Translate

Mostrando postagens com marcador igualdade de gêneros. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador igualdade de gêneros. Mostrar todas as postagens

01 maio 2021

Nobel para Mileva

#NobelforMileva foi criado em defesa da igualdade de gênero e do reconhecimento feminino em ciência e tecnologia. É também um movimento global para defender a justiça, pedindo à Fundação Nobel da Suécia reconhecer o trabalho e o talento de Mileva Marić, a física e matemática sérvia que foi também a primeira esposa do físico Albert Einstein, vencedor do Prêmio Nobel em 1921 (exatamente 100 anos atrás). Mileva foi co-autora em muitas realizações acadêmicas do famoso cientista, incluindo a teoria da relatividade.

Uma das ações para lançar a campanha é um vídeo sobre plataformas digitais com uma breve história de Mileva Marić e um convite para mulheres e pessoas de qualquer identidade de gênero pegarem selos de língua de fora e depois colocá-los nas mídias sociais, dando novo significado ao gesto que transformou Albert Einstein em um ícone pop e representação de um gênio. O gesto é o principal símbolo para representar a luta pela igualdade de direitos.

Além da mobilização digital, a campanha reconhece a contribuição de Mileva para a ciência em outras frentes, incluindo pinturas, grafites, murais e até mesmo tatuagens do rosto do primeiro cônjuge de Albert Einstein, feitas por artistas de diferentes partes do mundo. O movimento inclui estátuas de busto da cientista com a língua para fora, que podem ser impressas em 3D para serem exibidas em universidades de classe mundial.

O movimento também conta com a "Milevas of the Future", um curta de animação, com a história de três garotas apaixonadas pela ciência e que encontram em Mileva Marić o incentivo necessário para seguir seus sonhos .

    

Fonte: aqui

08 março 2018

Impacto econômico da discriminação de gênero

O estatístico Rafael Ribeiro dos Santos decidiu calcular o impacto econômico da discriminação de gênero no mercado de trabalho brasileiro. Agora mestre em economia pelo Insper (São Paulo), o pesquisador descobriu que uma média salarial mais baixa para as mulheres reduz o crescimento do país.

De acordo com os resultados de sua tese, entre 2007 e 2014, cada 10% de aumento na diferença entre salários reduziu em cerca de 1,5% a expansão do PIB per capita dos municípios brasileiros.

Para chegar a esse percentual, o estatístico utilizou dados do mercado formal de trabalho da RAIS (Relação Anual de Informações Sociais), e isolou o impacto de outros fatores que influenciam salários, como escolaridade, ocupação, tempo de empresa, raça e religião. Logo, as diferenças salariais encontradas não podiam ser explicadas porque o homem era mais qualificado do que a mulher, por exemplo.

Segundo informações veiculadas pelo jornal Folha de S. Paulo, entre todas as capitais do país, Curitiba tinha a maior diferença salarial entre homens e mulheres em 2007, seguido de Manaus e São Paulo.

Em números, isso significa que, em Curitiba, o sexo do trabalhador explicava 28% da diferença em remuneração entre mulheres e homens em 2007. A menor diferença foi observada em Boa Vista, de 11,3%.

Para se ter uma ideia do efeito econômico que isso causa, caso São Paulo, que exibia um indicador de 23% em 2007, tivesse uma média menor como a de Florianópolis, de 15,4%, no mesmo ano, a renda média dos paulistanos subiria de R$ 52.797 para R$ 53.258 em 2014.

Enquanto essa diferença de remuneração tem diminuído ao longo do tempo em vários países, incluindo o Brasil, diversas outras pesquisas chegaram a conclusões semelhantes.
[...]

Fonte: Aqui

31 outubro 2017

Gênero e Pós-graduação em Contábeis

Os dados levantados revelaram que, na média do período pesquisado, houve predominância do gênero masculino, tanto no nível de mestrado como no de doutorado. Portanto, os dados indicam que a presença feminina nos programas de pós-graduação em Ciências Contábeis do Brasil tem sido inferior à masculina. Embora se perceba um aumento no ingresso das mulheres nos cursos de graduação em Ciências Contábeis, na pós-graduação stricto sensu ainda há predomínio do gênero masculino, principalmente nos cursos de doutorado.

No mestrado acadêmico, o número de mulheres representou 44%  do total.No doutorado, 42%. Acredito que se a pesquisa contemplasse o corpo docente, a proporção seria bem menor.

Fonte: Presença do Gênero Feminino entre os Discentes dos Programas de Pós-Graduação de Ciências Contábeis no Brasil. Daniele Cristina Bernd, Marcielle Anzilago e Ilse Maria Beuren. Repec,  v. 11, n. 4, art. 3, p. 408-429, out./dez. 2017.

28 outubro 2017

Casey Brown: Saiba o seu valor e cobre por ele


Seu chefe provavelmente não está lhe pagando o que você vale – ao invés disso, eles estão lhe pagando o que pensam que você vale. Tire um tempo para aprender a moldar seus pensamentos. A consultora de preços Casey Brown compartilha histórias e ensinamentos que podem lhe ajudar a comunicar melhor o seu valor e ser paga por sua excelência.

14 julho 2016

A dificuldade das mulheres em provar competência

SÃO PAULO - Ser competente e demonstrar confiança em relação a isso é o suficiente para ser reconhecido no ambiente de trabalho? Um estudo de pesquisadoras de escolas de negócios europeias aponta que sim, mas só no caso de homens. Para ter influência nas empresas — e assim mais chance de promoção —, profissionais mulheres dependem de mais uma variável: se colegas, chefes ou subordinados gostam delas. 

Um motivo frequentemente citado para a pouca presença de mulheres em posições de liderança no mundo corporativo é a falta de confiança das profissionais dentro do ambiente de trabalho. “Em um estudo anterior, eu e minhas colegas descobrimos que mulheres costumam avaliar suas habilidades de forma precisa, enquanto os homens tendem a ser superconfiantes em relação às deles. Dessa forma, pode-­se pensar, as mulheres são menos confiantes, o que atrapalha suas chances de promoção”, escreve Margarita Mayo, uma das autoras do estudo e professora da espanhola IE Business School, em um artigo na “Harvard Business Review”. 

Fonte: Aqui
Junto com Natalia Karelaia, do Insead, e Laura Guillén, do European School of Management and Technology, Margarita desenvolveu um estudo com 236 engenheiros de uma multinacional de tecnologia. Na pesquisa, que será apresentada em uma conferência da Academy of Management em agosto, elas coletaram avaliações de desempenho 360° de engenheiros em dois aspectos: se os profissionais eram competentes e se os colegas, chefes e subordinados gostavam deles. Um ano depois, os mesmos engenheiros foram avaliados com relação ao nível de confiança que aparentavam ter e o nível de influência deles na empresa. 

Os resultados mostram que engenheiros homens que são considerados competentes também são vistos como confiantes e influentes na organização – independentemente de os colegas, chefes ou subordinados gostarem deles. Já as engenheiras mulheres que apresentaram altos níveis de competência só eram vistas como confiantes e influentes quando elas também eram consideradas “afáveis” e seus colegas gostavam delas – por razões não relacionadas à competência profissional. 

Para Margarita, os resultados indicam que encorajar mulheres a se mostrarem mais confiantes no ambiente de trabalho — além de apresentarem competência — não é suficiente para aumentar a influência delas nas organizações. “A competência dos homens se traduz diretamente em uma imagem de confiança, independentemente de os outros gostarem deles ou não. Aos mulheres, por outro lado, só conseguem ser beneficiadas pela competência quando aqueles ao seu redor gostam delas”, escrevem as autoras no estudo.

Fonte: Aqui

26 junho 2016

Como os homens podem ajudar? Melhorem.



Na semana passada, durante o United States of Women Summit, Oprah Winfrey perguntou à Michelle Obama como os homens podem ajudar na luta pela igualdade de gêneros.

A resposta da Primeira Dama dos Estados Unidos foi pequena e amável:

"Melhorem. Melhorem em tudo".