Translate

Mostrando postagens com marcador PCAOB. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador PCAOB. Mostrar todas as postagens

11 novembro 2022

Auditorias de empresas chinesas com ações negociadas na bolsa

Segunda a Bloomberg (via aqui), as autoridades na área de auditoria nos Estados Unidos concluíram a primeira fase da inspeção de empresas chinesas com ações negociadas no mercado acionário americano. Funcionários do PCAOB estiveram em Hong Kong, cumprindo um cronograma previsto entre os dois países. Mas ainda não é possível afirmar se existe ou não aprovação da contabilidade das empresas, já que este é um estágio inicial do trabalho do PCAOB.

O trabalho começou em setembro e logo no início as autoridades chinesas solicitaram a ocultação de nomes, endereços e salários, informou a Bloomberg. Mas os funcionários que estavam fazendo a inspeção de auditoria tiveram acesso aos documentos.

O trabalho do PCAOB é previsto na legislação dos EUA desde 2002, mas a China e Hong Kong negavam o acesso às informações. Uma nova lei, de 2020, forçou um compromisso das autoridades chinesas, já que existia o risco de deslistagem das empresas asiáticas da bolsa.

29 agosto 2022

Acordo entre EUA e China permitirá a atuação do PCAOB

São poucas as vezes que uma questão contábil adquire uma importância estratégia, envolvendo duas potências. Este é o caso da inspeção das auditorias que empresas chinesas, com ações negociadas nas bolsas dos Estados Unidos. 

Desde a criação do PCAOB, fruto do escândalo da Enron e da Sarbox, esta entidade dos EUA faz inspeção regular no trabalho das empresas de auditoria. Isto envolve qualquer ativo negociado nos Estados Unidos. Somente dois países no mundo não aceitavam a inspeção do PCAOB, dificultando a verificação da qualidade da auditoria: China e Hong Kong. 

O problema foi sendo levado ao longo do tempo, mas recentemente o governo dos Estados Unidos ameaçou com a retirada de 200 empresas asiáticas do pregão. Sem uma inspeção da qualidade da auditoria, não seria possível continuar a negociação. 

Sexta feira foi anunciado o que parece ser um acordo para permite a fiscalização. Isto fez com que o preço das ações das empresas chinesas tivessem um aumento. O impasse de décadas pode ser resolvido e há um cronograma dos trabalhos iniciarem em setembro, em Hong Kong. 

Da parte chinesa existia uma preocupação com a segurança nacional. O acesso a documentos poderia ser sensível, sob a ótica chinesa. O anúncio informa que não ocorreu nenhuma concessão especial para que a China aceitasse os termos. Como o número de empresas é grande e o tempo sem inspeção também, o PCAOB poderá precisar ter um grande número de inspetores na Ásia para verificar a qualidade das auditorias e isto pode levar meses. O PCAOB pode selecionar a seu critério qual empresa ou auditoria irá investigar. Isto inclui entrevistas com os auditores. 

Obviamente, como isto é um assunto delicado, envolvendo não somente a contabilidade, como as relações internacionais, não será surpresa se ocorrer algum tipo de recuo de uma das partes. 

Fonte: aqui, aqui, aqui, aqui

13 agosto 2022

Auditoria força a saída da NYSE de estatais chinesas

Um desdobramento esperado do impasse sobre a auditoria de empresas chinesas com ações negociadas na Bolsa dos Estados Unidos: quatro estatais anunciaram que irão sair da bolsa. 

A saída da bolsa de Nova York não significa o fechamento de capital, mas o cancelamento das negociações no mercado dos Estados Unidos. Outras empresas, como Alibaba e Baidu, estão esperando o desdobramento. 

Washington têm exigido há tempos acesso completo aos registros contábeis de empresas chinesas listadas nos EUA, mas Pequim proíbe a inspeção estrangeira de documentos de auditoria por empresas de contabilidade locais, citando preocupações de segurança nacional.

06 abril 2022

China recua e problema da auditoria pode ser resolvido


Os reguladores dos Estados Unidos ameaçaram excluir as empresas chinesas de negociar ações caso a auditoria não esteja de acordo com as regras que inclui uma maior fiscalização do trabalho por parte do PCAOB. Eis uma notícia que pode alterar este cenário:

A China vai emendar as suas leis de sigilo de auditoria, visando impedir que cerca de 270 empresas chinesas sejam excluídas do mercado de capitais dos Estados Unidos, numa concessão significativa à pressão exercida por Washington.

A Comissão Reguladora de Valores Mobiliários da China (CSRC, na sigla em inglês), que regula os mercados financeiros do país, disse este fim de semana que vai mudar as leis de confidencialidade que impedem as empresas chinesas listadas no exterior de fornecer informações financeiras confidenciais a reguladores estrangeiros.

Isto vai facilitar a “cooperação regulatória transfronteiriça, incluindo inspeções conjuntas (…) para proteger os investidores globais”, segundo a CSRC.

O país asiático proibia reguladores estrangeiros de inspecionar a contabilidade das empresas locais, citando preocupações com a segurança nacional.

A CSRC disse que as regras existentes, que foram atualizadas pela última vez em 2009, estão desatualizadas.

A decisão visa impedir que empresas chinesas cotadas na Bolsa de Nova Iorque sejam excluídas em 2024.

A Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC, na sigla em inglês) disse, no mês passado, que as empresas da China tinham três anos para fornecer documentos de auditoria detalhados, o que levou a uma forte queda das suas ações.

Existem cerca de 270 empresas chinesas listadas nos EUA, com uma capitalização de mercado combinada equivalente a mais de 2 biliões de euros.

O índice Nasdaq Golden Dragon China, que reúne ações dos principais grupos chineses, perdeu cerca de metade do seu valor no ano passado.

A decisão de Pequim poderá levar à criação de uma estrutura para os reguladores dos EUA obterem acesso aos arquivos de auditoria das empresas.

A proposta, que foi colocada em consulta pública até 17 de abril, elimina a exigência de que a inspeção da contabilidade das empresas chinesas cotadas no exterior seja conduzida principalmente por reguladores chineses.

Pequim está a tentar recuperar a confiança dos investidores, depois de uma campanha regulatória lançada pelo Governo chinês ter atingido as principais empresas privadas do país, incluindo Alibaba, Didi, Evergrande ou Meituan, abalando os mercados financeiros globais.

A CSRC disse que o seu presidente, Yi Huiman, e o presidente da SEC, Gary Gensler, realizaram três reuniões, desde agosto passado, sobre “cooperação de supervisão de auditoria” e que houve um “progresso positivo”.

Gensler disse, na semana passada, que apenas o cumprimento total das regras de inspeção de auditoria dos Estados Unidos permitiria que as empresas chinesas continuassem cotadas na praça financeira de Nova Iorque.

Nos últimos anos, os empresários do setor privado da China, que estão em grande parte excluídos do sistema financeiro estatal chinês, acederam a milhares de milhões de dólares no exterior.

A relação entre os EUA e a China deteriorou-se rapidamente, nos últimos anos, principalmente devido a disputas no comércio, tecnologia, Direitos Humanos ou o estatuto de Taiwan e Hong Kong.

03 novembro 2021

Fiscalização das auditorias das empresas chinesas: 2024 prazo limite


Com o escândalo da Enron, o legislativo dos Estados Unidos aprovou normas para fiscalização do trabalho dos auditores das empresas com ações negociadas na bolsa. Foi criado o PCAOB e muitas jurisdições estrangeiras, incluindo o Brasil, passaram a permitir que a entidade fiscalizasse os auditores. Duas exceções: China e Hong Kong.

Em 2020, novamente o Congresso dos Estados Unidos aprovaram uma nova norma. Pela lei, as ações de uma empresas serão proibidas de serem negociadas se uma jurisdição impedir que o PCAOB inspecione a auditoria por três anos consecutivos. A SEC regulou a norma e deve iniciar antes do final de 2021. Isto significa que em 2024 o prazo deve finalizar para as empresas chinesas com ações no mercado dos EUA.

Fonte: aqui. Foto: Annie Spratt

16 julho 2021

Mais sobre PCAOB


A destituição do chefe responsável pela fiscalização das empresas de auditoria nos Estados Unidos, Duhnke, ainda traz muita polêmica:

O Wall Street Journal na Quinta-feira afirma que a SEC está investigando se Duhnke violou alguma regra relacionada ao tratamento de reclamações internas no PCAOB. Duhnke foi removido abruptamente no início deste mês pelo novo presidente da SEC, Gary Gensler, dizendo que a medida “protegeria melhor os investidores” e permitiria que o regulador de auditoria cumprisse sua missão sob a Lei Sarbanes-Oxley. Duhnke foi criticado por não realizar reuniões do Grupo Consultivo para Investidores e do Grupo Consultivo Permanente do PCAOB. (...) 

Além disto, a ex-diretora de administração 

Sue Lee acusou Duhnke de discriminar sua etnia chinesa e usar termos como "gripe kung" e "gripe chinesa" na frente dela e que ele queria substituir os liberais no PCAOB pelos republicanos. A SEC e o PCAOB não responderam imediatamente aos pedidos de comentário.

A SEC contratou Pitt [ex-presidente da SEC] em julho de 2019 para avaliar as políticas e práticas de governança corporativa do PCAOB e recomendou as alterações apropriadas. O relatório de Pitt, que custou US $ 125.000 aos contribuintes e ainda não foi divulgado, poderia esclarecer se são necessárias reformas no PCAOB e esclarecer se a SEC tem uma base legítima para revisar a participação do conselho

14 julho 2021

Ainda a renovação do PCAOB


O site Político divulga duas informações importantes sobre a substituição dos membros do PCAOB, entidade que fiscaliza as empresas de auditoria nos Estados Unidos. 

Para o site, trata-se de uma vitória política, liderada principalmente pela senadora Elizabeth Warren, que sinalizou que pressionaria por uma mudança ainda maior. O foco é que o PCAOB esteja junto na campanha para forçar as empresas a divulgarem a influência nas mudanças climáticas.

O segundo fato é que dirigir o PCAOB garantiu a Duhnke um dos empregos mais cobiçados em Washington. O motivo? Um salário de US$670 mil por ano. 

Foto: Paul Skorupskas

10 julho 2021

Interferência no PCAOB


O PCAOB (Public Company Accounting Oversight Board) foi criado com a lei Sarbox para supervisionar o trabalho dos auditores nos Estados Unidos. Desde sua criação, o PCAOB teve três "escândalos". 

O primeiro ocorreu logo após a criação, quando o governo, através da SEC, nomeou William Webster para ser o primeiro Chairman. Como advogado, Webster tinha trabalhado para o FBI e a CIA. Mas sua nomeação causou constrangimento, seja pelo critério de escolha. Sua aprovação na SEC foi apertada, por 3 votos a 2, mas logo após surgiu a notícia que Webster tinha trabalhado em um comitê de auditoria de uma empresa que estava sendo investigada por irregularidades contábeis. Webster terminou renunciando.

O segundo problema ocorreu quando alguns funcionários da entidade foram contratados por uma empresa de auditoria. A questão é que os funcionários levaram informações sobre a fiscalização que a auditoria seria submetida. As informações poderiam ajudar a auditoria a "melhorar" a qualidade do trabalho que seria investigado pela PCAOB. O resultado foi a condenação desses funcionários. Como resultado do problema, a SEC optou por renovar todo PCAOB, nomeando William Duhnke III em janeiro de 2018. 

A questão é que Duhnke tinha sido funcionário de um político republicano. 

O terceiro escândalo ocorreu agora, no mês de junho de 2021. A SEC informou no início daquele mês que estava removendo Duhnke e que iria também remover os outros membros do conselho. A mudança pode ser vista como uma politização do PCAOB. O novo presidente da SEC, Gary Gensler, que assumiu o cargo em abril, entendeu que o PCAOB deveria ter uma postura mais rigorosa em assuntos como a auditoria de empresas chinesas. A pressão partiu dos senadores Elizabeth Warren e Bernie Sanders. 

21 novembro 2020

Estado da Califórnia multa a KPMG


Ainda com respeito ao escândalo da KPMG, que tentou melhorar a qualidade das suas auditorias através da "contratação" de funcionários do PCAOB, o estado da Califórnia multou a empresa de auditoria. 

O motivo foi o fato do estado ter licenciado CPAs. O procurador-geral do estado aplicaram uma multa disciplinar contra a empresa. Durante a investigação da SEC, a KPMG admitiu que muitos dos seus CPA trapacearam no exame de educação continuada interno, colando respostas e manipulando a pontuação do exame. 

Segundo o procurador-geral:

“As auditorias de empresas públicas são particularmente importantes porque fornecem supervisão das empresas nas quais os americanos dependem para investir seu dinheiro suado em pensões e outros fundos de aposentadoria. Quando empresas como a KPMG optam por trapacear em vez de melhorar as práticas da empresa, isso prejudica todo o sistema. Eles serão responsabilizados. ”

Além da multa, a KPMG será obrigada a dar educação continuada em ética. (Imagem aqui)

14 novembro 2020

Entendo o caso da auditoria de empresas Chinesas


Uma das “brigas” na contabilidade atual é a questão da fiscalização dos trabalhos de auditoria de empresas chinesas com ações negociadas em uma bolsa de valores dos Estados Unidos. 

Tudo começou com a crise da empresa Enron, em 2001. Para evitar uma nova crise, que abalou a confiança do mercado no trabalho de auditoria nos Estados Unidos, o legislativo, sob o comando de Sarbanes e Oxley, fizeram uma reforma. Esta nova regra, conhecida como lei Sarbanes-Oxley ou lei Sarbox, criou o PCAOB, que faria a supervisão independente das empresas de auditoria, com inspeções rotineiras. Pela lei, todas empresas listadas em uma bolsa nos Estados Unidos deveria ser auditada por uma empresa registrada no PCAOB.  

Algumas empresas chinesas, ou com sede em paraísos fiscais mas com capital chinês na sua origem, poderiam ser inspecionadas. O governo chinês negou que inspetores do PCAOB cumprissem a lei. A China argumentava que a contabilidade de empresas chinesas seria “segredo de estado”. Além disto, o governo forçou que as grandes empresas de auditoria cedessem o controle das filiais chinesas para os chineses. Finalmente, no início de 2020, formalizou-se a proibição de cooperação com reguladores estrangeiros.  

Tudo isto faz com que a qualidade das demonstrações contábeis de empresas chinesas seja questionável. Não se sabe como os auditores trabalham na China. Isto atinge, inclusive, empresas multinacionais, que possuem negócios no país asiático. O laço entre os controladores das empresas com o poder na China torna tudo mais complicado; muitas empresas são instrumentos do governo chinês, conforme diversas denúncias. 

O pouco que se sabe é que a qualidade das demonstrações das empresas é ruim. O caso recente do café Luckin mostrou uma empresa que enganou facilmente seu auditor (ok, isto não é exclusividade dos chineses e Wirecard está aí para provar). E uma inspeção feita em uma auditoria realizada pela Marcum LLP também mostrou isto. Além disto, a atitude do governo chinês, que impõe uma regra tão rígida para todas as empresas, é um indicativo deste ponto.  

Leia mais aqui , incluindo o caso da Marcum

Cartoon via aqui

17 outubro 2020

Saldo do escândalo PCAOB e KPMG


Há alguns anos, a KPMG contratou funcionários da entidade responsável pela fiscalização dos trabalhos de auditoria nos Estados Unidos. Na época, a KPMG estava com um problema sério de qualidade nos serviços executados. O problema é que os funcionários contratados levaram consigo algumas informações sigilosas sobre a fiscalização que iria ocorrer nos meses seguintes por parte do antigo empregador, a PCAOB.  

Depois do escândalo e a comprovação da atitude um pouco desonesta da Big Four, a justiça começou a julgar os responsáveis pelo caso. Eis um resumo das condenações até o presente momento:

David Britt - ex-sócio da KPMG, pegou seis meses de prisão domiciliar e será banido para Austrália. O juiz entendeu que Britt cometeu um crime grave, mas não teve ganho pessoal direto. Britt declarou culpado há um ano. Foi o único ex-executivo da KPMG que não foi para prisão.

Cynthia Holder - ex-funcionária do PCAOB e depois ex-diretora da KPMG. Foi condenada a oito meses de prisão em agosto de 2019. Declarou culpada. Cumpriu pena em uma prisão de segurança mínima, no Texas e foi libertada em junho de 2020. 

David Middendorf - ex-funcionário da KPMG, condenado a um ano e um dia de prisão. Está apelando da condenação. 

Thomas Whittle, ex-funcionário da KPMG, cooperou com as investigações e aguarda sentença

Brian Sweet, mesmo caso do anterior. Aguarda sentença. 

Jeffrey Wada - que entregou as informações para a KPMG, foi condenado a nove meses e está apelando da condenação.

Foto: aqui

09 agosto 2020

Contabilidade de empresas chinesas

O governo Donald Trump emitiu ontem suas recomendações para impedir que as companhias chinesas que não se enquadrarem nas normas contábeis dos EUA sejam listadas nas bolsas americanas. (...) 

As medidas forçarão a remoção das bolsas americanas das ações das companhias chinesas auditadas por firmas cujos trabalhos não podem ser analisados pelo Conselho de Supervisão de Assuntos Contábeis das Companhias Abertas dos EUA (PCAOB), por causa das restrições do governo chinês. 

Há anos o PCAOB não consegue analisar as auditorias das companhias chinesas que possuem ações listadas em bolsas americanas. Pequim proíbe a autoridade reguladora americana de inspecionar as firmas de auditoria no país e também o compartilhamento de documentos de auditorias internos. (...)

Fonte: aqui. (Cartoon: aqui)

Há anos esta reclamação - sobre a qualidade das demonstrações contábeis das empresas Chinesas - existe. O caso da Luckin (aqui e aqui) mostrou a dimensão do problema. Existe uma possível solução:

As recomendações do governo Trump preveem uma alternativa às chinesas, a contratação de um auditor adjunto fora da China, possivelmente uma instituição baseada nos EUA e de dentro do mesmo grupo auditor, possibilitando assim ao PCAOB outros meios para analisar as auditorias. A proposta recomenda a retirada das ações de empresas que não se enquadrarem na exigência até 1º de janeiro de 2022, e a proibição de novas listagens sem o cumprimento dessa regra, o que passaria a valer imediatamente.

18 janeiro 2020

Efeito colateral da inspeção de auditoria

 A presença e a possibilidade de inspeção, por parte do PCAOB, faz com que a empresa de auditoria concentre seus esforços nos clientes de maior risco, deixando de lado os clientes de menor risco.

Veja que é algo como acontece com um professor que orienta dois alunos: aquele com maior risco de ser reprovado talvez tenha mais atenção do professor. Mas nem sempre é isto que ocorre: sabendo disto, o professor pode focar no melhor aluno e deixar abandonado o "caso perdido". O que ocorre mais?

No caso do auditor, há um risco reputacional. Isto pode fazer com que a conclusão da pesquisa pareça meio óbvia, mas é algo novo sobre a forma como o auditor trabalha.


I provide theory-based causal evidence on the effects of risk-based regulatory inspections, modeled after the PCAOB's, on auditor behavior in a multi-client setting where clients with relatively higher misstatement risk ("higher-risk" clients) have a higher risk of being inspected than clients with relatively lower misstatement risk ("lower-risk" clients). I predict and find inspections increase auditor effort, but only for higher-risk clients. Inspections impair auditors' decision performance for lower-risk clients relative to a regime without inspections and relative to higher-risk clients within an inspections regime, ceteris paribus. Theory-based process model results show inspections increase auditors' perceived inspection risks, which increase auditor effort for higher-risk clients, but also increase auditors' task-related anxiety resulting in decreased decision performance for lower-risk clients. Notwithstanding the previously-identified benefits, this study identifies potential unintended consequences of risk-based regulatory inspections.

Lori Shefchik Bhaskar (2019) How do Risk-Based Inspections Impact Auditor Behavior? Experimental Evidence on the PCAOB's Process. The Accounting Review In-Press.  

27 setembro 2019

Porta giratória na regulação contábil

A seguir um texto crítico, de Eleanor Eagan, sobre o fato de funcionários de agências reguladoras serem contratados por empresas de auditoria.

Em maio, Wesley Bricker, contador-chefe da Comissão de Valores Mobiliários (SEC), anunciou que estava deixando o cargo. No início do mês passado, soubemos onde ele havia ido: PricewaterhouseCoopers (PwC), uma das auditorias "Big Four", como vice-presidente e líder de garantia para os EUA e o México. Com esse movimento, Bricker completou sua quarta volta pela porta giratória entre a PwC e a SEC. Embora aparentemente notável, sua trajetória de carreira é emblemática das linhas quase inexistentes entre reguladores e aqueles que eles são encarregados de regular. Como esse exemplo deixa claro, agências como a SEC, para que trabalhem para o bem público, não serão apenas uma questão de escolher bons funcionários, mas também de mudar a cultura e as expectativas do pessoal em todos os escalões dessas entidades.

Para entender por que a decisão da Bricker nos preocupa, é preciso investigar brevemente o mundo das auditorias corporativas. Embora a maioria das pessoas associe a SEC à aplicação de informações privilegiadas, a Comissão também desempenha um papel importante para garantir que as empresas sejam honestas sobre sua situação financeira, ajudando a evitar fracassos no estilo da Enron.

Então, como isso se desenrola? As empresas de capital aberto devem passar por uma auditoria externa de suas finanças e controles internos a cada ano. Essas auditorias são realizadas por empresas privadas supostamente independentes, geralmente uma das “Big Four” (PwC, KPMG, Deloitte ou Ernst  Young). As auditorias dos auditores são, por sua vez, auditadas periodicamente pelo Conselho de Supervisão Contábil de Empresa Pública (PCAOB) , uma empresa sem fins lucrativos que se reporta à SEC.

O problema está na suposta independência dos auditores privados. Os auditores são pagos por seus clientes - as empresas que eles investigam - por seu trabalho. Portanto, eles dependem de relacionamentos positivos com aqueles que estão auditando para criar clientes recorrentes. Destacar os erros de uma empresa com muita freqüência pode levar a outros caminhos e é por isso que os auditores geralmente corrigem, em vez de reportar , os erros de uma empresa.

O PCAOB e a SEC devem impedir que os auditores se comportem dessa maneira. No entanto, como muitas pessoas já trabalharam (e parece que provavelmente trabalharão novamente) para os quatro grandes auditores em questão, sua capacidade de agir como uma salvaguarda robusta contra abusos desenfreados gera ceticismo.

Isso nos leva de volta ao funcionário em questão, Wesley Bricker. Como contador-chefe , Bricker tinha um grande poder para influenciar os padrões contábeis e determinar o escopo e a severidade da aplicação. Dada sua vasta experiência trabalhando para uma das entidades que ele foi encarregado de regular, no entanto, é difícil acreditar que ele tenha se dedicado totalmente a esse trabalho.

Mesmo se ele tivesse, no entanto, sua decisão de retornar à PwC justifica uma preocupação por si só. Em seu tempo como contador-chefe, Bricker, sem dúvida, adquiriu um conhecimento íntimo dos pontos fortes e fracos da SEC. Ele está, atualmente, em uma posição sem dúvida melhor do que qualquer pessoa no mundo para ajudar os auditores a evitar um escrutínio regulatório. Talvez por isso, a PwC esteja tão feliz por tê-lo de volta.

A integridade das auditorias financeiras pode parecer um assunto sem graça, mas tem implicações importantes para os trabalhadores. O colapso da Enron tirou milhares de pessoas do emprego e destruiu suas economias de aposentadoria. Os auditores das "Grandes Quatro" negligenciaram grande parte da fraude que ajudou a travar a economia em 2007.

Idealmente, poderíamos confiar que os reguladores de todo o sistema estavam trabalhando firmemente para avançar e defender o interesse público. Como a trajetória de carreira de Bricker demonstra, no entanto, essa confiança pode ser irracional.

Fonte: SEC Chief Accountant's Trip(s) through the Revolving Door are Emblematic of a Broader Problem, Eleanor Eagan, Center for Economic and Policy Research (CEPR)

11 setembro 2019

Cão ou Cãozinho

O PCAOB é uma entidade criada para fiscalizar as empresas de auditoria. Entretanto, apesar do grande número de "falhas" que foram constatadas na fiscalização (gráfico), raramente as empresas são punidas.



Um relatório divulgado pelo Project on Government Oversight (POGO) mostra este histórico. Em 16 anos, o PCAOB apresentou somente 18 processos contra as maiores empresas. O valor das multas foi de 6,5 milhões de dólares. O POGO calculou que se o PCAOB cobrasse as multas máximas o valor seria de 1,6 bilhão.

Dos 31,1% casos com problemas, somente 6,6% renderam alguma punição. A KPMG, líder em erro, não foi multada uma única vez. Em 2017, esta empresa tinha um índice de baixa qualidade de 50%. Ou seja, para cada 2 clientes, em um o trabalho foi inadequado.

"Temos um cão de guarda que se parece cada vez mais com um cãozinho.", diz John Coffee, da Columbia Law School

Leia mais aqui

15 abril 2019

Palmas para Grant Thornton

Em 2014 a Grant Thornton apresentou problemas na inspeção realizada pelo PCAOB em 65% dos trabalhos fiscalizados de 2012. Era o pior desempenho entre as empresas de auditoria.

Agora, em relatório de março, o PCAOB informou que inspeciou 34 auditorias de 2017 realizadas pela Grant Thornton. E encontrou problemas em 6 delas. Isto representa 18% de deficiência. É a primeira vez que uma empresa apresenta um índice abaixo de 20% desde 2019.

12 março 2019

KPMG

No passado, a KPMG contratou ex-funcionários da entidade que supervisiona empresas de auditorias (PCAOB) e junto com eles algumas informações confidenciais. O problema chegou ao conhecimento da justiça e os contratados e os contratantes estão sendo julgados.

Agora um ex-sócio da KPMG, David Middendorf, foi julgado culpado (aqui e aqui). Ele foi acusado de usar informações sobre quais auditorias da KPMG seriam revisadas pelo PCAOB e com isto preparando para a inspeção da entidade. Também foi condenado um ex-funcionário da PCAOB, Jeffrey Wada. A sentença deverá sair em agosto. Mas Middendorf foi inocentado na tentativa de fraudar o governo. (Apenas lembrando, o PCAOB é uma entidade privada; a SEC é governo; o julgamento condenou a fraude contra a PCAOB). Em setembro mais um acusado deverá ser julgado.

23 fevereiro 2019

Julgamento do caso KPMG e PCAOB

O PCAOB é a entidade que acompanha a qualidade do trabalho de auditoria nos Estados Unidos. É uma decorrência do escândalo da Enron. Todo ano, a entidade faz um relatório de inspeção das empresas. Em 2013, o relatório referente a KPMG foi muito ruim, com deficiências em 46% das auditorias da empresa de auditoria; no ano seguinte, o percentual foi um pouco maior, de 54%.

Para tentar resolver este problema de qualidade, alguns executivos da empresa nos Estados Unidos decidiram “contratar” alguns funcionários da entidade de fiscalização. E estes funcionários levaram algumas informações para a KPMG.

O caso foi descoberto e está em julgamento nos Estados Unidos. O fato é que a KPMG (ou melhor, alguns funcionários da KPMG) está sendo acusada de roubar informações secretas. Um agora ex-sócio, David Middendorf, está sendo acusado disto e de pressionar os funcionários contratados a mostrar as informações confidenciais. Isto inclui a cópia de documentos do computador do PCAOB para um disco rígido, manuais internos, formulários de comentários e alvos de inspeção do PCAOB em 2015. Uma das empresas que seria objeto de inspeção seria a Wells Fargo.

Middendorf chegou a lembrar aos funcionários contratados de onde vinha o salário e da necessidade de ser leal à KPMG. Mesmo com depoimentos contrários, Middendorf declara-se inocente da acusação de conspiração e fraude eletrônica. O processo pode conduzir a prisões, de mais de 20 anos, e multas.

13 novembro 2018

Escândalo PCAOB + KPMG

Em 2015, a empresa de auditoria KPMG contratou alguns funcionários do PCAOB. O problema é que o PCAOB é a entidade que fiscaliza as empresas de auditoria. E mais agravante é que esses funcionários levaram informações confidenciais sobre a fiscalização que seria feita na empresa de auditoria.

Recentemente, Cynthia Holder, um dos funcionários contratados pela KPMG, confessou que realmente conspirou contra o governo dos Estados Unidos. Sua sentença deve sair em abril de 2019, podendo pegar, em uma hipótese otimista, 40 meses de prisão.

Leia mais aqui, aqui e aqui

23 janeiro 2018

PCAOB e KPMG 2

O Going Concern faz um resumo bastante detalhado da relação existente entre Brian Sweet, Cynthia Holder e Jeffey Wada, os dois primeiros ex-funcionários do PCAOB e depois contratados pela KPMG, e o último funcionário da entidade regula as empresas de auditoria, e David Middendorf, Thomas Whittle e David Britt, os três da KPMG.

Reproduzo a seguir o detalhamento da notícia divulgada ontem pela Reuters (vide aqui).

In 2015, when it looked like Sweet would be taking a role with the firm, he made his first mistake: “Sweet […] copied [PCAOB] Documents, as well as other confidential documents, from Sweet’s PCAOB computer to a personal hard drive.” These included “internal PCAOB manuals and guidance; […] comment forms issued in connection with inspections on which Sweet had worked; [and] a list of KPMG engagements to be inspected by the PCAOB in 2015.”

During Sweet’s first week on the job, in early May 2015, Middendorf asked him at lunch “whether a particular Issuer would be the target of a PCAOB inspection; and […] more generally, which KPMG engagements would be subject to inspection that year.”


Middendorf spoke to Sweet later that week, “[telling] Sweet to remember where Sweet’s paycheck came from and to be loyal to KPMG.”

Just a few days later, “Whittle asked Sweet for the list of engagements to be inspected by the PCAOB in 2015, most of which had not yet been officially noticed for inspection by the PCAOB. Whittle told Sweet that Sweet was most valuable to KPMG at that moment and would soon be less valuable.”

The next day, Whittle requested “the banking inspection list.” After discerning that Whittle meant the “inspection list,” Sweet sent it over and said, “Just so you know, it is actually the full list of anticipated inspections (including non-banks). I’d appreciate the team’s discretion to make sure it isn’t too widely disseminated.” Whittle said he understood “the sensitivity” but sent it to Middendorf anyway, writing in an email, “The complete list. Obviously, very sensitive. We will not be broadcasting this.”

The next month, June 2015, Sweet discussed the list with David Britt and wrote in an email, “Please note there is some sensitivity with these, and some of the teams have not yet been officially notified by the PCAOB, so please, use your discretion with this info.” Sweet went on to share the 2015 list with at least one partner who was not yet aware that his/her engagement would be selected for inspection.

That same month, Sweet used confidential PCAOB “risk factors” with a KPMG partner and the data firm that was helping the firm predict which audits would be selected for inspection.

Immediately upon his start at KPMG, Sweet started angling to bring Cynthia Holder to the firm. He wrote to her in an email “I’ve got a meeting set up with the head of the group tomorrow, and pulled together a list of potential hires . . . and put you as the #1 target!!!!)”

A couple weeks later, Holder told the PCAOB Ethics Office that she was “contacted today by a recruiter for KPMG asking if I would be interested in a job at the Firm. I told them that I was not interested . . .” Had she not lied about this to the Ethics Office, she would’ve been immediately removed from any work involving KPMG.

While she was inspecting KPMG, Holder used her position to share confidential info with Brian Sweet, including this gem: “Sweet asked HOLDER to provide Sweet

with an internal, confidential PCAOB Part II deficiencies comment form. On or about May 12, 2015, Holder used her personal email address to email Sweet at his personal email address and provided the requested document. The subject line of the email read ‘Anonymous Email.’ The body of the email consisted solely of an image of a winking-smiley face, and attached the confidential document Sweet requested.”

Also, in one instance Sweet talked Holder out of writing a comment on a KPMG inspection. When Sweet told Thomas Whittle about this, Whittle ” asked whether Sweet had opened his drawer, seen where his paycheck came from, and then advised the PCAOB employee not to write a comment.”
Holder also gave Sweet advanced notice that the PCAOB would be canceling one of its inspections and not replacing it. Sweet shared this information with Whittle and “The PCAOB subsequently notified KPMG that’ it would not inspect Issuer-1.” Sweet also informed Whittle that Holder was the source of all this info to encourage the firm to hire her.

Holder was offered a position with KPMG in July 2015. Before leaving the PCAOB, she copied confidential info to a thumb drive and copied it to her home computer. She then told Sweet about it after she started working at KPMG.

In November 2015, Jeffrey Wada started giving confidential information to Cynthia Holder. Holder passed it to Sweet; Sweet passed it to “relevant KPMG personnel.”

In February 2016, the SEC’s Office of the Chief Accountant called in KPMG for a scolding about their crappy inspection results. It was attended by “KPMG’s CEO, KPMG’s Vice Chair of Audit, and [Middendorf].” There were subsequent meetings as well.

Around this same time, Jeffrey Wada was a little frustrated with this job at the PCAOB, specifically that he didn’t get a promotion. He forward the PCAOB-wide promotion list email that did NOT include his name to Cynthia Holder who forwarded it to Brian Sweet.

About a week later, Wada emailed another PCAOB employee who didn’t get promoted, writing, “:I can’t believe we both got screwed last year.” The email, “[i]ncluded […] a cartoon depicting a man with a screw in his back.” That same month, Wada shared 12 issuers audited by KPMG that would be inspected with Holder.

Meanwhile, back at KPMG, Middendorf, Britt, Whittle and Sweet used this list of 12 to initiate “stealth re-reviews” in order to, chiefly, “[protect] KPMG’s monitoring programs” because negative results would constitute a “systemic failure.” The group agreed that the true nature of the “stealth re-reviews” needed to be a secret.

David Britt told a partner — Partner-3 in the indictment — that “Partner-3’s engagement would be inspected and that [he] could not tell Partner-3 the source of [his] knowledge. [He] also told Partner-3 not to tell any other members of Partner-3’s team.” Britt also lied to another partner — aka Partner-1 — about the reason for the re-reviews. According to the indictment: “Their inclusion in the access request was merely an effort to make the re-reviews look legitimate.”

These re-reviews detected problems in some of KPMG audits and the firm was able to take action prior to inspection and to perform additional work well after audit opinions were issued.

Back to the PCAOB leak — Wada read a preliminary list of audits that would be inspected to Holder in January 2017. Holder shared that info with Sweet, who subsequently took it to Whittle and Britt. They decided to notify partners on this list and to assign additional personnel to those engagements. Whittle asked Sweet to “alter an internal inspections list” to cover their tracks.

Also during this time, Jeffrey Wada was passed over for a promotion again, and he was NOT happy about it. He emailed Cynthia Holder his displeasure and we’re blockquoting it here because it’s so fun:

In February 2017, Wada read Holder a list of “approximately 50 stock ticker symbols, representing the full confidential list of KPMG clients to be inspected by the PCAOB in 2017.” You can guess what happens next, right? Yep, she shared it with Sweet and he shared it with the three musketeers. They discussed “which engagement partners should be notified that their engagements had been selected for inspection.”