Translate

13 janeiro 2020

Oligopólio x Censura

In my latest Locus column, Inaction is a Form of Action, I discuss how the US government's unwillingness to enforce its own anti-monopoly laws has resulted in the dominance of a handful of giant tech companies who get to decide what kind of speech is and isn't allowed -- that is, how the USG's complicity in the creation of monopolies allows for a kind of government censorship that somehow does not violate the First Amendment. 


We're often told that "it's not censorship when a private actor tells you to shut up on their own private platform" -- but when the government decides not to create any public spaces (say, by declining to create publicly owned internet infrastructure) and then allows a handful of private companies to dominate the privately owned world of online communications, then those companies' decisions about who may speak and what they may say become a form of government speech regulation -- albeit one at arm's length.

I don't think that the solution to this is regulating the tech platforms so they have better speech rules -- I think it's breaking them up and forcing them to allow interoperability, so that their speech rules no longer dictate what kind of discourse we're allowed to have. 

(via aqui)

Sobre a importância do Oriente Médio

Even beyond Iran, the region scarcely registers on multinationals’ profit-and-loss statements. The Middle East and Africa accounted for 2.4% of listed American firms’ revenues in 2019, according to Morgan Stanley, a bank. For European and Japanese companies it was 4.9% and 1.8%, respectively. Middle Easterners still buy comparatively few of the world’s cars (2.3m out of 86m sold globally in 2018). Peddlers of luxury goods like Prada, an Italian fashion house, and L’Oréal, a French beauty giant, book 3% of sales in the Middle East (not counting sheikhs’ shopping trips to Milan or Paris).

The overall regional footprint of Western finance appears equally slight. At the end of 2018 big American banks had $18.5bn-worth of credit and trading activity in the region, equivalent to 0.2% of their assets. This includes JPMorgan Chase’s $5.3bn business in Saudi Arabia and Citigroup’s $9.6bn exposure to the United Arab Emirates (UAE). European banks have, if anything, been retreating. BNP Paribas of France sold its Egyptian business seven years ago and earned a footling €121m ($143m) in the Middle East in 2018. HSBC reports a substantial $58.5bn in Middle Eastern assets, though that is still a rounding error in the British lender’s $2.7trn balance-sheet.


Fonte: The Economist. Via aqui, que destaca a ausência do setor de energia. 

Velocidade na estrada

Um mapa mostrando os limites de velocidade no mundo:

Rir é o melhor remédio


12 janeiro 2020

Decisões Financeiras de um Casal Real

O príncipe Harry e sua esposa, a ex-atriz Meghan Markle, anunciaram que estão se afastando das suas obrigações reais. Há uma suspeita de que o racismo poderia ser uma razão para a decisão (vide aqui).

A notícia pode ser interessante para quem gosta de finanças pessoais, avaliação de marca e gerenciamento patrimonial. Assim como o Brexit, a decisão, chamada de Megxit, a decisão parece estar ocorrendo de forma caótica. Em termos financeiros e sob a ótica do casal, a decisão criou um problema: como manter o estilo de vida sem a receita real? Outra outra decisão (vão mudar o estilo de vida) parece que foi tomada, já que o casal pretende passar mais tempo na América do Norte

O caso torna interessante pois permite diferenciar balanço de DRE. Em termos de balanço, o casal parece ter um patrimônio avaliado em 30 milhões de dólares, sendo 5 milhões de Meghan - da época que era atriz, e o restante de Harry, resultado da herança da mãe. Mas isto é diferente da DRE, que apresenta as receitas e despesas do casal.

Hoje 95% das despesas do casal tem origem nos recursos do pai, o príncipe Charles, e o restante do Fundo Soberano, originário do governo britânico, que paga à Família Real para realizar certas tarefas e cuidar dos palácios reais. Isto não conta os custos de segurança, que são pagos pelos súditos, à parte. Esta conta deve ter um valor de 100 mil libras esterlinas por ano. Com a decisão, o casal deixa de receber o dinheiro do Fundo Soberano ou 5% da renda. A segurança deve continuar e os valores deverão aumentar, já que o casal pretende viver mais na América do Norte.

O fluxo de caixa futuro poderá ser reforçado com receita de livros e salário de televisão. O casal Obama, por exemplo, receberam 60 milhões de dólares de adiantamento sobre livros de memória. Ou seja, há um grande potencial aqui, já que a conta de ambos no Instagram tem mais de 10 milhões de seguidores e Meghan foi a pessoa mais procurado no Google do Reino Unido.

Além disto, o casal pode cortar despesas. As roupas durante a maternidade de Meghan tiveram um custo de 500 mil dólares e a acupuntura e numerologia custaram 11 mil.

Olhando sob a ótica financeira, parece que a decisão do casal pode ter sido interessante, já que tem o potencial de liberar seu tempo para ganhar dinheiro de forma menos convencional para a família real

Ver mais aqui e aqui

Taxar robôs

Uma provável saída para proteger os empregados da crescente automoção seria a criação de um imposto sobre robôs. Entretanto, há controvérsias sobre a forma de implantação e se é uma medida razoável do ponto de vista econômico.

No passado as máquinas destruíram certos tipos de empregos, mas criaram outros.

Os tratores, por exemplo, diminuíram o número de trabalhadores agrícolas no século XX. Mas criou novas oportunidades para mecânicos e engenheiros e alimentou a demanda de mão-de-obra nas fábricas.
Mas talvez a automação agora seja diferente e vá destruir empregos, sem criar outros novos.

Um estudo divulgado no ano passado pelos economistas Daron Acemoglu e Pascual Restrepo descobriu que a aceleração da automação pode não estar alimentando uma nova demanda de mão-de-obra e, ao contrário, está atrasando o crescimento do emprego.
Além disto, existe uma grande dificuldade em implantar um imposto deste tipo:

"Se tivermos que definir um robô para fins fiscais, já perdemos a batalha. Será impossível ficar sem brechas", disse Gale ao Business Insider, oferecendo o exemplo de se um carro autônomo pode ser considerado um robô.
Além disto, seria importante reduzir a tributação atual sobre o trabalho humano. E contar que outros países também adotem a mesma postura.

Necessidades Razoáveis

Assim como na contabilidade nós temos o valor justo, em processos judiciais com litígio de casais há a figura das "necessidades razoáveis". Eis um caso interessante descrito por Tracey Coenen. 

Dennis Quaid, um ator, fez um acordo no seu processo de separação. Existia a previsão de um apoio de 13.750 dólares/mês de apoio financeiro aos filhos e um percentual de acréscimo. Em 2019, o ator faturou cerca de 6,6 milhões/ano, o que aumentaria  o valor a ser pago para mais de 1,3 milhões. Um dos fatores considerados neste tipo de julgamento é um item denominado de "as necessidades razoáveis das crianças". Mas o que seria isto?

What is a “reasonable” need? The parties often disagree. But in general I suggest that we look at the standard of living that was established during the marriage, and use that as our basis for what is reasonable. In other words, it is reasonable to continue living the same lifestyle after the marriage ends. If a family lived in luxury housing, drove luxury cars, and wore high end clothing while the parents were married, it is probably not reasonable to expect that the children live in the most basic housing, with a beat-up car, and wearing thrift store clothing.


Back to the Quaids. The original child support of $165,000 per year is 12.7% of the base of $1.3 million. If we applied the same percentage to the income of $6.6 million, you’d have $838,200 in child support per year. There is probably a good argument that the children don’t need that much, and that their mother would be unfairly enriched by that amount of child support.

Rir é o melhor remédio








Fonte: Aqui

11 janeiro 2020

Gastos com P&D: 50 empresas que mais investem

Imagem

História da Contabilidade: Ainda Manucci

Sobre Manucci, eis o que diz Miguel Gonçalves:

Analisada a documentação de 1299–1300 (não existem outros quaisquer livros de contas sobreviventes da filial de Salon), verifica-se que Manucci, o guarda-livros responsável pela contabilidade da filial do grupo Giovanni Farolfi e Companhia em Salon, mantinha já práticas de contabilidade que actualmente podemos considerar notáveis, como seja, a título exemplificativo (ver Lee, 1977, pp. 90-91; Soll, 2014, p. 37), o cumprimento do pressuposto do regime de acréscimo, na medida em que o razão contém um exemplo de uma renda de um armazém paga antecipadamente em Maio de 1299 pela empresa Giovanni Farolfi e Companhia referente a um período de quatro anos (16 libras tornesas, no total), a qual foi devidamente especializada, isto é, apenas 4 libras tornesas foram reconhecidas no final do período como gasto do primeiro exercício dos quatro em questão (por contrapartida do crédito de uma conta que modernamente seria a de Diferimentos – Gastos a Reconhecer, a qual foi debitada em Maio de 1299 por 16 libras tornesas referentes ao pagamento total), o que demonstra que há mais de 700 anos os contabilistas conhecem e respeitam os actuais princípios contabilísticos geralmente aceites da especialização dos exercícios e do balanceamento (correlação) entre rendimentos gerados e gastos que lhes estão directamente associados, em ordem à obtenção de uma imagem mais verdadeira e apropriada das operações da filial de Salon da firma Giovanni Farolfi e Companhia.

Fonte: Gonçalves M. (2019). Contabilidade por partidas dobradas: história, importância e pedagogia (com especial referência à sua institucionalização em Portugal, 1755–1777). De Computis - Revista Española de Historia de la Contabilidad, 16 (2), 69 - 142. doi: http://dx.doi.org/10.26784/issn.1886-1881.v16i2.355

Amatino Manucci: o inventor das partidas dobradas?

Muitas pessoas acreditam que Luca Pacioli foi o criador das partidas dobradas. Um pouco de pesquisa irá mostrar que Pacioli descrevia um método praticado pelos comerciantes de Veneza. Talvez a figura que mais se aproxime do inventor do método seja Amatino Manucci.

Ele era contador da Giovanni Farolfi, uma empresa baseada em Nimes, França. Mas Manucci trabalhava em Salon, na França. É dele o mais antigo registro contábil conhecido onde se utiliza as partidas dobradas. Este documento, entre 1299 a 1300 - mais de 150 anos antes de Pacioli - sobreviveu aos dias atuais. Apesar de incompleto, os registros incluem o uso de débito e crédito.

Mas provavelmente não foi ele que "inventou" o método. Não se sabe que foi. Mas se tivermos que nomear um "pai" da contabilidade moderna, talvez Manucci seja muito mais adequado do que o Frei Pacioli.


Leia mais aqui ou aqui

Resenha: Essa Gente

O leitor dos blogs de Contabilidade sabem que no final do ano, por iniciativa da Isabel, realizamos um amigo oculto. Este ano presentei a Claudia Cruz com 1984, Admirável Mundo Novo e O senhor das moscas. E ganhei presentes do meu amigo Orleans, que foram os dois últimos livros do Chico Buarque. Não tinha lido nenhum deles e sempre tive admiração pelo trabalho dele. Gosto em especial das músicas, mas tinha ficado impressionado com Budapeste.

Recebido o presente, li os dois livros em três dias, durante o descanso do Natal. O Irmão Alemão é interessante ao narrar, misturando ficção e vida real, a existência de um filho alemão de Sérgio Buarque de Holanda. Essa Gente é a obra mais recente. Achei um bom livro, que também causa “estranheza”.

O roteiro de Essa Gente é um escritor que está tentando voltar a escrever uma grande obra. E ele registra seus esforços e sua vida sob a forma de diário. O livro termina em setembro de 2019 (acho que é isto, pois estou escrevendo esta resenha de memória) e em muitos momentos a realidade do Rio de Janeiro e do Brasil aparece na obra de maneira sutil.

É um livro relativamente curto. Gostei do presente do amigo oculto.

Rir é o melhor remédio

É um humano
Lógico que não. É um espantalho
Como vocês sabe?
Ele não está com celular
É mesmo

10 janeiro 2020

História da Contabilidade: Partidas Simples

Antes da existência das partidas dobradas, o método usado pela contabilidade era das partidas simples. Isto faz realmente muito tempo. Mas desde a divulgação do método usado em algumas cidades da atual Itália, por parte de um monge franciscano de nome Pacioli, é praticamente impossível não pensar na contabilidade sem imaginar as partidas dobradas.

No Brasil, durante os anos de 1800s, as partidas simples eram usadas e ensinadas. Em 1827, um anúncio publicado em um jornal, apresentava um candidato a um emprego que sabia os dois métodos. Um dos primeiros autores de contabilidade do Brasil, Burnier, ensinava no seu livro os dois métodos. A própria contabilidade pública só deixou as partidas simples no início do século XX.

Para quem aprendeu contabilidade somente com as partidas dobradas, o uso das partidas simples parece muito, mas muito estranho. Para mostrar como funciona, vou tomar o exemplo do livro Curso Prático de Contabilidade, capítulo 3, nas cinco primeiras transações.

Evento 1 - Investimento do capital pelos sócios - seria registrado, a haver, o valor do capital constituído de $20 mil

Evento 2 - Compra de materiais elétricos a prazo - registra-se, a haver, o valor de $1.500.

Evento 3 - Pagamento do aluguel de, de 1.000, de uma sala comercial - é feito o registro do pagamento, pelo dinheiro que foi pago, usando o débito.

Evento 4 - Compra de máquinas à vista, no valor de 7.500 - nesta transação é feito o registro do dinheiro da transação, debitando o caixa

Evento 5 - Prestação de serviço, recebendo à vista - é feito o registro do recebimento

Veja que não existe os ativos “materiais elétricos” ou “máquinas” no balanço da empresa. Um aspecto importante é que os conceitos de “crédito” e “débito” ou “haver/deve” existiam com as partidas simples.

Este método possuía uma grande vantagem: facilidade de operação. Assim, era útil para os pequenos negócios, sendo fácil de usar. Funcionava bem como um controle das dívidas e dos empréstimos. Mas não era possível saber, por exemplo, o valor real dos ativos. Com o crescimento das operações comerciais, a falta do registro dos ativos e de outras contas tornaram visível os problemas das partidas simples.

Para terminar, é interessante que o conceito de singelo é o seguinte:

1 Não composto, não dobrado; simples.
2 Desprovido de enfeites ou ornatos.
3 Que não apresenta qualquer dificuldade à sua compreensão; simples.
4 Que se deixa facilmente enganar; que não é malicioso; ingênuo, inocente.
5 Que não apresenta ou revela dissimulação.
6 Não corrompido; natural, puro.

Amor por Harvey Weinstein!

Uma compilação de atores e diretores agradecendo Harvey Weinstein, que depois seria acusado de barbaridades. Meryl Streep, Jennifer Lawrence, Gwyneth Paltrow... e Richard Gere.

Pipoca + Ar

Uma curiosidade para os viciados em pipoca: quando você compra um saco de pipoca para estourar em casa, saiba que você irá ter, no final, metade da embalagem com ... ar. E a quantidade irá depender do produto. Uma empresa britânica descobriu que

o conteúdo de um saco médio de pipoca estalada é de apenas 46% de salgadinhos e 54% de ar. Embora todo saco de pipoca contenha um pouco de ar, as proporções de algumas marcas são mais enganosas que outras.

Rir é o melhor remédio

Formulário, com opção para arrependimento.

09 janeiro 2020

Identificando Assimetria de Informação no mercado financeiro

Resumo:

We propose and estimate a model of endogenous informed trading that is a hybrid of the PIN and Kyle models. When an informed trader trades optimally, both returns and order flows are needed to identify information asymmetry parameters. Empirical relationships between the model’s estimates and price impacts, excess kurtosis, and volatility are consistent with theory. We illustrate how the estimates can be used to detect information events in the time series and to characterize the information content of prices in the cross section. We also compare the estimates to those from other models on various criteria.

Back, K., Crotty, K., and T. Li, 2018, “Identifying Information Asymmetry in Securities Markets,” Review of Financial Studies 31, 2277–2325

Futebol europeu e Desempenho

A entidade que regula o futebol da Europa, a UEFA, trouxe uma conjunto de regras denominada de Fair Play Financeiro. A UEFA passou a exigir dos clubes de futebol algumas mudanças na contabilidade para tentar motivar a competição.

Pesquisadores da Bocconi University concluíram que estas normas permitiram uma melhoria nas demonstrações do resultado dos clubes, mas dois pontos ainda são problemáticos: (a) não houve uma melhoria na sustentabilidade financeira, expressa em termos da relação entre dívida e fluxo de caixa e este foi o objetivo final das normas da UEFA; (b) é necessário investigar se as normas tiveram alguma influência sobre a polarização dos clubes, com uma minoria de grandes clubes, em boa situação financeira, e uma maioria de pequenos e médios, com dificuldades.

Maiores empresas em cada UF

Critério: Receita Líquida em R$Bilhões
Sede

Alagoas (AL) - R$2,2 bilhões Usina Coruripe
Amazonas (AM) - 23,0 - Samsung
Bahia (BA) - 58 - Braskem
Ceará (CE) - 6,2 Farmácias Pague Menos
Distrito Federal (DF) - 25,0 Eletrobras
Espírito Santo (ES) - 43,6 - ADM
Goiás (GO) - 5,0 Saga
Maranhão (MA) - 11,3 Equatorial
Mato Grosso (MT) - 17,3 Amaggi
Mato Grosso do Sul (MS) - 2,0 Taurus
Minas Gerais (MG) - Arcelormittal - 31,3
Pará (PA) - 3,2 Albras
Paraíba (PB) - 0,8 Cagepa
Paraná (PR) - 14,9 Copel
Pernambuco (PE) - 8,1 Petrogal
Piauí (PI) - 1,4 Carvalho Supermercado
Rio de Janeiro (RJ) = 349,8 - Petrobras
Rio Grande do Norte (RN) - 12,4 Ale
Rio Grande do Sul (RS) - 12,9 Yara
Santa Catarina (SC) - 42,1 - Bunge
São Paulo (SP) - 181,7 - JBS
Sergipe (SE) - 7,7 - Cencosud
Tocantins (TO) - 2,6 FTO

As unidades que não aparece na relação não possui empresa entre as mil maiores do Brasil
Fonte: Valor 1000 

Os dez maiores grupos econômicos

1. Petrobras
2. Bradesco
3. Itaú Unibanco
4. JBS
5. Banco do Brasil
6. Caixa
7. Vale
8. Raizen
9. Ultra
10. Odebrecht

Três são estatais e quatro estão no ramo financeiro. Juntos possuem uma receita de 1,8 trilhão de reais e empregam 880 mil pessoas

Fonte: Valor 200 Maiores Grandes Grupos

Rir é o melhor remédio

Ambiente

08 janeiro 2020

Refis: 176 bi de renúncia fiscal

10 Papers do SSRN em 2019

Eis os 10 papers mais baixados no SSRN (título, autor e filiação)

1) A Brief Introduction to the Basics of Game Theory - Matthew O. Jackson - Stanford University – Department of Economics

2)Summary of Social Contract Theory by Hobbes, Locke and Rousseau - Manzoor Laskar - Symbiosis International University

3)151 Trading Strategies - Zura Kakushadze, Juan A. Serur - Quantigic Solutions LLC University of CEMA

4)Pulling the Goalie: Hockey and Investment Implications - Clifford S. Asness, Aaron Brown - AQR Capital Management, LLC New York University (NYU) – Courant Institute of Mathematical Sciences

5) Day Trading for a Living? - Fernando Chague, Rodrigo De-Losso, Bruno Giovannetti - Getulio Vargas Foundation (FGV) – Sao Paulo School of Economics University of São Paulo (USP) – Department of Economics Getulio Vargas Foundation (FGV) – Sao Paulo School of Economics

6) ‘I’ve Got Nothing to Hide’ and Other Misunderstandings of Privacy - Daniel J. Solove - George Washington University Law School

7) How America Tortures - Mark Denbeaux, Stephanie Moreno Haire, Tatiana Laing, Kristofer Guldner, Denera Pope-Ragoonanan, Adam Casner, Brett Lewbel, Timothy Paulson, Timothy Profeta, Jade Sobh, Niki Waters, Bayan Zahriyah - Seton Hall University, School of Law

8) A Diamond is Forever’ and Other Fairy Tales: The Relationship between Wedding Expenses and Marriage Duration - Andrew Francis-Tan, Hugo M. Mialon - National University of Singapore (NUS) – Lee Kuan Yew School of Public Policy Emory University – Department of Economics

9) Huawei Technologies’ Links to Chinese State Security Services - Christopher Balding - Fulbright University Vietnam

10) Country Risk: Determinants, Measures and Implications – The 2019 Edition - Aswath Damodaran - New York University – Stern School of Business

Inspiração

Joe Hoyle é um professor de contabilidade. Tem 72 anos e possui um blog. Suas postagens são poderosas e guardo muitas delas para reler. Em novembro de 2018 ele publicou um conjunto de "conselhos" para os professores. Um deles: "Nunca use o PowerPoint".

Destaco lá no final do texto:

Ensinar exige muita fé, porque você quase nunca vê os resultados verdadeiramente positivos. Os alunos sentam-se na sala de aula e você os pressiona. Você acha que pode estar fazendo a diferença, mas realmente não sabe. Então eles vão embora e você se pergunta se afetou a vida deles. (..) No entanto, ocasionalmente, acontecerá algo que o fará sorrir e você perceberá que o ensino é realmente a melhor profissão do mundo, porque você faz a diferença na vida de seus alunos. (...)

Esse tipo de feedback não ocorre com frequência, mas nesses momentos, você perceberá que sua vida como professor tem um propósito maravilhoso.

Netflix no Brasil

Dados da Similar Web sugerem que a Netflix teve um tropeço no quatro trimestre no Brasil. O nosso país é um mercado importante e foi um dos primeiros em termos de expansão da empresa. A estimativa de usuários ativos diários, que serve para analisar a tendência dos assinantes, caiu entre o quarto e o terceiro trimestre. A redução foi de 10%, o que levou a redução anual a 5%.

Estes são os usuários que abrem a página da empresa todo dia. Na América Latina, a Netflix possui 29 milhões de assinantes pagos, em 30 de setembro.

Nova DRE a caminho

Companies would be required to provide three new profit subtotals: “operating profit,” “operating profit and income and expenses from integral associates and joint ventures,” and “profit before financing and income tax.” (Via aqui)

O objetivo da proposta do Iasb de uma nova DRE, com lucro operacional, lucro operacional e receitas e despesas de investimentos e lucro antes de financiamento e imposto sobre o lucro é reduzir a utilização de medidas não GAAP.

Tenho dúvidas se isto será suficiente para esta redução. Afinal, o objetivo de empresas que divulgam medidas não GAAP é o gerenciamento de impressões/manipulação dos resultados.

Rir é o melhor remédio

Ciclo da notícia (do New Yorker)

07 janeiro 2020

Conformidade da NBC - SP nos estados e municípios

As Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicada ao Setor Público vêm passando por transformações. Um dos objetivos dessas transformações é a promoção de maior transparência na aplicação do dinheiro público. Sendo assim, foi estabelecida a seguinte questão: qual o nível de conformidade inicial das normas contábeis das capitais e estados brasileiros? Foi calculada a frequência de adoção dos 32 itens elencados neste estudo, nos estados e capitais; depois empregada a análise do teste de médias; e posteriormente a análise de regressão em painel, efeitos aleatórios, para testar se as variáveis Ativo Total, Liquidez e Endividamento permitiam identificar uma propensão desses em atender aos itens requisitados pelas normas. Observou-se uma evolução das capitais sobre a conformidade das normas na ordem de 50% do ano de 2014 para 2015. Já nos estados, observou-se uma evolução da conformidade na ordem de 81% do ano de 2014 para 2015. O teste de médias indicou que não há diferença entre as conformidades dos estados e capitais. Foi identificada uma relação positiva entre a variável Tamanho dos estados e capitais com a adoção inicial das normas, sugerindo que as unidades com maiores recursos disponíveis estão mais adequadas às exigências normativas contábeis. As unidades com menor recurso e mais endividadas, por sua vez, apresentam grau de conformidade inferior à média.

Texto completo aqui

Estatística da década: Amazônia

Much like Oxford English Dictionary’s “Word of the Year” competition, the international statistic is meant to capture the zeitgeist of this decade. The judging panel accepted nominations from the statistical community and the public at large for a statistic that shines a light on the decade’s most pressing issues.

On Dec. 23, we announced the winner: the 8.4 million soccer fields of land deforested in the Amazon over the past decade. That’s 24,000 square miles, or about 10.3 million American football fields. (...)

Continue lendo aqui

Efeito da crise no Oriente Médio

A crise entre EUA e Irã, com a morte de Soleimani, trouxe a maior queda no preço das ações da Saudi-Aramco. A empresa já perdeu US$200 bilhões em valor de mercado, quando comparado com o máximo após a oferta pública de ações. Agora, a empresa tem um valor estimado de US$1,8 bilhão. É interessante que o preço do petróleo subiu com a crise.

A preocupação é com eventual retaliação do Irã. Apesar da mudança nos preços, o volume de negociação é relativamente baixo, conforme a figura (parte de baixo). Mas uma queda maior pode levar o governo da Arábia Saudita, que é o grande acionista da empresa, a entrar no mercado

Rir é o melhor remédio

Existem dois tipos de pessoas: (1) aqueles que podem extrapolar com dados incompletos ...

06 janeiro 2020

Fator alavancagem: ciclo de crédito e retorno dos ativos

Resumo:

Research finds strong links between credit booms and macroeconomic outcomes like financial crises and output growth. Are impacts also seen in financial asset prices? We document this robust and significant connection for the first time using a large sample of historical data for many countries. Credit boom periods tend to be followed by unusually low returns to equities, in absolute terms and relative to bonds. Return predictability due to this leverage factor is distinct from that of established factors like momentum and value and generates trading strategies with meaningful excess profits out-of-sample. These findings pose a challenge to conventional macrofinance theories.

The Leverage Factor: Credit Cycles and Asset ReturnsJosh Davis and Alan M. TaylorNBER Working Paper No. 26435November 2019

Evidenciação

Parece que falta uma melhor evidenciação no terceiro setor em todo lugar do mundo. E no caso das igrejas, o problema também é grande. Nos Estados Unidos, há uma denúncia sobre a forma como os mórmons, como são conhecidos a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, estão usando os recursos obtidos pelas doações de seus fiéis. O díziimo de 10% arrecadado estaria sendo desviado para outras finalidades. Como muitas vezes tenta-se evitar uma discussão pública, isto termina por aumentar a especulação sobre as finanças da Igreja.

São 16 milhões de fiéis que deve gerar algo em torno de 7 bilhões de dólares de doação.

Scielo

Um texto interessante sobre a função do Scielo:


O SciELO (Scientific Electronic Library Online) foi concebido no Brasil em 1997 – há 22 anos – como uma biblioteca de acesso aberto, baseada na web, com um modelo de publicação que visa indexar, preservar, melhorar e dar alta visibilidade a uma coleção de periódicos avaliados por pares publicados independentemente por sociedades científicas, associações profissionais, universidades e outras instituições de pesquisa.

Atualmente, o modelo está sendo usado por 17 países que compõem a rede SciELO de coleções nacionais de periódicos, com mais de 1.200 periódicos publicando 50 mil novos artigos por ano, apenas 42% em inglês, cobrindo todos as áreas, mas principalmente ciências da saúde, ciências humanas, ciências sociais aplicadas e agricultura. O repositório da Rede SciELO acumulou mais de 700 mil artigos em acesso aberto, que atendem a uma média diária de 1.2 milhão de downloads, de acordo com as regras COUNTER, que excluem robôs.

A principal contribuição do SciELO é o reconhecimento da relevância de seus periódicos para o avanço da pesquisa em uma perspectiva global, pois eles comunicam pesquisas básicas e, principalmente, aplicadas, relacionadas a questões nacionais. Em um aspecto, o SciELO atende à academia e, em outro, informa políticas públicas, comunidades profissionais, currículos educacionais e questões públicas em geral. Juntamente com o Professor Rogerio Meneghini, que cofundou o SciELO comigo, enfatizamos a ideia de que fazer boa ciência significa também fazer bons periódicos. Também estou convencido de que o SciELO e coleções de periódicos similares operam de forma semelhante nos limites de uma dualidade ideal de ciência aberta e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODSs).

O modelo de publicação SciELO é orientado pelas características e fortalezas intrínsecas da web:

A desintermediação de conteúdo, que nos levou a adotar o acesso aberto via dourada e as licenças CC-BY. Durante a Conferência SciELO 20 Anos em 2018, nos comprometemos a adotar as práticas abertas de comunicação científica nos próximos três a cinco anos, incluindo a operação de um servidor de preprints, suporte ao gerenciamento de dados de pesquisa e a abertura da avaliação por pares.
O hipertexto e a interoperabilidade permitiram uma Rede SciELO totalmente descentralizada, que provou ser altamente eficiente na promoção de capacitação nacional, sustentabilidade, operação acessível, escala de conteúdo e visibilidade, e, particularmente, gerenciamento bem-sucedido de assimetrias. O SciELO é um produto de centenas de instituições e milhares de pessoas; autoridades de pesquisa, profissionais da informação, editores, pareceristas etc., para atender a milhões de usuários.
Ser, na medida do possível, “independente das tiranias”, permitindo estruturar uma rede de adesão voluntária e sem acordos formais, garantindo a independência editorial dos periódicos e buscar avaliação e relevância da pesquisa além da simplicidade do ranking deus ex-machina do fator de impacto.

O SciELO possui, desde o início, um status de pesquisa e informação científica certificada, conferida pelas organizações por trás da Rede SciELO. Desejo apenas fazer referência a três delas, pioneiras do SciELO: a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), uma das mais importantes agências de fomento à pesquisa brasileiras, o Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde (Bireme) da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) e a Comissão Nacional de Pesquisa Científica e Tecnológica do Chile (CONICYT), que adotou o modelo pela primeira vez, iniciando o desenvolvimento da Rede SciELO.

Em resumo, em uma dimensão, a publicação SciELO serve de estrutura para a implementação de políticas públicas nacionais para o desenvolvimento de periódicos avaliados por pares sob condições nacionais e, ao mesmo tempo, faz parte de uma rede internacional seguindo o estado da arte da comunicação científica. E, em outra, a Rede SciELO incorpora um programa de cooperação internacional para o progresso da pesquisa e sua comunicação aberta, com vistas a um fluxo global inclusivo de informação científica que considere a diversidade de áreas geográficas, áreas temáticas, culturas, multilinguismo e a resultante riqueza de assimetrias.

Mudança na auditoria: EUA x Reino Unido

Dois dos principais mercados do mundo estão pensando em mudar as regras para os auditores independentes. Nos Estados Unidos, a SEC, entidade que fiscaliza o mercado de capitais, está trabalhando no sentido de relaxar as regras. No Reino Unido, o Financial Reporting Council (FRC) está pensando em fortalecer a independência.

O Chairman da SEC já afirmou que esta será a prioridade da entidade para o próximo ano. A expectativa é que a mudança de regra possa trazer mais competição no mercado. Já o foco do FRC é evitar um potencial conflito de interesse. No caso britânico, os recentes escândalos (Carillion e Tomas Cook, por exemplo) é a justificativa da escolha.

Fonte: aqui

Rir é o melhor remédio

Barulho no Carro

05 janeiro 2020

Narrativas Econômicas: o novo livro de Shiller

Resumo:

This address considers the epidemiology of narratives relevant to economic fluctuations. The human brain has always been highly tuned towards narratives, whether factual or not, to justify ongoing actions, even such basic actions as spending and investing. Stories motivate and connect activities to deeply felt values and needs. Narratives “go viral” and spread far, even worldwide, with economic impact. The 1920-21 Depression, the Great Depression of the 1930s, the so-called “Great Recession” of 2007-9 and the contentious political-economic situation of today, are considered as the results of the popular narratives of their respective times. Though these narratives are deeply human phenomena that are difficult to study in a scientific manner, quantitative analysis may help us gain a better understanding of these epidemics in the future.

Fonte: aqui

Resultado de imagem para narratives economics




Trabalhando no feriado

An analysis of submissions to two top journals showed that scientists in the U.S. were highly likely to be working during holidays.
A study found that more than a tenth of U.S.-based researchers who submitted manuscripts and peer review reports to journals did so during the holidays.

By Dalmeet Singh Chawla

Dec. 18, 2019

Jay Van Bavel, a social neuroscientist at New York University, is vowing not to work during the Christmas holidays.

A few years ago, Dr. Van Bavel had agreed to conduct peer review on a couple of manuscripts before the end of the semester. But he got really busy and ended up having to do one on Christmas Day and another on New Year’s Eve, while his family was visiting.

“I felt like I let down myself and my family,” said Dr. Van Bavel, who gets asked to conduct peer-review 100 to 200 times a year. But he says he has now learned his lesson, and is not planning to do any work in the Christmas holidays this year, except perhaps the odd email.

If Dr. Van Bavel holds to his vow, he’ll beat the trend of many of his colleagues. While you might be setting an out-of-office message and backing away from your keyboard as the winter holidays set in, many researchers in academia can be found working straight through the season. Scientists based in the United States are, in fact, the third most likely to work during holidays, behind only their counterparts in Belgium and Japan, according to a study published Thursday in BMJ.

The study — aiming to quantify some of the overwork and burnout experienced by researchers in the sciences — examined nearly 50,000 manuscript submissions and more than 75,000 peer-review submissions to BMJ and its sister journal, BMJ Open. More than a tenth of U.S.-based researchers who submitted manuscripts and peer review reports to journals did so during the holidays.

At the same time, researchers in China lead the world in working on weekends, where more than a fifth of academics submitted papers and peer-review reports, followed by those based in Japan, Italy and Spain. More than a tenth of researchers in the United States turned in studies on weekends, and more than 15 percent conducted peer review.

Scandinavian nations had the best work-life balance. Scientists in Sweden were least likely to work during holidays, and those in Norway generally kept their weekends free.

Adrian Barnett, a statistician and metascience researcher at Queensland University of Technology in Australia, who co-wrote the analysis, thought of conducting the analysis while submitting a paper on the weekend.

“This is a real marker of how hard I’m working,” he said.

The study has shortcomings. Among them, it only accounts for manuscript submissions and peer review, just two of many tasks on an academic’s plate, for instance.

“While this study provides a starting point to demonstrate that academics are indeed spending time working on weekends and holidays, it does not delve deeper into the types or amounts of work that academics may be doing on weekends or holidays,” says Valerie Miller, assistant director of postdoctoral affairs at the University of Chicago.

Dr. Barnett acknowledges these shortcomings, although he noted that these markers were most easily traceable because academic publishers time-stamp electronic study and peer-review submissions.

Dr. Miller is currently conducting a survey on the work of postdoctoral researchers, who are usually considered to be early in their careers. A study conducted by the Young Academy of Europe earlier this year found that around half of early-career researchers there work more than 50 hours a week. Other studies have also reported a mental health crisis among graduate students, with large numbers saying their Ph.D. is the cause of their mental condition.

Another limitation of the BMJ study is that it can’t distinguish between researchers’ career stages, and only includes scientists working predominantly in health and medicine.

While submitting a study can lead to a publication that is valuable for an academic’s career, peer-review can be a more thankless task.

Some countries, like Italy, Spain, France and New Zealand report higher percentages of peer-review activity on weekends than manuscript submissions. Dr. Barnett suggests that academics find themselves lacking the time to perform this labor during their workweek because it’s often not considered “actual work.”

As a measure of how peer review is regarded, a survey published earlier this year found that around half of just under 500 researchers had during their careers ghostwritten peer review reports on behalf of senior faculty.

“Peer review is central to the scientific mission and ought to be re-centered in our evaluation systems, not something to be done in an academic’s ‘free time,’” said Rebeccah Lijek, a biologist at Mount Holyoke College in Massachusetts who led the ghostwriting study.
It’s also getting more difficult to recruit academics to conduct peer review, a report released last year showed, and a small batch of reviewers seem to be doing a disproportionate amount of peer review.

Dr. Lijek thinks Dr. Barnett’s findings are only the tip of the iceberg: “What’s still under water are the many hours of labor performed by teams of junior researchers that precede submission.”

Dr. Barnett feels that academics are forced to do too much.

“We’re pushed to produce more so that universities can rise up the league tables,” he said.

With that in mind, Dr. Van Bavel is trying to take a new approach in his lab.

“A few weeks ago, I had a lab meeting where we created a work life balance policy to minimize the pressure to work on the weekend,” he said.

© 2020 The New York Times Company

Retratações

O RetractionWatch é um site especializado em monitorar as retratações na pesquisa científica. É um trabalho notável e já usamos algumas das notícias do site aqui no blog (aqui, aqui e aqui). Ao fazer um levantamento de 2019, o site computou mais de mil retratações. Na verdade, mais de 1.433 (até meados de dezembro).

O site também fez uma lista de dez casos interessantes, que foi publicado na The Scientist. Entre eles selecionamos os seguintes:

a) A retratação de Eric Potts-Kant tem um valor específico: 112 milhões de dólares. O pesquisador, quando vinculado a Duke University, usou dados falsos nas suas pesquisas. E estas pesquisas foram usadas para pedir ajuda pública para a escola. O governo não gostou e cobrou da universidade.

b) O periódico Journal of Fundamental and Applied Sciences teve 434 retratações. Em maio, a Clarivante tirou o periódico do Web of Science.

c) O coreano Cho Kuk publicou em 2009 um artigo no Korean Journal of Pathology em co-autoria com sua filha, que era primeira autora.O detalhe que sua filha estava no ensino médio. Tempos depois, a filha de Cho Kuk estudou na Pusan National University, onde foi reprovada por duas vezes nos exames e recebeu 10 mil dólares de auxílio financeiro.  

d) Em 2017 dois indianos publicaram um artigo no CrystalEngComm. O artigo tinha uma grande semelhança com um manuscrito submetido em outro periódico, Dalton Transactions, onde um dos autores tinha sido parecerista.

Número de autores

A quantidade de papers por número de autores revela um grande número de artigos com mais de mil autores. Parece exagero. Além disto, entre 2009 a 2013 versus 2014 a 2018, este número cresceu para mais de mil artigos. (Via aqui)

Rir é o melhor remédio

Reunião de família

04 janeiro 2020

Luca Pacioli: Father of Accounting

Um vídeo sobre Luca Pacioli. É um pouco antigo (veja os computadores que aparece), mas é bem interessante para quem gosta de história. Infelizmente, sem legendas em português.

Como Custos ajuda a explicar o setor de Streaming

Uma entrevista de Jimmy Iovine tem alguns detalhes interessantes. Iovine é executivo que ajudou a criar a empresa Beats e a Apple Music. Quando questionado sobre o maior problema do streaming de música (como Spotify, Apple Music, Amazon Music, entre outros) e afirmou que era a margem, que não aumenta. Fazendo uma comparação ele disse que na Netflix, ao contrário, “quanto mais assinantes você tiver, menor o custo”. Obviamente ele se refere ao custo unitário. E continua afirmando que “na transmissão de música, os custos seguem você”.

Isto é interessante pois lida com os conceitos básicos de custos: custo variável e custo fixo. O que Iovine disse é que no streaming de música, os custos são essencialmente variáveis. Ou seja, o que interessa é a margem de contribuição, que deve ser necessariamente positiva. Já na televisão, como é o caso da Netflix, as produções próprias fazem com que a existência dos custos associados ao produto exclusivo de cada canal possam ser absorvidos pelo preço. Assim, o aumento no número de assinantes permite a existência de uma economia de escala, que não existe na música.

No setor de música, Iovine destaca que os serviços são iguais. Assim, as músicas existentes na Amazon ou na Spotify são semelhantes. O mesmo parece não ocorrer na televisão: se gosto dos desenhos da Disney, tenho que assinar o streaming da Disney; se quero ver La Casa del Papel, devo assinar a Netflix. Em setores customizados, a guerra de preços pode ser fatal, já que não existe diferenciação no produto.

Ver a declaração dele aqui

Professor demitido por telegrama

Um professor, cujo nome revelaremos no final deste texto, venceu, no Tribunal Superior do Trabalho, um processo contra seu ex-empregador, a Fundação São Paulo-PUC (SP). Irá receber uma indenização de 50 mil reais. Eis a notícia, conforme divulgada no site do TST:

A Sétima Turma do Tribunal Superior do Trabalho manteve a condenação da Fundação São Paulo-PUC (SP) ao pagamento de indenização de R$ 50 mil a um professor que teve sua dispensa comunicada por telegrama. Por maioria, o colegiado entendeu que a forma de dispensa do empregado, “com excelente reputação na empresa e sem qualquer falta ou advertência”, não foi apenas deselegante, mas despótica.

Natal

Na reclamação trabalhista, o professor disse que foi comunicado da dispensa sete dias antes do Natal de 2014. No telegrama, considerado “frio e trágico” pelo empregado, a fundação informava que havia decidido rescindir o contrato a partir de 17/12 e agradecia a colaboração do professor “no período de sua dedicação junto ao seu departamento”. Para ele, foi doloroso tratar de questões rescisórias e realizar exame demissional justamente durante o período de festas natalinas.

Padrão

Em contestação, a fundação afirmou que não houve qualquer irregularidade no fato de a dispensa ter ocorrido às vésperas do Natal e justificou a data com o fim do período letivo e com o agravamento da indisponibilidade de recursos orçamentários. Ainda de acordo com a fundação, a comunicação por telegrama é procedimento padrão, previsto em convenção coletiva de trabalho.

Consideração

O juízo da 60ª Vara do Trabalho de São Paulo (SP) julgou improcedente o pedido de indenização, mas o Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região reformou a sentença para condenar a Fundação ao pagamento de R$ 50 mil ao empregado. Para o TRT, não foi apenas a dispensa, mas a atitude abusiva no ato que caracterizou lesão à honra e à imagem do professor.

Função social

Para o relator do caso no TST, ministro Cláudio Brandão, ao rejeitar o exame do recurso contra a condenação, a fundação “não deu ao seu direito potestativo a finalidade social que deveria ser respeitada, cometendo verdadeiro abuso de direito”. O ministro lembrou que o exercício da atividade econômica se condiciona à observância de princípios constitucionais, como a valorização do trabalho humano, a existência digna e de acordo com a justiça social e a função social da propriedade.

Na avaliação do relator, o empregador, ao despedir o empregado por meio de um simples telegrama, após uma vida dedicada à empresa, praticou ato lesivo à sua dignidade. Segundo ele, o ato da fundação configurou tratamento que não pode ser considerado meramente deselegante, mas sim despótico, “porque extrapolou os limites de tolerância de qualquer ser humano”.


O texto não revela o nome do professor, mas um link para o processo mostra que se trata de Rubens Fama, um nome bastante conhecido na área de finanças e contabilidade, com atuação em mercado de capitais, ativos intangíveis, estrutura de capital, governança corporativa e desempenho empresarial. (Atenção, não confundir com Eugenne Fama, da Universidade de Chicago)

Rir é o melhor remédio


03 janeiro 2020

A fuga de Ghosn

O ex-CEO da Nissan, Carlos Ghosn, fugiu do Japão na noite de domingo, após secretamente embarcar em dois aviões particulares para retornar à sua casa no Líbano.

Segundo Robert Allen, um professor da Tulane e especialista em segurança, estima-se que a fuga de Ghosn esteja na faixa de alguns milhões de dólares.

As descrições das pessoas que Ghosn contratou para coordenar a operação de fuga variaram. A Reuters se referiu a eles como uma "empresa de segurança privada", enquanto o Financial Times usou o termo "agentes de segurança privada". Quem planejou a fuga de Ghosn provavelmente era habilidoso, disse Allen, mas provavelmente não foi o trabalho de uma empresa de segurança respeitável, que não iria querer arriscar o dano de ser pego à reputação.

Para realizar esse tipo de operação de alto risco, você precisa planejá-lo de forma a minimizar suas chances de ser detectado. Isso significa viajar à noite e usar um aeroporto privado, o que permitiria ao passageiro embarcar em suas aeronaves mais rapidamente do que em um aeroporto público e evitar verificações de segurança extensas, disse Allen.

Adaptado de: aqui e aqui.

Ghosn na lista da Interpol

O Líbano recebeu um pedido de prisão da Interpol contra o ex-presidente da aliança Renault-Nissan Carlos Ghosn, o magnata do setor automotivo que fugiu do Japão para Beirute, anunciou o ministro da Justiça libanês nesta quinta-feira (2). [...]

Alvo de quatro acusações de crimes financeiros e em prisão domiciliar sob fiança desde abril de 2019, Ghosn vivia com certa liberdade de movimento no Japão, mas sob condições estritas.

O empresário teria conseguido escapar do país em um jatinho privado com a ajuda de uma empresa privada de segurança, segundo a Reuters, na última segunda (30). Ele mesmo divulgou um comunicado, afirmando que estava no Líbano, e que não fugiu da Justiça: "Escapei da injustiça".

Nascido no Brasil, ele também tem cidadania libanesa e francesa. [...]

Prisão de Ghosn
Carlos Ghosn foi preso no Japão no dia 19 de novembro de 2018 e, desde então, deixou a presidência do conselho das três montadoras que comandava: da Nissan, da Mitsubishi e da Renault.

Ele foi solto sob pagamento de fiança em março de 2019, após mais de 100 dias detido, mas acabou preso novamente em abril, por novas acusações das autoridades. No mesmo mês, foi solto após pagamento de fiança de US$ 4,5 milhões, valor equivalente a R$ 17,8 milhões. E agora aguardava o julgamento, previsto para 2020.

As circunstâncias da fuga ainda não estão claras. Ele teria usado um jato particular que decolou do aeroporto de Kansai, no oeste do Japão. Segundo a imprensa japonesa, uma aeronave deste modelo teria deixado o país no dia 29 de dezembro, às 23h, em direção a Istambul. A aterrissagem teria acontecido no aeroporto de Atatürk, fechado para voos comerciais.

Na mídia libanesa levantou-se a hipótese que Ghosn teria escapado escondido em uma caixa de instrumento depois de um concerto privado na sua residência. "É ficção pura", disse a mulher Carole, em conversa com a Reuters.

Pessoas próximas a Ghosn disseram ele foi recebido pelo presidente do Líbano, Michel Aoun.
Já em Beirute, Ghosn divulgou um comunicado em que afirmou que não será "mais ser refém de um sistema judicial japonês fraudulento em que se presume culpa, onde direitos humanos básicos são negados. Não fugi da justiça. Escapei da injustiça e da perseguição política. Agora posso finalmente me comunicar livremente com a mídia e estou ansioso para começar na próxima semana".

Nesta quinta-feira (2), a secretária de Estado francês para a Economia, Agnès Pannier-Runacher, declarou que o empresário não será extraditado se vier para a França. “A França nunca extradita seus cidadãos, então aplicaremos a Ghosn as mesmas regras que aplicamos para todos. Não é por isso que achamos que ele não deva ser julgado pela Justiça japonesa”, declarou, em entrevista ao canal BFMTV.

Fonte: aqui. Mais sobre Ghosn: aqui.

SEC e Não GAAP

Interessante a visão da SEC e do Iasb sobre as medidas não GAAP. Ambos entendem que o crescimento destas medidas é fruto de uma certa "incompetência" da contabilidade em dar informação de qualidade para as empresas que possuem alguns itens incomuns. Ambos estão preocupados com o assunto. 

O Iasb está focado em trabalhar melhor as demonstrações contábeis, em particular a DRE. Parece-me que a SEC tem uma postura um pouco mais rígida sobre o assunto: em uma palestra no mês passado, um contador da SEC criticou a WeWork por usar margem de contribuição como uma medida de desempenho melhor para a empresa, em lugar do resultado - no caso, prejuízo. 

Entretanto, tenho dúvidas se o objetivo das medidas não GAAP são legítimos, conforme afirmado aqui. O argumento é que as empresas com itens incomuns, como aquisições ou grandes amortizações que distorcem seus resultados, não possuem um boa medida de desempenho. Entretanto, isto não responde ao fato de que mesmo empresas que não se enquadram neste quesito usam medidas não GAAP.

Fazer previsão sobre o futuro

Uma das frases mais conhecidas sobre previsão é: "é difícil fazer previsões, especialmente sobre o futuro". Mas a autoria da frase já foi atribuída ao físico Niels Bohr, ao produtor de cinema Samuel Goldwyn, ao lendário atleta Yogi Berra, ao escritor Mark Twain, ao profeta Nostradamus.

O Quote Investigator tentou traçar uma origem da frase. Tudo leva a crer que a frase é de origem dinamarquesa, do político, e defensor da Eugenia, Karl Kristian Steincke de 1948.

Custo x Qualidade de mensurar

Nem sempre gastar mais na tentativa de mensurar pode ser uma opção interessante. Veja o seguinte exemplo:

durante a Segunda Guerra Mundial, quando os Aliados quiseram etimar o número de tanques que estavam sendo produzidos na Alemanha. Estimativas puramente matemáticas com base nos números de série de tanques capturados previam que os alemães estavam produzindo 246 tanques por mês, enquanto as estimativos obtidas por meios de amplos (e sumamente arriscados) reconhecimentos aéreos sugeriam que o número estaria mais na ordem dos 1400. Depois da guerra, os registros alemães revelaram o número verdadeiro: 245.

Brian Christian e Tom Griffiths. Algoritmos para viver. p 219. Na nota de fim de livro tem-se o seguinte comentário:

Isto veio a ser conhecido como "O Problema do Tanque Alemão", e foi documentado em várias fontes. Ver, por exemplo, Gavyn Davies, "How a Statistical Formula Won the War", The Guardian, 19 jul. 2006 (...)

O princípio talvez não seja aplicável na contabilidade. Mas veja que chama a atenção para um aspecto importante: o custo da informação não significa qualidade.

Rir é o melhor remédio


02 janeiro 2020

Política Fiscal com Dívida Alta e Juros baixos

Resumo:

U.S. policymakers face a combination of high and rising federal debt and low current and projected interest rates on that debt. Rising future debt will reduce growth and impede efforts to enact new policy initiatives. Low interest rates reduce, but do not eliminate, these concerns. The federal fiscal outlook is unsustainable even with projected interest rates that remain below the growth rate for the next 30 years. Short-term policy responses should focus on investments that are preferably tax-financed rather than debt-financed. Most importantly, policymakers should enact a debt reduction plan that is gradually implemented over the medium- and longterm. This would avoid reducing aggregate demand significantly in the short-term and, if done well, could actually stimulate current consumption and production. It would stimulate growth in the long-term, provide fiscal insurance against higher interest rates or other adverse outcomes, give businesses and individuals clarity about future policy and time to adjust, and provide policymakers with assurance that they could consider new initiatives within a framework of sustainable fiscal policy.

Fonte: Fiscal policy with high debt and low interest ratesWilliam Gale

14 razões para continuar blogando

Ano novo e fazemos nossas promessas. Há dias postei dez razões para continuar blogando. Escrevi, no final, que poderia contar com ajuda dos leitores, acrescentando "11. Posso contar com a ajuda dos leitores". Recebi um comentário animador de Victor e outros dois de anonimos. E três outras sugestões de Polyana


1. tenho algo interessante para dizer para as pessoas
2. é uma forma de reter um conhecimento importante
3. as pessoas reconhecem o esforço
4. conhecemos pessoas
5. força a reflexão sobre diversos temas
6. aprendemos muito com aquilo que postamos
7. tenho liberdade para escolher temas das postagens
8. serve como material para escritos futuros
9. ajuda na exposição de ideias
10. é uma forma de ensinar
11. Posso contar com a ajudar dos leitores
12. É uma forma de estimular o pensamento de que a Contabilidade é muito mais que débito e crédito.
13.  Incentivar e inspirar outros blogueiros.
14. É muito legal! (como fui esquecer este?)

Preços

Desde o início do Plano Real, os preços no Brasil tiveram um aumento de 513%. Isto significa uma média de 7,5% ao ano. O interessante é a diferença no comportamento dos preços "livres" e daqueles "monitorados". Neste último grupo tem-se todos os produtos e serviços que são, de certa forma, tabelados: água, luz, IPTU, transporte público, planos de saúde, pedágios e outros. Ou seja, são produtos/serviços que o governo deveria ter o interesse social em controlar os preços.
A diferença aumenta com a estabilização efetiva, após 1997. E aumenta a partir de 2003, com o início do governo Lula.

Década dos Memes

O Estado de S Paulo fez um apanhado de 50 memes da década. Começa com o gemidão do zap, passa pela Nazaré confusa, "para nossa alegria", Nissim Ourfali e por aí vai. Confesso que alguns eu não lembrava, mas a maioria sim.

O BuzzFed também fez um apanhado da década. Na classificação 40 tem o "Come to Brazil". Em 35, a Nazaré confusa.

Aqui no blog temos aproveitado bastante dos memes. Eis um exemplo:


Rir é o melhor remédio

Tudo que você estudou caiu na prova

Que em 2020 você tenha muitos momentos como este.

01 janeiro 2020

Taxação Ótima com vieses comportamentais

Resumo:

This paper develops a theory of optimal taxation with behavioral agents. We use a general behavioral framework that encompasses a wide range of behavioral biases such as misperceptions, internalities and mental accounting. We revisit the three pillars of optimal taxation: Ramsey (linear commodity taxation to raise revenues and redistribute), Pigou (linear commodity taxation to correct externalities) and Mirrlees (nonlinear income taxation). We show how the canonical optimal tax formulas are modified and lead to a rich set of novel economic insights. We also show how to incorporate nudges in the optimal taxation frameworks, and jointly characterize optimal taxes and nudges. We explore the Diamond-Mirrlees productive efficiency result and the Atkinson-Stiglitz uniform commodity taxation proposition, and find that they are more likely to fail with behavioral agents. (JEL: D03, H21).


Farhi, Emmanuel, and Xavier Gabaix. 2020. "Optimal Taxation with Behavioral Agents." American Economic Review, 110 (1): 298-336.DOI: 10.1257/aer.20151079

Resultado de imagem para optimal taxation

Queda de Isabel dos Santos

Isabel dos Santos nasceu em 1973 e é a mulher mais rica da África. Como ela conseguiu a fortuna? Sendo filha de José Eduardo dos Santos, que ficou no poder em Angola entre 1979 a 2017, Isabel teve bastante ajuda desta condição. Há controvérsia sobre o tamanho de sua fortuna, mas em 2013 foi estimada pela Forbes em 2 bilhões de dólares.

Com o término do governo de Santos, o poder de Isabel também sofreu. Desde 2018, o governo tem tentado executar Isabel por corrupção. No passado ela foi presidente da Petrobras de Angola, a Sonangol.

Agora, a justiça de Angola arrestou suas contas bancárias e participações em empresas angolanas. O Tribunal afirmou que está provado que Isabel foi favorecida nos seus negócios. Mas ela diz desconhecer o teor das acusações.

Tempo na implementação

Em um discurso feito em 10 de dezembro, o Chairman do Fasb, Russell Golden, fez uma afirmação

Today, I´m proud to say the Fasb devotes about 40% of our resources to implementation support

Golden tentou destacar o esforço que o regulador dedica na fase após a norma ser emitida. Mas não parece que existe uma ineficiência? Se quase metade dos recursos são gastos na fase de implementação, o problema não seria a qualidade da norma? 

Rir é o melhor remédio

Efeito das festas de fim de ano