Translate

25 outubro 2011

O poder de um ‘bip’ de hora em hora

Daniel Pink, o autor de Motivação 3.0 (ed. Campus. Título original: Drive) publicou a postagem intitulada “o poder de um ‘bip’ de hora em hora” com base num livro de Peter Bregman, consultor estratégico que aconselha alguns dos top CEOs da América do Norte e escreve um blog para o Harvard Business Review.

No mês passado Bregman publicou seu segundo livro –18 Minutes: Find Your Focus, Master Distraction, and Get the Right Things Done. O título em português seria algo como “18 minutos: encontre o seu foco, controle a distração e termine as tarefas corretas”. (Se bem que “Drive” foi traduzido como “Motivação 3.0”... sabe-se lá a regra desse jogo) que vem acompanhado de conselhos inteligentes e práticos para impulsionar o desempenho individual.

Leia um trecho muito interessante do livro, destacado por Pink:

Eu começo todos os dias com um plano. A cada manhã eu olho para a minha lista de afazeres e me pergunto: o que tornará esse um dia de sucesso? Então eu transfiro as tarefas corretas da minha lista de afazeres para o meu calendário e começo a trabalhar.

É raro que eu atenha a cada minuto do meu plano. Chegam e-mails, o telefone toca, soam bips de mensagens e a minha própria inclinação para a distração me surpreende. Não me leva muito tempo para me desvairar do meu horário. E, às vezes, como em uma recente troca de farpas com um representante de uma empresa de telefone, eu me distancio de mim também.

Costumeiramente eu encerrava cada dia desapontado, imaginando porque não havia sido o sucesso que visionei.

Mas tudo acabou quando comecei com os “bips de hora em hora”.

A cada hora, quando meu relógio, computador ou celular toca um bip eu paro o que quer que esteja fazendo, respiro profundamente e me pergunto duas coisas:

1. Eu estou fazendo o que mais preciso estar fazendo neste momento?
2. Eu estou sendo quem mais quero ser agora?

Inicialmente parecia contraintuitivo me interromper a cada hora. As interrupções não são exatamente o que tentamos evitar? Mas essas interrupções horárias são interrupções produtivas. Elas nos trazem de volta para que façamos o que precisamos e sejamos quem devamos ser para que façamos deste, um dia produtivo.

Isto não é exatamente sobre se manter em um plano. Às vezes o bip toca e eu percebo que, apesar deu ter me desgarrado do meu calendário, no que quer que esteja trabalhando é o que mais preciso estar fazendo naquele momento. Nessas situações eu simplesmente altero os itens do meu calendário, de forma com que as minhas prioridades mais importantes ainda sejam cumpridas, e faço escolhas intencionais do que deixarei inacabado.

Para mim, um lembrete de hora em hora, uma respiração profunda e duas perguntas fizeram a diferença entre encerrar o meu dia frustrado e encerrá-lo me sentindo realizado.

Um comentário: