Translate

Mostrando postagens com marcador falsificação. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador falsificação. Mostrar todas as postagens

03 julho 2020

Duas fraudes, duas culturas

Lendo sobre o escândalo da Kingold, é inevitável uma comparação com a Wirecard. Esta última, uma empresa de serviços alemã, apresentou um balanço onde 1,9 bilhão de euros deveria ter existir em conta bancária e "desapareceu". Sobre a Kingold é interessante um resumo:

Esta empresa chinesa - oriunda de Wuhan - tomou empréstimo e deu como garantia 83 toneladas de ouro. Esta quantidade de ouro corresponde a 22% da produção de ouro da China e 4% da reserva do país neste metal.

A empresa é presidida por um poderoso amigo do governo chinês. O escândalo também é deste ano, mas tem sido pouco divulgado, ao contrário da Wirecard. Os responsáveis provavelmente não serão punidos. Mas o escândalo é tão "primário"... No caso da Kingold, o ouro não era ouro. Era cobre coberto por uma camada de ouro. (Não é o primeiro caso em que barras de ouros são falsificadas na China; anteriormente, placas de tungstênio também foram usadas).

30 dezembro 2018

Uísque falso e sua mensuração

Al Roth cita o The Guardian e o caso do teste no uísque raro. A única forma de testar se um uísque raro é verdadeiro é abrindo a garrafa e submetê-lo a um teste de carbono para determinar onde foi produzido. Mas a abertura da garrafa destrói o valor do uísque, tornando impossível de provar sua procedência. Assim, torna-se impossível determinar se um uísque é genuíno ou não.

Dois outros assuntos não comentados por Al Roth.

Primeiro, quanto mais antigo o uísque maior o seu valor. Mas também será mais difícil agir contra o falsificador, uma vez que a data da aquisição é mais distante.

O segundo aspecto é bastante contábil. Como fica a mensuração de um estabelecimento que possui uma grande quantidade do produto? Pense em um bar, por exemplo. Como trata de um produto que valoriza com o tempo, talvez o valor justo (e técnicas derivadas) pudesse ser usado para a mensuração. Mas, e o risco da falsificação? Neste caso, talvez o mercado já tenha inserido um desconto por conta deste risco e isto já esteja no preço atual.

Fonte da figura: aqui

19 agosto 2018

Currículo falso na política espanhola

Na Espanha, o Partido Popular (PP) chegou ao poder em 2011. Recentemente, seu líder, Mariano Rajoy, foi destituído. No lugar dele, assumiu Pablo Casado (foto).

Agora uma acusação pode manchar o currículo de Casado. Algo que já conhecemos de perto, quando um ex-presidente do Brasil informou ter curso de mestrado e doutorado que não existia e agora um candidato à presidência informou ter vínculo com a USP que não existia.

No caso de Pablo Casado a questão refere-se a um título acadêmico do Instituto de Direito Público (IDP, não confundir com a escola de Gilmar Mendes, de mesmo nome). De acordo com a acusação, o título de mestrado foi usado como uma forma de presente para alunos que tinham uma posição de liderança política. Casado seria parte de um grupo de alunos que conseguiram equivalência de disciplina e dispensa de aula para obter o diploma. O caso foi parar no Supremo da Espanha e pode inviabilizar o futuro político de Casado.

24 abril 2018

Custo da falsificação de um medicamento

A malária é uma doença geralmente associada ao terceiro mundo. Apesar de ser tratável, 445 mil pessoas morreram da doença em 2016, sendo 70% crianças.

Uma das razões para isto é a falsificação dos remédios. Estima-se que quase um quarto das mortes seja decorrente de medicamentos falsificados ou de baixa qualidade somente na África.

um terço dos medicamentos contra a malária distribuídos no sudeste da Ásia e na África subsaariana eram de baixa qualidade . 

O custo final do problema pode ser maior: no caso dos remédios de baixa qualidade, o seu uso pode aumentar a resistência do parasita aos medicamentos. É o que conhecemos como externalidade negativa, já que isto aumenta o risco da doença para um local.

20 fevereiro 2018

Mais RBS

É possível um banco ser acusado de sistematicamente falsificar a assinatura de pequenos clientes? Sim, em um pequeno banco isto deve ocorrer. Onde? Provavelmente em um país subdesenvolvido.

Errado e errado. Estamos falando do Royal Bank of Scotland (RBS), que anteriormente esteve nas notícias por problemas na contabilidade e na remuneração de seus executivos. É um bando que fica nas terras reais do Reino Unido, um país desenvolvido. Já foi comprovado que um professor aposentado e uma bisavó tiveram as assinaturas falsificadas. A Sra. Mackay, a bisavó, não queria somente a devolução do dinheiro, mas um pedido de desculpa e admissão de culpa. E conseguiu. O RBS pediu desculpas e ofereceu uma compensação de 500 libras, além de admitir a falsificação, embora tenha dito ser um incidente isolado.

O problema respingou no regulador bancário, que tentou encobrir outras falcatruas do RBS. As informações vazaram. Os resultados de 2017 devem trazer o peso dos problemas da Carillion (vide aqui), além de outros litígios. Se for divulgado um prejuízo, será o décimo seguido, apesar do aporte de 45 bilhões de libras na crise, que somados aos prejuízos nos últimos anos chega a um valor de 90 bilhões de libras. É uma Eletrobras dos britânicos (vide aqui)

14 setembro 2014

Falsificação de Vinho

A história a seguir, sobre o maior falsificador de vinhos, foi publicada no Paladar, suplemento do O Estado de S Paulo (via aqui):

Seis meses após o início do julgamento que teve Aubert de Villaine (Romanée-Conti), Christophe Roumier (Domaine Roumier) e Laurent Ponsot (Domaine Ponsot), três dos maiores nomes da Borgonha, entre as testemunhas, o indonésio Rudy Kurniawan foi condenado a 10 anos de prisão pela Corte Federal de Nova York. A sentença, divulgada na semana passada, determina o ressarcimento das vítimas em US$ 28,4 milhões. O crime: produzir e vender vinhos falsificados. É o maior caso de falsificação da história do vinho.

Rudy Kurniawan nasceu em Jacarta em 1976, filho de pais chineses. Em 1995 emigrou para os EUA, onde cursou a Cal State Northridge University. Depois de seis anos pediu asilo político, que foi negado. Indeferidos e esgotados os recursos, está ilegal desde 2003, com ordem de deportação emitida. Sua trajetória no mundo do vinho não é menos turbulenta.

A paixão de Rudy Kurniawan pelos grandes vinhos começou em 2000, quando ele provou o Opus One 1995, vinho mítico de Napa Valley. A partir daí passou a investir para participar de famosas confrarias de vinho da costa oeste norte-americana. Não fazia feio nas degustações, tinha ótima memória olfativa, estudava a fundo o tema e teve o paladar treinado por Paul Wasserman, grande conhecedor de Borgonhas que foi seu sócio em uma loja de vinhos anos depois.

Em 2002, já era um degustador em ascensão meteórica, com acesso a figuras importantes do mercado, como o crítico especializado em Borgonha Allen Meadows (Burghound), e o CEO da casa de leilões Acker, Merrall & Condit, John Kapon.

A partir de 2003, Kurniawan, já conhecido como dr. Conti ou Mr. 47 (referência a Romanée-Conti e à safra de 1947 de Cheval Blanc), promovia degustações inimagináveis, como uma prova com 12 diferentes safras de Petrus, todas anteriores a 1970 e em garrafas magnum (1,5 litro). Num aniversário da mãe, abriu uma garrafa jeroboam (3 litros) do mesmo Petrus. E frequentava degustações em Nova York nas quais os ingressos começavam em US$ 250 mil.

O auge da carreira de Kurniawan foi em 2006, quando seu colega de confraria John Kapon ofertou na Acker dois catálogos com seus vinhos. As coleções chamadas The Cellar I e The Cellar II arrecadaram mais de US$ 35 milhões, alçando a casa de leilões ao posto de no.1 em vinhos. The Cellar II movimentou o maior valor já visto em um leilão de vinhos: mais de US$ 24 milhões. Havia suspeitas em alguns de seus lotes, como as sete magnuns de Château Lafleur 1947 ofertadas em The Cellar II – naquele ano, o château produziu apenas cinco garrafas nesse formato. Para transmitir segurança, o indonésio garantia a recompra de qualquer garrafa questionada.

O sistema de Kurniawan começou a desmoronar em 2008, quando Laurent Ponsot, proprietário da vinícola que leva seu nome, foi alertado de que garrafas muito antigas de seu domaine estariam em um leilão da Acker. A lista tinha surpresas: Clos Saint-Denis entre os anos 1945 e 1971 (o vinho só começou a ser engarrafado em 1985) e Clos de la Roche 1929 (produzido a partir de 1934).

Laurent Ponsot pediu a John Kapon que retirasse as garrafas do leilão. Depois de pressionar Kurniawan, recebeu dois números de telefone de Jacarta que seriam do anterior dono das garrafas suspeitas. Os números eram de um shopping e de uma empresa aérea…

A má-fé de Kurniawan havia sido desmascarada. Em 2009, Ponsot, apelidado de “Sherlock Holmes da Borgonha” por Jancis Robinson, voltou a Nova York, dessa vez para se reunir com o FBI e dar início a uma cruzada contra Kurniawan.

Em 8 de março de 2012, James Wynne, agente do FBI especializado em crimes relacionados a objetos de arte, diante da notícia de que Kurniawan tentava leiloar seus vinhos em Londres, pediu sua prisão preventiva. Quando chegou à casa de Kurniawan em Los Angeles para prendê-lo encontrou as provas que precisava: rótulos impressos, cápsulas de chumbo, cera e centenas de rolhas, garrafas e fórmulas anotadas para reproduzir rótulos renomados.

Em sua investigação particular, Laurent Ponsot descobriu que Kurniawan era um dos maiores compradores da maison Patriarche, casa que mantém um dos maiores estoques de Borgonhas antigos. E que sommeliers de restaurantes em que o Kurniawan fazia festas eram orientados a mandar as garrafas vazias para a residência do indonésio.

Após as primeiras suspeitas de falsificação, muitas garrafas consignadas por Kurniawan aos leiloeiros, ou vendidas de forma privada, foram devolvidas, conforme a oferta de recompra. Somente a Acker, Merrall & Condit era credora de mais de US$ 8 milhões. Kurniawan não conseguiu honrar devolver o dinheiro dos compradores e leiloar novas garrafas.
A condenação de Kurniawan foi um baque sem precedentes no mercado de leilão de vinhos raros. As consequências, acredita-se, ainda estão por vir.

Ao ser condenado, restou ao indonésio apenas o consolo de ter vendido a história para a indústria cinematográfica. Os credores agradecem.

Ainda em aberto

1. Como dr. Conti obteve empréstimos, abriu empresas e viajou pelos EUA sendo ilegal no país?

2. Difícil acreditar que uma pessoa sozinha tenha conseguido montar e operar um intrincado esquema de falsificação de vinhos

3. Como especialistas e imprensa não notaram questões básicas, como se o vinho era produzido no ano da safra à venda em leilão?

4. Ainda existem garrafas falsificadas por aí. Além das leiloadas, muitas foram vendidas por Kurniawan a pessoas não identificadas

5. Esse foi só o caso mais ilustre de falsificação de vinhos. Sabe-se lá quantos outros surgirão.