Translate

Mostrando postagens com marcador Trump. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Trump. Mostrar todas as postagens

21 julho 2021

Trump e seus negócios durante seu governo


Mesmo com perdas, receita dos negócios são mil vezes maior do que salário anual doado pelo ex-presidente dos Estados Unidos 

Em abril de 2017, o então secretário de imprensa dos Estados Unidos, Sean Spicer, subiu ao pódio na sala de reuniões da Casa Branca e anunciou que o presidente estava doando seu salário do primeiro trimestre ao Serviço Nacional de Parques. Com uma expressão séria no rosto, Spicer puxou um cheque enorme com uma assinatura enorme. Foi o primeiro de vários cheques que Donald Trump assinou enquanto estava no cargo, dando seu salário de US$ 400 mil por ano em troca de boa publicidade.  

A quantia era um trocado para Trump. Seu dinheiro real vinha dos seus negócios (ele se recusou a desinvestir), não de seu salário no governo. Uma análise de documentos, alguns dos quais só se tornaram públicos nas últimas semanas, mostra o quanto os negócios de Trump arrecadaram enquanto ele estava no cargo. Vasculhe tudo – incluindo registros de propriedade, declarações de ética, documentos de dívida e registros de títulos – e você encontrará cerca de US$ 2,4 bilhões em receita de janeiro de 2017 a dezembro de 2020.  

Se não fosse pela pandemia, teria ainda mais. Os negócios de Trump geravam cerca de US$ 650 milhões anualmente durante os primeiros três anos de sua presidência. Mas em 2020, as receitas caíram para cerca de US$ 450 milhões quando a Covid chegou. “Isso está me prejudicando, e está prejudicando o Hilton, e está prejudicando todas as grandes redes de hotéis em todo o mundo”, disse Trump em uma coletiva em março de 2020, na Casa Branca. “Está prejudicando a todos. Quero dizer, existem muito poucos negócios que estão indo bem agora.”  

A maior parte da receita de Trump fluiu por meio de seus clubes e propriedades de golfe, que geraram aproximadamente US$ 940 milhões em quatro anos. O Trump National Doral, um resort de golfe em Miami, contribuiu com cerca de US$ 270 milhões. Mar-a-Lago, o clube de Trump em Palm Beach, também na Flórida, arrecadou cerca de US$ 90 milhões. Um clube de golfe em Nova Jersey, onde o ex-presidente tem se hospedado neste verão, arrecadou cerca de US$ 60 milhões. Nem todo esse dinheiro acabou no bolso de Trump, no entanto. A administração dos clubes de golfe e dos resorts é cara, com margens de lucro operacional de 20% em tempos de bonança. Durante a pandemia, os campos tradicionais de Trump se saíram razoavelmente bem, mas seus resorts de golfe tiveram que lidar com longos períodos de paralisação, fazendo com que suas receitas gerais de golfe e clubes caíssem 27%, para cerca de US$ 190 milhões em 2020.  

Felizmente para Trump, ele também tinha participações em imóveis comerciais para reforçar seus resultados financeiros. Isso se provou especialmente importante em 2020, uma vez que os inquilinos comerciais – muitos presos a contratos de longo prazo – continuaram a pagar o aluguel. No 555 California Street, um prédio de escritórios em São Francisco no qual Trump detém uma participação de 30%, seu aluguel aumentou no ano passado, de US$ 42 milhões para US$ 43 milhões, de acordo com documentos analisados. A mesma coisa aconteceu na 1290 Avenue of the Americas de Nova York, onde a arrecadação de Trump aumentou de cerca de US$ 55 milhões para US$ 58 milhões.  

Os negócios de hotelaria, licenciamento e gestão, por outro lado, não se saíram tão bem. As receitas estimadas ficaram bem acima de US$ 100 milhões de 2017 a 2019, mas caíram para perto de US$ 50 milhões em 2020. Nenhuma parte do portfólio de Trump estava mais mal posicionada para suportar tal golpe, dado o peso da dívida de seus hotéis. Em seu hotel em Washington, DC, as receitas se estabilizaram em cerca de US$ 52 milhões de 2017 a 2019. Com a receita estagnada, o hotel não parecia estar produzindo lucro suficiente para cobrir os juros de seu empréstimo de US$ 170 milhões ao Deutsche Bank. As coisas só pioraram quando a Covid-19 chegou, e a receita caiu para menos de US$ 20 milhões. Não é de admirar que a Organização Trump tenha tentado vender o estabelecimento.  

Mas o ex-presidente não teve muita sorte em se livrar daquele hotel ou de outros ativos no ano passado. Trump se desfez de US$ 32 milhões em imóveis em 2017, estimados em US$ 53 milhões em 2018, depois US$ 32 milhões em 2019. Em 2020, porém, ele embolsou apenas US$ 435 mil com a venda de apartamentos em Las Vegas. A falta de vendas foi um dos motivos pelos quais as receitas caíram cerca de 25%, para estimados US$ 450 milhões. Uma quantia menor, com certeza, mas ainda mais de mil vezes o salário anual que ele doou.

Fonte: aqui. Foto: Daren Halstead

Isso é bem controverso, já que o presidente não permite o acesso a sua declaração do imposto de renda. 

02 julho 2021

Trump e os impostos


O diretor financeiro da Trump Organization, Allen Weisselberg, apresentou-se esta quinta-feira às autoridades de Nova Iorque, após ter sido acusado de vários crimes fiscais. 

Weisselberg, que trabalha para a empresa do ex-Presidente dos Estados Unidos Donald Trump há décadas e é uma figura-chave na empresa, entregou-se às autoridades criminais de Manhattan, Nova Iorque, esta manhã, acompanhado do seu advogado, de acordo com vários meios de comunicação social locais.O diretor financeiro da Trump Organization deve comparecer esta tarde a um juiz, ao lado de outros representantes do consórcio, que também já foram indiciados no mesmo caso. 

Nesta fase, Donald Trump não deve ser implicado no processo, nem qualquer membro da sua família.  

Por enquanto, os crimes imputados a estes gestores são desconhecidos, já que a acusação aprovada na quarta-feira por um grande júri foi mantida em segredo e os procuradores não divulgaram quaisquer pormenores.  

De acordo com o jornal The Wall Street Journal, as acusações estarão ligadas a situações de evasão fiscal, depois de o Ministério Público ter investigado se Weisselberg e outros funcionários da empresa evitaram ilegalmente pagar impostos sobre algumas indemnizações que receberam.  

Se os procuradores conseguirem provar que a empresa de Trump e os seus gestores evitaram sistematicamente o pagamento de impostos, podem abrir acusações mais sérias, acrescentou o jornal.  

A Trump Organization já reagiu a estas acusações, denunciando-as como uma “tentativa de prejudicar o ex-Presidente”.  

“Isto não é justiça. Isto é política”, disse um porta-voz da Trump Organization, citado por vários meios de comunicação social.  

As acusações serão as primeiras correspondentes às investigações que o procurador do distrito de Manhattan, Cyrus Vance, tem vindo a conduzir há cerca de três anos sobre os negócios do ex-Presidente dos Estados Unidos.  

As investigações da Trump Organization aceleraram nos últimos meses, com vários gestores a serem chamados para testemunhar perante um grande júri, em preparação de possíveis acusações.  

As investigações cobrem possíveis fraudes fiscais, seguros e outras infrações criminais, alegadamente cometidas antes da chegada de Trump à Casa Branca, em 2017.  

O processo pode incluir avaliações inflacionadas, descontos fiscais injustificados e contabilidade duplicada, adulterando as declarações ao Fisco durante vários anos.  

O procurador Vance conseguiu uma importante vitória, em fevereiro passado, quando obteve acesso a anos de declarações de impostos de Trump, após uma longa batalha legal na qual o Supremo Tribunal dos EUA acabou por rejeitar os argumentos do ex-Presidente para manter esses documentos confidenciais.  

O Ministério Público também tem investigado os pagamentos secretos de dinheiro que a campanha eleitoral de Trump terá feito à atriz pornográfica Stormy Daniels, para impedi-la de tornar pública uma suposta relação sexual com o então candidato à presidência, já que podem violar a legislação do estado de Nova Iorque.  

O ex-Presidente republicano sempre negou qualquer irregularidade e denunciou repetidamente que as investigações são resultado de uma “caça às bruxas” com motivações políticas, sustentada por procuradores democratas.

Fonte: aqui

04 outubro 2020

Estatística e Trump com Covid


O fato de Trump estar com Covid pode trazer algumas especulações sobre a doença e a estatística, conforme destacado por Falk (via aqui): 

1. A mortalidade para alguém como o presidente dos Estados Unidos é de 6%. Assim, as chances de mortalidade são realmente reduzidas. Se Trump se recuperar, fatalmente surgirão pessoas dizendo que isto é mais uma prova que o Covid não é uma doença grave. Ou, como afirma Falk, surgirão pessoas "estatisticamente analfabeta em vários níveis". 

2. A taxa de 6% é para um paciente padrão. Isto implica que os riscos de Trump são menores, já que ele receberá um tratamento melhor que outras pessoas. (Exceto se Trump for um idiota que realmente acredita que um determinado tipo de remédio irá fazer bem para ele, mesmo contra as indicações dos médicos)

3. Não se sabe muito sobre o quadro de saúde do presidente, o que faz com que as inferências de riscos sejam pobres. Se por um lado Trump tem um índice de massa corporal elevado, seu colesterol é baixo (vide figura acima)

Contabilidade? - situações como esta são interessantes para aprendermos mais sobre probabilidade e sua aplicação. E isto é importante nas mensurações contábeis. 

28 setembro 2020

Os truques usados por Trump



Ainda sobre Trump, a postagem do Dnyuz faz uma análise bem interessante sobre as revelações dos registros fiscais do presidente dos Estados Unidos. Enquanto Obama e Bush pagaram mais de 100 mil dólares por ano de tributos, Trump dirige um governo que ele contribuiu muito menos com a receita do imposto de renda. 

O site esclarece como Trump conseguiu isto. Com mais de 500 empresas, Trump não consegue gerar lucro em muitos dos empreendimentos. O prejuízo obtido em vários deles permite descontar o valor a ser pago de imposto de renda. O Hotel em Washington teve prejuízos de 55 milhões desde 2016. Os campos de golfe geraram perdas de mais de 300 milhões desde 2000. Algumas das perdas são reais, mas parece que em alguns momentos a vida do empresário foi salva pelo O Aprendiz, programa de televisão comandado por ele, e pela presidência, que gerou ganhos. 

Mas esta não é a única estratégia de Trump. Outra é considerar gastos pessoais como despesas operacionais de suas empresas. É o caso dos 70 mil dólares pagos para o cabelo no O Aprendiz. Ou as despesas de sua propriedade nem Westchester. 

Há casos estranhos que estão sob investigação e que podem ser glosados. Sua filha, Ivanka, recebeu como consultora da Trump Organization, onde é executiva. Uma elevada restituição de tributos obtida por ele ainda está em discussão. 

Para finalizar, as informações parecem indicar que Trump talvez ainda não tenha a sua vida financeira resolvida. Há diversas hipotecas não pagas de imóveis. Somente na Trump Tower isto significa 100 milhões que devem vencer em 2022. Alguns dos negócios que renderam dinheiro com ele na previdência, como o resort, não estão bem. E a briga com a receita tem um valor de 100 milhões. Apesar de ser ainda bilionário, as suas dívidas seriam de 421 milhões de dólares, com vencimento em quatro anos. 

Imposto de Renda de Trump


Há anos, o presidente dos Estados Unidos, Trump, nega a cumprir uma tradição dos políticos dos Estados Unidos: evidenciar o seu imposto de renda (aqui, aqui e aqui, por exemplo). Este dilema dura anos. Mas ontem o jornal New York Times divulgou o que seria a declaração do presidente Trump. A reportagem foi publicada no Brasil pelo Estado de S Paulo

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, pagou apenas US$ 750 em impostos federais em 2016, ano em que ganhou as eleições presidenciais, e não fez contribuição nenhuma em 10 dos 15 anos anteriores, diz uma investigação do jornal The New York Times publicada neste domingo, 27, sobre mais de 20 anos de declarações fiscais do mandatário. Trump negou as acusações.

Este tem sido o destaque dos sites de negócios nesta segunda. Uma das histórias ocorreu quando Trump, ainda não candidato ou presidente, criticou Obama por pagar só 20% de imposto. Há especulação de que Trump estaria quebrado, o que seria um golpe na sua fama de empresário de sucesso. Até celebridades apareceram para especular sobre o assunto.

Uma das razões para Trump pagar uma quantia irrisória de imposto seria os prejuízos que teve em certos negócios. Não deixa de ser irônico que a notícia do jornal saiu junto com uma pesquisa eleitoral, realizada junto aos contadores, que mostra que este profissional estaria apoiando o atual presidente. 

Discute se isto teria algum impacto político nas eleições. Talvez não, mas explorar que Trump gastou 70 mil dólares com seu cabelereiro quando estava no programa The Apprentice pode gerar desconforto. 

19 setembro 2020

Avaliando o hotel de Trump


No livro Casa Branca, Inc: Como Donald Trump transformou a presidência em um negócio, de Dan Alexander (um extrato via aqui) um exemplo de uso de múltiplo 

Basicamente os métodos de avaliação podem ser divididos em dois tipos. A primeira categoria inclui todos aqueles baseados na estimativa de um fluxo de caixa projetado do negócio, descontado por uma taxa que reflita o custo de oportunidade do capital. Este é o método mais recomendado pela literatura, por diversas razões. Um outro grupo abrange a avaliação baseada em um múltiplo. A partir de transações passadas, o analista utiliza uma informação relevante, como a receita ou uma medida física, para determinar o valor do negócio, usando um múltiplo para chegar ao resultado final. Este é o método mais usado. 

Um problema do uso do múltiplo é que o parâmetro usado pode variar de analista para analista e entre os setores analisados. É comum, por exemplo, usar a receita para alguns comércios varejistas, mudando somente o múltiplo usado. Mas para outro setor, clientes pode ser mais usual. 

Voltando ao livro de Alexander, o autor discute a avaliação de duas propriedades imobiliárias de Donald Trump, especificamente dois hotéis do presidente dos Estados Unidos. E no caso narrado por Alexander, a presença de Trump e seu nome nos negócios pode ser um problema. O texto analisa do Trump National Doral, em Miami, e o Trump International Hotel, em Washington.

O primeiro, Doral, é um resort localizado em Miami, com diária de mais de mil reais, chegou a hospedar um famoso torneio de golfe nas suas dependências. A presença do evento esportivo traz um grande número de clientes para o resort. Entretanto, o polêmico presidente afastou o torneio já em 2016, quando a organização do evento transferiu o mesmo para o México. O motivo foi o fato de que o nome Trump afasta patrocinadores que poderiam investir no torneio. A transferência fez com que o resort perdesse uma grande receita. Um operador de resort, citado por Alexander, chegou a dizer que a mudança do evento matou Doral. Mas não é somente isto; outros eventos que eram realizados na propriedade foram cancelados por conta da associação com o nome Trump. Segundo o autor, a marca Trump deixou de ser um ativo e passou a ser um risco. 

Somente entre 2015 e 2016 ocorreu uma redução na receita de 5%. Uma estimativa citada fala em 100 mil diárias perdidas após a eleição de Trump. Com 643 quartos, isto significa 155 dias de lotação (cem mil por 643 quartos) ou mais de cinco meses de ocupação. Em 2017 nova queda na receita. Como afirma Alexander, “um resort que se orgulha do serviço excepcional, cortar cursos não é fácil”; em outras palavras, a queda na receita provocou uma redução mais que proporcional no lucro. Isto é alavancagem operacional. Com efeito, segundo os dados de Alexander, os lucro reduziram em 66%. Em 2018 a receita foi de 76 milhões de dólares; no ano seguinte, de 77 milhões. Em alguns momentos, a ocupação do resort é de 15%, um valor muito baixo. Um ex-empregado chegou a dizer: “acho que tiveram o azar de seu proprietário se tornar presidente”. 

A outra propriedade é o Trump International Hotel, localizado na capital, com diárias acima de dois mil reais. O prédio onde está localizado o hotel foi dos Correios e construído em 1800. Em 2011, o governo federal licitou o prédio e a família Trump venceu o leilão. A família gastou muito dinheiro no prédio para fazer a conversão em hotel. Os números do hotel não são divulgados, mas a estimativa é que a receita do hotel, localizado na Avenida Pensilvânia, é algo em torno de 50 milhões de dólares por ano. O autor estimou a margem de lucro do hotel, baseado em uma série de inferências, em 11%. Um valor reduzido para o setor. 

O processo de avaliação começa com a decisão da Trump Organization em vender o hotel de Washington. A estimativa do vendedor seria uma receita de 68 milhões em 2020, com lucro de 6 milhões (lucro operacional antes de juros, impostos, depreciação e amortização, LAJIDA. Provavelmente o hotel está no prejuízo, já que possui uma dívida que deve levar boa parte do LAJIDA. Ou seja, o hotel de Washington dá prejuízo ao presidente Trump, o que é irônico, já que o presidente pretende ter uma imagem de gestor eficiente. 

Entre os interessantes pela compra, um investidor ofereceu US$175 milhões. O número do vendedor talvez seja 500 milhões, segundo Alexander. Aqui entra o processo de avaliação. Será que o hotel de Washington vale realmente 500 milhões? Parece que a maior oferta máxima seja de 240 milhões para um comprador agressivo. Eis a parte que interessa sobre a avaliação: 

Existem duas maneiras principais de descobrir quanto vale um hotel. A primeira é aplicando um múltiplo a seus lucros, o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização. Isso permite que os investidores em potencial vejam quanto tempo pode levar para recuperar seu dinheiro. Quanto mais agradável for o hotel, maior será a probabilidade de eles esperarem mais tempo. Para uma propriedade super luxuosa como a de Trump, pode-se esperar que alguém pague, digamos, 20 vezes o fluxo de caixa [o LAJIDA não é bem fluxo de caixa]. Se está gerando US $ 10 milhões por ano, por exemplo, há uma boa chance de alguém pagar US $ 200 milhões pelo local. Mas o lucro antes dos impostos e antes dos juros parecem ser de cerca de US $ 5 milhões. Nesse nível, Trump estava pedindo cerca de 100 vezes os lucros anuais. Um vendedor mais realista poderia ter pedido, digamos, US $ 100 milhões por uma propriedade que estava produzindo US $ 5 milhões por ano.

Dada sua grandeza, no entanto, é improvável que o hotel Trump valia apenas US $ 100 milhões, o que nos leva à segunda maneira de avaliar um hotel. Os investidores costumam aplicar um preço a cada quarto e multiplicar esse valor pelo número de quartos. (...) é possível considerar mais de US $ 1 milhão por quarto para o hotel de Trump. Valorizar algo é uma arte e não uma ciência. Sete especialistas em hospitalidade, falando entre janeiro e início de março, ofereceram estimativas de algo entre US $ 500.000 e US $ 1,2 milhão por quarto para a propriedade de Trump, após serem informados sobre suas baixas margens de lucro. A média foi de $ 761.000. Como o local tem 263 quartos de hotel, isso sugere que vale US $ 200 milhões. Essa parecia ser uma avaliação justa que levou em consideração tanto a renda quanto o preço por quarto.

O primeiro método apresentado parece múltiplo, mas trata de uma estimativa de fluxo de caixa, considerando uma perpetuidade na sua geração e uma taxa de desconto igual a 5% ou 1/20 (1). Outra possibilidade é usar o múltiplo de um negociação próxima. O Mayflower Hotel, com 581 quartos, foi negociado a 175 milhões. Isto corresponde a 300 mil por quarto. O valor multiplicado por 263 corresponde a menos de 100 milhões de dólares. 

Mas há dois fatores adicionais nesta análise. O comprador potencial do hotel pode ostentar que comprou o hotel do presidente dos Estados Unidos. Isto pode implicar em um adicional ao valor calculado, embora seja difícil imaginar quanto valeria este capricho, mas isto pode resultado em um valor de negociação acima do valor estimado por um avaliador. 

O segundo fator é negativo, que é a questão política. Com o coronavírus, o governo dos Estados Unidos conseguiu a aprovação de ajuda para diversos setores da economia, no valor de 350 bilhões de dólares. O governo oferece o apoio, desde que a empresa não demitisse. Os hotéis estavam entre os setores que poderiam se beneficiar. Mas os legisladores, ao aprovarem a ajuda, proibiram que empresas pertencentes a funcionários com altos cargos tivessem acesso ao empréstimo. Isto incluiu os hotéis de Trump, que tiveram que demitir e na reabertura não conseguiram um número de clientes adequado. 

Para complicar, a Trump tem uma grande dívida com o Deutsche Bank, o que significa uma posição complicada para a instituição financeira alemã. Renegociar empréstimo poderia parecer um favor ao presidente dos Estados Unidos, justamente quando o governo está investigando o banco. E não fazer pode ter um risco de retaliação. 

(1) A bem da verdade, os dois grupos de métodos devem ter uma convergência. O múltiplo nada mais é do que um fluxo de caixa descontado simplificado. 

09 agosto 2020

Donald Trump e a declaração do Imposto de Renda

Há tempos é uma tradição na política dos EUA o presidente abrir seu imposto de renda. Isto demonstra transparência na vida financeira do político mais importante daquele país. Mas esta tradição foi quebrada com o atual presidente, que recusou a entregar suas informações financeiras. Isto provoca uma curiosidade natural. Provavelmente Trump está querendo esconder algo. Uma notícia recente sobre este assunto:

O gabinete de Vance intimou a empresa de contabilidade de Trump, Mazars USA, em agosto de 2019, solicitando as declarações de impostos como parte de sua investigação, que até agora se acreditava estar focada em pagamentos ocultos feitos durante a campanha de 2016 para comprar o silêncio de duas mulheres que disseram ter tido relações com Trump, incluindo a atriz pornô Stormy Daniels. 

Cohen organizou os pagamentos para Daniels e a outra mulher, a modelo Karen McDougal. O escritório de Vance está investigando se alguma lei eleitoral do Estado de Nova York foi violada quando esses pagamentos foram feitos.

Há também uma desconfiança que Trump superestimou seu patrimônio. 

11 março 2020

Trump no Twitter

A atividade de Trump no Twitter tem relação com o mercado acionário, indica uma pesquisa recente. E a relação verificada foi no mercado europeu.

In this study, we examine the predictive power of the recently constructed Volfefe Index, the quantification of the tweeting activity of the U.S. president Donald J. Trump, on the dynamics of European stock markets. After controlling for a set of macroeconomic and financial factors, we show that the Trump Tweet factor contributes to the prediction of European stock market returns. The results obtained from a rolling-window regression approach indicate that the relationship between the Volfefe Index and European stock market returns is heterogeneous and time-varying. These dynamics coincide surprisingly well with a series of presidential tweets, identifying the directional effect of the Trump Twitter factor.

23 janeiro 2020

Trump ajudando a recrutar para a Ernst & Young?

“Quando conversei com ele [Trump], falamos sobre, francamente, talento e como podemos reter mais talento nos EUA, em particular o talento que vai para as melhores escolas e assim por diante. Ele foi muito a favor de reter esse talento nos EUA para que a EY pudesse contratá-los. Então isso foi muito bom. ”

- Carmine Di Sibio, o presidente e CEO da EY Global, que contou ao Yahoo Finance sobre sua breve conversa com o presidente Trump durante a reunião do Conselho Internacional de Negócios no Fórum Econômico Mundial em Davos, Suíça, em 22 de janeiro.

Fonte: Aqui

08 maio 2019

Trump e sua declaração de imposto de renda

Em 1987 a capa da revista Newsweek elogiava Donald Trump. Mas uma reportagem do NY Times mostra que Trump “parece” ser uma “fraude” nos seus negócios. Em 2017, o blog já comentava sobre a questão da renda de Trump:

Há mais de cinquenta anos, os candidatos à presidência dos Estados Unidos adotaram uma política de liberar seu imposto de renda. Apesar disto não ser obrigado por lei, o bom costume persistiu até a última eleição, quando o ganhador e bilionário Donald Trump recusou a divulgar seu imposto de renda.  A recusa levantou uma série de especulações sobre seus negócios, incluindo o não pagamento de impostos por algum tipo de dedução fiscal, e a existência de relações comerciais com a Rússia, fato que poderia gerar dúvidas sobre o apoio ou não daquele país ao candidato.  

A notícia do NYT (via aqui) é sobre o período entre 1985 a 1994, o que inclui a capa da revista. Neste período, os negócios de Trump estavam indo muito mal. Em 8 dos 10 anos, Trump não pagou imposto de renda.

"Suas perdas foram tão grandes que, em 1991, foram responsáveis ​​por 1% de todas as perdas de negócios declaradas naquele ano pelos contribuintes americanos", escreveu Susanne Craig .

Durante muitos anos, Donald escondeu sua situação financeira. Em 1985 ele perdeu 46 milhões de dólares e por uma década as perdas foram de 1 bilhão. E estas perdas fizeram ele não pagar os impostos.

Um fato curioso: Fred Trump, pai do presidente, só teve uma grande perda entre 1990 e 1991, de 15 milhões de dólares, investidos em um projeto do filho.