Translate

16 maio 2017

JBS e o câmbio

A JBS divulgou o resultado do primeiro trimestre de 2017. Com uma receita líquida de 38 bilhões de reais, um valor menor que no período anterior, a empresa conseguiu um lucro de R$486 milhões, mostrando uma margem líquida reduzida. É bem verdade que no mesmo período de 2016 o resultado foi um prejuízo de R$2,64 bilhões. A empresa conseguiu reduzir os custos dos produtos vendidos, mas isto não foi suficiente para gerar caixa com as atividades operacionais.

Mas a grande diferença ocorreu nas despesas financeiras, que caiu R$6 bilhões. Uma redução tão significativa pode ter três possíveis explicações. A primeira é a redução do volume de empréstimos e financiamentos; a segunda, é a redução da taxa de juros. A terceira razão, associada a segunda, é a alteração ocorrida em algum indexador ou na taxa de câmbio. Vamos detalhar cada um destes aspectos.

Volume - A empresa afirma que possuía, ao final do primeiro trimestre, 48 bilhões de reais de dívida líquida. Este número não é muito diferente do ano passado, quando o valor era de R$47 bilhões ao final de março de 2016. Neste valor está incluso o disponível, sendo necessário retirar os recursos em caixa e equivalentes. Assim, a dívida bruta da empresa era de 56,3 bilhões em 31 de março de 2016 e 58,6 bilhões agora, no final de março. Isto significa 4% a mais, algo próximo a inflação do período. O que queremos mostrar é que não ocorreu uma grande variação no volume de passivo que gera despesa financeira, o que leva a excluir esta explicação.

Taxa de Juros - A taxa de juros dos empréstimos e financiamentos pode ser uma outra possível explicação para a redução da despesa financeira. Conhecendo as notícias recentes sobre a empresa, sabemos que durante anos as instituições financeiras de fomento brasileiras apoiaram fortemente a empresa, com empréstimos generosos e subsidiados. Mas estamos em 2017, onde a liberação de uma empréstimo deste tipo certamente chamaria a atenção. De qualquer forma, analisei detalhadamente a relação de empréstimos constante da nota explicativa 14 e não percebi nenhuma grande variação em relação ao ano anterior, exceto pelo aumento na linha de financiamento chamada “Term loan JBS Lux 2022”, que aumentou de 3,8 bilhões para 8,7 bilhões.

Indexador ou Taxa de Câmbio - Uma possibilidade é a mudança em algum indexador que tenha beneficiado a empresa. Isto inclui, por exemplo, a variação da taxa de câmbio no período. Esta é uma possibilidade interessante, já que o câmbio no final de março de 2016 era de 3,56 e um ano depois mudou para 3,17, uma redução de 10% aproximadamente. E isto afeta cerca de metade da dívida da empresa. Entretanto, é bom lembrar que o câmbio é um aspecto da despesa financeira; ainda devemos levar em consideração a taxa de juros. Assim, não basta multiplicar 10% por 27 bilhões, o valor da dívida em moeda estrangeira no início do trimestre, para se ter o efeito do câmbio sobre a despesa financeira.

É interessante notar que no primeiro trimestre de 2016 a empresa informou, num quadro (nota explicativa 23) que o resultado da despesa financeira era decorrente do resultado financeiro com derivativos. Na divulgação deste ano, este quadro não aparece. Ficamos sem saber se isto influenciou ou não o desempenho.

De qualquer forma, o desempenho da empresa medido pelo lucro líquido foi decorrente, da redução expressiva da despesa financeira, parcialmente explicada pelo comportamento da taxa de câmbio. (E pela decisão de não provisionar os efeitos da operação Carne-Fraca)

2 comentários :

  1. Outro detalhe importante: em relação ao item 2 (Taxa de Juros), sabemos que um credor relevante é o BNDES e sua taxa do 1º trimestre 2016 é a mesma do 1º trimestre 2017, TJLP 7,5%.

    ResponderExcluir