Translate

25 setembro 2018

Organizando o mundo

“O quarto do meu filho de 17 anos é uma bagunça total. Posso contratar um Consultor KonMari para ajudar meu filho a arrumar o Método KonMari? ”

A . Um Consultor KonMari pode ajudar seu filho a arrumar. Mesmo que ele esteja relutante em arrumar o começo, seu filho acabará entendendo a importância de manter apenas o que desperta alegria e aprender a apreciar seus pertences.

b . Um Consultor KonMari pode ajudar seu filho a arrumar, desde que seu filho tenha tomado a decisão de arrumar-se. Como a arrumação requer importantes decisões, seu filho deve estar pessoalmente comprometido com o processo.

C . Um consultor KonMari não pode ajudar seu filho a arrumar. Seu filho deve estar completamente comprometido em arrumar e contratar o próprio Consultor. Um pai nunca deve contratar um Consultor KonMari e forçar seu filho a arrumar.

D. Um Consultor KonMari pode ajudar seu filho a arrumar. O Consultor pode trabalhar em conjunto com os pais e o filho para descobrir o que é ideal para ambos e ajudar a tomar decisões que sejam satisfatórias tanto para os pais quanto para o filho.


Para ser um consultor KonMari você precisa de 1.500 dólares para um seminário, além de 500 dólares para ser um membro. O lema é "meu sonho é organizar o mundo". Além disto, o consultor deve passar por diversos testes (inclusive responder questões como o exemplo acima. Por sinal, a resposta correta é a segunda afirmação). Ser um consultor permite cobrar pelos serviços de organização.

O primeiro passo para se tornar um consultor da KonMari envolve ler os livros de Kondo e organizar sua própria casa de acordo. Não há visitas surpresa para auditar a limpeza, mas os aspirantes a consultores são obrigados a enviar fotografias para mostrar o quão bem eles implementaram o método KonMari em suas próprias vidas. A equipe de KonMari diz que eles podem avaliar se o candidato realmente domina o método olhando fotos de seus quartos, armários, salas de estar, armários de salão e cozinhas.

A parte mais difícil da tarefa:

Marina Ramalho, consultora canadense da Konmari, diz que é particularmente difícil convencer as pessoas a jogar fora os livros. “O que Kondo [foto] recomenda, e o que eu digo a todos os meus clientes, é escolher seus cinco melhores livros - seu hall da fama - e comparar qualquer outro livro com os cinco primeiros.”


(Minha mesa. Eu não tenho nenhuma chance de ser um consultor Kondo)

Custo da Netflix

Um estudo detalhou o custo da Netflix em diversos países do mundo. Usando uma tarifa de 20 reais, o Brasil possui quase 4 mil títulos, o que corresponde a um custo por título de $0,0014, um dos menores do mundo (a Noruega é 0,0033). Na amostra, o custo da assinatura no Brasil é o terceiro do mundo, atrás da Turquia e Argentina.

O estudo tem validade para a data de sua elaboração e os valores estão sujeitos a taxa de câmbio.

Rir é o melhor remédio



E duas outras versões


24 setembro 2018

Risco e Retorno em Criptomoeda

Estabelecemos que a relação risco-retorno das criptomoedas (Bitcoin, Ripple e Ethereum) é diferente das ações, moedas e metais preciosos. As criptomoedas não têm a exposição ao mercado de ações e a fatores macroeconômicos. Elas também não têm exposição aos retornos das moedas e commodities. Por outro lado, mostramos que os retornos da criptomoeda podem ser previstos por fatores específicos dos mercados de criptomoedas. Especificamente, determinamos que há um forte efeito momentum na série de tempo e que os proxies para a atenção do investidor preveem fortemente os retornos da criptomoeda. Finalmente, criamos um índice de exposições a moedas criptográficas de 354 indústrias nos EUA e 137 indústrias na China.

Leia o texto completo aqui

Poder da informação

No final de 2017, o autor desta postagem criou dois cursos à distância para o Ministério do Trabalho. Trata-se de uma iniciativa do governo em proporcionar ao desemprego uma oportunidade de ter acesso a reciclagem de conhecimento. O número de pessoas que se interessaram em fazer um dos 25 cursos que foram disponibilizados chegou a mais de 300 mil em menos de um ano. Além do fato de ser gratuito, em alguns programas sociais do governo exige-se que o desemprego busque o aprimoramento dos seus conhecimentos. Até a criação dos cursos, a maior saída do desempregado tem sido os cursos oferecidos pelo Sistema S.

Ainda não existe uma pesquisa indicando se estes cursos funcionam ou não, mas a proposta mais recente do governo tem como característica o baixo custo por aluno. Um aspecto interessante é que o custo é basicamente fixo e quanto maior o número de alunos, menor o custo por aluno. Provavelmente é a alternativa mais barata já criada pelo Ministério para qualificação do desempregado.

Apesar da divulgação, o número de inscritos ainda é reduzido. Foram mais de dois milhões de empregados que perderam seu posto desde o início da recessão. E estes são dados oficiais, do próprio Ministério do Trabalho. Uma explicação é que o desempregado não está procurando uma nova vaga; assim, fazer um curso de qualificação, como este, só será interessante para àquele que deseja voltar ao mercado de trabalho.

Outra possível explicação é a falta de divulgação. Neste sentido, uma pesquisa realizada nos Estados Unidos mostrou que a divulgação de informação encoraja o adulto a voltar para à escola. No gráfico, a linha pontilhada mais clara são das pessoas com seguro-desemprego que receberam  informação sobre o custo e benefício da educação. Com esta informação, aumentaram as chances do trabalhador fazer uma matrícula na escola; para os que não receberam a informação - linha pontilhada mais escura - a chance de se interessar pela educação é mais reduzida.

É a força da informação.

Para quem se interessar pelo programa do governo, clique aqui

Roubo de petróleo

Se no Brasil nós temos o roubo de energia elétrica, no México ocorre o roubo de petróleo. São mais de 20 mil barris por dia, que serão vendidos para motoristas de taxis, companhias de ônibus e caminhões. Em 2010 foram descobertos menos de 700 ligações ilegais nos gasodutos; em 2017 foram mais de 10 mil; em janeiro e fevereiro de 2018 foram descobertas mais de 2 mil.

O prejuízo para empresa estatal mexicana é de mais de 1,6 bilhões de dólares por ano. Os ladrões são chamados de "huachicoleros"

E isto é um grande problema para o governo: as receitas da Pemex são responsáveis por uma grande parcela das receitas públicas. Duas outras consequências: o aumento da violência e o fato de desencorajar investimentos no setor.

Rir é o melhor remédio

Rindo do poder:

Trump

Charles (na capa da Time) O Homem que queria ser rei (embaixo da rainha Elizabeth)

Militar:


23 setembro 2018

Suposição

Em muitos trabalhos realizados no Brasil e submetidos em congressos / periódicos tem sido comum a solicitação dos famosos testes do modelo de regressão (como a normalidade dos erros). Eis o que diz Gellman:

The key assumptions of a regression model are validity and additivity. Except when you’re focused on predictions, don’t spend one minute worrying about distributional issues such as normality or equal variance of the errors.

Kroton+Somos

A Kroton concretizou a aquisição da Somos. Dois aspectos destacam no processo:

1) O CADE aprovou a operação sem qualquer restrição. A surpresa aqui não é o fato da empresa resultante ser a maior empresa do país, do infantil até o superior. O setor de educação sempre foi pulverizado no Brasil e a concentração recente poderia despertar reações ideológicas ou algo do tipo. Além disto, nas operações recentes o CADE tem se mostrado mais criterioso com seus pareceres, impondo restrições onde existe permissividade.

2) Os gestores indicaram uma sinergia de 300 milhões de reais, para um valor de compra de 6,3 bilhões ou 5%. A sinergia é o fato de uma empresa (SOMOS+KROTON) em conjunto obter um valor adicional em relação as duas empresas em separado. Além de ser um valor reduzido, é sempre muito questionável a existência desta sinergia.

Rir é o melhor remédio

Fonte: Aqui

22 setembro 2018

Emprego no setor: Agosto

Nesta semana, o presidente Temer fez questão de anunciar que o número de contratados na economia superou os demitidos em 110 mil. Para um governo que está sendo atacado por todos os lados, o resultado é uma comprovação que o Brasil, se não deixou a recessão, pelo menos não piorou. Este seria o segundo melhor mês do seu governo, que em termos acumulados tem uma marca negativa de 534 mil empregos destruídos.

Se a economia vai bem, isto é bom para os profissionais contábeis? Infelizmente não. Para uma profissão que se orgulhava de dizer que não falta emprego, o mês de agosto não foi o pior, ainda assim o saldo foi negativo: foram contratados 9.855 profissionais e demitidos 10.369, o que significa uma destruição de 514 vagas. Em termos acumulados, desde janeiro de 2014, menos 40 mil.

A relação entre o setor contábil e a economia como um todo fica melhor visualizada no gráfico abaixo.

Neste gráfico o ponto de partida é janeiro de 2014, quando a economia começou uma das maiores recessões da história (se não tiver sido a maior). Os dados de emprego formal em vermelho são de todos as profissões. É possível observar que depois de uma brutal recessão do governo Dilma (e do início do governo Temer), os empregos formais aumentaram de janeiro de 2017 para cá. De azul, as funções relacionadas com a contabilidade, o que inclui auditores, contadores, técnicos e escriturários. Enquanto a um início de recuperação na economia, a crise persiste na contabilidade.

Os dados também mostram que a redução no número de vagas formais em agosto ocorreu principalmente entre os trabalhadores com o ensino médio completo e entre os contadores e auditores.

História da Calculadora

A Canon foi uma das primeiras a lançar uma calculadora de bolso em 1970. A Pocketronic usava circuitos integrados da Texas Instruments, com cálculos impressos em um rolo de papel térmico.

A Sharp também foi uma das primeiras produtoras de calculadoras de bolso. Ao contrário da Canon, eles usavam circuitos integrados da Rockwell e mostravam o cálculo em uma tela fluorescente a vácuo. (...)

O ano seguinte trouxe outro grande salto: o Hewlet-Packard HP35. Não só usou um microprocessador, como também foi a primeira calculadora de bolso científica. De repente, a régua de cálculo não era mais importante; os 35 botões do HP35 tinham tomado sua coroa.

Em 1974, a Hewlett Packard criou outra novidade: a calculadora de bolso programável HP-65. Os programas foram armazenados em cartões magnéticos encaixados na unidade. Foi usado até mesmo durante a missão espacial Apollo-Soyuz para fazer correções de curso manuais ...

Mas a maior sacudida do emergente mercado de calculadoras ocorreu em 1975, quando a Texas Instruments - que fabricava os chips para a maioria das empresas de calculadoras - decidiu produzir e vender seus próprios modelos.




Adaptado daqui

Autores prolíferos

Um artigo da Nature investiga autores que publicam muito. Por publicar muito isto equivale a ter 72 artigos em um ano ou um artigo para cada 5 dias. Usando a base Scopus, o texto tem algumas conclusões interessantes:

* Entre 2000 e 2016, mais de nove mil pessoas conseguiram atingir esta meta;
* Deste total, 86% publicaram em física. Nesta área, é muito comum a publicação com grandes equipes internacionais de projetos, algumas delas com mais de mil pessoas. Retirando esta área, sobraram 909 autores.
* Em razão dos nomes chineses e coreanos similares, foram excluídos, restando 265. Este número representa um crescimento de 20 vezes, entre 2001 a 2014.
* Do que sobrou, metade eram das ciências médicas e da vida
* O cientista de materiais Akihisa Inoue, ex-presidente da Tohoku University no Japão e membro de várias academias de prestígio, se destaca: detém o recorde. Ele este classificado como hiperprolífico entre 2000 e 2016. Desde 1976, seu nome aparece em 2.566 artigos completos.
* O país com maior número de autores é os EUA, com 50. Destaque para Malásia (13) e Arábia Saudita (7).
* A Erasmus University Rotterdam, na Holanda, teve nove autores hiperprolíficos

Rir é o melhor remédio

Professor:




21 setembro 2018

Contabilidade e Avaliação

Um trecho interessante (via aqui) sobre uma discussão entre controlador e minoritários:

A mudança nos valores da oferta pública foi definida pela área técnica da CVM e está baseada nos relatórios apresentados pela State Grid em meados de junho. De acordo com o ofício enviado na segunda-feira à CPFL e seus assessores financeiros, os cálculos devem ser feitos com base no IFRS (normas contábeis internacionais), que consolida os números de todas as controladas da CPFL.

A determinação da CVM segue uma linha bastante criticada pelos minoritários da Renováveis, que em julho protocolaram uma contestação aos valores propostos pela chinesa. Na época, um dos argumentos usados para derrubar a revisão do preço feita pela State Grid era de que a multinacional teria tentado alterar os fundamentos da justificativa de preço original, usado informações financeiras selecionadas. A acusação era que a empresa não teria feito os cálculos com base no IFRS.


A rigor, não faz sentido a queixa de não se ter usado a IFRS. A contabilidade só é relevante para a avaliação quando (a) afeta o processo decisório ou (b) interfere na apuração futura de fluxo de caixa (como apuração de imposto). Assim, ter ou não feito os cálculos com base no IFRS não pode ser considerado, a priori, um aspecto relevante da questão.

Partido Trabalhista britânico defende desmembrar as Big Four

O Partido Trabalhista do Reino Unido, através de John McDonnell, afirmou ao Financial Times (em português, no site do Valor Econômico) que as quatro maiores empresas de auditoria podem ser desmembradas em um governo trabalhista. Estas empresas são responsáveis pelo parecer das maiores empresas britânicas e tiveram alguns trabalhos questionados após escândalos contábeis: BT, Tesco e Carillion são alguns exemplos.

O monopólio poderia estar prejudicando a qualidade do trabalho e criando conflitos de interesses. Outra alternativa ao desmembramento é limitar o número de empresas, aumentando a competição do setor. Ou proibir a consultoria como serviço adicional.

Rir é o melhor remédio

Duas pessoas satisfeitas, pois ganharam um presente: um calendário. Mas honestamente nunca tinha visto um calendário como este:

20 setembro 2018

Taxa de câmbio na publicação

Um artigo interessante inventa uma taxa de câmbio na publicação científica (via aqui). A idéia é a seguinte: publicar em algumas áreas exige um esforço muito maior que em outras. Usando dados de milhares de artigos em diversos periódicos, os pesquisadores encontraram que em algumas áreas o esforço para obter ganhos de prestígio na ciência é maior que em outras.

Por exemplo, são necessários aproximadamente três artigos para que um especialista em finanças avance do grupo dos 10% para o grupo dos 1%. Na contabilidade, a melhoria correspondente requer dois artigos, o que indica que o valor marginal de uma publicação é maior em contabilidade do que em finanças. Desde modo, a publicação de três artigos em finanças leva a uma melhoria de classificação semelhante a dois artigos em contabilidade

Os autores descobriram que nas áreas pesquisadas, publicar em contabilidade produz mais efeito. E propõe usar uma taxa de câmbio para fazer a conversão.

Não deixa de ser interessante, mas provavelmente a ampliação do número de áreas pesquisadas pode trazer mudanças nesta taxa de câmbio. Mais ainda, dentro da própria área contábil deve existir diferenças. Além do fato de que esta taxa deve mudar com o passar do tempo.

Trambiqueiro da Malásia

O fundo de investimento 1MDB foi criado para permitir do desenvolvimento econômico de longo prazo da Malásia. Criado em 2009, o fundo está diretamente ligado ao governo do país asiático. Desde 2015 existem diversas denúncias sobre a gestão do fundo. Há uma acusação formal do Departamento de Justiça dos Estados Unidos informando que mais de 3,5 bilhões de dólares foram desviados. Um relatório do auditor geral, feito em 2016, foi considerado como um “segredo oficial de Estado” e somente com a vitória da oposição nas eleições é que o seu texto foi divulgado. Em maio de 2018, a PwC foi contratada para fazer uma auditoria no fundo.

Desde 2009 o fundo tem sofrido críticas sobre a transparência. Provavelmente o dinheiro foi roubado pelo ex-chefão da Malásia, Najib Razak, e pessoas próximas, como Jho Low. Este “financista” malaio, de 37 anos, está foragido

Low tem diversas ligações com celebridades e usou o dinheiro saqueado do fundo para presentear seus amigos. A história parece coisa de cinema e um livro já foi lançado contando alguns dos casos: Billion Dollar Whale. As celebridades são: Paris Hilton (que recebeu mais de 100 mil dólares por evento, relógio Cartier e 250 mil em fichas de jogo) (foto) parece que foi sua namorada, assim como Miranda Kerr (que recebeu um colar de 1,3 milhão, além de festas e passeios) e Elva Hsiao (festas, joias, dinheiro etc), com amizade com Foxx, Leonardo Di Caprio (que fez um papel de trambiqueiro em um filme) e Alicia Keys.

Rir é o melhor remédio




19 setembro 2018

Qual o prejuízo da corrupção na Petrobras?

Ao receber 1 bilhão de real da operação Lava Jato, o portal G1 publicou o seguinte:

De acordo com o laudo de perícia criminal anexado pela Polícia Federal (PF) em um dos processos da operação, o prejuízo causado pelas irregularidades na Petrobras descobertas pela Operação Lava Jato pode chegar à casa dos R$ 42,8 bilhões. A estimativa tem como base uma tabela com os pagamentos indevidos envolvendo as 27 empresas apontadas como integrantes do cartel na Petrobras.


Esta estimativa é de 2017, mas bem superior a estimativa que a empresa fez na gestão Bendine, de 6 bilhões. A diferença permite questionar sobre a conveniência ou não do teste de recuperabilidade.

Em 2014, este blog publicou uma estimativa conservadora de 20 bilhões de prejuízo, com as informações disponíveis na época.  Todavia hoje, quatro anos depois, ainda não sabemos responder a pergunta do título. Talvez nunca saberemos.

Mas é importante ter algum número, para lembrar o impacto da gestão da empresa.

KPMG, Reino Unido, Dinamarca e Estados Unidos

A KPMG admitiu que seu trabalho sobre as demonstrações do BNY Mellon e a filial de Londres não foi executado a contento. Em razão disto, o regulador britânico, o Financial Reporting Council (FRC), deverá impor sanções à empresa de auditoria. Mas a KPMG não concordou com o nível de penalidade, já que nenhum cliente sofreu perda. Mas o banco já foi multado anteriormente. Além disto, a FRC parece estar investigando outros problemas em outras empresas, inclusive a Carillion e já multou a KPMG em 3 milhões de libras pelo trabalho na Ted Baker.

Nos Estados Unidos, o PCAOB ainda não divulgou sua inspeção na KPMG, muito embora tenha feito para as outras big (Deloitte, EY e PwC). Um possível motivo é a investigação que a KPMG contratou ex-funcionários do regulador e que isto pode ter dado alguma vantagem para a auditoria.

Sobre bancos, o maior banco dinarmaquês, o Danske, reconheceu que a sua filial da Estônia lavou dinheiro entre 2007 a 2015. O problema foi descoberto pelo regulador da Estônia. Neste último fato, parece que a KPMG não está envolvida.

Leia também: Solução para Big Four

Custo do Casamento e Duração

Qual o segredo de um casamento? Certamente não são os gastos com a cerimônia. Nos dias atuais, uma cerimônia de casamento é um ritual complexo e luxuoso (ou seja, caro), mesmo em países pobres. Pesquisas anteriores já mostraram que o casamento possui suas vantagens, indicando a existência de um prêmio pelo casamento (aqui também).

Um aspecto chama a atenção nesta discussão: a cerimônia. E a pergunta que segue: é um investimento ou uma perda? Uma pesquisa analisou, de forma inédita, os efeitos da cerimônia sobre a duração do casamento. Se os gastos com a cerimônia forem elevados, isto poderia indicar um grande comprometimento do casal e elevaria a duração do casamento. Mas o resultados não indicaram existir esta relação. Pelo contrário, controlando as variáveis, o gasto é inversamente proporcional com a duração do casamento. Gastar pouco, aumenta a duração. Outro efeito interessante: ter lua de mel aumenta a chance de sucesso.

Será que o desgaste com os preparativos conduzem a isto? A pesquisa parece indicar que a cerimônia é uma perda, não um investimento.

Francis-Tan, Andrew e Mialon, Hugo M., 'Um diamante é para sempre' e outros contos de fadas: A relação entre as despesas do casamento e a duração do casamento (15 de setembro de 2014). Disponível no SSRN ou http://dx.doi.org/10.2139/ssrn.2501480

Valor Terminal em Medicamentos

Estava estudando sobre valor terminal (ou residual) e por coincidência encontrei este exemplo. Em uma companhia farmacêutica, existe um período onde a empresa que descobriu um fármaco teria o direito de exclusividade, seguido por um período de livre concorrência. No segundo período, o governo passa a permitir genéricos. Estes concorrentes possuem preço baixo, com a mesma qualidade do produto desenvolvido anteriormente.

Um exemplo, citado no texto, é a estatina. O produto como Lipitor tem um custo de 165 dólares com 30 comprimidos; o genérico custa 19 dólares para 90 comprimidos. Além de perder a receita, a empresa dona da marca também reduz sua participação no mercado.

Mas o texto mostra que as empresas aprenderam a jogar com a lei:

À medida que a patente do medicamento original se aproximava da expiração, as empresas acrescentaram rugas - um novo revestimento para a pílula, uma versão de lançamento no tempo e assim por diante - que então patenteiam. E se estas [novas] patentes forem aprovadas, e geralmente são, o relógio de exclusividade começaria a funcionar novamente. Em outros casos, eles pagam a empresa de genéricos para manter sua versão do medicamento fora do mercado por mais alguns anos. Ou elas entram contra a empresa de genéricos na justiça, alegando [alguma] infração. 

Isto ocorreu com Humira, um medicamento exclusivo para um tipo de artrite, que gera 16 bilhões de dólares de receita no mundo e pode custar até 50 mil dólares por ano para um paciente. A patente acabou em 2016 e não existe genérico, pois a empresa criou 100 novas patentes.

Rir é o melhor remédio

18 setembro 2018

Estrutura Conceitual do Fasb

Até recentemente, o Fasb e o Iasb estavam trabalhando juntos na adoção de uma estrutura conceitual. As divergências entre as duas entidades fez com que a estrutura resultante fosse aproximadamente igual. Recentemente o Iasb divulgou sua estrutura; e o Fasb agora está propondo alterações na sua estrutura. Assim, haverá uma tendência que as estruturas sejam divergentes.

Uma alteração proposta agora pelo Fasb é um capítulo adicional para sua Estrutura denominado de Notas às Demonstrações Financeiras. Neste capítulo o Fasb descreve “o propósito das notas, a natureza do conteúdo apropriado e as limitações gerais. O capítulo também aborda as considerações do conselho sobre os requisitos de divulgação de relatórios intermediários.”

Além disto, o Fasb está atualizando a definição de materialidade. Isto torna o conceito consistente "com a definição usada pela SEC, o sistema judicial dos EUA e os padrões de auditoria do PCAOB e do AICPA." Isto afeta o capítulo 3, Características Qualitativas de Informações Financeiras Úteis.

Estas alterações tendem a aumentar a distância entre as duas estruturas. Divergência, não convergência.

Contabilidade

Uma comparação bastante "poética" do que seria a contabilidade:

Si hubiera que hacer una metáfora de lo que la contabilidad es a las Bellas Artes podríamos decir que la contabilidad es la partitura de la empresa. En ella se pueden ver cada una de las notas de la composición musical que conforma la empresa por separado, y analizar su cohesión interna como un todo. Tradicionalmente la contabilidad ha servido como mera obligación para liquidar los preceptivos impuestos, a lo sumo como herramienta de control interno de las operaciones y del estado de la economía de la empresa. Pero la contabilidad encuentra su máxima utilidad en el análisis contable o de estados financieros, ya que un buen analista hará de su herramienta no solo la partitura, sino la radiografía de la empresa, con múltiples aplicaciones como la gestión del fraude, la prevención de delitos corporativos, la estrategia y el value investment o el placer del puro análisis.

O interessante é que o autor é um advogado.

17 setembro 2018

Filtro na Opinião

O jornal Wall Street Journal (via aqui) descobriu que alguns funcionários da empresa Amazon estão aceitando subornos para obter o e-mail das pessoas que fizeram uma crítica aos produtos de algumas empresas. Ou para apagar estas críticas. Uma opinião negativa pode ser prejudicial aos negócios de uma empresa que usa a Amazon para vender seus produtos.

A prática é bastante comum na China, onde cada opinião retirada do site custa 300 dólares. A empresa, logicamente, proíbe esta prática e começou uma investigação interna para apurar os funcionários.

O caso é interessante pois trata de incentivos e controle interno em uma grande empresa. Os mecanismos de controle da Amazon parecem que não estão funcionando adequadamente. Isto pode comprometer o esforço da empresa em obter, por parte do usuário, um feedback decente dos produtos.

Fraude na pesquisa da vacina

Existe um grupo de pessoas que acredita existir uma ligação entre autismo e a vacinação; talvez a pessoa mais conhecida seja a modelo e ex-playmate Jenny McCarthy.Esta crença começou com uma pesquisa científica que foi publicada em um periódico de alto impacto. Posteriormente, um repórter investigou o assunto e descobriu que a pesquisa era uma fraude:

“Quando entrevistei essa ativista, mãe de uma das crianças do estudo, vi que as informações que ela me passava não batiam com nenhum dos casos relatados na pesquisa. Achei estranho e fui procurar quem tinha financiado esse estudo. Foi então que descobri que Wakefield [o pesquisador] havia sido contratado por advogados para produzir dados contra a vacina para que eles pudessem ganhar dinheiro processando os fabricantes do produto”, resumiu Deer [a jornalista]

Mesmo assim, muitas pessoas ainda acreditam que a ligação seja real.Uma consequência deste fato é um novo aumento em algumas doenças, como sarampo, em vários países.

Curso Prático em Contabilidade

O método das partidas dobradas pode ser “imaginado” ou “considerado” como o registro em uma planilha dos eventos que ocorrem em uma empresa. Vamos mostrar como uma planilha eletrônica - como o Excel ou outra do gênero - consegue demonstrar os efeitos de cada lançamento para um dos eventos.

Para isto, iremos usar o exemplo apresentado no capítulo 3 do livro Curso Prático de Contabilidade, publicado pela Gen. O primeiro passo é preencher as linhas e as colunas com as contas que iremos usar. No exemplo: Caixa, Bancos, Duplicatas a Receber, Materiais de Consumo, Máquinas e Equipamentos, Contas a Pagar, Capital e Lucros Acumulados. Estas contas são digitadas na linha 1 e na coluna A, conforme está demonstrado a seguinte figura:

Evento 1 - Investimento de capital pelos sócios - no valor de R$20.000. Aqui nós temos que procurar a junção entre “Caixa” e “Capital”. Nós temos a célula H2 e a célula B8. Vamos adotar a seguinte convenção: a conta que vai ser creditada será a coluna (Crédito = Coluna) e a conta debitada será feita na linha (Débito = Linha). Assim, vamos debitar Caixa e creditar Capital, no valor de $20 mil. Veja na figura abaixo que apareceu $20 mil na célula H2, sendo na coluna o crédito e na linha o débito.

Evento 2 - Compra de materiais de consumo a prazo, no valor de R$1.500. Novamente, iremos creditar a coluna e debitar a linha. No livro explicamos como descobrir qual conta creditar e qual debitar: debitamos material de consumo e creditamos contas a pagar. Na planilha, a coluna escolhida será a de Contas a Pagar ou a coluna G; a linha será a de número 5, Materiais de Consumo. Assim, na célula G5, colocamos o valor de 1.500, conforme a figura a seguir:

Evento 3 - Pagamento do aluguel de uma sala, no valor de R$1.000. A conta de despesa de aluguel é aumentada em R$1.000, reduzindo o lucro acumulado neste valor; o caixa é reduzido em R$1.000, já que saiu dinheiro da empresa. Como iremos creditar Caixa, a coluna é a B e a linha é a de número 9, referente a Lucros Acumulados. Note, na figura abaixo, que não colocamos sinal negativo.

Os próximos eventos correspondem a uma repetição do que fizemos até aqui. Vamos listar estes eventos - cujo lançamento explicado com muitos detalhes, está no capítulo 3 do livro. Você pode fazer cada um deles na sua planilha. O resultado está na próxima figura:

Isto não parece nada com contabilidade. Mas vamos agora somar as colunas e as linhas. Veja como ficou:

Observe que a coluna B, de Caixa, tem uma soma de R$ 17.650, que corresponde aos lançamentos a crédito na conta Caixa. E que a linha 2, também de Caixa, tem uma soma de $20.150, que representa os lançamentos a débito na conta Caixa. Assim, R$ 20.150 menos R$ 17.650 temos um saldo de R$2.500, devedor, na conta Caixa. Podemos fazer isto para cada uma das contas e teremos o seguinte resultado:

Bancos = R$ 7.500, devedor
Duplicatas = R$ 2.500, devedor
M Consumo = R$ 1.500, devedor
Máquinas = R$ 7.500, devedor
Contas a Pagar = R$ 750, credor
Capital = R$ 20.000 credor
Lucros Acumulados = R$ 750, credor. (Além da conta Caixa, R$2.500, devedor).

Veja se você consegue obter os resultados que estão apresentados na última figura.

Para reflexão: o método que usamos na contabilidade é chamado de partidas dobradas, pois, a cada evento, temos um lançamento a crédito e um lançamento a débito. Aqui, para cada evento, só digitamos uma vez o valor. Isto significa que, por este nosso método de planilha, deixamos de ter as partidas dobradas? Além disso, qual critério você considera de mais fácil entendimento: os registros por razonetes ou esse apresentado aqui, por planilhas?