Translate

Mostrando postagens com marcador carreira. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador carreira. Mostrar todas as postagens

22 abril 2020

Atuação Profissional em Contabilidade

O perfil @contabilidadeemgeral, no Instagram, está realizando entrevistas ao vivo (lives) tendo como tema a "Atuação Profissional em Contabilidade".

A professora Dra. Ludmila Melo está comandando o quadro e na segunda-feira (20/04) o entrevistado foi o Glauber de Castro Barbosa. Figurinha carimbada aqui no nosso blog, Glauber conta a sua trajetória desde a graduação em Ciências Contábeis na UnB até chegar ao seu cargo atual, na Secretaria do Tesouro Nacional. O vídeo foi disponibilizado no YouTube:



Além do Glauber, também participaram de lives o auditor federal da Controladoria Geral da União, Vinícius dos Santos Pereira, a professora Dra. Bianca Quirantes Checon, e o contador Jáder Cabral de Almeida, da Terracap.

29 março 2019

Frase


A Sophie Turner, atriz que interpreta a Sansa em Game of Thrones, está noiva do Joe Jonas, vocalista da banda DNCE.

Em uma entrevista para a Rolling Stone a atriz destacou que acredita haver um equívoco estranho de que “ser casado é a melhor coisa que vai acontecer com você”. Ela acredita ser lindo estar envolvida, mas a carreira é algo em que ela pode trabalhar, e quando ela consegue algo aí sim tem a sensação de ter acontecido a melhor coisa da vida dela.

Não sou casada então não posso opinar quanto a isso. Mas acho muito inspirador ver mulheres por aí, relembrando que há diversos caminhos a serem escolhidos e que há força na mulher muito além do casamento.

18 julho 2017

Carreiras promissoras

A Exame fez um levantamento com 20 consultorias de recrutamento para descobrir quais são os destaques em carreiras e profissões para o próximo ano. 

Deixamos em destaque as que explicitam a formação em Ciências Contábeis (o que não significa que um contador não se encaixe nas outras opções):

1.Gestor de Governança Corporativa

2. Diretor financeiro
O que faz: Responde por toda gestão financeira da empresa inclusive pelas áreas de controladoria, tesouraria, crédito, contabilidade e compras corporativas. Em alguns casos, acumula a responsabilidade sobre os departamentos de TI, auditoria interna e jurídico.

Perfil: Formação em ciências contábeis, ciências econômicas ou administração de empresas, com MBA nas áreas de mercado financeiro, controladoria e afins. Inglês fluente é um requisito

Por que está em alta: “apesar do aumento do otimismo com as ações da nova equipe econômica, o cenário ainda é desafiador e, embora algumas empresas voltem a estudar planos de investimentos, outras continuarão o processo de racionalização dos custos para ganhos de eficiência”, diz Helena Magalhães, da consultoria People Oriented para justificar o destaque das posições financeiras.

Leonardo Massuda, sócio do Fesap Group, indica que o agronegócio é um dos setores que mais vai demandar diretores financeiros. “Há um movimento de consolidação dos mercados de defensivos e fertilizantes com a entrada de multinacionais e fundos de private equity por meio de fusões e aquisições”, explica ele. Após a chegada desses grupos, normalmente surgem vagas financeiras. Ele cita também os mercados de sementes e de distribuição de produtos agrícolas como promissores para os CFOs, já que sinalizam esforço de profissionalização da gestão e participação de capital estrangeiro.

3.Profissional de controladoria /Controller
O que faz: Responde pela apuração, consolidação, análise das informações financeiras de uma empresa, bem como sua comunicação à diretoria por meio de relatórios, com a finalidade de orientar a tomada de decisão sob essa perspectiva. É o principal gestor de indicadores do negócio.

Perfil: Graduação em ciências contábeis, administração ou economia e pós-graduação em finanças, administração ou controladoria. Ter uma base sólida em assuntos ligados ao universo contábil e fiscal é essencial, além de inglês fluente.

Por que está em alta: “Este profissional é fundamental porque faz a ponte entre elementos operacionais, táticos e estratégicos, apontando possíveis dificuldades ou oportunidades que possam aparecer nessas três esferas”, diz Alexandre Kalman, sócio da consultoria Hound. “Além disso, em momentos de crise muitas empresas preferem substituir diretores financeiros por controllers de nível sênior, de olho na redução de custos”. Para Rafael Souto, CEO da Produtive, o profissional é muito requisitado porque as companhias seguem a caminhada para o controle de orçamentos – uma tônica que começou há alguns anos e deve persistir ainda em 2017. A profissão também é vista como promissora para 2017 por Felipe Brunieri, gerente da divisão de finanças e tributário da Talenses, Juliano Gonçalves, gerente da Randstad Professionals e Marcelo Braga, sócio da Reachr. Este último aponta para a necessidade profissionais de controladoria também nos níveis de analista sênior, coordenador e gerente.

4.Controller em empresa familiar

5.Head da área contábil
O que faz: Lidera tanto a rotina operacional quanto os processos gerenciais da contabilidade de uma empresa. Isso inclui fechamento contábil, demonstração de resultados, garantia de adequação às normas brasileiras, conversão de balanço em moeda estrangeira e elaboração de relatórios.

Perfil: Formação em contabilidade, com CRC ativo. É fundamental ter forte base técnica, visão sistêmica e facilidade para gerenciar prazos. Inglês fluente também é uma exigência cada vez mais comum.

Por que está em alta: A cada ano se formam menos contadores no Brasil, afirma Kalman, ao passo que a demanda por eles continua em alta. As recentes atualizações das normas contábeis nacionais e internacionais tornam esses profissionais ainda mais disputados pelas empresas.

6.Head da área tributária
O que faz: Gerencia pelo menos duas frentes da área tributária: a operacional, que garante que a empresa cumpra com todas as obrigações burocráticas; e a estratégica, que envolve o diálogo com a alta cúpula da empresa para maximizar seus resultados e cortar custos com o planejamento tributário.

Perfil: Formação em direito, administração de empresas, ciências contábeis ou economia. Pós-graduação na área tributária é sempre bem-vinda, além de inglês fluente.

Por que está em alta: Segundo Rodrigo Miwa, este profissional é valorizado graças ao seu potencial para gerar caixa e cortar custos — duas fortes demandas no atual cenário econômico. “O head tributário lidera um departamento fundamental para os resultados”, explica ele. “A isso se soma a complexidade da legislação tributária brasileira e as suas frequentes mudanças, o que exige profissionais bem preparados”.

7.Gerente de tesouraria

8.Profissional de controle e negociação de dívidas

9.Analista contábil com inglês fluente
O que faz: análise, classificação de contas, fechamento de balanço da empresa, e reporte final para diretoria/ investidor.

Perfil: formação na área contábil e domínio do inglês.

Por que está em alta: a área contábil foi uma das que mais evoluiu e ganhou visibilidade de 2009 para os dias de hoje. Com isso, o papel de auxiliar em tomadas de decisões importantes desse profissional também cresceu. Porém, segundo a consultoria Page Personnel, atualmente menos de 5% de profissionais da área contábil realmente conseguem manter um diálogo compreensível em inglês. Por isso, é um analista raro e inflacionado em todos os níveis: júnior, pleno e sênior.

10.Gerente/Diretor de Contratos

11.Executivo de desenvolvimento de negócios na área de meios de pagamento

12.Gerente de key account

13.Growth hacker

14.Gestor de marketing

15.Gerente de trade marketing

16.Consultor comercial

17.Gerente Comercial

18.Gerente/ Diretor de novos negócios

19.Gerente de compliance e riscos

O que faz: É responsável por diagnosticar todos os riscos, internos ou externos, priorizá-los conforme sua relevância e criar mecanismos para reduzi-los. Suas tarefas incluem implantar normas para os processos, orientar a equipe e conduzir auditorias periódicas para assegurar a conformidade da empresa a normas e regulamentações.

Perfil: Formação em administração, economia, ciências contábeis ou tecnologia da informação. É importante ter sólidos conhecimentos de SOX (lei Sarbanes-Oxley) e experiências em áreas como riscos, auditoria interna e governança corporativa. Outros requisitos incluem capacidade analítica para interpretar uma grande quantidade de dados e fortes habilidades de relacionamento interpessoal.

Por que está em alta: Nos últimos anos, houve um salto na complexidade do ambiente regulatório para empresas em todo o mundo. No Brasil, o fenômeno da Operação Lava Jato e leis como a de número 12.846/2013 contribuíram ainda mais para que a iniciativa privada buscasse controles internos mais efetivos, de olho na redução de riscos e na promoção da sustentabilidade do negócio. “Gestores dessa área são cada vez mais requisitados porque uma falha de compliance pode resultar em litígios, multas, restrições e importantes danos à reputação das empresas”, diz Lúcia Costa, da STATO. Para Felipe Brunieri, gerente da Talenses, a importância da área será imensa em 2017 porque o ano promete muitas incertezas políticas e econômicas. Helena Magalhães, da People Oriented também aponta a carreira como promissora para 2017. Celia Spangher, da Maxim, indica os gestor de riscos como um dos que devem ser mais procurados.

20.Gestor administrativo financeiro
O que faz: É responsável por todas as áreas financeiras da organização (contabilidade, planejamento, tesouraria, fiscal), além de supervisionar os departamentos de TI, RH, jurídico e administrativo.

Perfil: Formação em administração, contabilidade ou economia. É imprescindível ter habilidades de relacionamento interpessoal, visão de negócio e experiência prévia em processos de estruturação ou turnaround de empresas.

Por que está em alta: A alta na demanda aparece sobretudo em companhias de pequeno ou médio porte que estejam passando por um processo de profissionalização, estruturação ou turnaround. Diante do momento difícil para a economia brasileira, esse cargo continuará sendo uma demanda recorrente do mercado em 2017, afirma Alexandre Kalman, sócio da Hound. A consultoria Michael Page também aponta essa carreira como promissora,destacando especificamente a posição de diretor financeiro em empresas em reestruturação.

21.Business partner de finanças

22.Gerente de vendas
O que faz: É o responsável direto pela alavancagem dos negócios de uma empresa. Planeja e executa estratégias de vendas, o que vai desde a reflexão sobre a melhor forma de aproximação com o mercado à coordenação das equipes comerciais. Muitas vezes, o gerente se envolve diretamente com as negociações de maior valor.

Perfil: Formação em administração, economia, ciências contábeis ou engenharia. Além de sólida qualificação, o maior diferencial é conhecer profundamente o mercado em que a empresa atua. Pós-graduação e domínio do inglês também abrem muitas portas.

Por que está em alta: “Este é um profissional que trabalha diretamente para o incremento dos volumes de transações comerciais, um fator crucial para a sobrevivência das empresas”, explica Juliano Gonçalves, gerente da Randstad Professionals. Entre os executivos de vendas, o gerente comercial é o que mais deve se destacar na opinião de Rafael Souto, CEO da Produtive. “Depois de um longo período de retração, as empresas começam a apostar num cenário mais otimista para 2017 e 2018, retomam suas expectativas para a área comercial e passam a ver a contratação de uma boa equipe de vendas como estratégica”. A posição também é mencionada com destaque por Isis Borge, gerente da consultoria Robert Half, e Lúcia Costa, diretora da STATO e Marcelo Braga, sócio da Reachr. Este último destaca que os segmentos ligados a agronegócio, saúde e serviços serão os que mais devem procurar esses profissionais.

23.Analista /executivo da área de compras

24.Analista fiscal sênior, com foco em impostos indiretos
O que faz: Gerencia todas as atividades relacionadas à área tributária indireta dos produtos ou serviços comercializados pela empresa.

Perfil: Formação em administração, ciências contábeis ou economia. Inglês é obrigatório.

Por que está em alta: Diante da readequação das funções dentro da maior parte das empresas do Brasil, este profissional passa a ser bastante requisitado, diz Juliano Gonçalves, gerente da Randstad Professionals.

25.Representante técnico comercial

26.Advogado especializado em compliance

27.Advogado especializado em fusões e aquisições

28.Advogado especializado em recuperação judicial

29.Advogado especializado em contencioso

30.Advogado de consultoria tributária

31.Engenheiro com experiência em obras de infraestrutura

32.Engenheiro de energia eólica/solar

33.Gerente de operações do setor de engenharia

34.Engenheiro especializado em supply chain

35.Engenheiro especializado em vendas técnicas

36.Vendedores técnicos/ especialistas

37.Analista de desenvolvimento organizacional

38.Líder de transformação

39.Office Manager

40.Gestor de Family Office

41.Profissional de private equity

42.Profissional da área de fintech

43.Chief Digital Officer (CDO)

44.Gestor de projetos em TI

45.Head de BI (Inteligência de Mercado) e Big Data

46.Analista/ gerente/ consultor de BI (Business Intelligence)

47.Desenvolvedor web e/ou mobile

48.Desenvolvedor Python/Ruby

49.Desenvolvedor Java

50.Especialista em UX (experiência do usuário)

51.Especialista em UI (interface do usuário)

52.Cientista de dados

53.Analista de Segurança da Informação

54.Consultor Cloud Computing

55.Gerente de mídias sociais

56.Gerente de mídias digitais com foco em e-commerce

57.Executivo da área de melhoria contínua

58.Supervisor de PCP – planejamento e controle de produção

59.Gerente de Meio Ambiente

60.Gerente de Acesso para Indústria Farmacêutica

61.Profissional de marketing e vendas para setor farmacêutico

62.Profissional de relações institucionais para indústria farmacêutica

63.Gestor de operações hospitalares

64.Gestor de rede para indústria farmacêutica

65.Gerente de educação continuada na área de serviços clínicos

19 maio 2017

Vagas: mapas das carreiras

O Guia do Estudante indicou um site interessante com mapas interativos que trazem estatísticas (a partir de dados do próprio site vagas.com) de qualquer profissão.
Quanto ganha o profissional nas diferentes fases de carreira? Quais as formações escolares mais comuns quem trabalha na área? Em que função a maioria já trabalhou e qual o próximo passo mais frequente? Homens são maioria ou trata-se de uma carreira com mais mulheres?
A de contador (existem outras opções mais específicas) apresentou os seguintes dados:

Composição por gêneros: 45% mulheres e 55% homens.

Formação mais frequente: graduação em ciências contábeis

Ocupações anteriores: analista contábil (16%), assistente contábil (6%), auxiliar contábil (7%).

Salários:
Começando - abaixo de R$ 2.800,00
Valor médio - R$ 4.100,00
Experiente - acima de R$ 5.900

Para auditor não foi muito diferente e não há um mapa para professor de contabilidade. Não encontrei muito claramente as áreas no serviço público, até porque é um site que quer te ajudar a arrumar um emprego... Mas ao menos ia dar uma melhorada nesses salários, que não vão atrair muitos candidatos no vestibular. o.O


Para definir um cargo foi levado em consideração que pelo menos 10 pessoas utilizassem uma mesma nomenclatura para uma determinada posição e tivessem conexão com outro cargo. Segundo a esquipe técnica do Vagas.com. Foram suprimidos os níveis profissionais dos cargos, como júnior, pleno e sênior, e I, II e III.

A fonte de dados foi criada com base nos currículos cadastrados por cada usuário (!!!).

19 maio 2016

Carol Fishman Cohen: Como voltar ao trabalho depois de uma pausa na carreira

Se você tiver feito uma pausa na carreira e agora está tentando voltar ao mercado de trabalho, você consideraria um estágio? A especialista em retomada de carreira Carol Fishman Cohen acha que você deveria. Nesta palestra, saiba sobre a experiência da própria Carol como uma estagiária de 40 anos de idade, seu trabalho defendendo o sucesso dos "reiniciantes" e como os empregadores estão mudando a forma como eles se envolvem com o talento dos que retornam ao trabalho.

26 julho 2015

Bel Pesce: Cinco maneiras de matar os seus sonhos

Todos queremos inventar um produto divisor de águas, abrir uma empresa de sucesso, escrever um livro que atinja recordes de venda. Porém, pouquíssimos de nós alcançam esses objetivos. A empresária Bel Pesce desfaz cinco mitos, fáceis de acreditar, que fazem com que os projetos dos seus sonhos nunca se realizem.

16 junho 2015

Carreiras sem crise

A Exame fez uma lista de carreiras a prova de crise no Brasil. Entre as 26 carreiras estão as seguintes:

Controller ou gerente de controladoria
Profissional de auditoria e controles internos
Gerente de risco
Profissional de planejamento tributário
Gerente de compliance
Head ou gerente de tesouraria
Analista ou supervisor de custos

25 setembro 2013

Blogueiros

Abaixo segue a postagem que escrevi para o Contabilidade e Métodos quantitativos, a convite do Felipe. Mas antes:

Aqui a versão do professo César.
Aqui você pode ler todas as postagens na série Carreias em Contabilidade. Convidamos a paticipar, em nome do ContabilidadeMQ, quem puder contribuir com a sua história. Basta enviar um e-mail para fel_pontes@hotmail.com e, quem sabe, ajuda a iluminar os caminhos escolhidos pela nova geração de contadores.


Carreira na contabilidade: Blogueiros!

Hoje (leia a postagem anterior da série) a postagem é sobre uma das melhores partes da minha profissão. Não ganho nada por isso (quando você escolhe ser professor acaba se acostumando com essas coisas...), mas é bem gratificante e divertido.

A colaboradora do dia é uma das pessoas mais empolgadas com esse tema que eu conheço. Na verdade, ela é a mais empolgada e, provavelmente, se houvesse um ranking mundial ela deveria estar listada entre as 10 mais! kkk.

Nos conhecemos pela internet e acabamos mantendo contato para discutir diversas questões sobre ensino, pesquisa e "blogagem" (não confundir com bobagem) na contabilidade.

Isabel Sales é mestre em contabilidade e é uma das autoras do principal (na minha opinião e da de um monte de pessoas) blog de contabilidade do Brasil, o Contabilidade Financeira.

Leiam com atenção, inspirem-se e divulguem a cultura dos blogs em contabilidade!


Carreira: blogueira. Profissional liberal, carga horária de cerca de 20 horas semanais, remuneração negativa. 
Cena 1: Em Gossip Girl, uma série norte americana, uma personagem (Blair) olha para a outra (Serena) e afirma: eu sabia [que ela não era a tal blogueira que dá o título à série]! Você é bonita demais para blogar.
Cena 2: Dia 20 de março, dia do blogueiro. Ao mencionar tal evento e solicitar as congratulações, há uma pausa no almoço familiar, um ar de desolação e um longo suspiro inconformado acompanhado de “blogueira? Minha filha... te demos tanto amor, educação, carinho... blogueira!?”.
Cena 3: Ao buscar conhecidos na lista de leitores, familiares e melhores amigos estão completamente ausentes. 
 #vidadeblogueiro 
Eu acompanho o blogueiro César Tibúrcio há cerca de dez anos. Foi assim que aprendi sobre contabilidade criativa, foi ele quem me abriu a porta para os blogs internacionais e para a imensidão informacional que existe no ciberespaço. Em 2006 foi criado, pelo professor César, o Contabilidade Financeira, que também passei a acompanhar. Nas minhas conversas e debates do dia-a-dia era comum ouvir a expressão “eu li no blog do professor César”. Sentença pela qual passei a ser conhecida. E debochada. Claro. Meus colegas de mestrado não deixavam passar em branco nenhuma das minhas “eu li no blog”... 
No fim de 2010, na semana em que tive as minhas últimas aulas do mestrado, o professor César Tibúrcio me convidou para participar do Contabilidade Financeira. Nesse dia eu perdi várias calorias devido aos pulos de comemoração. Também aumentei o grau da minha miopia por ter relido inúmeras vezes o e-mail-convite. Logo chegou a hora de compartilhar a alegria, né? Claro. 
Com a astúcia de um lince esperei a piada “eu li no blog”. Ironicamente demorou eras para acontecer! Eu não sabia bem o que esperar e talvez por isso foi primoroso. Quando em resposta ao chasco sambei cantarolando que eu agora era parte do blog, veio silêncio. Silêncio. Dos meus amigos do mestrado. Inédito. E respeitoso. Isso porque as brincadeiras fazem parte, mas o tempo de ser sério também. A verdade é que todos nós líamos o blog [especialmente antes de grandes debates sobre um tema determinado – era (é) a melhor forma de se atualizar], sabíamos da importância dele para a nossa formação, nosso aprendizado. Então aquele momento em que vi a reação deles e percebi ainda mais como era mágico o mundo que eu estava sendo convidada a entrar foi surreal. Hoje guardo como um rito de passagem. 
Com o tempo, pessoas começaram a comentar comigo que gostaram de uma determinada postagem ou ainda a me perguntar sobre os bastidores do blog. Como eu acrescentei o endereço do site à assinatura do meu e-mail, eu cheguei a comprar coisas online, me comunicar com o vendedor e ao receber a encomenda, ver anexado um cartão com algumas coisas anotadas, inclusive elogios ao blog. 
Hoje, ao escrever uma postagem, me baseio em livros que li, aulas que assisti, debates que participei, palestras que ouvi. A pesquisa leva horas, dias! Outras vezes termino tudo em 15 minutos, com a naturalidade da comunicação que há entre amigos. Tenho-me como alguém que escreve para tentar mostrar a beleza do que vejo. A contabilidade é linda e há quem não teve a oportunidade de entrar em contato com isso de uma forma não áspera e monótona. Às vezes escrevo para atualizar quem está sem tempo de passar pelas manchetes dos jornais, para suprir a ausência da contabilidade nos meios de comunicação usuais, para motivar aqueles que não sabem por onde ir. Mais ainda, para quebrar estigmas relacionados às Ciências Contábeis no Brasil. 
O que um blogueiro solta no mundo tem repercussões inimagináveis. Para mim a mais especial ocorreu quando o professor David Albrecht me citou em uma postagem dele por causa de um vídeo que coloquei despretensiosamente no Contabilidade Financeira. Mais pulos incessantes: ser uma tag na página de um blogueiro internacional premiado e reconhecido. Não teria acreditado se no passado me falassem que algo assim me aconteceria. Hoje nós dois nos comunicamos por e-mail, a relação ficou mais próxima e equilibrada. Trocamos impressões, informações e ele é curioso quanto as nuances brasileiras. Um dia ele me chamou de embaixadora da contabilidade. Foi um fofo elogio de um professor famoso, contudo simples, que se esforça ao máximo para acrescentar a quem estiver disposto a crescer. Eu não ganho dinheiro para blogar, porém há satisfação imensurável. 
Os blogueiros brasileiros não ficam atrás. Não nos tratamos como concorrência, mas sim como um grupo tentando dar o melhor a quem nos acompanha. Tornei-me amiga e confidente da Polyana Silva, do Histórias Contábeis, e da Cláudia Cruz, do Ideias Contábeis. O professor Alexandre Alcantara, que não conheço pessoalmente, me traz a sensação de estar me comunicando com o Papai Noel. Ele é um querido, sempre disposto a conversar, ajudar e é o criador do “blogs de contabilidade”, uma maneira que ele encontrou de tentar estimular os contadores a blogar. O Felipe e o Vinícius, do Contabilidade e Métodos Quantitativos, foram meus colegas no doutorado. Falar com o Pedro Correia, do Contabilidade Financeira, se tornou necessidade diária. E assim, um mundo imenso, vai se tornando pequeno e aconchegante. Você conhece pessoas surpreendentes. E, gosto de ressaltar, você aprende muito com tudo isso. 
Sou suspeita para falar como é ser blogueira. Pensei muito antes de escrever para vocês e fiz diversos rascunhos, entretanto a minha caminhada e a minha história resumem tudo. Tive a sorte de entrar em uma página já reconhecida, com seguidores fiéis e criada por um dos grandes nomes da contabilidade no Brasil. Independente disso, há uma rede de incentivos entre os blogs da nossa área, sempre tentando impulsionar novos e existentes escritores. Não há dinheiro ou carteira assinada, mas eu tenho orgulho em ser blogueira de contabilidade. E consegue se sair bem na carreira quem tem tempo, coragem e comprometimento. Ah! E vontade, é claro.  
 Débitos e créditos, 
 Isabel Sales

07 setembro 2012

O que não te ensinaram na pós-graduação II


Esta postagem, continuação da anterior, é indicada especialmente a quem pretende ganhar a vida como professor universitário.

- Evite trabalhar na faculdade em que estudou, não importa o tamanho da sua lealdade. Você sempre será visto como um aluno pelos membros mais antigos e será tratado como tal. É diferente, entretanto, se você retorna após alguns anos trabalhando em outra instituição.

- A regra de oferta e demanda se aplica ao mundo acadêmico tanto quanto a outros campos. Você está jogando com o futuro no mercado de trabalho, assim como um ocorre no mercado de capitais, quando escolhe uma área para o seu doutorado. Já que leva de quatro a sete anos [quando mestrado + doutorado] para alcançar o grau, você faz suposições de que seus serviços serão necessários daqui a vários anos. Podem ser – mas, também, podem não ser. Quando uma nova especialização se abre, é um momento empolgante. Várias pessoas migram de campos adjacentes. Há a formação de departamentos ou de áreas de concentração e inicia-se o treinamento de doutores naquela área. Há pouca oferta de quem entenda do assunto, então altos salários são oferecidos. Todavia, o que usualmente acontece é que dentro de um espaço temporal relativamente curto, o mercado do doutorado e, consequentemente, o de trabalho, torna-se saturado. Mais ainda, outras especialidades emergem e a universidade corta a moda passageira. A implicação clara para os estudantes é que áreas com excesso de oferta de candidatos se torna mais difícil de conseguir tanto um emprego inicial quanto de professor titular.

- As universidades têm suas próprias culturas e em grandes instituições, faculdades e departamentos com culturas diferentes. Tente descobrir qual é o clima no local onde decidir trabalhar. Se você está iniciando a carreira, um ambiente hostil será demasiadamente estressante. Procure por departamentos nos quais haja tranquilidade e bom convívio interpessoal.

- Avalie um pós-doutorado com cuidado, especialmente se você for das ciências. Você deve pensar em um pós-doutorado em termos econômicos frios e exigentes. (Consideramos apropriado se você: está em um campo no qual empregos em boas áreas estão escassos e você ainda não conseguiu a sua vaga; se você sente a necessidade de adquirir ferramentas de pesquisa específicas de forma a desenvolver o seu trabalho além do doutorado; se você pretende trabalhar com uma personalidade específica que acrescentará ao seu autodesenvolvimento). Um pós-doutorado não é apropriado se você tem medo de lecionar ou falar em público (você está apenas adiando o inevitável). Também não é apropriado se você viveu quase sem dinheiro por anos e/ou precisa sustentar a sua família.

- Se você quer ainda um desafio maior, mude a sua ocupação ou se mude a cada sete anos. Isso irá alargar a sua perspectiva e seu ponto de vista (um pouco disso vem do efeito Hawthorne*, as pessoas prestarão atenção em você por ser novo. Nos primeiros anos em uma instituição ou departamento você terá a aura de um perito externo. Com o tempo você passa a ser mais um na multidão) e alterar áreas permite que você mude de uma linha de pesquisa madura para uma mais nova e dinâmica (A graça está aí. Mas tenha cuidado, pois uma nova ocupação requer novas ferramentas).

- Quando considerar uma instituição para trabalhar, questione sobre o plano de aposentadoria – mesmo que no momento você sinta que é muito cedo para se preocupar com o assunto.

- Dependendo da universidade, questione sobre vagas no estacionamento. Caso você não tenha direito e as vagas forem pagas, isso pode afetar as suas finanças de forma substancial.

- Lembre-se que salário líquido é diferente de salário bruto. Ao escolher uma instituição lembre-se de considerar: custo de vida; custo de moradia; qualidade das escolas para seus filhos (atuais ou futuros); empregabilidade para o seu parceiro.

- Ao longo do caminho você poderá perceber que não se identifica com a docência ou talvez não consiga um emprego no lugar em que gostaria. Ao tentar lecionar Albert Einstein foi inicialmente recusado e duramente criticado – o que fez com que fosse trabalhar no escritório suíço de patentes. Não tendo que se preocupar com a pressão de encontrar seus alunos ou com a opressão de trabalhos de pesquisa, pode se ocupar em pensar, surgindo com a Teoria da Relatividade, dentre outras. A partir daí foi convidado a ser professor. O ponto é que inovação e criatividade podem ser alcançadas fora de uma carreira acadêmica assim como dentro. Chegar ao título de doutor é um ponto de descontinuidade na sua vida, quando vários caminhos alternativos se abrem para você. O caminho para professor titular é um deles. Afinal, a vida é o que você faz dela, não é mesmo?

*O Efeito Hawthorne se refere a um estudo realizado em fábricas entre 1924 e 1932 que avaliou a produtividade dos trabalhadores quando uma alteração era realizada. A interpretação dos resultados mudou ao longo dos anos. Hoje considera-se que o Efeito Hawthorne significa que prestar atenção nas pessoas muda o comportamento delas, indiferentemente da mudança. O efeito foi nomeado em homenagem a agora extinta fábrica Hawthorne da empresa Wester Eletric localizada em Cícero, Illinois (Para mais leia sobre o Efeito Hawthorne em http://en.wikipedia.org/wiki/Hawthorne_effect).

O que não te ensinaram na pós-graduação I