Translate

Mostrando postagens com marcador KPMG. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador KPMG. Mostrar todas as postagens

01 setembro 2021

KPMG e Carillion

A FRC, entidade que faz a fiscalização do trabalho das empresas de auditoria no Reino Unido, anunciou (e aqui também) um queixa disciplina contra a KPMG e os responsáveis pela auditoria da empresa Carillion. Segundo a FRC, a empresa de auditoria, uma das grandes empresas mundiais, forneceram informações enganosas para o regulador sobre a qualidade da auditoria na Carillion, e também no trabalho realizado na Regenersis, em 2014.  

Este é um dos processos sobre os problemas ocorridos na Carillion. A Carillion era uma prestadora de serviços ao governo do Reino Unido, que entrou em colapso em 2018. Com três mil empregados e 450 projetos do setor público, a empresa era um gigante da terceirização. A KPMG fazia a auditoria da Carillion desde sua criação, em 1999. 

23 julho 2021

FRC critica o trabalho da KPMG Britânica


KPMG enfrenta duras críticas do regulador do Reino Unido. "É inaceitável que falhem pelo terceiro ano" A empresa de auditoria foi alvo de críticas por parte do Financial Reporting Council, por falhar, há três anos consecutivos, as exigências requeridas pelo regulador. Em Portugal, a KPMG foi esta semana condenada pelo Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão. 

A KPMG, empresa que presta serviços de auditoria, está a enfrentar novas críticas pela qualidade das suas auditorias aos bancos, depois de o reguladores britânico ter dito que era "inaceitável" que, pelo terceiro ano consecutivo, o trabalho da empresa não estivesse à altura do pretendido. 

(...)  "Os resultados da inspeção à KPMG não mostram melhorias e é inaceitável que, pelo terceiro ano consecutivo, a FRC encontre novas falhas nas auditorias de bancos e entidades semelhantes à KPMG", pode ler-se no comunicado.  

Nas sete maiores empresas de auditoria do Reino Unido - incluindo a Ernst & Young e a Deloitte - quase 30% de toda a contabilidade estava abaixo da média no ano até o final de março, de acordo com o relatório anual do Conselho de Relatórios Financeiros. Esta meta fica bem abaixo os 10% que o regulador britânico definiu.  

As firmas de contabilidade têm enfrentado intenso escrutínio por reguladores e promotores para qualquer papel que possam ter desempenhado em uma série de colapsos e escândalos de empresas. O FRC abriu investigações sobre as auditorias da Greensill Capital, uma fintech que implodiu no início deste ano, e um banco de propriedade de um de seus maiores tomadores de empréstimos.  

O regulador do Reino Unido disse que "dada a importância sistémica dos bancos para a economia do Reino Unido, irá monitorizar de perto as ações da KPMG para garantir que os resultados sejam tratados em tempo útil". A empresa concordou com um conjunto de melhorias que forma exigidas e que serão realizadas este ano, disse ainda.  

(...)  Gonçalo Almeida - aqui

12 fevereiro 2021

Chefão da KPMG renuncia após mandar equipe “parar de reclamar”


Bill Michael (foto), que comanda a KPMG do Reino Unido desde 2017, renunciou após um revolta dos funcionários contra seu discurso público onde pediu para os funcionários “parar de reclamar sobre a pandemia” e evitar fazer papel de vítima. Ao renunciar, Michael afirmou que sua posição era insustentável

A revolta foi noticiada pelo Financial Times no dia 9 de fevereiro e mesmo o pedido de desculpas do executivo, que já teve Covid, não foi suficiente para colocar fim a controvérsia.  A KPMG abriu uma investigação independente. 

Como a KPMG está fazendo corte de salário e pessoal, as palavras do executivo, que ganhou 1,7 milhão de libra, talvez seja uma decorrência de “uma cultura de trabalho tóxica”. Michael fez o comentário infeliz durante um encontro onde também anunciou redução nos pagamentos e a adoção de uma “curva de distribuição forçada. (Para aqueles que vivem no escuro, o desempenho da equipe é medido em relação à curva; aqueles que estão na extremidade inferior geralmente são solicitados a revisar "suas aspirações de carreira".)

Foto: aqui

21 novembro 2020

Estado da Califórnia multa a KPMG


Ainda com respeito ao escândalo da KPMG, que tentou melhorar a qualidade das suas auditorias através da "contratação" de funcionários do PCAOB, o estado da Califórnia multou a empresa de auditoria. 

O motivo foi o fato do estado ter licenciado CPAs. O procurador-geral do estado aplicaram uma multa disciplinar contra a empresa. Durante a investigação da SEC, a KPMG admitiu que muitos dos seus CPA trapacearam no exame de educação continuada interno, colando respostas e manipulando a pontuação do exame. 

Segundo o procurador-geral:

“As auditorias de empresas públicas são particularmente importantes porque fornecem supervisão das empresas nas quais os americanos dependem para investir seu dinheiro suado em pensões e outros fundos de aposentadoria. Quando empresas como a KPMG optam por trapacear em vez de melhorar as práticas da empresa, isso prejudica todo o sistema. Eles serão responsabilizados. ”

Além da multa, a KPMG será obrigada a dar educação continuada em ética. (Imagem aqui)

17 outubro 2020

Saldo do escândalo PCAOB e KPMG


Há alguns anos, a KPMG contratou funcionários da entidade responsável pela fiscalização dos trabalhos de auditoria nos Estados Unidos. Na época, a KPMG estava com um problema sério de qualidade nos serviços executados. O problema é que os funcionários contratados levaram consigo algumas informações sigilosas sobre a fiscalização que iria ocorrer nos meses seguintes por parte do antigo empregador, a PCAOB.  

Depois do escândalo e a comprovação da atitude um pouco desonesta da Big Four, a justiça começou a julgar os responsáveis pelo caso. Eis um resumo das condenações até o presente momento:

David Britt - ex-sócio da KPMG, pegou seis meses de prisão domiciliar e será banido para Austrália. O juiz entendeu que Britt cometeu um crime grave, mas não teve ganho pessoal direto. Britt declarou culpado há um ano. Foi o único ex-executivo da KPMG que não foi para prisão.

Cynthia Holder - ex-funcionária do PCAOB e depois ex-diretora da KPMG. Foi condenada a oito meses de prisão em agosto de 2019. Declarou culpada. Cumpriu pena em uma prisão de segurança mínima, no Texas e foi libertada em junho de 2020. 

David Middendorf - ex-funcionário da KPMG, condenado a um ano e um dia de prisão. Está apelando da condenação. 

Thomas Whittle, ex-funcionário da KPMG, cooperou com as investigações e aguarda sentença

Brian Sweet, mesmo caso do anterior. Aguarda sentença. 

Jeffrey Wada - que entregou as informações para a KPMG, foi condenado a nove meses e está apelando da condenação.

Foto: aqui

23 junho 2020

Novo auditor na GE

Algo surpreendente aconteceu no mundo da auditoria. Depois de 110 anos, a empresa General Electric anunciou que seu auditor não será mais a KPMG. Em 2018, um grande número de acionista votou contra a continuidade da KPMG na General Electric, depois de uma série de "problemas".

Entre 2015 a 2019, a KPMG recebeu 514 milhões de dólares para fazer trabalho de auditoria e outros na GE.

A mudança foi considerada uma sinalização para o mercado que as coisas estão mudando na GE. A Deloitte irá assumir o lugar. A KPMG deverá ainda auditar as demonstrações até o final deste ano.

Aqui um apanhado das postagens sobre o assunto no blog.

26 janeiro 2020

Crimes da KPMG

O texto a seguir analisa os problemas recentes das empresas de auditoria, o que inclui a elevada concentração do setor. Inclui uma análise dos problemas em que a KPMG se meteu.

Capitalism has a foundational dependence on auditors -- outside entities who evaluate companies' claims about their financial state so that investors, suppliers and customers can understand whether to trust the companies with their money and business -- but those auditors are paid by the companies they're supposed to be keeping honest, and to make matters worse, 40 years of lax antitrust enforcement has allowed the auditing industry to contract to a four gigantic firms that openly practice fraud and abet corruption, with no real consequences.

There've been numerous recent examples of how the Big Four accounting firms have allowed grifters to hollow out the world's largest corporations. The most egregious was Carillion, a giant contractor that had largely replaced the British government in providing vital services to large swathes of the country while sucking up billions in taxpayer money. The company had systematically defrauded the public about the state of its finances, with every one of the Big Four accounting firms signing off on its books, something that came to light in 2018 when the company collapsed in spectacular bankruptcy, leaving the people who depended on its services high and dry. To make things worse, the same accounting companies that participated in its fraud then billed Her Majesty's Government millions more to oversee Carillion's winddown.

KPMG is easily the most-scandal haunted company of the Big Four, a latter-day Arthur Anderson  Co. The company has been embroiled in scandal after scandal including instances in which they bribed government regulators to steal state documents so that KPMG could anticipate which of its audit-reports would be inspected by government officials and go back and unfuck the numbers they had frauded into those books. Then, incredibly, KMPG admitted that it knew that its own senior staff routinely cheated on their annual ethics examinations.

Now, the Project on Government Oversight has published a long, detailed story about KPMG's criminal conspiracy to recruit employees of the Public Company Accounting Oversight Board -- the government agency that oversees the Big Four -- specifically targeting those employees who were in charge of investigating KPMG's conduct and then pressuring them to hand over secret government documents that showed which of KPMG's audit reports would come under government scrutiny, again so that the company could unfuck those books and hide the evidence of their criminal conspiracies.

The testimony reveals how ex-govies conspired with their former co-workers to set up a pipeline for ongoing access to internal government documents while dangling the promise of high-paid work at KPMG as a reward for their service, and how the top execs at KPMG leaned on them to do more of the same. One government employee -- a former FBI agent named Cynthia Holder -- used her expertise to set up communications channels that would be resistant to law-enforcement investigations.

It's easy to be cynical about this, treating it as just another part of the great Age of the Grifter, but Big Four accountancy fraud is fundamental to the functioning of markets. It's impossible to know how the economy is doing when the firms that measure company performance can't be trusted -- it's as if NOAA had to depend on a cartel of thermometer and barometer manufacturers who were known to deliberately make instruments that lied about the weather.

The closest analogy here is what happened with AIG during the 2008 crisis: AIG was the insurer that investigated and rated all the weird, complex derivative bonds that the big banks were issuing -- and AIG also depended on those banks to pay its bills. AIG gave its seal of approval to trillions of dollars' worth of garbage paper that pension funds, national governments and individual investors bought, trusting AIG's ratings. The entire pump-and-dump scheme that destroyed the world's economy and destabilized dozens of countries, leading to Brexit and the Trump election, was only possible because AIG was engaged in systematic, long-term fraud.

If anything, the Big Four accounting firms' audit reports are even more fundamental to the economy, and we've known for years that they can't be trusted. And yet we keep on relying on them, because the sector is so concentrated that they're the only game in town -- as though NOAA kept on buying thermometers that they knew didn't work because no one else was manufacturing thermometers.

Both the Lehman collapse and the Anderson collapse were so traumatic that governments and regulators have lost their taste for issuing the corporate death-penalty. Yet if there was ever a firm that was in want of a firing-squad, it's KPMG.

“This was confidential information that had been stolen from the PCAOB, and rather than report it back, we were deciding to take action to do things to improve, potentially manipulate the PCAOB's inspection results,” Sweet said.

As part of the effort, Sweet recalled proposing changes to audit records.

The review of one audit uncovered “very significant audit deficiencies,” prompting KPMG to change the conclusion of its audit, Sweet said. By preemptively flagging problems at that company, KPMG deterred the oversight board from inspecting that audit.

The covert program succeeded, Sweet said. Generally, inspections of the audits subject to the “stealth rereviews” showed “significant improvement,” Sweet said.

In a presentation KPMG prepared for a meeting with the PCAOB, the audit firm attributed the improvement to its internal quality control efforts. The results, the presentation said, had been “terrific.”

03 setembro 2019

Lynne Doughtie está saindo da KPMG

Há um semana a atual presidente da empresa de auditoria KPMG, Lynne Doughtie, informou que não iria ter novo mandato como presidente e CEO da empresa. Lynne foi a primeira mulher que liderou a KPMG e a segunda mulher CEO de uma Big Four. Formada na Virginia Tech e desde 1994 na empresa, Lynne assumiu sua posição em 2015 (fonte: aqui).

Apesar de ter conseguido aumentar a receita da empresa, Lynne teve que conviver com muita confusão, herança do passado. Teve que demitir seis dos principais executivos da empresa, envolvidos no roubo de informação do regulador, o PCAOB. Recentemente, alguns deles já receberam a sentença. Há relatos de perda de clientes, moral baixa (piadas como “Big Three e KPMG” refletem isto) e outros problemas. Talvez a empresa seja retirada da General Electric, um cliente de mais de 100 anos, com acusações possíveis de não ter descoberto uma fraude de bilhões de dólares. E tome Fifa, Wells Fargo, Carilion e Gupta, nomes relacionados com escândalos contábeis e KPMG.

O Going Concern especula se ela foi forçada a sair (dado o histórico acima) ou se não queria continuar, já que está perto da idade de aposentadoria obrigatória na empresa.

23 julho 2019

Auditoria no Reino Unido

Segundo o The Guardian, o último relatório do Financial Reporting Council (FRC) chegou e descreve mais do mesmo. Uma em cada quatro auditorias em todo o setor, no Reino Unido, está abaixo do padrão, portanto, o desempenho não chega nem perto da meta de aceitabilidade do regulador de 90%. Nenhuma das empresas alcançou essa pontuação. A PwC substituiu a KMPG como a retardatária das Big Four, com apenas 65% de suas auditorias consideradas aceitáveis. A PwC marcou 90% recentemente, há dois anos.

O pior desempenho foi o da Grant Thornton, onde quatro das oito auditorias inspecionadas não estavam à altura. A qualidade da Grant Thornton é "inaceitável" e "uma questão de profunda preocupação", disse o FRC.

Naturalmente, todos podem divulgar um plano de ação mostrando como mais dinheiro será investido em tecnologia, pessoas e treinamento. Ano após ano, no entanto, o estudo da FRC aponta o mesmo fracasso cultural profundo: a incapacidade dos auditores em empregar o ceticismo profissional e em desafiar as suposições da administração.

A familiaridade, o regulador sugere, é um fator. Um auditor pode vir ver a empresa, e não os investidores, como “o cliente”. Até que essa mentalidade mude, é questionável se algum nível de investimento moverá o indicador de maneira significativa.

O remédio proposto pela Autoridade de Concorrência e Mercados é uma “separação operacional” entre as divisões de auditoria e consultoria das empresas. As duas metades teriam equipes de gerenciamento, contas e bônus pools separados.

Segundo Nils Pratley, editor financeiro do The Guardian, a política representaria um começo. No entanto, essa situação também exige multas que realmente doam.

Em casos particularmente cruéis, o FRC pode se incitar a impor multas de 10 milhões de libras aos auditores. Tal soma pode soar robusta, mas mal conta como pequena mudança nesta indústria. Os lucros da PwC no Reino Unido no ano passado foram de £ 935 milhões, o que permitiu que os 915 sócios ganhassem uma média de £ 712.000 cada, um aumento de 9% no ano. Os números são semelhantes em outras grandes empresas.

Fonte: Aqui, com adaptações.

17 junho 2019

KPMG multada em US$ 50 milhões

Segundo o Wall Street Journal (WSJ), a KPMG LLP concordou em pagar à Securities and Exchange Commission (SEC) uma multa de US$ 50 milhões relacionada a alegações de que ex-funcionários conseguiram dar uma “olhadinha” nos planos dos reguladores de inspecionar seus trabalhos e auditores da empresa fraudaram provas de treinamento interno.

Em março, um ex-sócio da KPMG foi condenado por estar envolvido em esforços para roubar informações confidenciais, a fim de ajudar a empresa a parecer melhor ao Conselho de Supervisão Contábil das Companhias Abertas (Public Company Accounting Oversight Board), que regulamenta as empresas de auditoria. A SEC afirmou que ex-integrantes da alta patente da KPMG, responsáveis pelo controle de qualidade da empresa, obtiveram e usaram indevidamente informações confidenciais que pertenciam ao conselho contábil. Segundo a SEC, os funcionários da KPMG procuraram as informações porque a empresa havia ido mal nas investigações anteriores e queriam melhorar os seus resultados.

Funcionários da KPMG também fraudaram exames internos destinados a testar conhecimentos sobre uma variedade de princípios contábeis e outros tópicos. Os profissionais compartilhavam as questões entre si, enviando as respostas principalmente por e-mail.

Além da penalidade, a KPMG concordou em avaliar suas práticas de ética e integridade, identificar auditores que violaram as regras em conexão com os exames nos últimos três anos e contratar um consultor para avaliar os controles de ética e integridade da empresa, segundo a SEC.

A multa de US $ 50 milhões é uma das maiores já impostas a um auditor em uma ação da SEC.

09 maio 2019

Novo regulador

Já comentamos várias vezes no Contabilidade Financeira sobre o Financial Reporting Council, ou FRC. Trata-se do regulador independente para auditores, contadores e atuários, com atuação no Reino Unido e Irlanda. Além disto, o FRC trata de governança, com foco na transparência e integridade para os investidores.

Sua fonte de financiamento são os auditores, sendo o Conselho de Administração nomeado pelo governo. A entidade possui três comitês de governança, dois de negócios e três conselhos consultivos. Aparentemente, o trabalho do FRC não está agradando. Na falência do HBOS, o FRC indicou funcionários e ex-funcionários da KPMG para investigar a qualidade da auditoria realizada pela... KPMG. A notícia surgiu em 2013 e em setembro de 2017 a FRC concluiu que a KPMG não era culpada pelas irregularidades ocorridas na HBOS.

O problema ficou mais sério na falência da Carillion. A empresa de auditoria era a ... KPMG. A FRC iniciou uma investigação. Em março o FRC indicou a A & O Consulting para fazer uma análise no trabalho que foi realizado pela KPMG. A CEO da empresa, Sally Dewar, já trabalhou no J.P. Morgan e ... na KPMG. (É bem verdade que foi há 20 anos)

Em março de 2019, a partir de uma sugestão de três meses antes, o governo britânico lançou uma consulta para criar um novo regulador. Trata-se da Audit, Reporting and Governance Authority. A proposta inclui a necessidade da nova entidade de prestar contas ao parlamento e possui um foco na questão da concentração das empresas de auditoria. O novo órgão pode impor sanções e exigir explicações dos auditores para falhas.

30 abril 2019

FRC multa a KPMG

A KPMG foi multada em 6 milhões de libras esterlinas, além de ser repreendida, por uma auditoria realizada em 2008 e 2009 em uma empresa de seguros. O valor corresponde a R$30 milhões na data de hoje. A auditoria da Syndicate 218, foi considerada inadequada pelo regulador inglês FRC (Financial Reporting Council). O FRC também multou o partner Mark Taylor e o ex-partner Anthony Hulse, cada um em 100 mil libras.

O caso chama a atenção por três motivos. Em primeiro lugar, o valor da multa pecuniária é elevado para o padrão de empresa de auditoria. É bem verdade que representa um cisco diante do faturamento global da empresa, mas o erro começa a ser sentido no bolso.

Em segundo lugar, a KPMG também foi responsável pela auditoria da Carilion, uma empresa que quebrou com uma dívida de 1 bilhão de libras. Talvez seja um prenuncio de que a próxima multa será bem pesada.

Finalmente, há uma ameaça de quebrar as Big Four na Grã-Bretanha. A multa é mais um argumento por esta medida, como uma forma de resolver o “problema de qualidade” das empresas.

17 abril 2019

Auditoria do Banco Espírito Santo é punida

Em 2014, o banco português Espírito Santo apresentou uma série de problemas. Deste banco, foi criado o Novo Banco, que também não escapa das dificuldades de uma instituição financeira. Desde 2014, o papel dos gestores e dos auditores tem sido questionado.

Agora, o Banco de Portugal acusou a auditora do BES por informação incompleta e falsa, entre 11 de fevereiro a 30 de maio de 2014. Além da condenação da empresa de auditoria, a KPMG, dois auditores também foram condenados. A KPMG deve pagar um multa de 3 milhões de euros. Os dois auditores a uma multa de 825 mil euros, o que totaliza uma punição de 3,825 milhões de euros.

12 março 2019

KPMG

No passado, a KPMG contratou ex-funcionários da entidade que supervisiona empresas de auditorias (PCAOB) e junto com eles algumas informações confidenciais. O problema chegou ao conhecimento da justiça e os contratados e os contratantes estão sendo julgados.

Agora um ex-sócio da KPMG, David Middendorf, foi julgado culpado (aqui e aqui). Ele foi acusado de usar informações sobre quais auditorias da KPMG seriam revisadas pelo PCAOB e com isto preparando para a inspeção da entidade. Também foi condenado um ex-funcionário da PCAOB, Jeffrey Wada. A sentença deverá sair em agosto. Mas Middendorf foi inocentado na tentativa de fraudar o governo. (Apenas lembrando, o PCAOB é uma entidade privada; a SEC é governo; o julgamento condenou a fraude contra a PCAOB). Em setembro mais um acusado deverá ser julgado.

23 fevereiro 2019

Julgamento do caso KPMG e PCAOB

O PCAOB é a entidade que acompanha a qualidade do trabalho de auditoria nos Estados Unidos. É uma decorrência do escândalo da Enron. Todo ano, a entidade faz um relatório de inspeção das empresas. Em 2013, o relatório referente a KPMG foi muito ruim, com deficiências em 46% das auditorias da empresa de auditoria; no ano seguinte, o percentual foi um pouco maior, de 54%.

Para tentar resolver este problema de qualidade, alguns executivos da empresa nos Estados Unidos decidiram “contratar” alguns funcionários da entidade de fiscalização. E estes funcionários levaram algumas informações para a KPMG.

O caso foi descoberto e está em julgamento nos Estados Unidos. O fato é que a KPMG (ou melhor, alguns funcionários da KPMG) está sendo acusada de roubar informações secretas. Um agora ex-sócio, David Middendorf, está sendo acusado disto e de pressionar os funcionários contratados a mostrar as informações confidenciais. Isto inclui a cópia de documentos do computador do PCAOB para um disco rígido, manuais internos, formulários de comentários e alvos de inspeção do PCAOB em 2015. Uma das empresas que seria objeto de inspeção seria a Wells Fargo.

Middendorf chegou a lembrar aos funcionários contratados de onde vinha o salário e da necessidade de ser leal à KPMG. Mesmo com depoimentos contrários, Middendorf declara-se inocente da acusação de conspiração e fraude eletrônica. O processo pode conduzir a prisões, de mais de 20 anos, e multas.

20 dezembro 2018

KPMG e GE

No início deste ano, um grupo de acionistas fizeram oposição a renovação do contrato com a empresa de auditoria por parte da General Electric. Mesmo com uma forte oposição, a General Electric renovou o contrato com a KPMG. Em um cenário onde as Big Four são consideradas com desconfiança, o movimento na centenária empresa dos Estados Unidos chamou a atenção: em geral a votação da renovação do contrato com uma empresa de auditoria é uma questão secundária nas assembleias.

Agora, a empresa anunciou que abriu um processo para uma contratação de auditor independente. A solicitação de propostas pode ser um sinal do fim de uma longa parceria: há 109 anos que a KPMG (e antecessores) fazem este trabalho. Em março, o comitê de auditoria da GE pretende esclarecer melhor este assunto, mas o fato de ter feito a divulgação de uma potencial concorrência já pode ser um indício de que algo pode mudar.

Foram 109 anos com a mesma empresa de auditoria.

13 novembro 2018

Escândalo PCAOB + KPMG

Em 2015, a empresa de auditoria KPMG contratou alguns funcionários do PCAOB. O problema é que o PCAOB é a entidade que fiscaliza as empresas de auditoria. E mais agravante é que esses funcionários levaram informações confidenciais sobre a fiscalização que seria feita na empresa de auditoria.

Recentemente, Cynthia Holder, um dos funcionários contratados pela KPMG, confessou que realmente conspirou contra o governo dos Estados Unidos. Sua sentença deve sair em abril de 2019, podendo pegar, em uma hipótese otimista, 40 meses de prisão.

Leia mais aqui, aqui e aqui

05 outubro 2018

KPMG pós escândalo

Fonte da imagem: aqui

A KPMG da África do Sul está procurando um novo CEO de fora da organização, para reconstruir a confiança da empresa de auditoria no país. Após uma série de escândalos ocorridos em 2017, a firma perdeu vários clientes de alto escalão.

A atual CEO, Nhlamulo Dlomu, assumirá um novo papel com foco na mudança da cultura organizacional e na liderança ética. Ela trabalhará com o presidente global da KPMG, Bill Thomas. Nesse ínterim, Wiseman Nkuhlu atuará como presidente executivo.

Relembre os problemas da KPMG na África do Sul: aqui.

19 setembro 2018

KPMG, Reino Unido, Dinamarca e Estados Unidos

A KPMG admitiu que seu trabalho sobre as demonstrações do BNY Mellon e a filial de Londres não foi executado a contento. Em razão disto, o regulador britânico, o Financial Reporting Council (FRC), deverá impor sanções à empresa de auditoria. Mas a KPMG não concordou com o nível de penalidade, já que nenhum cliente sofreu perda. Mas o banco já foi multado anteriormente. Além disto, a FRC parece estar investigando outros problemas em outras empresas, inclusive a Carillion e já multou a KPMG em 3 milhões de libras pelo trabalho na Ted Baker.

Nos Estados Unidos, o PCAOB ainda não divulgou sua inspeção na KPMG, muito embora tenha feito para as outras big (Deloitte, EY e PwC). Um possível motivo é a investigação que a KPMG contratou ex-funcionários do regulador e que isto pode ter dado alguma vantagem para a auditoria.

Sobre bancos, o maior banco dinarmaquês, o Danske, reconheceu que a sua filial da Estônia lavou dinheiro entre 2007 a 2015. O problema foi descoberto pelo regulador da Estônia. Neste último fato, parece que a KPMG não está envolvida.

Leia também: Solução para Big Four

01 maio 2018

Mesmo com oposição, KPMG continua auditando GE

Recentemente a General Electric divulgou problemas na sua contabilidade. Os problemas da gigante empresa levava até a especulação que poderia existir uma possibilidade de falência. Parte do problema era decorrente do novo padrão de reconhecimento da receita, o que levou a empresa a republicar suas demonstrações. Como consequência, alguns investidores começaram a articular um movimento contrário a renovação do contrato de auditoria com a KPMG. Os novos números foram republicados, mas mesmo contrariando alguns acionistas, a GE decidiu renovar o contrato centenário com a KPMG.

Um ponto interessante que é o nível de resistência a renovação do contrato. Segundo o Wall Street Journal (via aqui), 65% dos acionistas votaram pela continuidade da KPMG como auditor da GE. Parece significativo, mas não é. Este é um assunto mais técnico, que não interfere diretamente no bolso do acionista. Assim, a existência de 35% de descontentes pode ser algo notável nesta votação. De qualquer forma, a KPMG permanece como auditor por mais um ano. Para fins de comparação, o mesmo assunto na Wells Fargo obteve 91% de votos favoráveis a manutenção do auditor.