Translate

28 julho 2014

Rir é o melhor remédio


Dito popular: Se vista para o trabalho que você almeja, não para o que você tem.

Curso de Contabilidade Básica: Previsto e Realizado

Em geral estudamos em contabilidade que o método das partidas dobradas serve para mensurar eventos que já ocorreram. Mas nada impede que as informações contábeis sejam usadas para projetar o futuro de uma entidade. Na verdade é sempre salutar que uma empresa possa fazer projeções de seu desempenho futuro para comparar com aquilo que foi realizado. Este processo de projeção deve ser considerado com muita cautela pela dificuldade que envolve esta atividade. Se na nossa vida pessoal muitas vezes não conseguimos prever o que irá ocorrer no dia seguinte, imagine o leitor uma empresa, que deve fazer projeção sobre seus ativos, passivos, receitas e despesas no futuro.

Além disto, a projeção pode induzir as pessoas. Se desejo passar uma imagem vigorosa da atual gestão, posso ser mais otimista nos valores projetados. Caso pretenda alcançar facilmente as metas, a projeção será mais pessimista.

Vejamos o caso da São Paulo Turismo SA, a empresa controlada pela prefeitura da cidade de São Paulo, responsável pelo Anhembi Parque, Sambódromo, SP Fashion Week, GP de Fórmula 1, Virada Cultural entre outros eventos. Esta empresa assinou um termo de compromisso de desempenho institucional, onde estavam previstas diversas metas, incluindo uma referente a receita operacional líquida, conforme a figura abaixo:


Na figura destacamos os dois valores referentes às projeções. Para 2013 a empresa estava prevendo uma receita de 212 milhões de reais. Isto corresponde a um aumento de 3% sobre o valor de 2012. Para 2014 o crescimento seria de 10% sobre 2013, o que parece razoável tendo em vista a realização de parte da Copa do Mundo em São Paulo.

A parte interessante desta história é verificar se a empresa atingiu a meta prevista. A seguir a Demonstração do Resultado da empresa de 2013 e 2012.
O valor da receita foi de 181 milhões, ou 86% da meta prevista. O que aconteceu? É interessante notar que a própria empresa divulga, nas suas demonstrações, que a arrecadação do turismo na cidade cresceu, mas não apresenta nenhuma justificativa para este desempenho. Sabemos que ocorreu uma mudança na administração da cidade e que provavelmente a empresa aumentou a necessidade de adiantamento por parte de clientes (aumento substancial na conta de adiantamento de clientes). Talvez sejam possíveis explicações.

Isto torna o caso da SP Turismo interessante: nem sempre as demonstrações contábeis irão fornecer respostas diretas para assuntos relevantes. Será necessário mais investigação e uma certa dose de inferência (e sorte) por parte do usuário.


Apple pode entrar em batalha judicial com compra da Beats

Bose alega que Beats Electronics infringiu 36 patentes dela em fones de ouvidos





Fone de ouvido Solo², da Beats ElectronicsFoto: Beats by Dr.Dre



Modelo de fone de ouvido da Bose com a tecnologia de cancelamento de barulho

A Beats Electronics está sendo processada pela Bose, fabricante de sistemas de som, em uma briga por patentes de fones de ouvido que cancelam barulhos. O processo pode colocar a Apple em uma nova batalha judicial, caso a empresa de Cupertino conclua a compra da Beats. As informações são do TechCrunch.

No registro do processo, a Bose alega que a Beats infringiu 50 anos que valem pela pesquisa, desenvolvimento e engenharia da tecnologia de cancelamento de barulhos, e que a linha atual de fones de ouvido da Beats viola pelo menos 36 patentes e aplicações da Bose.

Os produtos da Beats que supostamente infringem as patentes incluem a linha Beats Studio. A Bose pediu à corte uma liminar contra a violação, um relato completo das vendas dos dispositivos que violam as patentes, pagamento de danos que incluem custos jurídicos, determinação de que a violação foi intencional e outras considerações a serem determinadas pela Justiça.

Fonte: Aqui

Listas: IDH 2014

1 – Noruega
2 – Austrália
3 – Suiça
4 – Holanda
5 – Estados Unidos
6 – Alemanha
7 – Nova Zelândia
8 – Canadá
9 – Singapura
10 – Dinamarca
11 – Irlanda
12 – Suécia
13 – Islândia
14 – Reino Unido
15 – Hong Kong, China (SAR)
15 – Coréia (República da)
17 – Japão
18 – Listenstaine
19 – Israel
20 - França
...
79 - Brasil
...
187 - Nigéria

27 julho 2014

Rir é o melhor remédio


Entrevista: Izalci Lucas Ferreira

Um dia eu estava em um congresso ou encontro, não me lembro bem, e vi que alguém que admiro  era presidente do Sindicato dos Contadores de Brasília – e eu nem sabia. O tio Izalci é uma pessoa a mim muito querida e que influenciou a minha escolha pela nossa linda carreira e Ciência. Então vamos lá!? Ele é o nosso entrevistado deste domingo.

Izalci Lucas Ferreira nasceu em Araújos, interior de Minas Gerais. Veio com seus pais para Brasília em 1970 e aqui constituiu família e toda a base para sua carreira. Ele é contador, mas é também deputado federal e ex-juiz do trabalho. Mas, acima de tudo, contador! ;)

Blog_CF: Izalci, o que te inspirou a cursar contabilidade?
A contabilidade é uma Ciência bonita e a acho simplesmente essencial. Na época em que estudava, fazia o curso em uma universidade particular que era a única com curso noturno, pois eu tinha que trabalhar durante o dia. Mesmo assim eu tive que aderir o Programa de rédito Educativo. A paixão pelo curso só crescia. Fiz bons amigos ali e ainda procuro me manter tão conectado quanto posso. Sou sócio de uma empresa de contabilidade, além de atualmente estar na CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito) da Petrobrás. É indispensável que profissionais contabilistas estejam envolvidos em processos assim, pois possuímos um saber notório para avaliar casos como esse. Tenho orgulho em ser um contador no parlamento. Eu não imaginava o que me traria a vida de contador, mas me inspirei simplesmente em ser um bom profissional, um bom contador.

Blog_CF: Fico mesmo feliz por termos um contador nos representando! Mas você defende principalmente a educação e é conhecido como professor Izalci. Como você concilia a paixão pela educação e pela contabilidade?
Acredito que ser chamado de "professor" é uma das maiores honras. Defendo que a educação é a base para tudo, nós sabemos disso, e o professor é fundamental para isso. Tive excelentes professores e me dediquei ao máximo. Eu trabalhava durante o dia, estudava a noite e aderi ao crédito educativo. Assim consegui estudar e me formar, cuidando da minha família. Mas, por exemplo, se havia vaga em salas de aula de escolas particulares, complementar com alunos bolsistas não aumentaria o custo marginal da empresa, então por que não o fazer? Eu não era político, mas pensando nessas vagas e em alunos sem oportunidades, comecei a trabalhar com uma forma que organizava essa interação: alunos conseguiam as vagas sobressalentes nas escolas particulares. Apenas uma medida temporária, já que devemos mesmo é cuidar da educação desde a infância e lutar pelo ensino público de qualidade. Essa é uma verdadeira paixão, ver um Brasil com mais oportunidade, mais justiça e igualdade, e a contabilidade me auxilia a atingir essa meta. Por isso acabei entrando na política, após essa experiência com a “realocação” de alunos. E, ainda, quem tem conhecimentos contábeis tem uma visão diferenciada e estratégica. O simples fato de saber a diferença entre custo, investimento e despesa me põe a frente em debates e decisões políticas. Mas isso é algo básico que tento ensinar a todos. Acho que se todos os parlamentares tivessem as noções básicas que temos facilitaria muita coisa.

Blog_CF: Ano passado foi considerado o “Ano da Contabilidade no Brasil”. Quais impactos causados por esse trabalho do Conselho Federal de Contabilidade?
O principal impacto foi o aumento da visibilidade do setor. Talvez os próprios contadores não tenham percebido, pois esse é o nosso mundo, estamos sempre com assuntos relacionados a isso ao nosso redor. Todavia, a percepção do público geral melhorou em relação a profissão, o que é fundamental para o contínuo desenvolvimento e amadurecimento desta área no Brasil. Ano passado tentamos focar ainda mais as lutas e o caminho percorrido pela contabilidade, a importância do setor no desenvolvimento das empresas e, principalmente, o papel do contador nas organizações, sejam elas públicas ou privadas. Não somos apenas “preenchedores” de declarações de imposto de renda ou outras burocracias. Claro que também fazemos isso (especialmente para a nossa família e na véspera do prazo!), mas estamos em uma posição que nos permite sermos analíticos e o diferencial no sucesso ou fracasso de uma empresa.

Blog_CF: Em Brasília você concorda com a visão de que o melhor caminho que um contador pode seguir é o serviço público? Que outras opções você observa para quem está adentrando o mercado de trabalho?
Tanto na área pública, quanto na área privada, as possibilidades são muitas para os contadores. Basta que não se apeguem a estereótipos, algo eu acredito que vem sendo gradualmente modificado no Brasil. A contabilidade brasileira do setor privado avançou muito, a contabilidade pública não tem recebido a devida atenção, ou valorização. Atualmente estamos lutando na Câmara pela reestruturação da carreira no setor público. Com isso, aumentamos as opções para quem está entrando no mercado de trabalho. Mas acredito que saber que segmento seguir necessita de diversas informações e o perfil de cada um é o que mais pesa ao se considerar a iniciativa pública ou a privada.

Blog_CF: Agora vamos solicitar um conselho. O que dizer aos jovens que estão iniciando o curso Ciências Contábeis?
Invistam na formação profissional para entrar no mercado de trabalho com qualificação. Estudem inglês, leiam livros (não apenas clássicos, leiam de tudo) e saibam escrever e discursar bem. Creio que esse é o diferencial e é o que buscamos ao contratar alguém. Tenha paixão pelo que faz e as coisas acontecerão naturalmente.

Quer fazer mais pergunta? Escreva nos comentários. 
Caso queira contato direto, o deputado Izalci pode ser encontrado no endereço abaixo:
Praça dos Três Poderes - Câmara dos Deputados
Gabinete: 284 - Anexo: III
CEP: 70160-900 - Brasília – DF
Fones: (61) 3215-1284
e-mail:izalci@izalci.com.br

Aprovado em 1º lugar na Receita Federal

Aprovado em 1º lugar na Receita Federal largou emprego para estudar
Jovem enfrentou concorrência de 68,5 mil para o cargo de auditor-fiscal.
Kaique Knothe se dedicou somente aos estudos por dez meses.
Kaique Knothe de Andrade somente estudou por 10 meses para concurso da Receita Federal (Foto: Arquivo Pessoal/ Kaique Knothe de Andrade)Kaique Knothe de Andrade é formado em engenharia, mas não gostou da área (Foto: Arquivo Pessoal)


Kaique Knothe de Andrade, de 25 anos, conseguiu, em apenas dez meses, o cargo que milhares de brasileiros sonham em ter: auditor-fiscal da Receita Federal. Com salário de R$ 14,9 mil, o posto de nível superior é um dos mais disputados no mundo dos concursos. Na última edição, 68,5 mil se inscreveram para tentar uma das 278 vagas. Sem contar as reservadas para pessoas com deficiência, a concorrência foi de 249,5 candidatos por vaga.

“Acreditava que tinha chances de passar no concurso, mas estaria mentindo se dissesse que esperava ser o primeiro. Apenas saí com a impressão de que tinha feito uma boa prova”, conta.

O resultado final do concurso foi divulgado e homologado em 2 de julho, e agora o jovem espera a convocação para assumir o cargo. A partir dessa data, o concurso tem validade de seis meses.
Foi uma das coisas mais corajosas que fiz, mas sei que nem todos podem apenas estudar. Acredito que vale a pena dar essa parada"

Formando em engenharia mecânica pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), em 2012, Andrade estudou por três ano e meio na Ecole Centrale de Nantes, na França, durante a graduação. Começou a carreira em uma empresa de consultoria estratégica, mas não estava feliz. “Tinha que ajudar as empresas a se posicionarem no mercado e ajudar a aumentar seu faturamento, mas não gostava do que estava fazendo”, diz.

Em junho de 2013 veio a decisão de deixar o emprego para se dedicar somente ao estudo para concursos. “Foi difícil porque tinha uma boa remuneração, e ela até poderia atingir o salário da Receita em alguns anos."

Na escolha, pesaram a qualidade de vida e a segurança que um cargo na área pública poderia proporcionar. "Estava trabalhando muito e o custo de vida também era elevado. Resolvi trabalhar para o estado em vez de somente gerar benefício para os clientes.”

Um mês depois ele estava de volta à casa dos pais em Rio Claro, sua cidade natal no interior de São Paulo, para reduzir os gastos. Andrade fez uma poupança para pagar um cursinho e arcar com as próprias despesas, que passaram a ser bem controladas.

“Foi uma das coisas mais corajosas que fiz, mas sei que nem todos podem apenas estudar. Acredito que, para quem tem essa possibilidade, vale a pena dar essa parada, porque ajuda muito na preparação”, diz o jovem.
Órgão/ data da provaCargoTempo de estudoStatus
Ministério da Fazenda 

Agosto de 2013
Engenheiro1 mês para a Receita e 5 dias para específicasAprovadoem 2º lugar em São Paulo
Ministério do Trabalho e Emprego

Setembro de 2013
Auditor do trabalho2 meses para a Receita e 15 dias para específicasNão aprovado
Ministério Público da União (MPU)

Setembro de 2013
Perito - engenharia mecânica2 meses para a Receita e 10 dias para específicasNão aprovado
Banco Central

Outubro de 2013
Analista3 meses para a Receita e 15 dias para específicasNão classificado
Agência Nacional do Cinema (Ancine) 

Novembro de 2013
Analista4 meses para a Receita e 5 dias para específicasAprovado- lista de espera
Financiadora de Estudos e Projetos (Finep)

Janeiro de 2014
Analista6 meses para a Receita e 5 dias para específicasAprovado - cadastro de reserva
Caixa Econômica Federal 

Março de 2014
Engenheiro mecânico8 meses para a ReceitaNão aprovado
Instituto Nacional do Seguro Social (INSS)

Março de 2014
Analista - engenharia mecânica8 meses para a Receita e 10 dias para específicasAprovadoem 1º lugar em São Paulo
Empresa de Pesquisa Energética (EPE) 

Abril de 2014
Analista de pesquisa energética9 meses para a Receita e 5 dias para específicasAprovado- cadastro de reserva
Receita Federal 

Maio de 2014
Auditor-fiscal10 mesesAprovadoem 1º lugar


Receita foi a 1ª opção
Andrade não tem ninguém na família que seja concursado ou que trabalhe em órgãos públicos. Segundo ele, um amigo que atua como auditor na área de tributação falou sobre o dia a dia da profissão e despertou o interesse do jovem. “Sempre ouvi falar sobre o concurso de auditor da Receita Federal. Mas fui vendo que a profissão mexia muito com a área de exatas e tinha muito a ver com a minha formação.”

O jovem chegou a fazer nove concursos (veja na tabela ao lado), além da Receita Federal, o seu principal objetivo, para conseguir um cargo que o permitisse continuar estudando e também para pegar "ritmo" de prova. Do total, foi aprovado em cinco, sendo que está na lista de espera de três destes.

Atualmente, Andrade é engenheiro no Ministério da Fazenda, e, coincidentemente, trabalha dentro da Receita Federal. Ele chegou lá após um concurso que prestou em agosto de 2013, um mês depois de largar o emprego na iniciativa privada e começar a estudar para concurso. Foi aprovado em 2º lugar em São Paulo e assumiu o cargo há três meses.

Preparação
“No começo estava bem perdido. Busquei o cursinho da LFG e comprei apostilas específicas para algumas disciplinas. Procurava ouvir o professor e já ler o conteúdo das disciplinas para acompanhar a aula”, diz. Andrade ia para o curso de manhã e ainda estudava em casa por mais 10h, com vídeos e apostilas.

O foco dos estudos eram as disciplinas da Receita. As específicas de outros concursos, como Agência Nacional de Cinema (Ancine) e Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), foram vistas por poucos dias antes das respectivas provas.

Foram oito meses de estudo antes de a Receita divulgar o edital do concurso e dois meses depois disto. Quando confirmou os conteúdos que cairiam na prova, Andrade passou a se dedicar mais às legislações específicas: legislação aduaneira, Imposto de Renda, entre outras, e a fazer questões de provas anteriores. “A partir daí não tive mais final de semana. Não queria ficar deslocado da realidade.”

“Tive que aprender contabilidade, que é uma matéria bem complicada, mas tive um boa surpresa, acertando 90% da prova”, conta.

Boas estratégias
Segundo Andrade, ter feito provas de outros concursos ajudaram na hora do exame da Receita. “Acho que tive três pilares nessa preparação: boa base de exatas, ter encontrado um bom método de estudo e controle emocional na hora da prova.”
Dicas do 1° colocado
- Tenha uma boa base antes de avançar
- Encontre um bom método
- Avalie o estudo e mude o que não dá certo
- Tenha controle emocional na hora da prova
- Persista, mantendo foco e motivação
“A primeira coisa é não ter medo do concurso. Pode ser que demore quatro anos, mas às vezes a pessoa pode se sair bem antes do que imagina. É uma coisa difícil, por isso é importante manter o foco e a motivação”, destaca.Para quem já está estudando, ele indica que os candidatos analisem a qualidade do estudo e se estão conseguindo absorver o conteúdo visto. “Se uma tática não está funcionando, é melhor buscar outra e mudar. Não adianta somente ler a teoria e não absorver nada”, diz. Já na hora da prova, o jovem considera que o controle emocional é um dos aspectos indispensáveis para se sair bem.

Sobre candidatos que tentam todos os concursos, Andrade deixa um alerta: “Talvez não valha a pena tentar diversas vagas e não ter um foco”. Ele também lembra que isso pode roubar um tempo precioso de estudo para o cargo dos sonhos.

Doar nossa fortuna foi a coisa mais gratificante que já fizemos



Em 1993, Bill e Melinda Gates, ainda noivos, passeavam em uma praia em Zanzibar, tomaram uma decisão ousada de como fazer com que a sua fortuna que veio da Microsoft voltasse para a sociedade. Em uma conversa com Chris Anderson, o casal fala sobre seu trabalho na Fundação Bill & Melinda Gates, bem como sobre o seu casamento, seus filhos, seus fracassos e a satisfação de doar a maior parte de sua fortuna.

26 julho 2014

Rir é o melhor remédio


Auditoria: Desvio de dinheiro na Cruz Vermelha

É o fim dos tempos. Que reportagem triste!! Saiu no BrasilPost:

Auditoria encomendada pela Cruz Vermelha para apurar os desvios milionários de recursos da instituição no Brasil reforça oficialmente o que revelou reportagem de Veja em 2012: os recursos doados à entidade no país não foram aplicados como pensam os doadores. O resultado da auditoria consta em reportagem desta sexta-feira do jornal Folha de S. Paulo. Como a revista informou há dois anos, nas três campanhas nacionais de arrecadação organizadas em 2011 pela Cruz Vermelha Brasileira — uma para as vítimas dos deslizamentos na região serrana fluminense, que deixaram 35 mil desabrigados; outra para a Somália, país africano faminto e devastado por guerras civis; e mais uma para a tragédia do terremoto seguido de tsunami no norte do Japão — os recursos arrecadados não foram aplicados em nenhum dos locais.

Os montantes recolhidos – R$ 212 mil para as campanhas da Somália e Japão e R$ 1,6 milhão para a tragédia fluminense – foram repassados a uma ONG comandada pela mãe do vice-presidente da Cruz Vermelha no Brasil à época, Anderson Marcelo Choucino.

A auditoria foi realizada pela More Stephens, consultoria com sede em Londres. As irregularidades começaram a ser levantadas em 2012 pela funcionária Letícia Del Ciampo, que assumiu o escritório de Petrópolis da entidade. Depois de encaminhar documentos ao Ministério Público e de dar declarações públicas sobre as irregularidades, ela recebeu ameaças de morte e pediu proteção policial.

Veja descobriu que a Embaixada da África do Sul destinou R$ 230 mil reais aos desabrigados da serra fluminense e nunca recebeu um relatório sequer sobre a utilização do dinheiro. A revista teve acesso a uma lista de empresas e bancos que juntos doaram cerca de 1,5 milhão de reais para os desabrigados fluminenses.

A Cruz Vermelha do Japão registra o recebimento de R$ 164 mil reais para as vítimas do tsunami, mas os recursos eram provenientes apenas da Cruz Vermelha de São Paulo. O dinheiro arrecadado pelo escritório nacional foi parar nas contas secretas do Maranhão, como mostrou a reportagem.

Reportagem da Folha informa que a auditoria constatou que o Instituto Humanus, com sede em São Luís, no Maranhão, está registrado em nome de Alzira Quirino da Silva, mãe do ex-vice-presidente do órgão central da Cruz Vermelha. E que o instituto recebeu R$ 15,8 milhões da Cruz Vermelha entre 2010 e 2012, sem qualquer comprovação de que tenha efetuado os serviços correspondentes.

Por falta de documentos, os auditores não conseguiram identificar a origem de todo dinheiro repassado ao Humanus. As transações bancárias de transferência de verba para o instituto eram feitas com a assinatura eletrônica de Carmen Serra, ex-presidente da filial da Cruz Vermelha no Maranhão e irmã do presidente nacional da instituição à época, Walmir Serra Júnior.

Em setembro de 2012, Veja obteve um ofício que prova que era Walmir Serra quem determinava o destino do dinheiro. A empresa Mitsui & Co. S.A., que doou cerca de R$ 150 mil para as vítimas da tragédia na serra fluminense, foi orientada, em um ofício enviado por Serra, a depositar o dinheiro em uma conta do Banco do Brasil em São Luiz do Maranhão. Presidente da Cruz Vermelha nacional desde 2013, Rosely Sampaio afirmou à Folha que o relatório da auditoria será levado à Justiça para que sejam tomadas as medidas cabíveis.

Prejuízos disparam na Amazon

Galpão no Reino Unido
Para a Amazon, que em 20 anos se transformou de livraria online em loja de tudo, a apresentação de prejuízos está longe de ser uma ocasião rara. A empresa tem dito ao longo do tempo que a estratégia é de retorno a longo prazo. Voltou agora a dizer aos investidores que terão de esperar para ver resultados. Teve 126 milhões de dólares de prejuízo no último trimestre e avisou que o próximo será muito pior.

O volume de negócios da empresa até aumentou, com as vendas a subirem 23%, para 19,34 mil milhões de dólares, mas os resultados afundaram 1700%– no mesmo trimestre do ano passado, os prejuízos tinham sido de sete milhões de dólares.

Na comunicação trimestral de resultados, feita nesta quinta-feira após o fecho das bolsas nos EUA (durante a noite em Portugal), a Amazon avisou que o terceiro trimestre será muito pior e apresentou uma estimativa de 810 milhões de dólares de prejuízos operacionais (ou seja, o resultado das actividades centrais da empresa). Por comparação, nos três meses que terminaram em Junho, o prejuízo operacional foi de 15 milhões de dólares. Já a previsão de vendas aponta para valores próximos dos que foram agora comunicados.

O director financeiro da Amazon, Thomas Szkutak, explicou os resultados negativos com a linha de argumentação a que a empresa habituou os investidores: “Não estamos a tentar optimizar para termos lucro a curto prazo. Estamos a investir no interesse dos clientes e accionistas. Temos a sorte de ter estas oportunidades”, afirmou. Porém, não terá conseguido convencer o mercado: depois de uma semana de relativa estabilidade, a cotação no Nasdaq abriu no vermelho e caía esta tarde cerca de 11%, para valores em torno dos 318 dólares.

Ao longo deste trimestre, a Amazon apresentou uma série de novidades. Na semana passada, arrancou com um novo modelo de venda de livros por assinatura. Disponível apenas nos EUA, os clientes podem pagar dez dólares por mês para lerem quantos livros electrónicos quiserem, do leque de publicações cujos editores tenham aderido ao sistema. Há, no entanto, vários best-sellers que não podem ser lidos nesta modalidade e muitos dos títulos são edições de autor ou clássicos que já estavam no domínio público e que podiam, por isso, ser lidos livremente.

Já no mês passado, a Amazon apresentou o seu primeiro telemóvel. Na lista de equipamentos fabricados pela empresa, veio juntar-se aos vários leitores de livros electrónicos e ao tablet Kindle Fire. O Fire Phone (que, por ora, será vendido apenas nos EUA) inclui um sistema para facilitar a compra de produtos na loja online, mas recebeu críticas muitas negativas pela abundância de funcionalidades de pouca utilidade.

Também neste trimestre, a empresa lançou um serviço de música e criou três séries infantis de animação. Na Europa, investiu na melhoria do sistema de distribuição, para acelerar o tempo de entrega dos produtos em vários países.

Fonte: Aqui

Quais são as qualidades de um bom economista?



Prior to the up-coming "5th Lindau Meeting on Economics Sciences" (19-23 August 2014), Nobel Laureates in Economic Sciences and young economists were asked: "What makes a good economist?". Some of their answers have been compiled for this film - but the conversation will continue: 19 laureates of the "Sveriges Riksbank Prize in Economic Sciences in Memory of Alfred Nobel" - the Nobel Prize in Economics - will meet with approximately 450 aspiring young economists from 80 countries at the "5th Lindau Meeting on Economics Sciences". They will discuss where economics is heading to and what there is to expect from economists in the future. For more information, please visit:http://www.mediatheque.lindau-nobel.o...