Translate

Mostrando postagens com marcador China. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador China. Mostrar todas as postagens

05 janeiro 2023

Fundação IFRS irá abrir um escritório em Pequim

A Fundação IFRS irá abrir um escritório em Pequim ainda em 2023. O objetivo é "fortalecer os laços com a China", segundo Accountancy Daily. Para isto, a Fundação assinou um memorando de entendimento com o Ministério de Finanças da China. 


Além das normas de contabilidade, o escritório irá focar na estratégia de legitimação da ISSB, o braço da Fundação para área de sustentabilidade. Além da presença chinesa na Fundação (curadoria) e no Board, o país asiático tem uma presença forte no ISSB, onde seu vice-presidente é chinês. 

Uma análise das demonstrações contábeis da Fundação nos últimos anos permitirá constatar que a China está financiando, de forma substancial, o trabalho da Fundação. 

Além do escritório em Pequim, recentemente da Fundação também abriu um escritório em Montreal. Com isto, a Fundação tem presença em Londres (sede), Tóquio, Montreal, Frankfurt e, agora, Pequim, como escritórios. Lembrando que a sede jurídica da Fundação é Delaware, Estados Unidos. 

Segundo Erkki Liikanen, presidente do conselho da Fundação IFRS: "Quando anunciamos o ISSB na COP26, confirmamos que o novo conselho teria uma presença global através de um modelo multilocalizado. O anúncio do escritório de Pequim é um passo importante para o estabelecimento de nossa presença global no ano inaugural da ISSB".

Para Jingdong Hua, vice-presidente da ISSB, "O escritório de Pequim tem um papel importante a desempenhar para facilitar o envolvimento pleno e ativo das economias em desenvolvimento e emergentes no trabalho da ISSB. Estou ansioso para trabalhar com colegas para garantir seu sucesso."

Uma pergunta que não quer calar: será que a expansão rápida demais da Fundação, inclusive física, não irá afetar seu resultado? No último balanço, a Fundação apresentou um bom desempenho dos principais indicadores (caixa, dívidas, etc), mas este movimento recentemente certamente terá um aumento nas despesas e um consumo de caixa. Vamos aguardar as demonstrações de 2022 ou de 2023. 

Foto: 力力摄影日记


11 novembro 2022

Auditorias de empresas chinesas com ações negociadas na bolsa

Segunda a Bloomberg (via aqui), as autoridades na área de auditoria nos Estados Unidos concluíram a primeira fase da inspeção de empresas chinesas com ações negociadas no mercado acionário americano. Funcionários do PCAOB estiveram em Hong Kong, cumprindo um cronograma previsto entre os dois países. Mas ainda não é possível afirmar se existe ou não aprovação da contabilidade das empresas, já que este é um estágio inicial do trabalho do PCAOB.

O trabalho começou em setembro e logo no início as autoridades chinesas solicitaram a ocultação de nomes, endereços e salários, informou a Bloomberg. Mas os funcionários que estavam fazendo a inspeção de auditoria tiveram acesso aos documentos.

O trabalho do PCAOB é previsto na legislação dos EUA desde 2002, mas a China e Hong Kong negavam o acesso às informações. Uma nova lei, de 2020, forçou um compromisso das autoridades chinesas, já que existia o risco de deslistagem das empresas asiáticas da bolsa.

06 abril 2022

China recua e problema da auditoria pode ser resolvido


Os reguladores dos Estados Unidos ameaçaram excluir as empresas chinesas de negociar ações caso a auditoria não esteja de acordo com as regras que inclui uma maior fiscalização do trabalho por parte do PCAOB. Eis uma notícia que pode alterar este cenário:

A China vai emendar as suas leis de sigilo de auditoria, visando impedir que cerca de 270 empresas chinesas sejam excluídas do mercado de capitais dos Estados Unidos, numa concessão significativa à pressão exercida por Washington.

A Comissão Reguladora de Valores Mobiliários da China (CSRC, na sigla em inglês), que regula os mercados financeiros do país, disse este fim de semana que vai mudar as leis de confidencialidade que impedem as empresas chinesas listadas no exterior de fornecer informações financeiras confidenciais a reguladores estrangeiros.

Isto vai facilitar a “cooperação regulatória transfronteiriça, incluindo inspeções conjuntas (…) para proteger os investidores globais”, segundo a CSRC.

O país asiático proibia reguladores estrangeiros de inspecionar a contabilidade das empresas locais, citando preocupações com a segurança nacional.

A CSRC disse que as regras existentes, que foram atualizadas pela última vez em 2009, estão desatualizadas.

A decisão visa impedir que empresas chinesas cotadas na Bolsa de Nova Iorque sejam excluídas em 2024.

A Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC, na sigla em inglês) disse, no mês passado, que as empresas da China tinham três anos para fornecer documentos de auditoria detalhados, o que levou a uma forte queda das suas ações.

Existem cerca de 270 empresas chinesas listadas nos EUA, com uma capitalização de mercado combinada equivalente a mais de 2 biliões de euros.

O índice Nasdaq Golden Dragon China, que reúne ações dos principais grupos chineses, perdeu cerca de metade do seu valor no ano passado.

A decisão de Pequim poderá levar à criação de uma estrutura para os reguladores dos EUA obterem acesso aos arquivos de auditoria das empresas.

A proposta, que foi colocada em consulta pública até 17 de abril, elimina a exigência de que a inspeção da contabilidade das empresas chinesas cotadas no exterior seja conduzida principalmente por reguladores chineses.

Pequim está a tentar recuperar a confiança dos investidores, depois de uma campanha regulatória lançada pelo Governo chinês ter atingido as principais empresas privadas do país, incluindo Alibaba, Didi, Evergrande ou Meituan, abalando os mercados financeiros globais.

A CSRC disse que o seu presidente, Yi Huiman, e o presidente da SEC, Gary Gensler, realizaram três reuniões, desde agosto passado, sobre “cooperação de supervisão de auditoria” e que houve um “progresso positivo”.

Gensler disse, na semana passada, que apenas o cumprimento total das regras de inspeção de auditoria dos Estados Unidos permitiria que as empresas chinesas continuassem cotadas na praça financeira de Nova Iorque.

Nos últimos anos, os empresários do setor privado da China, que estão em grande parte excluídos do sistema financeiro estatal chinês, acederam a milhares de milhões de dólares no exterior.

A relação entre os EUA e a China deteriorou-se rapidamente, nos últimos anos, principalmente devido a disputas no comércio, tecnologia, Direitos Humanos ou o estatuto de Taiwan e Hong Kong.

19 janeiro 2022

Tributação na China


Las autoridades chinas están trabajando para implementar un nuevo sistema de supervisión fiscal que usará tecnologías de los servicios de la nube y macrodatos, informa este viernes South China Morning Post. Debido al esperado poder del sistema, algunos ya lo comparan con un masivo aparato de rayos X que permitirá fortalecer el control sobre el pago de impuestos, y que provoca preocupación en la sociedad.

El periódico señala que el sistema Golden Tax IV reunirá datos de empresas, reguladores de mercado y bancos. En ese contexto, citó declaraciones de Wang Jun, jefe de la Administración Tributaria Estatal, quien afirmó en diciembre que la modernización del sistema permitirá avanzar en el camino desde "gestionar impuestos a través de facturas" hasta "gestionar impuestos a través de macrodatos y la nube".

O texto não traz muitas pistas sobre como será a mudança no sistema de tributação da China. (Dica: prof. Alex Laquis, grato)

18 janeiro 2022

Importância da China para o valor da Apple


Lendo sobre a relevância da China para a Apple em The China story behind Apple's 3 trillion valuation anotei alguns pontos interessantes, apesar da entrevista parecer um tanto quanto imparcial. Foi um podcast com Doug Guthrie, ex-funcionário da Apple University, que viveu e trabalhou na China. 

Um primeiro ponto é que a discussão destaca o papel da China no valor de 3 trilhões de dólares da empresa Apple. Duas informações relevantes: nos últimos cinco anos, 20% das vendas da empresa foram na China. Outro mais ainda: a Apple controla 35% do mercado de smarphones no mundo e 95% do lucro deste mercado. Segundo o texto, a explicação para isto é o fato da empresa conseguir "pressionar os fornecedores para fazer o que eles querem". 

Segundo e mais importante é a sintomia entre a Apple e o governo chinês. Isto está expresso no dispach labor system, um sistema de movimentação de empregados pelo país. Neste sistema, a população de trabalhadores é "flutuante" e seu número é de 350 milhões de pessoas. Ou seja, o governo muda estas pessoas conforme a necessidade de mão de obra. Veja um trecho:

That’s the dispatch labor system. The dispatch labor system moves people, and it moves people around the country, and it’s a very interesting system because it’s a state-run system. And so people are actually moved around the country and they are actually employed by the dispatch labor system.

Não é necessário dizer que os trabalhadores, neste sistema, recebem abaixo de um funcionário comum. 

03 novembro 2021

Fiscalização das auditorias das empresas chinesas: 2024 prazo limite


Com o escândalo da Enron, o legislativo dos Estados Unidos aprovou normas para fiscalização do trabalho dos auditores das empresas com ações negociadas na bolsa. Foi criado o PCAOB e muitas jurisdições estrangeiras, incluindo o Brasil, passaram a permitir que a entidade fiscalizasse os auditores. Duas exceções: China e Hong Kong.

Em 2020, novamente o Congresso dos Estados Unidos aprovaram uma nova norma. Pela lei, as ações de uma empresas serão proibidas de serem negociadas se uma jurisdição impedir que o PCAOB inspecione a auditoria por três anos consecutivos. A SEC regulou a norma e deve iniciar antes do final de 2021. Isto significa que em 2024 o prazo deve finalizar para as empresas chinesas com ações no mercado dos EUA.

Fonte: aqui. Foto: Annie Spratt

14 novembro 2020

Entendo o caso da auditoria de empresas Chinesas


Uma das “brigas” na contabilidade atual é a questão da fiscalização dos trabalhos de auditoria de empresas chinesas com ações negociadas em uma bolsa de valores dos Estados Unidos. 

Tudo começou com a crise da empresa Enron, em 2001. Para evitar uma nova crise, que abalou a confiança do mercado no trabalho de auditoria nos Estados Unidos, o legislativo, sob o comando de Sarbanes e Oxley, fizeram uma reforma. Esta nova regra, conhecida como lei Sarbanes-Oxley ou lei Sarbox, criou o PCAOB, que faria a supervisão independente das empresas de auditoria, com inspeções rotineiras. Pela lei, todas empresas listadas em uma bolsa nos Estados Unidos deveria ser auditada por uma empresa registrada no PCAOB.  

Algumas empresas chinesas, ou com sede em paraísos fiscais mas com capital chinês na sua origem, poderiam ser inspecionadas. O governo chinês negou que inspetores do PCAOB cumprissem a lei. A China argumentava que a contabilidade de empresas chinesas seria “segredo de estado”. Além disto, o governo forçou que as grandes empresas de auditoria cedessem o controle das filiais chinesas para os chineses. Finalmente, no início de 2020, formalizou-se a proibição de cooperação com reguladores estrangeiros.  

Tudo isto faz com que a qualidade das demonstrações contábeis de empresas chinesas seja questionável. Não se sabe como os auditores trabalham na China. Isto atinge, inclusive, empresas multinacionais, que possuem negócios no país asiático. O laço entre os controladores das empresas com o poder na China torna tudo mais complicado; muitas empresas são instrumentos do governo chinês, conforme diversas denúncias. 

O pouco que se sabe é que a qualidade das demonstrações das empresas é ruim. O caso recente do café Luckin mostrou uma empresa que enganou facilmente seu auditor (ok, isto não é exclusividade dos chineses e Wirecard está aí para provar). E uma inspeção feita em uma auditoria realizada pela Marcum LLP também mostrou isto. Além disto, a atitude do governo chinês, que impõe uma regra tão rígida para todas as empresas, é um indicativo deste ponto.  

Leia mais aqui , incluindo o caso da Marcum

Cartoon via aqui

14 setembro 2020

Herbalife, China e Trump


 Há semanas, o presidente dos Estados Unidos ameaçou as empresas chinesas com ações negociadas na bolsa de valores do seu país. O motivo foi a falta de supervisão das entidades de fiscalização dos trabalhos dos auditores dos EUA, o PCAOB. Parecia o típico imperialismo ianque, mas os problemas de falta de controle da qualidade do trabalho dos auditores chineses é sério. 

Michael Rapoport, em Herbalife Nutrition is in hot water again (The Digg, 11 de set de 2020), conta que os auditores chineses não perceberam nenhum problema nas atividades da Herbalife em território chinês. A empresa foi condenada a pagar uma multa por suborno de autoridades do país asiático: 

That’s why the recent U.S.-China showdown over corporate audits is so important for investors. The Trump administration is threatening to boot Chinese companies out of U.S. markets if U.S. regulators aren’t able to monitor Chinese audit firms.

The Herbalife case shows what might happen if a U.S.-listed company’s Chinese business is being vetted by an auditor whose performance and objectivity are big question marks. It suggests the lack of oversight over Chinese audit firms poses real risks for investors - risks that are likely to continue unless something is done to fix the problem.

Outras empresas dos EUA, que possuem uma grande operação na China, como WalMart e 3M, também podem ter problema. O que ocorre na contabilidade chinesa, só os chineses podem indicar se está correto ou não. 

09 agosto 2020

Contabilidade de empresas chinesas

O governo Donald Trump emitiu ontem suas recomendações para impedir que as companhias chinesas que não se enquadrarem nas normas contábeis dos EUA sejam listadas nas bolsas americanas. (...) 

As medidas forçarão a remoção das bolsas americanas das ações das companhias chinesas auditadas por firmas cujos trabalhos não podem ser analisados pelo Conselho de Supervisão de Assuntos Contábeis das Companhias Abertas dos EUA (PCAOB), por causa das restrições do governo chinês. 

Há anos o PCAOB não consegue analisar as auditorias das companhias chinesas que possuem ações listadas em bolsas americanas. Pequim proíbe a autoridade reguladora americana de inspecionar as firmas de auditoria no país e também o compartilhamento de documentos de auditorias internos. (...)

Fonte: aqui. (Cartoon: aqui)

Há anos esta reclamação - sobre a qualidade das demonstrações contábeis das empresas Chinesas - existe. O caso da Luckin (aqui e aqui) mostrou a dimensão do problema. Existe uma possível solução:

As recomendações do governo Trump preveem uma alternativa às chinesas, a contratação de um auditor adjunto fora da China, possivelmente uma instituição baseada nos EUA e de dentro do mesmo grupo auditor, possibilitando assim ao PCAOB outros meios para analisar as auditorias. A proposta recomenda a retirada das ações de empresas que não se enquadrarem na exigência até 1º de janeiro de 2022, e a proibição de novas listagens sem o cumprimento dessa regra, o que passaria a valer imediatamente.

25 abril 2020

Censura na pesquisa sobre Covid

Denúncia do blog LSE mostra que pesquisas sobre o Covid-19 estão sendo censuradas na China. Isto inclui um sistema de verificação prévia dos artigos, onde funcionários do governo determinam se a pesquisa tem valor acadêmico e se o momento da publicação é adequado. Isto não é uma prática nova na China, que já tinha feito uma triagem em artigos sobre assuntos sensíveis, como os três Ts (Tiananmem, Tibete e Taiwan).  

Issues of censorship surrounding the publication of scholarly research in China have been prominent since a series of press reports and publisher statements revealed that works had been removed from circulation that were deemed sensitive by Chinese buyers. As George Cooper observes, evidence that Chinese authorities are conducting pre-publication vetting of COVID-19 related research, raises new challenges for publishers seeking to distribute open access research papers on this subject, as there is little ground for publishers to remove these papers from their platforms. As publisher commitments to openness collide with their obligations to operate within the legal frameworks of the countries they operate in, it is argued that COVID-19 presages an overdue discussion on the limits of openness in publishing.

07 fevereiro 2019

Erro de tradução

Em um evento, que ocorreu em Pequim, importantes autoridades chineses e africanas estavam discutindo negócios entre os dois lados. A China promove uma nova política diplomática na África (Belt and Road) que inclui empréstimos, investimentos diretos e outras frentes.

Neste encontro, uma tela apresentava quatro palavras: "Inovação", "Eficiência", "Transcendência" e ... "Exploração".

31 janeiro 2019

Big Brother Chinês

Se o Big Brother existe, ele está localizado na China.

Uma reportagem da Quartz informa que todos os carros elétricos do país entregam dados para o governo (vide imagem acima). Há um convênio entre o governo e as empresas fabricantes, onde estas fornecem os dados.

Em geral os carros elétricos são conectados à internet e encaminham informações para o fabricante. Isto ocorre em todo o lugar do mundo. Os fabricantes consideram que estas informações são úteis para melhorar o desempenho do automóvel e atualizar o sistema operacional. Na China, estes dados são encaminhados ao governo também.

São 1,4 milhão de automóveis movidos à eletricidade na China, com informação sobre localização, desempenho da bateria e outras dezenas de dados. Para o governo, os dados são para melhorar a segurança pública, fazer o planejamento e coibir fraudes dos fabricantes. Em tempo real.

Quando um consumidor compra um automóvel, ele assina um termo de consentimento para fornecer estes dados.

para as montadoras, fornecer dados de carros elétricos ao governo de partido único da China é apenas mais um custo de fazer negócios no país.

Este tipo de informação reforça a batalha de alguns governos ocidentais contra a Huawei, um fornecedora de hardware, acusada de espionar para o governo chinês.

25 janeiro 2019

Contabilidade made in China

Das empresas chinesas, 38% possui um rating AA+ ou superior. Nos Estados Unidos, somente a Microsoft e a Johnson e Johnson possuem rating AAA. Parte do problema está na informação contábil.

As empresas [chinesas] têm grandes pilhas de dinheiro listadas em seu balanço. Mas quando a hora da verdade chega, esse dinheiro nem sempre existe. (...) suas demonstrações financeiras foram auditadas por empresas de auditoria chinesas.


Este é o caso Shandong, que tinha 4 bilhões de yuans em caixa em 30 de junho de 2018. Em setembro, quando o Banco Hebei procurou este dinheiro em razão de dois empréstimos não pagos, não encontrou 139 milhões ou 4% do valor informado no balanço, que era o valor que deveria ser pago. Ou da Reward Science, que tinha 4,2 bilhões em caixa no final de setembro, mas no dia 6 de dezembro não conseguiu pagar 300 milhões de yuans de um commercial paper. Ou da Kangde, que tinha 15 bilhões em 30 de setembro de 2018, mas que no dia 15 de janeiro de 2019 não conseguiu pagar 1 bilhão de um commercial paper.

Todas três empresas usavam o China GAAP, razoavelmente similar as normas do IFRS.

22 janeiro 2019

China desenvolve App que mostra se tem devedor perto de você

Uma província no norte da China desenvolveu um aplicativo para informar às pessoas se elas estão andando perto de alguém endividado, de acordo com a mídia estatal. O programa pisca um aviso para mostrar ao usuário que ele está dentro de um raio de 500 metros de alguém endividado. Ele mostra a localização exata do devedor, de acordo com uma captura de tela do aplicativo. (...) O aplicativo quer que os cidadãos fiquem de olho nos chamados devedores. O China Daily disse que permitiria que as pessoas "denunciassem os devedores capazes de pagar suas dívidas".

Bastante invasivo... Continue lendo aqui

14 junho 2018

China e Energia

A redução das perdas representa um incentivo pequeno. A explicação do custo de capital também é questionável. Há o componente político em assumir esses negócios.

02 março 2018

Censura

Recentemente o líder chinês obteve uma vitória pessoal: a possibilidade de exercer uma grande quantidade de mandatos. Com isso, Xi pode exercer mandatos infinitos. Alguns não gostaram e o governo começou a exercer uma censura contra aqueles que discordavam da decisão tomada.O engraçado, para quem está somente assistindo, é a extensão desta censura: abrange o Ursinho Pooh e a letra N, conforme vinculado no Estadão:


A limpeza incluiu a proibição de imagens do Ursinho Pooh – às vezes, Xi é comparado ao desenho – e a busca por termos suspeitos, como “meu imperador”, “longa vida” e “insensível”.

Por um momento, até a letra ocidental “N” foi censurada, segundo Victor Mair, professor da Universidade da Pensilvânia, para impedir que cientistas sociais manifestassem matematicamente sua dissidência com a fórmula N >2, na qual “N” significa o número de mandatos de Xi.

26 novembro 2015

China e Iasb

O International Accounting Standards Board (Iasb) e o Ministério das Finanças chinês comunicaram a criação de um grupo de trabalho para um acordo de cooperação. A China pretende que suas empresas internacionais usem as normas internacionais de contabilidade.

Isto é condizente com a proposta do G20 de ter uma norma contábil global única para melhorar o fluxo de capital e o trabalho dos investidores. A China pretende, com o acordo, cumprir a solicitação do G20.

Além disto, o uso das normas do Iasb pode ser um tentativa de melhorar a qualidade das demonstrações contábeis das empresas chinesas, afirmou a agência de notícias Reuters.

Mais sobre a contabilidade da China, leia aqui

08 setembro 2015

O que esperar da China nos próximos anos?

Chinese Finance Minister Lou Jiwei told his Group of 20 counterparts that the country’s economy is likely to face tough conditions for up to 10 years, sources familiar with the G-20 meeting said Sunday.

Following the two-day gathering through Saturday, the Chinese government said Lou told the finance chiefs that the next five years would be painful for the Chinese economy, and would include a difficult process of structural adjustment.

Fonte: aqui