Translate

Mostrando postagens com marcador tempo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador tempo. Mostrar todas as postagens

20 agosto 2021

Tempo


O tempo que a terra gira 

É o tempo que a tempo corre; 

O tempo que a vida tira 

Ao tempo que a gente morre. 

 

Sei que ao ser concebido 

Foi meu começo de vida 

Em cada dia vivido 

Fico mais perto da partida 

 

O curso da vida é breve 

Não importa o tempo vivido 

O peso da idade é leve 

Quando ele é bem vivido 

 

Sempre fui um adolescente 

Maduro, fazendo planos. 

Hoje um jovem experiente 

Com mais de oitenta anos.
 
(Baltazar Guimarães, técnico em contabilidade, atualmente com 95 anos) (Via aqui) (foto: Nathan Dumlao)

01 janeiro 2019

Passagem do Tempo

Um conjunto de fotografias mostra a passagem do tempo

Uma moeda que ficou no bolso por 20 anos:
Marcas no chão na barbearia:
Marcas no chão no escritório:
 Dois atores do Poderoso Chefão
 Elizabeth e seu marido:
 Trem abandonado na Sibéria
 Violão depois de 45 anos de uso
 Um foi usado por 40 anos e outro ficou na embalagem:

30 julho 2015

O poder secreto do tempo

The Secret Powers of Time



A palestra apresentada no TED está com legendas melhores:


O psicólogo Philip Zimbardo afirma que a felicidade e o sucesso são originados numa característica que a maioria de nós ignora: o jeito como nos orientamos em relação ao passado, presente e futuro. Ele sugere que a calibração da nossa perspectiva sobre o tempo é o primeiro passo para melhorar nossas vidas.

07 fevereiro 2014

Facebook: quanto tempo você já gastou?


No dia 4 o Facebook comemorou 10 anos de vida. Para marcar a ocasião, a TIME criou uma ferramenta que calcula quanto tempo da sua vida você desperdiçou passou na rede social. 


Tem coragem de experimentar? :-) 


Basicamente, você precisa informar quanto tempo por dia fica conectado ao site – a média é de 17 minutos. Em seguida, o app vasculha o seu feed para descobrir a data em que você criou seu perfil e, com essas informações, faz uma estimativa. 


Experimente aqui.


Fonte: Aqui

13 novembro 2013

A Internet e o nosso tempo

Todos sabem que a internet está mudando a forma como comportamos durante o dia. Parece que a cada dia ficamos cada vez mais online. Fazemos muitas atividades na rede: lemos, jogamos, namoramos, assistimos vídeos, etc.
Algumas destas atividades que hoje fazemos online, já fazíamos antes de estarmos tão conectados. É o caso da leitura, que antes usávamos o jornal impresso e agora acessamos os portais de notícia. Nestes casos, a internet não “criou” nenhum valor econômico: simplesmente mudamos a maneira de fazer estas atividades.

Quando avaliamos a influencia da internet na nossa vida é necessário considerar que a contribuição da Internet ocorre principalmente quando fazemos algo que anteriormente não era feito. Além disto, a importância da rede deve ser considerada quando nós substituímos outras atividades por novas atividades, no caso ficar online.

Como nosso tempo é limitado, mais tempo online significa menos tempo em outras atividades, como dormir ou trabalhar. Mas como isto realmente está ocorrendo?

Usando uma pesquisa realizada anualmente com 13 mil pessoas nos Estados Unidos desde 2003, Scott Wallsten mostrou os efeitos da internet nas outras atividades. O que Wallsten encontrou é de certa forma o que já sabíamos pela nossa experiência, mas agora temos uma constatação quantitativa. Assim, para cada minuto que ficamos online reduzimos em 0,29 do minuto para outros tipos de lazer, incluindo televisão, socialização, relaxamento, eventos culturais e rádio. Mas estar online também diminui o tempo que trabalhamos (0,27 do minuto). Reduz o tempo de sono (0,12), das nossas viagens (0,10), as atividades domésticas (0,07) e educacionais (0,06).
Estas mudanças se alteram com a idade e outras características das pessoas.

Leia mais em What Are We Not Doing When We're Online. Scott Wallsten. NBER Working Paper No. 19549, Out 2013. Cartoon adaptado daqui

02 junho 2013

Aumente sua produtividade

Barulho da rua, telefone tocando, colegas puxando papo. O profissional até quer trabalhar, mas não consegue! O problema é que, não importa o que aconteça, no fim do dia, uma lista de tarefas precisa estar cumprida. Mas como ser mais produtivo (e não passar do horário de trabalho todo dia)? A especialista em carreira e fundadora da consultoria Working Simply, Carson Tate, afirma que há algumas regrinhas a serem seguidas, que podem facilitar o trabalho e, de quebra, tornar o dia menos estressante. Em artigo publicado pela Forbes, ela dá algumas dicas:

Aprenda a interpretar o seu relógio biológico - Organize o seu dia de acordo com o seu ritmo. O ideal, segundo a consultora, é realizar as tarefas mais difíceis na hora em que se sente mais disposto. Para a maioria dos profissionais, isso acontece no período da manhã, mas, lembra Carson, cada um tem o seu tempo.

Saiba priorizar suas tarefas - De acordo com a especialista, priorizar tarefas requer muito esforço mental. Por isso, se possível, ela aconselha que o planejamento da semana seja feito no sábado ou no domingo, quando normalmente a pessoa está mais relaxada. Calcule o tempo necessário para cada tarefa e dê prioridade àquelas mais importantes.

Agrupe as tarefas similares - O cérebro aprende e executa tarefas mais difíceis ao organizá-las de forma similar. Sendo assim, Carson sugere que afazeres parecidos sejam agrupados para otimizar a produção.
Crie uma rotina - Como explicou no item anterior, a especialista lembra que o cérebro é ótimo em executar atividades padrão. Por isso, criar uma rotina no seu dia a dia vai torná-lo mais eficiente e produtivo.
Faça intervalos - Assim como na hora da ginástica, é preciso dar uma paradinha para respirar e alongar, após realizar tarefas complexas que requerem esforço mental. É crucial que se faça pequenos intervalos para o cérebro descansar, afirma Carson.

Faça a lista dos 5 minutos - Se você está cansado ou estressado e sem energia para cumprir grandes tarefas, crie uma lista com pequenos afazeres que levem cinco minutos ou menos para serem realizados.
Não faça tudo ao mesmo tempo - Evite fazer muita coisa ao mesmo tempo ou trocar rapidamente de uma tarefa para outra. Dessa maneira, nenhuma das atividades terá sua atenção completa e é possível até que você se esqueça de alguns detalhes, muitas vezes importantes.

Anote suas ideias - Anote todas as suas ideias para não perdê-las. Isso vale também para as tarefas a cumprir. Colocá-las no papel ajuda a pessoa a se organizar e realizá-las, aconselha Carson.
Tente tornar as tarefas rotineiras divertidas - Um dos maiores motivos de ficar adiando o que se tem a fazer é que as pessoas acham as tarefas chatas e não se motivam para realizá-las. O ideal, segundo a especialista, é tentar tornar a rotina mais divertida. Invista num ambiente agradável, talvez com um pouco de música.
Aproveite os momentos de ‘enrolação’ - Pode parecer estranho, mas, segundo Carson, a procrastinação não é a pior inimiga da produtividade. Ela manda um sinal importante: qual o motivo de ficar enrolando? qual tarefa vale mais a pena completar? Use essas informações para otimizar o trabalho e, assim, ser mais produtivo.


Fonte: http://oglobo.globo.com/emprego/dicas-para-profissional-se-tornar-mais-produtivo-8543692#ixzz2Ut3L6M8e

08 março 2013

Dicas para escritores

The writing life offers plenty of solitude. I love that on most days getting dressed for work means slipping on pajama pants and a sweatshirt. But sometimes I long for the company of other people. I want to put on real clothes and leave the house and talk about books and hear what other writers are thinking about. Oddly, I found my writing community when I started a writing group for young people in my city. The lessons they’ve taught me about writing and life fuel my work every day. Here’s just some of what I’ve learned from teaching and paying attention to young people:

1. Dedicate Space and Time to Writing.

In some ways, teaching writing to children is built on a single foundation: opening up time and space to write. For most of the young people I work with, their time is held captive by external stimulation: televisions, computers, cellphones, MP3 players, and more. If they don’t have these devices at home, they can easily find them at the library (where I teach).

[...]

My life changed for the better this year when once again I dedicated my morning time to writing. No more early morning Facebook sessions. No more talking with clients or checking email until noon. Instead, I write. I read. I research. I do what the children have taught me to do: open up space for writing.

2. Accept What Shows Up.

When I started Dream Keepers, my writing program for at-risk children in the city, I envisioned working with girls. And for the first two years I did. But then the program transitioned to the library—and boys started showing up, asking to write. (At first I thought it was the treats we served—and it may have been—but even now when we don’t have goodies, the boys keep coming.)

At one after-school library program, when it was raining so hard I thought no one would show up, nine boys bounced into the room, dripping wet and eager to write. At another event, a boy whom the teacher described as a slower learner, wrote an amazing poem with juicy words.

As a writer, it’s been the wildest ideas and assignments that have led to the most interesting projects. In 2004, I was asked to write a book with a friend in two weeks. We finished the project in nine days. A year later, that experience became the seed for my book on writing marathons, Write-A-Thon.

3. Honor Your Passion.
[...]

Like all writers, I will take on projects just for the paycheck. If the project does not connect in some way to my passion, I can struggle to get it done. Over the years, I’ve learned to be more selective about what I take on and found ways to better the projects that do not excite me. So writers: find a way to honor your passion in your writing. (Even if that means listening to music you love while you’re writing an article about the intricacies of tax policy.) - Por que ela usou escrever sobre política fiscal um exemplo de projetos que não são empolgantes? ఠ_ఠ

4. Prewriting.

At the beginning of every writing group meeting, before the students write poems or paragraphs, I invite them to make lists or mind maps. They jot down everything they know about the topic along with their ideas and memories. When I attended the Milwaukee Writing Project’s Summer Institute, several lessons focused on how prewriting can help students write with less fear. The students relax when they don’t have to worry about getting the right words in the right order. I do, too. Now, I start every one of my own morning writing sessions with mind mapping or some other prewriting tool.

5. The Golden Sentence.

When a group of us teachers work with students at the Milwaukee Art Museum, we end every session by having students choose and present their “Golden Sentence.” The Golden Sentence is a tool from Jim Vopat’s book, Micro Lessons in Writing.

A Golden Sentence is the most powerful sentence a student can find in his writing. On days when the students really struggle to come up with a product they like, the golden sentence reminds them they have the power to produce beautiful sentences.

There are days when I wonder why I am still doing this writing thing. Sometimes finding a golden sentence amidst the dregs helps me to move forward—or at least write again tomorrow.

About the Author: Rochelle Melander is an author, speaker, and certified professional coach. She is the author of ten books, including the National Novel Writing Month guide—Write-A-Thon: Write Your Book in 26 Days (and Live to Tell About It). She teaches professionals how to write good books fast, use writing to transform their lives, navigate the publishing world, and get published.

14 fevereiro 2013

Rir é o melhor remédio



Paródia da música Billionarie - Bruno Marz, sobre a vida de um pós-graduando.
Indicado por Ednilto Júnior, a quem agradecemos.

25 outubro 2011

O poder de um ‘bip’ de hora em hora

Daniel Pink, o autor de Motivação 3.0 (ed. Campus. Título original: Drive) publicou a postagem intitulada “o poder de um ‘bip’ de hora em hora” com base num livro de Peter Bregman, consultor estratégico que aconselha alguns dos top CEOs da América do Norte e escreve um blog para o Harvard Business Review.

No mês passado Bregman publicou seu segundo livro –18 Minutes: Find Your Focus, Master Distraction, and Get the Right Things Done. O título em português seria algo como “18 minutos: encontre o seu foco, controle a distração e termine as tarefas corretas”. (Se bem que “Drive” foi traduzido como “Motivação 3.0”... sabe-se lá a regra desse jogo) que vem acompanhado de conselhos inteligentes e práticos para impulsionar o desempenho individual.

Leia um trecho muito interessante do livro, destacado por Pink:

Eu começo todos os dias com um plano. A cada manhã eu olho para a minha lista de afazeres e me pergunto: o que tornará esse um dia de sucesso? Então eu transfiro as tarefas corretas da minha lista de afazeres para o meu calendário e começo a trabalhar.

É raro que eu atenha a cada minuto do meu plano. Chegam e-mails, o telefone toca, soam bips de mensagens e a minha própria inclinação para a distração me surpreende. Não me leva muito tempo para me desvairar do meu horário. E, às vezes, como em uma recente troca de farpas com um representante de uma empresa de telefone, eu me distancio de mim também.

Costumeiramente eu encerrava cada dia desapontado, imaginando porque não havia sido o sucesso que visionei.

Mas tudo acabou quando comecei com os “bips de hora em hora”.

A cada hora, quando meu relógio, computador ou celular toca um bip eu paro o que quer que esteja fazendo, respiro profundamente e me pergunto duas coisas:

1. Eu estou fazendo o que mais preciso estar fazendo neste momento?
2. Eu estou sendo quem mais quero ser agora?

Inicialmente parecia contraintuitivo me interromper a cada hora. As interrupções não são exatamente o que tentamos evitar? Mas essas interrupções horárias são interrupções produtivas. Elas nos trazem de volta para que façamos o que precisamos e sejamos quem devamos ser para que façamos deste, um dia produtivo.

Isto não é exatamente sobre se manter em um plano. Às vezes o bip toca e eu percebo que, apesar deu ter me desgarrado do meu calendário, no que quer que esteja trabalhando é o que mais preciso estar fazendo naquele momento. Nessas situações eu simplesmente altero os itens do meu calendário, de forma com que as minhas prioridades mais importantes ainda sejam cumpridas, e faço escolhas intencionais do que deixarei inacabado.

Para mim, um lembrete de hora em hora, uma respiração profunda e duas perguntas fizeram a diferença entre encerrar o meu dia frustrado e encerrá-lo me sentindo realizado.

13 agosto 2011

O meu de volta

O bem mais valioso de nossa época não é o diamante nem o petróleo, a fórmula da Coca-Cola ou o sorriso da Natalie Portman: é o tempo. Obedecendo à lei da oferta e da procura, quanto mais escasso ele fica, mais caro nos é. A seca temporal é geral e irrestrita, tão democrática quanto a calvície, a saudade e a morte: eu não tenho tempo, você não tem tempo, o Eike Batista não tem tempo, o cara que está vendendo bala no farol, em agônica marcha atlética para recolher os saquinhos dos retrovisores, antes que se abra o sinal, também não tem.

Como vocês devem saber, o principal sintoma dessa doença crônica – sem trocadilho – é a ansiedade. Toda manhã, flagro-me aflito, escovando os dentes, com pressa. Vejo-me batendo os pés no hall, enquanto o elevador não chega. Até o segundo que o cursor do celular leva para piscar, num SMS, permitindo-me digitar outra letra da mesma tecla, deixa-me exasperado.

Antigamente, não era assim. Na minha infância, os dias tinham 30 horas, alguns chegando mesmo a 40, se bem me lembro. Não, não é que eu faça hoje mais coisas do que antes. Já pensei nisso. Mas veja só quantas obrigações eu tinha no passado: cinco horas na escola, lição de casa, inglês, bateria, natação, jantar com os pais toda noite, sem contar os séculos, ao vivo ou ao telefone, tentando convencer alguma menina a beijar-me na boca... E, mesmo assim, ainda sobravam infinitos latifúndios improdutivos, impossíveis de se ocupar, por mais que assistisse à televisão, tirasse cochilos vespertinos, lesse livros, fosse às casas dos amigos jogar videogame, falar mal dos outros ou simplesmente juntar nossos tédios, olhar as paredes e escutar o tic-tac dos relógios.

Das duas, uma: ou as horas eram mais abundantes do que hoje, ou então tinham uma incrível capacidade regenerativa, que perderam. A a cada duas ou três horas mortas, uma nova hora nascia, fresquinha, como as células de uma pele jovem.

Acho que foi lá pelo ano 2000 que o dia começou a encolher, chegando a essas míseras 24 horas – com sensação térmica de 16. Talvez tenha sido este o verdadeiro bug do milênio: na virada de 1999 para 2000, todos os ponteiros, vendo-se livres do velho milênio e admirando o vazio que se abria adiante, como um retão num circuito de F 1, resolveram meter os pés no acelerador, de modo que acabamos assim, espremidos entre prazeres e obrigações, aflitos, escovando os dentes com pressa, andando em círculos no hall do elevador.

Há quem diga que a culpa é da melhora das comunicações e, consequentemente, do envio de dados. Com a informação viajando tão rápido, saprendemos a arte da espera. Antigamente, aguardar era normal. Estávamos sempre esperando alguma coisa chegar. Uma carta pelo correio. Um disco do exterior. Uma foto, um texto ou um documento, via portador. Estes hiatos eram tidos como normais, uma brecha saudável, pausa para o cigarro ou o café, a prosa, a leitura de uma revista, o devaneio, a conversa na janela, a morte da bezerra. Hoje não. Tá tudo aqui e, se não está, nos afligimos. Queremos o pássaro na mão. E os dois voando. Por que ainda não trouxeram esses dois que estão no céu, diabo?! Já não era melhor ter pegado logo os três, de uma vez, otimizando custos e esforços?

Enquanto não descobrimos a cura para esse mal, a única saída é aprender a lidar com ele. Há que se cercar com muros altos certas horas do relógio para que nada as possa roubar de nós. Fazer diques de pedra em torno da hora de ficar com nosso amor, da hora de trabalhar no projeto pessoal, da hora do esporte, de ler um livro, encontrar um amigo. Mesmo assim, vira e mexe, vêm as obrigações como um tsunami, ou os eventos sociais como meteoros, e derrubam as barragens. Não há nada a se fazer senão reconstruir os muros ainda mais fortes do que antes.

Você sente a mesma coisa, ou sou só eu? Talvez seja só eu. Quem sabe, numa manhã de terça-feira, lá por 1998, eu tenha perdido a hora para nunca mais encontrá-la? Ficarei assim, 30 minutos atrás do resto do mundo, tentando alcançá-lo, ininterruptamente, como quem corre atrás de um trem, até o fim dos tempos. Será que foi isso?


Postado por Isabel Sales. Crônica de Antônio Prata
Fonte: Aqui

24 abril 2008

29 março 2007

Efeito da Tempestade sobre o Mercado de Capitais

A pesquisa é antiga (2003), mas ainda desperta o interesse. Dois pesquisadores, Anna Krivelyova e Cesare Robotti, do Boston College e do FED de Atlanta, associaram o desempenho do mercado financeiro a tempestade geomagnética (clique aqui para ler mais sobre esse assunto em inglês)

Segundo o artigo Playing the Field: Geomagnetic Storms and the Stock Market existe um longa bibliografia documentando o impacto da tempestade geomagnética na vida das pessoas, em especial ao comportamento humano. Essa influencia sobre o comportamento acaba afetando os julgamentos e decisões das pessoas conm respeito ao risco.

Eles encontraram uma forte evidência empírica do efeito da tempestade sobre o mercado, sendo que os maiores retornos ocorrem durante os períodos de baixa atividade geomagnética.