Translate

08 agosto 2017

Resenha: Everybody lies - What the Internet Can Tell Us About Who We Really Are

No passado tivemos Freakonomics, de Levitt e Dubner, e Predictably Irrational, de Dan Ariely. O livro de 2017 é Everybody Lies. A tese central do livro de Seth Stephens-Davidowitz é que as pessoas mentem, mas não quando estão diante do computador, fazendo uma pesquisa no Google. O ser humano revela-se lindo, feliz e realizado numa rede social, mas faz pesquisa no Google sobre os seus segredos mais íntimos. Por isto o subtítulo do livro: o que a internet pode contar sobre o que nós realmente somos.

Usando dados de pesquisa no Google, Seth descobriu que as pessoas da costa do Atlântico dos Estados Unidos tinha um ranço conservador que não estava sendo evidenciado nas pesquisas de opinião pública. Estas pessoas pesquisavam, por exemplo, endereços com piadas sobre negros no Google. Seth comparou isto com os resultados da reeleição de Obama e verificou que as projeções eleitorais superestimaram os resultados do ex-presidente. Na costa do Pacífico aconteceu o inverso. Com base nestes resultados, Seth considerou que os habitantes da costa do Atlântico eram mais conservadores do que apareceriam nas pesquisas. Isto também ocorreu na eleição seguinte, quando o candidato republicano surpreendeu as projeções e venceu as eleições. O efeito que Seth descobriu trouxe a surpreendente vitória de Trump.

Com base no que a Internet diz, Seth apresenta alguns fatos interessantes:

* a principal pesquisa do homem sobre sexo refere-se ao tamanho; as mulheres pesquisam, na internet, o cheiro.
* a idade dos oito a dez anos é a mais importante para definir qual equipe um garoto irá torcer. É a idade que irá definir o time do coração de um ser humano. O mesmo é válido para a política: uma pessoa se tornar mais pró-democrata ou pró-republicano conforme a popularidade do presidente na idade de 18 anos.
* alguns aspectos são decisivos na “produção” de pessoas famosas numa determinada região: a presença de uma grande universidade é uma delas. Imigração é outra.
* a população homossexual corresponde a 5% do total e este valor “parece” ser universal (ou seja, o percentual é aproximadamente o mesmo na Rússia, em São Francisco ou no Irã).
* mais de 90% dos leitores de Kahneman (Thinking, Fast and Slow) e Pikerty (Capital) não chegaram ao fim do livro. Já um livro de Donna Tartt, 90% dos leitores foram até o final.
* existe uma relação entre o usuário jogar “spider solitarie” e a taxa de desemprego nos EUA* nos dias que antecedem a um furacão, o morango vende sete vezes mais do que nos dias normais
* pesquisa sobre sobrepeso de uma filha é duas vezes mais comum que pesquisa referente a sobrepeso de um filho e
* filmes violentos não geram violência.

Vale a pena? Sim! Apesar de alguns pontos polêmicos, a obra de Seth chama atenção para a análise de dados. Num determinado trecho, Seth afirma que o próximo Freud/Foulcat será um cientista de dados. Ao chamar a atenção para a necessidade de buscar dados, Seth mostra a direção da ciência para os próximos anos. Além disto, o autor indica que a origem destes dados pode ser pouco usual: digitação de pesquisa no Google, percentual de leitura realizado por cada usuário de livro eletrônico, as informações de rede social, entre outras.

Nenhum comentário :

Postar um comentário