Translate

22 março 2017

O prefeito e o cidadão: quem devemos aplaudir?

Postagem escrita para o blog por Victor Godeiro, Mestre em Ciências Contábeis

Vamos imaginar duas situações distintas: (a) um cidadão doa R$ 216.000 durante o ano de 2017 para instituições de caridade; e (b) um prefeito consegue melhor aplicar 0,0005% da receita arrecadada em um ano com uma ação específica.

Ambos os casos são vivenciados simultaneamente pelo cidadão paulista. O prefeito recém-empossado do município mais rico do Brasil, João Doria Júnior (PSDB), prometeu doar o salário (R$ 18.000) para uma instituição de caridade por todo seu mandato. E a maioria dos cidadãos achou a atitude louvável.

Agora vamos detalhar as duas situações, separadamente, do ponto de vista de repercussão social.

O fato de qualquer cidadão doar qualquer quantia para uma instituição de caridade é um ato digno, ainda mais em se tratando de R$ 216.000/ano, um dinheiro que com certeza ajudará diversas pessoas necessitadas. Esse ato provavelmente receberá atenção e será divulgado e a sociedade o aplaudirá – e nada mais correto. Enfim, o que podemos argumentar? O dinheiro é dele.

Um gestor que aplica de forma mais eficiente 0,0005% da sua receita arrecadada – sim, São Paulo arrecadou em 2016 quase R$ 44 bilhões, e é isso que o salário anual do prefeito representa - será ovacionado ou receberá grande cobertura midiática? Com certeza não. Primeiro, a melhor aplicação de qualquer quantia na administração pública é obrigação do gestor, é primar pelos princípios constitucionais, inclusive. Segundo, uma quantia tão pequena não é relevante aos cofres públicos de São Paulo. Pois bem, essa é uma prática elogiável? Uma prática que mudará a cidade para melhor?

O Prefeito responsável pela 10ª cidade mais rica do mundo tem assuntos mais urgentes e relevantes para tratar e algo tão insignificante não deveria sequer ser noticiado, muito menos aplaudido como uma grande ação pelos paulistanos e brasileiros.

João Doria ainda deve provar seu valor como prefeito e tem muito tempo para o fazer, porém, esse ato não pesará na balança que mede sua boa ou má gestão dos recursos públicos e, lembrem-se, “a caridade deve ser anônima, do contrário é vaidade”.

Nenhum comentário :

Postar um comentário