Translate

26 abril 2015

Rir é o melhor remédio

Diário e Número de palavras

História da Contabilidade Primeira Evidenciação no Brasil

Anteriormente postamos sobre a evidenciação do Theatro S João, antes da independência do Brasil (1). Tínhamos informado que as informações foram divulgadas em 1812 (2). Cometemos um erro. Na realidade as informações eram de 1812, mas foram divulgadas em 1813.

Este erro levou a outro: o Theatro S João não foi a primeira evidenciação no Brasil. Na realidade, a Livraria Publica apresentou, em 6 de março de 1812, no jornal Idade D´Ouro, as suas informações de receitas e despesas (4). É bem verdade que trata-se de poucas informações: uma linha de recebimentos de doadores e três linhas de despesas, sendo uma de salários, outra de compras e a última de despesas diversas:
A diferença é considerada “balanço em dinheiro efetivo”.

Quando se compara com as informações divulgadas pelo Theatro São João é razoável afirmar que a qualidade das informações do Theatro é bem melhor que da Livraria.

Um aspecto relevante: apesar disto mudar o pioneirismo, do Theatro para Livraria, da evidenciação contábil no Brasil, não altera o responsável. Afinal, o tesoureiro da Livraria foi também o mesmo do Theatro, ou Manoel José de Mello http://www.contabilidade-financeira.com/2015/04/historia-da-contabilidade-manoel-jose.html . O verdadeiro pioneiro da contabilidade brasileira.

É interessante notar que ambas as entidades eram do terceiro setor. As organizações sem fins lucrativas realmente foram pioneiras na evidenciação no Brasil. Em 1814, o Hospital da Misericórdia do Rio de Janeiro publica as primeiras informações contábeis trimestrais do Brasil (5), incluindo divulgação de números físicos de doentes e uma espécie de relatório de diretoria. Três meses depois, o mesmo Hospital divulgava as informações do primeiro trimestre, no final de abril (6), trinta dias após o término do período de apuração. No terceiro trimestre este Hospital levou somente 19 dias para fechar suas contas (7).

(1) http://www.contabilidade-financeira.com/2013/04/1812-e-o-theatro-de-s-joao.html
(2) http://www.contabilidade-financeira.com/2014/05/historia-da-contabilidade-cronologia.html
(3) Idade D´Ouro, 18 de junho de 1813, ed 49, p. 3 e seguintes.
(4) Idade D´Ouro, 6 de março de 1812, ed 19, p. 5.
(5) Gazeta do Rio de Janeiro, 31 de janeiro de 1814, ed. 9, p. 4.
(6) Gazeta do Rio de Janeiro, 31 de abril de 1814, ed. 35, p. 4.
(7) Gazeta do Rio de Janeiro, 19 de outubro de 1814, ed. 84, p. 4.

Estrutura Conceitual

A Fundação de Apoio ao CPC (FACPC), em conjunto com o IASB (International Accounting Standards Board) e o CPC (Comitê de Pronunciamentos Contábeis), realizarão encontro técnico para discutir os principais aspectos e propostas para futuras Normas Internacionais de Informação Financeira – NIIF (International Financial Reporting Standards - IFRS) relativas ao tema Estrutura Conceitual.

Serão realizadas apresentações seguidas de debate com representante senior do staff do IASB.

O evento acontecerá no dia 10/08/2015 (segunda-feira), em horário e local a serem definidos. As apresentações serão feitas em inglês com tradução simultânea e as participações são gratuitas e limitadas seguindo a ordem de inscrição.


Fonte: Aqui

25 abril 2015

Rir é o melhor remédio

Oportunidades

Fato da Semana: Petrobras (Semana 17 de 2015)


Fato da Semana: Finalmente a maior empresa brasileira divulgou seus resultados do terceiro trimestre e do final do ano. O resultado apresentou um prejuízo recorde, mostrando uma empresa bastante endividada, que distribui participação nos lucros sem ter lucro (faz sentido?), com parecer dos auditores, um cálculo subestimado do valor da corrupção etc.

Qual a relevância disto? Talvez tenha sido o fato do ano. Muita discussão sobre método contábil, o resultado, a apresentação dos dados, a reação do mercado etc.

Positivo ou Negativo – Positivo. Para a empresa, acabou o drama de apresentar os números. Para a contabilidade, uma discussão muito interessante sobre a contabilização de danos da corrupção (que tal um CPC sobre este assunto?), controles internos, parecer de auditoria etc.

Desdobramentos – Em alguns dias os resultados do primeiro trimestre. E o assunto ainda será discutido nas ações judiciais que a empresa terá que batalhar.

24 abril 2015

Rir é o melhor remédio

Fonte: Aqui

Mensurando no mercado de artes

Precificar arte é mais arte do que ciência. “O preço da arte é inteiramente determinado pelo momento em que duas pessoas estão interessadas nisso”, diz Marion Maneker, do blog Art Market Monitor. (As cores de um mercado cinzento, Cynthia O´Murchu, Financial Times, publicado no Valor Econômico, 17 de abril de 2015)

A adoção de estimativas para o preço de uma obra de arte é difícil, mesmo para os especialistas. A adoção do preço de transação também pode não ajudar, pois o mesmo está sujeito a influências e modismos, como é muito comum no mercado de artes. E a contabilidade? Como resolver esta mensuração?

Imagem

Imagem do livro Curso de Contabilidade Básica, by Jannine Dias

23 abril 2015

Petrobras: Cotação


O mercado abriu com uma baixa expressiva na cotação, ON e principlamente PN. Durante a conferência com os investidores parece que o mercado confiou nas declarações da administração e recuperou a cotação. Destaque para as ações ON.

Petrobras: Hipóteses

Anteriormente postei as hipóteses do teste de recuperabilidade. Isto incluía uma taxa de câmbio de 2,85 e um brett de 52. Na apresentação a própria empresa utiliza as seguintes hipóteses:


Petrobras: onde tudo começou

O parecer não constava da informação divulgada ontem...
Assinado ontem, pelo corajoso Panassol.

Petrobras: PLR

A participação nos lucros e resultados (PLR) era uma grande incógnita, conforme informado neste blog anteriormente. Não mais: eis a nota da empresa sobre o assunto

Apesar da ausência de lucro... Nova metodologia...

Petrobras: Remuneração

O maior prejuízo da história brasileira foi adequadamente compensado: a remuneração média da empresa aumentou 16%, um aumento real de 8,8%. Mérito.

P.S. E os benefícios concedidos aumentou de 29,4 milhões para 45,9 milhões.

Petrobras: Financiamentos e Valor Justo

Na nota 17 a empresa informa que os financiamentos, de curto e longo prazo, eram de 351 bilhões. No final de dezembro era de 268 bilhões, um aumento de R$83 bilhões. O impressionante é o valor justo dos financiamentos, que no final de 2014 era de 326 bilhões ou 25 bilhões a menos. Esta diferença deve-se ao aumento na taxa de juros de captação da empresa.

Petrobras: As perdas da recuperabilidade

A tabela da empresa mostra onde foram as maiores perdas. Só a Comperj representou perdas de 22 bilhões. As razões encontram-se a seguir:
Em outras palavras: atraso nos projetos, que irá atrasar a entrada de fluxo de caixa. Mas o valor da perda é muito alto...