Translate

Mostrando postagens com marcador Wirecard. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Wirecard. Mostrar todas as postagens

09 dezembro 2022

Wirecard - começa o julgamento - 3

Markus Braun faz sua primeira aparição pública no tribunal hoje, mais de dois anos depois que sua empresa de pagamentos digitais Wirecard AG entrou em colapso sob o peso de alegações de fraude, eliminando bilhões em valor para os acionistas e destruindo os esforços da Alemanha para criar uma nova tecnologia. campeão rivalizando com o Vale do Silício.

O Tribunal Regional de Munique abriu o caso contra Braun (foto) e dois co-acusados na quinta-feira em um espaçoso tribunal localizado na prisão de Stadelheim, entre os maiores complexos penitenciários da Alemanha. Com mais de três dúzias de jornalistas registrados para acompanhar o processo, o julgamento deve se estender até 2024, enquanto os cinco juízes presidentes debruçam sobre o material coletado em mais de 700 pastas de documentos.


O caso refaz as etapas que antecederam os primeiros meses de 2020, quando a Wirecard travou uma batalha cada vez mais fútil para se mostrar uma pioneira em pagamentos digitais . No final, o negócio desmoronou rapidamente, com a Wirecard admitindo que mais de US $ 2 bilhões em dinheiro, reportados anteriormente, como meramente desaparecido, que provavelmente nunca existiam, e a empresa entrou com pedido de insolvência alguns dias depois, em 25 de junho de 2020.

Naquela época, Braun, um austríaco que nutria uma aura cerebral com seus óculos sem aro, já havia sido preso. Ele permaneceu sob custódia por quase dois anos, fazendo apenas uma breve aparição pública em Berlim, dois anos atrás, em novembro, onde foi interrogado por uma comissão parlamentar que tentava esclarecer o escândalo. Ele não forneceu informações sobre o que pode ter levado ao colapso da antiga queridinha de investidores e políticos.

Braun apareceu no tribunal na quinta-feira com o traje instantaneamente reconhecível e o suéter preto de gola alta, seguindo de perto enquanto os promotores liam as mais de 80 páginas de acusações.

O promotor Matthias Buehring detalhou como Braun, seu co-acusado e outros membros da Wirecard supostamente criaram um sistema elaborado de contas e pagamentos falsos para fazer com que provedores e investidores de crédito acreditassem que a Wirecrad era um negócio próspero.

"O objetivo era inflar o balanço e as vendas para fazer a empresa parecer financeiramente mais forte e vesti-la como mais atraente para investidores e clientes", disse Buehring. Eles queriam "ocultar que os negócios reais da Wirecard eram deficitários e que os empréstimos solicitados eram necessários para evitar seu colapso."

Sinais de aviso

A morte de Wirecard provou ser uma vergonha para as instituições reguladoras e políticas da Alemanha, porque as bandeiras vermelhas existiam há anos. Relatos contundentes de vendedores a descoberto como Fraser Perring e uma série de artigos do Financial Times questionaram a contabilidade dos negócios da administração na Ásia e no Oriente Médio, cobravam que a empresa sempre negou. Em vez disso, os promotores de Munique inicialmente ficaram do lado da empresa, chegando a investigar jornalistas e vendedores a descoberto em vez de Wirecard.

Como resultado do colapso da Wirecard, o chefe do órgão de fiscalização financeira de Bafin, Felix Hufeld, foi forçado a deixar o cargo no início de 2021.

Os promotores finalizaram sua investigação sobre o declínio e queda da Wirecard em março, depois de passar quase dois anos refazendo o desaparecimento da empresa. Eles acusaram Braun ao lado de dois co-réus - o ex-contador-chefe Stephan von Erffa e Oliver Bellenhaus, que dirigia uma empresa Wirecard em Dubai e que se tornou uma testemunha-chave.

Segundo os promotores, o trio "inventou negócios supostamente extremamente lucrativos, principalmente na Ásia" para acreditar que a Wirecard era uma empresa de sucesso. Na realidade, porém, os ativos em Dubai, Filipinas e Cingapura não existiam e a papelada foi forjada, segundo os promotores.

Grandes pagamentos

Os bancos pagaram empréstimos de cerca de 1,7 bilhão de euros (US $ 1,8 bilhão) e dois títulos totalizando cerca de 1,4 bilhão de euros, "operando sob a suposição equivocada de lidar com uma empresa DAX bem-sucedida, próspera, gerenciada adequadamente e, de qualquer forma, digna de crédito", escreveram os promotores em uma declaração quando eles entraram com sua acusação.

Ao relatar resultados fictícios, o trio manipulou mercados, usando números fabricados para buscar empréstimos, dizem os promotores, que acusaram os três homens de fraude agravada, manipulação de mercado e contabilidade falsa.

Braun também foi acusado de quebra de confiança ao fazer a Wirecard pagar mais de € 200 milhões a uma empresa obscura, uma manobra supostamente orquestrada com seu braço direito na época, Jan Marsalek, então diretor de operações da Wirecard. Parte do dinheiro foi canalizada de volta para os homens, segundo os promotores.

Marsalek fugiu quando o escândalo quebrou e permanece em local desconhecido. Ele agora está na lista dos mais procurados da Interpol e uma investigação de Munique contra ele e outros suspeitos continua. 

A reciclagem das atividades comerciais levou uma grande equipe de investigadores por mais de um ano, envolvendo mais de 40 mandados de busca somente na Alemanha e a recuperação de dados de lugares tão distantes quanto Maurício, Filipinas e Brasil.

Sem liberação

Embora a Alemanha tenha tido sua parcela de escândalos contábeis e colapsos corporativos de alto nível, poucos se comparam ao Wirecard porque o fracasso marcou a primeira vez que uma empresa listada no índice DAX de referência da Alemanha faliu. Wirecard era vista como o bilhete da Alemanha para o mundo dos sistemas de pagamento digital, quando o mundo fazia compras, jogava e se comunicava online. Quando tudo acabou sendo construído, políticos e reguladores enfrentaram questões difíceis sobre como uma economia sofisticada como a Alemanha poderia ter sido tão facilmente enganada e por que ninguém seguiu os alertas precoces.

Braun negou as alegações e insistiu que os negócios de parceiros estrangeiros no centro das alegações de fraude eram reais. O advogado dele, Alfred Dierlamm, disse que as evidências sugerem que Marsalek e outros criaram um sistema elaborado para canalizar dinheiro do Wirecard e para seus próprios bolsos, sem o conhecimento de Braun. 

Dierlamm não respondeu a um e-mail pedindo comentários. Sabine Stetter, advogada de von Erffa, disse que comentará o caso em sua declaração de abertura. 

Mas um tribunal de apelações de Munique que teve que decidir em várias ocasiões nos últimos dois anos se Braun poderia ser mantido em prisão preventiva não foi influenciado pelo argumento de Dierlamm, descobrindo em cada ocasião que as evidências contra o ex-CEO eram fortes o suficiente para mantê-lo sob custódia.

Dois lados

No próximo julgamento, os promotores se apoiarão fortemente em sua testemunha principal: Bellenhaus, ex-chefe do Dubai da Wirecard.

Um mês depois que a Wirecard declarou insolvência, Bellenhaus retornou a Munique e se entregou. Ele foi preso e está preso desde então, compartilhando seu conhecimento interno em uma longa série de entrevistas. Ele será fundamental para provar que o negócio do parceiro era falso, e é provável que o julgamento forneça dois lados contrastantes: o Bellenhaus cooperante de um lado e o Braun de obstrução do outro.

Conselho de defesa de Bellenhaus Nicolas Fruehsorger disse que espera um longo julgamento, dadas as estratégias de defesa conflitantes e o testemunho do co-acusado de seu cliente. 

"Mas tenho fé que a verdade baseada em fatos prevalecerá no final", disse ele.

Fonte: Accounting Today

Wirecard: começa o julgamento - 2

O julgamento do ex-presidente da empresa alemã Wirecard começou nesta quinta-feira (8), em Munique, dois anos e meio depois do colapso da empresa de pagamentos digitais que abalou o mundo financeiro e político.

Todos os olhares se voltaram para Markus Braun, o comandante da gigante do setor digital, cujo auge se revelou ilusório quando colapsou em junho de 2020.

O austríaco de 53 anos, em prisão preventiva desde o início da investigação, rejeitou as acusações de desvio de fundos e apresenta-se como vítima de estelionato, embora nunca tenha falado detalhadamente sobre os fatos.

Nesta quinta-feira ele começou a responder os juízes sobre sua identidade, segundo os jornalistas da AFP presentes na audiência.

O julgamento acontece dentro da prisão de Stadelheim, na capital da Baviera, e deve durar pelo menos até 2024.

Durante os anos de crescimento da Wirecard, Braun, um engenheiro de computação por formação, vestia-se como o ex-chefe da Apple, Steve Jobs, com gola alta escura, e espalhava uma visão de um futuro digital.

A Promotoria de Munique, porém, o considera um fraudador. E para o atual chanceler Olaf Scholz, então ministro das Finanças, foi o responsável por um escândalo "sem precedentes" na Alemanha do pós-guerra.

Braun é acusado de fraude contábil, manipulação de mercado, quebra de confiança e fraude em grupo organizado.

Também são julgados o ex-chefe de contabilidade, Stephan von Erffa, e o ex-diretor de uma subsidiária em Dubai, Oliver Bellenhaus, que serviu como "testemunha-chave" da acusação.

Em 2002, Braun assumiu a gestão desta empresa emergente que ganhava dinheiro com sites pornográficos e de jogos e a fez crescer até ser incluída no índice Dax da bolsa alemã em 2018.

Naquela época, a empresa de Aschheim (sul) valia mais que o Deutsche Bank, enquanto Braun, com 7% das ações, era bilionário.

Falta de supervisão

Mas a empresa quebrou em junho de 2022 [sic], depois que seus dirigentes reconheceram que um quarto de seus ativos, o equivalente a 1,9 bilhões de euros, não existia.


O braço direito de Braun e suposta figura central nesta fraude, o austríaco Jan Marsalek, está foragido desde então.

A trama ganhou contornos de um romance de espionagem com Marsalek suspeito de ter cúmplices nos serviços secretos e de estar ligado a interesses russos e líbios.

A investigação revelou que as contas da Wirecard entre 2015 e 2018 embelezaram a situação da empresa para torná-la atrativa para os investidores e continuar se financiando por anos, escondendo suas perdas reais.

Os acionistas perderam mais de 20 bilhões de euros com a falência e os bancos credores, cerca de 2 bilhões de euros.

O escândalo revelou falhas por parte do supervisor alemão dos mercados financeiros (BaFin), colocado sob a tutela do Ministério das Finanças, e da empresa de auditoria EY.

A classe política, incluindo a ex-chanceler Angela Merkel que viajou à China acompanhada de Braun, recebeu duras críticas de uma comissão parlamentar de inquérito que, no entanto, não conseguiu apurar a responsabilidade dos governantes.

Fonte: Exame. Foto: Paul Fiedler

18 março 2022

Wirecard


Depois de dois anos, os promotores da Alemanha acusaram o ex-CEO da Wirecard, Markus Braun, e dois outros executivos de fraude. Braun foi acusado de assinar demonstrações contábeis mesmo sabendo que não expressava a realidade da empresa. No caso, receita acima do real e saldo de caixa que a empresa não possuía.

A defesa alega que as acusações são falhas e Braun não teria conhecimento do que estava sendo feito por outros funcionários da empresas, os reais culpados. É difícil de acreditar. 

A empresa alemã destacou por ter um rápido crescimento no mercado, mas em 2020 cerca de 1,9 bilhão de euros, que deveria estar na conta corrente da empresa, "desapareceu". 

18 abril 2021

Reforma contábil na Alemanha perde força


Quando ocorreu o escândalo da Wirecard na Alemanha, parecia que as autoridades germânicas teriam uma grande oportunidade para fazer uma reforma no setor contábil do país. Na Inglaterra, os escândalos contábeis diversos levou a uma proposta de extinção do regulador, o FRC, e uma lei, que se for aprovada, irá ser mais pesada com as empresas de auditoria.

O problema da Wirecard realmente foi grotesco. A empresa fez desaparecer 2 bilhões de euros da sua conta caixa sem que o auditor notasse. Um jornal que levantou dúvidas sobre o que estava ocorrendo na empresa foi investigado pelo regulador alemão; o razoável seria o regulador investigar a empresa para tentar entender as denúncias. Eis que temos um ambiente propício para uma reforma do sistema. 

Mas depois de vários meses, o Accounting Today acredita que o momento passou e provavelmente o escândalo não deve ajudar no sentido de promover melhorias no sistema regulatório. Um parlamentar alemão responsável pela investigação afirmou claramente que o objetivo não é mudar o sistema e que os auditores fazem um bom trabalho. O parlamentar é do mesmo partido de Angela Merkel. 

E observe que as medidas não são tão radicais assim. Envolve reduzir o tempo para fazer o rodízio, de 20 para 10 anos. E penalidades para os auditores . O problema é que alterar o sistema de auditoria também irá demandar a alteração no regulador, envolvido no escândalo. Mas mesmo os opositores não estão motivados em mudar as regras. 

Um dos argumentos usados é que alterar as normas, punindo os auditores, poderá ser ruim para as empresas de pequeno e médio porte, que seriam expulsas do mercado, diante do risco mais elevado. 

Outro texto, do Financial Times, informa que o problema da Wirecard na verdade é mais antigo do que se pensava. Uma bela pizza alemã. 

28 março 2021

Wirecard e a auditoria


Quando a empresa alemã Wirecard começou a apresentar problemas, um aspecto de chamou a atenção foi a notícia que a empresa de auditoria não tinha observado que a informação de 1,9 bilhão de euro que a contabilidade interna informava não era verdadeira. 

Chamava a atenção não somente o valor, mas o fato de uma grande parte do "caixa" da empresa ter desaparecido sem que o auditor notasse. Afinal, um trabalho fácil para o auditor é conferir o caixa da empresa. O método das partidas dobradas torna isto fácil, não é mesmo?  

Agora surgiu uma "versão" da empresa de auditoria, tentando contar o que ocorreu. Segundo a EY, a empresa responsável pela auditoria da Wirecard, a equipe de auditoria reagiu as notícias do Financial Times de fevereiro de 2019. Um diretor da empresa de auditoria na Alemanha, Christian Orth, disse que a EY foi vítima de criminosos. Na sua versão, a EY adicionou mais funcionários e mais horas de trabalho para revisar a auditoria de 2018. E acrescentou que ocorreu uma mudança no relatório emitido pela empresa, sinalizando a "preocupação" da empresa. Mas o relatório não foi de rejeição das contas. 

Mas Orth reconhece que durante anos a EY não pediram nenhum extrato bancário mostrando que o dinheiro existia nas contas da empresa. Em lugar disto, os auditores "confiaram nas informações dos curadores". 

19 fevereiro 2021

Saga da Wirecard continua


Um tribunal da Alemanha convocou dois auditores da empresa Ernst Young para testemunharem perante uma comissão do parlamento. O testemunho envolve o trabalho realizado na contabilidade da empresa Wirecard AG.

A empresa Wirecard entrou em colapso em 2020 e a história guarda alguns segredos ainda não revelados. Questiona-se sobre o papel de um "espião" entre os executivos da empresa, a incompetência da entidade responsável pela fiscalização do mercado de capitais do país e o lugar da contabilidade neste drama. O escandâlo só foi revelado depois de uma série de reportagens do Financial Times. Logo no início, o regulador tentou frear a investigação do jornal. Mas uma investigação realizada por outra empresa de auditoria revelou uma diferença na conta caixa da empresa de quase 2 bilhões de euros. 

A empresa EY era responsável pela auditoria da Wirecard e não viu a ausência de 2 bilhões.

Imagem: aqui

30 setembro 2020

EY sabia dos problemas da Wirecard em 2016


A fraude na Wirecard trouxe vexame para sua empresa de auditoria, a EY. Os auditores passaram anos sem fazer uma checagem da conta bancária e no final faltaram quase 2 bilhões de euros na conta corrente da empresa. 

Recentemente o presidente da EY fez uma mea culpa do auditor. Mas parece que isto não será suficiente. O jornal Financial Times revelou que em 2016 um empregado da EY relatou suspeita de suborno e que os executivos da Wirecard poderiam estar cometendo fraude. Quase quatro anos antes do problema ter sido divulgado ao público. 

A notícia surgiu a partir da investigação que foi realizada por outra empresa de auditoria, a KPMG, que encontrou este fato. Entretanto, a informação terminou não sendo divulgada no relatório da KPMG, que implodiu a empresa alemã e o esquema de fraude existente. O Going Concern enfatiza que o Financial Times, novamente, apresenta uma investigação bem apurada sobre o fato. 

O documento obtido pelo FT é importante

O adendo de 61 páginas descreve as conclusões da KPMG que não estavam diretamente sob sua responsabilidade, mas que a empresa considerou tão significativa que decidiu relatá-las de qualquer maneira. O adendo, visto pelo Financial Times, equivale a uma acusação contundente da EY. De acordo com a KPMG, o denunciante não identificado da EY, em maio de 2016, enviou uma carta à sede da EY Alemanha em Stuttgart. A carta não abordou toda a extensão do esquema de fraude global da Wirecard que se desfez este ano, mas se concentrou em uma das quatro áreas contenciosas que foram o foco da auditoria especial da KPMG no final de 2019: uma série de aquisições na Índia que a Wirecard havia fechado no início 2016. A Wirecard pagou € 340 milhões pela Hermes i, GI Technology e Star Global, três empresas de pagamentos que comprou de uma entidade opaca de Maurício chamada Emerging Market Investment Fund 1A. O denunciante da EY afirmou que a “Wirecard Germany senior management” detinha direta ou indiretamente participações na EMIF 1A e, portanto, estava envolvida em um conflito de interesses.

Para complicar, parece que escândalo está chegando na política alemã:

Em uma peça de "análise de notícias" publicada no jornal de terça-feira, o FT relata que o escândalo está se aproximando cada vez mais da chanceler Angela Merkel, que certa vez fez um favor pessoal a um executivo sênior da Wirecard em nome da empresa.

Foto: aqui

16 setembro 2020

Presidente mundial da EY manifesta arrependimento pela Wirecard

 Demorou um pouco, mas...

En una carta dirigida a sus clientes, el presidente mundial de EY ha expresado su pesar por el hecho de que los auditores de su empresa no descubrieran antes el fraude cometido por la empresa alemana de tecnología financiera Wirecard, que ha quebrado

Para aqueles que não lembram, a empresa alemã Wirecard foi auditada muitos anos pela EY. Os auditores fizeram uma barbeiragem e não perceberam que a empresa estava manipulando a conta bancos. O arrependimento é um pouco tardio, já que jornalista do FT já tinham notado problemas com 

07 agosto 2020

Notícias da Wirecard

 

A empresa alemã Wirecard fracassou recentemente, após uma grande investigação de jornalistas ingleses. Depois de negar problemas, a empresa teve que contratar uma auditoria independente, que desacreditou os números contábeis, especialmente os valores do caixa e equivalentes. Basicamente, a empresa tinha 2 bilhões de dólares a menos que o informado nas demonstrações contábeis. 

Com a renúncia do seu executivo, as investigações apontam algumas coisas interessantes. Segundo o Financial Times, um ex-parceiro da empresa, chamado Christopher Bauer (cartoon), apareceu misteriosamente morto em Manila. A Wirecard tinha feito empréstimos para empresas vinculadas à Bauer, um pouco antes da fraude ser descoberta. Parece que através dos empréstimos, o dinheiro saiu da Wirecard, uma parte dele no início de 2020. Uma empresa, chamada Ocap, recebeu 100 milhões de euros; a empresa era chefiada por um ex-funcionário da Wirecard. 

Um diretor de uma empresa contábil da Cingapura foi preso e acusado de falsificar documentos para esconder os problemas na Wirecard. 

Há dúvidas se Bauer está realmente morto e mais investigações serão realizadas (via aqui)

31 julho 2020

Fraude Filmada

A fraude contábil da empresa alemã Wirecard será transformada em documentário, com lançamento previsto para 2021. A ascensão e queda da empresa correspondeu a um dos maiores escândalos contábeis da Alemanha. A "obra de arte" terá a direção de Raymond Ley, com produção de Nico Hoffman e Marc Lepetit.

A expectativa é que o documentário tenha seis episódios de 45 minutos cada. Também deverá existir um podcast da série que estará disponível no audionow.de.

10 julho 2020

Wirecard: Exceção ou Regra?

Eis um texto que trabalha sobre este aspecto:

Falhas repetidas no topo da profissão contábil desde que a Enron caiu 20 anos atrás mostram que o Wirecard não é um caso isolado, de acordo com os ativistas anticorrupção Transparency International (TI).

"Supervisores financeiros, auditores, bancos credores, analistas, gestores de fundos e políticos - todos agora estão enfrentando um enorme dilema", disse Stephan Klaus Ohme, chefe do grupo de trabalho sobre assuntos financeiros da TI Alemanha.

“Este caso levanta muitas questões: o Wirecard é apenas a ponta do iceberg? Que outros riscos podem surgir da crescente mudança de serviços públicos para prestadores do setor privado? Como podemos garantir que grupos de interesse poderosos não comprometam a eficácia da legislação? ”

A queda de Wirecard pode finalmente forçar uma ação em nível europeu. A BaFin levou mais de um ano para denunciar a Wirecard por fraude no mercado depois que um denunciante apareceu, e até defendeu a empresa diante das alegações feitas pelo Financial Times .

Sobre a proposta do FRC, entidade inglesa, o texto continua:

"Meu comitê foi claro em pesquisas anteriores que a reforma do setor de auditoria está atrasada", disse Darren Jones MP, presidente do comitê de negócios, energia e estratégia industrial. “Mas quando a reforma é tão necessária, por que as quatro grandes empresas têm quatro anos para aprovar essas mudanças?

“Também há dúvidas sobre até que ponto uma divisão operacional nesse sentido será capaz de resolver conflitos de interesse e se será suficiente para fornecer o desafio profissional e duro e o ceticismo necessários para realizar auditorias genuinamente de alta qualidade no interesse público. ," ele disse.

02 julho 2020

EY e Wirecard

A associação, conhecida como Schutzgemeinschaft der Kapitalanleger (SdK), disse que é inaceitável que demore 11 anos e uma investigação especial da KPMG para a EY aceite que falta 1,9 bilhão de euros no balanço da empresa de pagamento alemã [Wirecard].

Alega-se nas últimas semanas que os auditores não obtiveram confirmações de saldo de dois bancos com sede nas Filipinas nos anos de 2016 a 2018.

"Esse comportamento é incompreensível e levanta inúmeras questões", afirmou SdK em comunicado. "Verificar a existência de saldos bancários é uma das tarefas mais fáceis de um auditor e o procedimento é claramente regulamentado." (...) 

Ações judiciais privadas foram iniciadas na Alemanha e outro grande investidor no Wirecard, o conglomerado japonês SoftBank, também planeja processar a EY, de acordo com a revista alemã Der Spiegel. A SoftBank Investment Advisers, a subsidiária que administra o Vision Fund de US $ 100 bilhões da SoftBank, se recusou a comentar. (...) 

"Esse tipo de fraude não é novidade", disse Brian Fox, fundador da Confirmation, que permite que auditores e bancos certifiquem eletronicamente os saldos das contas. "Alguns auditores ainda estão usando procedimentos e técnicas de auditoria de 100 anos, desatualizados e facilmente manipuláveis ​​que permitem que a fraude escape pelas falhas".

Os principais bancos e instituições financeiras contam com trilhas de papel e tecnologias facilmente manipuladas para confirmar bilhões de dólares em ativos e recebíveis, disse Fox, tornando-os mais suscetíveis a fraudes e manipulação.

"Quando uma empresa deseja aumentar a receita registrando receitas falsas em suas demonstrações financeiras, a contrapartida deve ser" Dinheiro "ou" Contas a receber "", disse Fox.

"Nesse caso, com a Wirecard, eles registraram a entrada falsa de compensação em 'Cash' e contornaram os procedimentos de confirmação bancária dos auditores. Isso foi feito orientando os auditores a enviarem a confirmação do banco a uma pessoa que eles sabiam que responderia com as informações do saldo falso para corresponder ao que a empresa havia fornecido aos auditores. ”


Se encobrir a fraude, o autor usará contas bancárias falsas que realmente não existem, disse Fox à AccountingWEB. "O auditor acaba confirmando um saldo em dinheiro que eles consideravam legítimo e confirmado por um banco, mas na verdade era o fraudador interno que usava uma conta falsa".

Fonte: Aqui. Outro texto interessante está aqui. O autor toma grandes empresas dos EUA que tiveram boa parte da sua auditoria realizada pela EY da Alemanha. E lança dúvidas sobre os números reportados, já que a filial alemã foi enganada de forma, digamos, primária. 

01 julho 2020

Perguntas e Respostas no escândalo da Wirecard

Segundo o Financial Times (via aqui) a empresa de auditoria EY preparou um roteiro para conversas sobre o trabalho de auditoria realizado na Wirecard. Recentemente revelou-se que a empresa alemã não tinha 1,9 bilhão de euros. O roteiro é dizer que o objetivo da fraude era enganar os investidores e a EY. A empresa de auditoria destacou dois executivos para responder dúvidas das discussões.

O jornal inglês revelou na última semana que os auditores da EY falharam em solicitar, por três anos, informações sobre a conta bancária da empresa em um banco da Cingapura, onde deveria ter pelo menos 1 bilhão em dinheiro.

30 junho 2020

Regulador Alemão e Wirecard

Sobre os problemas com a empresa Wirecard, a Bloomberg faz uma análise crítica do regulador alemão - BaFin:

A BaFin falhou em acompanhar rapidamente seu trabalho, apesar de receber dicas de um denunciante e reclamações de outras autoridades reguladoras. Em vez disso, apontou o dedo para o outro lado: proibir temporariamente a venda a descoberto de ações da Wirecard e abrir uma investigação aos repórteres do FT. (...) Felix Hufeld, chefe do BaFin, pediu desculpas, mas também disse que o Wirecard era considerado uma empresa de tecnologia e não uma instituição financeira - uma tentativa bizarra de corrigir a culpa, uma vez que o Wirecard possuía seu próprio banco. Olaf Scholz, ministro das Finanças da Alemanha, disse inicialmente que "as instituições de supervisão trabalharam muito e fizeram o seu trabalho". Desde então, ele mudou de rumo, exigindo repensar a estrutura regulatória da Alemanha. (...) A Comissão poderia dar seguimento a sua própria investigação formal. Desde que esses inquéritos tenham dentes, eles mostrariam que mesmo a Alemanha não está além do escrutínio da UE. A Comissão deve também acelerar os planos de revisão da ESMA [European Securities Markets Authority]. No momento, é pouco mais que uma coleção de reguladores nacionais, sem poderes reais. Sem surpresa, a ESMA não conseguiu captar o que estava acontecendo na Alemanha.

Foto: Focus

26 junho 2020

Perguntas e Respostas sobre a Wirecard

No dia 19 de junho nós postamos sobre o desaparecimento de dinheiro da empresa alemã Wirecard. No início do mês já tínhamos postado que a empresa seria um exemplo de contabilidade ruim. Nesta semana, uma série de eventos fez com que a Wirecard fosse um dos assuntos mais comentados (veja gráfico do Google Trends)

A seguir, um conjunto de perguntas e respostas sobre o caso

O que faz o escândalo da Wirecard ser tão comentado?


São vários os motivos. A empresa foi a primeira da Bolsa de Frankfurt a entrar em falência. Era um orgulho da Alemanha, sendo uma grande empresa. Mas talvez o que faz o escândalo ser comentado é como ocorreu: quase 2 bilhões de euros que a empresa afirmava existir em conta corrente em nome da empresa não existia. Geralmente esperamos que as manipulações aconteçam em ativos que são fáceis de serem manipulados e dinheiro em bancos não é o caso.

A empresa de auditoria errou?

A empresa responsável pela auditoria, a EY, afirma que ocorreu uma fraude sofisticada e que mesmo os procedimentos de auditoria não permitiram descobrir a fraude. Mas isto parece muito difícil de aceitar, já que existiam denúncias anteriores (por parte do Financial Times) e somente agora ela se pronunciou sobre o erro. Talvez tenha existido um problema de viés de confirmação por parte do auditor.

Como a gestão da Wirecard conseguiu fazer tantas pessoas de bobo?

Esta é uma questão mais complicada. Mas o apoio incisivo do regulador alemão, quando surgiram as primeiras denúncias, tem um papel muito importante. O fato de que para algumas pessoas, a denúncia de um jornal, nos dias atuais, é considerada “manipulação” e “distorção” talvez ajude a explicar. Finalmente, sendo negociada na bolsa e tendo entregue resultado nos anos anteriores, a empresa estava acima de qualquer suspeita.

O que deve acontecer agora?

A empresa possui dívidas de 4 bilhões de dólares. Os financiadores deverão ter perda total deste empréstimo. O responsável foi preso, mas pagou 5 milhões de euros para responder em liberdade o processo. Acredito que deva sobrar para o regulador alemão, que agiu protegendo a empresa. A EY talvez saia do escândalo com um pequena multa. A Comunidade Europeia já começou a investigar o caso

Como isto pode prejudicar a contabilidade?

A palavra contabilidade está sendo colocada junto da palavra escândalo. Haverá uma perda de reputação, assim como ocorreu com outros escândalos. E novamente com a forma como o mundo criou o mecanismo de certificação da qualidade da informação, que parece que precisa ser revisto - mas que provavelmente não será.

19 junho 2020

Wirecard

A Wirecard é uma empresa alemã de produtos financeiros. Fundada em 1999, a empresa possui operações em diversos países do mundo. Em 2018, suas receitas chegaram a dois bilhões de euros.

Em janeiro do ano passado, o jornal britânico Financial Times informou que o principal executivo era suspeito de falsificação e lavagem de dinheiro nas operações asiáticas. A empresa afirmou que o jornal foi impreciso, enganoso e difamatório, afirmando que iria processá-lo por manipulação de mercado. O promotor público alemão entrou no caso contra o jornalista Dan McCrum. Meses depois, em outubro, o Financial Times publica o que seriam as planilhas contábeis internas da empresa. Também em 2019, a empresa contrata a KPMG para uma auditoria independente sobre o assunto; a empresa afirmou depois que a auditoria não encontrou nenhum problema.

Já em 2020, o auditor informou que não tinha recebido todas as informações para ter as conclusões adequadas. Com esta declaração, as ações caíram 26% na bolsa. Em junho, a sede da empresa foi revista pela polícia e ontem a empresa informou que faltava 1,9 bilhão de euros em dinheiro. O CEO renunciou em razão do comunicado de dois bancos da Filipinas sobre o dinheiro da Wirecard, depois de sugerir a existência de fraude. Ele foi substituído pelo executivo de compliance da entidade. Há um receio de que a empresa declare insolvência neste final de semana. Há uma crítica severa aos reguladores alemães, que parecem ter protegido a empresa - ao proibir especulação com a ação em 2019 e investigado os repórteres do Financial Times.

Resumindo: em 2018 o valor da empresa era de 28,6 bilhões de euros. Hoje está em 2,6 bilhões.

Contabilidade - Um aspecto importante é que a Wirecard atrasou a publicação das demonstrações anuais de 2019, depois da denúncia. Os auditores, da EY, anunciaram na quinta que faltava o dinheiro em caixa que a empresa tinha afirmado existir anteriormente.

 Em uma postagem anterior neste blog falamos da Wirecard como uma exemplo de trabalho ruim da EY, lembram? Parece que vai sobrar para o auditor também. As denúncias do FT foram do início de 2019. Há um ano e meio. E somente na quinta feira é que o auditor alertou que faltava 1,9 bilhão. Em setembro, as demonstrações apontavam um caixa de 2,3 bilhões de euros de caixa líquido. E o auditor não falou nada sobre o assunto.

A Bloomberg lembrou que existe um ditado que afirma que "lucro é opinião, caixa é fato". Mas concentrar no caixa pode deixar de lado alguns sinais. Um deles: qual a razão de um banco da Bavária deixar tanto dinheiro na Filipinas?

Outro aspecto é que a auditoria especial da KPMG tinha levantado algumas dúvidas, mas a empresa limitou a divulgar um resumo - manipulado, óbvio - do trabalho da KPMG.