Translate

24 maio 2017

Frase

"Eu não gostaria de ser hoje um contador"

Mark Cuban, bilionário e dono do Dallas Maverick, via aqui, falando sobre o efeito da automação no mercado de trabalho. Barry Melancon, do AICPA, respondeu dizendo que é um comentário superficial de quem não entende a profissão.

Messi condenado

O Supremo Tribunal espanhol acaba de condenar Lionel Messi a 21 meses de prisão por fraude fiscal, adianta o El País. De acordo com o jornal espanhol o mais alto órgão judicial espanhol confirmou a sentença de julho passado do Tribunal Provincial de Barcelona, que dava como provados os três delitos fiscais de que Messi estava acusado e que haviam defraudado o Tesouro espanhol em 4,1 milhões de euros durante os exercícios de 2007, 2008 e 2009.

O pai do jogador do Barcelona, Jorge Horacio Messi, condenado com cúmplice. Viu a pena anterior ser reduzida para 15 meses de prisão, sendo aplicada uma atenuante por reparação do dano, uma vez que Messi devolveu à Fazenda espanhola o montante defraudado.

No entanto, e por a pena aplicada ser inferior a dois anos de prisão, o Tribunal Provincial de Barcelona pode decretar a sua suspensão.

Recorde-se que a defesa da família argentina assentava na alegação de que Lionel Messi havia confiado as suas obrigações fiscais ao seu pai e que este havia delegado esta responsabilidade nos seus assessores. No entanto, o tribunal de Barcelona declarou, na sentença, que o jogador havia atuado com “ignorância deliberada”, alegando que “o desconhecimento evitável não é um erro e não pode provocar uma descarga de responsabilidade”.


Fonte: Aqui

Também no futebol

Investigações realizadas na Espanha com a ajuda do FBI, como revelou o Estado, apontam que jogos amistosos da seleção brasileira foram usados para lavar dinheiro e desviar recursos, usando bases no Catar e contas secretas em Andorra. Essa transformação dos jogos da seleção em uma máquina de fazer dinheiro começou na Argentina, com o presidente da Associação de Futebol da Argentina, Julio Grondona, adotando o modelo. A CBF obteve uma cópia dos acordos que a seleção argentina fechou e tentou adotar o mesmo esquema para o Brasil.

Fonte: Aqui

Para se atualizar sobre a JBS

Até as 7 horas de hoje, links para se atualizar sobre JBS

A empresa contratou um grande empresa de advocacia para preparar a defesa nos EUA

Joesly deixa de ser conselheiro das Alpargatas

Oh Loco: Faustão fala de corrupção mas é patrocinado pelo Banco Original (da JBS) (dica do Sérgio Nazaré, grato)

Mais dois processos da CVM

JBS contrata Bradesco BBI para vender ativos

Investidores entram com ação contra a JBS nos Estados Unidos

Janot defende o acordo de delação premiada

Crise política afeta as empresas

Rir é o melhor remédio


23 maio 2017

Citi paga por falha no controle

O Citigroup concordou em pagar 97 milhões de dólares sobre uma investigação de lavagem de dinheiro realizada por correntistas de uma unidade sua, a Banamex. O banco, apesar de desconfiar do volume de dinheiro encaminhado para o México, fruto de lavagem de dinheiro, não fez nada para impedir ou sequer alertou as autoridades. Com o acordo, o banco evita uma acusação criminal.

Segundo a acusação, o Banamex processou mais de 30 milhões de transações, num valor de 8,8 bilhões de dólares, entre 2007 e 2012. O seu sistema de monitoramento emitiu mais de 18 mil alertas de operações suspeitas e isto levou a pelo menos 10 investigações.

Reconhecimento na Pós-graduação

Saiu publicada agora a PORTARIA Nº 656, DE 22 DE MAIO DE 2017, sobre reconhecimento dos cursos de pós-graduação no Brasil. Na área de contabilidade, os cursos reconhecidos, com o nível (ME = mestrado; MP = mestrado profissionalizante; e DO = doutorado) e suas notas (acima de 3 o curso é reconhecido; nota máxima possível = 7)

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - ME - 3
UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ (Administração e Controladoria) ME 4
UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ - Administração e Controladoria MP 4
UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA - UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE - DO 5
UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA - UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE - ME 5
FUCAPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS MP 5
FUCAPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO DO 4
FUCAPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS ME 4
UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO - ME 3
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS - ME - 4
UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - ME - 4
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - ME -4
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - ME - 5
UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - ME - 4
UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - ME - 5
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - ME - 4
UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU - ME - 4
UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU - DO - 4
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - CONTROLADORIA E CONTABILIDADE - ME - 6
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - CONTROLADORIA E CONTABILIDADE - DO - 6
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO/ RIBEIRÃO PRETO - CONTROLADORIA E CONTABILIDADE - ME - 4
CENTRO UNIVERSITÁRIO FECAP - CIENCIAS CONTABEIS - ME - 4
UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE - CONTROLADORIA EMPRESARIAL - ME -4
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - CIENCIAS CONTÁBEIS E ATUARIAIS - ME - 3

Em termos de nota temos USP com nota 6 e a nota cinco foram para o Multi, Fucape, UFRJ, Unisinos.

Quem? Meirelles

Sobre o Henrique Meireles, potencial candidato numa eleição indireta, reproduzo abaixo uma lembrança oportuna do meu eterno mestre, prof. Carlos Alberto Torres, do seu blog Decisões Interativas:


Sobre Henrique Meireles, não custa lembrar que ele hoje é o poderoso ministro da fazenda e da economia do governo Temer; também foi o poderoso presidente do Banco Central durante os dois governos Lula; em março de 2012 assumiu a poderosa presidência da JF Participações.

http://exame.abril.com.br/revista-exame/o-preco-de-henrique-meirelles/amp/;
http://www.revistaforum.com.br/2016/07/01/henrique-meirelles-era-o-todo-poderoso-da-jf-no-periodo-investigado-pela-pf/;
http://agenciabrasil.ebc.com.br/amphtml/politica/noticia/2016-07/meirelles-descarta-ligacao-com-empresas-do-grupo-jbs-friboi;
http://amp.valor.com.br/empresas/2554002/henrique-meirelles-assume-cargo-no-grupo-jf;
http://m.economia.estadao.com.br/noticias/geral,henrique-meirelles-assume-conselho-da-holding-do-jbs-imp-,844104.amp;
https://pt.m.wikipedia.org/wiki/J%26F_Investimentos.

Fico por aqui. Certamente, o buraco é mais embaixo. Meireles, certamente, também, nada sabia sobre as propinas pagas e sobre os empréstimos de pai-para-filho do BNDES às empresas, etc..

Razões para a queda do preço da JBS

As ações da JBS sofreram uma grande queda no mercado acionário na segunda-feira. Por um lado, esta queda é estranha, já que o escândalo político originário da gravação de uma conversa entre seu controlador e o presidente da república era de conhecimento de todos já na quarta-feira da semana passada. Além disto, revelou-se um acordo entre a PGR e o empresário Joasley Batista, bastante favorável a este. E os protestos contra o atual governo não tiveram grande participação popular.

Mas existem algumas possíveis explicações para a redução do valor de mercado para empresa.

Rebaixamento da nota de crédito - a empresa de classificação de risco Moody´s rebaixou a nota da empresa, de Ba2 para Ba3. Geralmente as empresas de ratings são lentas em alterar as notas de uma empresa ou país. A rapidez da ação da Moody´s não altera em nada a vida atual da empresa JBS. Mas poderá ter um efeito futuro ruim, já que aumenta o custo do crédito da empresa. Com a impossibilidade de ter acesso ao fácil dinheiro público de outras épocas, a empresa irá necessitar de recursos, seja para rolar a dívida atual, seja para pagar os processos judiciais que acontecerão no futuro próximo.

Credibilidade - Na medida que fomos conhecendo as teias de operações que eram praxe desta empresa, reduziu-se a sua credibilidade. Os astros globais contratados para passar uma imagem positiva da empresa já anunciaram que estão abandonando os contratos. Ninguém quer ter seu nome associada a uma empresa que comprou políticos para se aproveitar do dinheiro público. Será que o varejo irá continuar negociando a carne Friboi? Certamente isto irá afetar as vendas da empresa. É difícil estimar o valor, mas perder vendas é muito ruim.

Multa - Num primeiro momento, parecia que o acordo foi muito vantajoso para os controladores. Uma multa reduzida e a possibilidade de viver livres, sem qualquer impedimento, nos Estados Unidos. Mas a revelação que o acordo com o Ministério Público não ficou acertado, e que o valor exigido pelo lado da acusação era de R$11 bilhões, deve ter espantado o investidor. A possibilidade de venda de ativos esbarra na falta de potenciais comprados. Além disto, há uma desconfiança de que parte do dinheiro sujo foi usado para comprar empresas no exterior. As entidades reguladoras destes países irão aceitar a possibilidade de ter um grande empregador cujo dinheiro tem sua origem na corrupção de autoridades. A CVM divulgou na sexta-feira de noite que existem cinco processos contra a empresa, que inclui o uso de informação privilegiada. Isto deve complicar a vida da empresa nos próximos meses.

Efeito Manada - outra possível explicação para a perda de 16 bilhões de reais de valor de mercado nos últimos meses por parte da JBS é o efeito manada. Este valor corresponde a uma redução no preço da ação de mais de 31% somente na segunda-feira. Este efeito psicológico é resultado de ordens seguidas de venda - no caso da JBS - em razão da ordem dada por um primeiro investidor. Poucos acreditaram que a empresa, e seus controladores, irão sair desta sem um grande perda: ou a venda de várias unidades em diferentes países, ou o atraso no projeto de oferta de ações nos Estados Unidos ou possíveis danos pelo escândalo. Qualquer que tenha sido o gatilho para o início do efeito manada, o certo é que a redução do preço da ação da empresa foi um dos maiores do mercado brasileiro desde a crise de 2008.

Incerteza - A empresa tinha divulgado recente as demonstrações contábeis do primeiro trimestre. É possível acreditar naqueles números? Mesmo que seja próximos do que ocorreu, como assinou o auditor, serve de base para os próximos meses? Responderia não para as duas perguntas. Os números perderam credibilidade em razão das revelação, para alguns, da forma como a JBS fazia negócios. Se eles compravam deputados com notas frias, será que a contabilidade também não está contaminada com este esquema. A segunda questão diz respeito ao que irá ocorrer com a empresa nos próximos meses. Como comentamos no item da credibilidade, alguns brasileiros podem ter boa memória e no momento de escolher o produto que comprar num supermercado não irão ser induzidos pelo Tony Ramos ou Ana Maria Braga.

Homo Heuristicus: mentes enviesdas podem tomar decisões certas

Resumo:

Heuristics are efficient cognitive processes that ignore information. In contrast to the widely held view that less processing reduces accuracy, the study of heuristics shows that less information, computation, and time can in fact improve accuracy. We review the major progress made so far: (a) the discovery of less-is-more effects; (b) the study of the ecological rationality of heuristics, which examines in which environments a given strategy succeeds or fails, and why; (c) an advancement from vague labels to computational models of heuristics; (d) the development of a systematic theory of heuristics that identifies their building blocks and the evolved capacities they exploit, and views the cognitive system as relying on an ‘‘adaptive toolbox;’’ and (e) the development of an empirical methodology that accounts for individual differences, conducts competitive tests, and has provided evidence for people’s adaptive use of heuristics. Homo heuristicus has a biased mind and ignores part of the available information, yet a biased mind can handle uncertainty more efficiently and robustly than an unbiased mind relying on more resource-intensive and general-purpose processing strategies.

Rir é o melhor remédio


22 maio 2017

Braskem atrasa balanços

Segundo o G1

A petroquímica Braskem informou nesta sexta-feira (19) que não conseguiu entregar seu relatório anual de 2016 ao órgão regulador do mercado de capitais norte-americano, a Securities and Exchange Commission (SEC).

A empresa, que é controlada pelos irmãos Batista e a Petrobras, terá seis meses, a partir do dia 16, para entregar as informações. A empresa divulgou no dia 16 informações sobre seus resultados, mas sem o parecer do auditor.

Abacus: pequeno demais

A crise de 2008 exigiu que o governo dos Estados Unidos fizesse um resgate de 700 bilhões de dólares para salvar o sistema financeiro. Algumas poucas instituições financeiras se salvaram, mas somente um banco foi indiciado por acusações de fraude em relação as hipotecas imobiliárias: o Abacus Federal Savings Bank. Eu passei a conhecer o Abacus a partir da descrição de um filme que conta a história do Abacus.

O Abacus é um pequeno banco de propriedade familiar, que atua em Chinatown, Nova Iorque. O indiciamento do Abacus ocorreu em 2012, com acusações de fraude. Até então, o Abacus era uma instituição confiável para os imigrantes chineses, dirigida por Thomas Sung. Agora um documentário conta a luta do banco contra as acusações do New York County District Attorney's Office com um título muito oportuno: "Abacus: Small Enough to Jail" de Steve James. O filme foca na luta judicial entre o Abacus e a justiça. Ao contrário das grandes instituições bancárias, como o Citibank, que eram grandes demais para falir, o julgamento do Abacus era uma tentativa do seu executivo de limpar seu nome, que conseguiu em 2015.

A seguir o trailer do documentário.

Links

Como o cérebro reagem a corrupção

5 tendências em tecnologia e seu efeito na contabilidade

Como a informação transformou a indústria da música

Filho processa pai: não lhe dá dinheiro (e o filho gastou 1,8 milhão de euros em um mês)

Quando se julga a desigualdade, o que vale é o sistema como um todo, não casos isolados

WannaCry: estudo de caso sobre a divulgação de vulnerabilidades 

20 maio 2017

Links

A relação entre política brasileira e memes (tem até museu de memes)

Vilão das redes sociais para saúde dos jovens é na ordem Instagram, ...

Manipulação de fotos de Luísa Azevedo (ao lado) 

O som e a música de Blade Runner de Vangelis

Novo mercado morreu?

Fato da Semana: JBS

Fato: JBS

Data: 17 de maio

Contextualização
O acordo de delação por parte dos controladores da JBS produziu graves denúncias para o atual presidente e os dois ex-presidentes. A JBS era sempre vista com desconfiança pela forma como cresceu: rápido demais, com dinheiro público ou de entidades vinculadas ao governo (fundos de pensão, inclusive). Durante anos existiram comentários sobre a existência de um sócio oculto na empresa para explicar o fácil acesso da empresa ao nosso dinheiro.

A denúncia afetou a bolsa, o risco brasil, o câmbio e terá efeitos sobre a empresa JBS e outras empresas vinculadas. Mas também mostrou que os controladores da empresa se aproveitam de todas brechas para obterem lucro: a denúncia de que compraram dólar e venderam ações da empresa antes do vazamento mostra com quem as entidades de controle estão lidando.

Relevância
A delação do controlador da JBS esclarece muitas coisas que ocorreram no Brasil nos últimos anos, incluindo a expansão rápida da sua empresa.

Em termos atuais, poderá atrasar diversas reformas, colocar em risco o atual governo, levar a falência a JBS (ou provocar sua internacionalização), mudar a estrutura de poder, agilizar/atrasar as investigações em curso, entre outras coisas.

Para o futuro de longo prazo, poderá ser uma oportunidade para o país rever a forma de capitalismo que queremos.

Notícia boa para contabilidade?
Na semana este blog fez uma análise das demonstrações contábeis da empresa, que foram auditadas e aprovadas em diversas instâncias. Além disto, a empresa está classificada no Novo Mercado

A delação não esclarece todas as dúvidas. Mas os dados contábeis eram claros em mostrar o crescimento exagerado da empresa e sua estrutura de capital, dependente do dinheiro público.

Desdobramentos
A CVM irá mover processo por insider trading; será difícil o atual presidente terminar seu mandato; as reformas irão atrasar mais ainda; mas não haverá investigação dos auditores responsáveis pela JBS.

Mas a semana só teve isto?
A questão do desemprego do setor seria a notícia alternativa da semana.

Rir é o melhor remédio

Corrupção no Brasil:
Fonte: Aqui

19 maio 2017

House of Cards 2.1

Atualizando a postagem de manhã:

A JBS confirma, em nota à imprensa, que as movimentações realizadas pela companhia nos últimos dias no mercado de câmbio seguem alinhadas à sua política de gestão de riscos e proteção financeira. (clique aqui)

No site da CVM, consta apenas a informação de abertura de dois processos nos últimos dois dias - um na quarta-feira, 17, e outro ontem, 18. A autarquia não informa o motivo da abertura dos processos. Por meio da sua assessoria de imprensa, comunicou apenas que divulgará detalhes das investigações em breve, em nota oficial. Ao todo, a CVM abriu seis processos em nome da JBS neste ano, dois deles nesta semana. (clique aqui)

Ministério Público Federal (MPF) informou nesta sexta-feira (19) que até o momento não foi fechado o acordo de leniência com o Grupo J&F e que está defendendo que a empresa pague o valor de R$ 11,169 bilhões no prazo de 10 anos. (aqui)

Links

Contou duas vezes o impairment

O adeus ao formato mp3 (mais aqui)

Erhard e Jensen: Integridade em finanças

Os 14 delitos de Rodrigo Rato, ex-diretor do FMI

Problema com a privatização das prisões

Vagas: mapas das carreiras

O Guia do Estudante indicou um site interessante com mapas interativos que trazem estatísticas (a partir de dados do próprio site vagas.com) de qualquer profissão.
Quanto ganha o profissional nas diferentes fases de carreira? Quais as formações escolares mais comuns quem trabalha na área? Em que função a maioria já trabalhou e qual o próximo passo mais frequente? Homens são maioria ou trata-se de uma carreira com mais mulheres?
A de contador (existem outras opções mais específicas) apresentou os seguintes dados:

Composição por gêneros: 45% mulheres e 55% homens.

Formação mais frequente: graduação em ciências contábeis

Ocupações anteriores: analista contábil (16%), assistente contábil (6%), auxiliar contábil (7%).

Salários:
Começando - abaixo de R$ 2.800,00
Valor médio - R$ 4.100,00
Experiente - acima de R$ 5.900

Para auditor não foi muito diferente e não há um mapa para professor de contabilidade. Não encontrei muito claramente as áreas no serviço público, até porque é um site que quer te ajudar a arrumar um emprego... Mas ao menos ia dar uma melhorada nesses salários, que não vão atrair muitos candidatos no vestibular. o.O


Para definir um cargo foi levado em consideração que pelo menos 10 pessoas utilizassem uma mesma nomenclatura para uma determinada posição e tivessem conexão com outro cargo. Segundo a esquipe técnica do Vagas.com. Foram suprimidos os níveis profissionais dos cargos, como júnior, pleno e sênior, e I, II e III.

A fonte de dados foi criada com base nos currículos cadastrados por cada usuário (!!!).

House of Cards 2

Todos nós estamos acompanhando as notícias recentes sobre a delação dos executivos da empresa JBS e o envolvimento de pessoas importantes, incluindo o atual presidente da república. Talvez o principal sintoma da relevância das notícias sobre a contabilidade financeira seja o comportamento de ontem do mercado acionário brasileiro. A Bovespa perdeu R$219 bilhões em valor de mercado, depois de meses de crescimento. O índice caiu para 61.597 pontos, sendo a maior queda diária desde 2008. Pior foi o desempenho de algumas empresas: Petrobras, com queda de 15,7%, e JBS, com 9,6%.

Outro efeito foi o aumento do risco Brasil, medido pelo CDS. Este seguro contra calote chegou a 269 pontos no final da tarde de ontem, uma alta de quase 30% em relação ao dia anterior.

De forma mais conservadora, a Standard Poors afirmou que colocou as notas do grupo JF, que inclui JBS e Eldorado Celulose, sob observação. Em até 90 dias a agência de risco deverá apresentar um conclusão.

Como as notícias afetaram as empresas? A incerteza política aumentou o risco político. Empresas que atuam em infra-estrutura deverão perder projetos públicos e algumas privatizações podem ser adiadas. O ambiente de negócios, que melhorou substancialmente com a gestão da economia, também deve ser afetado.

Para as empresas do grupo JF a notícia da delação premiada dos principais executivos foi uma grande surpresa. O cerco sobre o grupo e seus negócios estranhos realizados nos últimos anos parece que foram suficientes para incentivar a denúncia. A Operação Greenfield, que levou a uma multa bilionária, era só o começo. Além disto, a imagem era muito ruim para os investidores. Afinal, a empresa cresceu baseado em operações estranhas. O recente resultado positivo da empresa deveu-se, conforme comentamos aqui, a despesa financeira.

A Petrobras também foi afetada com as notícias. Dois aspectos podem justificar isto. Primeiro, a possibilidade de mudança de gestão com a incerteza política. O atual presidente tem optado por caminhos que agradam ao mercado, enxugando a empresa e tentando melhorar seu desempenho. Segundo, um dos reflexos da crise foi a alta do dólar. Apesar do presidente afirmar que o movimento da moeda estrangeira é positivo para a empresa, só um inocente acreditaria nisto ("Em função da combinação das receitas, que são em dólar, das despesas que você tem uma parte em dólar e uma parte em reais, e da dívida, que a maior parte é em dólar... Quando você faz essa resultante, essa resultante é positiva para a empresa")

Os últimos resultados da empresa dependeram, substancialmente, da redução do dólar, que ajudou na redução do passivo oneroso da empresa.

Mas como sempre, nada que ocorre na JBS chega sem uma grande desconfiança. No caso, rumores dão conta que a empresa comprou moeda estrangeira nos últimos dias, entre 750 milhões de dólares a 1 bilhão. A desvalorização cambial ocorrida ontem fez com que esta compra fosse suficiente para pagar a multa do acordo de leniência da empresa. Além disto, os executivos da empresa venderam 300 milhões de reais em ações da empresa recentemente, o que aumenta seus ganhos.

Espera-se que a CVM ou outro regulador possa investigar estas operações. A CVM já avisou que está acompanhando e monitorando o mercado.

Finalmente é importante destacar que as notícias também tiveram repercussão em outros mercados. A bolsa espanhola fechou em baixa e um dos motivos foi a crise brasileira. As empresa Mapfre, de seguros, e o Banco Santander, foram quem mais perderam.

Rir é o melhor remédio

18 maio 2017

Um dia na vida de um contador: professor de contabilidade

O pessoal do Going Concern começou uma série de postagens muito legal: um dia na vida de um contador. Se o seu inglês estiver bom, clique aqui e confira a postagem na íntegra.

A ideia é dar uma espiada na vida dos contadores lá nos Estados Unidos (e lembra que estão precisando de gente!?)

O primeiro a participar é Alan, um professor que leciona contabilidade financeira intermediária e avançada e IFRS.

Ele geralmente acorda às 5h30 (eu quero saber que horas ele vai dormir, mas não diz) e vai andando para o trabalho. Um dia normal no varia. Depende se é um dia de ensino ou de pesquisa. Em dias de ensino ele começa com forte preparação, muita cafeína, aulas coladas umas nas outras. Os dias de pesquisa se alternam entre coleta de dados, codificação de dados, análise estatística, escrita, edição e tarefas para a preparação de apresentações. Geralmente também incluem muitos diálogos com coautores.

Quando questionado sobre a parte do trabalho dele que mais poderia surpreender as pessoas, ele menciona exercer também um papel de terapeuta, já que alunos na casa dos 20 geralmente lutam com assuntos sérios e não sabem ou não têm os recursos para lidar com aquilo. A parte mais gratificante do trabalho dele é ajudar alunos com metas de carreiras ou acadêmicas que, sem a ajuda dele, o aluno não conseguiria.

Ragi Refrigerantes: Inadimplência e fraude no ICMS

A fabricante do refrigerante Dolly é alvo nesta quinta-feira, 18, de uma operação que investiga fraudes relacionadas ao pagamento de impostos.

Segundo a Secretaria da Fazenda de São Paulo, a Operação Clone mira empresas "de um grande grupo do ramo de bebidas que são suspeitas de inadimplência fraudulenta do ICMS, embaraço de fiscalização e organização de fraude fiscal estruturada".

Fontes com conhecimento do assunto confirmam que trata-se da Ragi Refrigerantes, fabricante dos produtos da marca Dolly.

"Com cerca de R$ 2 bilhões de débitos já inscritos na dívida ativa e autos de infração milionários, as empresas do grupo têm deixado de responder a inúmeros comunicados da Secretaria da Fazenda desde o ano passado e jamais receberam fiscais da pasta para esclarecimentos", diz comunicado divulgado pela secretaria.

A pasta diz também que várias empresas tiveram as inscrições estaduais cassadas pelo Fisco por causa das irregularidades, mas que "há indícios de que elas ainda hoje continuam operando irregularmente, sem inscrição estadual".

O Fisco "também identificou créditos vultosos de impostos relativos a supostas entradas de insumo nunca comprovadas, emitidas por empresas situadas em outras unidades da federação, cujos valores foram objeto de autuações."


Fonte: Aqui

Ibovespa e Circuit Breaker

O principal índice da bolsa paulista retomou o pregão e opera em forte queda nesta quinta-feira (18), após ter os negócios interrompidos pelo circuit breaker, um mecanismo de controle de variação dos índices. Se a queda persistir, os negócios podem ser interrompidos novamente quando a baixa chega a 15%. Desta vez, a paralisação seria de uma hora.

Às 11h19 10h19, o Ibovespa caía 8,23%, a 61.978 pontos.
Às 10h51, a Bovespa caiu 10,47%, a 60.470 pontos, e os negócios foram interrompidos pelo circuit breaker, repercutindo as denúncias da noite passada contra o presidente Michel Temer. Os negócios ficaram suspensos por 30 minutos. O site da Bovespa também saiu do ar. A última vez que isso aconteceu foi em 22 de outubro de 2008, quando a bolsa caiu 10,18%.



O circuit breaker é um mecanismo de controle da variação dos índices. Quando as cotações superam limites estabelecidos de alta ou de baixa, as negociações são interrompidas, para evitar movimentos muito bruscos.

Na Bovespa, o circuit breaker é disparado quando a baixa Ibovespa atinge os 10%. Os negócios são então paralisados por trinta minutos e retomados em seguida. Depois da retomada do pregão, se a queda persistir, os negócios são novamente interrompidos quando a baixa chega a 15%. Desta vez, a paralisação é de uma hora.


As ações preferenciais da Petrobras abriram as negociações desta quinta com queda de 18%. Os títulos do banco Itaú, que possuem o maior peso no índice Ibovespa, também registravam baixa de 18%. Ainda no segmento financeiro, o Bradesco recuava 17%. A própria JBS perdia 14% no mesmo horário.


Na véspera, o Ibovespa caiu 1,67%, a 67.540 pontos, após subir por 6 pregões seguidos, tendo como pano de fundo o cenário externo de aversão a risco diante de preocupações com o governo do presidente norte-americano, Donald Trump, segundo a agência Reuters.

Mais cedo, o Banco Central informou que está monitorando o impacto das informações recentemente divulgadas e que "atuará para manter a plena funcionalidade dos mercados".

A Secretaria do Tesouro Nacional também informou, por meio de nota à imprensa, que "adotará as medidas necessárias para assegurar a plena funcionalidade e a adequada liquidez dos mercados".

Fonte: Aqui

Curso de Contabilidade Básica Comportamento das Vendas

Uma das variáveis mais relevantes de desempenho de uma empresa é o valor das vendas. Para alguns setores, o desempenho das vendas é um termômetro da participação no mercado, da conquista de novos clientes, dos efeitos de uma recessão, entre outros aspectos. O valor das vendas dá também uma dimensão do porte de uma empresa.

De uma maneira geral, o valor das vendas é resultado da quantidade vendida pelo preço de venda. Quando a quantidade e o preço aumentam, as vendas também irão aumentar. Mas quando estas duas variáveis caminham em sentido opostos, a variação no valor das vendas dependerá do tamanho da variação de preço e da quantidade.

No nosso livro “Curso de Contabilidade Básica”, comentamos sobre uma empresa varejista nos capítulos de estoques. Também falamos no capítulo 7 do primeiro volume da receita, como sendo o preço vezes a quantidade.

Em muitas empresas a equação “quantidade vezes preço” não é tão simples, já que existem diferentes produtos. Mesmo assim, é possível ter uma ideia desta relação. Muitas empresas de varejo acompanham este desempenho através do tíquete médio, que corresponde ao valor médio que cada cliente pagou nas suas compras.

Vejamos como exemplo a Guararapes, que é uma varejista de grande porte. Recentemente, ao divulgar suas demonstrações contábeis trimestrais, a empresa divulgou o comportamento do faturamento líquido em milhares de reais para os meses de janeiro a março. No quadro apresentado, ela também divulgou uma informação gerencial: a quantidade de peças vendidas. Como a Guararapes vende roupas, a divisão do faturamento pela quantidade de peças produz o preço médio de venda das peças de roupas da empresa no período. O quadro a seguir foi divulgado pela empresa:
Observe que no trimestre de 2017 o faturamento médio caiu em um terço. É uma queda expressiva. Ao mesmo tempo, a quantidade de peças vendidas manteve-se estável. Isto significa que o cliente da empresa continuou comprando, só que produtos com menor preço de venda.

Com base nas informações apresentadas pela Guararapes:
a) você saberia encontrar um erro cometido pela empresa?
b) você conseguiria encontrar o preço médio de venda de cada peça da empresa?

Links

A Petrobras deverá pagar dividendos em 2017

TCU multa Foster pelos problemas do Comperj / Petrobras

Sobre investimento no Brasil (e os conselheiros) (vídeo)

Número de advérbios por 10 mil palavras

Charada matemática para alunos do primário (?) de Singapura (ao lado)

O caso de insider Sadia-Perdigão

Descobrindo os bons pagadores

Aqui estão as palavras usadas em pedidos de empréstimo por pessoas mais propensas a quitar a dívida: dívida livre, menor taxa de juros, depois de impostos, pagamento mínimo, pós-graduação.

E aqui estão as palavras usadas por aqueles menos propensos a pagar seus empréstimos:
Deus, promessa, vai pagar, obrigado, hospital.

(...) Frases como "taxa de juros mais baixa" ou "depois de impostos" indicam um certo nível de sofisticação financeira na parte do mutuário, por isso não é surpreendente que eles se correlacionam com alguém mais propensos a pagar seu empréstimo de volta. Além disso, se ele ou ela fala sobre realizações positivas, como ser um graduado de faculdade e ser "livre de dívidas", também é provável que pague seus empréstimos.

Agora, vamos considerar a linguagem que sugere que alguém é improvável que pague seus empréstimos. Geralmente, se alguém lhe diz que ele pagará de volta, ele não pagará de volta. Quanto mais firme a promessa, mais provável ele irá quebrá-la. Se alguém escreve "Prometo que vou pagar de volta, então me ajude Deus", ele está entre os menos propensos a pagar de volta. Apelando à sua misericórdia - explicando que ele precisa do dinheiro porque ele tem um parente no "hospital" - também significa que ele é improvável que pague de volta. De fato, mencionar qualquer membro da família - marido, esposa, filho, filha, mãe ou pai - é um sinal que não pagará. Outra palavra que indica padrão é "explicar", ou seja, se as pessoas estão tentando explicar por que eles vão ser capazes de pagar um empréstimo, eles provavelmente não.

Os autores não têm uma teoria de por que agradecer as pessoas é prova de padrão provável.

Alguém que menciona Deus foi 2,2 vezes mais propensos a inadimplência. Este foi um dos únicos indicadores mais altos que alguém não iria pagar de volta.

Mas os autores também acreditam que seu estudo levanta questões éticas.Embora este tenha sido apenas um estudo acadêmico, algumas empresas relatam que usam dados on-line para aprovar empréstimos. Isso é aceitável? Queremos viver em um mundo em que as empresas usam as palavras que escrevemos para prever se devemos pagar um empréstimo? É, no mínimo, assustador - e, possivelmente, assustador.


Fonte: Aqui

Rir é o melhor remédio



17 maio 2017

Limpeza na Fifa

A entidade que dirige o futebol no mundo foi tema de manchetes pelos problemas financeiros, envolvendo corrupção, compra de votos e outros pecados mais. Recentemente, o comando da entidade, a Fifa, foi trocado, com a eleição do italiano Infantino. Junto com as mudanças, trocou-se o auditor, já que durante 16 anos a KPMG não tinha notado o que estava ocorrendo na entidade. No seu lugar, contratou-se a PwC.

Uma notícia do Inside World Football mostra como é difícil limpar uma cultura de práticas desonestas. Um dirigente da entidade, Fatma Samoura, secretária-geral, foi pega fazendo o que não deve (na foto, com Clooney e uma colega, no lado direito). No caso, a Fifa contratou uma empresa de limpeza de serviço, a SCJ, para limpar a casa de Fatma, a um custo de 28 mil francos suíços. A limpeza ocorreria cinco vezes por semana, durante duas horas por dia. A descoberta da travessura foi do novo auditor. O Inside revela que a PwC fez um acerto com Fatma: pagou-se para Fifa o dinheiro usado indevidamente e a PwC não revelou o problema na auditoria de 2016.

Parece pouco, mas a Fifa tem realizado uma campanha para dizer que agora a entidade mudou, que os problemas de fraudes são coisas do passado. Além disto, Fatma ocupa um cargo importante na entidade.

Links

Mercados de água

KPMG é multada na Espanha

Aprendendo história pelos filmes de Hollywood

Grafologia não é uma ciência

Executivo da Volks investigado por manipulação do mercado

10 jogos que inspiraram o mundo dos videos-games

Rir é o melhor remédio


16 maio 2017

Links

Eldorado Celulose anuncia o atraso na publicação das demonstrações contábeis do primeiro trimestre de 2017

Sharapova não irá ganhar o Wild Card para o aberto da França: sem privilégio para que está voltando de um doping

Entrevista com Jobs com 26 anos

Cartazes soviéticos contra a bebida...

... e as capas de discos na Iugoslávia

Mais um jogador acusado de fraude fiscal na Espanha

Mercado de Trabalho da contabilidade

O Ministério do Trabalho divulgou os dados do emprego formal, conforme o Caged. Como é praxe, o blog Contabilidade Financeira fez um acompanhamento do desempenho no setor contábil, incluindo os escriturários, técnicos, contadores e auditores. Se na economia as notícias são que o admitidos superaram os demitidos, indicando contratações, o mesmo não ocorreu na área contábil.
Em abril de 2017 foram admitidos 7.361 empregados e demitidos 8.045. Isto significa uma variação negativa de postos de trabalho de 684. Em termos acumulados, desde janeiro de 2014, são 34.134 postos reduzidos no período. De 2015 até abril de 2017 somente três meses o número de contratações superou ao de demissões: janeiro de 2015, outubro de 2016 e janeiro de 2017. É bem verdade que abril de 2017 foi bem melhor que abril de 2016 (menos 2.623) ou abril de 2015 (menos 940). E que o número do mês divulgado é o melhor desde janeiro de 2016 (excetuando o primeiro mês deste ano, que foi positivo). A pergunta que fica: começamos uma recuperação de postos de trabalho no setor contábil? O fato do número de demitidos ter sido o segundo menor da série pode ser um sinal disto.

Em termos salariais, os admitidos foram contratados por R$2.250 em média e o demitidos recebiam R$2.826, uma diferença acima de 25%. Esta diferença, por sinal, é a terceira maior desde janeiro de 2014. Os demitidos tinham, em média, três anos de carteira assinada, um número elevado para o setor, e 32,42 anos de idade.

A movimentação do mercado formal de trabalho do setor mostra que os valores negativos estão concentrados nos contadores e auditores, com 530, negativos. Finalmente, 69% das demissões foram sem justa causa, indicando uma tendência de redução.

JBS e o câmbio

A JBS divulgou o resultado do primeiro trimestre de 2017. Com uma receita líquida de 38 bilhões de reais, um valor menor que no período anterior, a empresa conseguiu um lucro de R$486 milhões, mostrando uma margem líquida reduzida. É bem verdade que no mesmo período de 2016 o resultado foi um prejuízo de R$2,64 bilhões. A empresa conseguiu reduzir os custos dos produtos vendidos, mas isto não foi suficiente para gerar caixa com as atividades operacionais.

Mas a grande diferença ocorreu nas despesas financeiras, que caiu R$6 bilhões. Uma redução tão significativa pode ter três possíveis explicações. A primeira é a redução do volume de empréstimos e financiamentos; a segunda, é a redução da taxa de juros. A terceira razão, associada a segunda, é a alteração ocorrida em algum indexador ou na taxa de câmbio. Vamos detalhar cada um destes aspectos.

Volume - A empresa afirma que possuía, ao final do primeiro trimestre, 48 bilhões de reais de dívida líquida. Este número não é muito diferente do ano passado, quando o valor era de R$47 bilhões ao final de março de 2016. Neste valor está incluso o disponível, sendo necessário retirar os recursos em caixa e equivalentes. Assim, a dívida bruta da empresa era de 56,3 bilhões em 31 de março de 2016 e 58,6 bilhões agora, no final de março. Isto significa 4% a mais, algo próximo a inflação do período. O que queremos mostrar é que não ocorreu uma grande variação no volume de passivo que gera despesa financeira, o que leva a excluir esta explicação.

Taxa de Juros - A taxa de juros dos empréstimos e financiamentos pode ser uma outra possível explicação para a redução da despesa financeira. Conhecendo as notícias recentes sobre a empresa, sabemos que durante anos as instituições financeiras de fomento brasileiras apoiaram fortemente a empresa, com empréstimos generosos e subsidiados. Mas estamos em 2017, onde a liberação de uma empréstimo deste tipo certamente chamaria a atenção. De qualquer forma, analisei detalhadamente a relação de empréstimos constante da nota explicativa 14 e não percebi nenhuma grande variação em relação ao ano anterior, exceto pelo aumento na linha de financiamento chamada “Term loan JBS Lux 2022”, que aumentou de 3,8 bilhões para 8,7 bilhões.

Indexador ou Taxa de Câmbio - Uma possibilidade é a mudança em algum indexador que tenha beneficiado a empresa. Isto inclui, por exemplo, a variação da taxa de câmbio no período. Esta é uma possibilidade interessante, já que o câmbio no final de março de 2016 era de 3,56 e um ano depois mudou para 3,17, uma redução de 10% aproximadamente. E isto afeta cerca de metade da dívida da empresa. Entretanto, é bom lembrar que o câmbio é um aspecto da despesa financeira; ainda devemos levar em consideração a taxa de juros. Assim, não basta multiplicar 10% por 27 bilhões, o valor da dívida em moeda estrangeira no início do trimestre, para se ter o efeito do câmbio sobre a despesa financeira.

É interessante notar que no primeiro trimestre de 2016 a empresa informou, num quadro (nota explicativa 23) que o resultado da despesa financeira era decorrente do resultado financeiro com derivativos. Na divulgação deste ano, este quadro não aparece. Ficamos sem saber se isto influenciou ou não o desempenho.

De qualquer forma, o desempenho da empresa medido pelo lucro líquido foi decorrente, da redução expressiva da despesa financeira, parcialmente explicada pelo comportamento da taxa de câmbio. (E pela decisão de não provisionar os efeitos da operação Carne-Fraca)

Rir é o melhor remédio


15 maio 2017

Recurso mais valioso do mundo

Uma nova commodity gera uma indústria lucrativa, de rápido crescimento, levando os reguladores antitruste a intervir para conter aqueles que a controlam. Há um século o recurso em questão era o petróleo. Agora preocupações semelhantes estão sendo levantadas pelos gigantes que lidam com dados, o petróleo da era digital. Estes titãs - Alphabet (empresa-mãe do Google), Amazon, Apple, Facebook e Microsoft são as cinco mais valiosas empresas listadas no mundo. Seus lucros estão aumentando: elas coletivamente acumularam mais de US $ 25 bilhões em lucro líquido no primeiro trimestre de 2017. Amazon captura metade de todos os dólares de gastos online na América. Google e Facebook representaram quase todo o crescimento de receita na publicidade digital na América no ano passado.

Continue lendo aqui

Onde a Bolsa investe?

Nas demonstrações contábeis do primeiro trimestre, a B3 (ex-BM&FBOVESPA) revelou ter 14 milhões investidos em aplicações financeiras e títulos e valores mobiliários. Mas aonde a Bolsa investe o dinheiro da entidade? A resposta na nota explicativa:

A resposta: em fundos de investimentos, atrelados ao CDI. Estranho? Ou seria mais estranho se a B3 investisse em ações?

Itaú indica auditor

O Banco Itaú adquiriu a XP. O Valor Econômico fez uma entrevista com o CEO da XP, Benchimol. Num trechos temos o seguinte dialógo entre o jornal e Benchimol:

Valor: Ouvimos que o controle de risco da XP ficará com o Itaú.
Benchimol: A única governança combinada com o Itaú é que hoje temos sete membros no conselho, quatro nossos e três da GA e da Dynamo. Aprovando Cade e Banco Central, passam a ser quatro nossos, um da GA e da Dynamo e dois do Itaú. E o Itaú tem direito a indicar o auditor interno.

Valor: Uma pessoa que vai comandar essa área?
Benchimol: Uma pessoa que é executiva nossa e que reporta ao comitê de auditoria, do qual o Itaú tem maioria, e ao CEO.

Valor: O que fica sob o auditor?
Benchimol: O risco estrutural. Essa é a garantia de que teremos por trás da credibilidade do Itaú.

Valor: Controla o compliance?
Benchimol: É contabilidade, balanço. Não tem interferência na gestão do negócio. Ele indica onde estão as brechas, como a gente indica isso no comitê de auditoria e como o comitê fecha essas brechas. É positivo.


Interessante que no processo deixaram claro que haveria independência para os atuais gestores. Mas a indicação do auditor por parte do Itaú é um sinal de que haverá um controle sobre o que é feito na XP, até sua incorporação definitiva pelo Itaú.

Links

Música moderna está ficando mais repetitiva

E se um livro representasse cada país do mundo? O Brasil seria...

Disparidade de gênero na publicação científica

Kasparov conversa com Tyler Cowen

É necessário aprender programação para aprender estatística?

Um parceiro da Toshiba tenta impedir a venda da fábrica de chips

Rir é o melhor remédio


Fonte: Aqui

14 maio 2017

Cortem-lhe a cabeça!

Um contador morre e uma das suposições é que alguém queria calá-lo por causa de coisas que ele sabia.

... se a moda pega.






Cenas da série Bones, temporada 5, episódio 22

Corrupção no Futebol também ocorre na Alemanha

O livro “Football Leaks: The Dirty Business of Football”, baseado nas investigações dos jornalistas Michael Wulzinger e Rafael Buschmann, do jornal Der Spiegel, revela detalhes sobre o poder exercido pelos agentes nas transferências dos jogadores.

Ontem, a FIFA confirmou que estava a investigar o caso denunciado pelo livro sobre a transferência de Pogba, e hoje, o The Sun revela pormenores até agora desconhecidos, da transferência de Roberto Firmino para o Liverpool, em 2015.

O avançado brasileiro, de 25 anos, juntou-se aos Reds, depois de quatro anos a jogar com a camisola do Hoffenheim. No verão de 2015, a transferência terá custado 34 milhões de euros.

Mas, de acordo com o livro, cerca de 7 milhões de euros terão ficado no lado alemão, e 27 milhões de euros foram pagos à empresa Transfair, detida por Dietmar Hopp, dono do Hoffenheim.


Fonte: Aqui

Fato da Semana: Recuperação da Petrobras?

Fato: Recuperação da Petrobras?

Data: 11 de maio

Contextualização 
Nos últimos meses a divulgação do resultado da Petrobras tem sido destaque. Um dos alvos da investigação de corrupção no Brasil, a empresa tenta se recuperar.

Os últimos resultados foram ruins, em razão da redução do valor de alguns ativos. Na quinta a empresa divulgou finalmente um resultado positivo. E sem grandes baixas contábeis.

Relevância
A divulgação do resultado da empresa marca o início da recuperação? Tudo indica que sim. O problema da dívida ainda não foi resolvido, mas a empresa, de forma consistente, está conseguindo gerar fluxo das operações.

O resultado apresentado foi ajudado pelo câmbio, que ajudou a reduzir a dívida e não comprometeu o resultado financeiro. Mas a empresa precisa cuidar do volume do caixa, que sofreu uma grande redução nos últimos meses.

Notícia boa para contabilidade?
Sim. A divulgação foi vista como um retrato da empresa, que afinal é o objetivo da contabilidade.

Desdobramentos
Talvez a diretoria atual da empresa tenha um prazo de validade, de menos de dois anos. O novo presidente da república, que será eleito em 2018, pode mudar a atual gestão. A empresa está preparada?

Mas a semana só teve isto?
Além da Petrobras, outras empresas divulgaram seus resultados.

10 pequenas coisas para fazer e se tornar mais inteligente



1. Seja mais inteligente quanto ao seu tempo online: Todo intervalo online não precisa ser gasto checando mídias sociais e suprindo a sua quota diária de imagens de animais fofos. A Web também é cheia de ótimas referências como cursos virtuais (Coursera, por ex.), palestras TED intrigantes, ferramentas de enriquecimento de vocabulário. Troque alguns minutos de cachorros skatistas por algo mais mentalmente nutritivo.

2. Escreva o que você aprende:
Não precisa ser bonito ou longo, mas tirar alguns minutos do dia para refletir de forma escrita sobre o que você aprendeu é uma forma de aumentar o seu potencial neural.

3. Faça uma lista “feito”: Uma grande parte da inteligência diz respeito à confiança e felicidade, então melhore ambos ao pausar e fazer uma lista não das coisas a serem feitas, mas sim das que você já concluiu.

4. Pegue as suas palavras cruzadas: jogos de tabuleiro e quebra-cabeças não são apenas legais, como também uma forma de trabalhar o cérebro. Jogue... Palavras cruzadas, buraco, xadrez, batalha naval, não importa. Para melhorar o seu potencial, faça palavras-cruzadas sem consultar dicas ou livros.

5. Tenha amigos inteligentes: Pode ser duro para a sua autoestima, mas andar com pessoas mais inteligentes que você é a forma mais rápida de aprender. Seja sempre humilde e disposto a aprender.

6. Leia bastante: é óbvio, mas essencial. Leia muito.

7. Explique a outras pessoas: se você não consegue explicar de forma simples, você não entendeu bem o suficiente, disse Albert Einstein. Tenha certeza que realmente aprendeu o que acha que aprendeu e que aquela informação realmente ficou gravada na sua memória ao tentar repassar a outros.

8. Faca coisas aleatórias: um exemplo é a história sobre as aulas de caligrafia que Steve Jobs cursou. Após largar a faculdade, o futuro fundador da Apple tinha muito tempo disponível e acabou vagando até uma aula de caligrafia. Na época parecia irrelevante, mas as técnicas de design que ele aprendeu foram posteriormente incluídas nos primeiros Macs. O que se pode aprender com isso: nem sempre se sabe previamente o que será útil. Você apenas precisa tentar novas coisas e esperar para ver como isso te conectará ao resto das suas experiências.

9. Aprenda uma nova língua: não, você não precisa se tornar rapidamente fluente ou ir para um país estrangeiro para aprender a língua de sua escolha. Há diversos sites grátis para isso (ex: Memrise).

10. Tire algum tempo de folga:
é importante tirar uma folga de estímulos mentais. Dê espaço para o seu cérebro processar o que aprendeu.

Fonte: Aqui

Rir é o melhor remédio

Fonte: Aqui

13 maio 2017

Supere 175 vieses cognitivos e seja racional

É rir pra não chorar:

Resumo:

It is clear that people do not always behave in a rational manner. Sometimes they are presented with too much information or they may want to make a quick decision. This may cause them to rely on cognitive shortcuts known as heuristics (rules of thumb). These cognitive shortcuts often result in cognitive biases; at least 175 cognitive biases have been identified by researchers. This paper describes many of these biases starting with actor-observer bias and ending with zero-risk bias. It also describes how one can overcome them and thereby become a more rational decision maker

Friedman, Hershey H., Cognitive Biases that Interfere with Critical Thinking and Scientific Reasoning: A Course Module (April 26, 2017). Available at SSRN: https://ssrn.com/abstract=2958800


Links

ex-Chefe da estatística chinesa é acusado de receber propina

PwC inglesa paga multa referente a má conduta de 2009


CEO da Deloitte incentiva seu filho a ver The Jetsons para não ter medo de robôs

O número de contas abertas sem autorização do banco Wells Fargo pode ser maior do que a estimativa original

Os problemas com o sexto maior banco da Espanha

Sorte ou Boa Gestão?

Na quinta a empresa Petrobras divulgou os resultados do primeiro trimestre de 2017. O destaque foi o lucro de R$4,5 bilhões e a redução do endividamento da empresa. A empresa estatal possui grandes eixos para ser analisada: a qualidade dos ativos, em especial do seu imobilizado, e o endividamento.

Ativo - O primeiro eixo, do ativo, tem contribuído com os resultados contábeis ruins. No passado, a empresa tomou muitas decisões erradas, fazendo investimento ruins. Hoje já sabemos que estas decisões ruins foram frutos de corrupção e megalomania dos seus dirigentes e da controladora. Isto fez com que o ativo da empresa estivesse mensurado de forma muito otimista, não refletindo o potencial de geração de riqueza. A Petrobras investiu, por exemplo, numa refinaria de baixa qualidade nos Estados Unidos. O valor de aquisição, constante do balanço da empresa até recentemente, não refletia nem o valor de utilização nem um possível valor de negociação. Diante do exposto, a empresa tem feito uma série de reconhecimento de perda de recuperabilidade de vários destes ativos nos últimos meses. O efeito deste reconhecimento é a redução do ativo e um efeito negativo sobre o resultado. Em lugar de fazer um único reconhecimento logo que ficou claro que existiam sérios problemas de mensuração na contabilidade da empresa, optou-se por fazer lançamentos parcelados das perdas. O balanço divulgado na quinta indica que este processo está encerrando. Ou seja, as próximas demonstrações podem apresentar resultados melhores do que aqueles obtidos nos períodos anteriores.

Dívidas - O segundo eixo de análise refere-se ao endividamento (gráfico ao lado). Se em março do ano passado a dívida total da empresa era de R$450 bilhões (ou R$370 bilhões a dívida líquida), neste ano a dívida caiu para R$365 bilhões (ou R$301 bilhões de dívida líquida). Em um ano a empresa conseguiu reduzir seu endividamento em R$85 bilhões (ou 69 bilhões considerando a dívida líquida). Mas esta redução deve ser considerada com cautela por dois motivos: em primeiro lugar a empresa hoje é menor que há doze meses, o que significa que a proporção da dívida sobre o ativo ainda é elevada; em segundo lugar, a dívida em dólar diminui somente US$10,7 bilhões, indicando que parte da redução pode ser creditada mais ao comportamento do câmbio do que aos esforços da gestão. Com efeito, o câmbio médio no primeiro trimestre de 2016 era de R$3,90/US$, enquanto que no primeiro trimestre de 2016 era de R$3,10.

Boa gestão ou sorte - O resultado da Petrobras no primeiro trimestre de 2016 parece ter sido uma combinação de sorte e gestão. É inegável que a gestão da empresa está tomando algumas decisões , que passam pela venda de ativos, redução do número de funcionários e revisão de algumas obras, que influenciam neste resultado. Mas o câmbio favorável e a recuperação nos preços também ajudaram no resultado. Prova disto é que o valor de mercado da empresa aumentou 54% nos últimos meses. Além disto, a comparação com as gestões de Gabrieli e Foster ajuda muito a atual gestão.

Em análise das demonstrações anteriores destacados que a empresa, apesar de estar numa situação ruim, ainda conseguia gerar caixa com as atividades operacionais. Mostramos também que este fluxo de caixa mantinha-se razoavelmente constante ao longo do tempo, ao contrário da variabilidade do resultado líquido. Este comportamento do resultado líquido era decorrente do reconhecimento das perdas com os ativos de baixa qualidade que a empresa estava fazendo no passado.

Mas as medidas que a gestão tomou nos últimos meses tem um preço. No primeiro dia de 2016 a empresa tinha caixa de 98 bilhões. Em três meses este volume caiu para 78 bilhões. Em mais um ano, R$17 bilhões saíram a mais do caixa e equivalentes. A dúvida é se esta queima de caixa irá persistir nos próximos meses.

Existe uma frase famosa que diz: o melhor negócio do mundo é uma empresa de petróleo; o segundo melhor negócio do mundo é uma empresa de petróleo mal administrada. A Petrobras mostrou que a segunda parte não é verdade.

Itaú Unibanco e XP Investimentos



Pouquíssimos frequentadores da sede do Itaú Unibanco, no Jabaquara, sabiam da negociação para a compra da XP Investimentos. [...] O negócio seria confirmado na noite da quinta-feira 11, com a compra, por R$ 6,3 bilhões, de 49,9% das ações.

Desse total, R$ 5,7 bilhões vão para os acionistas e R$ 600 milhões de injeção de capital na XP, para pagar investimentos em tecnologia e a compra da corretora Rico, anunciada no fim de 2016.
[...]

A trajetória da XP tinha tudo para dar errado. Benchimol e seu ex-sócio Marcelo Maisonnave haviam sido dispensados da corretora InvestShop, fundada em 1999 pelo banco Bozano, Simonsen. Sem ânimo para trabalhar para os outros, resolveram empreender. Juntaram as economias, alugaram uma salinha no centro de Porto Alegre, compraram quatro computadores usados e tentaram vender ações pela internet. A empresa nasceu sem nome. “Vamos fundar a empresa XPTO”, brincava Benchimol, que depois resolveu economizar duas letras.

No começo, foi difícil atrair à Bolsa um público acostumado à poupança, ainda mais com os solavancos provocados pela primeira eleição de Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência, em 2002, e pela crise imobiliária americana, em 2008. O começo não era promissor, mas o ultramaratonista e participante de corridas de aventura Benchimol virou o jogo quando passou a oferecer duas coisas que seus clientes não tinham. A primeira foi educação financeira, inicialmente por meio de cursos e palestras, e depois virtualmente, que existe até hoje. A segunda foi acesso a produtos financeiros melhores que os oferecidos pelos bancos de varejo.

A XP ganhou tração ao convencer os investidores que os Certificados de Depósito Bancário (CDB) de bancos médios, que pagavam mais juros, eram seguros. Se o banco quebrasse, explicavam os agentes autônomos da XP, o investidor estava protegido pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC). “Isso fez toda a diferença”, diz Paulo Secches, presidente do instituto Officina Sophia, especializado em pesquisa de mercado no setor financeiro. “Quem investe pela internet entende os riscos e os ganhos de diversificar seus investimentos, e a segurança é um dos principais fatores de decisão.”

Ao atender o desejo de uma parcela crescente dos investidores por produtos financeiros melhores que os dos bancos, a XP estava no local e na hora certas. Os resultados são exuberantes. No fim de abril, a companhia – que preparava uma abertura de capital na bolsa, processo abortado pela venda para o Itaú – acumulava R$ 85 bilhões de ativos sob administração e uma participação de mercado no setor de investimento de pessoa física de 2%. A XP encerrou 2016 com patrimônio líquido de R$ 1,095 bilhão e o lucro líquido passou de R$ 43 milhões, em 2014, para R$ 251 milhões no ano passado, segundo o prospecto protocolado na quarta-feira 10 na Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

A XP possui 410 mil clientes ativos, atendidos por 2 mil agentes autônomos. A compra vai ocorrer por fases. A participação do Itaú na XP começa com 49,9%, pode subir para 75% em duas etapas até 2022, e chegar em 100% em 2024 ou 2033. Prova do sucesso de Benchimol foram os ganhos de seus sócios. As participações adquiridas pelo Itaú Unibanco pertencem ao fundo de private equity americano General Atlantic (GA) – que estreou no Brasil com o aporte na XP – e à gestora carioca Dynamo. Juntos, eles têm 49,5%. Os 50,5% restantes estão nas mãos de Benchimol e outros sócios da XP. GA e Dynamo compraram 33% da XP por R$ 420 milhões em 2012.

Em 2016, levaram outros 10%, por R$ 450 milhões. Assim, a GA entrou em uma XP que valia R$ 1,2 bilhão e saiu de uma que vale R$ 12 bilhões, alta de 900%. Esse número não veio por acaso. Nos últimos anos, a migração de clientes para investimentos alternativos vinha incomodando os bancos. A contraofensiva passou pela oferta de produtos de outras gestoras, a chamada arquitetura aberta. “A arquitetura aberta é irreversível na indústria de fundos, e as instituições que lutarem contra ela vão perder espaço no mercado”, diz Daniel Maeda, superintendente da CVM.

Assim, para o Itaú, a aquisição visa contornar a perda recente dos investimentos de clientes Personalité, e também cria uma barreira para minar o crescimento de concorrentes da XP. Empresas como Guide Investimentos, Easynvest, Genial e até o BTG Pactual, lançaram suas plataformas virtuais de investimentos. O próprio Itaú incursionou nessa área, com o Itaú 360º, que vende fundos de outros bancos. “Mas levaria anos para conseguirmos ganhar uma participação relevante no mercado, e a compra da XP nos permite economizar esse tempo”, diz um executivo do banco. “Vamos manter a operação independente”, disse Marcelo Kopel, diretor de Relações com Investidores do Itaú, em uma teleconferência com analistas na manhã da sexta-feira 12.

Para ele, as principais vantagens são que a operação consome pouco capital do banco e permite maior flexibilidade. A transação deve movimentar ainda mais esse mercado e fazer outras corretoras tentem trilhar o caminho aberto pela XP. Uma delas é a Guide Investimentos. Aline Sun, sócia da Guide, planeja aproveitar o momento para divulgar sua marca e atrair novos investidores. “A chancela do Itaú Unibanco fortalece as corretoras”, diz ela. “Aumenta a confiança dos investidores e reforça a transformação que estamos promovendo no mercado.” A corretora possui R$ 11 bilhões de ativos sob gestão e 40 mil clientes e Sun, que prepara sua primeira campanha publicitária, resolver acelerar o processo.

Fechada após pouco mais de dois meses de negociação, a compra reforça o sucesso da fórmula desenvolvida pelo Itaú na compra da Porto Seguro, em 2009. Todos no mercado cobiçavam a seguradora, mas o Itaú foi o vencedor ao oferecer o que o controlador Jayme Garfinkel mais queria: autonomia para manter a fórmula de sucesso do negócio. O mesmo valeu para o banco BMG, comprado em 2012 por meio de uma joint-venture negociada em tempo recorde por Setubal e a família mineira Pentagna Guimarães. Agora, o novo desafio para Benchimol será convencer seus clientes que, mesmo sendo controlado por um banco, ele não deixará de lado os princípios que o levaram ao topo do mundo.

Fonte: Aqui

Rir é o melhor remédio



Publicidade da Argentina: El Contador Sensible (via aqui)

12 maio 2017

A economia brasileira, segundo as empresas e seus relatórios

Algumas empresas brasileiras já divulgaram os resultados do primeiro trimestre do ano. Para algumas empresas, o período é “desafiador”, uma palavra muito comum nas narrativas apresentadas neste período. A grande maioria evita comentar sobre o cenário; quando fazem, tratam do cenário específico do setor onde atuam, não comentando o momento atual da economia brasileira.

Mas existe uma pequena parcela de empresa que mesmo que brevemente traçam um panorama da situação atual. Neste grupo, conforme pesquisado por este blog nas demonstrações trimestrais apresentadas, há muito mais um cenário positivo, do que negativo.

A seguir alguns exemplos coletados nas demonstrações contábeis trimestrais:

Fibria Celulose = “O ano de 2017 começou mais positivo para o mercado de celulose”

Romi = “O início de 2017 continua demonstrando fraca atividade econômica, contudo, alguns sinais de uma possível recuperação da economia brasileira, mesmo que lenta e gradual, puderam ser notados, como, por exemplo, a evolução nos índices de confiança apresentados a seguir.”

Klabin = “No primeiro trimestre de 2017 o aumento da confiança em relação à retomada da economia brasileira foi percebido na queda da inflação e das taxas de juros, na maior estabilidade cambial e na valorização do Ibovespa”

Grendene = “Em fevereiro deste ano, quando divulgamos nosso Relatório de Administração referente aos resultados de 2016, nossos comentários sobre a economia doméstica e as expectativas de sua recuperação em 2017 foram cautelosos, mas também nos declaramos confiantes no desempenho da Grendene e adiantamos que o início do ano estava nos surpreendendo positivamente. Os resultados obtidos comprovaram esta tendência”

Irani = “O primeiro trimestre de 2017 teve sinais positivos da economia brasileira.”

Cielo = “O primeiro trimestre de 2017 não apresentou alteração no comportamento do negócio, ainda pressionados por um cenário econômico desafiador, exigindo foco constante na disciplina em nossas operações.”

Suzano = “O primeiro trimestre foi marcado por um desempenho forte do mercado de celulose”

Profarma = “A atividade econômica brasileira, no início de 2017, apresentou alguns sinais de retomada. Fatores com efeitos mais estruturais, como o ajuste fiscal de longo prazo, a aceleração do afrouxamento monetário e o controle da inflação, contribuíram para uma percepção mais favorável e proporcionaram maior confiança dos agentes econômicos”

SulAmerica = “Começamos o ano de 2017 de maneira positiva”

Magazine Luiza = “O primeiro trimestre de 2017 deve ser o início de uma gradual recuperação na economia brasileira.”

Portobello = “A leve retomada da economia e melhora das expectativas de consumo trouxeram algum otimismo ao mercado”

Corinthians: exemplo para contabilidade?

O Sport Club Corinthians Paulista divulgou suas demonstrações contábeis no final de abril. Uma análise das demonstrações permite notar, de imediato, um aumento substancial nos seus ativos, de 1,351 bilhão para 2,164 bilhões, em razão dos contas a receber de longo prazo (mais 487 milhões) e imobilizado (mais 395 milhões). Ao mesmo tempo, aumentou o valor de receitas a realizar de longo prazo (mais 481), que representa, de certa forma, a contrapartida do contas a receber, e o ajuste de avaliação patrimonial (mais 407).

Em termos de resultado, destaca-se o substancial aumento da receita de futebol decorrente dos direitos de transmissão de TV (mais 90 milhões), que ajudou no superavit registrado e que reverteu o deficit de 2015.

O que chama atenção é realmente o imobilizado. O detalhamento da nota explicativa revela que ocorreu um aumento líquido de terrenos, de 79 milhões para 422 milhões, o que explica a grande variação no imobilizado. De onde surgiu estes valores? O aumento de terrenos teve como contrapartida a conta de ajuste de avaliação patrimonial, que como escrevemos anteriormente, aumentou em 407 milhões. Eis o que informa a demonstração:

Em 2016, a administração optou por fazer o ajuste de avaliação do seu patrimônio (edificações/terrenos) do Clube, através do laudo técnico de avaliação realizado em 05/12/2016 pela empresa Pontes & Peteado (sic) - Empreendimentos, Consultoria e Perícias Ltda, conforme demonstrado abaixo”


(Confesso que procurei pela empresa no cadastro do CFC e não localizei) Logo após o detalhamento, o clube informa o seguinte:

A administração do Clube optou por considerar o laudo patrimonial com a data de dezembro de 2016 para realização dos lançamentos em 31 de dezembro de 2016 e decidiu não retroagir para a data de adoção inicial da ITG 2003, aprovada pelo Conselho Federal de Contabilidade por meio da Resolução 1.429/2013 que previa os registros desses valores a partir de 1o. de janeiro de 2013, por entender que os esforços e custos envolvidos nesse trabalho excedem os benefícios proporcionados pelas novas informações para o ano de 2015. Por essa razão, não houve a reapresentação dos saldos do imobilizado em 2015, o que gerou o registro na conta do patrimônio líquido - Ajuste de Avaliação Patrimonial.


Entenderam? O clube não usou o deemed cost no passado, fez uma reavaliação em 2016 e resolveu não reapresentar as demonstrações, alegando a relação custo-benefício da informação. Afinal, a reavaliação adicionou somente 422 milhões ao ativo do clube ou 31% a mais em relação ao ativo existente no final de 2015. Observe que estamos usando o termo reavaliação.

Auditor - A empresa Parker Randall Brasil foi a responsável pela auditoria do clube. E fez um relatório com ressalva, informando o seguinte:

Conforme mencionado (...) o Clube contabilizou a reavaliação de determinados bens do ativo imobilizado ao seu valor justo (...) tendo como contrapartida a rubrica “Ajuste de avaliação patrimonial” no patrimônio líquido. A contabilização dessa reavaliação está em desacordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil (Pronunciamento Técnico CPC 27 - “Ativo Imobilizado”. Consequentemente em 31 de dezembro de 2016, o saldo do imobilizado e do patrimônio líquido (...) estão apresentados a maior em R$407.738 mil cada.


Ou seja, o auditor foi direto ao ponto e indicou que o clube fez uma reavaliação. Mas não foi somente isto. O auditor aponta dois outros fatos que ajudaram na ressalva. O primeiro é a falta de confirmação dos saldos ou circularização. Quando um auditor faz seu trabalho, ele espera receber a informação dos credores e devedores sobre os valores informados pelo clube. Pois a empresa não conseguiu confirmar estes valores, de assessores jurídicos e de pessoas jurídicas. E isto inclui patrocinadores, como Caixa Econômica e Nike, além da rede de televisão (TV Globo). Ou seja, as maiores entidades que apoiam o clube não confirmaram os valores envolvidos nesta relação. Finalmente, os auditores tiveram dúvidas relacionadas com o fundo de investimento relacionado com a construção do estádio do clube. O clube registrou o estádio como cotas de investimento, mas existem dúvidas sobre a questão jurídica e seus valores.

Exemplo - Há anos venho comentando que o Corinthians é um exemplo de apresentação das demonstrações contábeis num clube de futebol. Não mais, depois destas demonstrações contábeis com ressalva. O que temos aqui parece mais um exemplo de um relatório dos auditores independentes, que indica os pontos cruciais, sendo preciso na indicação para o usuário externo dos motivos da ressalva.