiel. Entretanto, diversos escândalos financeiros ocorreram não somente na Igreja Católica, mas também em outras igrejas; e vários deles foram resultados de ausência de controles. Dan Ariely já tinha mostrado que a fé pode reduzir a desonestidade, mas não elimina.

O Vaticano está reconhecendo que o auditor pode ser um profissional útil, capaz de ajudar no melhor aproveitamento dos recursos.

Positivo ou Negativo – Positivo.

Desdobramentos – Somente no longo prazo, mas provavelmente a gestão financeira do Vaticano irá mudar. Para melhor. 

09 junho 2015

Auditoria no Vaticano

O Vaticano nomeou o seu primeiro auditor-geral na sexta-feira na última. A atitude do Papa Francisco visa garantir transparência nas finanças conturbadas por escândalos na sede da Igreja Católica Romana.

O Papa nomeou Libero Milone, italiano de 66 anos de idade, proveniente da Deloitte da Itália.

10 dezembro 2013

Scarano e o dinheiro do Vaticano

Segundo o Financial Times, o ex-chefe da contabilidade da administração do patrimônio do Vaticano, monsenhor Nunzio Scarano, foi preso pela polícia italiana, acusado de fraude e corrupção. Scarano e mais dois homens eram suspeitos de contrabandear 20 milhões de euros para a Suíça. Os promotores acusam o monsenhor de usar o Instituto para as Obras Religiosas para movimentar dinheiro de empresários de Napóles, uma cidade conhecida por seu vínculo com o crime organizado.

20 novembro 2013

EY no Vaticano

Segundo a agência de notícias AP, o Vaticano contratou a EY (antiga Ernst Young) para verificar e consultar a atividade econômica da cidade estado do Vaticano. Isto inclui o dinheiro dos museus, os correios e as lojas isentas de impostos.

Outra empresa, a Promontory Financial Group, também irá trabalhar para o Vaticano, na área do banco e dos imóveis.

O novo papa, o argentino Francisco, assumiu pretendendo colocar em ordem as confusas finanças do Vaticano. Anteriormente, o papa Bento não conseguiu conduzir a gestão do Vaticano de maneira tranquila.

02 outubro 2013

Banco do Vaticano divulga balanço

O Banco do Vaticano ou IOR publicou suas demonstrações contábeis anuais (Aqui, em PDF). O total do ativo quase chega a 5 bilhões de euros. O lucro aumentou de 20,3 milhões de euros, em 2011, para 86,6 milhões, em 2012.

Segundo Quartz, a principal razão foi as taxas de juros. E o seu principal ativo está relacionado com títulos de dívida. Segundo o Vaticano, o IOR não é um banco tradicional, pois está centrado na gestão de fundos religiosos e de caridade. Segundo a AFP:

Pela primeira vez, o banco divulgou seus resultados em um relatório anual publicado em seu novo site na internet, uma demonstração da nova política de transparência que o Vaticano deseja para um banco muito criticado por sua opacidade no passado.

O IOR administra milhares de contas, principalmente de sacerdotes, religiosos, bispos, congregações, que atualmente são controladas por consultores externos.

O banco também serve para fazer circular os fundos necessários para as obras da Igreja no mundo. Mas a falta de transparência permite que o dinheiro sujo, especialmente o da máfia, seja lavado no IOR.


Atualização: Aqui o relatório de 2014.

18 maio 2013

Evidenciação no Vaticano

O Banco do Vaticano, por décadas um foco de escândalos, vai lançar um site próprio e publicar seu relatório anual, em um esforço para aumentar a transparência, disse o novo presidente da instituição.
Ernst von Freyberg comunicou esta semana aos funcionários do banco as mudanças, que devem acontecer até o final do ano, de acordo com a Rádio Vaticano.

Ele também disse que o banco, formalmente conhecido como o Instituto para as Obras de Religião (IOR) e chamado de banco mais secreto do mundo pela revista Forbes, também contratou uma empresa de auditoria para certificar-se de que cumpre as normas internacionais contra a lavagem de dinheiro.

A Rádio Vaticano não revelou o nome da empresa de auditoria.

Freyberg foi nomeado em fevereiro para tomar o lugar de Ettore Gotti Tedeschi, que foi demitido em maio passado.

Tedeschi disse que foi demitido porque queria mais transparência, mas o conselho, formado por especialistas em finanças internacionais, disse que ele tinha negligenciado as responsabilidades básicas de gestão e alienado os funcionários.

Segundo fontes do Vaticano, o papa Francisco, que foi eleito em março, pode decretar uma grande reestruturação do banco ou mesmo decidir fechá-lo.

Fonte: G1, via Vladmir Almeida