Translate

Mostrando postagens com marcador intangível. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador intangível. Mostrar todas as postagens

14 outubro 2021

O Triste Estado dos Padrões Contábeis

Em julho de 2021, Baruch Lev publicou um artigo "saudando" o novo presidente do Iasb. Um excelente texto, coerente com o livro The Edge of Accounting. Eis o texto, em uma versão traduzida:

O triste estado dos padrões contábeis

De Baruch Lev

O Wall Street Journal informou em 1o de julho de 2021 que o International Accounting Standards Board, o órgão contábil que define as regras de relatórios financeiros de empresas com ações na bolsa em mais de 140 jurisdições - mas não nos EUA - conseguiu um novo chefe: o Sr. Andreas Barckow, que até agora atuou em um papel semelhante na Alemanha. Parabéns Sr. Barckow!

Estabelecer padrões uniformes de contabilidade e relatórios para a maior parte do mundo é um trabalho bastante importante, principalmente devido à baixa qualidade e baixa relevância das demonstrações financeiras corporativas. Como eu sei? Um estudo meu mostrou que, mesmo que você pudesse prever todas as empresas que se reunirão ou vencer as estimativas de ganhos de consenso dos analistas - uma façanha impossível, é claro - você não ganharia dinheiro real. É assim que os números de ganhos são inúteis.

Outro estudo, realizado há alguns anos pelos principais pesquisadores financeiros, examinou o número de downloads de relatórios anuais dos EUA do sistema EDGAR. Todas as empresas públicas dos EUA precisam arquivar eletronicamente seus relatórios trimestrais e anuais na Comissão de Valores Mobiliários através do sistema EDGAR, e a SEC disponibiliza esses relatórios ao público após o recebimento. Portanto, o EDGAR, com recursos avançados de pesquisa, é uma importante fonte de acesso para investidores interessados em dados contábeis. O interesse dos pesquisadores em quantas vezes os relatórios anuais são baixados é, portanto, compreensível.


Os resultados do estudo são surpreendentes: um relatório anual de uma empresa com ações na bolsa é baixado, em média, menos de 30 vezes (28,4 para ser mais preciso), no dia e no dia seguinte à sua disponibilização ao público! Difícil de acreditar que esse é o nível de interesse de milhões de investidores em informações contábeis recém-lançadas. (E todos sabemos que um download não significa que o relatório seja realmente lido e analisado.) 

Dado esse triste estado de contabilidade, você esperaria que o órgão de definição de padrões contábeis em todo o mundo sob uma nova liderança estabelecesse uma agenda de trabalho ousada e imaginativa. Quão decepcionado fiquei ao ler no Journal que as novas questões da agenda (ainda não totalmente determinadas) “poderiam incluir a contabilização de criptomoedas, riscos climáticos, imposto de renda, subsídios do governo e inflação.”O artigo continuou:“ Um projeto em particular testará o Sr. As habilidades de Barckow ... [a regra] que obriga as empresas a remensurar suas estimativas de fluxos de caixa futuros formam contratos de seguro."

Sem brincadeira, a contabilização de estimativas de fluxos de caixa futuros de contratos de seguro é o principal problema dos relatórios financeiros corporativos? O seguro é contábil ou o imposto de renda ou o governo concede o motivo pelo qual tão poucos investidores estão interessados em relatórios financeiros recém-lançados? Parece que os definidores de padrões contábeis nem estão cientes dos desafios reais que seu produto de trabalho enfrenta.

Aqui estão algumas sugestões para uma nova agenda significativa para os reguladores contábeis.

1. Contabilizando a era industrial. O último quarto de século testemunhou uma mudança revolucionária em todo o mundo nos modelos de negócios das empresas econômicas. Desde a dependência da era industrial de ativos físicos - instalações, máquinas, estruturas, estoques - para criar valor, as empresas mudaram para competir e crescer por ativos intangíveis: P&D, software, marcas e processos comerciais exclusivos, como inteligência artificial e recomendação de clientes algoritmos. O nível de investimento anual dos EUA em intangíveis (cerca de US $ 2,5 trilhões) é atualmente o dobro do investimento em ativos físicos. Os ativos físicos são, na melhor das hipóteses, facilitadores de intangíveis. E, no entanto, os contadores estão inexplicavelmente presos no ambiente de ativos físicos da era industrial.

Se você investir hoje em instalações ou máquinas, esses ativos serão reconhecidos como tal no balanço patrimonial pelo valor contábil, mas se você investir no desenvolvimento de medicamentos (P&D) ou IA, os custos serão gastos na demonstração do resultado, reduzindo os ganhos relatados e valores contábeis. Em 2019, o último ano de boom pré-COVID, metade das empresas com ações na bolsa dos EUA e 70% das empresas de alta tecnologia e assistência médica (incluindo medicamentos) relataram perdas anuais. Metade desses "perdedores" teria relatado lucros sem as despesas com intangíveis. Este não é um sistema contábil confiável.

Portanto, se eu fosse o novo chefe do IASB, não perderia meu tempo com trivialidades, como os fluxos de caixa estimados de contratos de seguro ou contabilidade de imposto de renda. Em vez disso, eu me concentraria em arrastar a contabilidade para o século 21, reconhecendo como ativo os principais criadores de valor das empresas: intangíveis gerados internamente.

2). Fatos, não palpites. Os reguladores contábeis nos últimos 30 a 40 anos se afastaram constantemente dos fatos relatados para confiar em estimativas e suposições gerenciais, tudo em nome do princípio ilusório de "contabilidade de valor justo". Atualmente, os relatórios financeiros estão flutuando em um mar de estimativas, muitas vezes manipuladas pelos gerentes: baixas de ativos (para valores atuais), redução do ágio, receitas alocadas para serviços futuros (contratos de software) etc. Os balanços atuais são uma mistura estranha e bastante inútil de ativos relatados com custos históricos (irrelevantes) de compra, valores atuais observáveis (títulos negociados) e adivinhação (ativos comprometidos e ágio). O total dessa mistura de bases de avaliação serve para medir a lucratividade: retorno sobre os ativos.

Um chefe sério do IASB se concentraria em controlar a proliferação constante de estimativas gerenciais de relatórios financeiros, aumentando assim a credibilidade e a utilidade dos dados contábeis.

3). Sem esperança  (...)  Novos padrões contábeis, como os padrões de reconhecimento de receita e arrendamentos, promulgados recentemente, levaram de 10 a 15 anos para serem promulgados. As necessidades de informações recém-emergentes dos investidores estão sendo ignoradas pelos contadores.

Considere, por exemplo, a atual corrida de investidores para empresas intensivas em ESG. Tudo o que você pensa sobre relatórios ambientais, sociais e de governança (e eu tenho minhas dúvidas sobre isso), um sistema de informações confiável que apresentará um relatório sobre o investimento corporativo em ESG e, particularmente, sobre trocas (por exemplo,., quanto lucro foi sacrificado para alcançar a redução de emissões de carbono) é atualmente de grande importância para os investidores. Os vários rankings de empresas da ESG, promulgados por várias entidades, são notoriamente não confiáveis.

Como o ESG não parece uma moda passageira, se eu fosse o novo chefe do IASB, começaria a trabalhar em um sistema que relatasse custos e conseqüências corporativas do ESG, mas definitivamente não iniciando um projeto de 10 a 15 anos.

Espero que minhas sugestões para a agenda do IASB (ou Conselho de Normas de Contabilidade Financeira) sejam adotadas? Não. Mas serei negligente por não ter divulgado publicamente minha opinião sobre um assunto tão importante e aberto ao debate.

Baruch Lev Professor Da Escola De Negócios Stern Da Universidade De Nova York

10 outubro 2021

Intangíveis


Recentemente, Baruch Lev criticou os reguladores contábeis por perderem tempo com normas de baixa relevância (citava a norma sobre seguros - que tem um interesse específico e não muda substancialmente o que está sendo feito) em lugar de discutir seriamente a questão do intangível.

Mas como resolver um problema tão difícil. Um fórum recente de reguladores apontou três possíveis abordagens, não necessariamente excludentes: 

a) reconhecer e mensurar diretamente nas demonstrações financeiras - talvez seja a opção que resolva o problema, mas certamente irá aumentar a subjetividade dos números contábeis e será um problema para àqueles envolvidos na linha de frente da contabilidade financeira, os preparadores e os auditores.

b) informações nas notas explicativas das demonstrações ou nos relatórios da administração sobre intangíveis específicos - isto poderia permitir maior flexibilidade na apresentação das análises, incluindo a possibilidade de utilização de narrativa textual. Mas seria a melhor solução?

c) informações sobre despesas que possam ter alguma influência sobre o desempenho futuro da entidade, seja nas notas explicativas ou no relatório da administração.

Foto: João Tzanno

08 setembro 2020

Economia na pandemia e o mercado acionário


Spence apresenta uma explicação sobre o descolamento entre o que está ocorrendo na economia (uma recessão brutal) e a euforia do mercado de capitais em diversos lugares do mundo:

Muitos concluíram que o mercado está desvinculado da realidade econômica. Mas, visto de outra forma, os mercados de ações de hoje podem estar parcialmente refletindo poderosas tendências subjacentes amplificadas pela "economia pandêmica". Os preços das ações e os índices de mercado são medidas de criação de valor para os proprietários de capital, o que não é a mesma coisa que criação de valor na economia em geral, onde trabalho e capital tangível e intangível desempenham um papel.

Além disso, os mercados refletem os retornos reais esperados do capital no futuro. Quando se trata de medir o valor presente da renda do trabalho, simplesmente não existe um índice prospectivo comparável. Em princípio, então, se houver uma recuperação econômica antecipada significativa, as perspectivas para a renda do capital e do trabalho poderiam ser semelhantes, mas apenas o futuro esperado do capital seria refletido no presente.

Mas há mais para a história. As avaliações de mercado são cada vez mais baseadas em ativos intangíveis, principalmente na propriedade e controle de dados, o que confere seus próprios meios de criação de valor e monetização. De acordo com um estudo recente do S&P 500, as ações de empresas com altos níveis de capital intangível por funcionário registraram os maiores ganhos neste ano, e quanto menos capital intangível por funcionário as empresas tiveram, pior foi o desempenho de suas ações.

Para o nobel de economia, esta é uma tendência que só fez acelerar com a pandemia:

Em outras palavras, a criação de valor incremental nos mercados e no emprego é divergente. E embora isso fosse verdade mesmo antes da pandemia, a tendência agora se acelerou. Existem pelo menos duas razões para isso. Um é a rápida adoção de tecnologias digitais como parte da resposta às medidas de bloqueio.

A segunda é que muitos setores intensivos em mão de obra (que normalmente agregam valor principalmente com mão de obra e capital tangível) foram parcial ou totalmente desligados como resultado de bloqueios, distanciamento social e aversão ao risco do consumidor.

No caso do Brasil, há um fator adicional: a baixa taxa Selic. Veja o trecho explicativo da Exame:

A diferença deste ciclo de IPOs e ofertas de ações em relação à euforia de 13 anos atrás é a taxa básica de juros — sempre ela. Em 2006, a Selic iniciou o ano estimada em mais de 17% ao ano e, após um ciclo de cortes, terminou 2007 pouco acima de 11%. Em termos conceituais, uma companhia precisava oferecer uma perspectiva de retorno acima de dois dígitos para competir com o investimento no chamado ativo livre de risco, os títulos públicos.

Agora, com a Selic a 2% ao ano, um ativo não precisa de tanto esforço para ser competitivo e mais interessante, o que abre espaço para um número cada vez maior de companhias. 

25 setembro 2019

Valor de um jogador de futebol

É difícil apurar o valor contabilístico dos jogadores da formação e até é possível que não tenham valor nenhum ou então apenas um valor residual. A probabilidade de João Félix ter valido contabilisticamente para o Benfica menos de dois milhões de euros é, por isso, muito forte.

O ativo da Sport Lisboa e Benfica – SAD com maior valor de mercado será, por ventura, o plantel da equipa principal de futebol. Bastará pensar, por exemplo, na venda de João Félix [foto] que, em julho, trocou Lisboa pela capital espanhola para jogar no Atlético de Madrid, a troco de 126 milhões de euros.

Apesar desta transferência milionária, a SAD benfiquista avaliou, no balanço, o plantel do ano passado em 80,246 milhões de euros, segundo o relatório e contas relativo ao exercício da época desportiva de 2018-2019, divulgado esta quarta-feira em comunicado na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, tal como se pode ver logo na terceira página do documento, na rubrica “Ativos intangíveis – jogadores de futebol”.

Naturalmente, qualquer adepto de futebol poderá questionar-se sobre este valor. Mas a contabilidade explica.

Como são avaliados contabilisticamente os jogadores de futebol?

De acordo com a Norma Contabilística e de Relato Financeiro 6 (NCRF 6) é considerado como um ativo intangível aquele que é “não monetário identificável sem substância física”. Isto é, não é o jogador físico que é o ativo, mas antes o seu passe.

Além disso, a NCRF 6 exige que os ativos intangíveis reunam três características. Têm de ser identificáveis, isto é, passíveis de identificação de forma a serem diferenciáveis de qualquer outro ativo, sob pena de não se poderem exercer sobre eles direitos de propriedade (os passes dos jogadores são da propriedade da Benfica SAD).

Devem ainda existir e ter proteção legal, e gerar benefícios económicos futuros, como por exemplo, créditos obtidos através de uma futura venda.

Uma vez reunidos estas características, os ativos intangíveis devem ser reconhecidos e mensurados no balanço da empresa. No caso da SAD do Benfica – e de qualquer outra sociedade desportiva que compre e venda passes de jogadores – o departamento de contabilidade deve registar o valor do passe do jogador.

No caso de aquisição de um ativo intangível, leia-se, no caso de compra de um jogador de futebol, é este o valor a reconhecer no balanço. Assim, por exemplo, quando o SL Benfica oficializou a compra do avançado Raúl de Tomás por 20 milhões de euros, deve reconhecê-lo com esse montante. A isto se chama de reconhecimento inicial.

Mas, regra geral, o ativo intangível terá de ser amortizado de forma a registar as perdas dos benefícios económicos que lhe estão associados. Salvo exceções previstas na NCRF 6, a amortização do passe dos jogadores de futebol segue o método da linha reta. Este método consiste em dividir o custo de aquisição deduzido do valor residual pelo número de períodos correspondente à sua vida útil.

Por exemplo, em julho a SAD do Benfica comprou o passe de Raúl de Tomás por 20 milhões de euros, que se comprometeu por cinco épocas, até 2024. Ao longo da duração do contrato, contabilisticamente, o passe do jogador vai sendo reduzido em quatro milhões de euros (20 milhões / 5 anos) todos os anos. Na segunda época, valerá 16 milhões, na terceira valerá 12 milhões, e assim por diante.

Os jogadores oriundos da formação têm, no entanto, um tratamento contabilístico dos jogadores comprados, porque são ativos gerados internamente pelo clube.

Regra geral, o valor dos jogadores da formação que são reconhecidos como ativos intangíveis deverá ser igual ao respectivo custo de produção, ou seja, o montante de todas as despesas incorridas desde a data em que é reconhecido no balanço, algo que é subjetivo.

É difícil apurar o valor contabilístico dos jogadores da formação e até é possível que não tenham valor nenhum ou então apenas um valor residual. A probabilidade de João Félix ter valido contabilisticamente para o Benfica menos de dois milhões de euros é, por isso, muito forte.


Fonte: Antônio Vasconcelos Moreira, Jornal Econômico

28 agosto 2018

Musk

Na história toda sobre Elon Musk (aqui e aqui) e a Tesla, cogitou-se a saída do executivo da empresa. Entretanto, isto seria inviável já que...

“Você investiria em Tesla sem Elon Musk? Não faz sentido.

Se Musk se for, os investidores + torcedores abandonariam as ações. Eles estão investindo em um sonho e em um semideus, e não em uma empresa real com modelo de negócio sustentável. Desse ponto de vista, não faz sentido demitir Musk, não importa o que aconteça. Se a realidade fosse autorizada a assumir o controle da empresa, as ações da Tesla entrariam em colapso sem cerimônia, e a empresa iria à falência (...)


Em linguagem contábil, o principal ativo da empresa é Musk.

27 agosto 2014

Curso de Contabilidade Básica: Contrato como Intangível

Quando se fala em intangível geralmente pensamos em marca ou ponto comercial. Mas um intangível importante para certos tipos de empresas é o contrato de concessão. Este contrato é usualmente firmado entre uma empresa e o poder público para prestar certos serviços. Neste tipo de contrato, não existe a garantia de receber certa quantia em dinheiro, já que o montante recebido depende do uso do serviço da empresa. Ao final do contrato, os ativos retornam para a concedente, tendo a empresa direito a receber os saldos não amortizados ou não depreciados destes itens.

Um exemplo de contrato de concessão é aquele firmado entre uma prefeitura e uma empresa que irá explorar o serviço de metrô. O contrato possui uma duração de anos, e até décadas, e irá gerar receita no futuro para a empresa concessionária. A seguir temos o extrato do balanço patrimonial da MetroRio, a empresa que explora o serviço metroviário na cidade do Rio de Janeiro.

Observe que o intangível corresponde a grande parte do ativo total, num valor maior que os trens ou os ativos de curto prazo. Como foi calculado o valor deste intangível? A empresa apresenta, nas notas explicativas, um pequeno detalhamento da metodologia utilizada:

Basicamente a empresa faz uma estimativa do fluxo de caixa futuro e traz a valor presente usando uma taxa (o “custo de capital” do texto). (Existem detalhes técnicos nesta mensuração, mas é interessante notar que utiliza cinco anos, apesar do contrato de ser até 2034).


Outro aspecto importante é que o valor do contrato é amortizado ao longo do tempo, sendo levado a resultado. 

19 agosto 2014

Curso de Contabilidade Básica: Intangível

Nas indústrias o principal ativo são as máquinas e equipamentos; no comércio varejista, os estoques e os valores a receber; nas instituições financeiras, talvez as disponibilidades. Cada tipo de empresa terá no seu ativo um retrato daquilo que é e do que faz. Alguns futurólogos acham que a empresa do futuro terá no seu intangível o principal ativo.

Para mostra um exemplo da situação de uma empresa onde o intangível é o principal ativo, nós trouxemos o caso dos Atletas Brasileiros. Esta empresa está vinculada ao Paraná Clube. Veja o último balanço publicado:


 Do ativo de 664 mil reais (a figura, apresentada pela empresa, está errada ao informar que os valores estão em “reais”; o correto seria “em mil reais”.), 72% é “intangível”. Como a empresa lida com a contratação de jogadores de futebol, o seu principal ativo é o vínculo criado com estes atletas. Assim, o intangível é composto pelos contratos dos jogadores, conforme nota explicativa:

Os contratos dos atletas são contabilizados pelo custo de aquisição dos direitos econômicos dos atletas. Estes valores são baixados através do mecanismo de “amortização” pelo período de vigência do mesmo. A grande mudança no valor deste item é justificada pela negociação de um atleta valioso (“Alex Alves”) para o Goiás, clube da primeira divisão do campeonato brasileiro. 

14 maio 2012

Marca

A revista Isto É Dinheiro apresenta a relação das marcas mais valiosas do Brasil (As marcas mais valiosas do Brasil em 2012, 28 de abril de 2012, Ralphe MANZONI Jr.). Segundo o texto, o desempenho de 2012 mostra:

 O valor das maiores marcas brasileiras caiu em 23% em 2012 em razão dos problemas externos e do comportamento da bolsa.

 A valorização em dólar é de 35% desde 2009.

 A maior empresa brasileira também foi considerada, pela terceira vez, a marca mais valiosa do Brasil, com um valor de 10,5 bilhões de dólares em 2011. A segunda marca é do Bradesco (6,7 bilhões), seguido do Itaú (6,6 bilhões), Skol (4,7 bilhões) e Banco do Brasil (4,6 bilhões).

 Pela primeira vez foi realizada uma análise por produtos, sendo que três delas estão entre as mais bem classificadas (Skol, Brahma e Antarctica).

 A pesquisa também mediu a contribuição da marca para o desempenho das vendas. Ou seja, quanto uma empresa perde de vendas se não tivesse uma grife conhecida. A marca mais poderosa neste quesito é a Omo, seguido da Coca-Cola, Trident, Johnie Walker e Bohemia.

A metodologia apresenta pela revista mostra que o valor final depende, e muito, do comportamento do mercado acionário. Assim, se uma empresa apresenta grande variação na cotação das suas ações, isto representaria uma aproximação de valoração da marca.

Toda metodologia de mensuração de valor de marca é bastante questionável. Em geral as marcas não são negociadas de maneira separada da empresa. Somente quando isto acontece é possível estabelecer uma base adequada para mensuração deste valor. Além disto, a própria redação da metodologia é imprecisa e confusa o suficiente para evitar uma crítica mais profunda. (o texto da metodologia fala em valor de mercado das ações e compara com os intangíveis da empresa. Provavelmente o foco é o valor do empreendimento, somando o valor da dívida também)

Outro aspecto que seria importante verificar e confrontar o valor da marca com o gasto com publicidade. A marca Petrobras possui um valor de 10 bilhões e a empresa gasta 400 milhões de reais em publicidade.