Translate

17 maio 2006

Ebitda


Uma reportagem interessante do jornal Valor Econômico trata da adoção de padrão para cálculo do Ebitda. Será mesmo necessário tamanha discussão para mensurar um indicador? Qual a relevância dessa padronização? Isso significa que teremos no futuro outros índices com padronização?. Veja a reportagem a seguir:

Pesquisa revela que analistas querem padrão para Ebitda
Angelo Pavini
16/05/2006

Alguns chamam de Ebitda, outros de Lajida, e por aí começa uma polêmica que ganha cada vez mais espaço no mercado brasileiro envolvendo o indicador de fluxo de caixa, que serve de base para a maioria dos analistas decretar que uma ação deve ser comprada ou não. Seu cálculo pode variar de acordo com a visão de cada empresa ou analista, uma subjetividade que levou a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) a colocar sua padronização em discussão no início do ano e estimulou a Associação dos Profissionais de Investimentos do Mercado de Capitais (Apimec) a realizar uma pesquisa para avaliar quais seriam as medidas necessárias para aperfeiçoar o indicador.

A base da discussão é o fato de o Ebitda - Earnings Before Interest, Taxes, Depreciation and Amortization, ou Lucro Antes de Juros, Impostos, Depreciação e Amortizações - não ser um indicador contábil. Ou seja, não tem de obedecer uma série de critérios legais para ser calculado, como acontece com o lucro líquido ou a receita líquida, lembra Reginaldo Alexandre, diretor técnico da Apimec São Paulo e responsável pela pesquisa. "E ele serve de base para vários outros indicadores de liquidez, lucratividade e rentabilidade, como o EV/Ebitda (que mostra a relação entre o valor de mercado da empresa em relação a sua geração de caixa), ou Ebtida/Despesas financeiras". Há uma preocupação também com relação à forma como as empresas usam o indicador, e que pode abrir espaço para manipulação dos números.

A pesquisa - concluída dia 2 de maio - envolveu 51 associados da Apimec que responderam cinco perguntas. A primeira foi sobre qual a melhor forma de cálculo do Ebitda, se a partir do lucro operacional, mais detalhada, ou pelo lucro bruto, mais direta. A maioria, 64%, optou pelo cálculo mais detalhado.



Outra pergunta foi sobre se as despesas e receitas financeiras deveriam ser incluídas no indicador, uma vez que nem sempre elas fazem parte do ganho que a empresa tem com as operações. Dos consultados, 79% acham que sim, que é preciso incluir os resultados financeiros, mas querem que eles sejam detalhados para que o analista avalie sua importância e seus impactos. "Esse é um ponto polêmico especialmente no caso das empresas exportadoras, que usam muito as antecipações de câmbio para obter reais com custo baixo e aplicar com ganhos no mercado brasileiro", diz Alexandre.

Na terceira questão, sobre despesas e receitas não recorrentes, ou seja, que podem não se repetir, como a venda de uma fábrica, uma multa ou um acidente que paralise a produção, 62% dos analistas disseram ser a favor de que elas sejam incluídas, desde que a empresa deixe claro os motivos. "Mas vale notar que 38% dos consultados simplesmente acham que esses resultados não recorrentes devem ser desprezados", diz Alexandre.

A quarta pergunta era se o Brasil deveria adotar um padrão de divulgação de medidas não contábeis semelhante ao americano, o que foi aprovado por 91% dos analistas. "Nos EUA, a legislação é muito restritiva, as empresas que apresentam o Ebitda o têm de fazer de forma bem clara, abrindo a fórmula de cálculo e explicando por que e o uso que se quer fazer desse indicador contábil."

A conclusão final é que os analistas defendem uma padronização do Ebitda. Além disso, tanto os resultados financeiros quanto os não recorrentes merecem um tratamento especial. E, finalmente, que as empresas têm de ser o mais transparentes que puderem sobre como calculam o indicador, sobre cada item fora do normal e também sobre o motivo de o usarem.

Alexandre admite que nem sempre o Ebitda cumpre sua missão de dar uma idéia da real saúde de uma empresa. Ela pode, por exemplo, estar expandindo vendas a um ritmo de 30% ao ano, mas necessita de empréstimos para financiar essas vendas ou repor o estoque. Ou fez todas as vendas a prazo e vai demorar para receber ou sofrerá com inadimplência. Há ainda o caso de duas empresas com o mesmo Ebitda, mas em fases de vida totalmente diferentes, uma com fábricas velhas, outra com novas. "A necessidade de investimento de uma vai ser muito maior", diz. Tudo isso não aparece no Ebitda, por isso é importante analisar também outros dados para saber exatamente como está a saúde da empresa, diz


(Notícia enviada por Ricardo Vianna)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário