Translate

05 julho 2015

Rir é o melhor remédio









Intervenção urbana

História da Contabilidade: O primeiro livro de Contabilidade Publicado no Brasil

Numa postagem anterior afirmei que Burnier lançou

o primeiro livro sobre o assunto escrito em língua portuguesa e publicado no Brasil: Elementos de contabilidade comercial.

Cometi uma grande falha: o livro de Burnier foi o segundo livro sobre o assunto escrito em língua portuguesa publicado no Brasil. Antes dos “Elementos de Contabilidade Comercial” foram publicados dois livros: uma tradução e um escrito originalmente em língua portuguesa. O problema desta história toda é que não consegui determinar dois fatos cruciais: qual destes dois foi publicado primeiro e qual o autor correto do livro traduzido. (Quem sabe alguém consiga resolver este dilema no futuro). Vamos comentar primeiro sobre o Metafísica.

Em 1833 o jornal “O Publicador” (1) apresenta o seguinte anúncio:
Estevão Rafael de Carvalho foi um político do Maranhão, que chegou a ocupar o cargo que corresponderia ao de deputado federal. Na atividade política sua proposta mais impactante era a separação da Igreja brasileira da Santa Sé Romana (2). Durante anos teve uma atuação destacada no legislativo, na assembleia geral, mas perdeu uma eleição, voltou para sua província, onde ocupou um cargo público, de inspetor do tesouro provincial (3) até próximo da sua morte, que ocorreu em São Luis.no dia 26 de março de 1846 (4).

Sabe-se que Rafael foi também sócio do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Sua formação foi realizada em Coimbra, no curso de ciências naturais (5). Também foi professor do Liceu Maranhense. Logo após seu falecimento escreveu sobre ele o Diário do Rio de Janeiro (6):

Era homem ilustrado e talentoso, e apesar das excentricidades do seu caracter, a primeira capacidade do partido dominante (7) no Maranhão. Foi limpo de mãos n´este tempo em que tudo é corrupção.

A publicação da obra Mephasica poderia ser a primeira em língua portuguesa sobre contabilidade. Entretanto, apesar do anúncio de 1833, somente em 1837 aparece outra menção a obra, desta vez no Chronista (8). Um ano depois aparece um anúncio de venda do livro no jornal “A Phenix” (9). No mesmo ano o Correio Mercantil, da Bahia, diz que “sahio à luz a obra intitulada Metaphisica da Contabilidade Commercial” (10). Esta seria o primeiro candidato ao “primeiro livro de contabilidade publicado no Brasil”.

Em 1836 o Diário do Rio de Janeiro anunciava que entraria no prelo o livro Sciencia do Guarda Livros ensinada em 21 lições, e sem Mestre, ou Tratado Completo de Escripturação dos livros, em partidas simples e dobradas (11). A obra foi traduzida por João Candido de Deos e Silva, da obra original de Jaclot. João Candido foi um profícuo tradutor, com quase trinta obras (12).

Mas não é tão simples assim. Em 1838 aparece que João Candido traduziu O Guarda Livros de Mr. Degrange (13). No mesmo ano oferece o Methodo fácil de escriturar os livros por Degrange, mas com tradução de M. J. da Silva Porto (14). A dissertação de Amado Francisco da Silva, A Contabilidade Brasileira no Século XIX, informa que a Sciencia do Guarda-Livros é de 1835, de autoria de João Candido de Deus e Silva (15). O Catalogo de Livros do Gabinete Portuguez data este livro de 1836, assim como o Diccionario Bibliográfico Portuguez (16).

Diante disto permanecem as seguintes dúvidas: (a) qual a data de publicação original do livro de Rafael de Carvalho: 1833, tornando-o pioneiro na área, ou 1837/1838; (b) qual a data da publicação do livro traduzido: 1835, como encontra-se na dissertação de Amado Silva, 1836, pelas obras de referências do século XIX, ou 1836, conforme noticiou o Diário do Rio de Janeiro ou o ano seguinte? (c) a obra traduzida é uma adaptação de Jaclot ou de Degrange?; (d) quem foi seu tradutor: M. J. da Silva Porto ou João Candido de Deus e Silva? (e) se é verdade que Rafael de Carvalho publicou apostilas do seu livro em 1833, isto poderia ser considerada a primeira obra publicada no Brasil sobre o assunto? (f) devemos realmente confiar no ano de publicação que aparece na obra impressa?

(1) O Publicador Official, 13 de julho de 1833, ed. 176, p. 4. Deixei propositalmente a data do jornal constante do anúncio. O Publicador era um jornal publicado no Maranhão.
(2) Vide, por exemplo, Diario de Pernambuco, 11 de janeiro de 1836, ed. 7, p. 2.
(3) Diário do Rio de Janeiro, ed 7195, 27 de abril de 1846, p. 2
(4) Anuário Político Histórico e Estatístico do Brazil, edição I, p. 512.
(5) Segundo esta fonte “quando foi chamado para receber o grau de bacharel, recusou-o, dizendo que "estudava para saber e não para receber graus". Vide aqui .
(6) Diário do Rio de Janeiro, ed 7195, 27 de abril de 1846, p. 2. Foi casado com Olivia de Jesus Soeira de Carvalho e teve um filho, conforme Publicador Maranhense, 7 de setembro de 1847, ed. 552, ano vi.
(7) Provavelmente refere-se ao Partido Bem-te-Vi conforme Diário Novo, 30 de setembro de 1844, ano iii, ed. 212. É interessante notar que em 1838 chegou a ser preso em razão de política local. Vide O Bem Tevi, 25 de agosto de 1838, n. 17.
(8) Chronista, 11 de outubro de 1837, p. 3, ed. 104. O ano de 1837 é a data que aparece no sítio de literatura brasileira da UFSC. Amado, na sua dissertação de mestrado, afirma que a obra apareceu originalmente sob a forma de apostilas e somente após tomou o corpo de um livro. SILVA, Amado Francisco da Silva, A Contabilidade Brasileira no Século XIX, dissertação, São Paulo, PUC, 2005.
(9) A Phenix, 9 junho de 1838, ed. 39, p. 4. O valor solicitado era o mesmo de 1833.
(10) Correio Mercantil, 26 de abril de 1838, ed. 451, p. 4. Neste ano Burnier começa a publicar alguns artigos sobre o tema no O Despertador. Vide O Despertador, 7 de agosto de 1838, ed. 106, p. 4.
(11) Diário do Rio de Janeiro, 18 de janeiro de 1836, ed 13, p. 2.
(12) Conforme o endereço da UFSC. Mas neste endereço a obra consta com data de publicação de 1835, o que contradiz a citação do Diário do Rio de Janeiro. Observe que a grafia original do tradutor é Deos.
(13) Diário do Rio de Janeiro, 13 de julho de 1838, ed. Xviii, p. 2.
(14) O Sete de Abril, 23 de novembro de 1838, ed 638, p. 4. Este nome não consta no Literatura Digital. Esta dúvida já estava registrada na nota 1 da postagem do blog
(15) Vide aqui. A mesma obra indica que a obra de Rafael (ou Raphael conforme a dissertação) é de 1837.
(16) Obtidos através da pesquisa no Google, “Sciencia do Guarda-livros”.