Translate

Mostrando postagens com marcador Facebook. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Facebook. Mostrar todas as postagens

02 agosto 2022

Meta longe do valor máximo

 

Eis a evolução das ações da empresa Meta (ou Facebook). De um valor de 380 por ação, em 2021, a ação chegou a 160, o mesmo valor de 2020. Em termos de valor de mercado total, a empresa viu desaparecer 650 bilhões de valor em dez meses. 

Na sexta a empresa deixou de estar entre as dez maiores por valor de mercado dos Estados Unidos:

Há várias explicações para o comportamento do mercado: redução da receita, aumento das despesas, restrição de rastreamento nos iPhones da Apple (e efeito sobre receita) e processos legais. E parece que o consumidor está cansado da empresa. 

01 agosto 2022

Política e Mídia Social

 O trabalho foi realizado no Brasil e focou na expansão da mídia social. O abstract:

We study the relationship between the spread of social media platforms and the communication and responsiveness of politicians towards voters, in the context of the expansion of Facebook in Brazil. We use self-collected data on the universe of Facebook activities by federal legislators and the variation in access induced by the spread of the 3G mobile phone network to establish three sets of findings: (i) Politicians use social media extensively to communicate with constituents, finely targeting localities while addressing policy-relevant topics; (ii) They increase their online engagement, especially with places where they have a large pre-existing vote share; but (iii) They shift their offline engagement (measured by speeches and earmarked transfers) away from connected municipalities within their base of support. Our results suggest that, rather than increasing responsiveness, social media may enable politicians to solidify their position with core supporters using communication strategies, while shifting resources away towards localities that lag in social media presence.

O último parágrafo da conclusão é desanimador:

With those caveats in mind, our evidence provides additional reasons to be skeptical of positive effects of social media on political accountability, even leaving aside concerns with “fake news” or misinformation that have become widespread in recent years. Social media can empower politicians relative to voters, and make them overall less responsive as a result.

04 fevereiro 2022

Facebook e o fracasso da sua criptomoeda


Há alguns meses, o Facebook anunciou com grande alarde a criação de uma moeda. Em parceria com algumas empresas com nome na área financeira, como Paypal e Visa, a empresa que possui uma grande participação nas redes sociais, parecia ser uma ameaça para os bancos tradicionais e os próprios bancos centrais.

Se o surgimento da moeda foi notícia, quase não se fala do seu fracasso. Um artigo do The Washington Post , de autoria de Elizabeth Dwoskin e Gerrit De Vynck, deixa claro que os problemas da moeda estão relacionados com conflitos internos e questões regulatórias:

Diem foi efetivamente condenado desde o início, disseram pessoas familiarizadas com o tema. Foi anunciado em 2019, com grande alarde, sob o nome de Libra. Os governos estrangeiros, os membros do legislativo e reguladores expressaram medos sobre o projeto de imediato, dizendo que o Facebook não estava preparado para resolver as preocupações com lavaem de dinheiro, proteção ao consumidor e outros riscos financeiros em potencial.

É bom lembrar que meses antes a empresa tinha sido um grande fracasso em controlar a manipulação da rede durante as eleições e existiam denúncias de venda de informações dos usuários para a Cambrigde Analitys. Afinal, como confiar um tema tão sensível à uma empresa com tão baixa credibilidade? Agora temos o seguinte:

Dois anos depois, após uma mudança de nome para Diem e uma revisão do projeto, para que fosse atrelado ao dólar dos Estados Unidos, criando mais estabilidade, [o projeto] enfrentou uma resistência maior dos reguladores, que disseram que a empresa agia de maneira arrogante. 

Alguns chegam a dizer que a reputação e confiança condenaram o projeto desde o início. Diversos episódios fortaleceram esta análise, como o ataque ao Capitólio e monitoramento da rede em diversos países. 

Foto: Kate Winegeart

O uso inexplicável de uma tecnologia


Como o uso da tecnologia pode ter uma razão inexplicável. Eis um caso: 

Em 2018, a equipe do Facebook tinha um quebra-cabeça nas mãos. Os usuários cambojanos representavam quase 50% de todo o tráfego global da função de voz do Messenger, mas ninguém na empresa sabia o porquê, de acordo com documentos divulgados pela denunciante Frances Haugen.

Um funcionário sugeriu a realização de uma pesquisa, de acordo com documentos internos visualizados por Resto do mundo Tinha a ver com baixos níveis de alfabetização. eles se perguntaram? Em 2020, um estudo do Facebook tentou perguntar aos usuários em países com alto uso de áudio, mas só conseguiu encontrar um único entrevistado do Camboja, mostraram os mesmos documentos. O mistério, ao que parecia, permaneceu sem solução.

Surpreendentemente, a resposta tem menos a ver com o Facebook e mais com a complexidade da linguagem Khmer, e com a maneira como os usuários se adaptam a uma tecnologia que nunca foi projetada com eles em mente.

No Camboja, todos, desde motoristas de tuk-tuk até Primeiro Ministro Hun Sen prefere enviar notas de voz em vez de mensagens. O estudo do Facebook revelou que não eram apenas os cambojanos que favorecem as mensagens de voz - embora em nenhum outro lugar fosse mais popular. No estudo, que incluiu 30 usuários da República Dominicana, Senegal, Benin, Costa do Marfim e o único cambojano, 87% dos entrevistados disseram que usavam ferramentas de voz para enviar notas em um idioma diferente daquele definido em seus aplicativos. Isso aconteceu no WhatsApp - a plataforma mais popular entre os entrevistados - junto com o Messenger e o Telegram.

No caso do Camboja, nunca houve uma maneira fácil de digitar Khmer. Enquanto Khmer Unicode foi padronizado bastante cedo, entre 2006 e 2008, o próprio teclado ficou para trás. Os desenvolvedores do primeiro teclado de computador Khmer tiveram que acomodar os 74 caracteres do idioma, o máximo de qualquer script do mundo.

Fonte: aqui

22 fevereiro 2021

Facebook versus Austrália


A Austrália impôs, recentemente, uma medida contra os sites que usam as notícias produzidas pelas agências de notícias sem efetuar nenhum pagamento. O Facebook reagiu, cortando qualquer link de notícia para os residentes na Austrália. Diante da reação da rede social, as autoridades estão querendo cortar vínculos, incluindo de publicidade.

Duas notícias recentes sobre o tema. Primeiro, o Canadá parece estar pensando em medida semelhante. A segunda é que há um princípio de negociação entre Austrália e Facebook.

Imagem: aqui

19 fevereiro 2021

Facebook versus Austrália: uma visão alternativa


Ontem a rede social Facebook bloqueou o acesso dos australianos as notícias. Era uma reação a uma medida do governo da Austrália sobre o pagamento de conteúdo na rede. Uma visão alternativa do problema aparece no The Conversation. Eis o argumento central:

Para qualquer economista, o objetivo da política de concorrência é estimular a concorrência. Nesse caso, mais opções de plataforma digital para os consumidores ou mais opções de conteúdo de notícias. 

Mas a legislação do governo parece ter sido concebida exclusivamente para cumprir nenhum dos dois. 

O código permite que as organizações de notícias negociem com grandes plataformas digitais sobre coisas como como seus algoritmos funcionam para priorizar o conteúdo e dinheiro. 

E o dinheiro é o que realmente importa. As organizações de notícias querem mais, as grandes plataformas digitais têm. É simples assim. 

O código capacita organizações de notícias a obter dinheiro de plataformas digitais por 

  • tornando-o ilegal para plataformas digitais que não pagam para fornecer links para notícias australianas, dando aos grandes meios de comunicação um poder de negociação de quase monopólio 
  • permitir que negócios sejam feitos sem a necessidade de autorização de regulador preocupado com o interesse público 
  •  fornecer um tapa-buraco regulatório caso isso não aconteça, cujo projeto é inclinado no interesse de uma das partes
Esta última etapa requer uma pequena explicação. 

Não é desconhecido, especialmente na Austrália, que a política de concorrência funcione permitindo primeiro que as partes negociem e, em seguida, impondo um acordo regulamentado apenas se elas falharem. 

E normalmente trata-se de capacitar o rapaz , na crença de que é isso que leva a resultados socialmente desejáveis. 

18 fevereiro 2021

Facebook versus Austrália


Tudo começou quando a Austrália passou uma lei obrigando o Facebook a pagar pelas notícias produzidas pelos editores de notícias do país. Ontem, quarta, o Facebook anuncia que não irá permitir mais links para artigos de notícias na Austrália. Ou seja, os usuários australianos não poderão conectar-se a nenhum artigo de notícia e os editores de notícias não terão permissão para postar no Facebook. Mais ainda, os usuários do Facebook no resto do mundo não poderão ver ou compartilhar os links relacionados com as fontes de notícias da Austrália (via aqui

Muito radical. Mas a Facebook fez a ameaça de retaliação antes da lei ser aprovada. O Google (que hospeda este blog) tinha feito um acordo para fazer pagamentos à News Corp, um agência de notícias da Austrália, em troca das notícias. A Microsoft também parece ter concordado. 

O Facebook diz que a lei penaliza a empresa: os usuários e editores tomaram livremente a decisão de postar artigos na rede social. 

O mercado australiano é reduzido, assim como as postagens de notícias no Facebook da Austrália. A questão é mais ampla: como ficaria se todos os países começassem a aprovar leis deste tipo? Discussão boa aqui.

Cartoon aqui

09 agosto 2020

Vivendo sem os Gigantes da Internet

Depoimento interessante sobre como seria a vida sem Amazon, Facebook, Google, Apple e Microsoft. Eis um trecho:

Em seguida bloqueei Amazon, Facebook, Google, Apple e Microsoft, uma por uma - e então todas de uma vez - ao longo de seis semanas. De longe, Amazon e Google foram as empresas mais difíceis de evitar. 

Para eliminar a Amazon da minha vida, tive que perder o acesso a qualquer site hospedado pela Amazon Web Services, maior provedora de espaço na nuvem da internet. Muitos aplicativos e boa parte da internet usam os servidores da Amazon para hospedar seu conteúdo digital, e uma grande fatia do mundo digital se tornou inacessível quando me despedi da Amazon, incluindo a Netflix, concorrente do Amazon Prime Video.

A Amazon também foi difícil de evitar no mundo real. Quando usei o eBay para encomendar um suporte de celular para o carro, o produto chegou em uma embalagem da Amazon, porque o vendedor usou a opção “Enviado pela Amazon", pagando à empresa pelo armazenamento e envio do seu produto. Quando bloqueei o Google, a internet inteira ficou lenta para mim, pois quase todos os sites que eu visitava usavam o Google para o fornecimento de suas fontes, anúncios, rastreamento de usuários e identificação de humanos ou bots. Ao bloquear o Google, perdi acesso ao serviço de armazenamento de dados Dropbox porque o site pensou que eu não era uma pessoa de verdade. Uber e Lyft pararam de funcionar para mim porque ambos dependem do Google Maps para sua navegação. Descobri que, na prática, o Google Maps exerce um monopólio no segmento dos mapas on-line. Até a Yelp, que há muito critica o Google, usa os mapas da empresa para dizer aos usuários de computador onde se localizam os negócios. (...)

Com frequência, diz-se aos críticos das grandes empresas de tecnologia que “se não gostam das empresas, não usem seus produtos". Depois de realizar esse experimento, posso concluir que é impossível fazer isso. Não se trata apenas dos produtos e serviços que recebem diretamente as marcas dessas gigantes, mas também do fato dessas empresas serem donas de uma série de produtos e serviços mais obscuros dos quais é difícil desvencilhar, as ferramentas das quais dependemos para tudo que fazemos, seja no trabalho ou para chegar do ponto A ao ponto B.

Fonte: 

Tentei viver sem as gigantes da tecnologia, e foi impossível. Kashmir Hill, The New York Times 03 de agosto de 2020 | 10h00. Imagem: aqui

09 abril 2020

Uso da internet e o Covid

Os gráficos mostram quem está ganhando (e quem está perdendo) com o Covid. É interessante notar que o boom do Facebook começou com outra crise, a financeira de 2008. Coincidência?

No The Conversation um longo artigo (com muitos links) sobre a pornografia e o momento atual.Aqui um texto sobre o Google Trends e o Covid

29 dezembro 2019

Fracasso da Libra

O projeto de criação da moeda digital libra, do Facebook, falhou em sua forma atual e precisa ser reformulado para ser aprovado, disse o ministro das Finanças da Suíça, onde a criptomoeda está buscando aprovação.

“Eu não acho [que a libra tem uma chance em sua forma atual], porque os bancos centrais não aceitarão a cesta de moedas”, disse o ministro Ueli Maurer à emissora SRF. “O projeto, desta forma, fracassou”, acrescentou.

A Associação Libra não respondeu imediatamente a um pedido de comentários.

VEJA TAMBÉM: BR Distribuidora acerta venda de fatia de 49% na CDGN Logística

Os planos para a moeda digital liderada pelo Facebook, a ser emitida e administrada pela Associação Libra, com sede em Genebra, levantaram preocupações entre reguladores e políticos ao redor do mundo, que vão desde a privacidade até o potencial de influenciar a política monetária e mudar o cenário financeiro global.

Representantes do projeto, incluindo o co-criador David Marcus, do Facebook, disseram que os obstáculos regulatórios podem adiar o lançamento para além da data planejada em junho do próximo ano.

A proposta da libra prevê que a criptomoeda deve ser apoiada por uma reserva de ativos, como depósitos bancários e dívidas governamentais mantidas por uma rede de depositários. Essa estrutura visa promover a confiança e evitar as oscilações de preço que afetam outras criptomoedas como o bitcoin.


Fonte: Aqui

15 novembro 2019

Adeus Libra?

A moeda digital Libra começou a ser criada em 2017. Em maio de 2019 tivemos a confirmação de que o Facebook planejava lançar um moeda digital. O anúncio ocorreu em junho, com previsão de lançamento em 2020.

O entusiasmo inicial recebeu uma ducha de água fria dos reguladores. Já em julho, o Facebook reconhecia que precisava da aprovação legal. Em setembro, o próprio Zuckerberg, fundador e executivo do Facebook, indicava que esperaria a aprovação dos reguladores dos Estados Unidos. E dias depois começou a debandada das empresas que apoiavam, inicialmente, o projeto. Inicialmente, o PayPal; depois, eBay, Mastercard, Stripe, Visa e Mercado Pago.

O Financial Times afirmou

Vários deles [parceiros] também disseram que, apesar de suas ambições de promover a libra como esforço conjunto, o projeto tinha sido ligado muito fortemente ao Facebook, numa época em que a empresa está às voltas com vários escândalos de violação de privacidade e com uma enxurrada de investigações antitruste nos EUA e na Europa. (...)

A participação inicial desses membros revestiu o projeto de credibilidade pública e de viabilidade regulatória. Sem eles, o âmbito das ambições da libra talvez teria de ser corrigido. 

O título do texto do FT diz muito: Facebook subestimou peso da regulação em moeda digital. E estas incertezas regulatórias afastam os parceiros

O futuro do projeto dependerá agora em grande medida da possibilidade de ele obter as necessárias aprovações regulatórias, o que poderá envolver a implementação no formato do projeto. 

Mesmo a meta inicial de lançamento em 2020 já é questionável. Há resistências claras dos reguladores, seja por conta dos efeitos sobre a estabilidade financeira, ou em razão da privacidade dos dados. Denúncias recentes de violação de dados pessoais e disseminação de desinformação na rede social realmente não ajuda muito. Além disto, há muitas dúvidas sobre o projeto (Rudegeair, Peter; Tracy, Ryan. Facebook mantém plano de criar moeda, Valor Econômico, 24 de outubro de 2019, C3).

dúvidas como a nova moeda lidaria com questões sensíveis, como lavagem de dinheiro. O ministro das finanças da França chegou a dizer que o país não permitirá o desenvolvimento da moeda na Europa. A Bloomberg tentou executar o código da moeda e os recursos que a nova moeda teria não existem ainda. ]

Diante deste cenário, há três dias o Facebook anunciou o lançamento do Facebook Pay. Este serviço facilitaria as transações entre usuários em uma situação de compra na rede. Mas a empresa parece que não desistiu da Libra:

No post, o Facebook também foi bem claro ao dizer que essa nova plataforma não têm nada a ver com a libra, sua futura criptomoeda, ou com a Calibra wallet, a carteira virtual que a apoiará. Esses serviços terão sua própria rede separadamente.

Mas o fato disto ocorrer duas semanas depois que os “sócios” da Libra terem abandonado a empresa não parece ser coincidência. É um sistema mais “tradicional”. Será realmente o enterro da moeda digital Libra?

26 agosto 2019

A Libra do Facebook será um desastre para a sociedade

Em junho, o Facebook detalhou seus planos para lançar uma criptomoeda (leia mais: aqui). Ela será lastreada em uma cesta de moedas tradicionais, e a rede social promete um funcionamento simples. Será possível, por exemplo, enviar e receber dinheiro via WhatsApp. A empresa de Mark Zuckerberg não é a única por trás do projeto. A Libra Association, uma organização sem fins lucrativos com base em Genebra responsável pela moeda virtual, conta com a participação de empresas como Uber, Visa, PayPal e MercadoLibre, que investiram US$ 10 milhões cada uma para fazer parte do grupo. [...]

Estudiosa e defensora das criptomoedas, Anne Connelly tem uma opinião forte sobre o lançamento. Diz que, apesar dos “grandes” benefícios, será um desastre para nossa sociedade nas próximas décadas. Professora da Singularity University, ela critica o caráter centralizado da moeda virtual do Facebook. Segundo ela, a criptomoeda vai contra a ideia de descentralização trazida pelo blockchain. [...]

Qual você acha que será o impacto da criptomoeda do Facebook, a Libra?
Ela tem o potencial de ser muito boa e muito muito ruim para o mundo. Do lado positivo, há muitas pessoas no globo que não têm acesso a serviços financeiros. Para grande parte delas, a principal forma de acessar a internet é o Facebook. A Libra será absolutamente transformadora para elas.

E qual o lado negativo?
O problema é que, como resultado disso, essas pessoas estarão vulneráveis a muitas das táticas que o Facebook costuma usar. Na história da empresa, há casos como o da Cambridge Analytica, de venda de dados de usuários e de uso da rede para manipulação em eleições nos Estados Unidos e em outros países africanos. Essa não é uma companhia ética e honrada. Quando você pensa no aumento do poder do Facebook, que passará a ter acesso a dados financeiros, a situação pode ficar bem distópica. É assustador que um homem rico de um país ocidental rico tenha controle sobre o sistema financeiro mundial. Há alternativas no setor de criptomoedas para isso, como o bitcoin e outras moedas estáveis [lastreadas em moedas tradicionais]. Portanto, não acho que devamos ver a Libra como uma boa opção.

É muito poder para o Facebook e as empresas envolvidas na Libra Association?
Sim, eles dizem que são descentralizados, mas não são. Em outras criptomoedas, qualquer desenvolvedor pode ter acesso a todo o código. No caso da Libra, esses parceiros são escolhidos a dedo e tiveram de pagar US$ 10 milhões para participar da associação.

A Libra tem enfrentado algumas questões regulatórias antes mesmo de ser lançada. Você acha que o projeto vai ser realmente implementado?
Como é uma grande empresa centralizada, eles podem enfrentar esses desafios regulatórios. Não é o caso de uma moeda descentralizada, como o bitcoin. Acho bom os reguladores estarem assustados. Eles perceberam que se não for o Facebook será a Amazon ou o Walmart ou qualquer outra grande empresa. Os governos precisam começar a pensar em como será um mundo em que as moedas tradicionais podem não ser a escolha princial das pessoas. Mas é difícil aplicar regulações geográficas a um produto que é essencialmente digital. Acho que o Facebook irá tentar entrar com a Libra primeiro em países onde a regulação não é tão rígida, para usá-los como exemplo para pressionar os demais. E, sim, eu acho que a Libra será lançada. Do ponto de vista de sustentabilidade de longo prazo e soberania do indivíduo, será um desastre. Estaremos tirando o controle do sistema financeiro mundial da mão dos governos e passando para uma corporação.

Como a sociedade poderia evitar isso?
Algumas das pessoas mais inteligentes do mundo estão hoje trabalhando em produtos descentralizados. Isso me deixa otimista quanto ao futuro. Se não houvesse nenhuma moeda descentralizada no mundo, eu teria medo. Mas o que o Facebook está fazendo irá levar muita gente para o bitcoin, que oferece uma plataforma melhor. Só de ter as pessoas imaginando um mundo em que haja mais opções de meios de pagamento é uma coisa boa.

Já estamos falando do blockchain há alguns anos. Qual o estágio de adoção dessa tecnologia?
Um pouco do hype se dissipou. Depois de vários ICOs, o setor agora parece estar mais focado em construir as aplicações de que temos falado e com as quais temos sonhado há anos. Há uma adoção mais difundida dessa tecnologia em todo o mundo. As pessoas estão começando a ver o potencial dela, e vários governos e empresas estão cogitando o blockchain para melhorar suas operações. Estamos em um dos períodos mais animadores da tecnologia, onde conceitos e ideias começam a se tornar realidade.

Como as empresas podem aplicar o blockchain?
Primeiro, é preciso ter funcionários que entendam a tecnologia e participem da criptoeconomia. Depois, a empresa deve olhar para si mesma e entender quais são os intermediários que hoje não criam valor para ela. Nessas situações, é viável usar o blockchain. Há bons exemplos atualmente, especialmente em cadeias de fornecimento e na indústria de alimentos, onde informações de procedência são importantes para a saúde e segurança dos consumidores. Outros casos incluem a verificação da veracidade de objetos valiosos.

Há outros setores que podem ser beneficiados pelo blockchain?
Os setores que serão afetados pelo blockchain são os mesmos que foram afetados pela internet: ou seja, todos. A questão é entender quais têm mais potencial de adoção rapidamente, como o de alimentos e o financeiro, e quais irão adotar a tecnologia mais para frente. Há um grande potencial para o blockchain nos governos, por exemplo.

Fonte: Aqui

27 junho 2019

Nova moeda do Facebook e cúpula do G-20

Segundo o Valor, além das tensões comerciais, a notícia da pretensão do Facebook de criar uma nova moeda também está esquentando os debates na cúpula do G20, que começou hoje (27/06) no Japão.

Os representantes dos países europeus têm se mostrado preocupados com as implicações de um gigante da internet entrando na área financeira, turbinado pelos milhões de dados de seus utilizadores. Por outro lado. os EUA e o Reino Unido pretendem acompanhar de perto a questão para tratar possíveis riscos, mas sem introduzir regulações que gerem barreiras a inovações no setor financeiro.

A mensagem do G-20, conforme fontes, será a de que está monitorando os desenvolvimentos dessa tendência e pede para o Conselho de Estabilidade Financeira (FSB) tratar do tema e suas implicações. Para o G-20, inovações tecnológicas podem trazer benefícios significativos para o sistema financeiro e para a economia em geral. Mas, mesmo que os ''cripto-ativos'' não representem hoje uma ameaça à estabilidade financeira global, o grupo dirá que está atento aos riscos. Conforme o Banco da Inglaterra (o BC inglês), existem milhares de diferentes tipos de''cripto-ativos'' ou criptomoedas como Bitcoin, Ripple, Litecoin e Ethereum. Cripto significa "oculto" ou "secreto", refletindo a tecnologia segura usada para registrar quem possui o quê e para fazer pagamentos entre seus utilizadores. [...] O Banco Internacional de Compensações (BIS), espécie de banco dos bancos centrais, antecipou um capítulo de seu relatório anual, para sublinhar a importância da entrada de gigantes da tecnologia (big tech) como Facebook, Alibaba, Amazon, Google e Tencent nos serviços financeiros. Para o BIS, isso pode rapidamente estabelecer uma posição dominante nas finanças globais e afetar a concorrência. Existe um claro mal-estar entre reguladores, por questões que vão bem além de riscos financeiros clássicos. Por exemplo, a estabilidade financeira e proteção dos consumidores, como questões novas sobre o acesso dos gigantes da Internet a dados de suas plataformas existentes. Na declaração do G-20, os líderes das maiores economias desenvolvidas e emergentes deverão reafirmar também compromisso com a aplicação dos Padrões Gafi (Grupo de Ação Financeira Internacional) aos ativos virtuais e serviços relacionados para combate à lavagem de dinheiro e combate ao financiamento do terrorismo. Vão apoiar o trabalho do FSB sobre possíveis implicações das tecnologias financeiras descentralizadas e como melhorar o diálogo com um grupo mais amplo de partes interessadas. O grupo vai se comprometer a intensificar esforços para melhorar a resiliência cibernética.

26 junho 2019

Facebook tem planos de criar uma nova moeda

Fonte da imagem: aqui
O Facebook anunciou um plano de lançar em 2020 uma nova moeda digital global, a Libra. Ela terá lastro em uma cesta de moedas com baixa volatilidade, como euro, dólar e iene. A Libra Association é formada por empresas privadas como Paypal, Uber e Mastercard, que serão responsáveis pela moeda.

Segundo o Financial Times (FT), caso fosse apenas modestamente bem-sucedida, a nova moeda já entregaria boa parte do controle da política monetária dos bancos centrais a essas empresas privadas.

Ainda conforme o FT:

A ideia marca um ataque "muito atrasado" da Big Tech sobre a indústria de pagamentos, diz David Yermack, professor de finanças da Stern School of Business da Universidade de Nova York. A Apple criou um papel limitado para o seu próprio sistema de pagamentos no iPhone: em contrapartida, o plano do Facebook é um ataque frontal.

O próprio Facebook criaria um "aplicativo matador" para tirar proveito desse dinheiro digital: um sistema de pagamento embutido em seus serviços de mensagens, para que os usuários possam enviar dinheiro a amigos ou fazer compras com facilidade e baixo custo. Com 2,4 bilhões de usuários, a empresa de redes sociais poderia, sozinha, impulsionar as criptomoedas para uma tendência atual, de acordo com seus apoiadores, cumprindo as esperanças provocadas pela bitcoin há uma década.

“A ameaça aos bancos existentes é severa”, diz Yermack. Empresas como Facebook, Google e Amazon têm duas vantagens significativas sobre os bancos, acrescenta: elas podem processar transações a um custo muito menor, e elas provaram ser mestres na criação de novos serviços digitais, atraindo bilhões de pessoas para suas plataformas.

Mas as barreiras à entrada também são altas e a resistência já é extensa. Políticos, ativistas da privacidade e banqueiros têm estado entre os que fazem fila para questionar a proposta desde quando ela foi revelada.

O fato de o Facebook e seus parceiros planejarem seguir em frente de qualquer maneira é uma prova do quanto está em jogo.

Algumas das preocupações: terrorismo, lavagem de dinheiro e privacidade.

22 junho 2019

Números do Facebook sob suspeita


Desde o escândalo da Cambridge Analytica, o uso do Facebook caiu: 10% no primeiro mês e 20% desde abril 2018, segundo dados da Mixpanel (via aqui). Estes números são aproximadamente iguais aos da Emarketer, onde o uso médio diário caiu de 41 minutos para 38.

Entretanto, os números são divergentes do Facebook. Segundo a empresa, ocorreu um aumento nos usuários ativos diários e mensais. Mas estes números não são auditados.

It's possible to reconcile the gap between Facebook's picture of increased usage and independent auditors' claims of a decline: it may be that people still feel like the must use Facebook to coordinate with other Facebook users (they are unable to overcome the collective action problem of convincing their friends to leave Facebook all at once and shift their discussions of their little league games, family reunions and rare diseases somewhere else), but they no longer use it to "share" with friends, only to perform the utility functions that they must use the service for.

30 dezembro 2018

O ano do Facebook

Vicente Lozano (El año en que 'descubrimos' Facebook, El Mundo) lembra que este foi o ano do Facebook:

2018 ha sido el peor año de la historia de Facebook. Ha tenido graves problemas con fuga de información de sus usuarios, desde el escándalo de Cambridge Analytica de principios de año hasta la venta de datos a grandes compañías como Amazon, Microsoft, Netflix o Spotify. Mark Zuckerberg ha tenido que intervenir muy a su pesar en el Congreso de Estados Unidos, en la ONU y en el Parlamento Europeo para tratar de explicar lo casi inexplicable. Y ha visto cómo importantes directivos, de la matriz y de compañías compradas como Instagram o WhatsApp, dejaban la compañía. Todo ello, mientras se comprobaba que había servido de vehículo para la intromisión rusa en distintos procesos electorales de Occidente.


O resultado foi a redução no preço das ações (31% no ano), depois de atingir o valor máximo na metade do ano. Em termos de valor, o Facebook vale hoje 358 bilhões de dólares, mas já chegou a valer quase o dobro. Além dos problemas de credibilidade e legais, há um movimento para retirar do comando Zuckerberg.

Uma das medidas para resolver os problemas de fake news teve um efeito nas empresas de comunicação, reduzindo o tráfego oriundo da rede social para estas empresas.

09 setembro 2018

Amigos, distância e instrução

A nossa rede de amigos revela muito sobre o que somos. E o próprio fato, raro, de não termos redes sociais. Uma pesquisa publicada no Journal of Economic Perspectives (via aqui) mostrou que pessoas de baixa renda e como pouca instrução tendiam a morar perto dos seus amigos. Veja a figura a seguir do artigo:


05 setembro 2018

Amazon


Algumas semanas após a Apple alcançar o valor de mercado US$ 1 trilhão, chegou a vez da Amazon!

Segundo o NY Times, a Amazon captura cerca de 49 centavos de cada dólar de comércio eletrônico nos Estados Unidos. Também emprega mais de 550.000 pessoas, gera US $ 178 bilhões em receita anual. E vende de tudo, desde livros, até espaço de computação em nuvem, alface e compromissos com encanadores.

Na terça-feira (4/09) as ações da varejista online foram negociadas em alta de 1,4%, a US$ 2.041,68 e chegaram ao nível de US$ 2.050,2677, totalizando um valor de mercado de US$ 1 trilhão.

A Amazon cruzou o limite de US$ 2.000 por ação pela primeira vez em 30 de agosto, depois de dobrar seu preço em apenas 10 meses. As ações chegaram a US$ 1.000 em 27 de outubro de 2017. Os papéis atingiram US$ 100 pela primeira vez em 23 de outubro de 2009.

O NY Times acrescenta que o que a empresa mais vende é a empolgação. Há muitas postagens interessantes sobre a Amazon aqui no blog e para acessá-las basta clicar: aqui.

Outras empresas próximas do valor de mercado de US$ 1 trilhão: Alphabet (US$ 852 bilhões), Microsoft (US$ 862 bilhões), Facebook (US$ 500 bilhões).