Translate

19 janeiro 2017

Informação e Preço



Uma das grandes vertentes de pesquisa na área financeira é como as pessoas reagem aos preços. Nos dias de hoje, os pesquisadores utilizam o mercado acionário. Assim que uma notícia é divulgada, é possível perceber a potencial reação dos investidores. Caso a notícia não seja pública, alguns investidores podem atuar, comprando ou vendendo ações e, por consequência, mudando o preço das ações. Assim, também é possível usar o mercado acionário para verificar como as informações privadas, que somente algumas pessoas possuem, afetam os preços. Nos dias de hoje o problema é a grande quantidade de informação que é gerada, seja pública ou privada. Como certificar que o movimento de preço de uma ação foi decorrente de uma informação específica. De certa forma, culpa dos dias atuais.

No passado, quando o fluxo de informação era muito menor, era mais fácil de associar uma informação específica a um movimento de preço. Baseado neste princípio, um pesquisador da Stanford University, Peter Koudijs, utilizou dados passados para tentar entender como o movimento de preços atua diante de novas informações. Koudijs estudou o mercado acionário de Amsterdã. A grande inovação na pesquisa é que ele usou os dados do século dezoito, das empresas britânicas. A ideia é muito interessante. Entre 1771 a 1787, o mercado de ações da cidade holandesa negociava ações de companhias britânicas. Algo em torno de 20 a 30% dos negócios destas empresas. As principais informações destas empresas eram trazidas por barco, duas vezes por semana. Em alguns casos, o barco se atrasava; em muitas situações, juntamente com as informações públicas – de jornais, por exemplo, existiam informações privadas – cartas endereçadas a investidores holandeses. Assim, Koudijs tinha um ambiente muito propício para analisar o impacto de novas informações de conhecimento público, bem como as notícias derivadas de informações particulares. Ele pode analisar como os preços respondiam a chegada das notícias e, também, a “não” chegada de notícias. O pesquisador calculou a volatilidade, a relação de preços entre o mercado de Londres e Amsterdã, o efeito da liquidez das ações, entre outros aspectos.

Koudijs descobriu que as informações públicas explicaram mais de 50% da variância do retorno nos dias da chegada do navio e 40% da variância total. Mas as informações privadas também tinham um papel relevante: de 25% e 35%, nos dias com e sem navios.

Ao usar dados “antigos”, muitas vezes desprezados pelos pesquisadores, Koudijs indicou a relevância da informação na movimentação dos preços.

KOUDIJS, Peter. The boats that did not sail. The Journal of Finance, vol 71 n. 3 , junho de 2016.

Nenhum comentário :

Postar um comentário