Translate

27 fevereiro 2017

Desempenho das empresas em 2016


Mais de uma centena de empresas de capital aberto já evidenciaram suas demonstrações contábeis. Isto corresponde a quase um sexto do total, mas já é possível ter uma visão dos efeitos da crise política e econômica nos resultados.

Usando estas informações, fizemos uma medida bem simples de desempenho das empresas. Comparamos o valor de um exercício com o anterior para verificar se foi maior ou não. Usamos o ativo total, patrimônio líquido, receita e lucro líquido. Esta forma de medir desempenho talvez não seja sofisticada, mas indica se na maioria das empresas ocorreu um aumento ou redução nos valores dos quatro itens das demonstrações contábeis. Outro aspecto é que cada empresa tem o mesmo peso. Assim, se um Banco do Brasil teve um aumento no lucro, o peso será o mesmo de uma entidade de menor porte. Finalmente, usamos quatro medidas razoavelmente comuns entre as empresas, independente do setor, e que geralmente não são manipuladas.

Existem vantagens e desvantagens nesta escolha, mas acreditamos que a medida reflita razoavelmente bem o que foi o ano de 2016 para as empresas. Não entram as empresas que não divulgaram as informações em algum dos anos ou tiveram zero em algumas das medidas. A medida que obtivemos na sexta incluía 103 empresas. Quando comparamos o ativo destas empresas em 31 de dezembro de 2016 com 31 de dezembro de 2015 verificamos que 60 empresas apresentaram crescimento no total do ativo, o que representa 58% do total. Ou 42% das empresas reduziram seu ativo. No ano anterior, o percentual de crescimento de ativo foi de 84% e em 2014, em relação a 2013, foi 73%.

O ano de 2016 mostrou, até agora, uma melhoria no capital próprio. Quase dois terços ou 64% das empresas aumentaram o patrimônio líquido, bem melhor que 58% do ano anterior, mas inferior aso 67%. Já a receita piorou nos últimos anos; enquanto 73% das empresas aumentaram suas receitas em 2014, este percentual diminuiu para 67% em 2015 e 53% em 2015. O resultado líquido melhorou: em 2015, somente 41% tiveram lucro líquido; no ano passado 56% tiveram lucro.

Assim, parece que a redução na receita foi acompanhada por um enxugamento dos ativos e melhoria na participação do capital próprio e no resultado líquido.

Nenhum comentário :

Postar um comentário