Translate

31 maio 2017

Links

Qual a melhor forma de encontrar um artigo na internet? 

Oposição na Venezuela condena Goldman Sachs

Dois economistas pedem para que os professores se comportem de forma irracional

CVM abre mais processo contra JBS

JBS fecha acordo de 10 bilhões com MPF

Contabilidade forense como instrumento de investigação

Resumo

Neste artigo, investigou-se a percepção dos profissionais que atuam em atividades relacionadas ao combate à lavagem de capitais sobre a importância da Contabilidade Forense, como instrumento auxiliar nas práticas investigativas desse delito econômico-financeiro. Foi aplicado um questionário estruturado, submetido aos 84 participantes do módulo III do Curso de Combate à Lavagem de Dinheiro do Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional do Ministério da Justiça do Brasil, ocorrido em março de 2009. O estudo permitiu concluir que a Contabilidade Forense é percebida como um componente relevante no combate à lavagem de capitais e na produção de provas no processo investigatório das organizações criminosas. Os respondentes também são da opinião de que há uma demanda de cursos de graduação e de pós-graduação, para capacitar os profissionais que atuam nessa área, tendo em vista o grau de sofisticação de tais crimes, que configuram uma modalidade criminosa não convencional. Todos os contadores e economistas da amostra têm intenção em participar de cursos de pós-graduação em Contabilidade Forense, opinião compartilhada por 69% dos respondentes que não têm formação em ciências contábeis e economia. A maioria dos profissionais da amostra se utilizou dos serviços de profissionais, com conhecimentos econômico-financeiros, na condução de atividades de combate à lavagem de dinheiro.

RIBEIRO, A. A. D.; RODRIGUES, R. N.; PRAZERES, R. V.; DE ARAÚJO, J. G. Um Estudo sobre a Relevância da Contabilidade Forense como Instrumento de Investigação: A Percepção de Profissionais Ligados ao Combate à Lavagem de Capitais. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, ISSN 2238-5320, UNEB, Salvador, v. 6, n. 1, p. 45-75, jan./abr., 2016.

Fonte: Aqui

Incerteza Política

O gráfico a seguir reflete a incerteza política no Brasil. Calculado por Baker, Bloom e Davis (vide aqui) a partir dos textos publicados no jornal Folha de S. Paulo. Analisando os textos, o método busca algumas palavras que refletem “incerteza”. A crise de 2008 aumento este índice para valores acima de 300. Em setembro de 2015 o índice atingiu 457, para recuar e voltar a subir no início de 2016 (473 em abril de 2016). Em março de 2017 atingiu seu ponto máximo, com 677 pontos.

Quanto maior, maior a incerteza política. Segundo o índice criado pelos autores, na história recente do nosso país, este é o momento de maior incerteza política.

Estes dados foram confirmados por Danielle Nunes, na sua tese de doutorado “Incerteza Política” (orientação do prof. Otávio Medeiros, PPGA da UnB), que desenvolveu um índice próprio para esta mensuração, mas chegou a mesma conclusão.

Rir é o melhor remédio

30 maio 2017

Estimativa da multa da JBS: 31 bilhões

A conta leva em consideração os R$ 11 bilhões requeridos pelo Ministério Público Federal (MPF) como acordo de leniência da empresa, pelo crimes confessados pelos sócios controladores, R$ 15 bilhões por suposto ágil [sic] artificial gerado na fusão da empresa com o Grupo Bertin, até R$ 510 milhões que podem ser aplicadas pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) se comprovado que a empresa fez uso de informação privilegiada para comprar dólar antes da divulgação da delação da JBS, o que causou uma esticada na cotação do dólar.

Fonte: aqui. Será que não haverá multa em outros países? Tenho dúvidas, em razão das operações internacionais da empresa e eventuais prejuízos provocados.

Fraude no Imposto de Renda

A Polícia Federal e a Receita Federal deflagaram nesta terça-feira, 30, em Belo Horizonte operação contra quadrilha que fraudava declarações do Imposto de Renda (IR) para recebimento de restituições de pessoas físicas. O prejuízo estimado aos cofres públicos pode superar R$ 12 milhões, segundo a Polícia Federal.

A fraude ocorria com a inserção irregular, por contadores ligados a construtoras, de dados de parentes para o recebimento das restituições. Houve ainda participação de pelo menos uma auxiliar administrativa nas irregularidades. As investigações mostraram que a fraude ocorria desde 2011. A PF afirma que, a princípio, não há provas de que as empresas participavam do esquema.


A notícia não teria nada de anormal. Exceto pelo nome:

A operação foi batizada de Date a Cesare, uma referência à expressão "Dai a César o que é de César".

Links

Como uma garota se defende: vídeo de 1969 (surpresa no final)

A capa do disco mais famoso do mundo: Sgt Pepper´s

Sete pessoas presas na República Dominicana por conta da Odebrecht

Blessed foi criada para reduzir carga tributária, mas ninguém sabe quem é este sócio misterioso

PCAOB pode mudar o relatório de auditoria nos EUA

Messi é um exemplo inadequado para os alunos da Espanha

O que o papel higiênico revela sobre sua personalidade

Procura-se ...

O Iasb fez uma proposta interessante (e, acredito, inovadora): apresentação de candidatos para fazerem uma revisão da literatura acadêmica sobre o efeito da implementação da IFRS 13 - Valor Justo (mensuração). Esta revisão será usada pelo Iasb na sua análise (e eventual mudança) da IFRS 13. Mais informação aqui

Aposta do Goldman

O sempre controverso Goldman Sachs esteve recentemente envolvido numa operação financeira que, eventualmente, poderia ajudar o regime venezuelano de Nicolas Maduro. Segundo informação do Wall Street Journal (via aqui), o Goldman recentemente adquiriu títulos emitidos pela empresa de petróleo PDVSA, num valor de face de quase 3 bilhões de dólares.

Comandando um país falido, com elevada inflação e recessão econômica, Maduro tem honrado as dívidas do seu país. O Goldman, que pagou o investimento com um desconto de 31% em relação a outros títulos, aposta também numa eventual mudança no governo da Venezuela. A oposição criticou o Goldman, que estaria ajudando o atual governo.

O Goldman é uma instituição financeira muito polêmica. Envolvido na crise financeira de 2007, nos problemas da AIG, além de escândalos na Líbia e Malásia, para o Goldman a compra de títulos

é apenas uma outra oportunidade única de capitalizar em títulos altamente arriscados que podem aumentar seu valor se a aposta funcionar ou pode ruir, caso contrário. O resto, como é o caso de tantas vezes, é irrelevante para Goldman.

Rir é o melhor remédio


29 maio 2017

Japão e IFRS

O Iasb e FASF do Japão assinaram uma declaração conjunta na semana passada reafirmando o compromisso da adoção das normas de contabilidade internacionais por parte do país asiático. Atualmente no Japão as empresas podem escolher as normas; as normas do Iasb são permitidas desde 2010 e atualmente 164 empresas com ações negociadas na bolsa adotam ou anunciaram planos de adotar as IFRS; isto significa 30% do valor de mercado do Japão.

Originalidade e Cópia em Notícias

No tempo do Crtl C Crlt V, produzir uma matéria nova ou um texto original é muito dispendioso. Talvez por isto, seja tão difícil manter um blog ou escrever um livro ou um artigo. Isto inclui notícias.

Uma pesquisa realizada na França, com dados de 2013, mostrou como a questão da cópia e da originalidade também é um problema na produção de notícias online. Usando dados de jornais, televisão, rádio, mídia online e agência de notícias, três pesquisadores desenvolveram um algoritmo de detecção de eventos, identificando o momento que a notícia surgiu. Depois, verificaram a propagação. Naquele ano, um quarto das notícias eram reproduzidas on-line em menos de 4 minutos, graças a cópia literal. Somente 33% do conteúdo online é original. Se por um lado existe um impacto negativo no incentivo à busca por notícias, há um efeito na reputação: afinal o conteúdo original é responsável por 58% do consumo de notícias on-line.

Isto é um aspecto interessante: a reputação parece resolver, em parte, a questão da violação de direitos autorais. Por exemplo: se existe um endereço na internet que simplesmente cópia as notícias de um jornal, a sua reputação não será das melhores.

Vide artigo aqui

Links

Surpresa: era digital tira vendas da Coca-Cola

Política e problemas de tradução

Razão para os flamingos usarem uma perna

O paraíso escandinavo não existe (hygge, fika e lagom)

JBS omitiu mudança na estrutura acionária da empresa

Petrobras: de como quebrar a como recuperar uma empresa

Joesley sai da presidência da JBS

Reuters

Duas notícias da Reuters, do final da semana passada.

A primeira é que alguns investidores estão apostando que o pior ainda está por vir no mercado acionário brasileiro. Nesta aposta, os problemas de Temer estariam começando, o que impediria de continuar tentando uma reforma na previdência e outras medidas econômicas.

A segunda refere-se a empresa chinesa COFCO que está reorganizando sua gestão no Brasil relacionado com a Nidera Sementes em razão de irregularidades contábeis referentes ao exercício social de 2016. A diferença pode chegar a mais de 150 milhões de dólares. O prejuízo da holding da Nidera, propriedade da COFCO, foi de 266 milhões de dólares.

Rir é o melhor remédio


28 maio 2017

O Futuro da JBS

O jornal Estado de S Paulo traz hoje uma reportagem sobre o futuro de curto prazo da JBS (JBS corre contra o tempo para quitar R$18 bi em dívidas). O texto informa que a empresa possui dívidas de curto prazo, que vencem em 2017, de R$18 bilhões, conforme o próprio título do texto.

Para resolver este problema, a empresa tem como estratégia:

a) postegar o pagamento de fornecedores - como uma empresa dominante na cadeia produtiva, a JBS pode impor o pagamento a prazo na compra de bois. Isto já foi feito, mas nada impede da empresa aumentar este prazo. Se existirem outros compradores concorrentes, esta estratégia pode afastar os fornecedores e prejudicar no médio e longo prazo a cadeia produtiva da empresa. Além disto, este alívio é passageiro, já que a economia obtida ocorre uma vez somente.

b) redução da empresa - Isto pode ser feito de duas formas:

b.1) vendendo empresas do grupo - sendo um grupo diversificado, a JBS pode começar a vender algumas empresas que podem atrair investidores, como a Alpargatas, a Eldorado (celulose) ou a Vigor. A questão é encontrar compradores que se disponham a pagar um preço razoável pelas empresas e, de preferência, em dinheiro. Mas nada impede um acordo de troca de ativos por dívidas, por exemplo. A Alpargatas foi comprada no passado com juros de banco oficial e a Eldorado é uma empresa que teria uma valor mais adequado se a venda fosse postergada. De qualquer forma, a venda de empresa pode gerar um resultado negativo no balanço consolidado, conforme forem as negociações.

b.2) redução do tamanho da empresa de proteína - isto significa reduzir receita e porte da empresa. Aqui é necessário estar atento ao impacto dos custos fixos no resultado, mas se a decisão for por vender unidades isoladas, este problema talvez não seja expressivo. A redução do tamanho também pode ajudar na redução das necessidades de caixa.

O jornal alerta para o caráter especulativo das ações nos dias atuais e que a possibilidade de reapresentação das demonstrações contábeis pode afetar ainda mais o futuro da empresa.

Um aspecto não comentado pelo texto é a possibilidade de existência de cláusulas de proteção existentes nos empréstimos de longo prazo (covenants). Isto agravaria ainda mais a situação da empresa, conforme exposto no texto.

Ademais, ainda estamos no início do processo de “punição” pelas diabruras cometidas no passado. Outras multas e acertos precisam ser feitos, incluindo com autoridades de outros países. Assim esperamos. (Foto: aqui) (P.S. A dívida da Eldorado de curto prazo é de R$2,3 bilhões)

Rir é o melhor remédio

Quem é que manda

27 maio 2017

Fato da Semana: Dolly

Fato: Dolly

Data: 25 de maio

Contextualização

A empresa de refrigerantes Dolly sempre esteve envolvida em polêmicas, incluindo acusações contra a Coca-Cola e suspeita de não pagamento de tributos. No ano passado seu registro foi suspenso, mas criou-se outra pessoa jurídica para continuar a produção da tubaína e outros produtos da empresa. Na quinta uma operação da receita estadual de São Paulo anunciou uma dívida de 2 bilhões de reais com o fisco.

Logo após, surgiram novas notícias sobre o fato, envolvendo um contador que era de confiança do dono da empresa e auxiliares que desviaram recursos da empresa. É bem verdade que a estimativa do desvio chegada a 100 milhões de reais, bem abaixo da dívida tributária.

Relevância

O caso envolve alguns aspectos cruciais numa empresa; em especial, controles internos. Sinais exteriores de riqueza foram percebidos tardiamente pelo dono.

Além disto, uma empresa "polêmica" como a Dolly deve ter "segredos" que somente o contador, o braço direito do dono, sabe. Será que isto contribuiu com as falhas observadas?

Notícia boa para contabilidade?
Um contador numa situação de fraude e desvio não parece ser bom para contabilidade

Desdobramentos
Haverá a versão do contador, mas a dívida é da empresa, que deve fazer um plano de renegociação de dívidas fiscais com o estado. O Conselho de Ética do CRC deveria estar funcionando.

Mas a semana só teve isto?
A não publicação das demonstrações auditadas da Braskem e os problemas no futebol, que inclui a prisão do ex-presidente do Barcelona e outros escândalos. E, naturalmente, os desdobramentos da JBS.

Caso Dolly

video

(Grato a Jailton Fernandes, pela dica)

Rir é o melhor remédio

O candidato ao governo de um estado mexicano faz campanha anunciando #hashtagcampaña que traduzindo seria "hast tag campanha". O slogan inicial seria "por causa do meu bigode". A House of Cards, série sobre política, aproveitou a deixa:


26 maio 2017

25 maio 2017

Sobre a conveniência do Teste de Recuperabilidade

O teste para determinar o valor recuperável (ou teste de impairment) dos ativos de uma empresa é uma medida conservadora adotada na contabilidade brasileira desde o início das normas internacionais de contabilidade. Existem dois pontos relevantes nesta frase que abre o texto: a questão do conservadorismo e o fato de ser o marco inicial. É sempre bom lembrar que a primeira norma internacional adaptada do IFRS e aprovada no Brasil foi justamente o CPC 01, que trata do teste de recuperabilidade. Esta coincidência infeliz, já que a estrutura conceitual básica só foi aprovada depois, mostra que o legislador talvez tivesse a intuição de que a norma representa uma mudança importante na contabilidade praticada no Brasil.

Um balanço do CPC 01 poderia ser útil nos dias atuais e isto passa pela prática da norma, incluindo suas explicações para sua utilização e não utilização.

Prática - Dez anos depois, a prática do teste de recuperabilidade no Brasil parece não ser muito animadora. Recentemente um enorme empresa brasileira deixou claro nas suas demonstrações contábeis que estava fazendo o teste através de um múltiplo derivado do Ebitda. A atitude da Ambev (vide aqui) talvez só não seja pior de empresas que não fazem o teste ou que usam o teste para suavizar os resultados.

É muito comum quem analisa as demonstrações contábeis de setores inteiros não encontrar nenhum indício de efetiva aplicação prática dos cálculos necessários para testar a recuperabilidade. Ou grande empresas que não fizeram nenhum lançamento contábil de perda, mesmo possuindo milhares de ativos. Se estas demonstrações contábeis possuem uma auditoria, seria possível crer que o auditor esteja verificando a existência do teste? Ou estaria simplesmente tomando uma atitude de lavar as mãos e deixar que o problema seja um risco da gestão.

Outro fato de reforça uma visão de que o teste talvez não seja uma prática normal no Brasil decorre do comportamento recente em razão dos últimos anos. Uma crise econômica e política deveria levar a uma reestimativa da projeção do fluxo de caixa futuro a ser gerado com os ativos. Além disto, a crise também trouxe uma redução na nota do Brasil pelas agências de rating, o que conduz a necessidade de reconsiderar os cenários futuros, cortar investimentos, entre outras medidas. Isto deveria necessariamente afetar a taxa de desconto usada nos cálculos do valor recuperável. Em outras palavras, os dois montantes que irão compor o processo de obtenção do valor recuperável - o valor obtido com o uso do ativo e o valor de mercado - são afetados por uma crise. Mas com a exceção de alguns casos esporádicos, não existiu, no período recente, um grande movimento em termos de perda de valor recuperável.

Explicações - Existem diversas possíveis explicações para isto, conforme é possível verificar nas pesquisas acadêmicas conduzidas no Brasil e no mundo. A complexidade e subjetividade do cálculo poderia conduzir a uma reflexão sobre a conveniência de adoção do teste. Em alguns casos temos também um problema associado ao próprio processo de mensuração, que inclui a inexistência de profissionais com qualificação para conduzir a mensuração e a falta de interesse da empresa de auditoria em acompanhar de perto o teste. Ou também aos impactos gerados no resultado obtido com a recuperabilidade: os incentivos recebidos pelos gestores que podem estar associados ao resultado, a potêncial influência sobre o comportamento das ações, a mudança nos índices de análise, inclusive endividamento, entre outros aspectos.

Talvez não exista uma única explicação para o fato das empresas não fazerem a recuperabilidade. Quem sabe a pergunta mais adequada seja: qual a razão para uma empresa fazer? Existem alguns casos particulares onde há incentivos para um teste de recuperabilidade mais rigoroso. A mudança de gestão é uma situação. Se um novo gestor assume o comando de uma empresa, lançar as perdas no início da sua gestão pode ter um importante efeito para sua carreira. Ao mesmo tempo que deixa claro que os executivos anteriores cometeram falhas que resultaram na existência de ativos de baixa qualidade, ficará mais fácil para atingir as metas de crescimento e desempenho no futuro. Isto ocorreu com a AOL, uma empresa da fase inicial da internet. Em janeiro de 2000, a AOL e a Time Warner anunciaram uma fusão, sendo que os acionistas da AOL receberam 55% da nova sociedade. Esta transação ficou conhecida como a “pior” da história. A mudança na gestão, logo a seguir, levou a empresa a reconhecer uma elevada perda em razão do estouro da bolha da internet. O resultado foi o maior prejuízo já registrado por uma empresa moderna: 99 bilhões de dólares. No caso da AOL Time Warner fazer a recuperabilidade significou reconhecer o erro cometido no passado.

Mas nem sempre isto ocorre. Quando Graça Foster assumiu a presidência da Petrobras existia uma expectativa na mudança nos rumos da empresa. Logo a seguir, as denúncias de corrupção, com o afastamento e posterior impeachment do presidente da república, levou a uma nova troca na gestão da empresa. Já se sabia que um teste de recuperabilidade rigoroso na empresa deveria conduzir a um prejuízo elevado e um aumento no endividamento - com efeitos sobre os contratos de empréstimos. Em lugar de encarar de frente o problema, a contabilidade da empresa, no final da gestão Foster na empresa e o início da gestão de Pedro Parente, decidiu por fazer a recuperabilidade a conta-gotas, talvez com receio de problemas maiores. Alegando a dificuldade de mensuração no volume de propinas que foram pagas, o reconhecimento ocorreu em cada uma das demonstrações publicadas posteriormente até dezembro de 2016.

Conservador - O segundo aspecto a ser considerado na primeira frase que abre este texto é a questão da recuperabilidade ser uma medida conservadora. O CPC 01, que trouxe a norma do teste para o Brasil, fala no lançamento da perda somente. Caso o ativo da empresa esta desvalorizado, existem poucas alternativas para reconhecer isto. Uma delas é refazer a contabilidade desde o início da adoção das normas internacionais, utilizar o conceito do custo atribuído e reapresentar as demonstrações desde então. Recentemente o clube de futebol Corinthians, insatisfeito com a mensuração dos seus ativos, resolveu optar por esta direção. O clube contratou uma empresa para fazer reavaliação dos ativos e lançou isto na sua contabilidade. Só não reapresentou as demonstrações contábeis dos anos anteriores, optando por uma medida mais simples: considerar uma reavaliação de ativos, que não existe mais na contabilidade brasileira.

Como o teste conduz ao reconhecimento de uma perda, mas não de um ganho (existe exceção a isto, que não cabe comentar aqui), fazer este procedimento regularmente e com o devido rigor deveria a conduzir a uma situação em que o ativo da forma como reconhecido na contabilidade seria no máximo o valor obtido pelo teste de recuperabilidade. Assim, não existe razão para termos ativos superavaliados. Pelo menos na teoria.

Mas veja o caso da Eucatex. Esta empresa divulgou suas demonstrações do primeiro trimestre de 2017 onde constava que o valor de mercado da empresa correspondia a 326 milhões de reais ou 27% do valor patrimonial. (Na verdade existe aqui uma imprecisão: trata-se do valor de mercado das ações ou valor de mercado do PL, não da empresa). Com cerca de 800 milhões de passivo, a diferença deve ser atribuída a uma perspectiva negativa do mercado quanto ao futuro da empresa. Para o mercado de capitais é como se o valor do ativo fosse um pouco acima de 1,1 bilhão, enquanto no balanço existe o valor apresentado de R$2 bilhões. Para uma empresa que teve um lucro de 6,4 milhões no primeiro trimestre de 2017, reconhecer esta diferença a partir de um teste de recuperabilidade é difícil, pois corresponde a oito meses de receita, jogando o endividamento para mais de 70% do valor do ativo.

A situação da Eucatex corresponde ao dilema vivido pelo contador, pelo auditor, pelo gestor da empresa e pelo regulador. O contador sabe da pressão para não fazer um teste que revela um grande volume de perda; como a mensuração é subjetiva, o auditor fica com poucos elementos para questionar; e o gestor não gostaria que a regra seja aplicada, por diversos motivos. O regulador, diante desta situação, não deveria verificar se vale a pena instituir uma regra complexa, de difícil implementação, que quase ninguém cumpre adequadamente? Não estaria sendo o regulador mais realista que o rei?

Futebol e fraude: prisão do ex-presidente do Barcelona

La juez de la Audiencia Nacional Carmen Lamela ha decretado este jueves prisión incondicional para el expresidente del Fútbol Club Barcelona Sandro Rosell y su socio Joan Besolí, quienes han declarado este jueves ante la magistrada, acusados de haber blanqueado unos 15 millones de euros procedentes de comisiones supuestamente ilegales, según han confirmado fuentes jurídicas. La juez, titular del Juzgado Central de Instrucción número 3, entiende que concurren riesgo de fuga debido a la gravedad de los delitos, destrucción de pruebas y reiteración delictiva. La Fiscalía de la Audiencia Nacional había pedido prisión sin fianza para ambos. (...)

A questão envolve o futebol brasileiro, conforme continua a notícia do El País:

La causa apunta también al expresidente de la Confederación Brasileña de Fútbol (CBF), Ricardo Teixeira, del que los investigadores sospechan que era un socio necesario de Rosell para que este pudiera cobrar las antedichas comisiones. Los investigadores no han actuado contra Teixeira, ya salpicado por varios escándalos, entre ellos el de corrupción en la FIFA, caso destapado por el FBI hace dos años.

(...) Hacienda impuso una multa millonaria al expresidente del Barça por no declarar los beneficios que obtuvo con la venta de los derechos de imagen televisivos de la Confederación Brasileña de Fútbol.

Dolly e a terceirização

O dono da marca de refrigerantes Dolly afirma que o homem responsável pela contabilidade da empresa falsificou documentos e sonegou impostos.

Segundo Laerte Codonho, os desvios passam de 100 milhões de reais.

As engarrafadoras da empresa foram alvo, na semana passada, de uma operação deflagrada pela Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo por suspeita de fraude.

Laerte Codonho afirma, no entanto, que a Dolly acreditava que os impostos estavam sendo pagos pelo escritório de contabilidade.

O principal sócio da RD Assessoria Contábil, responsável pela contabilidade da empresa, é Rogério Raucci, e seria o maior responsável pelas fraudes.

Laerte Codonho diz que há vários indícios de enriquecimento dele nos últimos anos. (...) Rogério Raucci não foi encontrado; o sócio dele fez uma delação ao Ministério Público Estadual admitindo o desvio de 7 milhões de reais, tendo devolvido 5 milhões.


Fonte: Aqui

Links



"a economia comportamental não fez progressos expressivos nos últimos dez anos"

Taxa de juros e problemas políticos no Brasil

Não existe "direito a fuga" para réu que contesta a prisão (era só o que faltava...)

Suécia colocou o país no Airbnb (aqui a propaganda)

Outra propaganda, agora do Peru (acima)

E esta outra tem um final surpreendente

Pagando café com energia (mais uma propaganda)

Rir é o melhor remédio

Socorro !!!

24 maio 2017

JBS esclarece a não divulgação

A JBS informou nesta quarta-feira (24), em esclarecimento após pedido da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), que não divulgou no dia 17 de maio informações sobre a delação premiada de Joesley Batista e de outros seis executivos da companhia porque não foi informada dos fatos até o dia seguinte, quando divulgou, às 20h18, um comunicado ao mercado.

A JBS afirma ainda que a homologação do acordo de colaboração premiada, celebrado por sete colaboradores, que se deu no mesmo dia 18.5.17, estava condicionada ao sigilo, por força do artigo 7º, §3º, da Lei nº 12.850/2013.

“Ou seja, apenas os sete colaboradores conheciam, até a referida decisão do Min. Fachin no dia 18.5.17, a existência do acordo de colaboração celebrado e a sua distribuição ao juízo competente à sua homologação”, diz a JBS, acrescentando que, por este motivo, não prestou informações antes do dia 18 de maio.


Fonte: Aqui

Afinal, sigilo deve ser mantido em sigilo. Ainda sobre a empresa, a redução do valor de mercado tem efeitos sobre o governo, que também é acionista da empresa via Caixa e BNDES. E o TCU decidiu priorizar os processos da empresa.

Frase

"Eu não gostaria de ser hoje um contador"

Mark Cuban, bilionário e dono do Dallas Maverick, via aqui, falando sobre o efeito da automação no mercado de trabalho. Barry Melancon, do AICPA, respondeu dizendo que é um comentário superficial de quem não entende a profissão.

Messi condenado

O Supremo Tribunal espanhol acaba de condenar Lionel Messi a 21 meses de prisão por fraude fiscal, adianta o El País. De acordo com o jornal espanhol o mais alto órgão judicial espanhol confirmou a sentença de julho passado do Tribunal Provincial de Barcelona, que dava como provados os três delitos fiscais de que Messi estava acusado e que haviam defraudado o Tesouro espanhol em 4,1 milhões de euros durante os exercícios de 2007, 2008 e 2009.

O pai do jogador do Barcelona, Jorge Horacio Messi, condenado com cúmplice. Viu a pena anterior ser reduzida para 15 meses de prisão, sendo aplicada uma atenuante por reparação do dano, uma vez que Messi devolveu à Fazenda espanhola o montante defraudado.

No entanto, e por a pena aplicada ser inferior a dois anos de prisão, o Tribunal Provincial de Barcelona pode decretar a sua suspensão.

Recorde-se que a defesa da família argentina assentava na alegação de que Lionel Messi havia confiado as suas obrigações fiscais ao seu pai e que este havia delegado esta responsabilidade nos seus assessores. No entanto, o tribunal de Barcelona declarou, na sentença, que o jogador havia atuado com “ignorância deliberada”, alegando que “o desconhecimento evitável não é um erro e não pode provocar uma descarga de responsabilidade”.


Fonte: Aqui

Também no futebol

Investigações realizadas na Espanha com a ajuda do FBI, como revelou o Estado, apontam que jogos amistosos da seleção brasileira foram usados para lavar dinheiro e desviar recursos, usando bases no Catar e contas secretas em Andorra. Essa transformação dos jogos da seleção em uma máquina de fazer dinheiro começou na Argentina, com o presidente da Associação de Futebol da Argentina, Julio Grondona, adotando o modelo. A CBF obteve uma cópia dos acordos que a seleção argentina fechou e tentou adotar o mesmo esquema para o Brasil.

Fonte: Aqui

Para se atualizar sobre a JBS

Até as 7 horas de hoje, links para se atualizar sobre JBS

A empresa contratou um grande empresa de advocacia para preparar a defesa nos EUA

Joesly deixa de ser conselheiro das Alpargatas

Oh Loco: Faustão fala de corrupção mas é patrocinado pelo Banco Original (da JBS) (dica do Sérgio Nazaré, grato)

Mais dois processos da CVM

JBS contrata Bradesco BBI para vender ativos

Investidores entram com ação contra a JBS nos Estados Unidos

Janot defende o acordo de delação premiada

Crise política afeta as empresas

Rir é o melhor remédio


23 maio 2017

Citi paga por falha no controle

O Citigroup concordou em pagar 97 milhões de dólares sobre uma investigação de lavagem de dinheiro realizada por correntistas de uma unidade sua, a Banamex. O banco, apesar de desconfiar do volume de dinheiro encaminhado para o México, fruto de lavagem de dinheiro, não fez nada para impedir ou sequer alertou as autoridades. Com o acordo, o banco evita uma acusação criminal.

Segundo a acusação, o Banamex processou mais de 30 milhões de transações, num valor de 8,8 bilhões de dólares, entre 2007 e 2012. O seu sistema de monitoramento emitiu mais de 18 mil alertas de operações suspeitas e isto levou a pelo menos 10 investigações.

Reconhecimento na Pós-graduação

Saiu publicada agora a PORTARIA Nº 656, DE 22 DE MAIO DE 2017, sobre reconhecimento dos cursos de pós-graduação no Brasil. Na área de contabilidade, os cursos reconhecidos, com o nível (ME = mestrado; MP = mestrado profissionalizante; e DO = doutorado) e suas notas (acima de 3 o curso é reconhecido; nota máxima possível = 7)

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - ME - 3
UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ (Administração e Controladoria) ME 4
UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ - Administração e Controladoria MP 4
UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA - UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE - DO 5
UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA - UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE - ME 5
FUCAPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS MP 5
FUCAPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO DO 4
FUCAPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS ME 4
UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO - ME 3
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS - ME - 4
UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - ME - 4
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - ME -4
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - ME - 5
UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - ME - 4
UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - ME - 5
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - ME - 4
UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU - ME - 4
UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU - DO - 4
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - CONTROLADORIA E CONTABILIDADE - ME - 6
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - CONTROLADORIA E CONTABILIDADE - DO - 6
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO/ RIBEIRÃO PRETO - CONTROLADORIA E CONTABILIDADE - ME - 4
CENTRO UNIVERSITÁRIO FECAP - CIENCIAS CONTABEIS - ME - 4
UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE - CONTROLADORIA EMPRESARIAL - ME -4
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - CIENCIAS CONTÁBEIS E ATUARIAIS - ME - 3

Em termos de nota temos USP com nota 6 e a nota cinco foram para o Multi, Fucape, UFRJ, Unisinos.

Quem? Meirelles

Sobre o Henrique Meireles, potencial candidato numa eleição indireta, reproduzo abaixo uma lembrança oportuna do meu eterno mestre, prof. Carlos Alberto Torres, do seu blog Decisões Interativas:


Sobre Henrique Meireles, não custa lembrar que ele hoje é o poderoso ministro da fazenda e da economia do governo Temer; também foi o poderoso presidente do Banco Central durante os dois governos Lula; em março de 2012 assumiu a poderosa presidência da JF Participações.

http://exame.abril.com.br/revista-exame/o-preco-de-henrique-meirelles/amp/;
http://www.revistaforum.com.br/2016/07/01/henrique-meirelles-era-o-todo-poderoso-da-jf-no-periodo-investigado-pela-pf/;
http://agenciabrasil.ebc.com.br/amphtml/politica/noticia/2016-07/meirelles-descarta-ligacao-com-empresas-do-grupo-jbs-friboi;
http://amp.valor.com.br/empresas/2554002/henrique-meirelles-assume-cargo-no-grupo-jf;
http://m.economia.estadao.com.br/noticias/geral,henrique-meirelles-assume-conselho-da-holding-do-jbs-imp-,844104.amp;
https://pt.m.wikipedia.org/wiki/J%26F_Investimentos.

Fico por aqui. Certamente, o buraco é mais embaixo. Meireles, certamente, também, nada sabia sobre as propinas pagas e sobre os empréstimos de pai-para-filho do BNDES às empresas, etc..

Razões para a queda do preço da JBS

As ações da JBS sofreram uma grande queda no mercado acionário na segunda-feira. Por um lado, esta queda é estranha, já que o escândalo político originário da gravação de uma conversa entre seu controlador e o presidente da república era de conhecimento de todos já na quarta-feira da semana passada. Além disto, revelou-se um acordo entre a PGR e o empresário Joasley Batista, bastante favorável a este. E os protestos contra o atual governo não tiveram grande participação popular.

Mas existem algumas possíveis explicações para a redução do valor de mercado para empresa.

Rebaixamento da nota de crédito - a empresa de classificação de risco Moody´s rebaixou a nota da empresa, de Ba2 para Ba3. Geralmente as empresas de ratings são lentas em alterar as notas de uma empresa ou país. A rapidez da ação da Moody´s não altera em nada a vida atual da empresa JBS. Mas poderá ter um efeito futuro ruim, já que aumenta o custo do crédito da empresa. Com a impossibilidade de ter acesso ao fácil dinheiro público de outras épocas, a empresa irá necessitar de recursos, seja para rolar a dívida atual, seja para pagar os processos judiciais que acontecerão no futuro próximo.

Credibilidade - Na medida que fomos conhecendo as teias de operações que eram praxe desta empresa, reduziu-se a sua credibilidade. Os astros globais contratados para passar uma imagem positiva da empresa já anunciaram que estão abandonando os contratos. Ninguém quer ter seu nome associada a uma empresa que comprou políticos para se aproveitar do dinheiro público. Será que o varejo irá continuar negociando a carne Friboi? Certamente isto irá afetar as vendas da empresa. É difícil estimar o valor, mas perder vendas é muito ruim.

Multa - Num primeiro momento, parecia que o acordo foi muito vantajoso para os controladores. Uma multa reduzida e a possibilidade de viver livres, sem qualquer impedimento, nos Estados Unidos. Mas a revelação que o acordo com o Ministério Público não ficou acertado, e que o valor exigido pelo lado da acusação era de R$11 bilhões, deve ter espantado o investidor. A possibilidade de venda de ativos esbarra na falta de potenciais comprados. Além disto, há uma desconfiança de que parte do dinheiro sujo foi usado para comprar empresas no exterior. As entidades reguladoras destes países irão aceitar a possibilidade de ter um grande empregador cujo dinheiro tem sua origem na corrupção de autoridades. A CVM divulgou na sexta-feira de noite que existem cinco processos contra a empresa, que inclui o uso de informação privilegiada. Isto deve complicar a vida da empresa nos próximos meses.

Efeito Manada - outra possível explicação para a perda de 16 bilhões de reais de valor de mercado nos últimos meses por parte da JBS é o efeito manada. Este valor corresponde a uma redução no preço da ação de mais de 31% somente na segunda-feira. Este efeito psicológico é resultado de ordens seguidas de venda - no caso da JBS - em razão da ordem dada por um primeiro investidor. Poucos acreditaram que a empresa, e seus controladores, irão sair desta sem um grande perda: ou a venda de várias unidades em diferentes países, ou o atraso no projeto de oferta de ações nos Estados Unidos ou possíveis danos pelo escândalo. Qualquer que tenha sido o gatilho para o início do efeito manada, o certo é que a redução do preço da ação da empresa foi um dos maiores do mercado brasileiro desde a crise de 2008.

Incerteza - A empresa tinha divulgado recente as demonstrações contábeis do primeiro trimestre. É possível acreditar naqueles números? Mesmo que seja próximos do que ocorreu, como assinou o auditor, serve de base para os próximos meses? Responderia não para as duas perguntas. Os números perderam credibilidade em razão das revelação, para alguns, da forma como a JBS fazia negócios. Se eles compravam deputados com notas frias, será que a contabilidade também não está contaminada com este esquema. A segunda questão diz respeito ao que irá ocorrer com a empresa nos próximos meses. Como comentamos no item da credibilidade, alguns brasileiros podem ter boa memória e no momento de escolher o produto que comprar num supermercado não irão ser induzidos pelo Tony Ramos ou Ana Maria Braga.

Homo Heuristicus: mentes enviesdas podem tomar decisões certas

Resumo:

Heuristics are efficient cognitive processes that ignore information. In contrast to the widely held view that less processing reduces accuracy, the study of heuristics shows that less information, computation, and time can in fact improve accuracy. We review the major progress made so far: (a) the discovery of less-is-more effects; (b) the study of the ecological rationality of heuristics, which examines in which environments a given strategy succeeds or fails, and why; (c) an advancement from vague labels to computational models of heuristics; (d) the development of a systematic theory of heuristics that identifies their building blocks and the evolved capacities they exploit, and views the cognitive system as relying on an ‘‘adaptive toolbox;’’ and (e) the development of an empirical methodology that accounts for individual differences, conducts competitive tests, and has provided evidence for people’s adaptive use of heuristics. Homo heuristicus has a biased mind and ignores part of the available information, yet a biased mind can handle uncertainty more efficiently and robustly than an unbiased mind relying on more resource-intensive and general-purpose processing strategies.

Rir é o melhor remédio


22 maio 2017

Braskem atrasa balanços

Segundo o G1

A petroquímica Braskem informou nesta sexta-feira (19) que não conseguiu entregar seu relatório anual de 2016 ao órgão regulador do mercado de capitais norte-americano, a Securities and Exchange Commission (SEC).

A empresa, que é controlada pelos irmãos Batista e a Petrobras, terá seis meses, a partir do dia 16, para entregar as informações. A empresa divulgou no dia 16 informações sobre seus resultados, mas sem o parecer do auditor.

Abacus: pequeno demais

A crise de 2008 exigiu que o governo dos Estados Unidos fizesse um resgate de 700 bilhões de dólares para salvar o sistema financeiro. Algumas poucas instituições financeiras se salvaram, mas somente um banco foi indiciado por acusações de fraude em relação as hipotecas imobiliárias: o Abacus Federal Savings Bank. Eu passei a conhecer o Abacus a partir da descrição de um filme que conta a história do Abacus.

O Abacus é um pequeno banco de propriedade familiar, que atua em Chinatown, Nova Iorque. O indiciamento do Abacus ocorreu em 2012, com acusações de fraude. Até então, o Abacus era uma instituição confiável para os imigrantes chineses, dirigida por Thomas Sung. Agora um documentário conta a luta do banco contra as acusações do New York County District Attorney's Office com um título muito oportuno: "Abacus: Small Enough to Jail" de Steve James. O filme foca na luta judicial entre o Abacus e a justiça. Ao contrário das grandes instituições bancárias, como o Citibank, que eram grandes demais para falir, o julgamento do Abacus era uma tentativa do seu executivo de limpar seu nome, que conseguiu em 2015.

A seguir o trailer do documentário.

Links

Como o cérebro reagem a corrupção

5 tendências em tecnologia e seu efeito na contabilidade

Como a informação transformou a indústria da música

Filho processa pai: não lhe dá dinheiro (e o filho gastou 1,8 milhão de euros em um mês)

Quando se julga a desigualdade, o que vale é o sistema como um todo, não casos isolados

WannaCry: estudo de caso sobre a divulgação de vulnerabilidades 

20 maio 2017

Links

A relação entre política brasileira e memes (tem até museu de memes)

Vilão das redes sociais para saúde dos jovens é na ordem Instagram, ...

Manipulação de fotos de Luísa Azevedo (ao lado) 

O som e a música de Blade Runner de Vangelis

Novo mercado morreu?

Fato da Semana: JBS

Fato: JBS

Data: 17 de maio

Contextualização
O acordo de delação por parte dos controladores da JBS produziu graves denúncias para o atual presidente e os dois ex-presidentes. A JBS era sempre vista com desconfiança pela forma como cresceu: rápido demais, com dinheiro público ou de entidades vinculadas ao governo (fundos de pensão, inclusive). Durante anos existiram comentários sobre a existência de um sócio oculto na empresa para explicar o fácil acesso da empresa ao nosso dinheiro.

A denúncia afetou a bolsa, o risco brasil, o câmbio e terá efeitos sobre a empresa JBS e outras empresas vinculadas. Mas também mostrou que os controladores da empresa se aproveitam de todas brechas para obterem lucro: a denúncia de que compraram dólar e venderam ações da empresa antes do vazamento mostra com quem as entidades de controle estão lidando.

Relevância
A delação do controlador da JBS esclarece muitas coisas que ocorreram no Brasil nos últimos anos, incluindo a expansão rápida da sua empresa.

Em termos atuais, poderá atrasar diversas reformas, colocar em risco o atual governo, levar a falência a JBS (ou provocar sua internacionalização), mudar a estrutura de poder, agilizar/atrasar as investigações em curso, entre outras coisas.

Para o futuro de longo prazo, poderá ser uma oportunidade para o país rever a forma de capitalismo que queremos.

Notícia boa para contabilidade?
Na semana este blog fez uma análise das demonstrações contábeis da empresa, que foram auditadas e aprovadas em diversas instâncias. Além disto, a empresa está classificada no Novo Mercado

A delação não esclarece todas as dúvidas. Mas os dados contábeis eram claros em mostrar o crescimento exagerado da empresa e sua estrutura de capital, dependente do dinheiro público.

Desdobramentos
A CVM irá mover processo por insider trading; será difícil o atual presidente terminar seu mandato; as reformas irão atrasar mais ainda; mas não haverá investigação dos auditores responsáveis pela JBS.

Mas a semana só teve isto?
A questão do desemprego do setor seria a notícia alternativa da semana.

Rir é o melhor remédio

Corrupção no Brasil:
Fonte: Aqui

19 maio 2017

House of Cards 2.1

Atualizando a postagem de manhã:

A JBS confirma, em nota à imprensa, que as movimentações realizadas pela companhia nos últimos dias no mercado de câmbio seguem alinhadas à sua política de gestão de riscos e proteção financeira. (clique aqui)

No site da CVM, consta apenas a informação de abertura de dois processos nos últimos dois dias - um na quarta-feira, 17, e outro ontem, 18. A autarquia não informa o motivo da abertura dos processos. Por meio da sua assessoria de imprensa, comunicou apenas que divulgará detalhes das investigações em breve, em nota oficial. Ao todo, a CVM abriu seis processos em nome da JBS neste ano, dois deles nesta semana. (clique aqui)

Ministério Público Federal (MPF) informou nesta sexta-feira (19) que até o momento não foi fechado o acordo de leniência com o Grupo J&F e que está defendendo que a empresa pague o valor de R$ 11,169 bilhões no prazo de 10 anos. (aqui)

Links

Contou duas vezes o impairment

O adeus ao formato mp3 (mais aqui)

Erhard e Jensen: Integridade em finanças

Os 14 delitos de Rodrigo Rato, ex-diretor do FMI

Problema com a privatização das prisões

Vagas: mapas das carreiras

O Guia do Estudante indicou um site interessante com mapas interativos que trazem estatísticas (a partir de dados do próprio site vagas.com) de qualquer profissão.
Quanto ganha o profissional nas diferentes fases de carreira? Quais as formações escolares mais comuns quem trabalha na área? Em que função a maioria já trabalhou e qual o próximo passo mais frequente? Homens são maioria ou trata-se de uma carreira com mais mulheres?
A de contador (existem outras opções mais específicas) apresentou os seguintes dados:

Composição por gêneros: 45% mulheres e 55% homens.

Formação mais frequente: graduação em ciências contábeis

Ocupações anteriores: analista contábil (16%), assistente contábil (6%), auxiliar contábil (7%).

Salários:
Começando - abaixo de R$ 2.800,00
Valor médio - R$ 4.100,00
Experiente - acima de R$ 5.900

Para auditor não foi muito diferente e não há um mapa para professor de contabilidade. Não encontrei muito claramente as áreas no serviço público, até porque é um site que quer te ajudar a arrumar um emprego... Mas ao menos ia dar uma melhorada nesses salários, que não vão atrair muitos candidatos no vestibular. o.O


Para definir um cargo foi levado em consideração que pelo menos 10 pessoas utilizassem uma mesma nomenclatura para uma determinada posição e tivessem conexão com outro cargo. Segundo a esquipe técnica do Vagas.com. Foram suprimidos os níveis profissionais dos cargos, como júnior, pleno e sênior, e I, II e III.

A fonte de dados foi criada com base nos currículos cadastrados por cada usuário (!!!).

House of Cards 2

Todos nós estamos acompanhando as notícias recentes sobre a delação dos executivos da empresa JBS e o envolvimento de pessoas importantes, incluindo o atual presidente da república. Talvez o principal sintoma da relevância das notícias sobre a contabilidade financeira seja o comportamento de ontem do mercado acionário brasileiro. A Bovespa perdeu R$219 bilhões em valor de mercado, depois de meses de crescimento. O índice caiu para 61.597 pontos, sendo a maior queda diária desde 2008. Pior foi o desempenho de algumas empresas: Petrobras, com queda de 15,7%, e JBS, com 9,6%.

Outro efeito foi o aumento do risco Brasil, medido pelo CDS. Este seguro contra calote chegou a 269 pontos no final da tarde de ontem, uma alta de quase 30% em relação ao dia anterior.

De forma mais conservadora, a Standard Poors afirmou que colocou as notas do grupo JF, que inclui JBS e Eldorado Celulose, sob observação. Em até 90 dias a agência de risco deverá apresentar um conclusão.

Como as notícias afetaram as empresas? A incerteza política aumentou o risco político. Empresas que atuam em infra-estrutura deverão perder projetos públicos e algumas privatizações podem ser adiadas. O ambiente de negócios, que melhorou substancialmente com a gestão da economia, também deve ser afetado.

Para as empresas do grupo JF a notícia da delação premiada dos principais executivos foi uma grande surpresa. O cerco sobre o grupo e seus negócios estranhos realizados nos últimos anos parece que foram suficientes para incentivar a denúncia. A Operação Greenfield, que levou a uma multa bilionária, era só o começo. Além disto, a imagem era muito ruim para os investidores. Afinal, a empresa cresceu baseado em operações estranhas. O recente resultado positivo da empresa deveu-se, conforme comentamos aqui, a despesa financeira.

A Petrobras também foi afetada com as notícias. Dois aspectos podem justificar isto. Primeiro, a possibilidade de mudança de gestão com a incerteza política. O atual presidente tem optado por caminhos que agradam ao mercado, enxugando a empresa e tentando melhorar seu desempenho. Segundo, um dos reflexos da crise foi a alta do dólar. Apesar do presidente afirmar que o movimento da moeda estrangeira é positivo para a empresa, só um inocente acreditaria nisto ("Em função da combinação das receitas, que são em dólar, das despesas que você tem uma parte em dólar e uma parte em reais, e da dívida, que a maior parte é em dólar... Quando você faz essa resultante, essa resultante é positiva para a empresa")

Os últimos resultados da empresa dependeram, substancialmente, da redução do dólar, que ajudou na redução do passivo oneroso da empresa.

Mas como sempre, nada que ocorre na JBS chega sem uma grande desconfiança. No caso, rumores dão conta que a empresa comprou moeda estrangeira nos últimos dias, entre 750 milhões de dólares a 1 bilhão. A desvalorização cambial ocorrida ontem fez com que esta compra fosse suficiente para pagar a multa do acordo de leniência da empresa. Além disto, os executivos da empresa venderam 300 milhões de reais em ações da empresa recentemente, o que aumenta seus ganhos.

Espera-se que a CVM ou outro regulador possa investigar estas operações. A CVM já avisou que está acompanhando e monitorando o mercado.

Finalmente é importante destacar que as notícias também tiveram repercussão em outros mercados. A bolsa espanhola fechou em baixa e um dos motivos foi a crise brasileira. As empresa Mapfre, de seguros, e o Banco Santander, foram quem mais perderam.

Rir é o melhor remédio

18 maio 2017

Um dia na vida de um contador: professor de contabilidade

O pessoal do Going Concern começou uma série de postagens muito legal: um dia na vida de um contador. Se o seu inglês estiver bom, clique aqui e confira a postagem na íntegra.

A ideia é dar uma espiada na vida dos contadores lá nos Estados Unidos (e lembra que estão precisando de gente!?)

O primeiro a participar é Alan, um professor que leciona contabilidade financeira intermediária e avançada e IFRS.

Ele geralmente acorda às 5h30 (eu quero saber que horas ele vai dormir, mas não diz) e vai andando para o trabalho. Um dia normal no varia. Depende se é um dia de ensino ou de pesquisa. Em dias de ensino ele começa com forte preparação, muita cafeína, aulas coladas umas nas outras. Os dias de pesquisa se alternam entre coleta de dados, codificação de dados, análise estatística, escrita, edição e tarefas para a preparação de apresentações. Geralmente também incluem muitos diálogos com coautores.

Quando questionado sobre a parte do trabalho dele que mais poderia surpreender as pessoas, ele menciona exercer também um papel de terapeuta, já que alunos na casa dos 20 geralmente lutam com assuntos sérios e não sabem ou não têm os recursos para lidar com aquilo. A parte mais gratificante do trabalho dele é ajudar alunos com metas de carreiras ou acadêmicas que, sem a ajuda dele, o aluno não conseguiria.

Ragi Refrigerantes: Inadimplência e fraude no ICMS

A fabricante do refrigerante Dolly é alvo nesta quinta-feira, 18, de uma operação que investiga fraudes relacionadas ao pagamento de impostos.

Segundo a Secretaria da Fazenda de São Paulo, a Operação Clone mira empresas "de um grande grupo do ramo de bebidas que são suspeitas de inadimplência fraudulenta do ICMS, embaraço de fiscalização e organização de fraude fiscal estruturada".

Fontes com conhecimento do assunto confirmam que trata-se da Ragi Refrigerantes, fabricante dos produtos da marca Dolly.

"Com cerca de R$ 2 bilhões de débitos já inscritos na dívida ativa e autos de infração milionários, as empresas do grupo têm deixado de responder a inúmeros comunicados da Secretaria da Fazenda desde o ano passado e jamais receberam fiscais da pasta para esclarecimentos", diz comunicado divulgado pela secretaria.

A pasta diz também que várias empresas tiveram as inscrições estaduais cassadas pelo Fisco por causa das irregularidades, mas que "há indícios de que elas ainda hoje continuam operando irregularmente, sem inscrição estadual".

O Fisco "também identificou créditos vultosos de impostos relativos a supostas entradas de insumo nunca comprovadas, emitidas por empresas situadas em outras unidades da federação, cujos valores foram objeto de autuações."


Fonte: Aqui

Ibovespa e Circuit Breaker

O principal índice da bolsa paulista retomou o pregão e opera em forte queda nesta quinta-feira (18), após ter os negócios interrompidos pelo circuit breaker, um mecanismo de controle de variação dos índices. Se a queda persistir, os negócios podem ser interrompidos novamente quando a baixa chega a 15%. Desta vez, a paralisação seria de uma hora.

Às 11h19 10h19, o Ibovespa caía 8,23%, a 61.978 pontos.
Às 10h51, a Bovespa caiu 10,47%, a 60.470 pontos, e os negócios foram interrompidos pelo circuit breaker, repercutindo as denúncias da noite passada contra o presidente Michel Temer. Os negócios ficaram suspensos por 30 minutos. O site da Bovespa também saiu do ar. A última vez que isso aconteceu foi em 22 de outubro de 2008, quando a bolsa caiu 10,18%.



O circuit breaker é um mecanismo de controle da variação dos índices. Quando as cotações superam limites estabelecidos de alta ou de baixa, as negociações são interrompidas, para evitar movimentos muito bruscos.

Na Bovespa, o circuit breaker é disparado quando a baixa Ibovespa atinge os 10%. Os negócios são então paralisados por trinta minutos e retomados em seguida. Depois da retomada do pregão, se a queda persistir, os negócios são novamente interrompidos quando a baixa chega a 15%. Desta vez, a paralisação é de uma hora.


As ações preferenciais da Petrobras abriram as negociações desta quinta com queda de 18%. Os títulos do banco Itaú, que possuem o maior peso no índice Ibovespa, também registravam baixa de 18%. Ainda no segmento financeiro, o Bradesco recuava 17%. A própria JBS perdia 14% no mesmo horário.


Na véspera, o Ibovespa caiu 1,67%, a 67.540 pontos, após subir por 6 pregões seguidos, tendo como pano de fundo o cenário externo de aversão a risco diante de preocupações com o governo do presidente norte-americano, Donald Trump, segundo a agência Reuters.

Mais cedo, o Banco Central informou que está monitorando o impacto das informações recentemente divulgadas e que "atuará para manter a plena funcionalidade dos mercados".

A Secretaria do Tesouro Nacional também informou, por meio de nota à imprensa, que "adotará as medidas necessárias para assegurar a plena funcionalidade e a adequada liquidez dos mercados".

Fonte: Aqui

Curso de Contabilidade Básica Comportamento das Vendas

Uma das variáveis mais relevantes de desempenho de uma empresa é o valor das vendas. Para alguns setores, o desempenho das vendas é um termômetro da participação no mercado, da conquista de novos clientes, dos efeitos de uma recessão, entre outros aspectos. O valor das vendas dá também uma dimensão do porte de uma empresa.

De uma maneira geral, o valor das vendas é resultado da quantidade vendida pelo preço de venda. Quando a quantidade e o preço aumentam, as vendas também irão aumentar. Mas quando estas duas variáveis caminham em sentido opostos, a variação no valor das vendas dependerá do tamanho da variação de preço e da quantidade.

No nosso livro “Curso de Contabilidade Básica”, comentamos sobre uma empresa varejista nos capítulos de estoques. Também falamos no capítulo 7 do primeiro volume da receita, como sendo o preço vezes a quantidade.

Em muitas empresas a equação “quantidade vezes preço” não é tão simples, já que existem diferentes produtos. Mesmo assim, é possível ter uma ideia desta relação. Muitas empresas de varejo acompanham este desempenho através do tíquete médio, que corresponde ao valor médio que cada cliente pagou nas suas compras.

Vejamos como exemplo a Guararapes, que é uma varejista de grande porte. Recentemente, ao divulgar suas demonstrações contábeis trimestrais, a empresa divulgou o comportamento do faturamento líquido em milhares de reais para os meses de janeiro a março. No quadro apresentado, ela também divulgou uma informação gerencial: a quantidade de peças vendidas. Como a Guararapes vende roupas, a divisão do faturamento pela quantidade de peças produz o preço médio de venda das peças de roupas da empresa no período. O quadro a seguir foi divulgado pela empresa:
Observe que no trimestre de 2017 o faturamento médio caiu em um terço. É uma queda expressiva. Ao mesmo tempo, a quantidade de peças vendidas manteve-se estável. Isto significa que o cliente da empresa continuou comprando, só que produtos com menor preço de venda.

Com base nas informações apresentadas pela Guararapes:
a) você saberia encontrar um erro cometido pela empresa?
b) você conseguiria encontrar o preço médio de venda de cada peça da empresa?

Links

A Petrobras deverá pagar dividendos em 2017

TCU multa Foster pelos problemas do Comperj / Petrobras

Sobre investimento no Brasil (e os conselheiros) (vídeo)

Número de advérbios por 10 mil palavras

Charada matemática para alunos do primário (?) de Singapura (ao lado)

O caso de insider Sadia-Perdigão

Descobrindo os bons pagadores

Aqui estão as palavras usadas em pedidos de empréstimo por pessoas mais propensas a quitar a dívida: dívida livre, menor taxa de juros, depois de impostos, pagamento mínimo, pós-graduação.

E aqui estão as palavras usadas por aqueles menos propensos a pagar seus empréstimos:
Deus, promessa, vai pagar, obrigado, hospital.

(...) Frases como "taxa de juros mais baixa" ou "depois de impostos" indicam um certo nível de sofisticação financeira na parte do mutuário, por isso não é surpreendente que eles se correlacionam com alguém mais propensos a pagar seu empréstimo de volta. Além disso, se ele ou ela fala sobre realizações positivas, como ser um graduado de faculdade e ser "livre de dívidas", também é provável que pague seus empréstimos.

Agora, vamos considerar a linguagem que sugere que alguém é improvável que pague seus empréstimos. Geralmente, se alguém lhe diz que ele pagará de volta, ele não pagará de volta. Quanto mais firme a promessa, mais provável ele irá quebrá-la. Se alguém escreve "Prometo que vou pagar de volta, então me ajude Deus", ele está entre os menos propensos a pagar de volta. Apelando à sua misericórdia - explicando que ele precisa do dinheiro porque ele tem um parente no "hospital" - também significa que ele é improvável que pague de volta. De fato, mencionar qualquer membro da família - marido, esposa, filho, filha, mãe ou pai - é um sinal que não pagará. Outra palavra que indica padrão é "explicar", ou seja, se as pessoas estão tentando explicar por que eles vão ser capazes de pagar um empréstimo, eles provavelmente não.

Os autores não têm uma teoria de por que agradecer as pessoas é prova de padrão provável.

Alguém que menciona Deus foi 2,2 vezes mais propensos a inadimplência. Este foi um dos únicos indicadores mais altos que alguém não iria pagar de volta.

Mas os autores também acreditam que seu estudo levanta questões éticas.Embora este tenha sido apenas um estudo acadêmico, algumas empresas relatam que usam dados on-line para aprovar empréstimos. Isso é aceitável? Queremos viver em um mundo em que as empresas usam as palavras que escrevemos para prever se devemos pagar um empréstimo? É, no mínimo, assustador - e, possivelmente, assustador.


Fonte: Aqui