Translate

02 março 2017

Resenha: Flash Boys, de Michael Lewis

No início do século XIX o barão de Rotschield construiu o melhor sistema de comunicação. Usando cavalos, a rede de comunicação de Rotschield era melhor que a do governo inglês. Quando Napoleão perdeu a batalha de Waterloo, a primeira pessoa que ficou sabendo da notícia em Londres foi Natan Rotschield. E os outros investidores sabiam que Natan conhecia o resultado da batalha. Caso a vitória fosse da Inglaterra, os anos seguintes seriam bons; se a França fosse a vitoriosa, o futuro seria dificil para a economia inglesa. Estes investidores esperaram para ver o que Natan faria. No início da manhã após receber a notícia, quando o mercado abriu, Natan começou vendendo as ações. Os outros investidores acreditaram que a Inglaterra tinha perdido a batalha e começaram também a vender suas ações. Mas Rotschield tinha parado de vender assim que percebeu que os outros investidores acreditaram na derrota inglesa. Depois que o mercado caiu o suficiente, Natan entrou comprando na baixa e ganhou muito dinheiro.

A história de Natan Rotschield, narrada no livro Information Economics, de Birchler e Bütler, mostra como ter acesso à informação antes dos outros é importante. Nos dias atuais, com os modernos meios de comunicação, uma notícia leva segundos para chegar a seus destinatário. Este tempo transcorrido entre o início do processo de comunicação e o seu término recebe a denominação de latência. No século XIX a latência poderia ser de dias. Nos dias atuais, medimos a latência por segundos. Na verdade, nos mercados financeiros, abaixo dos segundos.

Os operadores de alta frequência utilizam a latência a seu favor, contando com milissegundos de vantagem sobre os outros investidores. Esta latência pode ser resultante de uma linha de rede de comunicação mais eficiente, como Lewis descreve no início do livro, sobre a construção de uma rede ligando a sede de bolsa de Nova Iorque à bolsa de mercadorias de Chicago. Esta construção economizou milissegundos no tempo de transmissão de uma ordem de compra e venda entre as duas bolsas. Diversas empresas se interessaram por este canal de acesso mais eficiente e pagaram milhões de dólares pelo uso. Um pouco antes, as bolsas de valores dos Estados Unidos perceberam que poderiam ganhar dinheiro vendendo latência para alguns investidores. Passaram então a atrasar em alguns milissegundos o tempo de uma ordem de um investidor, enquanto os operadores de alta frequência aproveitavam da informação para especular e ganhar dinheiro. Este atraso proposital é uma prática típica do mercado e permitiu que os bancos de investimentos, os operadores de alta frequência e as bolsas de valores lucrassem a custa do investidor comum.

O livro de Lewis mostra este processo e a criação de um bolsa de valores, a IEX, onde não seria incentivado aproveitar a latência. Escrito em 2014, Lewis denuncia a injustiça do mercado acionário, que tira dos tolos para dar para os espertos. Ganhar milissegundos nas transações é uma das formas de transferir a riqueza entre investidores; criar regras complicadas é outra, o que inclui formas de investimento que um investidor comum não saberia traduzir e perceber que está perdendo dinheiro.

Vale a pena? Desde que foi lançado, Flash Boys causou polêmicas, por atacar fortemente os operadores de alta frequência, assim como as bolsas de valores e alguns bancos de investimento. Lewis, o mesmo autor de Moneyball e The Big Short, escolhe apoiar os criadores da IEX, uma pequena bolsa de valores. Mesmo com esta tomada de posição, o livro é muito interessante para um investidor comum e para alguém que se interessa por finanças. Escrito numa linguagem simples e contando casos interessantes, o livro é de leitura agradável, embora um pouco repetitivo no seu final.

Nenhum comentário :

Postar um comentário