Translate

Mostrando postagens com marcador hiperinflação. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador hiperinflação. Mostrar todas as postagens

12 janeiro 2022

Hiperinflação


A norma sobre contabilidade em economia hiperinflacionária apresenta uma série de requisitos necessários para que um país seja classificado como tal. Apesar de listar algumas características destas economias, o Iasb não identifica as "jurisdições" que estão sujeitas a esta classificação. Na prática isto termina sendo feito pelo International Practices Task Force (IPTF) do Centre for Audit Quality (CAQ).

A nova listagem é a seguinte:

Países que excederam a inflação de 100% acumulada em três anos: Argentina, Irã, Líbano, Sudão do Sul, Sudão, Venezuela e Zimbabwe

Países com inflação projetada que deverá exceder a 100%: Suriname e Iemen

Países onde a inflação acumulada de três anos excederam a 100% em anos recentes: -

Países com inflação acumulada de três anos entre 75% a 100% e com aumento significativo durante o período de 2021: Angola e Haiti

Além dos países acima, o IPTF considerou que existem países que devem ser monitorados, por não terem dados disponíveis: Afeganistão, Etiopia e Síria.

Foto: Olieman Eth

25 agosto 2021

Economias hiperinflacionárias


A norma IAS 29, sobre contabilidade em ambientes hiperinflacionários, define o que seria uma economia com estas características. Não há uma identificação específica, mas o Centro de Qualidade de Auditoria (CAQ) faz esta classificação, para fins de aplicação dos princípios dos Estados Unidos, seus critérios são semelhantes do IAS 29. Assim, a lista do CAQ é uma boa aproximação da norma internacional, que é adotada no Brasil. 

Países com taxas de inflação acumuladas em três anos superiores a 100% : Argentina; Irã; Líbano; Sudão do Sul; Sudão; Venezuela; e Zimbábue. 

Países com projetado taxas de inflação acumulada em três anos superiores a 100% : Suriname 

Países onde as taxas de inflação acumulada em três anos haviam excedido 100% nos últimos anos : Não há 

Países com taxas de inflação acumuladas recentes de três anos superiores a 100% após um aumento da inflação em um período discreto : Não há 

Países com taxas de inflação acumuladas projetadas em três anos entre 70% e 100% ou com um aumento significativo (25% ou mais) da inflação durante o período atual:  Angola, Haiti, Libéria e Iêmen 

Fonte: aqui. Foto: Imelda

07 janeiro 2021

Economias hiperinflacionárias



A norma sobre economias hiperinflacionárias, adotada no Brasil com a denominação de CPC 42, apresenta as características de uma situação onde um país está convivendo com este problema. Anualmente, o Centro de Qualidade de Auditoria (CAQ) apresenta a relação dos países com problemas com sua inflação. O principal critério é bem simples: inflação acumulada acima de 100% em três anos.

Eis a relação dos países que apresentaram esta taxa: Argentina, Irã, Líbano, Sudão do Sul, Sudão, Venezuela e Zimbábue. O Suriname é um país com projeção de inflação neste patamar. Além disto, Angola, Haiti, Libéria e Iémen apresentaram uma taxa entre 70% a 100%, com perspectiva de aumento. Há ainda países onde existe dificuldade com a coleta dos dados. É o caso da Síria. 

Imagem: aqui

28 janeiro 2020

Economia hiperinflacionária

As demonstrações contábeis recebem um tratamento especial para as transações que ocorrem dentro e com as economias hiperinflacionárias. O International Practices Task Force (IPTF) do Centre for Audit Quality (CAQ) monitora os países e apresenta anualmente a lista destas economias. No final de 2019 ele apresentou a seguinte relação

Países com três anos de inflação acumulada com taxa de excede a 100%: Argentina, Sudão do Sul, Sudão, Venezuela e Zimbábue.
Países com inflação projetada que deverá exceder a 100% em três anos: Irã
Países com três anos de inflação acima de 100% depois de um período de inflação reduzida: Angola e Suriname
Países com inflação projetada entre 70% a 100% ou com aumento significativo recente: República Democrática do Congo, Libéria e Iemen

08 julho 2019

Quais são as economias hiperinflacionárias?

Com o retorno do tratamento à inflação na contabilidade brasileira (vide aqui), resta saber em que situações o IAS 29 deve ser aplicado. O International Practices Task Force (IPTF) of the Centre for Audit Quality (CAQ) (via aqui) considerando os dados de diversos países, considera como status de economias "altamente inflacionárias", baseado nos critérios do IAS 29, a seguinte listagem:

Economias com inflação de três anos acima de 100%:

Angola
Argentina
República Democrática do Congo
Sudão do Sul
Sudão
Venezuela

Economias com inflação projetada de três anos maior que 100%:

República Islâmica do Irã
Iémen
Zimbábue

Economias com inflação de três anos superiores a 100% após um pico de inflação:

Suriname

Economias com inflação em três anos entre 70% e 100% ou com um aumento significativo (25% ou mais) da inflação durante o período atual

Libéria
Líbia

26 agosto 2018

Contabilidade em ambientes inflacionários: Venezuela

Uma notícia sobre a contabilidade da Venezuela:

Os bancos privados e públicos da Venezuela vão passar a usar a criptomeda venezuelana Petro como unidade contabilística, segundo uma ordem emitida pela Superintendência das Instituições do Setor Bancário (Sudeban).

“o supervisor ordena (aos bancos) a obrigação de adotar o petro como unidade de conta, segundo o estabelecido no processo de reconversão monetária”, de acordo com um comunicado divulgado na sexta-feira pelo Sudeban.

O documento ordena aos bancos que realizem “as adequações correspondentes, na plataforma tecnológica que suporta a página web” para mostrar nas diferentes consultas, “como informação adicional, todas as operações, transações e/ou movimento na unidade de conta petro, assim como em bolívares soberanos”.

De acordo com a Sudeban, o valor do petro e do bolívar soberanos devem ter como referência a cotação diária publicada pelo Banco Central da Venezuela.

Os bancos devem ainda adaptar os sistema de mensagens de telemóveis para permitir o uso o petro e do bolívar soberanos.

O valor atual de um petro é de 3.600 bolívares soberanos, a moeda que entrou em circulação na passada segunda-feira, como resultado de uma reconversão monetária que eliminou cinco zeros ao bolívar forte.

O valor do petro, por sua vez, está anexado ao valor do preço do barril de petróleo venezuelano.

02 junho 2017

Frase

Baseado na nossa experiência, recomendamos o reconhecimento dos efeitos da inflação seja feito quando a taxa de inflação acumulada em três anos for de 26% (aproximadamente 8% ao ano)

Sugestão do GLASS (Grupo da América Latina de Reguladores Contábeis) em encontro no início de maio. Pelo levantamento do grupo, cerca de 50 países ultrapassaram este número pelo menos uma vez entre 2010 a 2014. O Brasil chegou perto: 19,37%. Atualmente o parâmetro é de 100% em três anos. Por este critério, o número de países cairia de 50 para 4 países do mundo.

28 outubro 2015

Contabilidade, Inflação e Venezuela

O New York Times (Nem ladrões querem bolívares) mostra a diferença entre o câmbio oficial e o câmbio no mercado negro na Venezuela. Pelo câmbio oficial, 1 dólar equivale a 6,3 bolívares. Mas no câmbio negro esta relação pode chegar 1 para 700. O significado disto é que

Um ingresso de cinema custa cerca de 380 bolívares. Calculado ao câmbio oficial, são US$ 60. No mercado negro, apenas US$ 0,54. Um balde de pipoca e um refrigerante, dependendo de como o preço é calculado, podem custar US$ 1,15 ou US$ 128.

O salário mínimo é de 7.421 bolívares mensais. Isso pode equivaler a decentes US$ 1.178 por mês, ou a miseráveis US$ 10,60.


Aquele país está passando por uma hiperinflação, graças a política economia desastrosa. Recentemente a “Federación de Colegios de Contadores Públicos de la República Bolivariana de Venezuela” emitiu um documento com “Criterios para el Reconocimiento de la Inflación en los Estados Financieros Preparados de Acuerdo con VENNIF” . A norma está inspirada na NIC 29 do Iasb que trata da contabilidade em situações de hiperinflação. As grandes empresas devem aplicar o procedimento detalhado da NIC 29, enquanto as pequenas e médias empresas um procedimento simplificado. Mas este documento não detalha sobre o efeito do câmbio nas demonstrações contábeis daquele país. Por fim, o esforço dos contadores públicos daquele país já tem um problema básico: a utilização do Índice de Preço Nacional ao Consumidor, emitido pelo Banco Central da Venezuela, que não expressa adequadamente a movimentação dos preços na economia.

16 junho 2014

Inflação na Venezuela


Informa a Folha de S Paulo :

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) da Venezuela registrou um aumento de 5,7% no mês de maio, o que fez a taxa de inflação anual subir a 60,9%.

Com uma inflação neste nível, temos mais de 100% em três anos. Isto caracterizaria um ambiente hiper-inflacionário, conforme definição adotada pelo Iasb.

31 janeiro 2014

Caráter da Inflação

Gustavo H.B. Franco - O Estado de S.Paulo
Tolos ou excessivamente espertos, sempre existiram os crentes no caráter da inflação. Uns viam um "caráter financeiro", outros um "caráter classista" e ao final do processo surgiram os sacerdotes do "caráter inercial". Diante disso, ficou famosa a penetrante observação feita pelo mestre Mario Henrique Simonsen:
- A inflação brasileira não tem nenhum caráter.
Não se tratava apenas de definir a criatura como macunaímica e peçonhenta, mas de estabelecer que a criatura tinha funcionalidade, pois havia quem lhe enxergasse caráter, mas que não era benigna nem era possível de se manter sob limites.
O desaparecimento da criatura em razão do Plano Real, que fará 20 anos em fevereiro, foi imensamente festejado mas, infelizmente, a criatura retornou, com a mesma falta de caráter, e novamente produzindo discórdia, desconforto e injustiça. Seu retorno foi a convite, a partir da invenção denominada "Nova Matriz Macroeconômica", uma criação da equipe econômica do governo.
Há os que enxergarão exagero nos veredictos acima. Para os que viveram a hiperinflação em particular, há dois sentimentos polares: o de que 5,91% ao ano não é nada, pois era a inflação de um fim de semana naqueles tempos malucos, e portanto não há razão para maiores ansiedades. No outro extremo, prevalece a angústia, pois o organismo econômico brasileiro livrou-se desse vício a muito custo, e pequenas dosagens da mesma droga podem produzir uma perigosa recaída.
É para se preocupar com 5,91% anuais, a inflação acumulada para 2013?
A primeira observação, quase um clichê, é que estamos tratando de fenômeno complexo que está muito longe de se resumir apenas a um número. Uma média pode resultar de extremos muito desagradáveis e assim ocultar mais do que revelar. É comum se usar a analogia médica ao comparar a inflação com a febre e tomar a temperatura desse organismo com um número livre de ambiguidades. Entretanto, como toda analogia, ao simplificar demais o assunto, pode levar a erro em muitos casos, como agora. De muitas maneiras a medição da inflação se parece muito mais com um exame de sangue, com seus inúmeros testes capturando diferentes fenômenos e revelando disfunções de órgãos específicos. Os diversos números desse tipo de exame não se "somam". Seu médico poderá dizer que o HDL está bom, mas não a tromboplastina e a testosterona. E que há um antígeno marcando números estranhos. Sem entender, e angustiado você pede uma nota de zero a dez. Dificilmente o médico dirá um 5,91 ou qualquer número, não é por aí.
Os 5,91% da inflação pelo IPCA-2013 resultam de uma inflação nos serviços pouco inferior a 10% ao ano e de um congelamento branco de tarifas públicas. Péssimas notícias. 10% é muito e o País sabe bem que o congelamento de preços significa encomendar inflação no futuro, com a inevitável arrumação desses preços, sempre de forma amplificada e com as piores repercussões.
O congelamento é propositalmente dissimulado por movimentos que produzem uma inflação de cerca de 1% ao ano no conjunto desses itens, criando uma "inflação reprimida" que, na verdade, equivale à tentativa de aprisionar a inflação na sala de estar, o pior lugar para essa criatura peçonhenta, que vai espalhando sua sujeira pela casa, grafitando as paredes, tirando as coisas de seus lugares e ampliando a confusão.
Por isso, é uma tolice apelar à "desindexação" para justificar esse congelamento. É visível que as autoridades não sabem o que é desindexação, do contrário aceitariam o que lhes pede a Petrobrás para os preços de derivados do petróleo. Qual a lógica de o preço da gasolina, eletricidade e passagem de ônibus não andarem (sobretudo quando todos possuem agendas ampliadas de investimento), a tabela do imposto de renda sofrer correção de 4,5% e o salário mínimo crescer 6,78%?
A indexação (a prática da correção monetária) é assunto muito complicado, e muitos economistas de alentada reputação já meteram os pés pelas mãos nesse assunto. A ligação entre inflação e indexação provoca confusões históricas, como a tese do "caráter inercial" que postulava que a inflação existia por que existiu ontem, ou que a causa da inflação era a correção monetária. Como acima argumentado, era um julgamento tolo, ou excessivamente malicioso, sobre o caráter da inflação.
Obviamente, os planos de estabilização baseados nessas teses insanas todos fracassaram de forma flagrante e humilhante. Mas nem por isso desapareceu a tese de que a indexação era a causa da inflação e não a consequência, tampouco a ideia que falsear a correção monetária serve para moderar a inflação.
Desindexação não é "congelamento", pelo contrário, é liberdade para o sistema de preços cumprir o seu papel de vibrar e orientar as decisões econômicas, ou seja, está mais para a livre contratação de indexação, sobretudo no setor privado.
Nos preços públicos, onde não pode haver a livre negociação, trata-se de equilíbrio econômico financeiro de contratos supervisionados pelo poder público e de honestidade na aferição dos índices. Ao fraquejar nesses princípios, as autoridades introduzem um veneno na economia, que apenas o exame mais detalhado do índice de inflação logra capturar.
Os efeitos do veneno já são muito presentes na corrente sanguínea e a conclusão do hemograma é muito simples: a "Nova Matriz" é um fiasco histórico. Com a política fiscal frouxa, as leis da economia, das quais, infelizmente, não é possível fugir, impõem ao governo a escolha entre mais inflação ou mais juros.
Os argentinos preferiram "nenhum dos dois", e apostaram que uma maquiagem muito pesada em todos os números poderia enganar as leis da economia. É como alterar os valores do exame de sangue, acreditando que isso vai confundir o médico e também as doenças. O fracasso dessa tolice tem sido exposto em cores cada vez piores a cada dia.
No Brasil, estamos utilizando maquiagem, sobretudo nos números fiscais, mas a escolha mais importante foi a de permitir que o Banco Central cumpra seu dever, e portanto, optamos pelo "mais juros". A antipatia pública se volta para a ortodoxia da Autoridade Monetária e assim os políticos responsáveis pela desordem fiscal se afastam das consequências de seus atos. Um clássico, um truque velho e sem nenhum caráter.
*Gustavo H.B. Franco é ex-presidente do Banco Central e sócio da Rio Bravo Investimentos. 

26 setembro 2013

Hiperinflação

Aqui um link com experiências com hiperinflação. São 56 episódios onde a taxa de inflação excedeu a 50% ao mês, incluindo o Brasil, entre 89 e 90 do século passado. Não foi a maior taxa história (somente a 43a.), mas não deixou lembrança.

As experiências com maior taxa de inflação

1. Hungria, após a guerra
2. Zimbabue, em 2007 a 2008
3. Iugoslávia, entre 1992 a 1994
4. Sérvia
5. Alemanha
6. Grécia
7. Danzig

11 julho 2013

Inflação na Venezuela

O gráfico mostra a inflação anualizada da Venezuela. Hoje está em quase 40%. Para o Iasb, uma taxa de 100% em três anos representa uma economia hiperinflacionária. Já o Goldman Sachs considera uma taxa anual superior a 40%.

12 outubro 2012

Hiperinflação

A Venezuela é um dos três países atualmente considerados "hiperinflacionários" sob normas  de contabilidade dos EUA e internacionais, o que significa que as empresas têm de converter as demonstrações financeiras de suas operações na Venezuela em dólares americanos, e refletir as perdas e ganhos da taxa de câmbio em seus ganhos atuais.

Venezuelan Hyperinflation Accounting Hassles to Persist - Emily Chasan - WSJ

13 setembro 2012

Hiperinflação

Felix Salmon comenta um relatório do Cato Institute, de autoria de Steve Hanke e Nicholas Krus, sobre a hiperinflação no mundo.

Salmon, que é um bom articulista, comete alguns erros na análise. Em primeiro lugar afirma que a hiperinflação possui uma definição precisa: aumento de preços acima de 50% ao mês. Na realidade a definição de hiperinflação é arbitrária: o Iasb define como sendo 100% de inflação em três anos (vide o capítulo sobre este assunto no livro de Teoria Contábil, da Atlas, de Niyama e este blogueiro).

Com base nesta definição, Hanke e Krus encontraram 57 experiências de hiperinflação na história. Isto inclui casos como a República de Weimar, Grécia (durante a segunda guerra), Hungria, entre outros. A partir deste relato Salmon erra de maneira forte ao perguntar: por que não encontramos hiperinflação em democracias?

Pressupõe Salmon que hiperinflação não ocorre em democracias. Mas esquece de exemplos de democracia onde existiram o aumento elevado nos preços: Weimar, Argentina, Brasil de Sarney, entre outros.

Lembrando, que o Cato Institute tem sido mencionado de maneira negativa em muitos episódios da série The Newsroom em razão do membro fundador David Koch.

21 julho 2012

Entrevista com Edmar Bacha

Correio Braziliense
POR ROSANA HESSEL

Primeiro brasileiro a concluir o doutorado em economia na prestigiosa Universidade Yale, o economista Edmar Bacha é considerado um dos pais do Plano Real, lançado em 1994, no governo Itamar Franco. Bacha coordenou o Departamento de Economia da Pontifícia Universidade Católica do Rio (PUC-Rio), de onde saiu a equipe que desenvolveu o programa. “Desde 1982, discutíamos alternativas para a estabilização. Em 1993, estávamos prontos para colocar as ideias em prática”, conta.

Bacha ganhou notoriedade ao escrever, nos anos 1970, a fábula da “Belíndia”, em que dizia que o regime militar estava criando um país dividido entre os que moravam em condições similares às da Bélgica e aqueles que tinham padrão de vida da Índia. Nos anos 1980, no governo José Sarney (1985-1990), participou do Plano Cruzado e presidiu o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Com Fernando Henrique Cardoso, comandou o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) por cerca de um ano.

Para Bacha, um dos erros na execução do Plano Real foi o país não ter dado continuidade às reformas necessárias. Entre os acertos, destaca o fato de o país ter se livrado do estigma de que nada aqui dava certo. Ele recorda a histórica frase “Le Brésil n’est pas un pays sérieux”, atribuída ao ex-presidente francês Charles de Gaulle (1959-1969): “Nenhum candidato a De Gaulle pode hoje dizer que o Brasil não é um país sério”, afirma. A seguir, os principais trechos da entrevista.

O Plano Real chega à maioridade. Mas, apesar dos os avanços dos últimos 18 anos, o Brasil ainda não consegue crescer de modo sustentável sem enfrentar o fantasma da inflação. Onde o país falhou?

É uma falha relativa. Comparado com nosso próprio passado, não há falha alguma. Comparado com o resto do mundo depois de 2008, também não há qualquer falha. Falhamos ao não realizar plenamente o potencial de crescimento do país. Depois do mensalão, em 2005, faltou determinação de continuar as reformas econômicas. Sem reformas, a produtividade estancou e o investimento não cresceu.

É possível pensar em um Plano Real II, agora com o intuito de fazer as reformas abandonadas e ampliar a infraestrutura? O que é preciso para obter a unidade que levou ao Real em julho de 1994?

Pensar é possível e desejável. O que falta é a decisão política. Em 1994, havia a consciência de que, ou estabilizávamos a economia ou cairíamos num buraco sem fim. Agora falta o consenso de que é preciso reformar o setor público para termos crescimento sustentável. Mas já há um começo, tanto na comissão comandada por Gerdau (Jorge Gerdau Johannpeter, presidente do Comitê de Gestão e Competitividade da Presidência), quanto na recente comissão parlamentar para a reforma do setor público.

A que o senhor atribui o sucesso do real? Por que o país fracassou tantas vezes até conseguir derrotar a hiperinflação?

Foi um aprendizado penoso. Os militares resolveram conviver com a inflação e aperfeiçoaram a indexação. Aí houve a crise da dívida externa. Depois os percalços da redemocratização, culminando com o trauma do Plano Collor. Naquela altura, ninguém aguentava mais a superinflação. Na PUC-Rio, vínhamos desde 1982 discutindo alternativas para a estabilização. Em 1993, estávamos prontos para colocar as ideias em prática. Então, Itamar Franco nomeou Fernando Henrique como ministro plenipotenciário e o resto foi história.

Se o Plano Real fosse elaborado hoje, o que teria de diferente? Haveria um processo total de desindexação da economia? Em vez do câmbio fixo já se adotaria logo o sistema de taxas flutuantes?

O projeto original previa a desindexação total. Mas a negociação no Congresso exigiu a manutenção de alguma indexação residual. Além disso, o ajuste fiscal foi menos forte do que o necessário, pois não foi possível aprovar as reformas constitucionais. Tudo o que se conseguiu foi o Fundo Social de Emergência (hoje chamado de Desvinculação das Receitas da União). Com isso, o câmbio teve que fazer o papel de âncora, com as altas taxas de juros. Se fôssemos começar de novo, seria preciso mudar a história, fazendo a revisão constitucional em 1995 e não em 1993. Com um reforma constitucional, seria possível adotar mais cedo o regime de câmbio flutuante e baixar as taxas de juros.

Nos últimos anos, o crescimento do Brasil foi baseado no consumo das famílias. Esse modelo está esgotado? Por que ainda resistimos tanto a adotar um choque de investimentos? As taxas de juros estão no menor patamar da história, mas as empresas se recusam a ampliar a produção.

Não sei se é inteiramente verdadeira essa afirmação. A taxa de investimento em preços constantes aumentou continuamente de 2005 até 2011 (exceto em 2009, por causa da crise externa). O Brasil ainda investe pouco, mas muito mais do que investia em 2005. Agora, há uma crise séria na economia mundial que desalenta o setor privado. Por outro lado, o investimento público está paralisado. E há uma enorme resistência no governo a fazer o óbvio: transferir para o setor privado a responsabilidade por investimentos que não consegue fazer na infraestrutura — em portos, aeroportos, estradas, energia, etc. É preciso é superar essa paralisia e oferecer alternativas de investimento para o setor privado.

O Brasil enfrentou muitas crises internacionais ao longo de quase duas décadas. Caiu de joelhos na maioria das vezes por causa da fragilidade das contas externas. Com o mundo em recessão, os preços das commodities tendem a desabar. Há riscos de uma nova tempestade no balanço de pagamentos?

O volume de reservas internacionais é suficiente para enfrentar problemas que possam se manifestar na área externa. Também não há perspectiva de o preço das commodities desabar. Afinal, a limitação dos recursos naturais é o problema central do planeta quando se olha o futuro.

Como o senhor avalia a política macroeconômica do governo Dilma? Ela está sendo bem conduzida? Quais são os principais pontos positivos e negativos?

De positivo, estar aproveitando a crise mundial para reduzir os juros. De negativo, não conseguir superar a paralisia de investimentos em infraestrutura.
O governo adotou um viés intervencionista na economia. Essa presença maior do Estado no setor produtivo pode pôr a perder conquistas do Real?

Tão ruim como o intervencionismo é o protecionismo. Com isso estão tentando evitar o processo schumpeteriano de criação destrutiva, que é a base da prosperidade no capitalismo. Com essa política absurda de conteúdo nacional, continuaremos a produzir carroças e não vamos chegar ao pré-sal.
O Brasil ganhou voz no mundo e hoje é ator influente na política global. Em que a estabilidade econômica contribuiu para isso? Essa relevância veio para ficar?

O Plano Real só tem 18 anos. Daqui a 32 anos poderemos fazer essa avaliação, se a estabilidade interna, que é a base da relevância externa, veio para ficar. Mas nenhum candidato a De Gaulle vai poder hoje dizer que o Brasil não é um país sério, como disse o general francês na década de 1960. Mérito da redemocratização, do real e da continuidade de políticas econômicas e sociais desde então.

Qual é maior legado do Plano Real e o que ainda precisa ser feito para aperfeiçoá-lo?

O maior mérito é ter mudado a cara do Brasil. Antes, éramos uma nau sem rumo, hoje somos uma economia emergente. Para aperfeiçoar, é preciso voltar às reformas.

20 julho 2012

A maioridade do Plano Real e os próximos 18 anos

Pedro Sampaio Malan
O Estado de S.Paulo, 8/07/2012

Há exatamente uma semana o Real completou os primeiros 18 anos do que espero seja a longa vida de uma moeda que veio para ficar como um dos símbolos do avanço institucional do País. Os brasileiros que tinham 18 anos em 1994 - e, portanto, todos os que estão hoje na faixa dos 36-40 anos - provavelmente não têm nenhuma lembrança pessoal significativa, isto é, vivida, da marcha da insensatez que foi a evolução do processo inflacionário no Brasil pré-Real.

Vale lembrar: no meio século que vai de meados dos anos 40 a meados dos anos 90, o Brasil só teve três anos de inflação inferior a 10% (nos anos 40). Entre 1950 e 1980 a taxa média de inflação foi da ordem de 25%-30% ao ano. Do início dos anos 80 (quando chegou a 100%) até o Real, a taxa média anual foi superior a 600%, passando dos 1.000% em 1989 e chegando a quase 2.500% em 1993. Na literatura econômica há uma palavra para isso: hiperinflação.

Ainda era muito precária, à época, a percepção, que hoje felizmente existe, de que a inflação é um imposto. E o mais injusto de todos, porque incide principalmente sobre os mais pobres. Não é por acaso que os indicadores de concentração de renda e riqueza no Brasil nas últimas décadas - sejam os índices de Gini, sejam as parcelas de renda apropriadas pelo 1% mais rico e pelos 20% mais pobres - mostram que os piores anos de desigualdade na concentração de renda no Brasil foram ao final dos anos 80 e início dos anos 90.

O povo brasileiro entendeu, muito rapidamente, que o controle da inflação propiciado pelo Real era algo que redundava em seu benefício. E hoje a inflação baixa é vista como um objetivo da sociedade e como obrigação de qualquer governo minimamente responsável. Não é um fim em si mesmo, como sempre afirmamos, mas uma condição indispensável para que outros objetivos econômicos e sociais possam ser alcançados. Afinal, com inflação alta, crônica e crescente não há possibilidade alguma de verdadeira inclusão social, tampouco de crescimento sustentado.
O que quero dizer com isso? Que a importância e o significado do Real, que ora atinge sua maioridade, transcende de muito a derrota da hiperinflação em 1994. E que a agenda do Brasil pós-hiperinflação se confundia com a própria agenda do desenvolvimento econômico e social do País, que pôde, sem a zoeira da inflação, começar a alargar seus horizontes e procurar tornar-se um país mais normal, mais previsível, mais confiável, mais competitivo. Um país talvez capaz de crescer de forma sustentada, com inflação sob controle, com maior justiça social, menos pobreza, com as finanças públicas em ordem, infraestrutura decente, melhor educação e maior eficiência nos setores público e privado.

Como sabemos, 18 anos são pouco para a magnitude dessa empreitada. Mas o Brasil não começou com o Real e já havia avançado muito em períodos anteriores, apesar de aparências em contrário. Agora é preciso contemplar os próximos 18 anos. Afinal, 2030 está logo ali adiante, quando os que chegaram à sua maioridade com o Real - como meu filho mais moço - terão dobrada sua idade.

Quem viver até lá acompanhará as tentativas do governo atual, e os labores dos governos que se lhe seguirão, de lidar com as urgências constantemente postas e repostas pelo sempre fugidio "momento presente" - que exigem respostas no curto prazo da parte dos responsáveis por políticas públicas. Respostas que serão tão mais adequadas quanto mais levem em conta objetivos de longo prazo: políticas de Estado, e não apenas do governo de turno; para a próxima geração, e não somente para a próxima eleição.

Como procurou fazer o governo FHC, nessa área de respostas a problemas que precisavam ser encarados com firmeza - e o foram. Exemplos: a resolução de problemas de liquidez e solvência no sistema bancário nacional, privado e público; a reestruturação das dívidas de Estados e municípios então insolventes do ponto de vista fiscal e desde então sem problemas mais sérios nessa área; a Lei de Responsabilidade Fiscal, de maio de 2000, marco de mudança histórica nas finanças públicas brasileiras; o reconhecimento de que as necessidades de investimentos do País (não do governo) superavam de muito a capacidade do setor público e de suas empresas, exigindo mudanças, até mesmo constitucionais, que abrissem espaço ao investimento privado, doméstico e internacional.

(...)A propósito, é importante reconhecer que o governo Dilma, à diferença de seu antecessor, que nem sequer tentou (ou porque não quis, ou porque não pôde, ou talvez porque o extraordinário vento a favor que pegou da economia mundial lhe permitiu evitar incorrer em custos políticos domésticos), está procurando enfrentar certas "urgências do gradualismo", para as quais deveria ter apoio de quem pensa no longo prazo, como a mudança do insustentável regime de previdência do setor público e as "inexoráveis" concessões ao setor privado em áreas de infraestrutura, por exemplo. Para não falar nas necessárias resistências do Executivo às insaciáveis demandas de sua vastíssima "base de apoio" por contínua expansão dos gastos públicos no curto, no médio e no longo prazos.

Debates desse tipo são fundamentais quando se olha à frente. Afinal, teremos nada menos que cinco eleições presidenciais nos próximos 18 anos.

PEDRO S. MALAN, ECONOMISTA, FOI MINISTRO DA FAZENDA NO GOVERNO FHC. E-MAIL: MALAN@ESTADAO.COM.BR

18 janeiro 2009

A nota de 100 trilhões


A hiperinflação do Zimbabwe tornou-se tão extrema que o tesouro decidiu mandar imprimir notas de 100 trilhões, 50 trilhões, 20 trilhões e 10 trilhões. 100 trilhões de dólares do Zimbabwe equivale a cerca de 300 dólares. Espere. Agora é US$290 . Rápido, gaste-o, enquanto ainda há tempo.
Mesmo vendedores de vegetais preferem os dólares dos EUA, o rand sul-Africano ou pula de Botsuana, e a maioria dos trabalhadores agora procura os seus salários em moeda estrangeira. Médicos e enfermeiros estão em greve desde o último setembro, exigindo salários em dólares dos EUA. A greve coincidiu com uma epidemia de cólera (...)


Fonte: Aqui. Aqui, outras notícias do Zimbabwe