Translate

Mostrando postagens com marcador amazon. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador amazon. Mostrar todas as postagens

08 agosto 2022

Amazon e iRobot

DEPOIS DE DÉCADAS DE criando máquinas de guerra e aparelhos de limpeza doméstica, o iRobot concordou em ser adquirido pela Amazon por US $ 1,7 bilhão, de acordo com a declaração conjunta das duas empresas. Se o acordo for concluído, daria à Amazon acesso a mais uma fonte de dados pessoais: mapas internos das casas dos proprietários de Roomba.

O iRobot começou construindo robôs para os militares dos EUA, mas há 20 anos adicionou aspiradores de consumo à mistura. (Ele desmembrou completamente o negócio de defesa em 2016.) Esses Roombas trabalham em parte usando sensores para mapear as casas em que operam. Em uma entrevista para Reuters, de 2017, o CEO da iRobot, Colin Angle, sugeriu que a empresa algum dia compartilharia esses dados com empresas de tecnologia que desenvolvem dispositivos domésticos inteligentes e assistentes de IA.

Combinada com outras metas recentes de aquisição, a Amazon pode acabar com uma visão abrangente do que está acontecendo dentro das casas das pessoas. A gigante do comércio eletrônico adquiriu a empresa de campainhas de vídeo Anel em 2018 e fabricante de roteadores Wi-Fi Eero um ano depois. Alto-falantes e outros dispositivos com assistente de IA Alexa agora pode controlar milhares de dispositivos domésticos inteligentes, incluindo aspiradores Roomba. E a Amazon planeja adquirir a cadeia de atenção primária One Medical, em um acordo de US $ 3,49 bilhões em dinheiro, que, se aprovado, colocaria os dados de saúde de milhões em seu poder.

“As pessoas tendem a pensar na Amazon como uma empresa de vendedores on-line, mas na verdade a Amazon é uma empresa de vigilância. Esse é o núcleo de seu modelo de negócios e é isso que impulsiona seu poder e lucro de monopólio ”, diz Evan Greer, diretor da organização sem fins lucrativos de direitos digitais Fight for the Future. "A Amazon quer ter as mãos em todos os lugares e adquirir uma empresa que se baseia essencialmente no mapeamento do interior das casas das pessoas parece uma extensão natural do alcance de vigilância que a Amazon já possui."

A Amazon se recusou a responder a perguntas sobre como usaria os dados do iRobot, mas a porta-voz da empresa, Alexandra Miller, forneceu uma declaração que alegava que a empresa era um bom administrador de informações do cliente. "A confiança do cliente é algo que trabalhamos duro para ganhar - e trabalhamos duro para manter - todos os dias", afirmou o comunicado.

(...) Fonte: Wired

E olhem o cartoon abaixo, que diz tudo sobre o tema:

03 março 2021

Novo logo com lembranças antigas

A Amazon reformulou o seu logo. Entretanto, algumas pessoas começaram a achar que o novo logotipo do app de compra guardava uma lembrança nada agradável. Veja a seguir:
O Logo proposto está do lado esquerdo. No centro, a figura que o logo lembra. E no lado direiito, o novo logo reformulado. 

A proposta de logo, lançada em janeiro, trazia uma "tira de fita azul" com o sorriso da Amazon. Mas para alguns, parecia o bigode de Adolf Hitler. Uma sutil mudança, com a fita azul dobrada, tenta afastara a comparação. 

09 fevereiro 2021

Interesse por Andy Jassy

 Tão logo Andy Jassy foi "anunciado" como substituto de Jeff Bezos na Amazon, o volume de pesquisa sobre ele explodiu, segundo o Google Trends. Andy conduziu os negócios de computação nas nuvens da empresa.



09 agosto 2020

Vivendo sem os Gigantes da Internet

Depoimento interessante sobre como seria a vida sem Amazon, Facebook, Google, Apple e Microsoft. Eis um trecho:

Em seguida bloqueei Amazon, Facebook, Google, Apple e Microsoft, uma por uma - e então todas de uma vez - ao longo de seis semanas. De longe, Amazon e Google foram as empresas mais difíceis de evitar. 

Para eliminar a Amazon da minha vida, tive que perder o acesso a qualquer site hospedado pela Amazon Web Services, maior provedora de espaço na nuvem da internet. Muitos aplicativos e boa parte da internet usam os servidores da Amazon para hospedar seu conteúdo digital, e uma grande fatia do mundo digital se tornou inacessível quando me despedi da Amazon, incluindo a Netflix, concorrente do Amazon Prime Video.

A Amazon também foi difícil de evitar no mundo real. Quando usei o eBay para encomendar um suporte de celular para o carro, o produto chegou em uma embalagem da Amazon, porque o vendedor usou a opção “Enviado pela Amazon", pagando à empresa pelo armazenamento e envio do seu produto. Quando bloqueei o Google, a internet inteira ficou lenta para mim, pois quase todos os sites que eu visitava usavam o Google para o fornecimento de suas fontes, anúncios, rastreamento de usuários e identificação de humanos ou bots. Ao bloquear o Google, perdi acesso ao serviço de armazenamento de dados Dropbox porque o site pensou que eu não era uma pessoa de verdade. Uber e Lyft pararam de funcionar para mim porque ambos dependem do Google Maps para sua navegação. Descobri que, na prática, o Google Maps exerce um monopólio no segmento dos mapas on-line. Até a Yelp, que há muito critica o Google, usa os mapas da empresa para dizer aos usuários de computador onde se localizam os negócios. (...)

Com frequência, diz-se aos críticos das grandes empresas de tecnologia que “se não gostam das empresas, não usem seus produtos". Depois de realizar esse experimento, posso concluir que é impossível fazer isso. Não se trata apenas dos produtos e serviços que recebem diretamente as marcas dessas gigantes, mas também do fato dessas empresas serem donas de uma série de produtos e serviços mais obscuros dos quais é difícil desvencilhar, as ferramentas das quais dependemos para tudo que fazemos, seja no trabalho ou para chegar do ponto A ao ponto B.

Fonte: 

Tentei viver sem as gigantes da tecnologia, e foi impossível. Kashmir Hill, The New York Times 03 de agosto de 2020 | 10h00. Imagem: aqui

28 dezembro 2019

Logistica e Controle na Amazon

A Amazon está se tornando a maior empresa mundial de entregas de encomendas. No passado, a empresa contratava os serviços postais do governo ou empresas de entrega privados, como UPS ou Fedex. No passado a empresa teve problemas de entrega e desde então tem construído uma rede de distribuição mundial.

O objetivo da empresa é reduzir o custo da entrega e ter o controle da cadeia de distribuição. A partir daí, a empresa criou uma estratégia brilhante: começou a incentivar a criação de pequenos negócios que pudesse fazer entregas para a Amazon. O empreendedor entra com veículo e funcionário e a Amazon garante um apoio logístico, um volume de entrega mínimo e outras vantagens. Ou seja, a empresa estaria ajudando a criar milhares de empresas menores e substitui as empresas tradicionais (Correios, UPS, Fedex etc).

A questão do custo de entrega é fundamental para o comércio eletrônico. Quanto mais atrativo for este custo, mais rápido será sua expansão. Ao atrair estes empreendedores, a Amazon consegue empresas com baixo (ou zero) custo de marketing, trabalhadores não sindicalizados e baixo custo administrativo. Atualmente, são 800 empresas só nos Estados Unidos, que empregam 75 mil motoristas, uma média de 94 motoristas por empresa. Estes negócios não existiam há dez anos.

A empresa de entrega tem somente um cliente, que controla tudo. Este é o segundo objetivo. E ao controlar tudo, a Amazon consegue atingir o primeiro objetivo: redução do custo. Como? Apertando estas empresas. Afinal

seu negócio prospera ou morre pela graça da Amazônia

No Brasil, a estratégia da empresa pode ser ajudada pelo enfraquecimento recente dos Correios e a redução da proteção trabalhista. Mas se o nosso país tem uma extensão territorial próxima aos EUA, a distribuição populacional é mais esparsa (temos quase 100 milhões a menos de habitantes e uma parcela expressiva não tem as mesmas condições de renda). Neste sentido, parte da rede de distribuição poderia ficar com a ECT, enquanto a distribuição nas zonas mais populosas seria feita pelo governo.

20 setembro 2019

Amazon investe em furgões elétricos para reduzir a emissão de carbono

Quando a 3ª empresa mais valiosa do planeta, pertença do homem mais rico do mundo, vai às compras, seja qual for o tipo de artigo de que necessita, a dimensão da aquisição é susceptível de impressionar. Este é o caso da Amazon e de Jeff Bezos, o seu fundador e CEO, que decidiu apostar no ambiente, adquirindo furgões 100% eléctricos para a entrega de encomendas. Mas uns que nunca foram produzidos e de que ninguém tinha, até agora, ouvido falar.

A Rivian é, no mínimo, uma empresa prometedora, sendo encarada por muitos como a nova Tesla. Os fundadores desta startup norte-americana começaram por surpreender ao conceber e desenvolver um SUV e uma pick-up eléctricos, sobre a mesma plataforma. Sobretudo porque a bateria é enorme, a potência também, tal como o espaço interior e a performance. Mas atenção, pois nem tudo é grande, uma vez que o preço é tão baixo que desesperou os concorrentes a gasolina e fez aparecer uns cabelos brancos à própria Tesla. [...]

O que ninguém sabia era que a Rivian tinha entre os seus projectos o objectivo de produzir um furgão eléctrico, uma vez que o criativo fabricante nunca a ele se tinha referido. A informação veio da Amazon, empresa que em Fevereiro investiu 700 milhões na Rivian, na mesma altura em que a Ford apostou 850 milhões (500 milhões diretos e 350 através da COX) no futuro do fabricante de veículos eléctricos. Mas Jeff Bezos não brinca em serviço e ao necessitar de uma frota de veículos eléctricos com grande capacidade de carga para as distribuições da Amazon, decidiu que o melhor era desafiar a Rivian a produzi-las. E depois de desenvolver uma pick-up e um SUV, um furgão seria a coisa mais simples do mundo.

Recentemente, Bezos anunciou medidas para zerar a emissão de carbono da companhia em 2040, dez anos antes do que previsto pelo Acordo de Paris. O corte é uma meta desafiadora para a Amazon, que entrega 10 bilhões de itens por ano e emite muito carbono de transporte. A atitude do chefe e o acordo de Paris, para o grupo de funcionários, ainda não é o “suficiente para o mundo”.

Já os colaboradores da Microsoft anunciaram na última quarta-feira (18), que iriam aderir às manifestações desta sexta e pedem o “fim do uso dos combustíveis fósseis”. [...]

A Amazon estima que os novos furgões eléctricos permitam poupar 4 milhões de toneladas de carbono até 2030, com a empresa a comprometer-se ainda de então já recorrer a 100% de energia renovável, e atingir os 80% já em 2024. No processo, ofereceu à Rivian um contrato no valor de 4 mil milhões de dólares.


Fonte: Aqui

04 setembro 2019

Resenha: Audible 2


Um dos programas que mais uso no meu dia-a-dia é o Audible, da Amazon, um aplicativo para áudio-livros. Tenho uma assinatura que me permite baixar um livro por mês, além da possibilidade de devolvê-lo se não tiver gostado.

Recentemente publiquei um texto, com base em um vídeo do Max Joseph, com a dica de se ouvir um áudio livro pela manhã, ao preparar o café, para adiantar as suas leituras do dia, e é exatamente o que eu faço. Também vale como companhia no trânsito, ou em alguma atividade chatinha como enquanto se lava a louça, ou até mesmo antes de dormir. Basta acessar o app do seu celular, tablet, ipod... a fonte que desejar. Alguns modelos do kindle suportam essa opção também.

É um programa relativamente caro – US$ 14,95 – mas acho válido por, além de haver disponibilidade dos títulos que mais gosto, também me permitir treinar o inglês. Caso não se interesse pela assinatura, você pode comprar o próprio livro, que sai por uma média de US$ 20. Existem outros tipos de assinatura. Você pode clicar aqui para avalia-las e é muito simples cancelá-las ou suspendê-las temporariamente.

Para os que estiverem se sentindo especialmente generosos, existe a possibilidade fenomenal do whispersync. É aquela mesma funcionalidade que é aplicada quando você abre o seu e-book em um outro aparelho ou aplicativo e ele te pergunta se você quer sincronizar e ir para a última página lida. Ao comprar o áudio você tem um mega desonto para adquirir o ebook na Amazon. E aí os arquivos – áudio e ebook – se sincronizam. Eu acho isso de uma genialidade fenomenal! E especialmente útil quando a obra é assustadoramente grande, ou precisamos termina-la com alguma rapidez. Li diversos livros das Crônicas de Gelo e Fogo assim.

Às vezes eu fico meio dispersa e tenho dificuldade de começar um livro, então acabo pegando a amostra da versão do ebook que a Amazon fornece e, após ler e pegar o começo da história, acho mais fácil me concentrar no áudio. Outra dica é ouvir a amostra do próprio áudio livro para que você teste se entenderá o sotaque, se gostará da voz do narrador, etc.

Outras qualidades:

- Os créditos mensais não vencem;
- É muito fácil devolver um livro;
- Há o sleep timer, com o qual você pode programar para que o áudio seja desligado após um tempo pré-selecionado. Ótimo para os que gostam de ir dormir ouvindo algo;
- Velocidade de narração personalizável. Apesar de isso ser o terror dos narradores, que planejam muito bem a entonação e as pausas, há a possibilidade de diminuir o ritmo ou aumenta-lo;
- Mensalmente há também uma seleção de 6 títulos dos quais você pode escolher dois como cortesia. São os chamados “originais Audible”. Já os baixei, mas ainda não ouvi nenhum então não tenho opinião sobre...;
- Existem uns conteúdos diferentes, tipo meditação guiada, preparação para correr maratonas, notícias... Que são cortesia aos membros. Ouvi um programa para meditação guiada e curti.

Vale a pena: Sim! Caso você tenha se interessado, o primeiro livro é de graça para que você experimente o programa.

Nota: (i) A resenha envolveu essencialmente o Audible por ser o que eu uso, mas já há disponibilidade de programas com títulos em português, como o Google Livros. Por ainda serem poucos os títulos, só ouvi amostras gratuitas, mas me pareceu inicialmente razoável. (ii) Não é material promocional e os links não são afiliados. (iii) o Audible já havia sido resenhado também em 2016. Clique: aqui para acessá-la.

P.S. - Nessa assinatura o meu cartão é cobrado mensalmente, como acontece com o Netflix por exemplo. Com isso a cada dia 15 recebo um crédito e com ele posso escolher uma obra. Caso eu não queira mais participar, basta cancelar o plano. É bem simples e fácil... Tirando as tentações que eles oferecem para te fazer mudar de ideia... Na primeira vez que cancelei, me ofereceram mais um livro naquele mês! Hoje em dia quando estou com muitos créditos, acabo optando por suspender a assinatura por alguns meses, que também é uma possibilidade.

19 julho 2019

Amazon investigada pela União Europeia

A Comissão Europeia anunciou nesta quarta-feira (17) a abertura de uma investigação sobre o uso de dados comerciais pela Amazon através de sua plataforma "Marketplace", para determinar se a empresa infringe as regras europeias de concorrência.

O objetivo é "determinar se a Amazon usa dados confidenciais de varejistas independentes", que vendem seus produtos no "Marketplace", onde a Amazon também comercializa os seus próprios, e se "viola as regras de concorrência da UE", disse a Comissão.

Bruxelas suspeita que a empresa americana se beneficie de um "duplo papel como plataforma".

A Amazon vende seus produtos em seu site como varejista e, além disso, disponibiliza espaços para vendedores independentes em sua plataforma de vendas digitais para oferecer seus produtos aos consumidores.

As primeiras investigações da Comissão revelaram que "a Amazon usa informações sensíveis do ponto de vista da concorrência que afetam os vendedores do 'Marketplace', seus produtos e suas transações". Por isso, decidiram abrir uma investigação em profundidade.

A investigação buscará determinar se as regras em acordos fechados entre a empresa de comércio eletrônico e os varejistas são respeitadas, bem como o papel dos dados de seleção de vencedores da "Buy Box", uma seção essencial para os varejistas.

"O comércio eletrônico estimulou a concorrência no varejo, expandiu a oferta e reduziu os preços", disse Margrethe Vestager, comissária de concorrência, assegurando que eles buscam impedir o desaparecimento desses benefícios por meio de práticas anticompetitivas.

A gigante americana está no centro das atenções de outras investigações feitas por autoridades de concorrência na Áustria, em Luxemburgo e na Itália, embora elas "não se sobreponham" à que foi anunciado na quarta-feira, de acordo com uma porta-voz da Comissão Européia.
(...)

Fonte: Aqui

05 março 2019

Amazon e efeito sobre o mercado

Damodaran, ao comentar sobre suas previsões da Amazon, apresenta o seguinte gráfico (do NYTimes):

Eu sei que essa imagem provavelmente está muito comprimida para você ler, mas basta dizer que nenhuma empresa, por maior que seja, é segura quando a Amazon entra no mercado. Assim, você pode explicar a implosão da Blue Apron, quando a Amazon entrou no negócio de entrega de refeições, mostrando seu pequeno tamanho e falta de capital; observe que o declínio no valor de mercado da Kroger, Walmart e Target na data da aquisição da Whole Foods foi muito maior em termos de valor em dólares, e essas empresas são grandes e bem capitalizadas. É importante notar também que o declínio no valor de mercado não é permanente e que as empresas em alguns dos setores vêem uma recuperação nos períodos subsequentes, mas geralmente não nos níveis anteriores da entrada da Amazon. Se a Amazon representa o lado da luz da ruptura, a destruição do status quo e tudo o que está associado a ela, nos negócios em que ela entra, é o lado sombrio.

Ele continua:

Em particular, a empresa enfatiza três elementos-chave em seu modelo de negócios:
  1. Concentre-se no Fluxo de Caixa Livre : Eu costumo ser cético quando as empresas falam sobre fluxos de caixa livres, já que a maioria usa definições de auto-serviço, onde adicionam "coisas" para fazer seus fluxos de caixa parecerem mais positivos. A Amazon não parece ter o mesmo rumo. Na verdade, ela não apenas desconta as despesas de capital e as necessidades de capital de giro, como deve, mas também as aquisições (como os US $ 13,2 bilhões gastos com a Whole Foods) para obter o fluxo de caixa livre.
  2. Gerencie o investimento em capital de giro: Talvez por lembrar dos tempos de start-up quando o gerenciamento incorreto de estoques a tenha derrubado, a empresa está concentrada em manter seu investimento em capital de giro o mais baixo possível.
  3. Use alavancagem operacional : A Amazon está claramente consciente de sua estrutura de custos, reconhecendo que seu crescimento de receita pode dar-lhe vantagens significativas de economias de escala, quando se trata de custos fixos. (...)
Há dois recursos adicionais para a empresa que gostaria de acrescentar, dos meus anos de observação da empresa.
  1. Paciência : Eu nunca vi uma empresa mostrar tanta paciência com seus investimentos quanto a Amazon(...)
  2. Experimentação : Em quase todos os negócios em que a Amazon entra, ela está disposta a tentar coisas novas para sacudir o status quo e abandonar experimentos que não funcionam em favor de experimentos que o façam.

24 fevereiro 2019

Go home, Amazon

Uma grande empresa decide construir uma segunda sede na sua cidade. Qual seria a reação natural dos moradores? Em geral, os políticos se enchem de entusiasmo e as pessoas pensam nos benefícios e empregos que serão gerados.

No entanto não foi isto que ocorreu recentemente com a empresa Amazon. Depois de meses analisando as propostas das cidades onde gostaria de instalar uma segunda sede, a empresa optou por Nova Iorque. Isto significava 25 mil novos empregos. Mas os moradores da cidade não gostaram nada da decisão e começaram uma onda de protestos. Para obter o privilégio de ter uma das sedes da empresa, a cidade deveria renunciar a 27 bilhões de dólares de receita fiscal.

Para entender a reação, o Business Insider mostrou como a cidade sede atual da empresa, Seattle, deveria amar e odiar a varejista.

* O aluguel médio de Seattle aumentou três vezes mais que a média dos Estados Unidos na última década
* A cidade possui a terceira maior população de moradores de rua
* 20% do mercado imobiliário de Seattle está vinculado à empresa
* E a empresa responde por 45 mil empregos, em uma cidade com 725 mil habitantes
* O acréscimo de empregos trouxe problemas de estacionamento e trânsito

09 janeiro 2019

Separação do homem mais rico do mundo

O bilionário Jeff Bezos, fundador da Amazon, anunciou nesta quarta-feira (9) em sua conta no Twitter que ele e sua mulher, MacKenzie Bezos, vão se divorciar. Bezos, de 54 anos, é a pessoa mais rica do mundo, segundo ranking da revista Forbes, com uma fortuna atualmente estimada em US$ 146,8 bilhões.

Fonte: aqui

Qual a relação com a contabilidade (tema do blog)? MacKenzie foi a responsável pela contabilidade da Amazon em 1994.

(Uma discussão interessante é se eles assinaram um acordo pré ou pós nupcial. Este tipo de acordo pode afetar a propriedade das ações da empresa.)

30 novembro 2018

Deep Racer

Há dois anos os pesquisadores da Alphabet, com um software de inteligência artificial (IA), derrotaram um vencedor mundial no jogo de tabuleiro “Go”. A Amazon agora tenta democratizar a técnica de IA por trás desse marco, com um carro de corrida totalmente autônomo, impulsionado por técnicas de machine learning, o Deep Racer.

A ideia é ajudar os programadores com o machine learning, ao ensinar a técnica de reinforcement learning que é um tipo de aprendizado por reforço.

Isso também gerará mais negócios para a Amazon, devido ao uso da computação em nuvem da Amazon Web Services, que é proprietária e faz a manutenção do hardware conectado à rede necessário para esses serviços de aplicativos. A computação em nuvem oferece uma forma simples de acessar servidores, armazenamento, bancos de dados e serviços de aplicativos via internet. 

O Deep Racer estará disponível na Amazon dos Estados Unidos por US$ 249.

Mais: Aqui

17 setembro 2018

Filtro na Opinião

O jornal Wall Street Journal (via aqui) descobriu que alguns funcionários da empresa Amazon estão aceitando subornos para obter o e-mail das pessoas que fizeram uma crítica aos produtos de algumas empresas. Ou para apagar estas críticas. Uma opinião negativa pode ser prejudicial aos negócios de uma empresa que usa a Amazon para vender seus produtos.

A prática é bastante comum na China, onde cada opinião retirada do site custa 300 dólares. A empresa, logicamente, proíbe esta prática e começou uma investigação interna para apurar os funcionários.

O caso é interessante pois trata de incentivos e controle interno em uma grande empresa. Os mecanismos de controle da Amazon parecem que não estão funcionando adequadamente. Isto pode comprometer o esforço da empresa em obter, por parte do usuário, um feedback decente dos produtos.

05 setembro 2018

Amazon


Algumas semanas após a Apple alcançar o valor de mercado US$ 1 trilhão, chegou a vez da Amazon!

Segundo o NY Times, a Amazon captura cerca de 49 centavos de cada dólar de comércio eletrônico nos Estados Unidos. Também emprega mais de 550.000 pessoas, gera US $ 178 bilhões em receita anual. E vende de tudo, desde livros, até espaço de computação em nuvem, alface e compromissos com encanadores.

Na terça-feira (4/09) as ações da varejista online foram negociadas em alta de 1,4%, a US$ 2.041,68 e chegaram ao nível de US$ 2.050,2677, totalizando um valor de mercado de US$ 1 trilhão.

A Amazon cruzou o limite de US$ 2.000 por ação pela primeira vez em 30 de agosto, depois de dobrar seu preço em apenas 10 meses. As ações chegaram a US$ 1.000 em 27 de outubro de 2017. Os papéis atingiram US$ 100 pela primeira vez em 23 de outubro de 2009.

O NY Times acrescenta que o que a empresa mais vende é a empolgação. Há muitas postagens interessantes sobre a Amazon aqui no blog e para acessá-las basta clicar: aqui.

Outras empresas próximas do valor de mercado de US$ 1 trilhão: Alphabet (US$ 852 bilhões), Microsoft (US$ 862 bilhões), Facebook (US$ 500 bilhões).


16 julho 2018

Amazon

Quando a Amazon surgiu, a empresa vendia livros. Hoje é um gigante em muitos setores. É a maior empresa de serviços de computação em nuvem com 33% do mercado, na frente da Microsoft (13%) e Google (6%). Possui 49,1% das vendas de e-commerce dos EUA. Neste caso, a empresa tem vendas diretas, com um terço do total, ou vendas de outros vendedores (que usam a plataforma).

Recentemente a empresa comprou um comércio físico de comida com objetivo de dominar o setor. A empresa está conseguindo mudar a forma de compras dos consumidores: sapatos já estão sendo comprados online.

A Amazon levou 25 anos para conquistar essa fatia de mercado e continuará tentando atrair mais. A Amazon abalou o varejo dos EUA e agora é totalmente dominante. Tem o sistema de distribuição mais formidável dos EUA. O “ efeito amazônico” se tornou uma expressão comum - a Amazon compra uma farmácia on-line e as ações da CVS e da Walgreens despencam. (...)

A Amazon é uma editora de livros. É invadiu o território da TV, Netflix e outros, com suas ofertas de vídeo. Recentemente, ela começou a invadir a publicidade on-line (...). Sua Alexa e outros dispositivos inteligentes conectados à Internet estão ocupando casas e influenciando todos os tipos de decisões que as famílias tomam - sem falar nos dados que enviam de volta. A Amazon continua expandindo para novos territórios. (fonte: aqui)


O setor de atuação que acho interessante a presença da empresa é na pesquisa científica. A Amazon vende o tempo de pessoas que podem responder a sua pesquisa pela internet. (Foto: Rio Amazonas, que inspirou o nome da empresa)

30 janeiro 2018

Efeito no valor de mercado

Junte Amazon, Warren Buffet e JP Morgan e o resultado é: uma nova empresa de saúde. O aspecto curioso foi o efeito disto no mercado: redução da capitalização no valor de 30 bilhões de dólares.

Dos concorrentes.

24 janeiro 2018

Ameaça da Amazon

Segundo o jornal El Mundo, o presidente do El Corte Inglés, Dimas Gimeno, está aproveitando o encontro de Davos para alertar sobre a competição, em desigualdade de condições, com a Amazon. Isto parece estranho, já que a rede espanhola de distribuição, fundada em 1940, possui receitas de 14 bilhões de euros. Mesmo que este valor seja bastante expressivo, significa um pouco mais de 10% da receita o distribuidor online.

El sucesor de Isidoro Álvarez no plantea el desafío como una guerra contra los distribuidores online, sino para conseguir un terreno de juego igual para todos en el que sean posibles también acuerdos entre distribuidores convencionales y gigantes tecnológicos. Una muestra es el presidente de WalMart, Greg Foran, que puso en marcha un acuerdo el pasado año con el presidente de Google, Sundar Pichai, ambos presentes también en Davos.

05 outubro 2017

Multinacionais, Europa e Impostos: Amazon e Apple

Duas notícias de ontem sobre multinacionais, Europa e impostos.

Amazon - A Comunidade Européia condenou a Amazon a pagar 250 milhões de euros (perto de 300 milhões de dólares ou 920 milhões de reais) referentes aos impostos que deveriam ter sido pagos em Luxemburgo, entre 2003 a 2011. O valor é bem menor que os 13 bilhões de euros da Apple (ver a seguir). E também é muito menor do que parecia ter sido originalmente estipulado, conforme noticiou a Reuters: 400 milhões de euros. Entretanto, o valor pode ser expressivo quando considera que a empresa Amazon trabalha com uma margem líquida muito reduzida, de 1,76%.

A Comunidade entendeu que Luxemburgo deu benefícios ilegais para a Amazon que reduziu bastante a carga tributária da empresa. Para Luxemburgo, um pequeno país da Europa, a Amazon é uma das maiores empregadoras. Este país tem concedido benefícios para empresas multinacionais e por isto outros processos parecidos podem surgir nos próximos meses; fala-se na McDonald´s e na Engie, uma empresa do setor de energia da França. Mas estes benefícios provocaram uma irritação em outros países, que tiveram uma queda na arrecadação de tributos nos últimos anos. Um aspecto estranho na história é que o atual dirigente máximo da Comunidade Européia “instituiu” esta política de incentivos.

A Amazon, num comunicado, disse que não recebeu nenhum tratamento especial de Luxemburgo e que iria pagar os impostos conforme a lei internacional.

Segundo o New York Times, o processo de redução de impostos envolvia o preço de transferência. A Amazon usava as transações ocorrida nos diferentes países da Europa para transferir receita, via o preço de transferência, para Luxemburgo, onde tinha uma taxação privilegiada. Quando a empresa comercializa produtos físicos, o fisco consegue controlar melhor a utilização excessiva deste mecanismo, impedindo o planejamento tributário. Mas no caso das empresas de tecnologia, como a Amazon e a Apple, a existência de intangíveis torna mais difícil este controle. A Amazon teria se aproveitado disto para reduzir sua carga tributária.

Apple - Este parece ser um caso mais "estranho". No passado a Comunidade Europeia decidiu que a Irlanda deveria receber 13 bilhões de euros da Apple (quase 50 bilhões de reais). O problema é que a Irlanda foi contra a decisão e entrou com uma apelação da decisão. Ou seja, temos um governo que não quer receber impostos. Numa nota divulgada ontem, a Comunidade Européia disse que a apelação não seria uma desculpa para que a Irlanda não recolhesse o tributo. A nota destacava a necessidade de preservar a competição.

O governo irlandês afirmou que embora discorde da decisão, estava buscando recolher os impostos. Entretanto, a decisão ocorreu há mais de um ano, conforme lembrou a Comunidade Europeia e que o prazo para implementar a decisão já tinha esgotado.