Translate

Mostrando postagens com marcador heritage assets. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador heritage assets. Mostrar todas as postagens

04 agosto 2022

Valor do Coliseu


A empresa de auditoria Deloitte, através da sua filial italiana, atribuiu um valor para o Coliseu. Segundo um estudo (via aqui), divulgado no site da empresa de auditoria, o monumento icônico da cidade de Roma tem um valor de 77 bilhões de euros. Somente sua contribuição com a economia italiana é de 1,4 bilhão por ano, segundo a Deloitte. 

A contribuição para o PIB é o parâmetro mais fácil de ser calculado. Em 2019, mais de 7 milhões de pessoas visitaram o Coliseu. Mas além do valor material, representado pelos benefícios econômicos que traz, o Coliseu tem um valor hedônico, representado, segundo a Deloitte, pelo prazer da proximidade e da vista. 

Mas o principal é o valor do Coliseu como ativo social, que no relatório da Deloitte recebeu a denominação de Valor do Ativo Social. 

na avaliação de um ativo icônico tão importante do patrimônio cultural do mundo, não se pode limitar a considerar apenas os benefícios financeiros que isso pode produzir, mas também o valor relacionado à importância que a sociedade reconhece na existência do bem, por todos os benefícios emocionais gerados por suas características únicas de ativos "icônicos", com mais de 2000 anos de história, o chamado valor da existência. Este valor de existência foi estimado, conforme sugerido pela literatura, referindo-se a quanto a comunidade estaria disposta a pagar (o chamado "Desejo de pagar") para preservar o bem, através do uso de técnicas de avaliação reconhecidas para a avaliação de ativos culturais e com base em uma pesquisa dedicada. 

A partir da pesquisa realizada para estimar o valor social do Coliseu, surgiu claramente a importância reconhecida pela sociedade. 97% dos entrevistados acreditam que a existência do Coliseu é muito importante ou importante. 87% dos entrevistados acreditam que o Coliseu representa a atração cultural mais importante em nosso país; 92% concordam que o Coliseu deve ser preservado em todas as circunstâncias. Além disso, mais da metade (52%) considera o Coliseu o principal fator na decisão de visitar Roma, apesar da imensidão do patrimônio histórico e cultural de nossa cidade. Finalmente, cerca de 30% dos entrevistados acreditam que apenas os italianos devem pagar pela conservação do Coliseu, enquanto que pelos 70% restantes, visitantes e em todo o mundo devem contribuir para a preservação do Coliseu, confirmando o valor reconhecido globalmente em nosso icônico ativo. 

Através do método do Método de Avaliação Continente, que se baseia na Disposição a Pagar detectada pela pesquisa realizada, foi estimado um valor de existência de 75,7 bilhões de euros, que foi adicionado ao valor relacionado às receitas geradas por ele (o chamado. valor da transação econômica) de 1,1 bilhão de euros, leva a um valor geral do Coliseu como ativo social de 76,8 bilhões de euros.

23 julho 2021

Rir é o melhor remédio

 

O Museu Britânico é composto por muitas peças que foram "retiradas" de seus países de origem de maneira questionável. Isto, por sinal, é uma questão contábil interessante: faz sentido reconhecer como ativo uma relíquia histórica de foi obtida de maneira questionável? 

14 agosto 2020

Ativo Roubado é Ativo?

 
Fonte do vídeo aqui 

O Museu Britânico é um dos mais ricos e famosos do mundo. Entretanto, sua história guarda um grande número de artefatos roubados. O vídeo trata deste assunto. Dos dez itens de destaques do Museu, segundo o próprio Museu, metade possuem uma origem duvidosa. A Pedra de Roseta, que ajudou a decifrar os hieróglifos egípcios, é uma das peças mais famosas e que foi retirada do Egito sem autorização. Ou seja, foi roubada do Egito. E muitos outros casos, como peças gregas e um acervo rico de peças do Reino de Benin.

E a contabilidade? - um dos grandes desafios da contabilidade é a mensuração de ativos culturais. O caso do Museu Britânico é muito mais desafiador. Afinal, um objeto roubado pode ser considerado um ativo? Veja que os reguladores não apresentam uma resposta satisfatória para este caso. Na lógica da apropriação do fluxo de caixa, a resposta seria sim. Os artefatos seriam um ativo do Museu Britânico. Mas é válido considerar desta forma? A ética do contador não deveria tratar disto de maneira melhor? 

17 abril 2019

Custo da construção de igrejas góticas em Paris

Marginal Revolution escavou uma dissertação de Amy Denning (com 20 páginas!!) que mostra o custo da construção de igrejas góticas entre 1100 a 1250. Segundo a tese, em média 21,5% da economia regional de Paris foi dedicada a construção das igrejas góticas (incluíndo Notre Dame), sendo 1,5% de custo da mão-de-obra implícita.

Denning trabalha com estimativas, mas indica na conclusão que os valores talvez sejam conservadores. Ela especula que o gasto excessivo com estas edificações tiveram os efeitos típicos de alocações ruins existentes em monopólios: crescimento ruim da economia, falha na inovação, recursos distribuídos de maneira inadequada, entre outros aspectos. Ela conclui o trabalho

Knowing the detrimental effects that resource misallocation has on economies, I stipulate that the costs of the ecclesiastical building campaigns could have added several hundred years to the Dark Ages

16 abril 2019

Notre Dame 3

Qual a razão de ficarmos horrorizados com um incêndio como Notre Dame? Quartz lembrou com precisão escritora crota Slavenka Drakulić

We expect people to die. We count on our own lives to end. The destruction of a monument to civilization is something else. The bridge, in all its beauty and grace, was built to outlive us; it was an attempt to grasp eternity. Because it was the product of both individual creative and collective experience, it transcended our individual destiny. A dead woman is one of us—but the bridge is all of us, forever.

Notre Dame 2

Uma visão otimista do incêndio de Notre Dame:

A destruição da catedral de Notre Dame é lamentável. Um ícone maravilhoso foi em grande parte destruído pelo fogo. No entanto, não devemos nos desesperar.

Parte da razão pela qual essa perda é tão perturbadora é porque estamos imersos em um modo de pensar ocidental que iguala a autenticidade à preservação dos materiais originais usados ​​para criar um objeto ou edifício.

Mas nem todas as sociedades pensam assim. Alguns têm noções bem diferentes do que é autêntico. Construções icônicas como o Palácio de Catarina na Rússia e os monumentos históricos do Japão da Antiga Nara foram restaurados com sucesso, às vezes após grandes danos, e hoje são apreciados por milhões de pessoas. (...)

a autenticidade de um edifício é determinada em relação à sua localização e configuração, uso e função, espírito e sentimento, bem como forma e materiais. (...)

Outra maneira seria restaurar a estrutura de maneira semelhante à do palácio de Catarina I, em que um olho não treinado tem dificuldade em distinguir entre as partes antiga e nova da estrutura. Dada a extensão do dano, esta seria a abordagem mais esteticamente agradável e menos dissonante.

Ao contrário de outros lugares de profundo significado cultural, que podem ser destruídos para sempre devido ao desenvolvimento comercial, a Notre Dame pode ser reconstruída. Com a tecnologia moderna, é totalmente possível que a catedral seja recriada com precisão aproximada ao original. Podemos fazer isso e manter o espírito e sentimento do prédio anterior.

Notre Dame


  • A discussão contábil sobre o incêndio em Notre Dame passa pelo conceito de heritage asset e sua mensuração
  • A estimativa do custo de reposição irá depender das decisões sobre restaurar ou replicar e o nível de detalhe na reconstrução do prédio.

O incêndio que atingiu a Catedral de Notre Dame deve ter chocado o leitor deste blog. Como nosso lema é “débitos e créditos da vida real”, fiquei na obrigação de escrever algo sobre o fato, sob a ótica contábil. Vamos cometar dois conceitos importantes: heritage asset e custo de reposição.

A contabilidade estuda edíficios como a Catedral de forma aprofunda há muitos anos e o termo usado é “heritage asset”. Este tipo de ativo fornece uma contribuição para sociedade, para uma nação, podendo ser um ativo físico, como a catedral, ou uma herança cultural intangível. Sabemos que um ativo como este possui um valor. A grande dificuldade da contabilidade é mensurar o quanto vale. Os métodos existentes não conseguem captar plenamente o “valor” de um heritage asset e seriam muito mais uma aproximação do seu valor real.

O incêndio destruiu um ativo. Mas certamente não sabemos o que isto representa em termos de unidade monetária. Uma das formas de mensurar é fazer uma estimativa de quantas pessoas visitavam este local e o que significava para a economia do local este turismo. Parece lógico e simples, mas isto não diz muita coisa sobre o valor; no caso de Notre Dame, “talvez” o incêndio possa atrair mais turistas que antes. (Aqui uma informação sobre as doações para reconstruir o prédio) Se isto ocorrer, a mensuração deveria indicar que ocorreu uma valorização contábil, o que não faz sentido.

Outro aspecto importante, também sobre a ótica contábil, é o conceito de custo de reposição (mas não o de custo corrente). O custo de reposição lida com a necessidade de reconstruir o local, da forma mais próxima ao que existia anteriormente. Certamente será esta a decisão dos franceses (mas não foi esta a decisão com respeito as torres gêmeas do 11 de setembro), o que implica no cálculo da reposição. Isto parece simples, mas o rigor na reposição pode afetar o montante que a França irá desembolsar para reconstruir Notre Dame. A decisão entre restaurar ou replicar o que existia mudará o valor da reposição. Se incluir os ativos portáteis também.

Um olhar sobre tragédias similares, como o incêndio do Palácio de Catarina (destruído pelos nazistas), o templo Toda-ji (restaurado no século XIX), o Museu Nacional, o Palácio de Inverno Russo e a Catedral de York, pode ajudar a entender um pouco o significado do incêndio em Notre Dame. Talvez não.

17 julho 2018

Turismo e Bens Culturais

Para se tornar Patrimônio Mundial da Unesco, um local deve submeter a um processo bastante competitivo. Mas muitos buscam este status para promover um local como atração turística e também ajudar na sua conservação. Mas segundo Jo Caust, um professor australiano, a chancela de Patrimônio por parte da Unesco tem um armadilha inesperada e pode estar ajudando a matar os locais que deveriam ser promovidos.

Segundo Caust, o principal ponto é justamente a atenção recebida pelo local. Após a promoção, existe um aumento no número de turistas. Isto pode trazer problemas que não existiam antes. Caust cita Hoi An, uma cidade do Vietnã, que teve um aumento de 22% no número de turistas em um ano. Hoi An foi considerada Patrimônio Mundial em 1999 e mesmo com a cobrança de ingresso, o número de turistas fez com que as casas fossem transformadas em cafés e lojas e as pessoas passassem a morar fora da cidade. Outra situação é Angkor Wat (foto), que recebeu o título em 1992. De 2004 a 2014, o número de turistas aumento em mais de 300%. Isto coloca em risco da estrutura da cidade, seja pela presença de muitos turistas, pela construção de grandes hotéis ou uso ilícito de água que afeta o lençol subterrâneo.

(É interessante notar que alguns modelos de avaliação de bens culturais levam em consideração o afluxo de turistas ao local. Diante dos fatos narrados por Caust, isto seria incoerente, já que aumenta o risco de destruição destes ativos)

14 setembro 2016

Ativos Culturais

Com o advento do processo de convergência da contabilidade pública brasileira aos padrões contábeis internacionais, os bens de uso comum devem ser incorporados ao patrimônio das entidades públicas responsáveis pela sua administração e controle, entre eles os ativos culturais (heritage assets). Em razão da natureza única que quase sempre cerca o registro desses valores, o presente estudo tem como objetivo identificar as práticas contábeis adotadas por cidades históricas no reconhecimento, mensuração e evidenciação dos ativos culturais no âmbito do Setor Público. Para tratar a questão da pesquisa, foram realizados estudos nas cidades históricas de Pirenópolis e Goiás [foto], situadas no Estado de Goiás, a partir da análise das contas do Ativo Permanente dos Balanços Patrimoniais relativos aos exercícios de 2013 e 2014, e efetuada uma entrevista com o diretor responsável pela Diretoria de Planejamento e Implementação de Sistemas do Tribunal de Contas dos Municípios do Estado de Goiás – TCMGO, entidade fiscalizadora desses Municípios. Os achados do estudo mostram que apesar de as duas cidades possuírem importantes obras como patrimônio histórico e artístico, tendo bens tombados há mais de meio século, e de essas obras tombadas atenderem aos critérios de reconhecimento, mensuração e evidenciação de ativos segundo a Teoria da Contabilidade, não há evidências de ativos culturais contabilizados. Entre as principais dificuldades está a falta de pessoal qualificado nas Prefeituras para a realização dos levantamentos e avaliações que serão necessários. (ATIVOS CULTURAIS: UMA ANÁLISE DO TRATAMENTO CONTÁBIL EM CIDADES HISTÓRICAS DO ESTADO DE GOIÁS. Lorena Almeida Campos, Vânia Arcelino dos Santos, Diana Vaz de Lima. Universo Contábil)

Além deste aspecto, a mensuração do valor de ativos culturais é muito subjetiva.