Translate

Mostrando postagens com marcador Aramco. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Aramco. Mostrar todas as postagens

10 fevereiro 2021

Aramco e a evidenciação da emissão de carbono


A maior empresa de petróleo do mundo, a estatal Aramco, da Arábia Saudita, tem sido questionada sobre suas informações divulgadas. Em especial, referente a questão da emissão gerada pela atividade de refino de petróleo. A divulgação da empresa não inclui todas as emissões, segundo a Bloomberg, e estão restritas àquelas que ocorreram dentro da Arábia Saudita.

Isto reduz substancialmente os números de emissões, já que não inclui as joint-ventures e as refinarias de propriedade da empresa em outros países do mundo. Se isto fosse divulgado, o volume emitido estaria perto daquele divulgado pela Exxon. Como a Exxon processa cerca de um terço do que é feito pela Aramco, o volume de emissão da empresa saudita continua baixo, mas não tão baixo quanto divulgado. 

Dado a atual preocupação atual com a emissão de poluentes, a subestimação pode ser um problema para a empresa, caso deseje expandir sua venda de ações. Recentemente, a empresa vendeu uma pequena parcela do seu capital. Embora grande parte dos compradores seja saudita, uma maior abertura do capital deverá demandar melhores informações.  

Imagem: aqui

22 dezembro 2020

Petróleo e baixa contábil

Recentemente, duas das mais tradicionais empresas de petróleo anunciaram baixa contábil. A Exxon anunciou que irá reduzir o valor dos ativos entre 17 a 20 bilhões de dólares. Isto deverá incluir os ativos adquiridos em 2010 de uma produtora de xisto, a XTO Energy. Em 2010 a decisão de comprar uma produtora de xisto parecia acertada, com o preço do petróleo em alta e a possibilidade de ter acesso a uma fonte de energia alternativa. A redução no preço do petróleo, em razão de uma guerra de preços e da demanda reduzida, motivou a amortização da empresa. Apesar do prejuízo registrado recentemente, a empresa manteve o pagamento de dividendos. Além disto, a Exxon mantem a aposta no petróleo e na recuperação dos preços.  

A Shell também seguiu a Exxon e anunciou ontem uma redução no ativo, entre 3,5 a 4,5 bilhões. A empresa também anunciou que outros efeitos contábeis serão reportados em 2021. Em outubro, a empresa já tinha realizado uma baixa de 1 bilhão, depois de outra baixa de quase 17 bilhões, no segundo trimestre. 

A Aramco, a produtora estatal da Arábia Saudita, também está sob pressão. Depois de realizar uma grande oferta inicial de ações, a estratégia da empresa parece que enfrenta uma série de problemas. Para colocar suas ações no mercado com sucesso, o governo saudita concedeu facilidades aos súditos, mas evitou um fracasso da oferta, concentrando o lançamento no mercado acionário do país. Apesar de ter atingindo um valor de mercado de 2 bilhões, parte da estratégia incluía uma farta distribuição de dividendos. E para garantir esta distribuição, a empresa está tomando empréstimo. A guerra de preço decretada pela Aramco no primeiro trimestre provocou efeito não somente nos concorrentes: mesmo obtendo lucro, pois o custo de produção é reduzido, a Aramco não está conseguindo dinheiro suficiente para novos investimentos e pagamento de dividendos. 

08 dezembro 2020

Aramco: mercado x análise


Uma análise sobre a situação atual da Aramco mostra uma situação ruim:

Como resultado direto da decisão da MbS [princípe da Arábia Saudita] de prosseguir com mais uma guerra de preços do petróleo, ao mesmo tempo que a pandemia COVID-19 estava ganhando ritmo e destruindo a demanda por petróleo, as finanças da Aramco sofreram um golpe massivo. Para o primeiro semestre deste ano, a empresa viu uma queda de 50 por cento no lucro líquido e no início deste mês, relatou outra queda maciça nos lucros de 44,6 por cento no terceiro trimestre, caindo para SAR 44,21 bilhões (US $ 11,79 bilhões) de SAR79,84 bilhões no mesmo período do ano passado. (...)

Este enorme pagamento garantido de dividendos de US $ 18,75 bilhões por trimestre - US $ 75 bilhões por um ano inteiro - terá que ser pago por meio de cortes orçamentários além dos US $ 15 bilhões em gastos de capital anual da Aramco aludidos pelo CEO da Aramco, Amin Nasser, logo após o primeiro semestre, os números dos lucros foram revelados. Isso reduzirá o total de cerca de US $ 40 bilhões para cerca de US $ 25 bilhões. Relatórios posteriores indicam que mesmo esse valor de US $ 25 bilhões deverá ser reduzido em outros US $ 5 bilhões, levando o gasto total de capital neste ano de US $ 25 bilhões para US $ 20 bilhões.

(...) Para colocar isso de forma ainda mais clara: o lucro total da Aramco para o terceiro trimestre não pode nem mesmo cobrir os dividendos que ela deve para o mesmo trimestre, nem mesmo dois terços dele!

Ou seja, a Aramco está em dificuldades. Mas eis a cotação da empresa nos últimos meses:
Faz sentido? O mercado valorizou as ações da empresa ao longo de 2020. Parece que a análise acima não faz sentido. Mas duas possibilidades aqui. Primeiro, por enquanto a empresa ainda consegue pagar seus dividendos e os investidores talvez apostem que isto irá continuar. Quando surgir a possibilidade de não pagamento de dividendos, a empresa poderá sofrer uma grande redução no seu preço. A segunda possibilidade é que a análise está olhando somente o curto prazo. 

07 janeiro 2020

Efeito da crise no Oriente Médio

A crise entre EUA e Irã, com a morte de Soleimani, trouxe a maior queda no preço das ações da Saudi-Aramco. A empresa já perdeu US$200 bilhões em valor de mercado, quando comparado com o máximo após a oferta pública de ações. Agora, a empresa tem um valor estimado de US$1,8 bilhão. É interessante que o preço do petróleo subiu com a crise.

A preocupação é com eventual retaliação do Irã. Apesar da mudança nos preços, o volume de negociação é relativamente baixo, conforme a figura (parte de baixo). Mas uma queda maior pode levar o governo da Arábia Saudita, que é o grande acionista da empresa, a entrar no mercado

12 dezembro 2019

Quanto vale a Aramco?

A Aramco tornou-se a empresa mais valiosa do mundo:

 Mesmo com estes números, ainda existe desconfiança sobre a instabilidade da Arábia Saudita e seu real valor. O percentual reduzido de oferta de ações também não ajuda.

Robert Rapier, em um texto para Forbes, tinha levantado algumas questões no início de novembro, que ainda são válidas. Considerando dividendos de 75 bilhões anuais e um valor de 2 trilhões, o dividend yield seria de 3,75%. Este mesmo índice seria de 4,8% para ExxonMobil, 3,9% para Chevron e 6,3% para BP. Isto parece não fazer sentido, para uma empresa onde o governo saudita é majoritário. E empresa de petróleo e governo parece não funcionar, segundo Rapier. Para seu argumento, ele usou o caso

Or, consider a situation that happened with Petrobras, which is primarily owned by the government of Brazil. A few years ago when oil prices spiked, the Brazilian government forced Petrobras to  subsidize the cost of fuel for Brazilians, which directly cost Petrobras shareholders. The lesson is that sometimes the interests of the government are going to conflict with those of shareholders, and shareholders will lose.

Ao colocar os pontos negativos e os pontos positivos em análise, parece que o valor da Aramco não é sustentável.

25 novembro 2019

Ainda a Aramco

Um, o Google estimou que seu sistema Lidar, que custou US $ 150.000 para construir, custaria US $ 70.000 em 2012. Analistas zombaram e zombaram da estimativa - mas o Google estava certo: isso é exatamente o que custou em 2012. Mas o mais impressionante é que em 2013, esse mesmo equipamento custou US $ 10.000 ... apenas um ano depois, meros US $ 1.000 ... e três anos depois, US $ 250!

E dois, em 2000, um computador de ponta usado para simulações de guerra nuclear tinha capacidade para 1 teraflop (1 trilhão de operações de ponto flutuante por segundo), custava US $ 46 milhões, usava 850 quilowatts de energia e ocupava 1.600 pés quadrados. Em 2017, a Nvidia havia desenvolvido um computador com 2,3 teraflop que custava US $ 59, usava 15 watts e era pequeno o suficiente para caber na sua mão.

A lição aqui é que os humanos pensam de maneira linear - ainda que certos sistemas, incluindo interrupções tecnológicas, não sejam lineares.



Segundo uma postagem do ValueInvesting isto também se aplica para Aramco. Há uma previsão de que o preço do barril de petróleo deve cair para 25 dólares. Atualmente está perto de 60 dólares. Como 70% do petróleo é usado para transporte, isto pode ter influencia sobre os custos da aviação (8% do uso do petróleo). Mas terá um grande impacto para as petrolíferas.

O governo da Arábia Saudita está vendendo a Aramco porque precisa de caixa. E o fato do governo estar vendendo pode ser um sinal de que o futuro do petróleo não seja tão interessante assim.

Além disto, a empresa está cara:

Em 2018, a Aramco gerou lucros de US $ 111 bilhões. Na avaliação alvo (conto de fadas) de US $ 2 trilhões, as ações seriam negociadas em uma relação preço / lucro (P / L) de 18.
Em comparação, a ExxonMobil (XOM), a maior empresa internacional de petróleo e gás de capital aberto, esta negocia a um P / E de cerca de 15 vezes o lucro de 2018. Os rivais BP (BP) e Royal Dutch Shell (RDS) foram negociadas em múltiplos ainda menores em 2018, de 14 e 11 vezes, respectivamente.

... e a um risco menor.

Uma comparação melhor para a Aramco pode ser a Gazprom, a maior empresa de gás do mundo, controlada majoritariamente pelo governo russo. É negociada a um P / L de 3,5 e produz cerca de 6%. Mesmo se dermos à Aramco o benefício da dúvida e a valorizarmos com o dobro do múltiplo da Gazprom ... isso apenas sugeriria uma avaliação total da empresa de cerca de US $ 800 bilhões - muito abaixo da meta dos sauditas.

23 novembro 2019

Quanto receberão os Bancos que trabalham na IPO da Aramco?

Segundo a Forbes:

No início desta semana, fontes disseram à Reuters que os bancos que trabalham no IPO da Saudi Aramco dividirão taxas no valor de 0,35% do valor arrecadado, ou seja, no topo de sua faixa de preços, captando US$ 25,6 bilhões, as taxas chegariam a US$ 90 milhões.

Os números ficam ainda piores em comparação com os US$ 300 milhões que bancos ganharam com o IPO recorde da Alibaba de US$ 25 bilhões em 2014. O pagamento recorde foi de US$ 550 milhões que os bancos ganharam com o IPO de US$ 19,6 bilhões da Visa em Nova York em 2008.

A atividade dos mercados de capitais de ações normalmente responde por cerca de um quarto das taxas globais de bancos de investimento, mas a captação de capital em 2019 está em seu nível mais baixo desde 2012, uma vez que uma série de transações canceladas e listagens decepcionantes pesam sobre o sentimento geral do mercado, mesmo com muitos índices atingindo recordes

17 novembro 2019

Detalhes da Aramco

O mais aguardado lançamento de ações está perto de acontecer. A Saudi Aramco, uma empresa estatal da Arábia Saudita, estabeleceu que na sua oferta pública inicial de ações um valor de 1,6 trilhão a 1,7 trilhão de US$. Anteriormente, o princípe herdeiro do trono saudita tinha falado em um valor de 2 trilhões, mas esta estimativa sempre foi considerada alta pela maioria dos analistas.

Os planos inclui a venda de 3 bilhões deações, o que corresponde a 1,5 % do patrimônio. Esta venda deverá ocorrer no mercado acionário local, a bolsa Tadawul. Se tudo ocorrer bem, a empresa deve obter 26 bilhões de dólares por estes 1,5% do patrimônio, o que seria, mesmo assim, a maior oferta pública inicial do mundo.

A primeira vez que a ideia apareceu foi há quatro anos. Com o dinheiro, o reino pretendia investir na economia saudita. Os planos iniciais, de fazer a oferta em um grande mercado mundial, de uma parcela que chegaria a 10% do capital, foram reduzindo até chegar aos 1,5% de agora. Além disto, a oferta deveria ter sido feita no ano passado.

Mesmo sendo a empresa mais lucrativa do mundo, com promessa de elevado pagamento de dividendo, a Aramco gera dúvida pelo risco envolvido. A razão inclui a volatilidade do preço do preço, que agora está em 60US$ e talvez reduza no médio prazo em razão das fontes alternativas de energia e das restrições ambientais. Mas também inclui os problemas políticos do reino; neste caso, a morte de um jornalista em uma embaixada Saudita e um ataque de drone ocorrido há alguns meses, aumentou a percepção de risco.

Mas o reino pode fazer com que a oferta seja um sucesso. Como a parcela de venda é relativamente reduzida, o reino pode “convidar” alguns bilionários a investir na empresa. O abandono do plano de fazer uma oferta em um mercado mais transparente, como o de Londres, pode ser um indicador deste fato.

Fonte: aqui

03 novembro 2019

Razões para NÃO investir na Aramco

A Forbes apresenta dez razões para NÃO investir na Saudi Aramco

1. Risco Geopolítico

Um ataque de mísseis no dia 14 de setembro desabilitou duas das maiores joias da Saudi Aramco, a planta de estabilização de petróleo Abqaiq e o campo petrolífero Khurais. Já se foi o tempo em que as ameaças ao fluxo de petróleo na Arábia Saudita seriam o suficiente para aumentar o preço do produto. Depois de saltar 20% com o ataque a Abqaiq, o petróleo bruto caiu para US$ 60, mais baixo do que antes. Em meio a tensões, o presidente norte-americano Donald Trump parece estar cansado de proteger o país, e a batalha do Iêmen mostra que os sauditas não conseguiriam se defender em uma guerra contra o Irã. Amrita Sen, da consultoria Energy Aspects, afirma: “A possibilidade de ataques no futuro é real e afeta o mercado”.


2. Crescimento zero


Na área de commodities, é preciso ter escala para competir. Mas, quando você consegue atingir essa escala, o crescimento fica travado pela lei dos números grandes. Uma empresa pequena pode rapidamente dobrar de tamanho e valor, mas a Aramco não pode. Sua produção está estagnada ao redor dos 10 milhões de barris por dia desde 2014. E, mesmo antes dos ataques a Abqaiq, a empresa era obrigada a usar menos de 90% de sua capacidade para satisfazer um acordo de redução de volumes da Opep, a Organização dos Países Produtores de Petróleo. No primeiro semestre de 2019, a renda líquida e investimento de capital da Aramco caíram 12%, para US$ 47 bilhões e US$ 14,5 bilhões, respectivamente. De acordo com a análise da Bernstein Research, a Aramco não terá fundos suficientes neste ano para pagar dividendos vindos de fluxo de caixa, então, terá de fazer empréstimos para honrar os pagamentos.


3 . Nenhuma autonomia 

A empresa, ativa ou não na Opep, age como uma ferramenta primária da política de petróleo saudita, com o rei, não o conselho, tomando as decisões”, afirma Bill Farren-Price, diretor da RS Energy Group. Na preparação para a abertura de capital, o rei Salman diminuiu os níveis de impostos da Aramco de 80% para 50% em 2017, fazendo com que a companhia tivesse de pagar “apenas” US$ 100 bilhões em tributos ao reinado em 2018. A Aramco promete dividendos de pelo menos US$ 75 bilhões por ano aos acionistas assim que suas ações forem a público, mas, com os problemas orçamentários da Arábia Saudita, esses números podem ser cortados por decreto real.


4. Dúvidas sobre avaliação


O príncipe Mohammad bin Salman regularmente avaliava a Aramco em US$ 2 trilhões. Esse valor sempre foi alto demais. As maiores e mais bem geridas empresas de petróleo do mundo fazem negócios com rendimento de dividendos perto dos 5% (Exxon 5%, Chevron 4%, Shell 6,5%,Total 5,6%, Sinopec 8%). Para gerar um rendimento de 5% nos US$ 75 bilhões de dividendo, a avaliação do valor de mercado deve chegar na ordem do US$ 1,5 trilhão. Em uma base de preço/rendimento, aplicar a mega taxa sobre P/R de 15 ao rendimento líquido de aproximadamente US$ 100 bilhões chega no mesmo valor de US$ 1,5 trilhão.



5. Alternativas em excesso



Até mesmo US$ 1,5 trilhão deve ser um valor muito alto, considerando que o mundo não precisa de mais nenhuma petroleira gigante, controlada pelo Estado e com capital aberto. Por exemplo, a Gazprom, a PetroChina e a Petrobras sofreram com escândalos de corrupção e perderam pelo menos 40% de valor na última década. A Equinor, gigante norueguesa conhecida anteriormente como Statoil, é considerada a gigante petrolífera estatal mais bem administrada. Ela perdeu apenas 20% de valor na última década e fez grandes avanços na redução da intensidade de carbono em suas operações, uma clara vantagem competitiva.


6. Erros no tratamento do capital


No final de 2017, o príncipe prendeu dezenas de bilionários e magnatas sauditas e os instalou em uma prisão extravagante no The Ritz-Carlton, em Riyadh. Dentre os presos, estavam capitalistas famosos, como o príncipe Alwaleed bin Talal, conhecido há tempos por seus investimentos astutos nas últimas décadas. Mohammad bin Salman retirou ativos no valor de US$ 100 bilhões deles sem nenhum precedente legal. Não há mais sauditas na lista de bilionários globais da Forbes. O príncipe Alwaleed declarou que o preço de sua liberdade foi de US$ 6 bilhões. Antes figura conhecida na CNBC, ele pouco tem sido visto. Se esse é o tratamento que empreendedores de sucesso recebem na Arábia Saudita, existe razão para ser um? Capital apenas flui para lugares onde é bem tratado e protegido pela lei. Em 2016, a Arábia Saudita atraiu US$ 7,4 bilhões em investimentos estrangeiros diretos. Em 2017, o FDI afundou para US$ 1,4 bilhão, recuperando-se apenas em 2018 para US$ 3,2 bilhões. O Grupo Banco Mundial coloca a Arábia Saudita como o país 92 entre 190 no quesito facilidade de fazer negócios. Existem muitos outros lugares para investir.

7. Poder dos perfuradores norte-americanos

Se é absolutamente necessário para você possuir ativos de petróleo e gás, não é melhor que estejam em lugares politicamente estáveis ​​como Texas ou Novo México, onde os direitos de propriedade são sacrossantos, contratos são mantidos pelo Estado de Direito e a probabilidade de ataques irreparáveis ​​de mísseis são ironicamente baixos? Perfuradores norte-americanos descobriram enormes reservas na última década que agora estão à venda, com preços 50% ou mais baratos do que no ano passado. A Apache Corp. caiu 50%, a Occidental Petroleum 44%, e a EOG Resources 17%, em relação aos níveis do ano anterior. Todos têm muito mais espaço para crescer do que a Aramco e não são sobrecarregados com a pressão de ser um cofrinho real.


8. Que direitos humanos?



O assassinato do colunista do “Washington Post” Jamal Khashoggi no ano passado ainda ganha manchetes, mas não se pode acreditar por um segundo que ele foi o primeiro dissidente morto e desmembrado por uma equipe de assassinos sauditas. Ao mesmo tempo que o príncipe MbS acha que pode aplacar a liberalização concedendo às mulheres permissão para dirigir, ele aprisiona o ativista Loujain al-Hathloul por mais de um ano. As mulheres continuam sendo cidadãs de segunda classe e devem cobrir a cabeça em público. Não há pluralismo religioso, liberdade de reunião ou expressão. O álcool é proibido. Mas agora você pode obter um visto de turista para ver como essa monarquia absoluta mantém seus 30 milhões de súditos alinhados.


9. Poder absoluto corrompe


Em um país que proíbe toda oposição política, quando a mudança finalmente chegar ao reino, não será ordenada. Em uma conversa no final de 2017, Khashoggi me disse que não era um revolucionário. “Eu não sou contra o sistema. Sem a monarquia, o país inteiro entraria em colapso”, afirmou. O que ele mais queria para a Arábia Saudita eram as liberdades que se tem como garantidas nos Estados Unidos. “Gostaria de ter liberdade de expressão.”


10. Era do petróleo está no fim

O mundo nunca usou mais petróleo. São cerca de 101 milhões de barris por dia. E há muito mais de onde isso veio, graças aos avanços na perfuração direcional e no fraturamento hidráulico. O mundo está cheio de petróleo agora mesmo após o quase total colapso da Venezuela (que tem ainda mais matéria-prima do que a Arábia Saudita) e o bloqueio ao petróleo iraniano. Quando o “pico petrolífero” chegar nos próximos 25 anos, será por conta não de suprimento inadequado, mas de demanda sem brilho, impulsionada pela adoção de veículos elétricos. Isso estripará o preço do petróleo e, com ele, o valor das reservas da Aramco. Considerando que, atualmente, a Aramco bombeia cerca de 4 bilhões de barris por ano, as reivindicações sauditas de há 260 a 300 bilhões de barris em reservas comprovadas de petróleo devem ser vistas com dúvidas. Não há valor em um barril de petróleo de um solo que ninguém conseguirá perfurar por 50 anos.


Fonte: Forbes

30 outubro 2019

Aramco é a empresa mais lucrativa do ano

A empresa estatal de petróleo Saudi Aramco informou que seu lucro, nos nove meses do ano, foi de 68 bilhões de dólares. Isto faz da empresa a mais lucrativa do mundo. Recentemente parte das instalações da empresa sofreu um ataque de drones. Parece que as instalações atingidas foram consertadas.

O lucro é importante para viabilizar a tão aguardada oferta pública de ações da empresa.

16 setembro 2019

O múltiplo da Aramco

Há dias, o governo saudita nomeou Yasir Al Rumayyan como presidente do conselho da Aramco, a empresa estatal de petróleo, para tentar acelerar o processo de oferta pública de ação. Formado em Contabilidade, na Universidade Rei Faisal, tem MBA por Harvard. O projeto é colocar 1% das ações na bolsa até o final de 2019 e mais 1% em 2020. Baseado em uma avaliação da empresa de 2 trilhões de dólares, este percentual de 1% corresponde a 20 bilhões de dólares de captação. Os recursos seriam usados pelo reino para diversificar a economia.

A abertura de capital seria em Riad e talvez Tóquio. Recentemente, a empresa conseguiu colocar 12 bilhões de dólares de um título internacional de dívida. Mas permanece a dúvida sobre o valor de 2 trilhões. Há um certo consenso que a estimativa é muito elevada. Parte deste valor é baseada no preço do petróleo.

O ataque de drones que prejudicaram a produção de petróleo pode aumentar o preço do petróleo. Isto poderia provocar um aumento no valor da empresa. Poderia, se fosse usado somente o múltiplo. As incertezas podem levar a mais questionamento sobre o valor estimado pelo governo saudita de 2 trilhões. Isto significa uma menor produção de petróleo. Além disto, aumenta o risco da geração de receitas futuras.

A principal métrica para a avaliação da empresa é o preço do petróleo . Embora o aumento de 20% do recurso após os ataques possa parecer positivo para os resultados da Aramco, existe uma preocupação considerável de que os riscos geopolíticos crescentes superem esse impacto.
"O mais natural é que os prêmios de risco subam, o que reduziria a avaliação", disse uma autoridade ao WSJ. "Na avaliação atual, a Aramco não conta para ataques sérios como esses."

O aumento no risco pode resultar em um desconto adicional de 300 bilhões de dólares, reduzindo o valor da empresa para algo em torno de US$1,2 trilhão. Bem abaixo da estimativa de 2 trilhões.

14 agosto 2019

Aramco retorna os planos de IPO

A empresa de petróleo Saudi Aramco, de propriedade do governo da Arábia Saudita, parece estar repensando a possibilidade de lançar a oferta pública de ações (IPO, em inglês), segundo o seu principal executivo, Khalid al-Dabbagh.

Ao mesmo tempo, sua empresa de energia, Saudi Arabia, anunciou que estava adquirindo 20% da empresa Reliance Industries, uma processadora de petróleo da Índia. Após a conclusão do negócio, a Saudi Aramco irá fornecer 500 mil barris dias para a refinaria Reliance Jamnagar.

Sobre a oferta, o diretor financeiro afirmou que a oferta dependerá do acionista, o governo da Arábia Saudita. Mas o fato poderá ocorrer brevemente (aqui também).

Há um problema: o príncipe, Mohammed Bin Salman, insiste em avaliar a empresa em 2 trilhões de dólares, apesar da estimativa mais realista ser de 1,5 trilhão.

Recentemente, a empresa divulgou um lucro de 46,9 bilhões para o primeiro semestre. Um resultado pior que o ano passado, mas ainda assim expressivo. Em 2018, a empresa teve uma receita de 111 bilhões. Sendo avaliada a 1,5 trilhão, a oferta deverá arrecadar 75 bilhões.

02 julho 2019

Ainda Aramco

A Arábia Saudita estará a preparar uma oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês) da Aramco, a petrolífera que é a empresa mais lucrativa do mundo. A informação está a ser avançada pela Bloomberg, que cita fontes próximas do processo.

A Aramco terá encetado recentemente negociações com um grupo restrito de bancos de investimento para discutir os papéis que cada um terá naquele que será o maior IPO de sempre, segundo as mesmas fontes.

O IPO deverá ser realizado em 2020 ou 2021. Este é pelo menos o desejo do príncipe herdeiro Mohammed bin Salman.

Esta não é a primeira vez que a Aramco é notícia por causa do seu IPO. A operação de venda de ações foi anunciada, adiada, suspensa e finalmente cancelada no verão do ano passado.

O IPO da Aramco foi apelidado de "operação do século", prevendo-se que a venda de 5% do capital da petrolífera rendesse 100 mil milhões de dólares. Este montante avaliaria a empresa em dois biliões de dólares. E este continua a ser o objetivo da Arábia Saudita.


Fonte: Aqui

26 abril 2019

A prospecção da Aramco - Parte 2

Um aspecto da emissão do bônus por parte da Aramco pouco divulgado diz respeito a questão do clima. No prospecto, a empresa cita a palavra “climate change” 19 vezes. A Petrobras citou 6 vezes no seu balanço publicado em português, segundo contagem que fizemos.

Mas a Shell mencionou mudança de clima 69 vezes.

Indeed, last year the US state of Rhode Island attempted to sue a number of major oil companies, including Exxon and BP. The state accused the companies of contributing to climate change, and in turn damaging the state’s infrastructure and coastal communities; it sought damages for the costs of repairing roads and bridges, as well as “unspecified compensatory and punitive damages.” (It is currently lobbying to keep the suit in state court, rather than launch a wider federal battle.)

A prospecção da Aramco

A Saudi Aramco é uma conhecida dos leitores do blog. Já em 2017 fizemos postagens sobre o valor da empresa, sua governança, entre outros aspectos. O tempo passou e parecia que a empresa tinha esquecido a IPO, apesar da revelação de alguns números contábeis. Parecia que realmente a IPO tinha sido cancelada. As questões políticas podem ter prejudicado os planos do governo saudita.

Nos últimos meses a empresa volta a ser notícia com três fatos: (1) expansão, com aquisição de empresas; (2) divulgação dos resultados; e (3) emissão de títulos. Vamos analisar cada um dos aspectos.

Expansão - Em março, a empresa adquiriu a Saudi Basic Industires, na segunda maior operação dos últimos tempos, no valor de 69,1 bilhões de dólares, livre de dívida. Mais recente, a empresa estaria interessada em uma emrpesa indiana.

Divulgação dos resultados - Esta talvez seja a notícia mais comentada da empresa. Mais especificamente, a imprensa destacou o lucro de 111 bilhões de dólares de 2018, o que faria a empresa mais lucrativa do mundo.

Emissão de títulos - Em lugar da abertura de capital, a Aramco emitiu bonds recentemente, com maturidade de até 30 anos. Este talvez seja o fato mais importante e iremos detalhar a seguir.

Para emitir o título, a empresa preciso de uma nota de agência de rating. O Estado de S Paulo faz uma boa análise sobre a questão do rating da

Apesar do grande lucro, a gigante estatal do petróleo foi classificada por agências de crédito em linha com a Arábia Saudita, o que significa que a economia lenta do reino pesará sobre o custo de empréstimo da Aramco.
Os ratings são considerados nível de grau de investimento e indicam baixo risco de crédito, mas as agências não deram notas mais altas à Aramco devido a fortes ligações entre o reino saudita e a empresa. Especificamente, a Fitch observou "a influência que o Estado tem na empresa ao regular o nível de produção, tributação e dividendos". Sem as interferências estatais no comando da empresa, ela estaria em nível semelhante a petroleiras como Exxon Mobil, Chevron e Shell.
A Moody's disse que a Aramco pagou US $ 58,2 bilhões em dividendos em 2018 e US $ 50,4 bilhões em 2017. Ainda não está claro como esses dividendos são distribuídos dentro da monarquia saudita e de sua família governante. Já a Fitch disse que a Aramco respondeu por cerca de 70% da receita orçamentária do governo saudita entre 2015-2017, mas não ficou claro se esse número incluía os dividendos mencionados pela Moody's.

A questão importante disto é o prêmio pago pela empresa. Na emissão de três anos, o prêmio ficou 0,55% acima dos juros dos EUA (que corresponde a 2,288%). No título de cinco anos, o prêmio foi de 0,75%. Para os títulos de 10 anos, o prêmio foi de 1,05% e de 20 anos foi de 1,4%. (Fonte aqui) Nada mal, considerando a previsão da empresa, muito embora a emissão tenha sido feita após a divulgação do resultado (onde, veremos, existe um “detalhe” importante que ficou “esquecido”). E que a empresa cancelou/adiou a oferta de ações, o que poderia sinalizar problemas.

Neste sentido, a Reuters escutou alguns especialistas que concordaram que o lançamento do bônus foi positivo para a empresa. Um CIO disse que é um “crédito fantástico”, lembrando que a empresa é parte do governo da Arábia Saudita. Mas esta questão (e o problema da governança) é muito maior no lançamento de ações, o que não seria o caso.

Razão da Emissão - A questão mais interessante é qual a razão da empresa fazer uma emissão de títulos? Afinal é a empresa com o maior lucro do mundo, que gerou um caixa livre de 86 bilhões de dólares e possuía, em 31/12/2018, 48 bilhões de dólares em caixa.

"Esse título está sendo emitido por duas razões: para estabelecer o status da Aramco como uma identidade corporativa independente e para permitir a transferência de riqueza para fora da empresa", disse Marcus Chenevix, no texto da Reuters

Continua a agência de notícia:

Muitos vêem o acordo como um exercício de construção de relacionamento com investidores internacionais antes de sua oferta pública inicial programada, prevista para o ano passado e depois adiada para 2021.

Detalhe importante - Comentei, anteriormente, sobre um detalhe "esquecido" do resultado da empresa. Este detalhe é a alíquota do imposto de renda. Até 2017, o percentual da alíquota era de 85%. Recentemente o governo reduziu a alíquota para 50% (veja o prospecto, onde isto está dito).

Agora imagine um governo cuja a principal fonte de renda é uma empresa que paga 85% do seu lucro. De um exercício para outro a alíquota é reduzida. Usando a alíquota de 85%, a Aramco deveria ter um tributo de 181 bilhões de dólares, reduzindo seu lucro para 31 bilhões. Ou seja, o governo abriu mão de 80 bilhões de dólares de receita tributária. (Para fins de comparação, o PIB da Arábia Saudita é de 680 bilhões. Ou seja, "perdeu" 12% do PIB de receita)

A questão da governança aqui torna complicada esta questão. Se o dinheiro não foi para o governo, foi para o acionista, que é ...

27 agosto 2018

Aramco: temendo a evidenciação

Na novela que se tornou a oferta pública de ações da empresa estatal de petróleo da Arábia Saudita, a Aramco, um fato curioso. Segundo a Reuters, não haverá a oferta por um motivo simples. O rei, pai do príncipe, saiu da sua quase aposentadoria para dizer não. O motivo:

Os interlocutores do rei disseram-lhe que o IPO, longe de ajudar o reino, o enfraqueceria. Sua principal preocupação era que um IPO traria divulgação pública completa dos detalhes financeiros da Aramco, disseram as fontes.

Evidenciação é para os fortes.

23 agosto 2018

IPO da Aramco cancelada?

Ontem a agência de notícias Reuters divulgou que a oferta pública de ações da Saudi Aramco seria cancelada. A reportagem usou como fonte pessoas próximas do governo. Um dia depois, o ministro da energia da Arábia Saudita negou o texto da Reuters

Inicialmente, a Reuters informou que a decisão de não fazer a oferta de ações da Aramco já tinha sido tomada há meses. A estratégia para divulgar esta notícia passaria, inicialmente, pelo um atraso na oferta. Posteriormente seria feito a divulgação do seu cancelamento, segundo quatro fontes do setor. Quando da divulgação da notícia, a Reuters tentou entrar em contato com pessoas da empresa e não obteve resposta.

O plano de oferta estava dentro do objetivo do governo da Arábia Saudita em fazer pesados investimentos para reduzir a dependência do país com o petróleo. Para isto, seriam necessários recursos, obtidos a partir da venda de 5% de uma empresa que era avaliada, pelo governo saudita, em 2 trilhões de dólares.

A oferta enfrenta problemas sérios, como a dúvida sobre o valor de mercado - elevado segundo vários especialistas - e questões legais. Um potencial comprador das ações, a Rússia, teve uma série de problemas no passado com o governo saudita sobre a produção de petróleo.

O potencial cancelamento talvez seja decorrente da incapacidade do governo saudita em aceitar as regras de negociação de ação, o que inclui uma avaliação independente, governança, necessidade transparência e divulgação dos números. Além disto, a prisão de diversas pessoas ricas no final de 2017 piorou este cenário.

09 julho 2018

Alavancagem

Segundo a Reuters, a empresa de petróleo Aramco tem uma grande vantagem sobre os concorrentes: a resistência a queda nos preços.

o lucro líquido da Aramco caiu cerca de 21%, para US $ 13,3 bilhões em 2016 - quando os preços do petróleo caíram para US $ 27,10 por barril, devido a um excesso global de petróleo bruto. Em comparação, o lucro líquido da Exxon Mobil, a maior petrolífera listada no mundo, caiu 51% em 2016, enquanto o lucro aos acionistas da Royal Dutch Shell, a segunda maior companhia de petróleo na bolsa, caiu 37%, excluindo itens.


Isto corresponde ao que os livros chamam de alavancagem combinada. Ou seja, ao medir o efeito de uma alteração na receita no lucro líquido está observando o aspecto operacional (alavancagem operacional) quanto ao aspecto financeiro (após o lucro das operações).

Analistas estimam os custos de produção do gigante saudita abaixo de US $ 1 por barril, em comparação com US $ 10 por barril em lugares como a Rússia e até US $ 20-30 por barril em locais como o Mar do Norte.

(Gráfico, fonte aqui)

02 julho 2018

Tudo pela Aramco

Para atrair a maior oferta pública de ações da história, a bolsa de Londres criou uma categoria específica, para enquadra a Aramco. A empresa de petróleo da Arábia Saudita deverá fazer sua oferta pública, mas ainda não escolheu a bolsa. Criando uma categoria de "sovereign-owned firms" (empresa de propriedade soberana), a bolsa de Londres pretende aumentar suas chances de derrotar Nova Iorque e Hong Kong para sediar a oferta, informou a The Economist.

Os defensores dos acionistas e grandes investidores são críticos, dizendo que enfraquece os padrões de governança e as proteções dos acionistas minoritários

(Grato Sérgio Nazaré, pela dica)

13 abril 2018

Números da Aramco

Já postamos aqui sobre a oferta pública da Aramco, a empresa de petróleo da Arábia Saudita (aqui, aqui e aqui). A empresa decidiu por usar a IFRS e agora apareceram os primeiros números da empresa:

(...) um primeiro vislumbre das finanças da estatal petrolífera mostra que a Aramco produziu US $ 33,8 bilhões em lucro líquido nos primeiros seis meses de 2017, superando facilmente os titãs norte-americanos como Apple, JPMorgan Chase e Exxon Mobil Corp.

As contas, preparadas para um padrão IFRS, também mostram a sensibilidade da Aramco aos preços do petróleo. No primeiro semestre de 2016, quando o preço médio bruto era de US $ 41, a empresa teve US $ 7,2 bilhões com lucro líquido. Este ano, os lucros deverão ser significativamente maiores do que 2017 após a recente recuperação do preço do petróleo para mais de US $ 70 o barril.


Além disto, a empresa gerou um fluxo de caixa de 52 bilhões de dólares no início de 2017.