Translate

12 julho 2015

História da Contabilidade Burnier 3

Em postagens anteriores sobre a história da contabilidade já comentamos sobre Burnier. Foi um dos primeiros autores, mas seu livro aparentemente não chegou até nós. Em razão disto, estamos publicando a seguir um comentário feito por seu editor sobre a obra. É uma forma de conhecer melhor a obra e o tempo em que foi publicada. Para facilitar a leitura, fiz a conversão para o português atual. O texto foi publicado no O Despertador, em 3 de agosto de 1838, edição 103, p. 4.

Ao Comércio
É a contabilidade comercial uma importantíssima parte da ciência do negociante. Com efeito, depois de introduzidos no comércio os contratos a prazo e as letras de cambio, tornaram-se os negócios tão diversos e complicados que, desde então, para lembrar-se das transações concluídas já não é suficiente a mais prodigiosa memória; de modo que hoje a escrituração nos é indispensável para encaminharmos por via próspera e segura e sairmos com honra do labirinto dos próprios negócios (1). Quem disso quiser uma prova efetiva lance os olhos nas quebras que espantam frequentemente o mundo mercantil e abalam a confiança pública; e refletindo nas causas de todos os infortúnios, achará que poucos xxx de caso fortuito, muitos de má fé, muitos também de ser a escrituração desconhecida ou mal praticada (2).

Julgo por isso digno do público, agradecimento aqueles que se empenham em esclarecer, aperfeiçoar e vulgarizar a arte tão necessária do guarda-livros (3); e não parece sem utilidade dar a luz um tratado manuscrito de contabilidade, que me veio às mãos, e tem de ser muito apreciado pelos negociantes desta corte.

É o manuscrito de M Burnier, advogado e muito versado nas línguas, no direito comercial, na economia política, na escrituração e tudo quanto respeita a educação mercantil, ainda que chegado a poucos meses e muito ocupado, soube, contudo, furtar as suas elucubrações diárias alguns preciosíssimos momentos, para resumir na língua portuguesa as suas ideias a respeito da contabilidade e oferece-las ao comércio fluminense. (4)

Formará a obra do M. Burnier um in-quarto francês e será dividia em duas partes. Na primeira, expendem-se os princípios em que se apoia todo o edifício das partidas dobras, o uso e as formas dos vários registros, os modos de se faz as contas dos juros recíprocos, os erros que nelas se cometem geralmente e o método de se evitarem. Em suma, explica-se como tem de principiar, continuar e acabar-se a escrituração, examinando-se todos os sistemas, singelos e dobrados, antigos e modernos, que tendem com maior ou menor presteza para o mesmo resultado (5). Trata, por fim, do método próprio de M. Burnier, que por ser conjuntamente claro e compendioso, tem vantagens evidentes (6). Na segunda parte, se pratica os princípios estabelecidos na primeira e supondo-se o giro do negócio durante um mês, em que vem reunida quase todas as espécies de transações possíveis, cada qual poderá- com os modelos juntos, aprender como se devem escriturar e fechar os registros principais e auxiliares. Ultimamente a um vocabulário em que se explicam, por ordem alfabética, os termos usados no banco e comércio. Procurando menos, com a impressão daquele manuscrito, fazer obra de especulação que de utilidade geral, não duvido chamara a assistência dos subscritores que me ajudam na minha empresa (7).

Não pagarão os subscritores mais de 2$000 rs e os seus nomes serão publicados no fim do volume. Queiram indicar em seguida o seu nome e a sua morada, afim de que eu possa entregar-lhes o livro, depois de impresso. O preço será de 4,000 rs para os que não tiverem subscrito antes da publicação – O Editor, J. S. Saint-Amant.
(1) Este é um ponto de vista interessante: a escrituração como uma memória das transações. Geralmente falamos em registro, não em memória.
(2) O texto está ilegível e não consegui completar. É bom lembrar que naquela época já existiam falências, como foi o caso da quebra do Banco do Brasil.
(3) o termo vulgarizar, negativo nos dias atuais, é usado como sinônimo de “divulgar”. É também interessante notar que o editor trata da “arte” e não “ciência”, ao contrário do primeiro texto publicado por Burnier no Brasil. Vide aqui
(4) Conforme informamos anteriormente, Burnier era francês que chegou ao Brasil em 1837 e um ano depois já escrevia um manuscrito em língua portuguesa sobre a contabilidade.
(5) Ao final, a obra de Burnier será de partida simples ou singela, o que aos olhos de hoje é uma involução.
(6) Não sabemos o que significa o método Burnier. Provavelmente uma simplificação das partidas dobradas. Não temos conhecimento se é uma adaptação de obras que ele leu na Europa. O fato do livro não ter tido uma segunda edição poderia indicar que não foi bem aceito, seja pela didática ou pela dificuldade prática, no Brasil.
(7) O editor chama os interessados em patrocinar o livro. Eles contribuem com um valor menor que será cobrado quando a obra for vendida, terão seus nomes impressos na própria obra e receberão um exemplar em casa.

Nenhum comentário :

Postar um comentário