Translate

Mostrando postagens com marcador maconha. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador maconha. Mostrar todas as postagens

16 julho 2021

Mensuração do impacto econômico da Cannabis no Canadá


No The Walrus, o esforço que os canadenses fizeram para reconhecer o impacto da maconha na economia.  

Além de estabelecer protocolos semânticos, o StatCan enfrentou dois obstáculos centrais na determinação de como contar a maconha: quanto os canadenses usam? E quanto custa? Mas os economistas do StatCan queriam calcular esses números não apenas para o último trimestre de 2018, quando a maconha se tornou legal, mas para todos os anos desde 1961, que está tão atrás quanto as contas nacionais, pelo menos em sua forma atual. O raciocínio era que a maconha representa um aumento de cerca de US $ 6 bilhões por ano na atividade econômica. Sem considerar o ajuste, parece que o Canadá teve um 2018 extraordinariamente ótimo, uma ofensa contábil que os economistas do StatCan não puderam aceitar. 

Outros países não tiveram tais escrúpulos. Em 2014, depois que os países da União Europeia adicionaram drogas ilegais e trabalho sexual em suas contas, além de incorporar outras mudanças impostas pelas novas diretrizes internacionais, seus PIBs aumentaram, escreve Diane Coyle. O Reino Unido saltou cerca de 4%, a Espanha por 2,5%. Os da Finlândia e da Suécia provavelmente ganharam ainda mais, diz ela.

23 novembro 2020

Contabilidade da Cannabis


A contabilidade pode ser aplicada a qualquer negócio: empresa comercial, uma indústria, o governo, um bordel, aos negócios particulares e em negócios esdrúxulos. Daniel Hood escreve um artigo sobre a dificuldade de ser contador de uma empresa de cannabis nos Estados Unidos. Já discutimos isto aqui, com o caso do Canadá.

A contabilidade para empresa de cannabis é um nicho de mercado interessante. Nos Estados Unidos, alguns estados liberaram a produção e comercialização - sob determinadas restrições - do produto. Durante a pandemia, tudo leva a crer que cresceu o consumo do produto. O consumo do produto parece que resistiu à recessão, embora o abastecimento do mercado ilegal parece ter se aproveitado mais. 

Entretanto, há alguns problemas. Hood lembra que o setor possui um grande problema no acesso aos canais bancários normais: as instituições financeiras estão sob regulamentação do governo federal, que ainda não "legalizou" o negócio. Assim, as transações são basicamente em moeda corrente. E isto traz alguns problemas: roubo, extravio, dificuldade de pagamento de folha e a própria contabilidade. 

Consultoria profissional sobre como administrar um negócio somente em dinheiro é, portanto, crítico para as empresas de cannabis

E auditoria. E uma legislação confusa, onde a ausência de leis federais cria uma série de problemas para as empresas. Em alguns estados, as leis são de responsabilidade dos municípios. E cada localidade tem suas regras. Os softwares específicos possuem bugs e não existe pessoal especializado. 

25 janeiro 2018

Alucinações auditadas na Contabilidade

O título desta postagem parece coisa de jornal sensacionalista. Confesso que fiquei na dúvida se deveria ser um “rir é o melhor remédio” (uma postagem diária que fazemos no blog). Mas a notícia é séria.

A Bloomberg informou que no Canadá a adoção das normas de contabilidade internacional, as IFRS, estão trazendo números, para as empresas produtoras de maconha, estranhos. Em alguns casos, margens brutas de mais de 100%. São 84 empresas produtoras listadas com um valor de mercado perto dos 30 bilhões de dólares.

Em 2011 o Canadá passou a adotar as normas internacionais de contabilidade. Por estas normas deve-se utilizar o valor justo para os chamados ativos biológicos. Isto exige que as empresas estimem o valor das mercadorias plantas quando ainda estão crescendo, mas não produzindo.

Isso é parecido com contar suas galinhas antes de serem incubadas, deixando as empresas abertas para grandes amortizações e investidores tentando entender financeiramente [os números].

Segundo Al Rosen, um crítico mordaz das IFRS, é uma “alucionação auditada”. Ele declarou para a Bloomberg que "as demonstrações financeiras da maconha não têm absolutamente nada a ver com a realidade".

Ocorrendo uma valorização estimada no valor justo das plantas de cannabis com o seu crescimento, o resultado afeta o lucro bruto.

A Canopy Growth Corp. , a maior empresa de cannabis do mundo, com um valor de mercado de mais de C $ 7 bilhões, registrou uma margem bruta de 164% com a IFRS no terceiro trimestre (...) A diferença pode ser dramática. A margem bruta das IFRS da Canopy foi de 186% no terceiro trimestre de 2016, mas 60% após a remoção das métricas de valor justo, de acordo com Rosen.

Segundo a Bloomberg, citando um regulador canadense, parece que o IFRS Discussion Group pretende discutir o assunto da “cannabis accounting” (este foi o termo usado) em uma próxima reunião. Um dos problemas da “cannabis accounting” é a questão da estimativa do valor justo, já que o mercado legal do produto não está estabilizado. Além disto, a norma exige várias estimativas, como custos de crescimento, colheita e venda; rendimentos projetados da planta; e o preço pelo qual a droga será vendida, entre outros aspectos.

Em razão das regras, é possível que uma empresa tenha receita, mesmo não tendo vendido uma única grama do produto.

02 dezembro 2014

Maconha na China

A China tem uma das mais eficientes censuras do mundo. Mas isto não impede a criatividade da população. O site Quartz mostra que o culto ao dirigente máximo, Xi Jinping, também tem estendido para sua mulher, Peng Liyuan, uma ex-cantora. Xi tenta propagar a ideia paternalista do dirigente, designando de “papai” Xi e “mamãe” Peng.

Acontece que a pronuncia de “papai” em conjunto com “mamãe” resulta na palavra “maconha”. O jogo de palavra foi aproveitado – e depois proibido – para falar da nova era da China.

27 novembro 2014

Frase

É razoável supor que alguém está fazendo o trabalho contábil e fiscal para milhares de empresas que surgiram para atender a estes novos mercados legais.

(Dave McClure, CPA Pradtice Advisor, sobre o mercado de trabalho legal de contador no ramo de produção de maconha)

28 dezembro 2013

País do ano

A revista The Economist elegeu o país do ano. E o vencedor foi o Uruguai. Para esta revista, o Uruguai está fazendo uma reforma pioneira, que pode ajudar a melhorar o mundo: a liberação da cannabis. A The Economist considera que esta mudança pode ajudar os outros países a repensar a política tradicional de combater os usuários, comerciantes e produtores do produto, permitindo que o governo concentre em crimes mais sérios.

Além disto, lembra que o seu presidente é muito modesto e refere-se a lei como uma "experiência". Mais ainda, mora numa casa humilde, vai ao trabalho no seu automóvel e voa na classe econômica.