Translate

26 abril 2017

Links

Quando o escândalo ocorre nos países desenvolvidos:

Ainda sobre o escândalo entre KPMG e PCAOB

Auditor, ceticismo e confiança no cliente

Lloyds Bank contrata um juiz aposentado para verificar caso de suborno (que incluía presentes, sexo e outras coisas) 

Clubes de futebol da Inglaterra investigados por fraude (inclui West Ham)

A reunião dos acionistas da Wells Fargo termina em tumulto

Dez anos depois, TCU diz que BNDESPar favoreceu a JBS. Dez anos depois.

O TCU considerou que ocorreu favorecimento para a empresa JBS numa operação financiamento por parte do BNDES realizada há dez anos. Somente agora o tribunal de contas chegou a esta conclusão. Em 2007 o grupo JBS solicitou ao BNDESPar um empréstimo de 600 milhões de dólares para fazer a aquisição da Swift. O banco aportou 150 milhões a mais, o que permitiu a JBS comprar a empresa de carnes dos EUA. Segundo o TCU (via Estadão), o BNDESPar pagou um ágio de R$0,50 por cada ação ou 70 milhões de reais a mais.

De acordo com o documento, não cabia o pagamento do prêmio, pois não havia “quaisquer razões de cunho mercadológico” que justificassem “oferecer valor maior que o preço justo” para a transação. 

Mas o assunto ainda não terminou. Segundo o jornal:

Os auditores propõem aos ministros da Corte a abertura de uma tomada de contas especial para aprofundar a investigação sobre essas perdas e cobrar eventual ressarcimento. Além disso, sugerem que os envolvidos sejam ouvidos em audiências para explicar diversas outras irregularidades. 

Num país sem um banco oficial de fomento uma operação de financiamento como esta é feita através das instituições financeiras normais, como ocorreu no passado com a Ambev, por exemplo. Além do ágio, a JBS provavelmente foi beneficiada por uma taxa de juros subsidiada.

Resenha: Breaking Bad, The Movie

A série de televisão Breaking Bad foi um dos maiores sucessos, especialmente de crítica, dos últimos anos. Narrando a vida final de um químico habilidoso, que doente e endividado, descobre com câncer. Walter White decide então fabricar e vender metanfetamina com ajuda de um ex-aluno. A esposa, uma contadora, inicialmente não sabe das atividades ilegais de Walter, mas depois o ajuda a legalizar o dinheiro num lava-jato. Durante cinco sessões a trama prendeu a atenção daqueles que gostam de um bom roteiro e bons atores. Venceu mais de cem prêmios entre 2008 a 2013.

Dois fanáticos pela série decidiram condensar os cinco anos num “filme” de duas horas. Sem acrescentar nenhuma cena nova ou qualquer explicação, as cenas da serie vão se sucedendo na tela. Para quem assistiu é possível notar que muitas tramas ficaram de fora. Quem assistiu há tempos ou quem não viu nenhum episódio da série, o filme é difícil de entender, pois não existe uma explicação para muitas cenas que aparecem na tela.

Vale a Pena? - Não. Para quem não assistiu a série o melhor é assistir as cinco temporadas. Ver o filme não ajuda a entender a razão da série receber uma nota de 9,5 no IMDB. Também perde muitas tramas interessantes que ficaram de fora da seleção feita. Para quem acompanhou a série, o filme pode ser uma tentativa de lembrar alguns dos melhores momentos. O ideal seria rever cada episódio.

Rir é o melhor remédio


25 abril 2017

Bolsa Família e punição

O programa social do bolsa-família é bastante rico em informações. Recentemente, duas pesquisas, do mesmo trio de pesquisadoras (Fernanda Brollo, Katja Kaufmann e Eliana La Ferrara) usaram os dados deste programa social para verificar o efeito da punição sobre o comportamento das pessoas. Um dos pontos do programa é que quando um aluno deixa de frequentar a escola, o dinheiro pode ser suspenso. As três pesquisadoras estudaram o efeito sob duas óticas.

Num primeiro estudo, Learning about the Enforcement of Conditional Welfare Programs: Evidence from Brazil, as autores verificaram os casos de famílias que receberam a punição e a influencia sobre a frequência das crianças na escola. Além de provocar um efeito sobre as famílias que receberam a punição, as famílias próximas também responderam, aumentando a frequência dos alunos.

O segundo lida com outro efeito: o efeito eleitoral da punição. Em The Political Economy of Program Enforcement: Evidence from Brazil as autoras descobriram que os votos dos candidatos alinhados com o presidente (eleição de 2008) era menor nos locais onde ocorreram mais penalidades. E que os políticos manipulam a execução das punições.

Rir é o melhor remédio

O grande mestre e campeão mundial Wilhelm Steinitz estava tendo uma discussão política. Seu oponente diz: "Você pensar que entende de política por jogar xadrez?".

Steinitz responde: "Você pensa que entende de política por não jogar xadrez?"

Fonte: Aqui

24 abril 2017

Curso de Contabilidade Básica: Venda do Ativo não Circulante

O ativo de uma empresa é classificado em dois grandes grupos, conforme sua liquidez. Quando o ativo deverá ser convertido em dinheiro até o final do exercício seguinte, o mesmo é classificado no grupo do ativo circulante. Caso isto não ocorra, é considerado como ativo não circulante. Considere o exemplo do estoque. Se existe a pretensão da empresa de vender o estoque até o final do exercício seguinte, o mesmo será considerado como um item do ativo circulante. Por outro lado, se a chance de venda for reduzida, classifica este estoque como um ativo não circulante.

Observe que existe um grau de imprecisão nesta classificação, já que é impossível prever com certeza que um item será convertido em dinheiro até o final do exercício. Aquele estoque que a empresa acreditava vender até o final do exercício pode não ter sido transacionado. Assim como o estoque que existia a previsão de não ser convertido em dinheiro pode ser comercializado. Por isso, a classificação é dada com base na pretensão de venda e não na realização, propriamente dita.

Dessa forma, o que é válido para o estoque também é aplicado a outros itens do ativo. É o caso de terrenos. Se a empresa tiver a pretensão de vender um terreno até o final do exercício seguinte, o ativo é classificado no circulante. Não existindo a intenção de venda, trata-se de um ativo não circulante.

O exemplo apresentado a seguir é da CEB, uma empresa de energia elétrica com atuação no Distrito Federal e entorno. Observe o balanço da empresa:
No dia 31/12/2015 constava do circulante a conta “ativo não circulante mantido para venda” no valor de R$276 milhões. No ano seguinte o valor era de quase R$4 milhões. A empresa pretendia vender diversos terrenos que possuía em Brasília em 2016. Para isto, classificou os valores como circulante, na conta em destaque. No final de 2016 o valor caiu. Pode ter acontecido dois fatos: ou a empresa vendeu parte destes terrenos e por isto não consta mais do seu ativo ou desistiu da venda e novamente considerou estes terrenos como não circulante.

Como os valores são expressivos, a empresa faz um esclarecimento em nota explicativa:

Veja o leitor que ocorreu a segunda hipótese: a empresa não vendeu e passou a considerar os terrenos novamente como não circulantes.

Ao fazer a classificação como “não circulante mantido para venda” a empresa informa ao usuário a intenção de vender seu patrimônio. As razões para isto são as mais diversas. Uma consequência talvez não prevista (ou intencional) é que a classificação adotada no final de 2015 altera a liquidez da empresa.

Links

100 pessoas mais influentes da Time (Neymar na lista)

Estácio faz ocorrência sobre espionagem do presidente (e ex-CEO é suspeito)

Prêmio Sony de fotografia

Reino Unido perde 1 bilhão por fraude de vendedores da Amazon e eBay

HSBC irá pagar para encerrar processo de fraude nos EUA

River piracy ocorreu no Canadá

Rir é o melhor remédio



Dica do Lino! \o/

23 abril 2017

Aulas de Contabilidade no YouTube: Eugenio Montoto

Recebemos um comentário mencionando canais de contabilidade no YouTube e vamos dar algumas dicas. A primeira é o canal relativamente novo do professor Eugênio Montoto, autor do livro "Contabilidade Geral e Avançada" da coleção "Esquematizado".

Abaixo um exemplo do vídeo com resolução de exercícios relacionados à DVA. Os comentários às questões acrescentam conteúdo considerável ao tema tratado.



Como já mencionei anteriormente, acho mais produtivo aumentar um pouco a velocidade de reprodução. Basta colocar o mouse em cima do vídeo sem clicar em nada até que o menu apareça sobre o vídeo. Depois clique no símbolo de engrenagem, vá para a opção "velocidade" e escolha a que melhor se adéqua ao conteúdo assistido.

E você, que vídeo indica?

Construção civil: Formação Estratégica e Sistemas de Controle Gerencial

Saiu a nova edição da revista Contabilidade, Gestão e Governança e gostei muito deste artigo:

Relação Entre Formação Estratégica e Sistemas de Controle Gerencial dos autores: Marcia Athayde Moreira, Danilo Lacerda Borges, Ana Margarida Santiago

O resumo diz: Esta pesquisa teve como objetivo analisar as relações existentes entre a formação estratégica das empresas e seus sistemas de controle gerencial [...]. Foram realizados dois estudos de caso em duas empresas do setor de construção civil da região metropolitana de Belo Horizonte/MG. Nessa perspectiva, identificou-se que as empresas pesquisadas utilizam estratégia genérica de enfoque para vender seus empreendimentos, sendo que uma empresa possui planejamento de longo prazo e a outra se guia por perspectivas de curto prazo. As empresas analisadas possuem diversas ferramentas formais de controle, contudo notou-se que parte dessas ferramentas existem com o objetivo de atender as normas e auditorias estabelecidas por órgãos certificadores, não sendo utilizadas para a tomada de decisão. Nesse sentido, concluiu-se que a relação existente entre os controles gerenciais e a formação da estratégia dessas empresas se dá de forma passiva, servindo os sistemas de controle gerencial como garantidores da realização das estratégias e metas organizacionais, mas não sendo os mesmos usados efetivamente como forma de identificação de oportunidades e fonte da formação de novas estratégias.

A pesquisa com duas empresas já foi bem interessante, imagina com mais! Torna-se ainda mais atraente quando consideramos que as empresas de construção civil têm chamado muita atenção do público em geral frente aos escândalos sobre a corrupção no Brasil. Dá pra fazer uma campanha pras empresas obrigarem incentivarem os gestores e contadores a participarem com mais afinco de questionários e trabalhos acadêmicos?

Sobre a amostra:

Foram realizados dois estudos de caso em duas empresas do setor de construção civil da região metropolitana de Belo Horizonte, MG, entre 19 empresas originalmente selecionadas junto ao Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de Minas Gerais (SINDUSCON-MG), tendo como critério o nível de estruturação dos controles internos. Todas as 19 empresas foram contatadas por e-mail e telefone e as duas empresas pesquisadas foram as que aceitaram o convite.

Rir é o melhor remédio


22 abril 2017

Fato da Semana: Efeitos do combate à corrupção

Fato: Efeitos do combate à corrupção

Data: durante a semana

Contextualização
- Na medida que as investigações e os processos da operação lava-jato e de outras investigações avançam é possível sentir seus efeitos. Numa semana é os dirigentes de uma empreiteira, revelando os bastidores de corrupção da política brasileira; na outra, é a delação de algum político; a seguir, mais revelações, prisões e segredos revelados. Sabemos hoje que muitas empresas só conseguiam competir através de esquemas que envolviam fraudes, pagamentos indevidos e outros crimes. Outras, parece que foram constituídas com esta intenção.

Nesta semana tivemos mais um pouco do que já ocorre nos últimos meses. Podemos estar neste exato momento construindo as bases de um país mais honesto, onde o dinheiro público do contribuinte é usado de maneira mais justa. Ou veremos nas próximas semanas a reação dos investigados.

Relevância
- Trata-se de um momento histórico, onde a forma desonesta de fazer negócios está sendo julgada.

Neste cenário é interessante o esforço da Odebrecht em tentar salvar algo que resta do império, vendendo ativos e tentando negociar dívidas.

Notícia boa para contabilidade?

Sim. As instituições estão funcionando e colocando nas grades vários corruptos. Não, onde estão as entidades de classe da profissão?

Desdobramentos
O otimista dirá que estamos fazendo algo inédito no mundo. O pessimista irá lembrar que os corruptos não ficarão parados, esperando sua condenação. Haverá um pacto? Quanto à Odebrecht acredito que hoje suas chances de sobrevivência são iguais as de descontinuidade.

Mas a semana só teve isto?
A questão da governança da Aramco, a persistência do problema do desemprego do setor e os 11 anos do blog são outras notícias da semana.

P.S. Como ocorre muitas vezes, tive muita dificuldade de escolher o fato da semana. Confesso que a questão dos efeitos do combate à corrupção é um fato de várias semanas, como o leitor já deve ter notado. E o fato da semana é algo mais pontual e específico e nas semanas anteriores sempre encontrei algo relevante. Nesta semana as alternativas disponíveis não me pareceram tão importantes assim: Aramco é uma notícia que já se estende há semanas; os dados do desemprego não apresentaram uma grande mudança recente que fosse motivo de destaque; e os 11 anos do blog pareceu uma notícia de interesse dos nossos leitores.

Rir é o melhor remédio


21 abril 2017

Saga do Desemprego Continua no Setor Contábil

Segundo dados do Ministério do Trabalho, divulgados esta semana e coletados por este blog, o problema do desemprego no setor contábil continua. No mercado de trabalho formal foram contratados 8.221 profissionais em março e demitidos 9.790, indicando uma variação negativa de 1.569 vagas.

É interessante lembrar que em janeiro de 2017 tivemos o primeiro mês com criação de vagas no mercado de trabalho formal do setor contábil desde outubro de 2015. Em fevereiro foi a vez dos dados globais apresentarem criação de vagas, a primeira desde março de 2015. De 2014 para cá foram quase 3 milhões de vagas de empregos que foram destruídas na economia brasileira. No setor contábil foram 33.450 vagas a menos de janeiro de 2014 até março de 2017.

Assim, a reversão de tendência ocorrida em janeiro no setor contábil (e em fevereiro na economia) parece muito mais algo passageiro. Os números do mês são ruins: o salário dos demitidos é 22% mais alto do que o salário dos admitidos e o tempo médio de emprego dos demitidos está aumentando (36,83 meses em média) indicando que a crise também ocorre nos funcionários com maior experiência de trabalho. O pior é que o número de demitidos foi sempre maior do que os admitidos, não importa o gênero, o grau de escolaridade e o tipo de trabalho. Em nove categorias pesquisadas (gênero, escolaridade e tipo), em todas tivemos destruição de vagas de trabalho.

20 abril 2017

Texto Como Dado

As primeiras pesquisas na área contábil usavam os números produzidos pela contabilidade e os preços das ações das empresas. Nos últimos anos, cresce as pesquisas que extrapolam o conforto de tomar as cotações das ações e fazer relações estatísticas com alguma variável (divulgação de uma notícia, desempenho da empresa, evolução temporal são alguns dos itens de uma lista grande). Os pesquisadores começaram a perceber que contabilidade não significa só número. Quando uma empresa divulga suas demonstrações contábeis, a grande maioria das informações, nos dias de hoje e para grandes empresas, são apresentadas em textos. Somente uma pequena parcela sãos os números das demonstrações contábeis. Mais ainda, a comunicação de desempenho de uma empresa com seus investidores não ocorre somente em quatro datas fixas ao longo do ano; nos dias de hoje, uma empresa está entregando informações sobre seu desempenho cada vez que divulga uma informação na rede social ou num fato relevante ou numa declaração de um gestor para algum canal de comunicação.

Se o número tem o poder de dar uma informação de forma “precisa”, o texto pode ser amorfo. Se a coleta do valor do lucro de uma empresa é feita rapidamente através da linha deste item na demonstração do resultado, o mesmo não se pode dizer do sentimento da empresa sobre as suas perspectivas futuras, que poderia estar expressa no relatório da administração ou num comentário do seu twitter oficial.

Assim, não é surpresa nenhuma olhar a história da pesquisa contábil e certificar que a grande maioria dos artigos tiveram nas suas informações numa base de dados numérica. Além disto, o pesquisador que se aventurou em usar os dados textuais – oral ou escrito – teve que enfrentar dois grandes desafios. O primeiro é a coleta e tratamento dos dados. As narrativas geralmente não estão disponíveis a um clique da base de dados existente na minha universidade; elas precisam ser coletadas, reunidas, convertidas de PDF para um arquivo texto e criadas as condições de análise. O trabalho é enorme.

O segundo grande desafio é a subjetividade da informação. Quando um pesquisador coleta um lucro de 134 milhões de reais num exercício social de uma empresa, esta é a informação “precisa” e clara que ele irá usar. Mas quando um executivo de uma empresa escreve “outra conquista importante foi conviver e superar um contexto macroeconômico hostil” o que isto significa? (Esta frase peguei por acaso o Relatório da Administração da CEB) Isto é uma afirmação otimista ou pessimista? E junto com a subjetividade existe a desconfiança sobre a existência de “erros” na pesquisa.

Mas o aparente esgotamento das pesquisas estritamente numéricas, a exigência dos avaliadores de que uma pesquisa deve trazer algo mais que uma aplicação de um método quantitativo para um conjunto de números que estão disponíveis, a expansão da comunicação não numérica entre empresa e usuário, além do surgimento de instrumentos para este tipo de pesquisa, podem ser um anúncio de que as pesquisas com textos serão promissoras.

Neste sentido, o artigo “Text as Data”, de Matthew Gentzhow, Bryan Kelly e Matt Taddy não somente destacam a relevância deste tipo de pesquisa, como indicam algumas das ferramentas existentes e apresentam alguns exemplos relevantes. Um exemplo é sua utilização para preços das ações. Outro, a determinação de autoria de um texto. Também é possível usar a pesquisa narrativa para determinar o sentimento de um banco central nos seus comunicados. Ou observar o sentimento da imprensa. E assim por diante.

Futuros pesquisadores: o desafio está lançado.

Links

Ação contra PwC (EUA) por discriminação na idade

Os melhores designs anunciados (ao lado)

As vantagens de fazer o resumo de um artigo numa linguagem simples

A cor do automóvel e a chance de roubo

Fotografias de dentistas no passado

O desafio da marca Sharapova na sua volta ao tênis

Esforço da Odebrecht para sair da crise

O Valor Econômico traz uma análise da situação financeira do grupo Odebrecht. (O texto pode ser acesso aqui, para assinantes). Diante das revelações e da desconfiança do setor financeiro, a empresa trava uma luta pela continuidade. Os processos judiciais representam uma grande saída de caixa, seja em multas, impostos atrasados, além de sinalizar um potencial enorme nos atrasos dos repasses do governo. Reduzindo a entrada de caixa e aumentando os pagamentos, o saldo existente de 17 bilhões de reais pode ser pouco para suportar a crise. O texto também afirma que o balanço deve ser publicado com atraso. E, segundo estimativa deste blogueiro, com um grande prejuízo, já que a empresa deve reconhecer provisões judiciais, perdas de recuperabilidade e resultado negativo na venda de ativos.

Com respeito a este último item, o esforço do grupo é fazer caixa (vide figura acima). É a estratégia do "vão-se os anéis, ficam os dedos". Mas a forma de fazer negócios da empresa precisa ser alterada e este fato também deve ser levado em consideração. Além disto, a Odebrecht virou um nome maldito: fazer negócios com o grupo será visto com desconfiança.

As chances de descontinuidade são grandes neste momento. Uma mudança radical, com a venda do grupo, a saída da família dos negócios, a mudança do nome ou o conjunto destas medidas pode ser a solução possível.

Resenha: Imposters

Um dia Ezra Bloom descobre que sua esposa, a mulher dos seus sonhos, foi embora. Mas não somente isto: ela limpou as finanças da empresa da família e alertou que se Ezra tentasse segui-la, um segredo familiar seria revelado. Ao final do primeiro episódio, Ezra descobre que não está sozinho no reino dos trouxas: Richard aparece para dizer que também sofreu o mesmo golpe. Os dois decidem procurar a vigarista e descobrem Jules, uma artista que também foi enganada. O trio se junta para encontrar a impostora, que aplica estes golpes junto com Max e Sally, sob a supervisão de uma figura sinistra, chamada Doctor. Maddie, a vigarista, está em Seattle para mais um golpe num gerente de banco.

Este é o início da série Imposters. Não é nenhum Breaking Bad ou House of Cards, que permite grandes reflexões. Sua nota é um 7,8 no IMDB, o site com informações sobre filmes e televisão. Mas é aquele programa que tem uma surpresa a cada episódio, sem muita enrolação. Os personagens são simpáticos e a cultura dos golpistas mostra que a malandragem não é exclusividade brasileira. Cada episódio tem o padrão de 41 minutos. Não existe nenhum astro conhecido, a exceção de Uma Thurman (a noiva de Kill Bill e Mia de Pulp Fiction), que faz um papel relativamente pequeno.

No primeiro episódio, Max, um dos parceiros de Maddie, trabalha como contador na firma da família de Ezra Bloom. Em outros episódios existem casos de lavagem de dinheiro, uso de dinheiro público sem controle e outros assuntos pertinentes.

Vale a Pena? - Para quem deseja uma série para passar o tempo, sem muita pretensão, Imposters é uma boa recomendação.

Rir é o melhor remédio

Fonte: Aqui

19 abril 2017

Links

CVM divulga o estado atual dos processos relacionados com a Petrobras

Um site com buscador para os documentos da Lava-Jato: contabilidade tem 1700 resultados

Usar "brancos" em personagens "não brancos" é péssimo para Hollywood

O propósito da felicidade e sua origem

(E a evolução do verbete hapiness na Wikipedia)

Curso de Contabilidade Básica: Processos Judiciais para uma empresa

Há uns dias atrás, fizemos um texto que tratava sobre processos judiciais da empresa BrasilBrokers (ver aqui). Ali, informamos que um processo judicial contra uma empresa deve ser classificado de acordo com a expectativa de perda em: prováveis, possíveis ou remotas. Essa classificação do passivo é importante para o tratamento contábil das provisões. Encerramos o texto com uma pergunta questionando em que situações essa empresa poderia não reconhecer esse passivo em seu Balanço Patrimonial? A resposta é que, nos casos em que a possibilidade de perda é remota, a empresa não contabiliza um passivo em seu Balanço. Ela apenas reconhece o processo judicial em Notas Explicativas.

Vejamos o caso da Tim, empresa de comunicações. Observe o balanço, no passivo de longo prazo. Existe uma provisão para processos judiciais e administrativos, com valor de 478 milhões de reais, na coluna de 2016. Este valor é uma estimativa da empresa, baseada na opinião dos seus consultores jurídicos. É um valor superior ao existente no final de 2015, de 416 milhões. Isto significa que o risco de perdas nos processos que correm na justiça aumentou em 62 milhões (a primeira coluna refere-se ao exercício que terminou em 31/12/2016; a segunda coluna, aquele que terminou em 31/12/2015):


Trata-se de uma provisão, conforme discutimos no segundo volume do livro Curso de Contabilidade Básica. A nota explicativa 24 mostra esta mudança com detalhes:

Em razão do grande número de normas existentes no Brasil e da morosidade do judiciário em julgá-las, as empresas podem estar envolvidas numa grande quantidade de processos, na área cível, trabalhista ou tributária. E quando a empresa atua em certos setores, podem existir clientes com processos de valores elevados.

Observe que a empresa pagou 413 milhões de reais nestes processos, sendo que a maior parte eram processos cíveis, ou seja, ações movidas por consumidores, Procon, Ministério Público, ex-parceiros e outros.

O balanço da empresa apresenta outra conta que desperta interesse, agora no ativo da empresa: depósitos judiciais. Este é um item com valor expressivo: 1,1 bilhão de reais ou 3,1% do ativo da empresa. Uma pergunta interessante: como um depósito judicial pode ser um ativo?


Em muitos processos que a empresa responde, a justiça determina que a Tim reserve um dinheiro para o caso de perda. A empresa então deposita este dinheiro numa conta bancária, que fica retido até o término da questão. Como já dito, os processos judiciais no Brasil são numerosos e a justiça é lenta. Estes valores vão se acumulando nesta conta bancária. Se a empresa vencer o processo, o dinheiro é liberado e volta para a conta bancária normal da empresa; se perder, o dinheiro é usado para quitar a dívida do processo.

De certa forma, a Tim informa que tem reservados 1,1 bilhão de reais para os processos, mas acredita que deverá pagar menos da metade deste valor. Ou seja, deverá perder 43%. Observe que esta é uma estimativa grosseira, já que nem sempre há uma relação direta entre os Depósitos Judiciais (conta de Ativo) e a Provisão (conta de Passivo).

Escassez de contadores nos EUA

Companies adjusting to accounting-rule changes in the U.S. are running into a problem: There aren’t enough accountants to go around.

Health-products company Johnson & Johnson took six months last year to fill an open position for a junior-level accountant in its financial-compliance department, a delay that annoyed Stephen Rivera, a senior director.

“It’s very difficult to find qualified people,” he said. “The big accounting firms are taking them all.”


Amid accounting changes to the Generally Accepted Accounting Principles that govern U.S. financial reporting, companies are scrambling to find so-called technical accountants, regulatory experts who can understand the rules and ensure that management and staff comply.

Large companies can outsource the work to big accounting firms but would prefer to have their own expertise to maintain internal standards as regulators pay more attention to corporate-accounting practices, said Mr. Rivera.

“It’s a question of creating bench strength,” he said.

The unemployment rate for experienced accountants and auditors was 2.5% in 2016, compared with the overall rate of 4.4% for experienced workers, according to the Bureau of Labor Statistics. The jobless rate for accountants has come down steadily from 4.2% in 2011, the earliest year during which the BLS adopted new job classifications.

“Based on the unemployment rate, it’s going to be harder for everybody to fill a job,” said Paul McDonald, a senior executive director at staffing firm Robert Half International Inc.

Increasingly, the companies are competing for talent with major accounting and audit firms that had once served as a reliable pipeline for corporate finance back offices.

Some of the firms have changed their work culture in a bid to keep workers happy and keep them longer. When Len Combs started working at accounting and consulting firm PricewaterhouseCoopers LLP in 1992, long hours at the office were the norm, and work-life balance wasn’t a priority.

“The idea was, if you don’t like it, go do something else,” said Mr. Combs, now U.S. chief auditor for the firm. Accordingly, many young associates quit and took jobs in corporate-finance departments at public companies.

PwC has recently lowered its turnover rates, in part by allowing associates to work from home and permitting them more flexible hours. Employees also get perks at the office such as treadmill desks, and Ping-Pong and foosball tables.

Turnover in the company’s audit and compliance group for employees who had been there three to five years fell to 20% last year from 26% in 2014, according to a PwC report.

The shrinking pool of available accountants is putting pressure on companies as they begin to apply new Financial Accounting Standards Board rules. The changes affect the way firms book revenue and report the value of leases held on their balance sheets. The rules don’t take effect right away: Public companies must apply new revenue standards for fiscal years beginning after Dec. 15, and new lease rules begin in 2019. Still, corporations must assess and revise two years of past financial reports.


“There is a demand for technical expertise, absolutely,” said Robert Grecco, controller at luxury fashion brand Ralph Lauren Corp. “And that demand is only going to increase.”

Mr. Grecco has four technical accountants on his team. He is paying them annual salaries ranging from $150,000 to more than $250,000. The median salary for accountants and auditors in the U.S. was $67,190 a year, according to the of Labor Statistics.

Enrollment in accounting programs hit a record in 2014, surpassing 250,000 for the first time since at least the 1993-94 school year, according to a study by the American Institute of CPAs, a trade group.

Many accounting firms are plucking undergraduates soon after they complete their degrees, said Pat Hopkins, chair of the graduate accounting programs at Indiana University’s Kelley School of Business.

The school’s enrollment in undergraduate accounting programs rose more than 10% between 2012 and 2016, he said. That could partly be explained by aggressive efforts by schools and accounting firms to market accounting as a career.

The number of accounting graduates hired by accounting firms surged to a record 43,252 in 2014, the most recent year for which the AICPA has statistics. That represented a 7% jump from 2012, when the group conducted its prior study.

PwC has started outreach efforts to entice high-school students to enter accounting programs at college. This suggests the accountant shortage, while immediate, may not be a long-term problem. “The pipeline is full,” said Mark Koziel, executive vice president for firm services at the AICPA.


Fonte: aqui

Rir é o melhor remédio


Fonte: Aqui

18 abril 2017

Enquanto isso, no Instagram do Blog...

Uma publicação compartilhada por Blog Contabilidade Financeira (@contabilidadefinanceira) em

Ciência e gasto em pesquisa

No Futility Closet uma história interessante sobre a importância da pesquisa (transcrito abaixo com adaptações):

Em 1970, pouco depois do primeiro pouso na lua, o cientista Ernst Stuhlinger recebeu uma carta de uma missionária, Irmã Mary Jucunda, na Zâmbia, questionando como o governo poderia justificar gastar bilhões de dólares em exploração espacial enquanto existiam tantas crianças na Terra morrendo de fome. Ele respondeu com uma história:

Cerca de 400 anos atrás, existia um conde em uma pequena cidade na Alemanha. Ele era uma boa pessoa e deu uma grande parte de sua renda para os pobres em sua cidade. Isso foi muito apreciado, porque a pobreza era grande naquela época e havia epidemias que devastavam o país.

Um dia, o conde encontrou um homem estranho. Ele tinha um pequeno laboratório em sua casa e trabalhava duro durante o dia para que pudesse usar algumas horas da noite para trabalhar em seu laboratório. Ele montou as lentes em tubos e ele usou esse aparelho para olhar para objetos muito pequenos. O conde estava particularmente fascinado pelas criaturas minúsculas que podiam ser observadas com o aparelho e que ele nunca tinha visto antes. Ele convidou o homem a mudar seu laboratório para o castelo e devotar todo seu tempo no desenvolvimento e aperfeiçoamento do seu aparelho ótico.

Os habitantes da cidade, no entanto, ficaram zangados quando perceberam que o conde estava desperdiçando seu dinheiro, como eles pensavam, em algo sem propósito. "Estamos sofrendo a praga", disseram eles, "enquanto ele está pagando esse homem por um hobby inútil!" Mas o conde permaneceu firme. "Eu também apoiarei este homem e seu trabalho, porque eu sei que algum dia algo sairá dele!"

Na verdade, algo muito bom saiu deste trabalho, e também de trabalho semelhante feito por outros em outros lugares: o microscópio. É sabido que o microscópio tem contribuído mais do que qualquer outra invenção para o progresso da medicina e que a eliminação da peste e muitas outras doenças contagiosas na maior parte do mundo é em grande parte resultado dos estudos que o microscópio tornou possível.

O conde, ao destinar parte de seu dinheiro gasto para pesquisa, contribuiu muito mais para aliviar o sofrimento do ser humano do que ele poderia ter contribuído, dando tudo que tinha, para a sua comunidade cheia de pragas.

A história mostrou que o cientista estava correto. A exploração espacial possibilitou o desenvolvimento de inúmeros produtos e melhorias desfrutados por nós dos dias de hoje (figura).

Que Confusão: as demonstrações da Norte Brasil

A empresa Norte Brasil é uma sociedade de capital fechado, que explora a linha de transmissão de energia de Porto Velho a Araraquara. Hoje a empresa divulgou suas demonstrações contábeis, em particular a Demonstração do Resultado:

Observe que a DRE é de “31/12/2015” e “31/12/2014”. Como assim? Não existiu nenhum lucro em 2016 (e não 31/12/2016, como aparece nas demonstrações). Veja que a receita líquida foi de 340 milhões de reais e o lucro foi de 114 milhões. Reproduzo a seguir a DMPL para tentar esclarecer melhor:


Observe que o lucro líquido do exercício de 2015 foi de 114 milhões, exatamente o valor que aparece na DRE divulgada. E que em 2016 a empresa teve um lucro de 194 milhões de reais. Mas isto não está na DRE divulgada. A nota explicativa 19 a 22 mostram os valores detalhados da receita líquida, despesas, outras receitas operacionais e resultado financeiro. Reproduzo abaixo a nota 19, da receita líquida:



Observe que o valor da receita de 2016 (e não “31/12/2016” como aparece na divulgação) é de 461 milhões e que em 2015 o valor é de 340 milhões, sendo que o último valor apresentados na DRE, mas não o primeiro, já que a empresa não publicou a DRE de 2016.

Mais adiante o auditor diz que examinou as demonstrações “que compreendem o balanço patrimonial em 31/12/2016 e as respectivas demonstrações do resultado (...)”.

Podemos concluir então que a empresa fez um CTRL C e CTRL V da DRE do balanço anterior. Apenas isto.

Publons - um site para revisores de periódicos

Os periódicos científicos são responsáveis por publicar os estudos dos pesquisadores e o modo mais comum que os periódicos utilizam para garantir que o seu trabalho tem qualidade científica suficiente para ser publicado é fazer com que ele passe por uma double-blind review – que consiste em uma revisão às cegas em que nem o revisor sabe quem é o autor, como o autor não sabe quem é o revisor. Nessa perspectiva, os revisores, como colaboradores anônimos na evolução da ciência, não recebem todos os créditos que fazem jus.

Porém, um site resolveu mudar um pouco essa situação, colocando os revisores em posição de destaque: o Publons.

É um site que está na ativa desde 2011 e que serve como uma espécie de rede social onde os pesquisadores podem publicar quantas revisões fizeram, quais foram os artigos revisados e para quais journals. Assim, ficam públicos os dados de suas contribuições em formato de tabelas e gráficos, permitindo que a comunidade acadêmica veja sua participação como revisor.

O modo de atualizar seu perfil é bem simples: assim que receber um e-mail do editor da revista no qual ele agradece a revisão que você acabou de fazer, tudo que você precisa fazer é encaminhar esse e-mail para o reviews@publons.com que eles se encarregam do restante. Muito simples!

Portanto, se você é um revisor habitual, recomendamos que utilize essa excelente ferramenta. Acesse o www.publons.com e conheça mais sobre o site.

Victor Godeiro - publicado no blog GECAP

Contabilidade Financeira faz 11 anos e surge um novo blog: GECAP

Há 11 anos surgia um blog chamado Contabilidade Financeira. A origem estava num endereço pessoal. A atualização do conteúdo deste endereço levava muito tempo e nem sempre o formato era razoável para o leitor – afinal o endereço era feito por um amador.

Durante estes anos todos nós vimos nascer e, em alguns casos e infelizmente, morrer algumas tentativas de criação de blog na área. Confesso que em alguns momentos foi difícil manter atualizações, principalmente no período de 2014 a 2016, quando assumi um cargo na área administrativa da minha universidade que tomava muito tempo.

Mas, entre idas e vindas, o blog, que teve sua primeira postagem no dia 18 de abril de 2006, ainda está na ativa. Somente neste mês de abril foram 59 postagens, algumas de contabilidade, outras nem tanto.

De vez em quando recebemos contato de pessoas querendo criar um blog. O entusiasmo do nosso apoio é acompanhado de uma ressalva: dá trabalho. Sabe aquela postagem sobre a Aramco? Levou mais de uma hora e meia. E aquelas de história da contabilidade? Algumas levavam mais de três horas para serem feitas.

Para comemorar os 11 anos do blog estou reproduzindo, com autorização, um texto de um novo blog: GECAP ou Grupo de Estudos em Contabilidade e Administração Pública, criado por Victor Godeiro, Leandro Saraiva, Roberto Lima e Nyalle Matos. É muito bom ter mais esta companhia.

Rir é o melhor remédio


17 abril 2017

Sobre procrastinação e motivação...



Dica: mude a velocidade do vídeo nas configurações, assista mais rápido e poupe tempo.

Links

Canadá faz um acordo de livre comércio com ele mesmo

A relação entre Facebook e a saúde das pessoas

Museu das falhas inclui lasanha Colgate

Agenda do CEO e o desempenho da empresa (inclui dados com executivos brasileiros)

Efeito Uber esvazia estacionamentos, reduz serviços de valets e multas de trânsito por embriaguez

Aramco, governança e valor de mercado

A Saudi Aramco (ou Aramco) é uma empresa da Arábia Saudita, que explora o petróleo e derivados daquele país. A empresa possui a maior reserva de petróleo do mundo, sendo também a maior produtora. Isto faz da empresa a maior do setor de petróleo e derivados.

A empresa nasceu nos primórdios da exploração do petróleo na Arábia Saudita. Com a crise de 1973 e por conta do apoio do governo dos Estados Unidos a Israel, o governo daquele país começou a adquirir ações da empresa até que tomou o controle total em 1980, com 100% das ações.

Estima-se que a receita da empresa, em 2010, tenha sido de 311 bilhões de dólares ou 977 bilhões de reais na conversão atual (a receita da Petrobras é de 320 bilhões). Com 65 mil funcionários (a Petrobras possui 78 mil) e reservas de 260 bilhões de barris (ve1rsus 13 bilhões da empresa brasileira), produção de 12 milhões de barris por dia (versus 2,8 milhões), a empresa é um gigante no setor.

Quanto é o seu valor? A estimativa varia entre 1,25 trilhão a 10 trilhões de dólares, o que faz da empresa aquela de maior do mundo. Recentemente, o governo da Arábia Saudita anunciou a possibilidade de abrir o capital da empresa em 2018, vendendo 5% das ações. Aparentemente o governo daquele país pretende aumentar a participação do setor privado na economia, incluindo o mercado de capitais. Mas a bolsa da Arábia Saudita é pequena para comportar uma empresa avaliada em 2 trilhões de dólares por seus proprietários. Além disto, a participação dos investidores estrangeiros é reduzida naquele mercado (4%). Outro problema é a grande chance de existir preço diferenciado na privatização, onde os investidores locais receberiam um desconto.

Mas um ponto central é a questão da governança. Há dúvidas se os padrões sauditas de governança são adequados. Ao mesmo tempo, alguns mercados financeiros mundiais oferecem a possibilidade, para empresas internacionais, de abrir o capital sem cumprir padrões de governança local, o que seria um atrativo para a empresa saudita. Atualmente a empresa é supervisionada por um conselho de nove diretores, sendo três sem influência do governo.

Oferecendo 5% de uma empresa com valor de 2 trilhões de dólares, a oferta da Saudi Aramco seria a maior oferta pública de ações da história: 200 bilhões de dólareas. Mas um artigo de Gregory Brew questiona esta estimativa oficial. Este valor foi fruto da multiplicação do valor das reservas por US$ 8 por barril:

261 bilhões de barris x 8 = 2,1 trilhão.

(Por esta expressão, o valor da Petrobras seria 13 bilhões x 8 = 104 bilhões de dólares ou 327 bilhões de reais). Esta regra usada pelo governo para estimar o valor da empresa é falha. A Bloomberg (via aqui) usou o múltiplo para Rosneft (Rússia) e chegou a uma valor de 272 bilhões, versus 64 bilhões no valor de mercado. Até a ExxonMobil, uma empresa privada, seria supervalorizada com este múltiplo. E a Petrobras não vale 327 bilhões de reais.

Um estudo independente sugere um valor de 400 bilhões de dólares, que inclui no preço o fato da Saudi Aramco ser uma empresa estatal (e nós, brasileiros, sabemos como isto interfere no valor de uma empresa de petróleo). Além disto, como as demonstrações contábeis não são divulgadas, não se sabe a estrutura de custos da empresa. Não é possível saber sequer quanto são os impostos; as informações disponíveis informam que a empresa paga royalties sobre as receitas e imposto de 85% sobre o lucro. Este peso dos tributos possui impacto sobre o valor.

Rir é o melhor remédio


16 abril 2017

O que é mais gratificante em ser professor?

A pergunta acima apareceu no Quora, um endereço onde as pessoas fazem perguntas e outras podem responder. Até o momento que escrevo esta postagem somente Ben Zhao, um professor de computação, respondeu. Mas muito do que ele disse parece que tem a minha história (grifo meu e fiz pequenas mudanças no texto).

Há uma série de respostas para esta pergunta, e dependendo da sua personalidade, elas provavelmente produzirão níveis variáveis ​​de impacto. Em vez de tentar chegar a uma lista exaustiva, vou fazer o meu melhor para mencionar alguns dos melhores momentos que eu experimentei a partir da minha perspectiva pessoal.

1. Observando como um estudante de doutorado (quase) terminando seu curso receber essa oferta de trabalho cobiçado. Este é o culminar de anos de trabalho duro, pelo estudante, e em menor grau, pelo orientador. Estes são momentos em que você vê maneiras quantificáveis ​​que seus esforços literalmente alteraram e moldaram a vida de outro ser humano. Ao contrário dos pais e professores que muitas vezes precisam esperar anos para ver seus esforços chegarem a bom termo, um conselheiro de doutorado vê que o impacto direto de seus esforços dos últimos N anos, materializado imediatamente em um único momento.

2. Assistir um de seus alunos apresentar uma palestra fantástica numa conferência de primeira linha, na frente de uma sala cheia de participantes de todo o mundo.

3. Recebendo uma inesperada nota de agradecimento no correio (ou e-mail) de um ex-aluno, agradecendo pela disciplina que você ensinou a ele há 6 anos e detalhando como mudou a trajetória de sua vida e carreira. Apesar do nível de esforço significativo que a maioria dos professores colocam no ensino, tendemos a esquecer quantos alunos são afetados pelo que e como ensinamos. Essas notas ocasionais são grandes lembretes de quanto nossa aula importa.

4. Encontrar-se com um ex-aluno em uma conferência acadêmica, e ser apresentado aos seus atuais alunos se preparando para apresentar o seu trabalho.

Todos estes item têm o mesmo tema recorrente: o impacto sobre a vida dos alunos e ex-alunos. Há muitos outros componentes que fazem a vida acadêmica, como publicar, obter bolsa, receber prêmios e reconhecimento, ver nossa pesquisa impactar diretamente na indústria e nos usuários reais, etc. Mas pessoalmente acho que o papel do professor é mais satisfatório e é por isso que esses momentos são os mais gratificantes e memoráveis ​​para mim.

Estudos: como se lembrar mais

Há legendas em inglês e em espanhol.



Manifestantes querem ver o Imposto de Renda de Trump

Manifestantes em diversas cidades dos Estados Unidos exigem que o atual presidente do país divulgue seu imposto de renda. Desde a década de setenta este tem sido um ato comum - e voluntário - dos dirigentes. Os protestos coincidem com o prazo para entrega do imposto de renda naquele país.

Um boneco, representando um frango disfarçado de Trump foi usado, sugerindo que o presidente tem medo de tornar público seu imposto.

15 abril 2017

Reescrevendo a história

Em março de 2017, quando a divulgação do resultado da Petrobrás, publicamos uma observação sobre a tendência da empresa em reescrever a história:

Obviamente que a empresa atrai a atenção pelos problemas de corrupção dos últimos anos. É interessante que a área responsável pelas demonstrações contábeis usa o espaço para reescrever a história. Por seis vezes a palavra “vítima” aparece nas informações contábeis

Mais adiante afirmamos:

Há muitas controvérsias. É interessante notar que Graça Foster assumiu a empresa em fevereiro de 2012. Mas Nelson Cerveró permaneceu como diretor financeiro da BR até 2014. Precisa dizer mais alguma coisa?

Agora, com os depoimentos da Odebrecht, há uma acusação que o ex-presidente da Petrobras, Bendine, recebeu 3 milhões de reais enquanto presidente da Petrobras. Bem depois de 2012.

Fato da Semana: Toshiba

Fato: Toshiba divulga demonstrações sem o parecer do auditor

Data: 11 abril de 2017


Contextualização - A empresa Toshiba foi acusada de divulgar resultados com lucros superestimados no passado recente. Isto provocou uma mudança na sua gestão. A empresa que já tinha postergado a data de divulgação, resolveu apresentar seus números sem o parecer do auditor. O grande problema está num investimento na Westinghouse, uma empresa dos EUA que atua no setor nuclear, que está com dificuldades financeiras.

A empresa de auditoria, por desconfiar dos números, resolveu não assinar o parecer. Os prejuízos acumulados levantam a possibilidade da centenária empresa japonesa não ter condições de continuidade. Aparentemente a melhor chance é a venda de uma unidade de chips, que possui diversos interessados, inclusive a Apple.

Relevância
- A histórica empresa foi vítima das falhas nos controles internos e péssimas decisões dos gestores. No outro lado, a decisão da empresa de auditoria mostra que uma posição marcante, pode ter um grande peso.

A filial da Big Four decidiu não arriscar com um potencial problema jurídico.

Notícia boa para contabilidade? Sim. Assinar um balanço sem ter a certeza dos números é colocar em risco o nome da empresa de auditoria.

Desdobramentos - A Toshiba deve estar buscando apoio dos financiadores, ao mesmo tempo que tenta vender alguns ativos para melhorar sua posição. Mas o problema da Westinghouse parece ser de médio a longo prazo.

Mas a semana só teve isto?
Dois outros fatos importantes aconteceram na semana: a revelações da Odebrecht e a notícia de que algumas pessoas da KPMG dos EUA tinham informações sobre a inspeção do PCAOB.

Rir é o melhor remédio


14 abril 2017

Links

O fator de impacto na pesquisa contábil

NY Times faz um editorial sobre a PwC e sua reputação

... e um auditor da BDO fez espionagem para o FBI

E a KPMG está sendo investigada em Portugal por conta do BES Angola

... e a KPMG sabia das inspeções do PCAOB com antecedência?

Mas demitiu seis funcionários por esta razão (mais aqui)

Como hackers sequestraram um banco brasileiro

E a Toshiba pode vender sua unidade de chip

Para todos o garotos que já amei

Por algum motivo eu geralmente fotografo o livro quando aparece um contador ou uma referência à contabilidade...

Este trecho é do livro "Para Todos os Garotos que já Amei" da Jenny Han:




Alan Smith: Por que devemos amar as estatísticas



Você acha que é bom em adivinhar dados estatísticos? Mesmo nos considerando bons em matemática ou não, nossas habilidades de entender e trabalhar com os números são realmente limitadas, diz o especialista em visualização de dados, Alan Smith. Nesta agradável palestra, Smith explora a relação entre o que sabemos e o que achamos que sabemos.

Rir é o melhor remédio

13 abril 2017

Executivos são descalibrados nas suas previsões

Usando mais de dez mil previsões realizadas por executivos, três pesquisadores concluíram que estas pessoas são descalibradas nas suas estimativas. Segundo Ben-David, Graham e Harvey as pesquisas já tinham mostrado que as pessoas possuem excesso de confiança, superestimando a precisão das previsões e subestimando a variância. Gestores tomam decisões diariamente e a pesquisa procura determinar se as previsões são boas ou não.

Usando dados trimestrais por mais de dez anos sobre o comportamento do mercado acionário, os pesquisadores imaginaram que os gestores deveriam ter, pelo menos, um bom senso na estimativa do grau de risco, definindo intervalos de confiança razoáveis. Os pesquisadores pediram aos executivos uma estimativa dentro de um limite de confiança de 80%. A figura mostra o resultado:

A linha tracejada mostra o valor esperado ou 80% de acerto. A linha em vermelho o valor observado, cerca de 36%, bem abaixo da meta. As previsões estavam descalibradas. Mas a pesquisa trouxe um achado interessante: nos momentos de incerteza, quando geralmente o mercado é mais volátil, as respostas deveriam ter um intervalo de confiança maior, em razão da variância maior. Isto ocorreu durante a crise de 2008, quando o mercado apresentou uma elevada volatilidade. Mas nestes momentos parece que o nível de acerto piorou.

Outra conclusão interessante do estudo é que aparentemente os executivos com limites de confiança menor são de empresas com políticas mais agressivas. Isto pode indicar que a política da empresa contamina o executivo ou o contrário, o executivo contamina a empresa.

Curso de Contabilidade Básica: Quando o PL fica negativo

A equação contábil básica, que descrevemos no capítulo 1 do volume 1 do Curso de Contabilidade Básica, mostra: Ativo = Passivo + Patrimônio Líquido. Em algumas situações, porém, o Patrimônio Líquido pode ter um sinal negativo. Isto significa dizer que o passivo é superior ao ativo da empresa. Estas situações surgem quando, no passado, a entidade teve prejuízos que se acumularam no PL até serem superiores ao capital e reservas. A situação onde o Patrimônio Líquido é negativo também recebe a denominação de Passivo a Descoberto. Qual a razão deste nome? Provavelmente é que nestas situações as obrigações com fornecedores, empregados, financiadores, governo e outros não possuem um ativo superior para “garantir” uma eventual descontinuidade. Assim, o passivo não tem a cobertura de ativos.

Em geral, a situação de uma entidade com passivo a descoberto é ruim. Os bancos, os fornecedores e outras pessoas que mantém relação comercial com a entidade passam a olhar com desconfiança. A pergunta natural para esta situação é: será que haverá a continuidade da entidade?

Vejamos o balanço do Santos Futebol Clube, uma das mais tradicionais agremiações esportivas do Brasil:


O ativo do Santos era de 178 milhões no final de 2016. Somente o parcelamento de tributos somava 139 milhões, que com a provisão para demandas judiciais (40 milhões), contas a pagar de longo prazo (68 milhões), somavam 247 milhões, um valor bem superior ao ativo. Na verdade, considerando todos os passivos, o ativo é 227 milhões menor que o passivo. Um grande diferença para este clube.

Observe agora como a informação foi apresentada. Logo após o passivo não circulante aparece o Patrimônio Líquido e, entre parênteses, o termo “Passivo a Descoberto”. Isto indica que o patrimônio líquido do clube era negativo no final de 2016.

Apresentamos a seguir a Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido do clube:

Pela DMPL, podemos verificar que o Patrimônio Líquido é constituído apenas pelas contas: Patrimônio Social (equivalente ao Capital Social), Ajuste de Avaliação Patrimonial e Superávit (Déficit) do Exercício. Apesar do resultado positivo em 2016 – numa entidade sem fins lucrativos este resultado positivo é denominado de “superávit” - o Patrimônio continuava negativo. Melhorou em relação ao final de 2015, com a ajuda deste resultado de 54 milhões. Perceba que a empresa não possui Reservas de Lucros. Quando uma empresa apresenta sucessivos prejuízos, os saldos positivos das reservas irão compensar os negativos, até que as mesmas se anulem (tenham saldo zero). O próximo passo, havendo ainda prejuízo, é compensá-lo com a conta Capital Social. Perceba que é exatamente isso que está acontecendo na coluna de Patrimônio Social, que em 2014 apresentava um saldo negativo de 177 milhões, mas que com a incorporação do déficit, passou para -235 milhões, em 2015, e -313 milhões, em 2016.

Quer estudar mais sobre o assunto? Recomendamos ler sobre a DMPL, nos capítulo 1 e 2 do primeiro volume do Curso de Contabilidade Básica. E a leitura do capítulo 5 do segundo volume, onde tratamos do passivo a descoberto e das contas e mutações no Patrimônio Líquido (DMPL).

Rir é o melhor remédio

Quem teve a oportunidade de usar o Vista sabe o que é isto

12 abril 2017

Links

Relevância das narrativas nas economias

Paradoxo: Automóveis mais seguros possuem seguros mais elevados

O nascimento da obsolescência planejada

Auditores tem problema em dar notícias ruins

Parecer com ressalvas no Santos por conta da circularização

Na divulgação do balanço do Santos Futebol Clube o auditor deu um parecer com ressalva:


Apesar disto, o clube teve um superávit de 54 milhões (teve um déficit de 78 milhões em 2015), embora continue apresentando um passivo a descoberto. 

Toshiba

Na terça a centenária empresa japonesa Toshiba divulgou os resultados do terceiro trimestre sem o relatório do auditor. Segundo os números divulgados, as perdas com o negócio nuclear da Westinghouse Electric provocaram não somente um prejuízo como também afetaram seriamente o capital próprio da empresa.

O principal ponto, no entanto, foi a recusa dos auditores com respeito à contabilidade da Westinghouse. Esta empresa, que atua nos Estados Unidos, está em processo de falência. Os auditores não concordaram com a análise da Toshiba sobre os riscos futuros da Westinghouse, segundo informou a Bloomberg.

Segundo a empresa japonesa: "A Toshiba fez tudo o que estava ao seu alcance para obter a compreensão dos auditores", disse o presidente-executivo Satoshi Tsunakawa durante uma entrevista com jornalistas em Tóquio. "Sem perspectivas claras para a aprovação do auditor, não poderíamos mais incomodar e preocupar nossos investidores e outras partes interessadas e decidimos sobre esta forma muito incomum de liberar resultados".

A Bolsa de Valores do Japão está avaliando a situação, já que o patrimônio líquido negativo pode ter implicações na permanência na bolsa. Um potencial rebaixamento pode implicar na fuga de investidores, em especial daqueles que atrelam suas aplicações aos índices da bolsa. Para tentar se manter, a empresa colocou a unidade de chips à venda. Segundo lembrou a Bloomberg:

É uma humilhação dramática para uma empresa que remonta a 1875. A Toshiba e suas filiais desempenharam um papel central no desenvolvimento da economia do Japão , fazendo seus primeiros tubos de raios-X, máquinas de lavar elétricas e aspiradores de pó.

Depois da Segunda Guerra Mundial, a Toshiba se diversificou em eletrônica e computadores, crescendo para mais de 600 negócios.

Rir é o melhor remédio


11 abril 2017

Links

Breaking Bad foi uma grande série desde o piloto: uma lição sobre roteiro (vídeo)

Custo das olimpíadas foi de 44 bilhões de reais, metade com dinheiro público

Negada indenização por fotografia publicada no jornal

Mais notícias sobre a Toshiba: aqui, aqui e aqui

Os melhores fabricantes de laptops

Toshiba Apresenta Demonstrações sem Parecer

Em maio de 2015 a empresa Toshiba informou que estava investigando um escândalo contábil e que iria rever os lucros dos três anos anteriores. O CEO renunciou logo depois diante a notícia que o lucro tinha sido inflado em 1,2 bilhão de dólar nos últimos sete anos. O preço das ações caíram, reduzindo o valor da empresa em 8 bilhões.

Em fevereiro deste ano informações que a empresa teve perdas de 3,4 bilhões em razão, principalmente, da subsidiária Westinghouse na área nuclear. As demonstrações contábeis que deveriam ter sido anunciadas naquele mês sofreram atrasos e o Chairman, ex-chairman da Westinghouse, renunciou. Em março a subsidiária nuclear da Toshiba buscou proteção no famoso “chapter 11”.

Hoje a empresa apresentou seus resultados, sem o relatório do auditor. A PwC Aarat LLC afirmou que não pôde formar uma opinião sobre os números da empresa, segundo informou a agência Reuters. Isto é algo inédito para uma empresa japonesa. E coloca em cheque as autoridades reguladoras do país, que precisariam agir fortemente para manter a credibilidade. Isto pode incluir a exclusão da negociação dos títulos na Bolsa de Tóquio, o que por sua vez pode agravar a situação da empresa. Há fortes questionamentos sobre a contabilidade da Westinghouse, com estimativa de perdas de 9 bilhões de dólares. Há propostas de compra de unidades da empresa.

Rir é o melhor remédio

(A partir de uma propaganda)

10 abril 2017

Links

Transparência e efeito contra corrupção: um experimento

A quem interessa o fim do dinheiro?

Presidente da Raizen fez a entrevista com candidatos ao emprego (vídeo)

Flores de cerejeiras estão florindo cada vez mais cedo no Japão

Bankia

Em fevereiro fizemos uma postagem descrevendo o caso do Bankia, uma instituição financeira espanhola que virou símbolo de escândalo bancário. Agora o El Mundo informa que o presidente de uma associação de consumidores conseguiu arrancar 1 milhão de euros em troca de um apoio, que incluía a retirada de denúncias judiciais. O banco aceitou a proposta, segundo o jornal.

Austrália e IFRS

Após adotar as normas internacionais de contabilidade em 2005, a AASB fez uma pesquisa para verificar como foi o processo. As evidências colhidas são positivas, conforme o relatório. O processo mostrou-se suave e um dos benefícios é a possibilidade de harmonização entre setores e entre países. As entidades que operam em outros países tiveram redução de custos de preparação, mas as empresas de menor porte possuem preocupações com estes custos, em especial de divulgação.

A pesquisa pode ser um interessante roteiro a ser aplicado em outros países, como o Brasil.

Rir é o melhor remédio