Translate

21 agosto 2018

Exxon e o aquecimento 2

Em setembro postamos que a empresa Exxon não estava reconhecendo o risco potencial de não explorar suas reservas em razão da pressão pública contra o uso de combustível fóssil.

No início de agosto, a SEC encerrou a investigação de dois anos sobre o cálculo do valor do ativo por parte da empresa. A SEC optou por não adotar nenhuma medida contra a Exxon. Alguns investidores não ficaram satisfeitos e ajuizaram uma ação coletiva contra a empresa e vários executivos. Um desses executivos é Rex Tillerson, que saiu da empresa para ser o poderoso secretário de estado de Trump, até ser demitido em março deste ano.

Informação trimestral sob crítica nos EUA

Com um tuíte, o presidente dos Estados Unidos propôs que a SEC, o regulador do mercado de capitais dos Estados Unidos, abolisse a exigência de que empresas com ações negociadas em bolsa divulgassem demonstrações contábeis trimestrais.

Divulgar demonstrações trimestrais teria as seguintes desvantagens:

1 - É caro - mesmo com a redução do custo da informação, proporcionada pela revolução da internet, fechar as demonstrações com este intervalo de tempo é caro. Além dos pagamentos para o auditor e conselheiros, existem custos de obtenção da informação e sua divulgação, mesmo quando só publicado na internet.
2 - Foco no curto prazo - a divulgação trimestral faz com que os investidores tenham foco nos resultados trimestrais, de curto prazo. Algumas empresas esquecem da visão estratégica de longo prazo, para focar nos resultados com periodicidade reduzida.
3 - Há formas de divulgação mais efetivas e com menor custo - em lugar de uma longa divulgação, com um processo interno complexo, que inclui passar por diversos conselhos, é possível divulgar algumas informações mais relevantes. Em algumas empresas, alguns poucos números já é suficiente para se ter uma ideia do desempenho de uma empresa.
4 - Experiência de alguns países - Recentemente diversos países aboliram a exisgência e isto não provocou uma grande perda na qualidade das transações no mercado. Desde 2013, a Comissão Européia já não tem esta exigência.

A favor da manutenção da prática é importante citar que alguns consideram uma informação relevante. Saber o que está ocorrendo em uma empresa com uma periodicidade menor pode ajudar a ter um quadro melhor da empresa. Além disto, se existem problemas (ou tendências) em uma empresa, tal fato pode ser notado de forma mais ágil.

Leia mais: EDGECLIFFE-JOHNSON, Andrew; BADKAR, Mamta. Trump propõe à SEC acabar com balanço trimestral. Financial Times, publicado no Valor, 20 de agosto de 2018, C2.

Auditoria

Parece notícia velha. Em lugar da PwC, entra a KPMG. Em lugar da BHS, uma empresa de moda chamada Ted Baker. A multa foi de 2,1 milhões de libras aplicada pelo FRC, o que mesmo que multou a Price há dias. O motivo foi a KPMG ter prestado serviço de perícia para Ted Baker

Enquanto isto no Brasil, na divulgação do balanço da Caixa, o parecer da PwC foi com ressalva:

A PricewaterhouseCoopers (PwC) manteve ressalvas no balanço do segundo trimestre da Caixa devido a investigações de supostos casos de corrupção envolvendo executivos do banco público. A consultoria explica que as demonstrações financeiras da instituição estão adequadas com exceção da seção “base para opinião com ressalva” uma vez que as ações em questão estão em andamento e os possíveis impactos decorrentes não são conhecidos.

“Consequentemente, não foi possível determinar se havia necessidade de ajustes ou divulgações adicionais relacionados a esse assunto sobre as demonstrações contábeis consolidadas em 30 de junho de 2018”, acrescenta a PwC, em relatório que acompanha as demonstrações financeiras da Caixa.

A EY foi recentemente punida pela CVM por não respeitar as normas de contabilidade na empresa TPI em 2012 com uma multa de 650 mil reais. O auditor foi suspenso por dois anos. A EY regateou o valor e reduziu para 350 mil.

Este é também o valor que será pago pela PwC por problemas na auditoria da ALL de 2012 a 2014. O problema foi a contabilização da ALL no capital da Vetria Mineração:

Segundo a área técnica, os registros contábeis referentes à aquisição do controle compartilhado da Vetria, bem como aqueles referentes aos reflexos da utilização da contabilidade de hedge, não teriam representado adequadamente os eventos econômicos e os desdobramentos ao longo do tempo, de forma que estariam em desacordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil.

Made in China

Se você acha o trabalho das agências de rating ruim, pense em uma agência de rating “made in China”. Na Dagong, enquanto o título do tesouro dos Estados Unidos é classificado como BBB+, o Brasil recebe uma nota A-, melhor que a nota de todas as outras agências (Moody, Fitch, SP ...). Em geral, os países pagam para as agências fazerem a classificação de rating; assim, ou a agência de rating usa critérios ideológicos ou não recebeu para fazer a classificação.

Mais ou menos na mesma época [que rebaixo os títulos dos EUA], a Dagong forneceu à Sunshine Kaidi New Energy Group, uma empresa chinesa de capital fechado, uma classificação AA, embora já houvesse relatos das dificuldades que a empresa enfrentava com sua dívida. Em junho, a empresa deixou de pagar 18 bilhões de yuans (US $ 2,6 bilhões) em bônus.

Parece ser uma prática dar boas notas na China:

Das 1.744 empresas chinesas que emitiram títulos, 97% foram classificadas como AA ou superior pelas agências de classificação chinesas, com 27% (464 empresas) sendo classificadas como AAA. (...)

A NAFMII, uma agência do Banco Popular da China, disse em comunicado que a Dagong havia "fornecido diretamente serviços de consultoria para empresas avaliadas", o que é proibido, e "cobrava taxas elevadas", que comprometiam sua independência

Rir é o melhor remédio

20 agosto 2018

Curso Prático de Contabilidade - Estudo de Caso Adicional

A SEC, órgão dos Estados Unidos equivalente à Comissão de Valores Mobiliários do Brasil, acusou o Citigroup de falha nos controles relacionados com uma subsidiária do México. O Citigroup, instituição financeira dos Estados Unidos, fez um acordo com a SEC que, mesmo sem reconhecer que errou, terá que pagar uma multa de quase 5 milhões de dólares. Estas falhas tiveram como consequência, além da multa, perdas de quase 500 milhões de dólares. Entretanto, caso o Citigroup não fizesse acordo, o processo poderia prosseguir e resultar, mais adiante, em uma multa ainda maior.

O problema ocorreu em operações de factoring de contas a receber. A filial do Citi fez empréstimos fraudulentos que não foram detectados inicialmente. Em algumas contas a receber existiam até assinaturas falsificadas. Os controles internos da filial não conseguiu descobrir o problema e não testou a autenticidade dos documentos, antes de antecipar os recursos e registrar na contabilidade como contas a receber.

A operação é a seguinte: a empresa OSA, que presta serviços para o setor de petróleo, fez a operação de factoring com a filial do Citi, que tem o nome de Banamex. Quando a empresa OSA entregou algumas contas a receber (falsas), recebeu em troca dinheiro do Citi. Sendo uma operação de empréstimo, o valor de face das contas a receber eram superiores ao valor do dinheiro, sendo a diferença correspondente a taxa de juros da operação. A questão é que alguns documentos entregues eram falsos. Ao descobrir isto, a filial do Citi deve reconhecer uma perda.

Pede-se:
1) Você seria capaz de registrar uma operação de factoring na empresa que recebe os recursos? E na instituição financeira? Admita que os documentos da operação sejam verdadeiros. E lembre-se que a operação possui dois momentos distintos: quando é feita a troca e quando ocorre o recebimento do contas a receber.
2) No caso de documentos falsos, não existe um lançamento contábil na OSA. Você concorda com isto?
3) Uma instituição financeira faz muitas operações como esta. Como existe a chance de ocorrer algum problema com uma destas operações, a contabilidade pode (e deve) reconhecer o risco da operação. Como isto poderia ser feito?

Fonte da notícia: RYAN, Vincent. SEC Charges Citigroup for Internal Controls Failure. CFO 16 ago 2018.

Material suplementar do livro Curso Prático de Contabilidade, de César Augusto Tibúrcio Silva e Fernanda Fernandes Rodrigues. Gen, 2018.

Rir é o melhor remédio

Enquanto isto, na internet:





19 agosto 2018

Currículo falso na política espanhola

Na Espanha, o Partido Popular (PP) chegou ao poder em 2011. Recentemente, seu líder, Mariano Rajoy, foi destituído. No lugar dele, assumiu Pablo Casado (foto).

Agora uma acusação pode manchar o currículo de Casado. Algo que já conhecemos de perto, quando um ex-presidente do Brasil informou ter curso de mestrado e doutorado que não existia e agora um candidato à presidência informou ter vínculo com a USP que não existia.

No caso de Pablo Casado a questão refere-se a um título acadêmico do Instituto de Direito Público (IDP, não confundir com a escola de Gilmar Mendes, de mesmo nome). De acordo com a acusação, o título de mestrado foi usado como uma forma de presente para alunos que tinham uma posição de liderança política. Casado seria parte de um grupo de alunos que conseguiram equivalência de disciplina e dispensa de aula para obter o diploma. O caso foi parar no Supremo da Espanha e pode inviabilizar o futuro político de Casado.

PwC, lobby e carne

Enquanto entra no mercado de fraude de carne e ganha uma montanha de dinheiro fazendo lobby para uma reforma tributária, a empresa de PwC parece não ter o mesmo sucesso no seu negócio principal: a auditoria. Recentemente, o regulador inglês, o FRC, multou a PwC por falhas no seu trabalho na empresa BHS. A auditoria não apontou risco de continuidade na empresa BHS, que depois foi vendida por uma libra. A multa, de 6,5 milhões de libras, é recorde.

Segundo um relatório da FRC, o auditor sócio da PwC, responsável pela conta, dedicou duas horas ao trabalho. E o restante do trabalho foi feito, aparentemente, por subordinados.

Sobre o mercado de fraude, a PwC estaria desenvolvendo uma tecnologia para rastrear o que o animal comeu, como ele foi criado e onde foi processado. O negócio de lobby já é mais polêmico, pois parece envolver conflito de interesse entre o trabalho de auditor e a matéria tributária.

Rir é o melhor remédio

Esta fotografia acima foi tirada na Tailândia e lembra outra, na Torre de Pisa:


18 agosto 2018

Automação

Mas os grandes projetos de IA para mudanças no trabalho, como carros autônomos e robôs humanoides, ainda não são produtos comerciais. Em vez disso, uma versão mais modesta da tecnologia vem avançando num ponto menos glamouroso: o trabalho de retaguarda nos escritórios.

Softwares estão automatizando tarefas mais mundanas de empresas, como contabilidade, cobrança, pagamento e atendimento ao cliente. Com uns poucos toques no teclado, os programas escaneiam documentos, montam planilhas, conferem a assiduidade de clientes e fazem pagamentos.


Continue lendo aqui 

É interessante que o texto trata a contabilidade de uma forma ampla. Certamente haverá algumas tarefas, "menos mundanas", que não serão, por enquanto, substituídas. O

Janelas Quebradas na polícia

A teoria das "janelas quebradas" pode ser resumida da seguinte forma:

se uma janela de um edifício for quebrada e logo não receber reparo, a tendência é que passem a arremessar pedras nas outras janelas e posteriormente passem a ocupar o edifício e destruí-lo.

Para combater o crime, a teoria recomenda resolver os problemas quando eles estão pequenos: reparar as janelas quebradas em pouco tempo.

Uma consequência da teoria seria o estabelecimento de estratégia de combate ao crime e a corrupção. Pequenos atos de corrupção devem ser inibidos de imediato. Um estudo com os policiais de Chicago mostrou que proteger aqueles que são "ruins", tolerando seus deslizes, pode contaminar outros policiais. Manter um policial ruim pode induzir que outros quebrem também as regras, apodrecendo a força policial por dentro. Como um infecção.

A figura mostra o oficial Raymond Piwnicki, um exemplo nada adequado de policial. Ao longo do tempo, outros elementos que comportamento ruim se agrupam em torno dele.

Rir é o melhor remédio

Enquanto isto, na internet:




17 agosto 2018

Tesla, Twitter e a divulgação de fato relevante

O empresário Elon Musk é conhecido pelo seu carisma e pela capacidade de fazer coisas “impossíveis”. Por este motivo, tem sido acompanhado de perto por aqueles que gostam de estudar o papel da liderança nas organizações. Musk pretende levar o homem no espaço, através da Space X (aqui, aqui e aqui, três postagens do blog sobre custos e a empresa), e que tornar o carro elétrico uma realidade, com a Tesla, uma empresa que produz pouco, mas tem um elevado valor de mercado.

No início de agosto, Musk colocou uma mensagem no Twitter dizendo que tinha planos de fechar o capital da empresa Tesla. E que estava disposto a pagar 420 dólares por ação para esta operação. O resultado disto foi que a SEC, o regulador do mercado de capitais dos Estados Unidos, começou a investigar os executivos da empresa.

Um aspecto que não passou desapercebido é que o preço, de 420 tem uma imediata associação com “4/20” que, nos Estados Unidos, refere-se a consumir cannabis. Musk negou que estivesse fumando maconha quando colocou a mensagem no Twitter. Segundo ele, estava dirigindo um Tesla Model S, o que também não é permitido pelas leis de trânsito.

Antes disto, em uma conferência sobre os resultados da empresa, Musk se irritou com os analistas. Há uma grande pressão para que a empresa aumente a produção do automóvel. E está enfrentando ações trabalhistas, que inclui espionagem aos funcionários da empresa e existência de tráfico de drogas em uma unidade da empresa.

Na mensagem redigida no Twitter em 7 de agosto, Musk fala em “financiamento garantido” (imagem) para assegurar a possibilidade de fechar o capital da empresa. Dias depois, Musk detalhou um pouco mais o plano de financiamento para a empresa, no blog da Tesla. Musk deveria ter informado o regulador deste plano e com detalhes precisos, violando as regras de divulgação.

Há um depoimento, da rapper Azealia Banks bastante comprometedor. Banks foi convidada por Grimes, uma musicista e namorada de Musk, para passar alguns dias na mansão do empresário, para uma parceria musical. Banks disse que Elon começou a twittar mensagens malucas depois de uma experiência de três dias consumindo um certo produto. Incluindo a famosa mensagem.

Com respeito a avaliação, anteriormente Damodaran tinha avaliado a Tesla abaixo de 200 dólares a ação. Entretanto, Brad Cornell discordou da análise de Damodaran, mas seu resultado ainda é bem menor que os 420 dólares (ou 4/20) proposto por Musk. A análise de Cornell é bastante interessante, pois mostra como as mensagens de Musk alteraram o preço da ação da empresa. No dia 1 de agosto, a ação da empresa valia cerca de 300 dólares. Logo após o anúncio de resultados, o valor da Tesla aumentou para 8 bilhões de dólares ou 350 dólares. Após o twitter de 7 de agosto, o preço alcançou a 380 dólares. A mensagem provocou um rebuliço no mercado, provocando a interrupção da negociação. O mais importante é que Cornell usa o fluxo de caixa descontado, de maneira reversa, para mostrar que o valor de 420 dólares é inviável.

Além dos problemas com a SEC, com o Twitter e com os analistas, Musk parece estar enfrentando problemas de relacionamento com seus subordinados. Segundo a neurocientista Tania Singer, Musk estaria com o paradoxo do poder. O poder, segundo Singer, mudar o cérebro da pessoa, reduzindo a sua capacidade de espelhar emoções. A pessoa perde a capacidade de entender o que faz uma pessoa funcionar. Alguns depoimentos de ex-funcionários parece confirmar isto. O certo é que Musk está com um comportamento estranho.

Rir é o melhor remédio



Remi Lascault

13 agosto 2018

Paraísos fiscais e a degradação da Amazônia

Resumo:

The release of classified documents in the past years have offered a rare glimpse into the opaque world of tax havens and their role in the global economy. Although the political, economic and social implications related to these financial secrecy jurisdictions are known, their role in supporting economic activities with potentially detrimental environmental consequences have until now been largely ignored. Here, we combine quantitative analysis with case descriptions to elaborate and quantify the connections between tax havens and the environment, both in global fisheries and the Brazilian Amazon. We show that while only 4% of all registered fishing vessels are currently flagged in a tax haven, 70% of the known vessels implicated in illegal, unreported and unregulated fishing are, or have been, flagged under a tax haven jurisdiction. We also find that between October 2000 and August 2011, 68% of all investigated foreign capital to nine focal companies in the soy and beef sectors in the Brazilian Amazon was transferred through one, or several, known tax havens. This represents as much as 90–100% of foreign capital for some companies investigated. We highlight key research challenges for the academic community that emerge from our findings and present a set of proposed actions for policy that would put tax havens on the global sustainability agenda

Fonte: Tax havens and global environmental degradation
 
 


 
 

Rir é o melhor remédio

Fonte: Aqui

11 agosto 2018

O que mudou no mundo nos últimos anos

Acima, duas fotografias, uma tirada em 2002 e outra em 2018. Ambas mostram Tiger Woods em um torneio de golfe (via aqui). O que mudou? Existe uma presença nítida na fotografia mais recente. Você seria capaz de identificar qual a fotografia que foi tirada este ano?

Conselho de Administração da Petrobras e a compra de Pasadena

Depois de mais de dez anos, a área técnica da CVM responsabilizou o Conselho de Administração da Petrobras por não terem atuado de forma diligente na aquisição da refinaria de Pasadena, no Texas. Entre os membros do conselho, a ex-presidente Dilma Rousseff, na época ministra do governo.

No caso da diretoria, a CVM afirma que as informações levantadas levam a crer “na inexistência de uma decisão informada e refletida, pois os diretores sequer solicitaram as avaliações financeiras realizadas, tampouco leram os documentos suporte à aprovação do projeto”, diz o relatório do inquérito da autarquia. (continue lendo aqui)
 

Rir é o melhor remédio

Fonte: Aqui

10 agosto 2018

Custo da obesidade

Nos Estados Unidos, a obesidade, que é um problema de saúde pública, tem aumentado mais rapidamente entre as pessoas de baixa renda e as minorias raciais. Um dos efeitos é a expectativa de vida e no custo para a sociedade:

De acordo com a Associação Americana de Diabetes , o custo anual do diabetes em 2017 foi de US $ 327 bilhões, incluindo US $ 237 bilhões em despesas médicas diretas e US $ 90 bilhões em produtividade reduzida do trabalhador. (Mais de 90% dos casos de diabetes são do Tipo 2, que está fortemente associado à obesidade.) O impacto total da obesidade e suas complicações relacionadas na produção econômica dos Estados Unidos foi estimado entre 4 % e 8% do produto interno bruto. Mesmo na extremidade inferior, isso é comparável ao orçamento de defesa de 2018 (US $ 643 bilhões) e ao Medicare (US $ 588 bilhões).

(Continue lendo aqui)

Por que a Contabilidade pública é diferente? Um adendo

No livro Teoria da Contabilidade, em co-autoria com Jorge Katsumi Niyama, apresentamos, no capítulo 10, o que leva a contabilidade pública ser diferente. Usando Ruppel (2004) como base, são listadas características do setor público que promovem esta distinção.

Recentemente, o Brasil traduziu e adaptou a estrutura conceitual do IFAC. Na estrutura conceitual do IFAC, na parte preliminar, apresenta-se algumas características selecionadas do setor público. Estas características possuem uma relação a listagem de Ruppel, mas não a esgota. A figura abaixo (clique para aumentar) é uma tentativa de relacionar estas duas fontes e faz parte da quarta edição do livro, em estágio de elaboração. A questão do usuários da contabilidade pública não é tratada explicitamente como características selecionadas por parte do IFAC, mas dentro do capítulo 2 da norma. Alguns itens destacados por Ruppel (2004) também não foram considerados nesta parte inicial, mas ao longo do documento.

O documento do IFAC chama atenção para um aspecto não contemplado anteriormente: a natureza dos programas e longevidade do setor público. Muitos programas do setor público são de longo prazo. Isto faz com que os efeitos financeiros sejam de longo prazo. Mais ainda, apesar das eventuais mudanças políticas que podem ocorrer em um governo, o mesmo possui um duração longa, podendo sobreviver a crises financeiras, catástrofes naturais, guerras e outros eventos. Isto faz com que a continuidade seja uma fundamentação importante na elaboração das demonstrações contábeis.

Quinta temporada de The Blacklist: a contadora

Aviso: Contém spoilers da série The Blacklist.

Para quem assiste The Blacklist, a quinta temporada trouxe uma nova e interessante personagem: Hawkins, uma contadora especialista em lavagem de dinheiro. Em um desses sites de entretenimento americano, a descrição da personagem acrescentava que ela fará de tudo para se salvar, mesmo que isso signifique que ela terá que entregar seus antigos parceiros de negócios. 

Redman está completamente quebrado por causa das ações de sua antiga parceira de negócios, a maravilhosa Mr. Kaplan. Então, para chegar à Hawkins, Redman se enveredou por caminhos que trouxeram aquele lado mais carismático e despreocupado do personagem, que tanto nos entretém.

Ela aparece logo no fim do primeiro episódio, sendo “liberada” da prisão por Redman:


No fim, Hawkins recebe uma proposta para trabalhar com o Redman na reconstrução de seu império. Estou animada com as perspectivas!


Rir é o melhor remédio

Todo mundo é um crítico...

Fonte: Aqui

09 agosto 2018

A amizade sincera é um santo remédio ...

Sobre grupos de amigos, o número de Dunbar é uma referência. Segundo esse pesquisador, uma pessoa normal não pode ter mais de 150 amigos. Esse seria o limite de nossa capacidade em fazer uma relação de amizade.

Uma pesquisa recente (via El País) mostra que a amizade está organizada em uma hierarquia: os grandes amigos, que gozam de uma grande confiança, que são poucos; alguns bons amigos, mas sem este grau de confiança; e muitos conhecidos, a quem não dedicamos muito tempo.



A pesquisa comprovou o número de Robin Dunbar, mas mostrou que essa estrutura é dinâmica. Se um grande amigo vai morar longe, com o tempo ele deixa de estar no grupo dos grandes amigos, podendo ser substituído por algum “bom amigo” ou até mesmo por um conhecido.

Existem situações na qual o grupo de grandes amigos é máximo e o de conhecidos, mínimo. Em algumas comunidade de imigrantes isso pode ocorrer.

O texto mostra também o efeito das mídias sociais. É comum uma pessoa ter mais de 500 amigos no Facebook

“Las redes sociales permiten que tengamos más amistades, pero las relaciones son algo más superficiales porque les dedicas menos esfuerzo”, aclara Sánchez. Facebook se encarga de recordarnos muchas cosas sobre nuestros amigos, como el día de su cumpleaños. Así que gracias a esta liberación de almacenamiento en nuestro disco duro del cerebro, podemos ampliar hasta 220 relaciones. A partir de ese número, tendremos seguramente amigos de relleno”. 

“Hay que analizar también el coste que tiene esto”, argumenta Tamarit. “Si estás intentando extender mucho tu red, aunque sea con relaciones muy superficiales, estarás dejando de atender a los buenos amigos. Es como si tuvieras un presupuesto en relaciones. Si te lo gastas en comprar muchas baratijas, al final no podrás tener un buen amigo”. 

A regra geral seria a seguinte: um núcleo de 3 a 5 pessoas com uma relação muito íntima. Uma dezena de boas amizades e um círculo mais amplo de 30 amigos que tratamos com certa frequência e, por último, um grupo de conhecidos, que vemos de vez em quando.

Uma aspecto curioso que eu não sabia: o número de Dunbar é derivado de uma pesquisa do antropólogo inglês com chipanzés.


(Título da postagem: letra de uma música de Renato Teixeira)

Rir é o melhor remédio

Fonte: Aqui

08 agosto 2018

Tecnologia e profissão

O avanço tecnológico está dando uma nova roupagem à área de finanças, especialmente sob a ótica de força de trabalho. Estudo da Accenture mostra que na função de contadores e analistas de orçamento, até metade das atividades já é desempenhada por robôs via inteligência artificial. No caso de auditores, a tecnologia já tomou conta, respondendo por até 70% do trabalho. Para o cargo de analista tributário, a proporção é de 60%.

Humanos. Os postos em que a maior parte da força de trabalho ainda é feita por humanos incluem as cadeiras ocupadas por analistas financeiros e tesoureiros, conforme a Accenture. Nestes cargos, os robôs representam 30% e 40% das atividades, respectivamente.

Fonte: Aqui

Regras contábeis e a Crise da Auditoria

Em postagem anterior discutimos algumas possíveis soluções para as Big Four. Posteriormente, um artigo do Promarket defendeu a possibilidade do auditor ser nomeado de maneira independente. Antes disto, mencionamos a dificuldade de medir o trabalho do auditor.

Agora, o Financial Times publicou um longo artigo sobre os escândalos e a necessidade de rever as regras de auditoria. Este artigo foi traduzido e publicado no Valor Econômico de terça.

O cenário é o mesmo entre a nossa postagem e o texto do Financial Times. Entretanto, o enfoque é diferente. Acredito que a nossa postagem é mais abrangente, enquanto o FT centra sua atenção na contabilidade. E este é um ponto que ficou escondido no amplo texto que publicamos. Realmente, as normas contábeis tem um grande papel na crise do trabalho do auditor e justamente naquilo que tem sido considerado como sua grande vantagem: a subjetividade dos princípios e a capacidade de usar conceitos “modernos” de finanças. A análise do FT centra nas normas internacionais promulgadas pelo Iasb, como se estes problemas não existissem nas normas no Fasb, a entidade de emite as normas nos Estados Unidos.

Em um primeiro trecho que destaquei, o Financial Times afirma:

No Reino Unido, nos últimos 30 anos, os responsáveis pelas normas contábeis desmantelaram progressivamente o sistema de contabilidade do “custo histórico” e o substituíram por um baseado na ideia de que o objetivo principal das contas era apresentar informações “úteis ao usuário”. O processo permite aos executivos antecipar lucros previstos ou ganhos ainda não realizados e contabilizá-los como superávits no presente

Há um trecho no jornal britânico onde existe uma clara condenação as normas:

talvez seja um esforço direcionado a analisar os sintomas e não a causa do problema, que pode estar nas próprias normas contábeis

Historicamente a auditoria surgiu da necessidade de proteger o capital, no final do século XIX, lembra o FT. E o centro do processo era a prudência, que impedia que os administradores apresentassem ativos superavaliados e passivos subavaliados. O prudência funcionava como um freio para o otimismo natural dos gestores. Com o passar do tempo a virtude do conservadorismo, como a prudência era conhecida no passado, passou a ser vista como algo ruim. O livro de Teoria de Vernon Kam traz uma grande quantidade de argumentos contrários a sua utilização, começando pelo fato dele sobrepor as demais regras.

As pesquisas de finanças despertaram a possibilidade de que seria possível usar as noções de eficiência e conceitos de valuation na contabilidade. A partir das pesquisas acadêmicas, que iniciaram no final dos anos 60,

desenvolveram a ideia de que para os mercados canalizarem o capital de forma eficiente para atividades mais produtivas, o balanços precisavam dar aos corretores de valores mobiliários uma compreensão clara do valor presente de uma empresa. Isto significava abandonar noções como prudência e conservadorismo; em vez disso, a contabilidade precisava ser “neutra” e usar valores mais atualizados para os itens dos balanços patrimoniais

A mudança radical permitiu que a ideia do valor justo fosse adotada. Assim como a recuperabilidade e a possibilidade de não amortização do intangível proveniente das aquisições de outras empresas. Citando um investidor,

O problema da contabilidade do valor justo é que é muito difícil diferenciar entre marcação a mercado, a marcação a modelo e na chamada ´marcação a mito´

O valor justo baseia-se em suposições e termina por dificultar o papel da auditoria. Mas isto terminou por acontecer. Recentemente, no maior um processo judicial contra uma auditoria, ficamos sabendo que a PwC, diante da recusa do auditor em olhar um operação muito complexa do Colonial Bank, decidiu por mandar um estagiário no seu lugar.

Em 2010, lembra o FT, o Iasb e o Fasb decidiram trocar a confiabilidade pela representação fiel. Ou veja, a verificação factual pelo “palpite”, nas palavras da reportagem. O FT não explora, no entanto, a pressão sofrida pelos reguladores para fazer com que a contabilidade fosse contra cíclica, modificando a contabilidade do valor justo do passivo. Recentemente, o Iasb divulgou sua nova estrutura onde aparece timidamente, em dois parágrafos, a prudência. O Iasb volta a considerar este aspecto, mas afirma, de maneira surreal, que a mesma não inviabiliza a neutralidade.

Recomendo a leitura do artigo do FT para aqueles preocupados com o futuro da contabilidade (e não somente das firmas de auditoria). Apesar de chamar a atenção para pontos relevantes, a abordagem do jornal inglês não aborda outros fatores, como a possível solução de tornar o mercado de auditoria mais competitivo, com sua fragmentação.

Para finalizar, gostaria de dar um depoimento pessoal. Quando li pela primeira vez a norma de recuperabilidade, meu pensamento foi de que aquilo era uma loucura. Sou professor de avaliação de empresas (neste semestre, na graduação, na especialização e no mestrado) e sei como a avaliação é um palpite. No capítulo de impairment do livro de Teoria da Contabilidade, em co-autoria do Jorge Katsumi, tem esta opinião quando citamos Fernandez e sua listagem de erros cometidos nos laudos de avaliação. Em um capítulo que escrevi para um livro da ACICONDF, cito que existe um aspecto comportamental forte no processo de mensuração contábil da recuperabilidade.

Rir é o melhor remédio

Fonte: Aqui

07 agosto 2018

Custo da compra de um produto

O comercial abaixo lembra que quando compramos produtos no supermercado também estamos consumindo recursos naturais. E isto tem um custo.


The Real Cost from Jorch Diaz on Vimeo.

Valor Pago por aluno adicional no Reuni

O programa Reuni foi um ambicioso plano de expansão do ensino superior nas universidades federais do Brasil. Muito dinheiro foi alocado pelo governo pensando na expansão das vagas, além do aumento no número de instituições. A análise deste programa já foi realizada, individualmente, em uma série de trabalhos acadêmicos. Uma análise geral era necessária e o seu resultado foi publicado agora na Revista da Controladoria-Geral da União. Usando os dados orçamentários e tendo como medida de atividade o número de matrículas, o artigo Valor Pago por Aluno Adicional nas Universidades Federais Brasileiras com o Programa Reuni procura verificar, por universidade e pelo conjunto das universidades, qual o peso para sociedade desta expansão.

Os dados corrigidos pela inflação mostram que cada aluno adicional que entrou em uma universidade federal representou um valor pago de 36,6 mil reais. O texto toma o cuidado de não indicar que este é o custo, pois está tratando de orçamento (financeiro). Entretanto, como uma universidade federal típica tem como maior custo o pagamento de funcionário (professor e administrativo), muito provavelmente o valor pago pode ser considerado uma proxy bastante razoável deste custo.

Como se trata de um artigo acadêmico, o juízo de valor é deixado de lado. Em algumas universidades, o valor adicional é bem superior a média encontrada; principalmente, nas instituições localizadas em grandes centros e com o foco na área de saúde. Mesmo tratando do valores médios, a quantia de 36,6 mil reais é muito elevada. Observe que muitas instituições poderiam aproveitar a economia de escala e de escopo, mas preferiram optar pela diversificação dos cursos ofertados. Em alguns casos, o foco foi na contratação de pessoal administrativo ou área meio; em outros, a expansão geográfica, que garante votos, mas muitas vezes significa investimentos com baixa rentabilidade social.

Neste primeiro retrato mais amplo do Reuni, o programa não resiste na análise econômica-financeira.

Observação adicional: Durante anos, a Universidade de Brasília procurou mensurar o custo por aluno, segundo as grandes áreas do conhecimento. Além de desenvolver um trabalho pioneiro, a equipe responsável pelo sistema foi dar sua contribuição na docência em diversas universidades do país: Beatriz Morgan, Fernanda Fernandes (co-autora do Curso Prático de Contabilidade), Francisca Souza, José Lúcio Tozetti, entre outros. Infelizmente, recentemente a UnB descontinuou o sistema de apuração de custos, mas a série histórica, de 2002 a 2015, ajuda a contar um pouco a história do custo do aluno. A decisão de descontinuidade, infelizmente, está muito mais associado a atender a certos interesses do que a decisão de mensuração efetiva de desempenho.

Rir é o melhor remédio

Fonte: Aqui

06 agosto 2018

20 anos de IPCA


Serviços de saúde e a mensalidade das faculdades subiram bem acima da inflação. O salários também tiveram ganhos substanciais em relação à inflação. Os veículos se tornaram mais acessíveis e o preço das TVs caíram pela metade.

Fonte:aqui

Um nova chance para o Brasil

Analisando a situação estrutural do Brasil, Margolis, da Bloomberg, comenta sobre a dificuldade de abrir um negócio no país, a burocracia imensa, a judicialização excessiva, entre outros aspectos. Em berço esplêndido (foto). E conclui:

Estranhamente, o até agora campo lotado de candidatos tem sido silencioso ou evasivo nas reformas estruturais impopulares necessárias para tornar o Brasil mais competitivo. Uma razão pode ser que muitas das reformas vitais para reiniciar a economia são politicamente tóxicas. O abandono dos subsídios corporativos e a redução das tarifas comerciais ameaçam as companhias nacionais carcomidas, enquanto a privatização de empresas estatais deficitárias irrita grandes sindicatos do setor público. E a maioria dos candidatos se esquiva de confrontar com funcionários públicos de elite que relutam em abrir mão de um sistema previdenciário que permite que eles se aposentem aos 50 anos com salário integral.


Medalha Fields e a Revelação

A cerimônia de premiação da Medalha Fields deste ano foi destaque por um motivo pouco louvável: uma das medalhas foi roubada, na primeira vez que esta premiação é feita no hemisfério sul. A cada quatro anos, os matemáticos com até 40 anos podem ser premiados com a medalha, podendo ser premiados de um a quatro matemáticos. Um dos premiados já era conhecido das pessoas da área, o alemão Peter Scholze - que também era o mais jovem de todos.

Mas dois prêmios interessam a economia e, de certa forma, a contabilidade. Alessio Figallie e Constantinos Daskalakis publicaram artigos em periódicos de economia. O trabalho dos dois origina-se do leilão Myerson, de um artigo de 1981. Em um leilão, usar este tipo de leilão permite que os compradores revelem a sua avaliação. Derivado do trabalho de Myerson, tem-se o princípio da revelação, uma “pancada” que até hoje os contadores não aprenderam a entender e absorver.

Eu diria que esse é o resultado mais importante em economia desde Arrow-Debreu-McKenzie

O mesmo texto citado ressalta dois problemas no texto do Myerson: como vender quando existirá intereção no futuro e como vender em situações de empacotamento? O prêmio é um avanço neste direção.

Generalista x Especialista

Na ciência é melhor ser um pesquisador com conhecimentos mais amplo - denominado generalista - ou ter conhecimentos específicos - os chamados especialistas? Esta é uma questão importante. Aparentemente, os especialistas são vencendo a batalha, já que aprofundar em um tema tem sido considerado uma razão do sucesso de alguns países. Quando algumas pesquisas de produção acadêmica destacam os autores mais produtivos em um determinado tema, estamos enfatizando o especialista. O mesmo ocorre quando um periódico encaminha um artigo sobre um tema específico para um autor em particular, que já pesquisou sobre o assunto. No nosso país, é difícil ser especialista, já que temos recursos escassos. Mesmo assim, é cada vez mais comum associarmos um determinado tema, por exemplo contabilidade de seguradora, com um pesquisador.

Mas no fundo não sabemos o que é melhor. Um artigo tentou responder a este dilema usando dados de matemáticos teóricos após a dissolução da União Soviética:

os cientistas generalistas tiveram um desempenho melhor quando o ritmo da mudança foi mais lento e sua capacidade de extrair o conhecimento dos diversos domínios foi uma vantagem, mas os especialistas ganharam vantagem quando o ritmo da mudança aumentou e sua especialização mais profunda permitiu que eles usassem novos conhecimentos criados na fronteira do conhecimento.

Teto de gastos

Trecho da reportagem publicada pelo Valor:
Alguns efeitos já começam a aparecer. Na quinta-feira passada, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) informou que pode suspender todas as bolsas de mestrado, doutorado e de aperfeiçoamento para professores, num total de quase 440 mil beneficiados se o corte a ser promovido pelo Ministério da Educação no orçamento da entidade no próximo ano se realizar.
[...]
A regra do teto, prevista na Emenda Constitucional (EC) 95, em vigor desde o ano passado, foi criada para evitar que a despesa pública federal cresça mais que a inflação e, assim, se consiga estabilizar a dívida bruta do governo. Até então, os gastos subiam, em média, 6% ao ano em termos reais, sem que as receitas acompanhassem o ritmo. O novo regime fiscal tem duração de 20 anos, com revisão prevista a partir do 10º ano. Estourado o teto fica automaticamente proibida a elevação de despesas obrigatórias, como reajustes de salários e mudanças de carreira para servidores; ganho real para o salário mínimo, abertura de concursos públicos, criação ou expansão de programas do governo e a concessão de incentivos fiscais.
O Jornal Nacional publicou um texto no qual afirma que o teto dos gastos não afetará o orçamento do MEC.

Bancos no Brasil

Os bancos no Brasil prosperam quando o país vai bem e quando o país vai mal. O fenômeno chamou atenção da revista britânica The Economist, que publicou um artigo nesta terça-feira (02/08).

Passando pela hiperinflação dos anos 80 e 90, pelo tímido crescimento de 1% do PIB em 2017 e pelo corte de 2,6% para 1,6% da previsão de crescimento para 2018, o texto descreve a economia do Brasil como algo que “tende a extremos”. Enquanto isso, os grandes bancos do setor privado estariam prosperando independentemente dos cenários.

Essa “resiliência”, conforme aponta o texto, revela muito sobre o funcionamento da economia do Brasil. O setor bancário do país, afirma a revista, é especialmente concentrado — especialmente após o recuo do banco americano Citigroup e do britânico HSBC. Itaú, Santander, Bradesco, Banco do Brasil, Caixa e BNDES respondem por 82% dos ativos bancários e 86% dos empréstimos.

A revista destaca o papel do governo, que historicamente autoriza empréstimos em condições camaradas para uma minoria de empresas e setores e, ao mesmo tempo, permite altas taxas de juros no crédito ao consumidor, em empréstimos pessoais, cartão de crédito e cheque especial.

Fintechs como Banco Inter, Nubank e Creditas ajudam a tornar o setor bancário mais competitivo, diz a Economist. Com atrativos como novas poupanças ou créditos a juros menores, elas conquistam espaço enquanto buscam “incomodar” os operadores. A revista elogia ações do recentes do Banco Central (BC) para diminuir os custos de empréstimos, além do fim da concessão de empréstimos, por bancos estatais, com taxas subsidiadas.

Uma economia mais forte, por sua vez, poderia ser alcançada se as taxas de juros de longo prazo caírem e “se o próximo presidente estiver decidido a controlar as finanças do Brasil”.


Fonte: Aqui

Brasileira lidera pesquisa sobre a expansão do universo

Marcelle Soares Santos, doutora em astronomia pela Universidade de São Paulo, é da equipe do laboratório que descobriu ondas gravitacionais e é também professora da Universidade de Brandeis, uma das mais conceituadas em física nos Estados Unidos.

Hoje, ela coordena uma pesquisa sobre a energia escura, que busca a luz emitida por eventos geradores de ondas gravitacionais.

Mais: aqui

Rir é o melhor remédio

Fonte: Aqui